ASTOLFO DE GOES SILVAUMA COMPARAÇÃO SOBRE A AUTOPERCEPÇÃOCORPORAL DE IDOSAS PRATICANTES DE EXERCÍCIOFÍSICO E SEDENTÁRIAS D...
INTRODUÇÃOIdoso - 60 anos ou mais nos países em desenvolvimento;65 anos ou mais nos desenvolvidos (OMS, 2003).Aumento da p...
Karsch (2005) ressalta a má postura do estado brasileiro emrelação ao aumento da população idosa.JUSTIFICATIVATendo em vis...
OBJETIVOSGeral:Comparar a autopercepção corporal de dois grupos deidosas, um praticante de exercício físico e outro grupo ...
ENVELHECIMENTOO processo de envelhecimento se dá, principalmente a partirdos 30 anos de idade (IBGE, 2004).É um acontecime...
Envelhecimento biológico: Mudança nas dimensões corporais (Fiaratone-Singh apud Matsudo, 2002); Aparecimento da sarcopen...
EXERCÍCIO FÍSICOVale destacar a diferença entre atividade física e exercíciofísico, sendo o primeiro qualquer movimento co...
SedentarismoO sedentarismo é considerado um estilo de vida (Mazo, 2001apud Seidel & Becker Jr. 2008).Auto - imagemMoura (2...
O envelhecimento na sociedade atual está carregado deestereótipos associados apenas nos declínios físicos. A auto-imagem c...
METODOLOGIATrata-se de uma pesquisa do tipo descritiva, comparativa, denatureza qualitativa e quantitativa (Gil, 2002).Par...
Critérios de inclusão: Ser capaz de realizar suas atividades de vida diáriaindependentemente; Não possuir nenhuma defici...
Instrumentos:Índice de Barthel - A pontuação da escala varia de 0 a 100(Mahoney & Barthel, 1965, apud Araujo et. al. 2007 ...
RESULTADOSTABELA 1: Número de participantes e Média de idades do Grupo Sedentário (GS) e doGrupo Praticante de Exercício F...
TABELA 2: Resultados obtidos pelo GS e GP através do índice de Barthel, seguido daclassificação de acordo com a pontuação....
Através da somatória da pontuação do índice de Barthel todasas idosas foram classificadas com independentes, com exceção d...
GRÁFICO 1 : Porcentagem de outros tipos de exercícios físicos praticados pelo GPConforme o gráfico, 44 % das idosas que co...
TABELA 3: Média de respostas das 34 questões que compõem o Body ShapeQuestionnaire BSQ, do Grupo Sedentário (GS) e Grupo P...
Questões – BSQMédia - GSMédia - GPTeste de Wilconxon (*significativo, ≤ 0,05)Z | P18 1,57±1,39 1,64±1,49 0,18 0,8619 1,42±...
De acordo com o teste de Wilcoxon, apenas 3 das 34questões apresentaram diferença estatisticamente significativas,elas for...
Os três questionamentos estão enquadrados segundo Pietro eSilveira (2008) como “autopercepção do corpo”, que esta diretame...
De acordo com Menezes, Lopes e Azevedo (2009), o idoso temuma nítida percepção do envelhecimento do seu corpo e suaslimita...
Anzai (2000) ressalta a ação apelativa da mídia sobre o culto aobelo, afirmando que a mídia impõe uma hierarquia de valore...
TABELA 5: Comparação entre o GS e GP da pontuação total e médias obtidas atravésdo Body Shape Questionnaire - BSQLEGENDA:N...
Em relação ao resultado final, houve uma diferença de 3,21, o quenão é significante segundo à análise estatística.Como evi...
Franzoi e Koehler apud Damasceno et. al. (2006), em suapesquisa com idosas, constatou que elas apresentavam menorinsatisfa...
Outro ponto a ser discutido é a relação da auto-imagem corporal eda auto-estima, pois de acordo com Chaim, Izzo e Sera (20...
E ainda confirmam que apesar das confirmações científicasapontarem que a prática de exercício físico reduz a insatisfação ...
CONCLUSÃOVerificou-se que os grupos não apresentaram resultadosestatisticamente diferentes, apesar de que na soma dos resu...
REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS• ANZAI, K. O corpo enquanto objeto de consumo. Revista brasileira de ciências doesporte. Vol. 2...
