Jornal digital 4696_qua_24062015

181 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
181
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal digital 4696_qua_24062015

  1. 1. www.grupocorreiodosul.com.br ANO XXV EDIÇÃO Nº 4.696 QUARTA-FEIRA, 24 DE JUNHO DE 2015 R$ 2,00 Grupo 18º 11º Sol com muitas nuvens durante o dia e períodos de céu nubla- do. Noite com muitas nuvens. Previsão para hoje Extremo Sul Catarinense Geral Geral ProgramaSombrio Digitalestásendo ampliado parabairros Reuniãodiscute comoenfrentar a criminalidade Tecnologia Maracajá 4Página 7Página 2Página Coluna Jarbas Vieira PP sepronuncia sobrecandidatos aprefeitodeSombrio Política 3Página Produçãodepeixe temmercadoaquecido Turvo
  2. 2. Política Jarbas Vieira Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 jarbas@grupocorreiodosul.com.br (48) 9966.5326 CHARGEPor:CAZO “Eu acho que todo mundo tem o direito de criticar. Mais ainda o presidente Lula. Até porque ele é muito criticado por vocês”. Ela disse: ‘ ‘Presidente Dilma (PT) respondendo a imprensa sobre as críticas feitas pelo ex- presidente Lula ao Partido dos Trabalhadores. PPdeSombrioreduzopçõesenegadivergências M otivado pelos re- centes comentários feitos nesta coluna e no programa que apresento na Rádio 93 FM, o presidente do PP de Sombrio, José Eraldo Soares, o Peri, disparou nota através da assessoriadeimprensadopartido, onde restringe a cinco o número de pré-candidatos a prefeito e nega qualquer desavença entre eles. Classificando como nomes lembrados pela população, para evitar desgastes de prováveis “esquecidos”, a nota apresenta como pré-candidatos o próprio presidente, o ex-prefeito Professor Jusa, o ex-vereador Hélio Mattos e os empresários Teco Silvério e Cristian Juber da Rosa, trazendo um breve histórico de cada um, dentro do partido. “São nomes que em toda a sua história repre- Presidente da Câmara de Vereadores de Sombrio, Daniel BitencourtCardoso(PPS),acom- panhado do escritor Antonio Natálio Vignali, entregou na úl- tima semana um novo conjunto de exemplares do livro “Quatro Contos Infantis”. As obras foram (48) 3522-3777 sentaram o PP e que há muito contribuem tanto para o partido quanto para o desenvolvimento do nosso município”, destaca Peri, afirmando que o conjunto reúne a tradição e, ao mesmo tempo, renovação, fidelidade e espírito comunitário,bandeirasdopartido. Semdefiniçõesquantoaquemserá o candidato, a única afirmação do presidente até o momento é a de Murialdo sexagenário Os 60 anos de fundação do Colégio Murialdo serão comemora- dos, nesta sexta-feira, às 19h, na Câmara de Vereadores de Araran- guá, com uma sessão solene, aberta a comunidade. Promovida pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina, através da proposição do deputado estadual Zé Milton (PP), a solenidade irá homenagear as pessoas que contribuíram ao longo da história do Colégio e contri- buem na promoção da educação de qualidade e de transformação social. “O colégio é um marco na história de Araranguá, porque nesses 60 anos ele teve papel fundamental na construção da edu- cação no Município”, justificou Zé Milton ao defender a indicação. que não há qualquer divergência interna em torno da escolha. “Sa- bemos que o momento atual do Daniel: amigo da educação! Agito Muitos agentes políticos aguardavam os encaminha- mentos da reforma política para migrarem em direção a outras siglas, ou fundarem par- tidos ainda pouco conhecidos aqui no extremo-sul catarinen- se. Como a reforma não deu em quase nada, as novidades no “mercado” devem pipocar. adquiridas por Daniel, para se- rem doadas aos alunos das séries inicias das escolas estaduais do Município. Há poucos dias foram entregues 40 exemplares na esco- la Irineu Bornhausen (bairro São Luiz), 40 na escola Protásio Joa- quim da Cunha (bairro São José), municípiofazcomqueapopulação busque a segurança de um nome para expressar seu apoio, mas o nossorepresentante–sejaelequal for – carregará os ideais do PP e a vontade colocar Sombrio de novo no caminho certo”, finalizou. e agora mais 40 unidades na escola Normélio Cunha (bairro Guarita). “Com esta ação con- cluímos as doações nas escolas da rede estadual, lembrando que os alunos da rede municipal já receberam no início do ano”, comenta o presidente.
  3. 3. eagoraqueremosampliar”, diz Ghellere. Nas palestras realizadas durante o dia, os participantes aprende- ram as técnicas de cultivo, saneamento ambiental, construção e manutenção de tanques, qualidade da água e aeração necessária, licenciamento ambiental e sobre a importância do planejamento técnico. Outro incentivo aos piscicultores é oferecido pelo Ministério da Pesca, que investiu na compra de uma retroescavadeira hidráulica para a abertura de açudes ou tanques. Em contrapartida, a prefeitura entra com a mão de obra e a assistência técnica. “Esse programa possibilitou a ampliação da produção no município em 30 a 40 toneladas de peixe nos úl- timos três anos”, salienta o presidente da Aaquatur, o engenheiro agrônomo Darlan Guolo Varela. este projeto já foi desen- volvido em uma escola particular de Araranguá, obtendo uma ótima acei- tação entre pais, alunos e professores, além de alcançar um impacto po- sitivo. Ressalta ainda que, segundo pesquisas realizadas, as escolas particulares apresentam um índice maior de ocor- rências. informações e melhorar cada vez mais os índices técnicosqueresultarãoem maior quantidade de leite comercializado”, disse. Ghellere salienta que a produção leiteira é de fundamental importância para a sociedade com foco na promoção da saúde e principalmentecomofonte de renda para a agricultu- ra familiar em Santa Ca- tarina, estando presente em mais de 50% das pro- priedadesruraisdoestado, contribuindo assim com o desenvolvimento susten- tável do agricultor e do espaço rural catarinense. ladas por semana e preci- sam adquirir produto de outros municípios e regiões para atender à demanda. “O peixe remunera bem. O rendimento médio em um hectare utilizado pela piscicultura equivale ao que os produtores de arroz retiram em 200 hectares”, afirma o representante da Epagri, advertindo que mesmoassimosetorcarece de investidores. E foi com o objetivo de incentivar novos produto- res e os capacitar para a produção de peixes que a Epagri, em parceria com a Associação de Aquicul- tores de Turvo e Região (Aaquatur) realizou o en- contro desta terça-feira. Entre os participantes, 35 produtores e pessoas que estão se organizando para ingressar neste ramo de atividade. “A produção no município é antiga. Come- çou em 1982, se estabilizou Geral 3Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 ³Angelo apostou no pescado e não se arrependeu Do açude a prateleira Mercado do peixe está em ascensão Bom Negócio > TURVO “Antigamente tínha- mos o peixe e não tínhamos a quem entregar. Hoje temos comprador cer- to,masnãotemospeixesu- ficiente”.Aafirmaçãodoge- rente regional da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina(Epagri),Reginal- doGhellere,naaberturado EncontrodePisciculturade TurvoeRegiãorealizadoon- tem na sede daAdesul, em Turvo, é um indicativo de que o setor está em ascen- são e o mercado, aquecido. Apesar do município contabilizar 35 produtores, cerca de 20 hectares de lâ- minas d’água e de produzir em torno de 220 mil quilos depescadoporano,aquan- tidadenãoésuficientepara abastecerosdoisfrigoríficos locais, que abatem 15 tone- Epagri e Aaquatur realizaram Encontro de Piscicultura Rural para capacitar produtores e incentivar ampliação da produção Contrata: A empresa Ritmi Confecções LTDA, locali- zada na Rua Teodoro Rodrigues de Oliveira, nº91 Centro, Sombrio/SC. Está contratando PCD/ Pessoa com deficicência. Interessados, podem comparecer na empre- sa com currículo das 8hrs ás 18hrs. Ou se preferir, encaminhar o currículo por e-mail rh@ritmi.com.br AC: Currículo PCD. Claiton Stumpf ³Tradicional Pavilhão está sendo melhorado > ARARANGUÁ A Escola Municipal Nova Divinéia realizou a primeira mini palestra contra o bullying, uma prática de violência física, emocional e verbal, que consiste em constranger a vítima, podendo deixar traumas e sequelas emo- cionais graves. Oprojetoédenomina- > MELEIRO A Empresa de Pes- quisa Agropecuária e Ex- tensão Rural de Santa Catarina (Epagri), em parceria com a Prefeitu- ra de Meleiro e apoio do Programa SC Rural e da Coopercolméia, realiza, a partir das 9h, no Salão Comunitário Jardim Itá- lia, no mesmo município, o IV Seminário Regional da Produção Leiteira. A meta dos organizadores é reunir aproximadamente 150 produtores de leite da região de Araranguá e de Criciúma em torno do‘Bullying–éhoradetomar uma atitude’ e tem como idealizador e palestrante o professorJairoJoãoAntonio, queestendeseustrabalhosà saladeaulaeaosprofessores. Osassuntostratadossão asformascomoestaviolência podeserpraticada,suascon- sequências, as vítimas, os agressores, os espectadores e os meios de superação. Segundo o professor, de debates e palestras sobre trajetória, conquistas e pla- nos futuros da Cooperativa Mista da Agricultura Fami- liar de São José do Oeste, sobre o mercado do leite e suas implicações na cadeia produtiva catarinense e as diretrizes para a produção leiteira familiar. O gerente Regional da EpagriAraranguá, Reginal- doGhellere,explicaqueem- boraaatividadeleiteirafaça partedaculturadosagricul- toresdaregião,aexploração econômica dessa atividade é algorecente.“Comarealiza- ção de seminários/palestras conseguimos levar novas Escola se mobiliza contra o bullying Epagri realiza seminário sobre leite Quandocomeçouapro- dução há 15 anos, o enge- nheiroquímicoJoséÂngelo Amboni Bianchi, não ima- ginava que o negócio fosse prosperartãorapidamente. Sóciodeumsítio,começoua criarpeixesemumpequeno açude. Em pouco mais de dois anos, a piscicultura já era a sua principal ati- vidade. “Começamos com uma produção de alevinos de carpa, depois passamos a produzir dois milhões de alevinos de tilápia por ano. Aí veio a necessidade de passarmos a também engordar o peixe e quando começou o frigorífico Ami- gos do Peixe (mantido por umacooperativa),inicieina produção do peixe filetado, commaiorvaloragregado”, relata. Hoje a propriedade de Ângelo conta com 12 hec- tares de lâminas d’água e produz cerca de 150 tonela- das de peixes por ano, com venda certa para a região dos Campos de Cima da Serra e Norte. “Se divul- gássemos mais, vendería- mos tudo isso somente no Turvo”, garante o produtor que para ampliar o fatura- mento, atua em todas as frente, desde a produção de alevinos até a gôndola do supermercadoouacozinha dos restaurantes. “Ganho em todas as partes, pois não há atravessador”. Para aumentaraindamaisoslu- cros,oempresáriopretende passar a produzir a própria ração, o que, segundo ele, vai derrubar o custo da produção em 40%. A Epagri pretende fo- mentar a instalação em Turvodeumafábricadera- ções para peixe, considera- da o principal gargalo para osprodutores,poishoje,em alguns casos, chega a ser responsável por até 80% do custo de produção. “A Epagripodeauxiliarospro- dutores a se organizarem e elaboraremumprojetopara buscar linhas de crédito através do Programa SC Rural e assim implantar uma fábrica de ração coo- perativada que beneficie a todos os produtores locais”, explicou o gerente regional Reginaldo Ghellere.
