Opinião
www.grupocorreiodosul.com.br
ANO XXIV EDIÇÃO Nº 4.594
SEGUNDA-FEIRA, 26 DE JANEIRO DE 2015
R$ 2,00
Grupo
32º 23º
S...
www.vitaanalise.lablaudo.com.br
Geral2 Correio do Sul
Segunda-feira,
26 de janeiro de 2015
MoradoresprotestamcontraobraGru...
Indignada, a irmã
ficou nervosa no setor de
emergência do hospital,
gritando que queria o
resultado dos exames por
escrito...
nós”,comentaoacadêmico
Higor Soares Machado, de
18 anos, um dos coordena-
dores diocesanos do Movi-
mento Cursilhos da Cri...
cação como qualquer ou-
tra”,evidenciouRony,eleito
presidente da Câmara.
Alémdisso,égarantido
um professor auxiliar para
c...
Fundado em 5 de Junho de 1990 - Dia Mundial do Meio Ambiente
Jornalista Rolando Christian Sant’ Helena Coelho - Fundador J...
Geral 7Correio do Sul
Segunda-feira,
26 de janeiro de 2015
GIRO PELO VALE
Tubulação e faxina CuidadocomoCalçadão
Ensino es...
Entretenimento Novelas-Horóscopo-Diversão
Cruzadinha
Novelas
Boogie oogie -18h
Alto Astral -19h
Império -21h
C
aíquenãoacr...
Correio Especial
Igor Borges
igor.borges@grupocorreiodosul.com.br
www.facebook.com/igor.borges
@igormborges
Correio do Sul...
10 Correio do Sul
Segunda-feira,
26 de janeiro de 2015 Publicidade
Geral 11Correio do Sul
Segunda-feira,
26 de janeiro de 2015
12 Correio do Sul
Segunda-feira,
26 de janeiro de 2015 Publicidade
Polícia 13Correio do Sul
Segunda-feira,
26 de janeiro de 2015
Djonatha Geremias
PM prende cliente e traficanteSérgio compr...
Publicidade14 Correio do Sul
Segunda-feira,
26 de janeiro de 2015
EDITAL DE INTIMAÇÃO
ARLINDO EDÍLIO DA ROSA, Tabelião do ...
Geral 15Correio do Sul
Segunda-feira,
26 de janeiro de 2015
> SOMBRIO/ARROIO
Policiais de Sombrio,
comapoiodaDivisãodeIn-
...
um representante titular e um suplente da Procuradoria Geral do
Município;
IV................................................
Publicações Legais 17Correio do Sul
Segunda-feira,
26 de janeiro de 2015
VI. ................................................
Jornal digital 4594_seg_ 26012015
Jornal digital 4594_seg_ 26012015
Jornal digital 4594_seg_ 26012015
Jornal digital 4594_seg_ 26012015
Jornal digital 4594_seg_ 26012015
Jornal digital 4594_seg_ 26012015
Jornal digital 4594_seg_ 26012015
Jornal digital 4594_seg_ 26012015
Jornal digital 4594_seg_ 26012015
Jornal digital 4594_seg_ 26012015
Jornal digital 4594_seg_ 26012015
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Jornal digital 4594_seg_ 26012015

522 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
522
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal digital 4594_seg_ 26012015

  1. 1. Opinião www.grupocorreiodosul.com.br ANO XXIV EDIÇÃO Nº 4.594 SEGUNDA-FEIRA, 26 DE JANEIRO DE 2015 R$ 2,00 Grupo 32º 23º Sol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite. Previsão para hoje Extremo Sul Catarinense Mulher enfrenta drama com irmão doente Araranguá Caderno de Esportes Acompanhea colunasocial IgorBorges 9Página Social Acusadodefurtoé presoporestupro Sombrio 15Página 3Página Geral Jesus no Litoral Jovens levam evangelização a beira mar 13Página Arroio do Silva Definidos confrontos do Praião 2Página
  2. 2. www.vitaanalise.lablaudo.com.br Geral2 Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 MoradoresprotestamcontraobraGrupo com a participação também de desportistas, percorreu avenidas com faixas e um caixão para manifestar descontentamento com à construção de um posto de saúde em área do Complexo Esportivo Antônio Sant’Helena No Campo Não > SOMBRIO C omo tentati- va de evitar que o Com- plexo Esportivo Antônio Sant’Helena receba a construção de um posto de saúde, moradores do bairro Parque das Aveni- das e alguns desportistas realizaram manifestação no final da tarde de sexta- -feira, quando percorre- ram avenidas com faixas e até um caixão simboli- zando o luto do esporte devido às alterações que seriam causadas ao cam- po de futebol e a pista de atletismo. Cercade 50 pessoasse ³ Moradores criticam a obra do posto central na área do Antônio Sant’Helena > ARARANGUÁ A procura por con- sultas e medicamentos é maior do que a oferta – hoje cada Unidade Básica de Saúde realiza em média 1.500 aten- dimentos por mês. A Secretaria Municipal de Saúde calcula que atualmente 80% da po- pulação araranguaense seja atendida exclusi- vamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Para dar conta da demanda a prefeitura tem investido na saú- de valores superiores aos 15% da arrecadação anual de impostos pre- vistos em lei. “Fizemos isso de maneira plane- jada e gradativa, porque a intenção é melhorar e também ampliar as ações e serviços públicos neste setor”, observa o prefeito Sandro Roberto Maciel. Sandro destaca que só em 2014 foram inves- tidos R$ 1, 2 milhão na melhora da infraestru- tura física do setor. No ano passado houve re- forma ou ampliação dos postosdeSangadaToca, Hercílio Luz, Mato Alto/ Lagoão, Divinéia/Alto Feliz e Urussanguinha. Obras na saúde estão em fase de conclusão ³ Prefeito Sandro Maciel acompanha as obras Outras obras estão em conclusãoeaexpectativaé de inaugurar em breve à novaUBSdobairroPolícia Rodoviária e a primeira Academia Pública Cober- ta. Na terça-feira Sandro esteve conferindo a cons- trução na Polícia Rodo- viária. O local, que recebe cargas de aterro no pátio, acabamentos e instalação darededeenergiaelétrica, éamplo,modernoeseguro, bem diferente da atual es- trutura, cuja inauguração ocorreu em 2002 e já não atende a necessidade dos usuários do SUS. Onovoprédioéumdos maiores do setor da saúde do município possuindo 429,20 metros quadra- dos,abrigandoauditório, sanitários acessíveis, área de circulação, com aproveitamento de água para limpeza externa e acessibilidade para por- tadores de necessidades especiais. A estrutura física abrange 16 salas e seis sanitários e custará R$ 480.696,72 mil. A contrapartida da prefei- tura é de R$ 330.696,84. Além deste montante, outros R$ 50 mil foram destinados à aquisição de móveis e equipamen- tos. Já o valor repassado pelo Governo Federal, por meio de emenda via- bilizada pelo deputado Ronaldo Benedet é de R$ 200 mil. reuniram em frente à es- cola municipal Professora NairAlves Bratti, por vol- ta das 18h de sexta-feira,e percorreram as avenidas Nereu Ramos e Papa João XXIII até o local da obra, onde o protesto ganhou novas adesões, chamou a atenção e chegou a deixar o trânsito lento em alguns momentos. “Já deixamos claro que não somos con- tra a construção do posto de saúde, mas não aqui. O que queremos é que seja encontrado um outro terreno para a obra e que o complexo esportivo não seja afetado”, declarou o presidente da Associação de Moradores do bairro Parque das Avenidas, Ed- son Martins da Rosa, o Porrok. Segundo o líder co- munitário, uma ação ci- vil pública já havia sido criada junto ao Ministério Público da comarca, na tentativa de embargar a construção do posto de saúde.Duranteamanifes- tação, muitas pessoas que passavam pela avenida se mostravam favoráveis ao protesto, opinando que “não é preciso desfazer o que está feito”; enquanto outras se declaravam contrárias, afirmando que “a saúde deve ser priorizada em relação ao campo”. De acordo com as lide- ranças presentes no pro- testo,novasmanifestações devem ocorrer.