• MATSUO, et. al. Imagem corporal de idosas e atividade física. Revista Mackenzie de EducaçãoFísica e Esporte. Vol.6 pág.3...
• ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Idosos são 10% da população mundial, 2006.Arquivo de notícias. Disponível em http://www.o...
• CHURRAS!!!• OPEN BAR!• SEXTA, 12H• RES. SANTORINI• FORMANDOS 2006/1• R$ 20,00FESTAAAAAA!!!!
Astolfo de goes silva
Astolfo de goes silva
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Astolfo de goes silva

224 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
224
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Astolfo de goes silva

  1. 1. ASTOLFO DE GOES SILVAUMA COMPARAÇÃO SOBRE A AUTOPERCEPÇÃOCORPORAL DE IDOSAS PRATICANTES DE EXERCÍCIOFÍSICO E SEDENTÁRIAS DE UMA INSTITUIÇÃOPRIVADA DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ-MTTrabalho de Conclusão de Cursoapresentado à Faculdade de EducaçãoFísica - UFMT, como requisito parcial paraobtenção do grau de Licenciado emEducação Física.Orientador: Prof. Ms. Koiti AnzaiCUIABÁ – MT2008
  2. 2. INTRODUÇÃOIdoso - 60 anos ou mais nos países em desenvolvimento;65 anos ou mais nos desenvolvidos (OMS, 2003).Aumento da população idosa: Estimativa Mundial2006: 10%2050: 20%Estimativa Nacional2006: 7%2025: 14%Totalizando 33 milhões de idosos (ONU, 2006).
  3. 3. Karsch (2005) ressalta a má postura do estado brasileiro emrelação ao aumento da população idosa.JUSTIFICATIVATendo em vista o constante aumento da população idosa noBrasil, e o não acompanhamento da saúde pública e de programasespecíficos para atendimentos para essa população, se fazemnecessárias pesquisas especificas nessa área, para que se possaincentivar a melhoraria de seus hábitos de vida e conseqüentementeelevar sua qualidade de vida.
  4. 4. OBJETIVOSGeral:Comparar a autopercepção corporal de dois grupos deidosas, um praticante de exercício físico e outro grupo desedentárias.Específico:Avaliar o grau dependência física de ambos os grupos.
  5. 5. ENVELHECIMENTOO processo de envelhecimento se dá, principalmente a partirdos 30 anos de idade (IBGE, 2004).É um acontecimento complexo, que envolve muitas variáveis(genética, estilo de vida, doenças crônicas não transmissíveis). Modificações progressivas; Adaptação ao meio ambiente; Quebra da homeostase; Vulnerabilidade para patologias.(Oliveira e Furtado, 1999)
  6. 6. Envelhecimento biológico: Mudança nas dimensões corporais (Fiaratone-Singh apud Matsudo, 2002); Aparecimento da sarcopenia, perda de 10% a 16% de massamagra (Baumgartner et. al.,1998); Diminuição da aptidão cardiorrespiratória (Leite, 2000 apud Miranda &Rabelo, 2006). .Envelhecimento psicossocial:Com o avançar da idade ocorre um declínio das funçõespsicossociais que envolvem alterações comportamentais, bemcomo a diminuição funcional de vários domínios do comportamentopsicológico, comprometendo a saúde e o bem-estar emocional esocial. (Nakagava e Rabelo, 2007)
  7. 7. EXERCÍCIO FÍSICOVale destacar a diferença entre atividade física e exercíciofísico, sendo o primeiro qualquer movimento corporal, produzidopelos músculos esqueléticos, que resulta em gasto energéticomaior do que os níveis de repouso. Já o exercício físico é todaatividade física planejada, estruturada e repetitiva que tem comoobjetivo final aumentar ou manter a saúde (Caspersen, Powell &Christenson, 1985).Tanto a atividade quanto o exercício podem propiciarbenefícios agudos e crônicos, fisiológicos e ou psicológicos(Fountoulakis, 2003 apud Moraes et. al. 2007).