  4. 4. na região. Quando foi instala- do o primeiro ponto? Dia 5 de outubro de 2013. O que melhorou do primeiro ponto, para hoje? Muita coisa, servidor, velocidade do link, equi- pamentos de interligação, tudo na verdade! Quantos pontos es- tão instalados? Dez no total, com mais 5emprocessodeinstalação e quase prontos. Onde estão coloca- dos estes pontos? O primeiro fica bem na rótula, no centro de Som- brio.Aindanocentrotemos mais o ponto da Praça da Igreja e outros nos bairros Parque das Avenidas, São Luiz, Guarita, Januária, Nova Brasília e Boa Espe- rança. Quais os planos para os próximos me- ses? São 5 pontos que serão instalados ainda este ano, naRaizeira,SãoJosé,Nova Brasília, Retiro da União e São Camilo. E a previsão é queacadaanosejaimplan- Geral4 Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 ³Internet pode ser acessada de graça no centro da cidade e em outros pontos > SOMBRIO Oprograma Som- brio Digital, lan- çado em 2013 pela admi- nistração municipal, tem se espalhado por todo o município. Já são 4,6 mil usuários, número que vai aumentar significativa- mente nos próximos 60 dias, com instalação de mais cinco pontos. Comresultadocompro- vado, os irmãos Fabiano e Cristiano Lúcio Barbosa, proprietários da Dell Sys- temeresponsáveistécnicos pelo serviço apresentaram a ideia em um congresso em nível estadual, na cida- de de Itajaí. Mesmo sendo notícia e com explicações nas pró- prias placas onde as an- tenas estão instaladas e como se conectar, muitas dúvidas ainda existem na população. Para saná-las, conversamos com o em- presário Fabiano Lúcio Barbosa. Como foi criar o programa de internet grátis para um muni- cípio inteiro? Uma satisfação e ao mesmo tempo um desafio, pois é um projeto pioneiro Empresário responsável pelo sistema que fornece internet de graça avalia programa e fala sobre instalação de novos pontos SombrioDigitalestásendoampliado Tecnologia Da redação tado em média mais cinco pontos. Como o cidadão deve fazer para se ca- dastrar? a. Ativar o wifi do seu dispositivo (computador ou smart phone) e conectar ao sinal Sombrio Digital; b. Abrir um site qual- quer exemplo: sombrio. sc.gov.br ou uol.com; c. Entrar com seu CPF seguindoospassosdescritos na tela. Por que são pedi- dos estes dados? Os dados são necessá- riosparaidentificarousuá- riocasoaredesejautilizada para meios ilícitos e obter relatórios de acessos em buscademelhoriasnarede. Que tipo de blo- queio o sinal recebe em seu alcance má- ximo, como dentro de paredes, de carros… Oalcancedosinalsem- pre irá depender do equi- pamento que você estiver utilizando, pois a antena daSombrioDigitalpodeter um alcance de vários quilô- metros,masoseunotebook ou celular tem um alcance limitado. Na rua em ambiente aberto dependendo do seu equipamento o sinal vai de 100 a 400 metros.Dentro de um veículo dependendo do seu equipamento e do veículo vai de 80 a 200 metros. Nas residências, dependendo do seu equipa- mento e passando por uma parede pode funcionar em uma média de 50 metros. O sinal de internet emcasa,emquepasso está a implantação? O projeto estrutural para suportar o projeto já foi montado, temos uma fa- mília sombriense escolhida pela DellSystem utilizando em modo teste e todos os custos pagos pela empre- sa para testes estruturais da rede.A implantação de- penderá da finalização dos testes e a aprovação por parte da administração municipal. Como funciona a potência e a velocida- de, os downloads (bai- xararquivos)euploads (enviar arquivos)? Ao logar-se na rede cada CPF pode utilizar até dois dispositivos simulta- neamente,exemplo:umce- lular e um notebook. Cada dispositivo conectado terá uma velocidade de Down- load (baixar) de: 342k e de Upload (envio) de: 256k. Você sabe relatar algo curioso nestes dois anos de Cidade Digital? Alguns representantes de empresas de vendas foram identificados como usuários assíduos do pro- jeto pois utilizam a rede para enviar os pedidos dos seus clientes. Um deles, inclusive, comentou que procura sempre parar em Sombrio para almoçar somente pelo motivo de utilizararede,mesmosem ter clientes para atender em nossa cidade. A empresa partici- pou de um evento es- tadual apresentando o modelo do Sombrio Digital. Que repercus- são teve isso? Fomosaumeventoem Itajaí, mostrarmos nosso projetoefomosconvidados a ministrar uma palestra sobre o Sombrio Digital em outra etapa do Fórum na cidade de Rio do Sul. A repercussão foi ótima e foi a que teve o maior número de perguntas por parte dos participantes do Fórum.Váriosprefeitosda região do Alto Vale do Ita- jaí tiraram dúvidas e leva- ram para seus municípios ideias que ajudarão na melhoria de seus projetos. Como tem sido a avaliação do prefeito Zênio Cardoso e o que ele tem pedido a vocês? O prefeito foi quem so- nhou e idealizou o projeto. Sendo ele uma pessoa que adora tecnologia sempre apoiou e inclusive procu- ra utilizá-lo sempre que possível, dando sugestões e avaliando o uso. Até o momento sempre avaliou bem. Ele recebe pedidos de comunidades para insta- laçãodealgunspontosnos ligaparaencaminharmos, como na Nova Brasília que cobre desde a Escola JovematéoprédiodoIFC, e na Guarita, onde muitas pessoas não têm acesso a internet de forma alguma. Existe alguma ci- dade no estado com um sistema igual, ou melhor que esse? Passo de Torres re- cebeu em 2014 um ponto experimental instalado pela nossa empresa sem custos ao município e em uso até o momento. São José utiliza um sistema muito parecido, inclusive o servidor utilizado é o mesmo no projeto da Som- brio Digital, porém, como é uma cidade muito maior o número de pontos chega a mais de 130. Eu mesmo como tenho residência em São José utilizo de vez em quando a internet do projeto e funciona muito bemassimcomoaSombrio Digital.
  5. 5. Política Rolando Christian Coelho Geral 5Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 A Reforma que não deu certo A inda está em votação na Câmara dos Deputados o projeto de Reforma Política há muito reivindicado pela população brasileira, como uma forma de tentar moralizar a política nacional. Até agora foram votados 25 itens pelos parlamentares. Destes, o único que de fato fará alguma diferença para a socie- dade diz respeito ao fim da possibilidade de reeleição, que, de fato, depõe contra a democracia. Não que a reeleição seja antidemocrática, mas em países com baixo envolvimento social nas decisões políticas, como é o nosso caso, este expediente acaba se aproximando muito mais da imposição do autoritarismo do que da liberdade de expressão. Muitos dos itens rejeitados na votação da Reforma em primeiro turno, de fato não tinham o menor sentido de existir, como era o caso da intenção de tornar ex-presi- dentes da República senadores vitalícios. Já imaginou Collor de Melo e José Sarney com cadeira garantida no Senado pelo resto da vida sem passar pelo crivo das urnas? No entanto, a grande maioria do que foi vota- do depõe justamente contra o espírito da própria Reforma Política, que como o nome sugere, tinha o objetivo de reestruturar os paradigmas da política brasileira. A votação que manteve a possibilida- de de coligações proporcionais é um caso típico da malandragem de nossa política nacional. Um grupo de pessoas cria um partido em um determinado município, se coliga com uma legenda de expressão, e acaba elegendo um vereador no rabo de foguete da maior sigla. Nossa região está cheia de casos como este. O partido pelo qual o candidato acabou se elegendo não tem representatividade, mas por conta de uma coligação a vaga de vereador foi conquistada. O mesmo cidadão pode che- gar à Presidência da Câmara Municipal e eventualmente a prefeitura, no caso do impedimento do prefeito e seu vice. Em um sistema verdadeiramente democrático situações como esta deveriam ser termi- nantemente obstruídas. Uma democracia também não pode obrigar seus cidadãos a votar. Esta decisão tem que partir do eleitor, não do Estado. Este item também foi rejeitado, assim como o aumento do percentual de participação das mulheres nos parlamentos, que passa- ria de 10% para apenas 15%, e ainda de forma escalonada. Uma sociedade que não se dispõe a corrigir seus desequilíbrios não pode ser considerada democrática. Ainda na linha da Reforma que não está reformando nada, os deputados votaram favoravelmente a doação de re- cursos da iniciativa privada para partidos políticos. Observe que esta votação se deu em meio ao desbaratamento de um dos maiores esquemas de manutenção da corrupção eleitoral, chamado Operação Lava Jato. Todo dia aparece alguém na televisão dizendo que tal empresa deu di- nheiro para que tal político votasse a favor de tal situação, e ainda assim esta regra foi mantida. Isto por si só já bastaria para afirmar categoricamente que a maioria dos deputados não quer promover reforma na política nacional coisa nenhuma. No en- tanto, a lista das punhaladas na população brasileira ainda é grande. A chamada Federação Partidária, por exemplo, foi rejeitada. Ela previa a união de partidos ideologicamente alinhados para disputas legislativas. Feita a união, não poderia haver rompimento até fim do mandato. Os partidos aliados funcionariam como se fossem um só. Hoje o que vemos são coligações meramente circunstanciais, que em grande parte são rompidas tão logo terminem as eleições. Onde há este rom- pimento, aliás, o até então melhor amigo passa a ser o pior inimigo. Coisa comum em nossa região, por exemplo, é um vereador se eleger por uma coligação e depois se aliar a coligação adversária para assumir a presidência da Câmara. Muitas vezes o tal vereador só se elegeu por conta dos votos de legenda da coligação. A aprovação da Federação Partidária impediria isto. Mas é claro, com a aprovação a maracutaia diminuiria, e, por conta disto, não passou na Reforma Política. Mas, talvez, nada tenha sido mais emblemático na votação desta anti-reforma do que a rejeição do item que previa o registro das propostas dos candidatos na Justiça Eleitoral, com o compromisso de que o eleito não poderia se desviar delas. Basicamente, todos os candidatos teriam que registrar suas intenções de atuação durante o mandato. Quem se desviasse daquilo com o qual se comprometeu seria impedido de concorrer a uma nova eleição. Nada menos que 72% deputados votaram contra a proposta. Ou seja, agora