Antropologia da Imagem<br />A matança do porco<br />Educação e Comunicação Multimédia <br />Pós-Laboral<br />Discente: Joã...
Escola superior de educação de santarém
Escola superior de educação de santarém
Escola superior de educação de santarém
Escola superior de educação de santarém
Escola superior de educação de santarém
Escola superior de educação de santarém
Escola superior de educação de santarém
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Escola superior de educação de santarém

537 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
537
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Escola superior de educação de santarém

  1. 1. Antropologia da Imagem<br />A matança do porco<br />Educação e Comunicação Multimédia <br />Pós-Laboral<br />Discente: João Maia e Carmo<br />Docente: Tânia Prates<br />2º Semestre <br />2009/2010<br />Indice<br /> <br />Introdução<br />O exercício proposto tem como objectivo a análise de duas imagem. Apesar de serem de épocas diferentes, o propósito é o mesmo, a matança do porco. O olhar refletido sobre a simbologia do acto da matança remete-nos para um ambiente de gestos, sons e cheiros típicos de um mundo rural, hoje quase desaparecido.<br />1104904146551.1- A matança do porco em 1961<br />Em 1961 a matança do porco era uma tradição e um procedimento familiar. Efectuava-se uma vez por ano e tinha como objectivo proporcionar alimento ás famílias.<br />Esta fotografia de família a preto e branco simboliza um dos procedimentos da matança do porco que é chamado de “sangramento”. <br />A imagem é um retrato fiel da vida do campo daquela época, em que a matança do porco era um componente importante para uma alimentação melhor. Normalmente eram os familiares que realizavam a matança. Foi tirada por um amador ou familiar.<br />Nesta imagem não houve preparação prévia, e analisando a cara dos homens partimos do pressuposto que o porco já se encontrava morto, pois estão já descontraídos e não a fazer força para segurá-lo.<br />Pelas roupas dos intervenientes posso afirmar que este acto foi realizado no Inverno. Os homens têm roupas simples, ligadas à agricultura, usando boina ou boina à Inglesa. Um dos homens tem um chapéu, representa uma pessoa mais abastada. As mulheres usam saias cumpridas e um avental branco como sinal de limpeza.<br />A mulher mais jovem mexe o sangue com uma colher de pau para não coalhar, dentro de um alguidar de barro.<br />O porco está deitado em cima de “trapeça de madeira” quem tem quatro pernas.<br />O poço caiado de branco com as roldanas e o balde de ferro, ao lado existe um pau que tem por nome “latada”, é uma armação em madeira para as cepas se enrolarem a medida que vão crescendo.<br />O “cabanão” junto á casa servia para os familiares e amigos da matança desmancharem o porco, prepararem as carnes e efectuarem algumas refeições. O balde de ferro junto à “trapeça”, podia conter água quente, pois muitas pessoas juntavam ao sangue para não coalhar.<br />247655480051.2 – A matança do porco em 2010<br />Na manhã de 24 de Abril de 2010, às 8:00h,foi morto um porco na casa da família Parreira<br />O senhor de chapéu verde o chamado “matador“ espetou a longa faca nas goelas do porco atingindo-lhe o coração. <br />Os cinco homens seguram o porco, cada um com uma função específica. Um aperta o focinho do porco com um cordel fino para este não respirar, enrolando-a na referida “cabeçalha”. Outro, segura o pescoço do porco de modo que o sangue escorra para um “alguidar “vermelho colocado por debaixo da “trepaça”. Outros seguram as patas e o rabo para o animal não se mexer, este esforço é bem visível no rosto dos homens. O homem de camisa azul observa os outros, e está atento a alguma ocorrência, pois alguns porcos na ânsia da morte e num rasgo de energia conseguem fugir. <br />O olho do porco ainda está aberto, significa que está vivo e com uma das patas ensaguentadas oscila em espasmos violentos na sua luta derradeira contra a morte, enquanto o sangue jorra.<br />A mulher tem a cara cheia de sangue, provavelmente quando o “matador” espetou a faca no porco este oscilou e o sangue esguichou. A mulher mexe o sangue com uma colher de pau para não coalhar.<br />Pela ruralidade da imagem podemos dizer que foi tirada no quintal da família Parreira. Á direita da imagem a capoeira das galinhas, e em frente o “rodeio dos porcos”, pintados de branco contendo algum musgo devido à humidade existente. Por fim carrinho de mãos em ferro encontra-se junto ao porco, para no fim de morto ser transportado e musgado.<br />Conclusão<br />Educar o olhar é muito mais do que um simples gesto de análise de uma imagem. Educar o olhar é ensinar a mente a ver para além do comum. <br />As imagens são ricas de propósitos, apesar de estáticas, emanam sentimentos únicos.<br />A matança do porco é também um ritual familiar, neste caso tratando-se de imagens recolhidas no Baixo Ribatejo tem particularidades próprias que tornam este acontecimento distinto de modo como é praticado em outras Regiões do País.<br />animal como que pressente o seu fim. É um fim em que quase tudo tem uma finalidade, um propósito, em que quase tudo é aproveitado... O matador espeta a longa faca nas goelas do bicho, atingindo-lhe o coração, de modo que o sangue escorra para um alguidar colocado por debaixo do estrado. Sangue este que será para o sarrabulho e para as chouriças-de-sangue.<br />

×