  8. 8. SedentarismoO sedentarismo é considerado um estilo de vida (Mazo, 2001apud Seidel & Becker Jr. 2008).Auto - imagemMoura (2009) distingue com clareza a auto-imagem daimagem visual do corpo, quando cita um exemplo de que quandoolhamos no espelho vemos o nosso reflexo, a nossa aparênciacorporal, como as pessoas nos vêem isso é imagem visual docorpo, e quando fechamos nossos olhos tentando visualizar anossa aparência, geralmente não ver o que as pessoas vêem isso éuma representação mental que varia de acordo com o quesentimos.
  9. 9. O envelhecimento na sociedade atual está carregado deestereótipos associados apenas nos declínios físicos. A auto-imagem corporal durante a velhice pode sofrer então distorçõesdevido à visão negativa em relação à velhice, baseada na falsaidéia de que envelhecer gera sempre incompetência (Néri, 2001apud Matsuo, 2007).Imaginar que a distorção da auto-imagem é normal em todosos idosos seria outra visão preconceituosa do envelhecimento,esses problemas podem ocorrer em qualquer fase da vida, porémidosos são mais vulneráveis. (Matsuo, 2007)
  10. 10. METODOLOGIATrata-se de uma pesquisa do tipo descritiva, comparativa, denatureza qualitativa e quantitativa (Gil, 2002).Participantes: 28 idosas, divididas em dois grupos homogêneos.Grupo praticante de exercício físico (GP): pertencentes ao grupode Ginástica, onde praticam exercícios físicos três vezes por semana,com duração de 2 horas cada sessão.Grupo sedentário (GS): freqüentadoras do grupo de convivência“Amigos Para Sempre”. Termo de consentimento livre e esclarecido Local Materiais
  11. 11. Critérios de inclusão: Ser capaz de realizar suas atividades de vida diáriaindependentemente; Não possuir nenhuma deficiência física; Não possuir déficit de compreensão que as impossibilitassem deresponder os questionários; Fazer parte do Grupo de Ginástica a pelo menos seis meses equando participante do mesmo ter tido freqüência mínima de 75%nas aulas; Não ter praticado exercício físico nos últimos 6 meses, para o GS.
  12. 12. Instrumentos:Índice de Barthel - A pontuação da escala varia de 0 a 100(Mahoney & Barthel, 1965, apud Araujo et. al. 2007 );Body Shape Questionnaire – BSQ, inventário auto-aplicávelcomposto por 34 questões fechadas, com seis opções de respostaspara cada questão, adaptado e validado para uso no Brasil por Pietroe Silveira (2008).Morgado et. al. (2009), realizou uma pesquisa sobre osinstrumentos de avaliação.Procedimentos:Análise dos dados - Teste de Wilcoxon para amostrasindependentes, onde foi utilizado nível de significância de 5%.
  13. 13. RESULTADOSTABELA 1: Número de participantes e Média de idades do Grupo Sedentário (GS) e doGrupo Praticante de Exercício Físico (GP).Grupo N° de participantes Média de idadeSedentárias 14 67,57± 4,32Praticantes de ExercícioFísico14 64,92 ± 3,56A média do GS foi de 67,57, sendo que as idades variaram de 61 a 75anos, no GP a idade média foi de 64,92 anos, sendo menor apresentou 60anos e a maior 70 anos. Apresentando uma diferença de 2,65 anos entre asmédias.
  14. 14. TABELA 2: Resultados obtidos pelo GS e GP através do índice de Barthel, seguido daclassificação de acordo com a pontuação.GS Pontos Classificação GP Pontos Classificação1 90 Dependência leve 1 100 Independente2 100 Independente 2 100 Independente3 100 Independente 3 100 Independente4 100 Independente 4 100 Independente5 100 Independente 5 100 Independente6 100 Independente 6 100 Independente7 100 Independente 7 100 Independente8 100 Independente 8 100 Independente9 100 Independente 9 100 Independente10 100 Independente 10 100 Independente11 100 Independente 11 100 Independente12 100 Independente 12 100 Independente13 100 Independente 13 100 Independente14 100 Independente 14 100 IndependenteMédia 99,28±2,67 Média 100±0,00
  15. 15. Através da somatória da pontuação do índice de Barthel todasas idosas foram classificadas com independentes, com exceção deuma idosa do GS, apresentou um grau de dependência leve.Como o grupo de idosas sedentárias, na sua quase totalidadeencontra-se totalmente independente, não apresentando nenhumtipo de incapacidade que as impeçam de realizar as atividades devida diária, seja o principal motivo para a não opção de aderir aalguma prática de atividade física oferecida pelo SESC.
