O Educador Social Crianças com Necessidades Educativas Especiais (Deficiência Mental)
<ul><li>A Associação de Pais e Amigos dos Diminuídos Mentais  de Penafiel (APADIMP), foi criada com o intuito de responder...
<ul><li>São objectivos desta instituição: </li></ul><ul><ul><li>Promover a integração na sociedade, respeitando: </li></ul...
<ul><li>Valências da instituição: </li></ul><ul><ul><li>Intervenção precoce (0 aos 6 anos); </li></ul></ul><ul><ul><li>Áre...
 
<ul><li>Objectivos da área sócio educativa: </li></ul><ul><li>Nível I </li></ul><ul><ul><li>Implementar hábitos de higiene...
<ul><li>O que a levou a optar pelo curso de Educação Social?  </li></ul><ul><li>Pelo facto do Educador Social poder trabal...
<ul><li>Como decorre a articulação do trabalho? </li></ul><ul><li>Eu diria que há uma boa articulação entre todos os eleme...
<ul><li>Ouvem as suas propostas, respeitam-nas e tem voto no que diz respeito ao futuro da instituição? </li></ul><ul><li>...
<ul><li>Que conselhos dá a um aluno do primeiro ano do curso de educação Social? </li></ul><ul><li>Embora seja um lugar co...
Projecto  “ ACREDITAR ” Projecto implementado pela Dr.ª Cátia Ribeiro ( Educadora Social )
<ul><li>Principais objectivos :   </li></ul><ul><li>Aquisição de competências mínimas </li></ul><ul><ul><li>comportamentos...
Conclusão <ul><li>Visto o educador social ser um agente de mudança e por isso contribuir para o desenvolvimento pessoal do...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresenta[1]..

569 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
569
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
253
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresenta[1]..