a mentira está institucionalizada. DIVERSÃOELAZERGARANTIDOS QUARTA,SÁBADOEDOMINGO BR101-KM413-ARARANGUÁ ADVOCACIA EMPRESARIAL FONE: (48) 3533-0145 Comemorando São João Tradição ³Desfile anima a população e chama para a festa > ARARANGUÁ/ARROIO Nesta sexta-feira, a cultura açoria- naestaráemevidênciana cidadedeAraranguá,com a realização da 26ª Festa da Tradição Junina. O evento, organizado pela Subsecretaria de Cultura do Governo do Município de Araranguá, foi prece- dido de reuniões com as entidades participantes. Segundo o subsecre- tário de Cultura, Jair Anastácio, 14 entidades irão participar do desfi- le temático e venderão quitutes a população que comparecer a Praça Her- cílio Luz, local das apre- sentações artísticas.O desfile temático inicia- rá a concentração às 13h30min na Praça da Cidade Alta e a saída será às 14 horas. Os par- ticipantes, vestidos com temas que fazem parte da festa, desfilam pela ave- nida 7 de Setembro até o palco central na Praça Hercílio Luz, onde haverá apresentações artísticas com o Boi de Mamão, pau defita,quadrilhas,Banda Municipal e encerramen- to com show de banda local. Outra atração da festa é o concurso da bar- raca mais enfeitada, que concorrerá à premiação em dinheiro. No Balneário Arroio do Silva, a Secretaria de Educação e Cultura está com tudo organizado para receber a comunidade escolar e um grande pú- blico na festa de tradição junina que acontece nesta sexta-feira. A Festa Municipal será realizada no Ginásio de Esportes da Escola Municipal Jardim Atlân- tico às 19h. As escolas e entidades já estão pre- parando suas barracas e quitutes tradicionais para atrair a comunida- de. Além disso, diversas apresentações culturais deverãochamaraatenção do público. “Como já é de costume na nossa festa junina, teremos também a premiação da barraca destaque”, frisou a secre- tária de Educação Silvia Machado Ghellere. Para que a população participe, o transporte coletivo será disponibi- lizado e passará pelas comunidadesnasparadas de costume às 18h30. > ARARANGUÁ O prefeito Sandro Ro- berto Maciel sancionou ontem, o Plano Municipal de Educação, que já está sendo posto em prática pela Secretaria Munici- pal de Educação através da meta que trata doA- prendizado Adequado na Idade Certa, cujo objetivo é fomentar a qualidade da educação básica de modo a atingir as metas do Ideb (ÍndicedeDesenvolvimen- to da Educação Básica) paraospróximosdezanos. Para atingir esses ob- jetivos, a secretaria uti- lizará estratégias como induzir processo contínuo de autoavaliação das es- colas, elaboração de pla- nejamento estratégico, a formação continuada dos profissionais da educação e o aprimoramento da ges- tão democrática. Nesta semana dire- tora pedagógica Terezi- nha Santos da Rosa e sua equipe, deu início ao projeto Paradas Pedagó- gicas junto aos Centros de Educação Infantil de Ara- ranguá. As paradas são encontros com professores para discutir os rumos da educação no município. Creches têm Parada Pedagógica Da redação
  6. 6. Fundado em 5 de Junho de 1990 - Dia Mundial do Meio Ambiente Jornalista Rolando Christian Sant’ Helena Coelho - Fundador Jornal Correio do Sul Publicações legais: Tomaz Fonseca Selau l48l 9985.8573 tomaz@grupocorreiodosul.com.br Financeiro Joice Ramos l48l 8802.5883 financeiro@grupocorreiodosul.com.br Comercial: Igor Borges l48l 9968.6084 comercial@grupocorreiodosul.com.br Diretor Geral Jabson Muller l48l 9955.5313 jabsonmuller@grupocorreiodosul.com.br Diagramação/Arte: Cristian Mello l48l 3533-0870 correiodosul@grupocorreiodosul.com.br Sul Gráfica Junior Muller l48l 9931.4716 sulgrafica@grupocorreiodosul.com.br Redação: Marivânia Farias l48l 9995.9290 editor@grupocorreiodosul.com.br Política: Jarbas Vieira l48l 9966.5326 jarbas@grupocorreiodosul.com.br Radio 93FM Cássia Pacheco l48l 9912.9588 radio93fm@grupocorreiodosul.com.br Circulação/Assinatura l48l 3533.0870 assinaturas@grupocorreiodosul.com.br Rua João José Guimarães,176, Centro - Sombrio/SC - Fone: (48) 3533 0870 Editora: J. R. Pereira - ME CNPJ 17.467.695/0001-19 C.S. Empresa Jornalística LTDA. Geral6 Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 Dos movimentos de hoje, que surja um partido melhor que o PT, mas que surja. Porque quando se nega a política, o que vem é muito pior. Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “ ” SC aguarda retorno da CIDE PeloEstado E stados e municípios estão ansiosos com o retorno, em julho, do repasse da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE), incidente sobre os combustíveis e recolhida pela União. Para Santa Catarina, o volume com a cota-parte da CIDE chegou a qua- se R$ 60 milhões em 2011, antes que a cobrança fosse interrompida pelo governo federal, em junho de 2012. No final de janeiro, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, anunciou que a União voltaria a cobrar a CIDE em maio. Como o repasse é realizado trimestralmente, a expectativa é que o Estado volte a receber um volume mais robusto em julho próximo. “São recursos importantes, utilizados exclusivamente para investimen- tos em infraestrutura de transportes”, destaca o secretário da Fazenda, Antonio Gavazzoni. Segundo ele, o Estado não tem como calcular o quanto virá na próxima parcela, visto que a base de cálculo no consu- mo de combustíveis é feita pela União. Estados e Distrito Federal têm direito a 29% da arrecadação da CIDE. Em 2015, Santa Catarina recebeu as parcelas de janeiro e abril, totalizando R$ 210 mil, mas são apenas resquícios de períodos anteriores. Nos últimos três anos, o Estado rece- beu R$ 30,7 milhões (em 2012, resultado da cobrança feita até junho), R$ 1,56 milhão (2013) e R$ 3,1 milhões (2014). Os municípios têm direito a 25% sobre o montante repassado aos estados. Em 2011, último ano de recolhimento integral da CIDE, as cidades catarinenses receberam um total de R$ 19,37 milhões, valor dividido em cotas iguais. Definição Desde janeiro, início do se- gundo mandato da presidente Dilma Rousseff as especulações são grandes em torno dos destinos da Eletrosul. Ao que tudo indica, na quinta-feira (25) o quadro começará a se definir. É que deve ser convocada, oficialmente, a As- sembleia que vai aprovar os nomes dos novos diretores e presidente da estatal, a maior do Sul do país, com sede em Flo- rianópolis e abrangência no Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul. Pelo menos até agora, os nomes de Djalma Berger (PMDB) e Claudio Vig- natti (PT) estão confirmados para a presidência e a Diretoria Financeira da Eletrosul, respectivamente. Entre a con- vocação e a realização da Assembleia são necessários ao menos oito dias. Por- tanto, na próxima semana a empresa já pode estar sob nova direção. Parceria O presidente do Iprev, Renato Hinnig, teve uma reunião com o vice- reitor da Udesc, Marcus Tomasi, e com o diretor da ESAG,Arnaldo Lima. Discu- tiram os detalhes para uma parceria que pretendem consolidar entre as institui- ções. Criar novas estratégias de comuni- cação voltada a servidores e segurados e levar o debate sobre os desafios da previ- dência estadual e nacional para o âmbito acadêmico estão entre os objetivos. Um termo de cooperação, a ser assinado nos próximos dias, deve oficializar o projeto. Fim do prazo Gestores municipais da Assistência Social têm até 30 de junho para preencher e aprovar o Plano de Ação 2015 do Sistema Único de Assistên- cia Social (SUAS) no Conselho de Assis- tência Social. É por meio do plano que os municípios garantem a manutenção do repasse de recursos. Andréa Leonora ��or�an��o���� ����or�an��o���� �� 24Jun15 Estreiacomdestaque Dalírio Beber (PSDB-SC) fez ontem seu primeiro discurso como senador da República e também presidiu a sessão. Evidentemente emocionado ao se referir ao senador Luiz Henrique da Silveira, falecido em maio, Beber reiterou que dará conti- nuidade ao trabalho iniciado por seu antecessor na vaga. Ele afirmou que vai lutar por mudan- ças no pacto federativo, bandeira muitas vezes levantada por LHS. Após um breve diagnóstico sobre Santa Catarina, o senador tucano disse que vai exigir mais investimentos na infraestrutura do estado por parte do governo federal. Beber foi aparteado pela sena- dora Ana Amélia Lemos (PP-RS) que, também muito emotiva, afirmou a “grande honra” de ser suplente de Luiz Henrique. JeffersonRudy/AgênciaSenado
  7. 7. Segurança 7Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 Câmeras de vigilância, 190 e efetivo foram temas da reunião pública com vereadores, prefeito e representantes das polícias Pública já anunciou que, de todas as regiões catari- nense, o sul é a que menos se preocupa, considerando a proporção de ocorrências criminosas. Quando um dos verea- dores questionou se a clas- se política podia ajudar a negociar efetivo exclusivo para Maracajá, o delegado ³Aumento da violência foi discutido na câmara de vereadores na noite de ontem Djonatha Geremias > MARACAJÁ Oque era para ser umposicionamen- to estratégico e positivo para o comércio, agora vi- rou motivo de insegurança e criminalidade: a locali- zação de Maracajá, entre Araranguá, Forquilhinha e Criciúma, tem aumenta- do a frequência de furtos, assaltos e latrocínios. Por isso, comunidade, comér- cio, prefeito e vereadores participaramontemànoite de uma reunião com lide- ranças das Polícias Civil e Militar, na Câmara de Vereadores para debater soluções práticas. O debate começou abordando os problemas com o telefone de emergên- ciadaPolíciaMilitar,o190. Segundo os vereadores, a população reclama com frequência que a ligação cai na central de Criciúma, que não repassa para a de Araranguá. O capitão Alberto Ci- chella,maracajaenseeche- fe operacional da 1ª Com- panhia de PM (responsável por Maracajá, Araranguá e Arroio do Silva), respon- deu que estão sendo feitos monitoramentos em diver- sos pontos estratégicos de Maracajá com frequência, Maracajá cobra mais segurança Com Medo sendo o próximo em julho. “Com o resultado, estamos ‘enchendo o saco’ das ope- radoras de telefonia para corrigir esse problema, porque depende delas a transferência das ligações do 190 para as centrais de- vidas”, explicou o capitão. Ele ressaltou ainda que, enquanto o problema não é resolvido pelas operadoras, a central de Criciúma está orientada oficialmente a repassar o atendimento a Araranguá