  16. 16. GRÁFICO 1 : Porcentagem de outros tipos de exercícios físicos praticados pelo GPConforme o gráfico, 44 % das idosas que compõem o GP praticam outroexercício físico além da ginástica, dentre elas: caminhada, gatte-ball ehidroginástica.21%7%7%7%7%7%44%Caminhada - 3Caminhada + Gate-ball 1Caminha + Hidroginástica -1Hidroginástica - 1Gatte-Ball - 1Gate-ball + Hidroginástica - 1Apenas Ginástica - 6
  17. 17. TABELA 3: Média de respostas das 34 questões que compõem o Body ShapeQuestionnaire BSQ, do Grupo Sedentário (GS) e Grupo Praticante (GP):Questões – BSQMédia - GSMédia - GPTeste de Wilconxon (*significativo, ≤ 0,05)Z | P1 2,50±1,45 2,35±2,09 0,26 0,782 2;00±1,41 2,92±1,68 1,94 0,05*3 1,21±0,57 1,57±1,39 0,67 0,504 2,50±1,74 3,14±1,70 1,37 0,165 2,64±1,78 2,78±1,80 0,33 0,736 1,57±1,39 2,35±1,54 1,60 0,107 1,21±0,57 1,35±0,74 0,54 0,588 1,42±1,34 1,21±0,57 0,18 0,869 2,07±1,59 1,57±0,85 0,84 0,410 1,00±0.00 1,00±0,00 ----- -----11 1,78±1,42 1,35±0,63 0,98 0,3212 1,92±1,68 1,57±0,93 0,37 0,7213 1,28±1,06 1,21±0,57 1,34 0,1814 1,57±1,34 2,07±1,38 1,85 0,0615 3,00±1,79 2,28±1,48 0,59 0,1016 1,14±0,53 1,92±1,49 1,21 0,2217 1,71±1,48 1,92±1,49 1,27 0,20
  18. 18. Questões – BSQMédia - GSMédia - GPTeste de Wilconxon (*significativo, ≤ 0,05)Z | P18 1,57±1,39 1,64±1,49 0,18 0,8619 1,42±1,34 1,35±1,33 1,00 0,3220 1,35±1,33 1,42±1,34 0,45 0,6521 1,92±1,81 2,85±1,35 2,01 0,04*22 2,78±1,71 2,78±1,52 0,71 0,4823 2,35±1,49 2,64±1,08 0,98 0,3324 2,14±1,61 2,28±1,54 0,73 0,4725 1,07±0,26 1,21±0,57 0,80 0,4226 1,14±0,53 1,14±0,53 0,00 1,0027 1,42±1,34 1,42±0,85 0,40 0,6928 2,50±1,40 2,78±1,67 0,94 0,3529 2,28±1,63 2,35±1,15 0,63 0,5330 1,78±1,42 2,21±1,52 0,21 0,8331 1,64±1,33 1,78±1,31 0,17 0,8732 1,14±0,53 1,21±0,57 0,26 0,7833 1,42±1,34 1,14±0,36 0,36 0,7134 4,07±2,01 2,92±1,81 2,19 0,02*
  19. 19. De acordo com o teste de Wilcoxon, apenas 3 das 34questões apresentaram diferença estatisticamente significativas,elas foram as seguintes: Pergunta nº 02 - “Você tem estado tão preocupada com sua formafísica a ponto de sentir que deveria fazer dieta?” Pergunta nº 21 - “A preocupação com a sua forma física leva você afazer dieta?” Pergunta nº 34 - “A preocupação com sua forma física leva você asentir que deveria fazer exercícios?”.
  20. 20. Os três questionamentos estão enquadrados segundo Pietro eSilveira (2008) como “autopercepção do corpo”, que esta diretamenteligada à consciência que a mulher tem da sua forma corporal e a suapreocupação com a mesma, em relação às duas primeiras questões oGS apresentou menor preocupação.A respeito da 34° questão, o GS apresentou maior preocupação,pode-se relacionar ao fato de que o outro grupo já pratica um ou doistipos de exercícios físicos e conseqüentemente se sente desprovidodessa preocupação.