  3. 3. Indignada, a irmã ficou nervosa no setor de emergência do hospital, gritando que queria o resultado dos exames por escrito. Enquanto isso, o idoso ficava se queixan- do e pedindo ajuda na emergência, comovendo os demais pacientes. O setor de enfermagem pe- diu à mulher que se reti- rasse, porque o paciente já tinha recebido alta e não havia mais nada a ser feito. Ela e o irmão ficaram então em frente ao setor de emergência, de onde também foram convidados a se retirar. a vaga, acreditando que o idoso poderia ficar mais um tempo internado no HRA. Quando soube da alta no dia seguinte a internação, ficou apa- vorada com a ideia de ter que levá-lo embora, tanto pelo risco de saúde, quanto pela possibili- dade de a bandidagem pegá-lo à força novamen- te. “E se esse homem tem uma convulsão, o que eu faço? Qualquer um que olhe o estado dele vai perceber que ele não está bem”, argumentou a mu- lher. Ela então pediu que o médico emitisse por escrito o resultado dos exames e o motivo pelo qual estava dando alta, mas não foi atendida. Geral 3Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Djonatha Geremias Tumulto na emergência Desistindo > ARARANGUÁ A semana passa- da foi de sufoco para a família de um senhor com pro- blemas psiquiátricos que tentava em vão encon- trar atendimento médico para ele. A história começou quando gemendo e pe- dindo por socorro, o idoso de 64 anos ficou deitado em frente ao Hospital Regional de Araranguá (HRA) causando comoção em quem presenciava a cena. Momentos an- tes, ele havia recebido alta do hospital, onde estava há um dia, mas a irmã, que estava cui- dando dele, protestou alegando ser visível que o homem precisava de cuidados médicos por estar com desnutrição e infecção urinária. Uma discussão começou no setor de emergência até que a direção do HRA interveio. Segundo a irmã, o homem tinha ficado du- rante dez dias nas mãos de traficantes do bairro onde moram. “Ele é al- coólatra, mas estava há alguns anos sem recaída. Nosso bairro é perigoso, e uns traficantes se apo- deraram do meu irmão para ficar com o cartão do banco que ele recebe aposentadoria. Ele fi- cou dez dias sem comer nada, apenas bebendo coisas alcoólicas, e sus- peito que tenha usado IdosoficasematendimentomédicoEle recebeu alta do Hospital Regional por estar bem fisicamente e deveria ir para o Rio Maina, mas ao chegar lá foi mandado de volta por precisar de internação. E para complicar, ainda tem alcoolismo e traficantes na história Drama ³ Depois de receber alta, homem ficou deitado no pátio do Hospital Regional drogas também”, conta a mulher. Ela diz que ao descobrir, entrou sozinha na casa dos traficantes e retirou o irmão de lá. Depois, chamou o Serviço de Atendimento Móvel Urgente (Samu) e levou o homem para o Hospital Regional, onde foi pron- tamente atendido. No hospital, ele re- cebeu soro, alimentação e fez exames, e nada de errado foi identificado, a não ser problemas de ordem psiquiátrica. No dia seguinte, recebeu alta. A irmã havia con- seguido uma vaga em um centro especializado de atendimento psiquiátri- co em Criciúma, no Rio Maina. Porém, recusou Os irmãos passaram para a entrada do esta- cionamento, onde o idoso ficou deitado no gramado pedindo socorro a quem passasse. As pessoas que não sabiam nada da his- tória se aglomeravam ao redor dele, preocupados e solicitando ajuda do hospital. A diretora do HRA, Ana Maria Dantes de Almeida, foi dar atenção ao idoso. Com apoio de uma das psicólogas, que ajudou a irmã a se acal- mar, a diretora convidou- -a para irem ao escritório para conversar com o doutor Leon Iotti, que supervisiona o traba- lho médico, inclusive o que atendeu ao paciente. Leon explicou que os exames não apontaram nenhum problema clíni- co. Em seguida, a dire- toria do HRA disse que o hospital do Rio Maina abriu novamente uma vaga para o idoso, para dar entrada na segunda- -feira. A irmã contou que tinha medo de levar o idoso para casa no fim de semana porque temia que os traficantes fossem pegá-lo de novo, e que não confiava na polícia para resolver o problema. A diretora do HRA então permitiu que o idoso fi- casse internado durante o fim de semana, contan- to que a irmã ficasse com ele durante todo o tempo, até segunda-feira, quan- do pudesse levá-lo a Cri- ciúma. Diante da nova situação, a irmã concluiu que não poderia ficar o tempo todo no hospital e decidiu levar o irmão para casa com ela, sob a recomendação de que acionasse novamente o Samu imediatamente caso ele apresentasse qualquer sinal de convul- são ou piora. Porém, na segunda- -feira, segundo a irmã do paciente, a clínica no Rio Maina recusou a entrada do idoso, alegando que ele estava em estado de desnutrição avançada e que precisava primeira- mente de atendimento hospitalar, indicando que, a princípio, apresentava baixo nível de distúrbio psiquiátrico. De volta ao Hospital Regional, o idoso foi examinado e nada de errado foi constatado, re- cebendo alta novamente. Assim, a irmã decidiu voltar para casa e cuidar sozinha dele. “Cansei, mas ago- ra não há mais nada a se fazer. Pensei em procurar o Ministério Público, mas desisti. Te- nho uma irmã que mora longe e que também não se importa em cuidar dele para me ajudar. Os filhos dele também não se importam... Se os traficantes aparecerem lá em casa, eu enfrento sozinha, mesmo desar- mada. Cedo ou tarde todo mundo morre mesmo... Agora é esperar e ver o que acontece”, lamentou a mulher. Por medida de segurança, ela pediu para não ter nomes reve- lados, nem o do bairro em que mora emAraranguá.