e que, se isso não acontecer, a população deve denunciar. O presidente da Câma- ra de Dirigentes Logistas (CDL) de Maracajá, Valmir Pedro, questionou o prefei- to Wagner da Rosa sobre a possibilidadedeimplemen- tar câmeras de vigilância públicas nas ruas de Mara- cajá, para inibir a vontade dos bandidos de fora entra- rem na cidade. O prefeito foi enfático ao responder que, pela prefeitura, hoje mesmo já seria possível assinar o convênio para implementar a tecnologia, e que tem orçamento para isso, mas que o município não tem dinheiro para fa- zer a manutenção mensal das câmeras. “Esse assunto já foi debatidodiversasvezes,ea CDL sabe que a manuten- çãoécara.CustaR$3,5mil por mês por cada câmera. Se instalarmos um mínimo de dez aparelhos, já são R$ 35 mil por mês, mais de R$ 400 mil por ano. Se a CDL se comprometer a pagar a manutenção mensal, eu assino o convênio amanhã mesmo”, desafiou o prefei- to. Ele ilustrou que o custo é tão caro, que nenhum município da região sul tem aderido a essa tecno- logia. “Até Criciúma, que instalou em uma parte da cidade, já está retirando”, exemplificouWagner,eque o Governo do Estado, que é o responsável legal pela segurança pública, não ofereceapoionessequesito. Outro assunto suscita- do pela comunidade, que lotou a Câmara Municipal, foi a falta de um posto da PM em Maracajá. O capi- tão Cichella explicou que o Batalhãoépensadoeadmi- nistrado regionalmente e elenca prioridades. Propor- cionalmente, Araranguá tem um índice muito mais alto de criminalidade do que Maracajá, pelo menos em quatro bairros, e que, sefosseparainstalarnovos postos, seriam neles antes de chegar a Maracajá. O problema de instalar um posto é o efetivo, pois exige no mínimo duas guarni- ções de dois policiais se revezando em turnos. E o efetivo é justamente o que falta a todos os 15 municípios da região, e não é diferente em outras regiões de Santa Catari- na. O próprio secretário de estado da Segurança titular de Maracajá, Jair Duarte Pereira, ressaltou que não dá mais para os municípios pensarem indi- vidualmente. “Não adian- ta pensar em Maracajá apenas, não é assim que funciona. A busca política tem que ser regional”, fri- zou Jair, representante da Polícia Civil. Mesmo problema
  8. 8. Entretenimento Novelas - Horóscopo - Diversão Cruzadinha Novelas Sete Vidas -18h I love Paraisópolis -19h Babilônia -21h M elodia e Olga ficam surpresas ao saber que Mari irá trabalhar para Soraya. Gabo se aproxima de Ximena para conseguir informações sobre Jávai. Lindomar chora ao saber do estado de Grego. Benjamin acusa Soraya de querer internar Izabelita para comandar a Pilartex. Ximena avisa a Lindomar que ninguém pode saber sobre Grego, porque ele corre risco de morte. Soraya se surpreende ao saber que Mari é de Paraisópolis. I rene se desespera com a possibilidade de se afastar de Dora. Iara e Arthurzinho conseguem disfarçar, e Virgínia se encanta com Léo. Vicente se despede de Luísa, que embarca para Londres. Isabel e Lígia apoiam Irene. Esther se aproxima de Eriberto. A assistente social confirma a Irene que Diana não quer abrir mão de Dora. Lígia diz a Vicente que se precipitou em beijá-lo. Luís leva Isabel para uma viagem-surpresa. Felipe embarca para a África. I nês perde o controle na delegacia e é contida por policiais. Beatriz manipula Vera e diz que Inês sempre é agressiva. Inês é transferida para a Casa de Custódia e tenta impor respeito às outras presas. Regina aceita trabalhar no antiquário de Estela. Zélia diz para Ivete que encontrou formol escondido no salão e a cabelereira se faz de inocente. Evandro se alegra com a possibilidade de Guto e Helô namorarem. Celina conta para Alice que Inês foi presa. Rapidinhas Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 Áries 21/03 a 20/04 Cuidadocomconfusõesemal-entendidosemseusrelaciona- mentos.Hojepodehaverdificuldadesnacomunicação;preste atenção nas entrelinhas. É um momento muito importante para você ouvir a sua sensibilidade e intuição. Leão 21/07 a 20/08 Sagitário 21/11 a 20/12 Tende a haver problemas de comunicação em suas parceriaserelações.Sejamaisflexívelaospontosdevista alheios. É um momento em que pode haver dificuldade dediálogocomosfamiliares. Gêmeos 21/05 a 20/06 Mercúrio,oseuplanetaregente,estáemcontatodesafia- dorcomNetuno.Muitaatençãocomadistração,confusão emal-entendidos.Éummomentoemquedeveestarmais atentoàsuavozinterior,geminiano. Libra 21/09 a 20/10 Presteatençãonasentrelinhasenoqueasuasensibilidade aponta. Este é um momento interessante para estudos e leituras de temas espiritualistas. Em questões ligadas aos estudoseviagens,avaliecommaiscalmaassituações. Aquário 21/01 a 18/02 Pode haver preocupações envolvendo filhos e a vida afetiva. É um momento em que deve estar atento às negociações financeiras. Importância daquilo que tem valoremocionalaosaquarianos. Touro 21/04 a 20/05 Pode haver indecisão ou confusão em relação aos temas financeiros.Omomentoéimportanteparaavaliarcommais calma as finanças e emoções. É um período oportuno para perceber o que realmente tem valor na sua vida. Virgem 21/08a20/09 Mercúrio, seu regente, está novamente em contato desafiador com Netuno. Tende a haver dificuldades de entendimentos nos seus relacionamentos. É um mo- mento em que pode haver desafios entre os objetivos profissionais e os relacionamentos. Capricórnio 21/12 a 20/01 É hora de cuidar mais da saúde e da qualidade de vida. É um momento importante para leituras e cursos que tenhamrelaçãocomotrabalho.Podehaverdificuldades decomunicaçãocomcolegas. Câncer 21/06 a 20/07 A energia física e mental dos cancerianos tende a estar em baixa. É um momento importante para você refletir e se interiorizar.Éumafaseoportunaparaestaratentoaossinais e pressentimentos. Escorpião 21/10 a 20/11 Percepçõesdanecessidadedemudançasnospensamentos enasatitudes.Nãoéummomentofavorávelparanegocia- ções, escorpiano. Dia importante para estar atento à sua intuiçãoeaoqueénecessáriomodificar. Peixes 19/02 a 20/03 Momento que pode ser delicado e desafiador na vida dos piscianos. Pode haver dificuldades de comunicação em suas relações e parcerias. É preciso que preste mais atenção na intuição e na voz interior. Horóscopo Atenção com confusões que podem envolver amigos, leonino. É um momento importante para repensar a sua conduta emocional e financeira. É hora de ouvir mais a intuição;tenhacuidadocomconfusões. Grávida de quatro meses, Deborah Sec- co fez uma revelação surpreendente ao TV Fama, da Rede TV!, exibido na noite desta terça-feira (23). A bela deu detalhes a respeito da gravi- dez e contou que não planejava ser mamãe neste momento, já que fazia uso da pílula anticoncepcional. “Eu sempre tomei o remédio, talvez um pouco errado, mas não achava que iria engravidar. Por causa da novela (Verdades Secretas), eu estava tentando me precaver e só pensava em ter um filho quando acabas- sem as gravações, mas aconteceu e estou no meu melhor momento”, afirmou a atriz. Durante a entrevista, Deborah Secco também falou sobre a dieta que está seguin- do e afirmou não estar preocupada com seu peso durante esse período. “Estou comendo de tudo e bastante, porque quero que minha filha nasça muito forte. O que eu engordar, posso emagrecer depois, agora não é a hora de restrição. Quando voltar a ser uma pessoa só, aí sim voumepreocuparcomissodenovo”,contou. MariaFlor,onomeescolhidopelaatriz,é a primeira filha dela e do noivo, o engenheiro Hugo Moura.
  9. 9. militares do 19º BPM. Ela alertou para o câncer bucal, expondo os fatores de risco, que são divididos em extrínsecos (tabaco, álcool, exposição solar) e intrínsecos (desnutrição e anemia por deficiência deferro),bemcomotratou dasformasdetratamento, prevenção e autoexame. Nasequência,ocaboe psicólogo Jussiê Gavasso da Luz fez apontamentos sobre a saúde mental do policial e realizou uma palestra com o objetivo Segurança 9Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 Policiais militares têm trabalho especial de educação física e assistem palestras que ajudam a ter qualidade de vida ³Policiais assistiram palestras com dentista, médico e psicólogo da corporação ³Conselho de Segurança é reativado em Jacinto > ARARANGUÁ Oefetivo do 19º Batalhão de Po- lícia Militar (19ºBPM), de Araranguá,participou de uma reunião que teve como principal objetivo enfatizar a importância da saúde física e mental dos policiais militares paraumamelhorqualida- de de vida e consequente reflexoemsuasatividades desenvolvidas em prol as PM quer corpo são em mente sã segurança pública. Para atender esse ob- jetivo, profissionais da áreadesaúdeda6ªRegião de Polícia Militar realiza- ram palestras assistidas por mais de 100 policiais militares. A tenente dentista Raquel Maria Brum mi- nistrou uma palestra com o objetivo de transmitir e trocar conhecimentos acerca de medidas pre- ventivas em saúde bucal e apresentar o serviço de odontologia aos policiais Exemplar Da redação > JACINTO MACHADO Lideranças e comu- ConsegéreativadoemJacinto nidade em geral reuniram- -se na Câmara de Verea- dores de Jacinto Machado para realizar a solenidade de reativação do Conselho Comunitário de Seguran- ça (Conseg). Estiveram presentes o capitão Marcelo Berton- cini Zanette, comandante da 3ª Companhia do 19º Batalhão de Polícia Mili- tar; sargento Rogério Pe- reira Mota, cabo Marcelo Pícolo, agente de polícia Maria Aparecida Casa- grande, escrivão Odivan Teixeira do Canto e repre- sentantes da sociedade. Foi realizada uma palestra com o objetivo de delinear as finalidades do Conselho Comunitário de Segurança e tratar sobre as atribuições da diretoria, que tem como presidente Wolni José Walter e como viceAdelor Emerich. de apresentar o serviço de psicologia que está implantado na 6ªRPM, esclarecendoasatribuições do psicólogo e o funciona- mento do serviço. Foi ainda ministrada uma palestra pelo tenente médico Matheus Cúrcio Locatelli,quetrouxeàtona assuntos como sedentaris- mo, obesidade e vacinação. Para finalizar, o major Maike Adriano Valgas, chefe da Seção de Plane- jamento do 19º BPM, res- saltou a importância da criação da Seção de Edu- cação Física no batalhão, que conta com o trabalho da profissional da área de educação física, soldado Débora Romero Schulz Konig, enfatizando a pre- ocupação que se tem com a saúde física e mental do policial militar.