  21. 21. De acordo com Menezes, Lopes e Azevedo (2009), o idoso temuma nítida percepção do envelhecimento do seu corpo e suaslimitações, mas muitas vezes apresenta dificuldade na aceitação docorpo que envelhece, visto que na sociedade a velhice esta diretamenteligada à marcação da idade cronológica, algo que se entende comodesgaste, limitações crescentes e perdas.Além de que hoje vivemos em um meio de busca constante pelocorpo esbelto e sem limites, que a mídia com freqüência nos apresenta,impondo o corpo que se deve ter, no qual o corpo envelhecido não écompatível.
  22. 22. Anzai (2000) ressalta a ação apelativa da mídia sobre o culto aobelo, afirmando que a mídia impõe uma hierarquia de valores sobre asociedade através de produtos ligados à beleza e estética, dietasmilagrosas, pele impecável e músculos torneados.A maior insatisfação da auto-imagem corporal do GP emcomparação com GS pode estar ligada a algumas mudanças napercepção de indivíduos que praticam algum exercício físico, poissegundo Damasceno (2006), se o exercício se torna algo compulsivoàs pessoas tendem a serem mais críticas em relação ao seu corpo.
  23. 23. TABELA 5: Comparação entre o GS e GP da pontuação total e médias obtidas atravésdo Body Shape Questionnaire - BSQLEGENDA:ND: Nenhuma DistorçãoDL: Distorção LeveDM: Distorção ModeradaDG: Distorção GraveGS Pontos Classificação GP Pontos Classificação1 134 DL 1 124 DL2 108 ND 2 86 ND3 74 ND 3 82 ND4 60 ND 4 72 ND5 60 ND 5 72 ND6 54 ND 6 64 ND7 53 ND 7 65 ND8 53 ND 8 61 ND9 50 ND 9 59 ND10 50 ND 10 51 ND11 48 ND 11 49 ND12 47 ND 12 47 ND13 44 ND 13 47 ND14 42 ND 14 43 NDTotal 62,64 Total 65,85
  24. 24. Em relação ao resultado final, houve uma diferença de 3,21, o quenão é significante segundo à análise estatística.Como evidencia a tabela, apenas uma idosa de cada grupo foiclassificada com uma leve distorção da imagem corporal,representando apenas 7% de cada grupo, o restante não possuinenhuma distorção, apresentando uma situação saudável quanto aessa questão.A classificação “distorção leve” se entende apenas como um sinalde alerta segundo Pietro e Silveira (2008).
  25. 25. Franzoi e Koehler apud Damasceno et. al. (2006), em suapesquisa com idosas, constatou que elas apresentavam menorinsatisfação com o peso e com as partes do corpo quando comparadasa mulheres mais jovens.Tiggemann apud Damasceno et. al. (2006) ressalta que entre aspartes do corpo de maior insatisfação em pessoas mais velhas, estãoos olhos, as mãos, os dedos e as pernas, sugerindo que a insatisfaçãocom a imagem corporal em pessoas mais idosas, se dá mais peladiminuição das funções corporais, do que pela forma ou peso corporal.
  26. 26. Outro ponto a ser discutido é a relação da auto-imagem corporal eda auto-estima, pois de acordo com Chaim, Izzo e Sera (2009) a auto-estima pode influenciar diretamente na avaliação das idosas, mesmoaquelas insatisfeitas com sua imagem corporal.Damasceno (2006) verificou que nas últimas décadas váriaspesquisas tentaram confirmar que a pratica de atividade física estadiretamente associada à melhora da imagem corporal, e cita que algunsautores confirmaram que os efeitos de um programa de exercíciossobre a composição corporal, geralmente ocasionam mudançaspequenas, em torno de menos de 10% da variação nos escores deimagem corporal.
  27. 27. E ainda confirmam que apesar das confirmações científicasapontarem que a prática de exercício físico reduz a insatisfação coma imagem corporal, alguns estudos falharam em mostrar aassociação entre as mudanças na imagem corporal, e confirmaramque indivíduos fisicamente ativos são menos satisfeitos do que osinativos.