  4. 4. nós”,comentaoacadêmico Higor Soares Machado, de 18 anos, um dos coordena- dores diocesanos do Movi- mento Cursilhos da Cris- tandade (MCC) Jovem. Com música, violão, dan- ças e cantorias alegres, a galera cristã caminhou de ponta a ponta pelo balneá- rio na manhã de domingo desejando um ‘bom dia’ especial aos veranistas e, quandopermitida,falando sobre a fé em Jesus Cristo, evangelizando. Higor conta que, no início, a sensação era de receio, pois não sabiam como seria a reação das pessoas, já que quem vai à praia geralmente quer descansar. Porém, ele con- ta que a maioria apoiou a iniciativa. “Têm turistas, principalmente do Rio Grande do Sul, que reco- nhecem o MCC porque lá já existem ações assim”, ressaltaojovem,aocontar das famílias que pedem para se unir ao grupo du- rante a caminhada. A vendedora Mayara Padilha dos Santos, de 20 anos, e o companheiro empresário Kelvin Pedro- so Lima, de 23, saíram de Criciúma para participar do evento. “As paróquias se comunicam bastante e porissoconseguimosorga- nizar a interação do grupo deláparaviraqui”,explica Mayara. “A gente quer aprender como acontece o Jesus no Litoral para futuramente fazer uma ediçãonolitoraldasoutras regiões, de Criciúma e Tu- barão”, acrescenta Kelvin. O Jesus no Litoral foi umaaçãopromovidapelas paróquias sombrienses Santo Antônio de Pádua e São João Paulo II e pela paróquia Santa Rosa de Lima, do município de SantaRosadoSul.Porém, participaram também as paróquias convidadas Nossa Senhora Mãe dos Homens e Sagrada Famí- lia, ambas de Araranguá, e a Santo Agostinho, de Criciúma. Geral4 Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Djonatha Geremias CatólicosevangelizamnapraiaGrupo de jovens e adultos se reuniu desde as 5 horas da manhã de domingo na Gaivota para celebrar uma missa e levar as palavras de Cristo a quem estava a beira mar Madrugando > BALNEÁRIO GAIVOTA E ram 5 horas da manhã quan- doasprimeiras pessoas chegavam a beira mar, sob uma chuvinha fraca e ao som do mar. Tem gente que levanta cedo para trabalhar, ou- tros para curtir melhor a praia e tem aqueles que gostamdedormiratémais tarde no fim de semana. Um grupo de cem jovens e adultos católicos acor- dou cedinho na manhã de domingo para se dispor a evangelizar nas areias de Balneário Gaivota: foi a segunda edição do evento Jesus no Litoral. Às 6 horas, foi celebra- da uma missa, ainda em meio à escuridão. À medi- da que a liturgia avança- va, o céu azulava, e o sol surgia atrás das nuvens indecisas se choviam ou não. Por fim, não choveu, mas atrasou a vinda dos praieiros. Depois da missa à beira-mar, o grupo fez a Partilha, um desjejum reforçado para aguentar a caminhada pelo resto da manhã. “No ano passado foi um sucesso, e a gente quis repetir nesse verão. A reação das pessoas foi surpreendente até para ³ Missa foi celebrada a beira mar e ao amanhecer > ARARANGUÁ Há menos de um mês para a maior festa popular brasileira, os grupos e blocos de Car- naval de Araranguá já preparam às fantasias, ensaiam os sambas en- redo e afinam o ritmo para fazer bonito nos salões dos clubes ou ao ar livre em Balneário Morro dos Conventos e Ilhas. Com expectativa otimista em relação à participação do públi- co nos eventos, o sub- secretário municipal de Cultura e Turismo Jair Anastácio ressalta que a prefeitura ade- quou sua programação carnavalesca às datas das festas tradicionais promovidas nos clubes da cidade. “A intenção é oportunizar que as pessoas disponham de opções para divertir-se em diferentes locais. O Carnaval deAraranguá tem uma bela história atraindo foliões de ou- tros municípios e esta- dos”, disse. Jair lembrou que é > ARROIODOSILVA A Administra- ção Municipal de Balneário Arroio do Silva, através do Departamento de Turismo, está aten- ta a organização do Carnarroio 2015. Os dias de folia aconte- cem a partir do dia 13 de fevereiro com o grito de carnaval e segue até dia 17. Durante cinco dias a promessa é de que a animação não irá faltar. Os detalhes da progra- mação ainda estão sendo acertados e uma das atrações já confirmações é o show com a banda Scorpions. “Haverá também apresen- tação do grupo de percussão e outras bandas no palco. Em breve faremos a di- vulgação da progra- mação completa”, anuncia o prefeito Evandro Scaini. O carnaval de rua do Arroio é co- nhecido com um dos melhores e maiores da região. O desfi- le tradicional será realizado no dia 15, domingo, com a participação das escolas de samba Unidos do Arroio e Navegantes, além dos blocos carnava- lescos. Na avenida Ge- túlio Vargas, a Na- vegantes mostrará o brilho e o samba no pé através do tema Arte; e a Unidos do Arroio apresentará ao público a histó- ria do município de Forquilhinha. Carnafolia define sua programação Grupos esquentam tamborinstradição entre os gru- pos carnavalescos abor- dar durante os desfiles questões associadas à cultura e educação. Temas como meio am- biente, personagens da história local e nacio- nal, além de sustenta- bilidade, costumam es- tar entre os preferidos dos foliões. Programação do Carnafolia: Dia 13 de fevereiro, sexta Carnafolia, em Balneário Morro dos Conventos e desfile de rua do Bloco Caracaxá * Carnaval Confete e Serpentina no Grêmio Fronteira. Dia 14, sábado: Carnaval Ilhas na Folia, com trio elétrico e banda, no Balneário de Ilhas. * Carnaval doYati Clube. * Caverá Folia, no Caverá Country Park. Dia 15, domingo: Carnafolia no Morro dos Conven- tos, com Folia do Bloco Morro na Alegria. *Caverá Folia. Dia 16, segunda-feira: Carnaval Ilhas na Folia com trio elétrico.