  10. 10. Publicidade10 Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015
  11. 11. Correio Especial Igor Borges igor.borges@grupocorreiodosul.com.br www.facebook.com/igor.borges @igormborges Inovação Baseada na gestão em três pila- res: produtores, pessoas e pla- neta, a Alliance One apresentou seu relatório de sustentabilidade de 2014, que teve um foco na inovação etecnologia,comoaimplantaçãodo sistema de gerenciamento de pro- dutores (GMS) e o projeto de pro- dução de tabaco orgânico. Segundo seu diretor, “a eficiência corporativa corporativa passa pela habilidade das empresas de se reinventarem, de esta- rem abertas ao novo e de explorarem as suas competências”. Aniversário em Família O QUE VOCÊ ESTÁ PENSANDO Foto do Dia #fotododiacorreiodosul Novo visual para 2016, 45 confima!! - Jucimar Custódio (Bujão) “Aprovado UDESC - Administração! Que venha vestibular da UFSC!!” Eduardo Camilo Do Canto Família O evento de comemoração do Colégio Iemes foi um piquenique. O dia não poderia ser mais propício, a chuva e o frio deram trégua e todos puderam aproveitar. Por sinal era muita gente, corrigindo, muitas famílias:pais,filhos,avóseavôs,din- das e dindos. Muita comida, dança, brincadeira,natureza,história.Mui- to mais que um simples piquenique as irmãs e suas fiéis colaboradoras, fizeram de uma tarde de sá- bado o que se propõem a 50 anos, reuniram as famílias, que em comunidade compartilharam, comeram,estiveramemcontatocom a natureza, brincaram com as crian- ças, sorriram, conversaram entre si, festejaram,ouseja,educaramdentro dosprincípiosevaloreshumanosdo colégio. Mostra viva que educar é muito mais que ensinar a ler , escre- ver e contar #parabénsIemes Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 ³O Colégio Iemes, de Sombrio, comemorou no último sábado, dia 20, 50 anos de sua fundação. ³Um piquenique em família foi promovido pelas irmãs Sacramentinas de Bérgamo. Alma A Audi promete que seu espor- tivo Audi TT represente a essência da marca. E toda esportividade, tecnologia e conforto encontrados neste carro estarão nos próximos lançamentosdomodelo,comooQ3, Q8 e Audi A4. O Audi TT é muito mais que um carro, é a alma da Audi. Custo Vendas caindo e custos subindo. Cenário que muitos empresários es- tão enfrentando hoje. Alguns acham que a crise está apenas na cabeça das pessoas, outras a sentem no bolso. De certo é que para muitos o dinheiro não entra e os custos só aumentam. Solução? Especialistas sugerem um estrito controle dos custos operacionais, como energia elétrica. Focar no fluxo de caixa. Muitos afirmam que um fluxo de caixa robusto é melhor que muito lucro em momentos de crise. O momento é se segurar e deixar a “marola” passar sem que o barco afunde.#saipralácrise
  12. 12. Publicidade12 Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015
  13. 13. Geral 13Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 ESTADO DE SANTACATARINA PREFEITURAMUNICIPALDEARARANGUÁ AVISO DE LICITAÇÃO EDITAL Nº 97/2015 - MODALIDADE PREGÃO PRESENCIAL OBJETO: Aquisição de 1 (um) container novo, móvel, com 06 (seis) metrosemvãolivreparaserusadocomoCAT-CentrodeAtendimento ao Turista do município de Araranguá, cujas especificações encontram-se detalhadas no termo de referência anexo ao edital de licitação. TIPO DA LICITAÇÃO: Menor Preço por Item ENTREGADOS ENVELOPES:Até às 16h45min; do dia 07 de julho de 2015, no Serviço de Protocolo Geral da Prefeitura, sito à Rua Dr. Virgulino de Queiróz, 200, centro. ABERTURA DOS ENVELOPES: Às 17h00min do dia 07 de julho de 2015, na sala de reuniões do Departamento de Licitações da Prefeitura. REGIMENTO:LeisFederais8.666/93e10.520/02,LeiComplementar 123/2006, Lei Complementar 147/2014 e Decreto Municipal nº 2.676/05. EDITAL COMPLETO E INFORMAÇÕES: Está à disposição dos interessados no horário de expediente da Prefeitura, no endereço eletrônico;www.ararangua.sc.gov.br,eafixadonomural,localizadono hall de entrada da sala do Departamento de Licitações da Prefeitura. Maiores informações poderão ser obtidas pelo telefone (fax) 0XX48 3521.0929 ou pelo e-mail: licitacao@ararangua.sc.gov.br Araranguá, SC, 23 de junho de 2015. Sandro Roberto Maciel - Prefeito Municipal Liliane Silva de Souza - Pregoeira Hyundai lança novo HB20 S Impress A Hyundai está com uma novidade. Chegou o no HB20 S Impress. Além de renovar o interesse sobre o compacto que será reestilizado no segundo semestre, a série especial surfa na demanda do modelo top de linha, responsável por 35% das vendas do sedã compacto. Limitada ao sedã, a série especial de três mil unidades é baseada na versão Comfort Plus 1.6. Os bancos são revestidos de couro perfurado na faixa central e couro artificial nas bordas, algo que só está disponível no Premium. As rodas diamantadas aro 15 calçadas em pneus 185/60 são exclusivas e combinam com o ar clássico pretendido pela Hyundai, que preferiu deixar de fora toques mais ousados como a grade e entrada de ar pintadas de preto e investir em maçanetas cromadas. Vem de série ainda o sistema multimídia BlueMediaTV com tela de sete polegadas sensível ao toque. Completam o conjunto de itens os vidros elétricos um-toque para todos, retrovisores com piscas, sensor de luz e de estacionamento. Na pista, o motor 1.6 flex de 128 cv cumpre bem o seu papel. Muitos itens trazidos pelo Impress sequer estão disponíveis no Comfort Plus, exemplos do volante ajustável em altura e profundidade, rodas de liga, multimídia, couro, entre outros. O HB20 S Impress oferece um bom custo- benefício. Como outras séries especiais, consegue oferecer itens de série vantajosos. A propriedade a longo prazo é beneficiada pela garantia total de cinco anos. Ficha técnica Motor: Dianteiro, tranversal, quatro cilindros em linha, 16V, flex, injeção eletrônica Cilindrada: 1.591 cm³ Potência: 122/128 cv a 6.000 rpm Torque: 16/16,5 kgfm a 5.000 rpm Transmissão: Manual de cinco marchas, tração dianteira Direção: Hidráulica Suspensão: McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira Freios: Discos ventilados na dianteira e tambor na traseira Pneus: 185/65 R15 Dimensões: Compr. 4,23 m, largura 1,68 m, altura 1,47 m, entre-eixos 2,50 m Capacidades:Tanque 50 l; Porta-malas: 473 litros (aferido porAutoesporte) e 450 litros (divulgados pela montadora) Peso: 1.011 kg
  14. 14. 14 Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 Publicidade
  15. 15. Publicações Legais 15Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 Tráfico AVISO DE LICITAÇÃO EDITAL Nº 96/2015 - MODALIDADE PREGÃO PRESENCIAL EXCLUSIVA PARA ME, EPP E MEI OBJETO: REGISTRO DE PREÇOS para eventuais e futuras aquisições de gêneros alimentícios objetivando a manutenção do Corpo de Bombeiros Militar de Araranguá, cujas especificações encontram-se detalhadas no termo de referência anexo ao edital de licitação. TIPO DA LICITAÇÃO: Menor Preço por Item ENTREGA DOS ENVELOPES: Até às 08h45min; do dia 07 de julho de 2015, no Serviço de Protocolo Geral da Prefeitura, sito à Rua Dr. Virgulino de Queiróz, 200, centro. ABERTURA DOS ENVELOPES: Às 09h00min do dia 07 de julho de 2015, na sala de reuniões do Departamento de Licitações da Prefeitura. REGIMENTO: Leis Federais 8.666/93 e 10.520/02, Lei Complementar 123/2006, Lei Complementar 147/2014 e Decreto Municipal nº 2.676/05. EDITAL COMPLETO E INFORMAÇÕES: Está à disposição dos interessados no horário de expediente da Prefeitura, no endereço eletrônico; www.ararangua.sc.gov.br, e afixado no mural, localizado no hall de entrada da sala do Departamento de Licitações da Prefeitura. Maiores informações poderão ser obtidas pelo telefone (fax) 0XX48 3521.0929 ou pelo e-mail: licitacao@ ararangua.sc.gov.br Araranguá, SC, 23 de junho de 2015. Sandro Roberto Maciel - Prefeito Municipal Liliane Silva de Souza - Pregoeira ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARANGUÁ EDITAL DE INTIMAÇÃO ARLINDO EDÍLIO DA ROSA, Titular do TABELIONATO DE NOTAS E PROTESTOS DE TÍTULOS desta Comarca de Sombrio, situado na Av. Nereu Ramos, 1300 - Fone (48) 3533- 0318 - CEP 88960-000, atendimento das 08:00h - 12:00h e 14:00h - 18:00h, faz saber na forma da Lei aos que o presente EDITAL virem, que se encontram nesse tabelionato para serem protestados, decorrido o prazo legal de 03 (três) dias úteis, por não terem sido encontrados nos endereços fornecidos, ou por se recusarem a tomar conhecimento, os títulos cujos responsáveis estão abaixo discriminados. Ficam esclarecidos, também, de que nesse mesmo prazo poderão apresentar resposta escrita, que não impedirá a lavratura do protesto. PROT. APRESENTANTE / CNPJ DEVEDOR / CNPJ Prot: 136174; Devedor(es).: AILTON RAUPP DA SILVA - 063.003.069-33, End: Rua Aniceto Silveira, S/N, Sombrio; Tip: Normal; Mot: Falta de pagamento; Ced: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Sac: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Tit: 3051060 ; Apr: FCDL; VEN: 27/05/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 279,00+Juros Legais (1% a.m.); Emol.: 55,95. Prot: 136126; Devedor(es).: ALFRÂNIO BARBOSA PEREIRA - 974.492.029-72, End: Rua Breno Cardoso, 1085, SOMBRIO; Tip: Normal; Mot: Falta de pagamento; Ced: CONTEMPLA ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS LTDA.; Sac: CONTEMPLA ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS LTDA.; Tit: 894/181 ; Apr: BANCO DO BRASIL SA; VEN: 15/06/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 432,00+Juros Legais (1% a.m.); Emol.: 46,96. Prot: 136102; Devedor(es).: CRISTIAN PEREIRA MARQUES - 105.035.789-24, End: Rua Valerim Inacio da Rosa, S/N, Sombrio; Tip: Normal; Mot: Falta de pagamento; Ced: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Sac: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Tit: 305615-1 ; Apr: FCDL; VEN: 05/01/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 165,55+Juros Legais (1% a.m.); Emol.: 46,96. Prot: 136091; Devedor(es).: ELIANE MARIA VEFAGO - 579.559.489-04, End: Rua Luiz Coelho, 564, Sombrio; Tip: Normal; Mot: Falta de pagamento; Ced: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Sac: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Tit: 307918-1 ; Apr: FCDL; VEN: 12/02/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 327,40+Juros Legais (1% a.m.); Emol.: 46,96. Prot: 136090; Devedor(es).: FLAVIO JONATAN MORO DE ARAUJO - 096.538.439-07, End: Rua Jose Patricio dos Santos, 570, Sombrio; Tip: Normal; Mot: Falta de pagamento; Ced: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Sac: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Tit: 308430-7 ; Apr: FCDL; VEN: 20/05/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 224,00+Juros Legais (1% a.m.); Emol.: 46,96. Prot: 136078; Devedor(es).: JOAO MARCELO PEREIRA GONCALVES - 081.109.749-88, End: Rua José Patricio dos Santos, 570, Sombrio; Tip: Normal; Mot: Falta de pagamento; Ced: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Sac: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Tit: 307376-*1 ; Apr: FCDL; VEN: 01/06/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 446,00+Juros Legais (1% a.m.); Emol.: 46,96. Prot: 136081; Devedor(es).: JONAS PEREIRA COELHO - 107.724.559-96, End: Rua Telegrafista Adolfo Coelho, 1301, Sombrio; Tip: Normal; Mot: Falta de pagamento; Ced: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Sac: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Tit: 302640-2 ; Apr: FCDL; VEN: 21/04/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 