  1. 1. O Educador Social Crianças com Necessidades Educativas Especiais (Deficiência Mental)
  2. 2. <ul><li>A Associação de Pais e Amigos dos Diminuídos Mentais de Penafiel (APADIMP), foi criada com o intuito de responder às necessidades dos familiares e cuidadores destas crianças; </li></ul><ul><li>Tem para oferecer apoio educativo especializado, não existente nas escolas regulares; </li></ul><ul><li>Os serviços prestados abrangem as faixas etárias dos 0 (intervenção precoce) até à idade adulta (formação profissional e residência). </li></ul>A Instituição
  3. 3. <ul><li>São objectivos desta instituição: </li></ul><ul><ul><li>Promover a integração na sociedade, respeitando: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Os princípios de normalização; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Personalização; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Individualização; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Bem-estar. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Promover o equilíbrio das famílias; </li></ul></ul><ul><ul><li>Sensibilizar e co-responsabilizar a sociedade e o Estado; </li></ul></ul>
  4. 4. <ul><li>Valências da instituição: </li></ul><ul><ul><li>Intervenção precoce (0 aos 6 anos); </li></ul></ul><ul><ul><li>Área socioeducativo (6 aos 18 anos); </li></ul></ul><ul><ul><li>Centro de Actividades Ocupacionais (a partir dos 16 anos); </li></ul></ul><ul><ul><li>Formação Profissional (após os 18 anos); </li></ul></ul><ul><ul><li>Residência (capacidade para 20 utentes). </li></ul></ul>
  5. 6. <ul><li>Objectivos da área sócio educativa: </li></ul><ul><li>Nível I </li></ul><ul><ul><li>Implementar hábitos de higiene (oral). </li></ul></ul><ul><ul><li>Facultar actividades lúdicas </li></ul></ul><ul><li>Nível II </li></ul><ul><ul><li>Aumentar as competências do aluno/utente; </li></ul></ul><ul><ul><li>Implementar hábitos de higiene (oral). </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolver e incentivar o relacionamento interpessoal e a socialização; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumentar a autonomia pessoal; </li></ul></ul><ul><ul><li>Incrementar e incitar a autonomia pessoal e social; </li></ul></ul><ul><ul><li>Facultar actividades lúdicas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Abordagem de temas ligados ao funcionamento do corpo humano, como a educação sexual, a higiene, as partes do corpo, tabaco e drogas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Execução de actividades de vida diária em contexto real. </li></ul></ul><ul><ul><li>Celebração de datas festivas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumentar o conhecimento dos alunos/utentes acerca das tradições da região onde vivem e dos costumes regionais. </li></ul></ul>
  6. 7. <ul><li>O que a levou a optar pelo curso de Educação Social? </li></ul><ul><li>Pelo facto do Educador Social poder trabalhar com várias faixas etárias e em diferentes contextos sociais, culturais, educativos e económicos, uma vez que esta polivalência interventiva favorece a nossa profissão ao nível da empregabilidade. </li></ul><ul><li>Sentiu dificuldades de integração no mercado de trabalho? </li></ul><ul><li>Felizmente não. Desde que acabei o curso de Educação Social, estive apenas três meses sem trabalho. </li></ul><ul><li>No seu entender as funções que desempenha enquadram-se dentro do perfil do Educador Social? </li></ul><ul><li>Sim. Aquilo que faço tem tudo a ver com o perfil do Educador Social. </li></ul><ul><li>A equipa em que está inserida é multidisciplinar? </li></ul><ul><li>Sim. A equipa é constituída por elementos de várias áreas de especialização. </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Como decorre a articulação do trabalho? </li></ul><ul><li>Eu diria que há uma boa articulação entre todos os elementos da equipa. Sempre que é necessário, falamos todos sobre determinado problema que possa surgir. O facto de trabalharmos todos dentro da mesma instituição é muito benéfico neste aspecto. E embora pontualmente possamos falar individualmente com um ou outro elemento da equipa para a resolução de uma situação pontual, o assunto é sempre debatido nas reuniões mensais. </li></ul><ul><li>Como decorre a articulação do trabalho? </li></ul><ul><li>Eu diria que há uma boa articulação entre todos os elementos da equipa. Sempre que é necessário, falamos todos sobre determinado problema que possa surgir. O facto de trabalharmos todos dentro da mesma instituição é muito benéfico neste aspecto. E embora pontualmente possamos falar individualmente com um ou outro elemento da equipa para a resolução de uma situação pontual, o assunto é sempre debatido nas reuniões mensais. </li></ul><ul><li>Quais as dificuldades sentidas no desempenho das suas funções, quer a nível institucional, quer com a população? </li></ul><ul><li>Dificuldades existem sempre. Perante as situações problemáticas que se me colocam, o que faço é abordá-los para perceber a sua verdadeira dimensão e depois ultrapassar as dificuldades adequando a minha actuação para uma resolução eficaz. E isto tanto ao nível da instituição como na população com quem trabalho. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Ouvem as suas propostas, respeitam-nas e tem voto no que diz respeito ao futuro da instituição? </li></ul><ul><li>Sim. Todos os elementos da equipa têm o direito de se expressar e o dever de respeitar a opinião do outro. Só com uma postura desta natureza nos entendemos, qualquer que seja a instituição. </li></ul><ul><li>Sente-se valorizada? </li></ul><ul><li>Sim, sinto. Procuro assumir uma postura profissional e dedicada em tudo aquilo que faço e o reconhecimento da população acaba por surgir de forma natural. </li></ul><ul><li>Sente-se realizada no desempenho das suas funções? </li></ul><ul><li>Em absoluto. Mas penso também que posso dar ainda muito mais do meu trabalho como Educadora Social. Julgo é que terei de ter mais tempo disponível para me dedicar a áreas específicas de actividade, pois a polivalência levada ao exagero pode retirar-me algum espaço de manobra e gerar alguma confusão na cabeça dos outros quanto à verdadeira essência do meu papel como Educadora Social. Tomando consciência desse facto, no início deste ano elaborei um plano das actividades a realizar na área sócio-educativa da instituição, onde tive a oportunidade de definir os objectivos gerais a atingir ao longo do ano. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Que conselhos dá a um aluno do primeiro ano do curso de educação Social? </li></ul><ul><li>Embora seja um lugar comum afirmar dizer que só com a prática é que aprendemos a dar as respostas às situações do dia a dia, eu entendo que uma construção teórica substantivamente rica, é fundamental para consolidarmos as situações reais. A conciliação destas duas vertentes é fundamental para o desempenho de um Educador Social. </li></ul>
  10. 11. Projecto “ ACREDITAR ” Projecto implementado pela Dr.ª Cátia Ribeiro ( Educadora Social )
  11. 12. <ul><li>Principais objectivos : </li></ul><ul><li>Aquisição de competências mínimas </li></ul><ul><ul><li>comportamentos, </li></ul></ul><ul><ul><li>novas atitudes, </li></ul></ul><ul><ul><li>saber estar, etc., </li></ul></ul><ul><li>Desenvolver a auto - estima </li></ul><ul><li>Criar uma rede de relações positivas com os grupos de pares, adultos e familiares. </li></ul><ul><li>Finalidades: </li></ul><ul><li>contribuir, para a prevenção, ou seja, facultar aos jovens experiências de vida afim de evitar comportamentos de risco (marginais, violentos, etc.). </li></ul><ul><li>Estratégias: </li></ul><ul><li>Neste projecto estão inseridas danças variadas, teatros, actividades da vida diária, entre outras actividades relevantes para o projecto. </li></ul><ul><li>Nota: este tipo de trabalho implica processos muito demorados e percursos lentos com avanços e recuos </li></ul>
  12. 13. Conclusão <ul><li>Visto o educador social ser um agente de mudança e por isso contribuir para o desenvolvimento pessoal dos indivíduos e a sua integração na sociedade, verificamos que o trabalho desenvolvido pela Dr.ª Cátia vai ao encontro dos pressupostos por nós abordados nesta disciplina, no que diz respeito ao perfil e as competências de um educador social. </li></ul>

×