  5. 5. cação como qualquer ou- tra”,evidenciouRony,eleito presidente da Câmara. Alémdisso,égarantido um professor auxiliar para cada criança com necessi- dades especiais, devendo o profissional possuir ha- bilitação ou conhecimento comprovado e condizente comanecessidadedacrian- ça;acompanharindividual- mente o aluno, educando, identificando suas limita- çõesepromovendométodos de ensino eficazes, de modo a implementar respostas educativas às dificuldades da criança; apoiar os pro- fessores da classe comum; comprovar formação em cursos de licenciatura em Educação Especial ou em uma de suas áreas, bem como,acomplementaçãode estudos ou pós-graduação Política Rolando Christian Coelho Geral 5Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 P refeito de Passo de Torres, Juarez Godinho Scheffer (DEM), teve uma bela surpresa durante a realização da nona versão do Costelão na Vala, evento realizado pela Associação de Amigos do Balneário Bella Torres, em par- ceria com a Prefeitura Municipal, no sába- do. A festa, que acontece tradicionalmente nesta época todos os anos, sempre recebe políticos de expressão, mas neste ano superou as expectativas. Dentre os presentes estiveram o governador do Estado do Rio Grande do Sul José Ivo Sartori (PMDB), o senador gaúcho Paulo Paim (PT), o deputado federal Mauro Pereira (PMDB/RS) e os estaduais Vinícius Ri- beiro(PDT/RS)eRodrigoMinotto(PDT/SC). Godinho aproveitou a ocasião para conversar com Sartori, de quem é amigo de longa data, sobre a possibilidade de parcerias entre o Rio Grande do Sul e seu município. Todos os anos, Passo de Torres é Políticos invadem Passo de Torres invadido por turistas e veranistas gaúchos, fato que sugere uma aproximação institu- cional especialmente através do município de Torres/RS. “Acho que podemos incre- mentar ainda mais nossa receptividade aos gaúchos principalmente através de iniciativas conjuntas no setor do turismo”, comentou o prefeito. Sartori, por sua vez, se dispôs a aprofundar as tratativas neste e em outros sentidos. “Todas as parcerias que visem trazer a melhoria da qualidade de vida de nossa população são sempre bem vindas”, comentou. Não é a primeira vez que Godinho ten- ta viabilizar investimentos em seu municí- pio através de políticos do Estado vizinho, com o qual Passo de Torres faz divisa. Ano passado ele já teve acesso a recursos vindos de Brasília que foram intermediados pelo senador Paulo Paim. “Quem tem amigos não se perde”, brinca o prefeito. PorCoan Deputado estadual Rodrigo Minotto (PDT) diz que está trabalhando para que o empresário Beto Coan, que disputou a Câmara Federal pelo PDT de Araranguá em Outubro passado, consiga emplacar no Governo do Estado, ou no Governo Federal, já neste primeiro semestre. Os primeiros esforços estão concentrados no Governo do Estado, o que soa estranho, já que Minotto é ligadíssimo ao Ministro do Trabalho Manoel Dias, o que sugere uma maior abertura para indicações junto ao Governo Federal. Minotto, no entanto, tem ressaltado que ele é o único deputado estadual da base de Raimundo Colombo eleito pelas regiões de Criciúma e Ara- ranguá. Neste sentido, seria merecedor de uma atenção diferenciada por parte do governador. Processo Está marcada para daqui um mês mais uma audiência do processo que a Plano Pesquisas moveu contra o empre- sário araranguaense César Cesa (PMDB), por danos materiais e moral. Em 2012 a empresa realizou uma série de pesquisas que foram divulgadas pelo Correio do Sul. Na ocasião a Plano foi acusada de ser uma empresa fantasma nos progra- mas eleitorais de César, que concorria a Prefeitura de Araranguá. Pelos números apresentados pela empresa, Sandro Ma- ciel (PT) venceria a eleição, com César Cesa ficando em segundo e Dilnei Almeida (PP) em terceiro. A Plano dizia ainda que Rodrigo Lima (PCB) seria o quarto colo- cado e que Eto Coral, à época no PV, seria o quinto. Abertas as urnas, esta sequência se confirmou. DIVERSÃOELAZERGARANTIDOS QUARTA,SÁBADOEDOMINGO BR101-KM413-ARARANGUÁ Projeto beneficia alunos especiais Educação > ARARANGUÁ A ntes que 2014 chegasseaofim, overeadorRony da Silva conseguiu a apro- vação de um Projeto de Lei que dispõe sobre o aten- dimento a crianças com necessidades especiais nos estabelecimentos públicos deensinodeAraranguá.De acordo com o projeto, o alu- no terá direito a educação infantil como toda crian- ça e ao município caberá disponibilizar a prestação de serviços de qualidade, devendo lhe garantir um desenvolvimento saudá- vel, de forma igualitária e inclusiva. “O objetivo é que toda criançatenhadireitoàedu- em áreas específicas da Educação Especial. JáàSecretariadeEdu- cação caberá a realização anual do levantamento da população que deverá ser atendida e divulgação dos estabelecimentos adapta- dosaosalunoscomnecessi- dades especiais em período queantecedaasmatrículas ehábilparaoprévioconhe- cimento e organização dos pais. É também garantido o transporte público es- pecial para os alunos com necessidades especiais, em paradasdeônibusnecessa- riamente próximas às suas residências e em horários condizentes com o horário de atendimento do respec- tivo estabelecimento de en- sino, devendo o município organizar e manter linhas junto às concessionárias. Intenção do atendimento personalizado a crianças com necessidades especiais é garantir a inclusão ³ Presidente da Câmara, Rony defende melhor atendimento a crianças especiais Semracha Coordenador regional do PDT, Airton de Oliveira, o Barão, diz achar estranhos os comentários que dão conta da existên- cia de uma racha dentro de seu partido em Araranguá. “Não há e nunca houve o tal racha. Quem semeia isto é porque está querendo criar um mal estar den- tro do PDT, só que não vai conseguir”, comenta. Há tempos são efervescentes os comentários dando conta de que o vice-prefeito Rodrigo Turatti deve deixar o PDT por conta de divergências com Barão. “Não há divergências. O que pode haver no máximo é o conflito de ideias, mas isto existe em qualquer partido. Faz parte do processo político”, ressalta o coordenador. De todo modo, o burburi- nho dando conta da saída de Turatti do partido continua. PSDincrédulo PSD de nossa região ainda se diz in- crédulo quanto a escolha do empresário Ademir da Silva, o Dema (PMDB) para o comando da Secretaria de Desenvol- vimento Regional de Araranguá. Partido permanece na expectativa de que go- vernador Raimundo Colombo (PSD) irá nomear a coordenadora regional da sigla, Gisela Scaini, para a função. Prefeito de Balneário Arroio do Silva, Evandro Scai- ni (PSD), e a própria Gisela, que é sua cunhada, já disseram que pedirão desfi- liação do partido caso a escolha não seja favorável aos pessedistas. Fontes do PSD dizem crer que o vice-governador Eduardo Moreira (PMDB) só anunciou Dema como titular da SDR para pressionar Colombo a escolher de vez o peemedebista, já que este assunto tem se arrastado há semanas.