240,00+Juros Legais (1% a.m.); Emol.: 46,96. Prot: 136171; Devedor(es).: JULIANA BERNARDO PECKER FARIAS - 096.899.849-69, End: Rua Telegrafista Adolfo Coelho, 1396, Sombrio; Tip: Normal; Mot: Falta de pagamento; Ced: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Sac: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Tit: 3080753 ; Apr: FCDL; VEN: 13/05/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 205,70+Juros Legais (1% a.m.); Emol.: 46,96. Prot: 136079; Devedor(es).: KANANDADOS SANTOS SANTANA - 102.860.899-39, End: Rua Telegrafista Adolfo Coelho, 1835, Sombrio; Tip: Normal; Mot: Falta de pagamento; Ced: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Sac: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Tit: 307459-5 ; Apr: FCDL; VEN: 04/04/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 591,50+Juros Legais (1% a.m.); Emol.: 46,96. Prot: 136189; Devedor(es).: LUIZ CARLOS MACHADO DOS SANTOS - 056.724.029-09, End: Estrada Geral, S/N, Sombrio; Tip: Normal; Mot: Falta de pagamento; Ced: MONSTRINHO IND E COM DE CONFECCOES; Sac: MONSTRINHO IND E COM DE CONFECCOES; Tit: 41087 ; Apr: FCDL; VEN: 05/04/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 330,12+Juros Legais (1% a.m.); Emol.: 54,62. Prot: 136097; Devedor(es).: MARIELE AMANCIO MACHADO - 101.742.029-70, End: Rua das Flores, 13, Sombrio; Tip: Normal; Mot: Falta de pagamento; Ced: CONFECCOES MATTRIC LTDA; Sac: CONFECCOES MATTRIC LTDA; Tit: 23812 ; Apr: FCDL; VEN: 09/03/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 299,88+Juros Legais (1% a.m.); Emol.: 46,96. Prot: 136166; Devedor(es).: ZAIRA DE LIMA PERES - 009.593.780-30, End: Av. Adolfo Tiscoski, 367, Sombrio; Tip: Normal; Mot: Falta de pagamento; Ced: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Sac: SUPER CREDI JAPONES SERVI OS ASSESSORIA CREDI; Tit: 3072250 ; Apr: FCDL; VEN: 30/03/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 157,80+Juros Legais (1% a.m.); Emol.: 46,96. Sombrio - SC, 24/06/2015 - ARLINDO EDÍLIO DA ROSA
  16. 16. ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARANGUÁ Publicações Legais16 Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 LEI Nº 3.346, DE 22 DE JUNHO DE 2015. APROVA O PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ARARANGUÁ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Sandro Roberto Maciel, no exercício das atribuições emanadas da Lei Orgânica do Município, faz saber a todos os habitantes do Município que a Câmara de Vereadores aprovou e ele sanciona a seguinte lei: Art.1° Fica aprovado o Plano Municipal de Educação ‐ PME, com vigência por 10 (dez) anos (2015‐2024), conforme determina a Lei Federal n° 13.005, de 25 de junho de 2014, com vistas ao cumprimento da Emenda Constitucional n° 59/2009 e do disposto no art. 214 da Constituição Federal. Art.2° O Plano Municipal de Educação foi elaborado com participação da Sociedade Civil e Governamental, sob a Coordenação da Comissão Municipal de Elaboração do Plano Municipal de Educação de Araranguá/SC, nomeada sob o Decreto n° 6734, de 14 de Novembro de 2014 e da Comissão Municipal de Elaboração,Acompanhamento eAvaliação do Plano Municipal de Educação, nomeada sob o Decreto n° 6757/14 de 12 de dezembro de 2014 e subsidiado pela Secretaria Municipal de Educação de Araranguá. Art.3° São diretrizes do PME: I - erradicação do analfabetismo; II - universalização do atendimento escolar; III - superação das desigualdades educacionais, com ênfase na promoção da cidadania e na erradicação de todas as formas de discriminação; IV - melhoria da qualidade da educação; V - formação para o trabalho e para a cidadania, com ênfase nos valores morais e éticos em que se fundamenta a sociedade; VI - promoção do princípio da gestão democrática da educação pública; VII - promoção humanística, científica, cultural e tecnológica do País; VIII - estabelecimento de meta de aplicação de recursos públicos em educação como proporção do Produto Interno Bruto - PIB, que assegure atendimento às necessidades de expansão, com padrão de qualidade e equidade; IX - valorização dos (as) profissionais da educação; X - promoção dos princípios do respeito aos direitos humanos, à diversidade e à sustentabilidade socioambiental. Art.4° O Plano Municipal de Educação contém a proposta educacional do município de Araranguá, com suas respectivas metas e estratégias, conforme documento anexo, fazendo parte integrante à presente Lei. Art.5° As metas previstas no Anexo Único integrante desta lei deverão ser cumpridas no prazo de vigência do PME, desde que não haja prazo inferior definido para metas e estratégias específicas. Art.6° Compete a Secretaria Municipal de Educação e ao Conselho Municipal de Educação realizarem o acompanhamento e a avaliação da execução do Plano. Art.7° As despesas decorrentes da aplicação desta Lei correrão por conta das dotações orçamentárias próprias do orçamento vigente, suplementadas se necessárias e, de outros recursos captados no decorrer da execução do Plano. Art.8° Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação. Art.9º Revogam‐se as disposições em contrário. Prefeitura Municipal de Araranguá, em 22 de junho de 2015. SANDRO ROBERTO MACIEL Prefeito Municipal Registrada e publicada a presente Lei na Secretaria de Administração, em 22 de junho de 2015. FERNANDO VALMOR MARCELINO Secretário de Administração ANEXO ÚNICO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ARARANGUÁ 2015 – 2024 METAS E ESTRATÉGIAS META 01 EDUCAÇÃO INFANTIL Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 04 (quatro) a 05 (cinco) anos e 9 meses de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches de forma a atender, no mínimo, (70%) (setenta por cento) das crianças de até 03 (três) anos até o final da vigência deste Plano. Estratégias: 1.1 Definir, em regime de colaboração com a União e o Estado, metas de expansão da respectiva rede pública de educação infantil segundo padrão nacional de qualidade, considerando as peculiaridades locais, de acordo com artigo 25 e parágrafo único da lei 939496. 1.2 Garantir que, ao final da vigência deste Plano, seja inferior a 10% (dez por cento) a diferença entre as taxas de frequência à educação infantil das crianças de até 3 (três) anos oriundas do quinto de renda familiar per capita mais elevado e as do quinto de renda familiar per capita mais baixa. 1.3: O município em regime de colaboração com quadro docente, realizará e publicará, a cada ano, levantamento da demanda manifesta por Educação Infantil, em creches e escolas como forma de planejar o seu funcionamento. 1.4 Estabelecer, no primeiro ano de vigência do Plano, normas, procedimentos e prazos para definição de mecanismos de consulta pública da demanda das famílias por creches. 1.5 Manter e ampliar, em regime de colaboração com a União e o Estado, bem como com outras instituições, programa municipal de construção e reestruturação de escolas, bem como de aquisição de equipamentos, visando à expansão e à melhoria da rede física de escolas públicas de educação infantil, respeitando, inclusive, as normas de acessibilidade e as necessidades pedagógicas específicas das unidades escolares. 1.6 Implantar, até o segundo ano de vigência do Plano, avaliação da educação infantil articulada entre os setores da educação, a ser realizada a cada 2 (dois) anos, com base em parâmetros nacionais de qualidade, a fim de aferir a infraestrutura física, o quadro de pessoal, as condições de gestão, os recursos pedagógicos, a situação de acessibilidade, entre outros indicadores relevantes. 1.7 Articular a oferta de matrículas gratuitas em creches certificadas, como entidades beneficentes de Assistência Social na área de Educação, propiciando a expansão do acesso à rede escolar pública. 1.8 Estimular a articulação entre pós-graduação, núcleos de pesquisa e cursos de formação para profissionais da educação, de modo a garantir a elaboração de currículos e propostas pedagógicas que incorporem os avanços de pesquisas ligadas ao processo de ensino e aprendizagem e às teorias educacionais no atendimento da população de 0 (zero) a 5 (cinco) anos. 1.9 Fomentar o atendimento às populações do campo e às comunidades quilombolas na educação infantil nas respectivas comunidades, por meio do redimensionamento da distribuição territorial da oferta, limitando a nucleação de escolas e o deslocamento de crianças, de forma a atender às especificidades dessas comunidades, garantido consulta prévia e informada. 1.10 Priorizar o acesso à educação infantil e garantir a oferta do atendimento educacional especializado complementar e suplementar à criança com deficiência, transtornos do espectro do autismo, transtorno do déficit de atenção com hiperatividade e altas habilidades/superdotação, assegurando a educação bilíngue para crianças surdas e a transversalidade da educação especial nessa etapa da educação básica. 1.11 Implementar programas de orientação e apoio às famílias, por meio da articulação das áreas de educação, saúde e assistência social, com foco no desenvolvimento integral das crianças de até 3 (três) anos de idade. 1.12 Preservar as especificidades da educação infantil na organização das redes escolares, garantindo o atendimento da criança de 0 (zero) a 5 (cinco) anos em estabelecimentos que atendam a parâmetros nacionais de qualidade e a articulação com a etapa escolar seguinte, visando ao ingresso do (a) aluno (a) de 6 (seis) anos de idade no ensino fundamental. 1.13 Garantir o acompanhamento e o monitoramento do acesso e da permanência das crianças na educação infantil, em especial dos beneficiários de programas de transferência de renda, em colaboração com as famílias e com os órgãos públicos de assistência social, saúde e proteção à infância. 1.14 Promover a busca ativa de crianças em idade correspondente à educação infantil, em parceria com órgãos públicos de assistência social, saúde e proteção à infância, preservando o direito de opção da família em relação às crianças de até 3 (três) anos de idade. 1.15 Realizar e publicar, com a colaboração da União e do Estado, a cada ano, levantamento da demanda manifesta por educação infantil em creches e pré-escolas, como forma de planejar e verificar o atendimento. 1.16 Estimular o acesso à educação infantil em tempo integral, para todas as crianças de 0 (zero) a 5 (cinco) anos, conforme estabelecido nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. 1.17 Implementar espaços lúdicos de interatividade considerando a diversidade étnica, de gênero e sociocultural, tais como: brinquedoteca, ludoteca, biblioteca infantil e parque infantil. 1.18 Avaliar, até o 5º (quinto) ano de vigência desse Plano, o dispositivo legal municipal que trata do número de estudantes por turma. 1.19 Manter, adequar e ampliar os espaços de atendimento da Educação Infantil, para além das unidades escolares, como parques, playgrounds, praças, etc. 1.20 Elaborar mecanismos institucionais de gestão de modo a garantir o cumprimento da lei 12.796/2013 que determina o atendimento à criança de, no mínimo, 4 (quatro) horas diárias para o turno parcial e de 7 (sete) horas para a jornada integral com a carga horária mínima anual de 800 (oitocentas) horas, distribuídas por um mínimo de 200 (duzentos) dias de trabalho educacional. 