  28. 28. CONCLUSÃOVerificou-se que os grupos não apresentaram resultadosestatisticamente diferentes, apesar de que na soma dos resultados finais,o GP apresentou um resultado levemente mais alto na auto-imagemcorporal, possivelmente, devido a um maior recebimento de informaçõessobre questões relacionadas à saúde e a beleza corporal, além de que omesmo possa ter um senso crítico maior em relação ao seu corpo,provocado pela pratica dos exercícios físicos.Em uma visão mais ampla a avaliação dos dois grupos foi ditacomo normal e saudável.Estudos com um número maior de participantes, com maisaprofundamento e associados a outros testes com objetivo de cercaraspectos que interfiram diretamente na avaliação da auto-imagem sãoimportantes para apresentar um resultado sem margem à hipóteses.
  29. 29. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS• ANZAI, K. O corpo enquanto objeto de consumo. Revista brasileira de ciências doesporte. Vol. 21, pág. 71-76, 2000.• ARAÚJO, F.; RIBEIRO, J. L. P.; OLIVEIRA, A. et. al. Validação do índice de barthel numaamostra de idosos não institucionalizados. Revista Qualidade de Vida. Vol. 25, n°2, 2007• CASPERSEN, C.J.; POWELL, K. E.; CHRISTENSON, G. M. Physical activity, exercise,and physical fitness: definitions and distinctions for health-related research. 1985.Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1424733/ Acesso em: 14 deoutubro de 2009.• CHAIM, J. IZZO, H. SERA, C. T. N. Cuidar em saúde: satisfação com imagem corporal eauto-estima de idosos. O mundo da saúde. Vol. 33, pág. 175-181. São Paulo. 2009.• GIL, A. C. Como Elaborar Projeto de Pesquisa 4° edição. Pág. 42. São Paulo: Atlas, 2002.• KAKESHITA, I. S.; ALMEIDA, S. S. Relação entre índice de massa corporal e a percepçãoda auto-imagem em universitários. Revista de Saúde Pública. Vol. 40. n°3. São Paulo.2006. ,
  30. 30. • MATSUO, et. al. Imagem corporal de idosas e atividade física. Revista Mackenzie de EducaçãoFísica e Esporte. Vol.6 pág.37-43. 2007.• MENEZES, T. M. O.; LOPES, R. L. M.; AZEVEDO, R. F. A pessoa idosa e o corpo: umatransformação inevitável. Revista eletrônica de enfermagem. Vol. 11, pág. 598-604. 2009.• MORAES, H. M.; et. al. O exercício físico no tratamento da depressão em idosos: revisãosistemática.2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-81082007000100014&script=sci_arttext&tlng=e Acesso em:14 de outubro de 2009.• MOURA, I. S. Imagem e esquema corporal. 2009. Disponível em:http://www.educacaofisica.com.br/coluna_mostrar.asp?id=277 Acesso em: 18 de outubro de2009.• NAKAGAVA, B. K. C.; RABELO, R. J. Perfil da qualidade de vida de mulheres idosaspraticantes de hidroginástica. Movimentaum Revista Digital de Educação Física. Unileste, Vol.2,n°1, 2007.• ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Dieta, nutrição e a prevenção de doenças crônicas.Relatório Técnico da OMS. Série 916. 2003.
  31. 31. • ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Idosos são 10% da população mundial, 2006.Arquivo de notícias. Disponível em http://www.onu-brasil.org.br Acesso em: 22 desetembro de 2009.• ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Idosos são 10% da população mundial, 2006.Arquivo de notícias. Disponível em http://www.onu-brasil.org.br Acesso em: 22 desetembro de 2009.• OLIVEIRA, R. J.; FURTADO, A.C. Envelhecimento, sistema nervoso e exercício físico.1999. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd15/exercic.htm Acesso em:22 desetembro de 2009.• PIETRO, M. D.; SILVEIRA, D. X. Validade interna, dimensionalidade e desempenho daescala Body Shape Questionnaire em uma população de estudantes universitáriosbrasileiros. São Paulo. Revista Brasileira de Psiquiatria. vol.31 n°1, 2009.• SEIDEL, D. C.; BECHER JR., B. Uma comparação sobre a autopercepção corporal deidosas praticantes de atividade física e sedentárias. 2008. Disponível em:http://www.efdeportes.com/efd120/autopercepcao-corporal-de-idosas.htm Acesso em: 17de outubro de 2009
  32. 32. • CHURRAS!!!• OPEN BAR!• SEXTA, 12H• RES. SANTORINI• FORMANDOS 2006/1• R$ 20,00FESTAAAAAA!!!!

×