  6. 6. Fundado em 5 de Junho de 1990 - Dia Mundial do Meio Ambiente Jornalista Rolando Christian Sant’ Helena Coelho - Fundador Jornal Correio do Sul Publicações legais: Tomaz Fonseca Selau l48l 9985.8573 tomaz@grupocorreiodosul.com.br Financeiro Joice Ramos l48l 8802.5883 financeiro@grupocorreiodosul.com.br Comercial: Igor Borges l48l 9968.6084 comercial@grupocorreiodosul.com.br Diretor Geral Jabson Muller l48l 9955.5313 jabsonmuller@grupocorreiodosul.com.br Diagramação/Arte: Cristian Mello l48l 3533-0870 correiodosul@grupocorreiodosul.com.br Sul Gráfica Junior Muller l48l 9931.4716 sulgrafica@grupocorreiodosul.com.br Redação: Marivânia Farias l48l 9995.9290 editor@grupocorreiodosul.com.br Política: Jarbas Vieira l48l 9966.5326 jarbas@grupocorreiodosul.com.br Radio 93FM Cássia Pacheco l48l 9912.9588 radio93fm@grupocorreiodosul.com.br Circulação/Assinatura l48l 3533.0870 assinaturas@grupocorreiodosul.com.br Rua João José Guimarães,176, Centro - Sombrio/SC - Fone: (48) 3533 0870 Editora: J. R. Pereira - ME CNPJ 17.467.695/0001-19 C.S. Empresa Jornalística LTDA. Geral6 Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Let’s Learn semfronteirasEstudarPortuguêsparaConcursos–ParteII Inglês Regência Verbal é uns dos tópicos gramaticais que mais são pedidos em concursos e processos seletivos. Para apropriar-se do tema, é importante ressaltar que regência verbal como o próprio nome diz está relacionado ao verbo. Portanto, a regência de um verbo é determinada pela relação estabelecida entre o verbo e seus complementos. Ou seja, o verbo é o termo regente e o complemento “pede” ou não “pede” preposição para complementar uma oração. Saiba que o uso adequado das preposições é um dos aspectos funda- mentais do estudo da regência verbas. As preposiçõessão capazes de modificarcompletamente o sentido no que querser dito Observe: Cheguei aometrô. ( o lugar a que vou) Cheguei no metrô ( meio de transporte utilizado) Outros exemplos: Joana assistiu um paciente no hospital onde trabalha. (prestar assistência) Joana assistiuao jogo da seleção brasileira. (ver) Veja a explicação dos verbos mais usados na língua, mas que causam equívocos quanto à regência: “… a marca que o mundo confia.” Acontece que quem confia, “confia em”. Logo, o correto seria dizer: “… a marca em que o mundo confia.” As pessoas falam “A rua que eu moro”, “Os países que eu fui”, “A comida que eu mais gosto”. O correto seria dizer “A rua em que moro” (quem mora, mora em...), “Os países a que fui” (quem vai, vai a...), “A comida de que mais gosto” (quem gosta, gosta de...). “A gente nunca esquece do aniversário de um amigo.” O que poderia ser corretamente escrito das seguintes formas: “A gente nunca esquece o aniversário de um amigo.(quem esquece, esquece algo) “A gente nunca se esquece do aniversário de um amigo.”(quem se esquece, esquece-se de...) Mas para o “concurseiro” gabaritar nas questões de regência verbal não há outra maneira a não ser decorar os verbos para usar a regência corretamente. • ASPIRAR a) VTD - Sorver, respirar: Aspiramos o ar poluído das grandes cidades. b) VTI - Pretender, desejar :Os candidatos aspiravam a um cargo público. • ASSISTIR a) VTI - Estar presente, presenciar: Ontem assisti ao filme do Harry Potter. b) VTD ou VTI - Acompanhar, prestar as- sistência: O médico assiste o doente. O médico assiste ao doente. c) VI - Morar, residir (rege adjunto adverbial com a preposição “em”) Ele assiste em Caxias. • CHAMAR a) VTD - Convocar, fazer vir Chamem a polícia! Chamei os alunos da sala 501. b) VTD ou VTI - Cognominar, qualificar, denominar + predicativo do objeto Chamava-o irresponsável. Chamava-lhe irresponsável. Chamava-o de irresponsável. Chamava-lhe de irresponsável. • CHEGAR a) VI - Indica lugar (exige a preposição “a”) Cheguei ao teatro de ônibus. Vou à praia sempre. Sindia A. Rech Got a question? Feel free to contact me at sindiarech@gmail.com Have a nice week! Aulas Particulares de Inglês Individual ou em Grupo Todos os níveis Kids - Adults Informações: (48) 9809 24 20 / sindiarech@gmail.com By Sindia A. Rech • ESQUECER / LEMBRAR a) VTD (quando não pronominais) Esqueci o nome daquele rapaz. Lembrei o nome dele. b) VTI (quando pronominais, exigem a preposição “de”) Esqueci-me de seu aniversário. Lembrei-me de seu aniversário. c) Há ainda uma terceira construção para esses verbos. Observe: Esqueceram-me as chaves em casa. Dica: Repare que, nesta construção, o sujeito é “as chaves”, logo se dá a concor- dância com “Esqueceram-me”. Na cons- trução: “ Esqueci-me de seu aniversário” o sujeito é oculto “eu”. Para um melhor entendimento do con- teúdo é ideal praticar alguns exercícios sobre o tópico para fixar o uso da regência verbal. Acompanhe a coluna Língua Portuguesa- publicada quinzenalmente para mais dicas de português. Na próxima edição continuarei o assunto Regência Verbal com mais alguns verbos que são pedidos nas provas de concursos. Bons estudos! Fontes: Brasil Escola Português Concursos ( Prof. Eliane Viera)
  7. 7. Geral 7Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 GIRO PELO VALE Tubulação e faxina CuidadocomoCalçadão Ensino especial Plantando o futuro Rumo ao interior A administração municipal de Balneário Arroio do Silva, através da Secretaria de Obras, esteve nos últimos dias empenhada nos trabalhos da nova tu- bulação na esquina da rua Scaini, próximo do antigo Resumo. “A tubulação antiga estava precária, o que vinha causando sérios problemas. Por isso, no local foramcolocadosoitonovostubos”,explicouosecretário Carlos Scarsanella. Ostrabalhosforamrealizadosnestaúltimaquinta e sexta-feira. O setor de obras do Arroio também está intensifi- cando ainda mais o cuidado com as ruas. Uma equipe formada por 14 profissionais está dando uma geral na limpeza pública, em especial no corte de grama nos canteiros. Nesta última semana, todas as avenidas receberam uma atenção maior. “Nesta época do ano o cuidado tem que ser ainda mais constante e a gente trabalha para manter a cidade sempre limpa”, com- pletou o Scarsanella. Munidos com martelo, talhadeira, pá e carrinho de mão, uma equipe da Secretaria de Obras e Serviços Urbanos da prefeitura deAraranguá é responsável pela recuperação no piso do Calçadão da Avenida Getúlio Vargas, no coração da cidade. O serviço é minucioso e requer dom artístico. Os trabalhos se concentram nos pontos mais críticos. Em alguns deles é possível fazer a restauração, noutros é necessário colocar novas pedras de granito. Tudo para conservar o estilo do Calçadão. Um dos servidores que colaborou na última restauração, no final do ano pas- sado, é Rubens Orige, que há mais de 19 anos trabalha na prefeitura. As mãos calejadas de Rubens comprovam que ele tem experiência em trabalhar com manutenção. No