1.21 Estabelecer, como requisito mínimo, em prazo de 5 anos a partir do início da vigência desse plano, que o gestor das instituições de Educação Infantil seja profissional habilitado em pedagogia e possua habilitação, formação ou especialização em Gestão Escolar. 1.22 Implantar programa de apoio pedagógico para atender as necessidades dos docentes nos Centros de Educação Infantil, no âmbito da Secretaria Municipal de Educação, inclusive com contratação de profissional habilitado, a partir de 2 (dois) anos do início da vigência desse plano. 1.23 Garantir a oferta da alimentação escolar, na Educação Básica, com segurança alimentar e nutricional, preferencialmente com produtos da região. META 02 ENSINO FUNDAMENTAL Universalizar o ensino fundamental de 9 (nove) anos para toda a população de 6 (seis) a 14 (quatorze) anos de idade e garantir que pelo menos 95% (noventa e cinco por cento) dos estudantes concluam essa etapa na idade recomendada, até o último ano de vigência deste Plano. Estratégias: 2.1 Promover assessoria e apoio pedagógico para as unidades escolares, na elaboração de mecanismos de gestão e, principalmente, no âmbito do trabalho pedagógico para o cumprimento efetivo dos direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimento constantes na base nacional comum curricular do Ensino Fundamental. 2.2 Atualizar a Proposta Curricular, sob a responsabilidade dos órgãos competentes, com a colaboração do corpo docente garantindo a implantação dos direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimento que configurarão a base nacional comum curricular do Ensino Fundamental, até o 5º(quinto) ano de vigência do PME. 2.3Criarmecanismos,noâmbitodosprojetospolíticospedagógicos (PPP) das unidades escolares, para o acompanhamento individualizado, de modo a garantir a permanência e o êxito dos (as) alunos (as) do Ensino Fundamental. 2.4 Fortalecer o acompanhamento e o monitoramento do acesso, da permanência e do aproveitamento escolar dos beneficiários de programas de transferência de renda, bem como o controle das situações de discriminação, preconceito e violência na escola, visando ao estabelecimento de condições adequadas para o sucesso escolar dos estudantes, em colaboração com as famílias e com os órgãos públicos de assistência social, saúde e proteção à infância, adolescência e juventude. 2.5 Promover a busca ativa de crianças e adolescentes fora da escola, o acompanhamento e o monitoramento de acesso e permanência na escola, em parceria com as áreas de saúde e assistência social. 2.6 Desenvolver tecnologias pedagógicas que combinem, de maneira articulada, à organização do tempo e das atividades didáticas entre a escola e o ambiente comunitário, considerando as especificidades da educação especial, das escolas do campo e das comunidades quilombolas. 2.7 Disciplinar, no âmbito dos sistemas de ensino e do Art. 31 da lei 12.796/2013, a organização flexível do trabalho pedagógico, incluindo adequação do calendário escolar de acordo com a realidade local, a identidade cultural e as condições climáticas da região. 2.8 Promover e apoiar o relacionamento das escolas com instituições e movimentos culturais, a fim de garantir a oferta regular de atividades culturais para a livre fruição dos estudantes dentro e fora dos espaços escolares, assegurando, ainda, que as escolas se tornem pólos de criação e difusão cultural. 2.9 Incentivar a participação dos pais ou responsáveis no acompanhamento das atividades escolares dos filhos por meio do estreitamento das relações entre as escolas e as famílias. 2.10 Estimular a oferta do ensino fundamental às populações do campo, quilombolas e das comunidades tradicionais. 2.11 Desenvolver formas alternativas de oferta do ensino fundamental, garantindo a qualidade, para atender aos filhos de profissionais que se dedicam a atividades de caráter itinerante (circenses, nômades, acampados e artistas). 2.12 Oferecer atividades extracurriculares (musicalização, teatros, concursos pedagógicos nacionais, oficinas, etc.) de incentivo aos estudantes de modo a estimular o desenvolvimento de habilidades, em toda Educação Básica. 2.13 Promover atividades de desenvolvimento e estímulo a habilidades esportivas nas escolas, interligando-as a um plano de disseminação do desporto educacional e de desenvolvimento esportivo nacional. 2.14 Efetivar, com as áreas de saúde, ação social e cidadania, rede de apoio ao sistema municipal de ensino para atender o público da educação especial. 2.15 Garantir o acesso e permanência dos estudantes na educação pública, viabilizando transporte escolar acessível com segurança, material escolar, laboratórios didáticos e biblioteca informatizada com acervo atualizado, visando a inclusão das diferentes etnias. 2.16 Garantir a oferta da alimentação escolar, na Educação Básica, com segurança alimentar e nutricional, preferencialmente com produtos da região. 2.17 Assegurar a renovação, manutenção e criação das bibliotecas, inclusive a biblioteca virtual com equipamentos, espaços, acervos bibliográficos, bem como profissionais especializados, como condição para a melhoria do processo ensino/aprendizagem. 2.18 Criar mecanismos que garantam a organização pedagógica, o currículo e as práticas pedagógicas, evitando o transporte de crianças dos anos iniciais do ensino fundamental do campo para a cidade. 2.19 Estabelecer programas educacionais que, efetivamente, promovam a correção das distorções idade/série com qualidade, promovendo ao educando condições de inserção e acompanhamento nas séries posteriores. 2.20 Garantir a implementação da Proposta Curricular do Estado de Santa Catarina e do Município de Araranguá, de maneira a assegurar a formação básica comum respeitando os valores culturais e artísticos nas diferentes etapas e modalidades da educação. 2.21 Garantir a inclusão de pessoas com deficiência nas instituições escolares do ensino regular, com adaptação dos meios físicos e capacitação dos recursos humanos, assegurando o desenvolvimento de seu potencial cognitivo, emocional e social. META 03 ENSINO MÉDIO Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a
  17. 17. Publicações Legais 17Correio do Sul Quarta-feira, 24 de junho de 2015 população de 15 (quinze) a 17 (dezessete) anos de idade e elevar, até o final do período de vigência deste Plano, a taxa líquida de matrículas no ensino médio para 90% (noventa por cento). Estratégias: 3.1 Aderir ao programa nacional de renovação do ensino médio com garantia dos recursos financeiros, para incentivar práticas pedagógicas com abordagens interdisciplinares estruturadas pela relação entre teoria e prática, por meio de currículos escolares que organizem, de maneira flexível e diversificada, conteúdos obrigatórios e eletivos articulados em dimensões como ciência, trabalho, linguagens, tecnologia, cultura e esporte, garantindo- se a aquisição de equipamentos e laboratórios, a produção de material didático específico, a formação continuada em serviço de professores e a articulação com instituições acadêmicas, esportivas e culturais. 3.2 Pactuar, entre União, Estado, no âmbito da instância permanente de negociação e cooperação, de que trata o § 5º do Art. 7º, da Lei nº 13.005/2014, a implantação dos direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimento que configurarão a base nacional comum curricular do ensino médio. 3.3 Promover a relação das escolas com instituições e movimentos culturais, a fim de garantir a oferta regular de atividades culturais para a livre fruição dos estudantes dentro e fora dos espaços escolares, assegurando ainda que as escolas se tornem pólos de criação e difusão cultural e prática desportiva, integrada ao currículo escolar. 3.4 Contribuir com a universalização do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), fundamentado em matriz de referência do conteúdo curricular do ensino médio e em técnicas estatísticas e psicométricas que permitam comparabilidade de resultados, articulando-o com o Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB), e promover sua utilização como instrumento de avaliação sistêmica, para subsidiar políticas públicas para a educação básica, de avaliação certificadora, possibilitando aferição de conhecimentos e habilidades adquiridos dentro e fora da escola, e de avaliação classificatória, como critério de acesso à educação superior. 3.5 Fomentar a expansão das matrículas gratuitas de ensino médio integrado à educação profissional, observando-se as peculiaridades das populações do campo, quilombolas e das pessoas público da educação especial. 3.6 Estruturar e fortalecer o acompanhamento e o monitoramento do acesso, da permanência, do aproveitamento escolar dos jovens beneficiários de programas de transferência de renda, bem como dos sujeitos em situações de discriminação, preconceito e violência, práticas irregulares de exploração do trabalho, consumo de drogas, gravidez precoce, buscando a colaboração com as famílias, de forma intersetorial. 3.7 Promover a busca ativa da população de 15 (quinze) a 17 (dezessete) anos fora da escola, de forma intersetorial com os serviços de assistência social, saúde e proteção à adolescência e à juventude. 3.8 Fomentar programas de educação e de cultura para a população urbana e do campo, de jovens, na faixa etária de 15 (quinze) a 17 (dezessete) anos, e de adultos, visando à qualificação social e profissional para aqueles que estejam fora da escola e com defasagem no fluxo escolar. 3.9 Realizar estudos dos indicadores da demanda na faixa etária de 15 á 17 anos para redimensionar a oferta de ensino médio nos turnos diurno e noturno, bem como a distribuição territorial das escolas de ensino médio, de forma a atender a toda a demanda, de acordo com as necessidades específicas dos estudantes. 3.10 Desenvolver formas alternativas de oferta do ensino médio, garantindo a qualidade, para atender aos filhos de profissionais que se dedicam a atividades de caráter itinerante. 3.11 Implementar políticas de prevenção à evasão motivada por preconceito ou por quaisquer formas de discriminação, criando rede de proteção contra formas associadas à exclusão. 3.12 Estimular a participação dos adolescentes nos cursos das áreas tecnológicas e científicas. 3.13 Promover e acompanhar a celebração de convênios entre empresas e escolas de educação básica, profissional e tecnológica para oportunizar estágio, possibilitando o acesso ao mundo do trabalho. 3.14 Avaliar, até o 5º (quinto) ano de vigência desse Plano, o dispositivo da Lei Complementar nº 170/1998, que trata do número de estudantes por turma. 3.15: Promover e manter a utilização pedagógica das Tecnologias de Informação e da Comunicação (TICs) nas Escolas de Rede Pública de Ensino Médio, universalizando o acesso à rede mundial de computadores em banda larga de alta velocidade e aumentar a relação computadoresestudantes, nas escolas públicas de Educação Básica. META 04 EDUCAÇÃO ESPECIAL Universalizar, para a população de 4 (quatro) a 17 (dezessete) anos com deficiência, transtornos do aspectro do autista, altas habilidades ou superdotação, o acesso à educação básica e ao atendimento educacional especializado, preferencialmente na rede regular de ensino, com a garantia de sistema educacional inclusivo, de salas de recursos multifuncionais, classes, escolas ou serviços especializados, públicos ou conveniados. Estratégias: 4.1 Garantir a oferta de educação inclusiva, vedada a exclusão do ensino regular sob alegação de deficiência e promovida a articulação pedagógica entre o ensino regular e o atendimento educacional especializado. 4.2 Contribuir na contabilização, para fins do repasse do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB), as matrículas dos estudantes da educação regular da rede pública que recebam atendimento educacional especializado complementar e suplementar, sem prejuízo do cômputo dessas matrículas na educação básica regular, e as matrículas efetivadas, conforme o censo escolar mais atualizado, na educação especial oferecida em instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos, conveniadas com o Poder Público e com atuação exclusiva na modalidade, nos termos da Lei n° 11.494/2007. 4.3 Garantir, no prazo de vigência deste Plano, a universalização do atendimento escolar à demanda manifesta pelas famílias de crianças de 0 (zero) a 3 (três) anos de idade com deficiência, transtornos do aspectro do autista e altas habilidades ou superdotação, observado o que dispõe a Lei nº 9.394/1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 4.4 Implantar, implementar e manter ao longo deste Plano Municipal, salas de recursos multifuncionais e fomentar a formação continuada de professores para o ensino regular e para o atendimento educacional especializado nas escolas públicas regulares e especializadas. 4.5 Garantir atendimento educacional especializado em salas de recursos multifuncionais, preferencialmente em escolas da rede regular de ensino ou em instituições especializadas, públicas ou conveniadas, nas formas complementar ou suplementar, a todos os estudantes com deficiência, transtornos do aspectro do autista e altas habilidades ou superdotação, matriculados em escolas de educação básica, conforme necessidade identificada por meio de avaliação, ouvidos a família e o estudante. 4.6 Estimular a criação de centros multidisciplinares de apoio, pesquisa e assessoria, articulados com instituições acadêmicas e integrados por profissionais das áreas de saúde, assistência social, pedagogia e psicologia, para apoiar o trabalho dos professores da educação básica com estudantes com deficiência, transtornos do aspectro do autista e altas habilidades ou superdotação. 4.7 Manter e ampliar programas suplementares que promovam a acessibilidade nas instituições públicas, para garantir o acesso e a permanência dos estudantes com deficiência, transtornos do espectro do autista e altas habilidades ou superdotação, por meio da adequação arquitetônica, da oferta de transporte acessível, da disponibilização de material didático próprio e de recursos de tecnologia assistiva, da alimentação escolar adequada a necessidade do estudante, garantindo a segurança alimentar e nutricional, assegurando, ainda, no contexto escolar, em todas as etapas, níveis e modalidades de ensino, a identificação dos estudantes com altas habilidades ou superdotação. 4.8 Garantir a oferta de educação bilíngue, em Língua Brasileira de Sinais (Libras) como primeira língua e na modalidade escrita da Língua Portuguesa como segunda língua, aos estudantes surdos e com deficiência auditiva de 0 (zero) a 17 (dezessete) anos, em escolas inclusivas, nos termos do Art. 22 do Decreto nº 5.626/2005, e dos Arts. 24 e 30, da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, bem como a adoção do Sistema Braille para cegos e surdocegos. 4.9 Fortalecer o acompanhamento e o monitoramento do acesso à escola e ao atendimento educacional especializado, bem como da permanência e do desenvolvimento escolar dos estudantes com deficiência,transtornos do aspectro do autista e altas habilidades ou superdotação beneficiários de programas de transferência de renda, juntamente com o combate às situações de discriminação, preconceito e violência, com vistas ao estabelecimento de condições adequadas para o sucesso educacional, em colaboração com as famílias e com os órgãos públicos de assistência social, saúde e proteção à infância, à adolescência e à juventude. 4.10 Estabelecer parcerias com Instituições de Ensino Superior e outros órgãos para realização de pesquisas voltadas para o desenvolvimento de metodologias, materiais didáticos, equipamentos e recursos de tecnologia assistiva, com vistas à promoção do ensino e da aprendizagem, bem como das condições de acessibilidade dos estudantes com deficiência, transtornos do aspectro do autista e altas habilidades ou superdotação. 4.11 Utilizar o resultado das pesquisas interdisciplinares para subsidiar a formulação de políticas públicas intersetoriais que atendam as especificidades educacionais de estudantes com deficiência, transtornos do espectro do autista e altas habilidades ou superdotação que requeiram medidas de atendimento especializado. 4.12 Promover a articulação intersetorial entre órgãos e políticas públicas de saúde, assistência social e direitos humanos em parceria com as famílias, com o fim de desenvolver modelos de atendimento voltados à continuidade do atendimento escolar na educação de jovens e adultos das pessoas com deficiência, transtornos do aspectro autista e altas habilidades ou superdotação com idade superior à faixa etária de escolarização obrigatória, de forma a assegurar a atenção integral ao longo da vida. 4.13 Ampliar as equipes de profissionais da educação em regime de colaboração com os entes federados para atender à demanda do processo de escolarização dos estudantes com deficiência, transtornos do aspectro autista e altas habilidades ou superdotação, garantindo a oferta de professores do atendimento educacional especializado , profissionais de apoio ou auxiliares ,tradutores e intérpretes de Libras, guias- intérpretes para surdocegos, professores de Libras e professores bilíngues . 4.14 Definir, no segundo ano de vigência deste Plano Municipal, indicadores de qualidade e política de avaliação e supervisão para o funcionamento de instituições públicas e privadas que prestam atendimento educacional a estudantes com deficiência, transtornos do aspectro do autista e altas habilidades ou superdotação. 4.15 Promover, por iniciativa da Secretaria Municipal de Educação, junto aos órgãos de pesquisa, demografia e estatística competentes, a obtenção de informação detalhada sobre o perfil das pessoas com deficiência, transtornos do aspectro do autista e altas habilidades ou superdotação de 0 (zero) a 17 (dezessete) anos. 4.16 Incentivar a inclusão nos cursos de licenciatura e nos demais cursos de formação para profissionais da educação, inclusive em nível de pós-graduação, observado o disposto no caput doArt. 207 da Constituição Federal, dos referenciais teóricos, das teorias de aprendizagem e dos processos de ensino-aprendizagem relacionados ao atendimento educacional de estudantes com deficiência, transtornos do aspectro do autista e altas habilidades/ superdotação. 4.17 Promover parcerias com instituições especializadas, conveniadas com o poder público, visando à ampliação da oferta de formação continuada e a produção de material didático acessível, assim como os serviços de acessibilidade necessários ao pleno acesso, participação e aprendizagem dos estudantes com deficiência, transtornos do aspectro do autista e altas habilidades ou superdotação, matriculados na rede pública de ensino. 4.18 Garantir que as escolas de educação básica promovam espaços para participação das famílias na elaboração do projeto político pedagógico na perspectiva da educação inclusiva. 4.19 Desenvolver e consolidar políticas de produção e disseminação de materiais pedagógicos adaptados à educação inclusiva. 4.20 Disponibilizar recursos de tecnologia assistiva, serviços de acessibilidade e formação continuada de professores, para o atendimento educacional especializado complementar nas escolas. META 05 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Iniciar o processo de alfabetização aos 6 anos de idade, visando alfabetizar todas as crianças até no máximo, aos 8 (oito) anos de idade no ensino fundamental. Estratégias: 5.1 Estruturar os processos pedagógicos de alfabetização nos anos iniciais do Ensino Fundamental, articulando-os com as estratégias desenvolvidas na pré-escola, com qualificação e valorização dos (as) professores (as) alfabetizadores e com apoio pedagógico específico, a fim de garantir a alfabetização plena de todas as crianças até o final do terceiro ano do ensino fundamental. 5.2 Criar política de alfabetização que garanta a permanência dos professores alfabetizadores para os três primeiros anos do ensino fundamental. 5.3 Participar da provaANA(Avaliação Nacional daAlfabetização) aplicada pelo Instituto Nacional de Estatística e Pesquisa (INEP), para aferir a alfabetização das crianças, bem como estimular as escolas a criarem os respectivos instrumentos de avaliação e monitoramento implementando medidas pedagógicas para alfabetizar todas as crianças até o final do terceiro ano do Ensino Fundamental. 5.4 Selecionar, certificar e divulgar tecnologias educacionais para a alfabetização de crianças, asseguradas a diversidade de métodos e propostas pedagógicas, bem como o acompanhamento dos resultados nos sistemas de ensino em que forem aplicadas, devendo ser disponibilizadas, preferencialmente, como recursos educacionais abertos. 5.5 Fomentar o desenvolvimento de tecnologias educacionais e de práticas pedagógicas inovadoras que assegurem a alfabetização e favoreçam a melhoria do fluxo escolar e a aprendizagem dos estudantes, consideradas as diversas abordagens metodológicas e sua efetividade. 5.6 Garantir, na Proposta Curricular, a alfabetização de crianças do campo, quilombolas e de populações itinerantes, com a produção de materiais didáticos específicos e desenvolver instrumentos de acompanhamento que considerem o uso da língua materna pelas comunidades e a identidade cultural das comunidades quilombolas. 5.7 Promover e estimular a formação inicial e continuada de professores para a alfabetização de crianças, com o conhecimento de novas tecnologias educacionais e práticas pedagógicas inovadoras, estimulando a articulação entre programas de pós- graduação stricto sensu e ações de formação continuada de professores para a alfabetização. 5.8 Promover ações que visem a alfabetização das pessoas com deficiência, considerando as suas especificidades, inclusive a alfabetização bilíngue de pessoas surdas, sem estabelecimento de terminalidade temporal. 5.9 Promover, em consonância com as Diretrizes do Plano Nacional do Livro e da Leitura, a formação de leitores e a capacitação de professores, bibliotecários e agentes da comunidade para atuarem como mediadores da leitura. 5.10 Implantar, até o segundo ano de vigência do PME, programas de incentivo à leitura. META 06 EDUCAÇÃO INTEGRAL Oferecer educação em tempo integral em, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) nas escolas públicas, de forma a atender, pelo menos, (25%) (vinte e cinco por cento) dos estudantes da educação básica, até o final da vigência do Plano. Estratégias: 6.1 Promover, com o apoio da União, a oferta de educação básica pública em tempo integral, por meio de atividades de acompanhamento pedagógico e multidisciplinares, inclusive culturais e esportivas, de forma que o tempo de permanência dos estudantes na escola, ou sob sua responsabilidade, passe a ser igual ou superior a 7 (sete) horas diárias durante todo o ano letivo, com a ampliação progressiva da jornada de professores

×