caso do Calçadão da Getúlio Vargas, ele diz que é pre- ciso paciência para encaixar às pedras e conhecimento para constatar quando o solo está apto para receber pavimentação. “Esse serviço é semelhante a um jogo de xadrez. Como o corte das pedras é irregular é necessá- rio observar com atenção os diferentes formatos para promover um perfeito encaixe. Nossa equipe sabe que tudo tem que ser feito com perfeição para que o serviço possa ser duradouro”, explica. Aadministração municipal está desenvolvendo um projeto para modernizar o calçadão. O Setor de Ensino Es- pecial e Diversidade da Gerência Regional de Edu- cação promoveu em de- zembro o encerramento do curso ‘A Educação Básica na perspectiva da Inclusão’. Participaram do curso cerca de 60 professores que atuam nos Saedes (Serviços de Atendimento Educa- cional Especializados) das A prefeitura de Timbé do Sul distribuiu 700 mu- das de árvores nativas e frutíferas.A ação vem de en- contro ao projeto de logística sustentável da empresa JBS das unidades de Morro Grande e Nova Veneza. Ao saber do projeto, o prefeito se interessou em fazer com que o município fosse um dos contempla- dos. “Ficamos satisfeitos porque contamos com pouca mata ciliar por causa das enxurradas. As mudas são entregues a agricultores e a Secretaria de Turismo. Todas serão plantadas e teremos o compromisso de monitorá-las”, explicou Eclair Alves Coelho. Aempresa do ramo alimentício JBS e colaborado- res já realizaram a entrega de mudas nas cidades em que atuam, como Morro Grande e Nova Veneza. Esta foi a primeira vez que Timbé do Sul foi beneficiada. “Após entregues as mudas, nós realizamos o acom- panhamento. É um cuidado com o meio ambiente que pretendemos fazer todos os anos”, comentou o responsável pela logística da empresa JBS, Daniel José Krahl. Antes de sair de férias, o prefeito de Jacinto Machado Antônio João de Fáveri, sua esposa Rosângela e secre- tários municipais fizeram um roteiro para visitar obras em andamento, entre elas as estradas que ligam comu- nidades de Pinheirinho Alto até Engenho Velho e Rio de Dentro a Tenente. “Todas as estradas receberam cerca de 300 caçambas de pedra de seixo rolado, que darão uma durabilidade maior e facilitarão o escoamento das safras agrícolas. O transporte escolar também é beneficiado com a melhoria”, comemorou o secretário de Educação Valmir Possamai. No total foram recuperadas com pavimentação 14 km de estradas. Durante o roteiro, o grupo também conferiu as obras de ampliação do Posto de Saúde de Pinheirinho do Meio. O almoço foi servido pelo casal Darci e Cláudia Possamai, numa residência com uma rica amplitude onde podem se avistar os canyons de Jacinto Machado e as praias de Torres e Balneário Gaivota. Na sequência do roteiro a comitiva foi recebida com um café da tarde na residência da família de Mário e Santina Munari, na comunidade de Tenente. escolas da rede estadual da região. A integradora de educa- ção especial e diversidade Marione Silveira Coelho, explica que o objetivo da ca- pacitação era proporcionar novos conhecimentos aos educadores acerca de novas práticas educacionais que buscam assegurar educação de qualidade para todos.
  8. 8. Entretenimento Novelas-Horóscopo-Diversão Cruzadinha Novelas Boogie oogie -18h Alto Astral -19h Império -21h C aíquenãoacreditaquenãofoiLauraquemescreveuamatéria queoprejudica.Azeitonaficaassustadoaoperceberquepode ver a Voz que Samantha escuta. Marcos garante a Laura que vai falar com Marcelo para ela voltar a trabalhar na revista. Maria Inês e Marcelo decidem ficar juntos. A Voz sugere a Samantha que crie um aplicativo de premonições para ganhar dinheiro. Scarlett se desespera quando Manuel revela que a moça deverá mudar de identidade,passandoasechamarAparecidadosSantos. Á gatadeixamaisumapistadosegredodeCarlotaparaSandra. Mário e Gilda reclamam por Susana ter contratado Artur. Fernando descobre que Carlota deu diamantes para Odete. Rafael sugere que Sandra revele para Cláudia e Otávio queVitória pode ser filha de Paulo. Gilda teme que Carlota atrapalhe o casa- mento de Rodrigo e Daniele. Daniele e Rodrigo descobrem que Fernando não está morando no hotel como informou. Fernando tentaseduzirSusana. J osé Alfredo se emociona ao ver João Lucas. Jurema sente ciúmes de Cora. Lorraine invade a casa de Silviano. Bruna observa Danielle e Maurílio. José Alfredo pede para João Lucas e Du não contarem para ninguém sobre sua presença. Robertão decide ir para Paris, já que Érika não responde a seu pedido de casamento. Felipe vai atrás de Enrico. Lorraine descobreosegredodeMarta.JoséAlfredoafirmaquesecasará com Maria Ísis. Maria Clara pedeVicente em casamento. Rapidinhas Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Áries 21/03a20/04 Ocicloatualéfavorávelparavocêinovarmastambémtrazer à tona velhas ideias. Momento que favorece um contato mais profundo com os amigos e o envolvimento em causas sociais e coletivas. Leão 21/07a20/08 Sagitário 21/11a20/12 Excelentefaseparavocêagirdeumaformacompletamente diferente do habitual. A inovação, a comunicação e a inte- ração com diferentes pessoas e ambientes está favorecida. Velhos conceitos não conseguem mais abarcar as necessi- dadesdoatualperíodo. Gêmeos 21/05a20/06 Com o planeta Mercúrio, o seu regente, em movimento retrógrado,énecessárioterpaciência,geminiano.Éumafase emquevaleàpenarepensarosseusconceitoseemquevocê poderámudardeideia.Odiaoportunizaumareflexãosobre assuasprioridadesevaloresmaisessenciais. Libra 21/09a20/10 Éhoradesepermitirumaatitudemaisinovadoraeinde- pendente em relação ao amor e aos sentimentos. Forte energia criativa e inventiva, é hora de se sintonizar mais com o que você gosta. Cuidado com a tendência a agir de forma rebelde, radical ou inquieta. Aquário 21/01a18/02 Estamosatualmentevivenciandoocicloaquariano,que pedeinovaçãoemudança.Aatualfasefavoreceoinício de novos objetivos, mas também a reflexão. Antigas ideias podem retornar e vale à pena você investir nelas. Touro 21/04a20/05 Atardetendeasermaisprodutivaaostaurinoscomoingresso daLuaemseusigno.Omomentoéoportunopararepensaros seus propósitos e objetivos profissionais mais relevantes. Está favorecidaacriatividadeeainovação,mastambémorespeito aoseuritmonaturaltaurino. Virgem 21/08a20/09 Ideias que você pode ter abandonado em outro mo- mento, ressurgem agora e são aplicadas no trabalho. É um momento interessante de ajustes e aprimora- mento de conhecimentos e de técnicas exercidas no trabalho. Capricórnio 21/12a20/01 Início de semana que favorece uma nova abordagem em relação ao seus talentos, prioridades e habilidades. É um momentoimportanteparavocêmudaraformacomolida comodinheiro.Faseoportunapararepensarassuasatitudes econceitos,velhasideiaspodemressurgir. Câncer 21/06a20/07 Excelentemomentoparavocêselibertardevelhospadrões e agir com mais liberdade. É uma fase que oportuniza uma nova visão e atitude em relação a recursos materiais e as emoções.Surpresas,inovaçõesemudançascaracterizamo atual momento dos cancerianos. Escorpião 21/10a20/11 Mudançasereflexõesimportantesenvolvendoavidafamiliar dosescorpianos.Éhoradebuscarmaisocentramentoede refletir como o passado ainda pode estar presente em sua vida. O período da tarde é caracterizado por uma maior relevânciadosseusrelacionamentoseparcerias. Peixes 19/02a20/03 Estaéafasedoanoemqueospiscianospassamporumintenso processodereflexão.Ainteriorização,acontemplaçãoeaespi- ritualidade estão favorecidas neste momento. É hora de você seengajarmaisemquestõescoletivasedeutilizaraintuição. Horóscopo O período atual é oportuno para você repensar o modo comoageemseusrelacionamentos.Parcerias,associações erelaçõespodempassarporumafasedegranderenova- ção.Umdiasignificativoparacuidardosseusinteressesde trabalho,especialmentenoperíododatarde. Xuxa avisou os fãs que a mãe, dona Alda Meneghel, está de aniversário nesta segunda-feira (26). Como melhor presente, a apresentadorapediuorações. A Rainha se dirigiu aos fãs através do Facebook: “Amanhã, dia 26 de janeiro, minha Aldi- nha vai fazer 78 anos, poderia pedir que vocês rezem por ela? Seria o mais lindo presente que ela pode receber. Obrigada a todos desde já!”, escreveuXuxa. Quando um seguidor quis saber se a mãe deXuxahaviamelhorado,aprópriarespondeu: “Então...não!”,publicou. Em agosto de 2014, Alda precisou ser internada. Ela sofre de Mal de Parkinson, do- ençadegenerativa. Felipe Andreoli pôs fim às especulações e deu uma grande notícia aos fãs neste domingo (25). Após deixar o CQC - Custe o Que Custar, da Band, o repórter está de voltaàstelinhas. A partir desta segunda-feira (25), ele passa a fazer parte do time do Encontro com FátimaBernardes,daGlobo. “Estou muito feliz e conto com vocês amanhã em minha estreia! Até lá! Beijo e abraços pra quem sempre torceu por mim e curtemeutrabalho.Valeu!”,avisou. A esposa Rafa Brites, repórter do Mais Você, saudou a chegada do novo colega com umamensagemlinda: “Ele já é o meu amor, minha dupla, meu amigo, meu médico, meu motorista, meu ídolo, meu marido, meu passado cheio de histórias e meu futuro cheio de sonhos. Meu primeiro sorriso da manhã e meu beijo de boa noite. Mas agora, a partir de amanhã além de tudo isso e muito mais, ele será meu colega de trabalho! Estreia amanhã no Encontro, e estará ao vivo no estúdio também! Nunca paquerei ninguém da firma, mas vai ser inevitável não dar mole pro gatinho de cabelo crespo da sala aolado”,escreveupelasredessociais.
  9. 9. Correio Especial Igor Borges igor.borges@grupocorreiodosul.com.br www.facebook.com/igor.borges @igormborges Correio do Sul segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Test Drive Pela primeira vez, o grupoTop Car realizou umTest Drive exclusivo para os principais jornais de Santa Catarina. Como não poderia ser diferente, o Jornal Correio do Sul foi convidado e compareceu No início de dezembro de 2014 fomos a Jurerê Interna- cional, em Florianópolis, para sermos apresentados aos principais modelos da Jaguar e Land Rover: Land Rover Discovery (SE), Range Rover Evoque (Prestige Tech Diesel), Range Rover Vogue (SDV6) e Jaguar XF (Premium Luxury), todos comercializados em Santa Catarina. Como havia muitos jornalistas, fui selecionado para testar o Ranger RoverVogue (SDV6) e Land Rover Discovery. A Land Rover é o nome pelo qual é normalmente conhecido o primeiro veícu- lo todo-terreno para uso civil, construído pela Rover em 1948. Desde sua criação a marca já foi controlada por diversas em- presas. Inicialmente pela British Leyland, depois British Aerospace, BMW e Ford, que em de março de 2008, procurando se recuperar financeiramente vendeu por alguns bilhões de dólares a menos do que havia comprado para aTata Motors, a maior empresa indiana do ramo automo- tivo, que pertence aoTata Group, que é o maior grupo empresarial privado na Índia e tem sido reconhecida como uma das mais respeitadas empresas do mundo . Depois que assumiu a Land Rover, a Tata Motors mudou os conceitos da empre- sa sem que perdesse todas as características Land Rover e tecnologia que a marca criou ao longo do tempo. Foi muito investido no design e os carros passaram a ganhar curvas e um jeito mais moderno. Mas mesmo o Discovery, que ainda traz em seu DNA um jeitão tradicional, não deixa de ter traços e os equipamentos mais modernos do mundo. Meu primeiro test drive foi no Ranger RoverVogue. Não havia chave, mas sim um dispositivo que ficou com um dos exe- cutivos de venda daTop Car que me acom- panhava. Nada mais tinha que fazer que apertar um botão. E sinceramente fiquei em dúvida se o carro realmente estivesse ligado. Para tirar minha dúvida fui procu- rar a marcha, e para minha surpresa era um botão (como o volume de um rádio) no console entre os bancos da frente. Essa foram as primeiras surpresas desse avião, quer dizer automóvel. Parece que tudo foi pensado nos mínimos detalhes neste carro. O banco do motorista fica na lendária“Po- sição de Conduta”, oferecendo uma visão elevada da rua, o que passa a sensação de controle e confiança na direção. Durante o percurso de 15 km pudemos realmente explorar todo o carro, andando na areia, asfalto, terreno sem pavimenta- ção, buraco, subida íngre- me, trânsito. Parece que os engenheiros da Land Rover não cansam de se superar e o sistema “Dynamic Response” reduziu drasticamente a inclinação nas curvas, dando uma sensação de maior equilíbrio ao carro. Sem falar que os pas- sageiros se sentem como se estivessem na primeira classe de um avião, que não passa por turbulência, além de terem saída de ar-condicionado individual, televisão, fone sem fio. No que tange ao desempenho, , ele é suave e sem esforço, pois tem um alto torque para aceleração rápida. A trans- missão é automática e tem 8 velocidades, eletronicamente controlada. Ela ainda tem um sistema inovador que permite que pos- sa enfrentar água em um profundidade até de 900 mm. A Evoque sem dúvida eleva a capacidade e um nível de refinamento e luxo para um novo patamar. Minha segunda volta foi no Land Rover Discovery (SE). Com seu traçado clássico, pude me sentir como um verdadeiro esco- cês. Mas depois de ter dirigido a Evoque e me surpreendido com tudo que ela pode fazer, não tive tantas supressas, a não ser que a maioria da tecnologia também tinha no Discovery. Ele se destaca mais pela versatilidade e capacidade.Tem lugares confortáveis para 7 pessoas, além de 2.558 litros para bagagem. E o carro também conta com o botão“Terran Response”, assim como a Evoque, que ajusta as con- figurações para qualquer superfície com segurança.
  10. 10. 10 Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Publicidade
  11. 11. Geral 11Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015
  12. 12. 12 Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Publicidade
  13. 13. Polícia 13Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Djonatha Geremias PM prende cliente e traficanteSérgio comprou 23,4 gramas de crack para usar, foi pego pela Polícia Militar e denunciou suposto vendedor da droga Tráfico de Crack > ARARANGUÁ Dois homens foram de- tidos no sábado à tarde por tráfico de droga. A Polícia Militar abordou um motoris- taemumveículoempossede crack, ele denunciou o ven- dedor, e os militares foram a casa do suposto traficante e o prenderam também. O caso aconteceu às 14h30min de sábado, perto do Km 418 da BR101, no bairro Vila Santa Catarina, próximo à igreja. Uma guar- nição da PM encontrou um Gol com placas MCI 0093, suspeitou de algo errado e resolveu abordar o condutor, Sérgio Maia Gabriel, de 36 anos, natural de Turvo. Em revistapessoal,foramencon- trados com ele 23,4 gramas decrack.SegundoaPM,Sér- gio assumiu ter comprado a drogapelovalordeR$450,00 e ainda denunciou o suposto vendedor, Marcelo Tomasi, de 21 anos, de Araranguá. ³ Na casa de Marcelo policiais encontram diversos objetos de origem suspeita Fazenda flagra comércio irregular Dupla é presa e objetos recuperados > ARARANGUÁ A Secretaria de Es- tado da Fazenda regis- trou irregularidades fiscais em 175 esta- belecimentos durante a Operação Veraneio 2015, realizada duran- te dois dias da semana passada. O número cor- responde a quase 20% das 886 lojas visitadas. Na edição passada, esse índice foi de 18%. As irregularidades mais observadas pelos 96 auditores fiscais que participaram da opera- ção foram equipamento para pagamento com cartão de crédito/débito com CNPJ diverso do estabelecimento, inob- servância da obrigato- riedade de uso do ECF (Emissor de Cupom Fis- cal), uso de calculadora eletrônica impressora e estabelecimento sem inscrição no cadastro de contribuintes do ICMS. “O resultado está dentro do esperado e demonstra a impor- tância da presença do Fisco para regular o comércio varejista e garantir um ambiente concorrencial justo e le- galizado”, destaca Sér- gio Pinetti, coordenador do Grupo Especialista Setorial Automação Co- mercial. Segundo ele, foi observado também um aumento na prática de fraudes por empresas do Simples Nacional com o objetivo de reduzir indevidamente o fatu- ramento e permanecer no regime de tributação diferenciado. Por outro lado, mui- tos contribuintes que foram visitados nos últi- mos anos apresentam-se totalmente regulares, adotando práticas legais de automação comercial, inclusive com notável organização operacional pela adoção do PAF-ECF juntamente com o uso do Equipamento Emissor de Cupom Fiscal, afir- ma Pinetti. A meta da Fazenda era fiscalizar 700 estabelecimentos durante a operação, portanto foi superada em 186 lojas, demons- trando o empenho da equipe de auditores fiscais. A PM foi até a casa de Marcelo, indicada pelo clien- te, e encontrou os R$ 450,00 em um dos bolsos dele, além de mais R$ 913,00, totali- zando R$ 1.313,00. Marcelo autorizou a entrada dos policiais na casa, e eles en- contraram vários objetos de origem duvidosa: três pneus de moto sem aro, quatro pneus de automóvel com rodanumeração15,umpneu sem aro numeração 13, três pneus sem roda numeração 13,trêsbateriasdecaminhão 180 AH 12 V, uma bateria de automóvel ERBS, uma caixa de som com dois au- tofalantes de 15 polegadas, um módulo Explosound XM 2600,umnotebookdamarca CCE, um aparelho de som Pioneer, uma furadeira da marca Skil, um aspirador de pó Power, uma rebita- deira Vonder, dentre outros. Tudo foi apreendido, e o caso será investigado pela Polícia Civil. > SOMBRIO > Na última quinta feira, a Central de Ope- rações da Polícia Militar de Sombrio recebeu uma denúncia de que um homem estava passando na rua com algo pare- cido com um notebook embaixo do braço, e que posteriormente passou novamente, desta vez levando uma televisão enrolada em um lençol. Diante das caracte- rísticas relatadas sobre o suspeito, as guarnições da PM iniciaram as buscas, encontrando o sujeito nas proximidades do Edifício Moradas do Parque, a apro- ximadamente 2 km do local do furto. Ele estava com um notebook,quelargounolocal e empreendeu fuga. Porém, foi perseguido a pé e detido. O homem admitiu que tinha furtado não só o apa- relho eletrônico, mas tam- bém uma TV de LED de 46’ da Marca LG, uma colcha de cama e um celular que teria pedido para um amigo esconder. Os policiais foram a casa dele e encontraram os objetos furtados e depois seguiram para a casa do amigo que tinha guardado o celular. Inicialmente o homem negou estar com o celular, até que acabou confessando que estava es- condido em um saco de lixo. Os dois receberam voz de prisão, um por furto e outro por receptação e fo- ram encaminhados para a Delegacia de Polícia. A vítima, que não es- tava em casa na hora do furto, foi até a delegacia, reconheceu os seus objetos e agradeceu o rápido tra- balho da Polícia Militar. Também na quinta- -feira, a guarnição da Polícia Militar em ron- das abordou um veículo em atitude suspeita e constatou que o condutor estava sob efeito de entor- pecentes. Após revista foi encontrado com ele um cigarro de substância semelhante a maconha, dois esmurrugadores e dois pacotes de papel seda para fazer o cigarro. O rapaz foi encami- nhado a delegacia.
  14. 14. Publicidade14 Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 EDITAL DE INTIMAÇÃO ARLINDO EDÍLIO DA ROSA, Tabelião do TABELIONATO DE NOTAS E PROTESTOS DE TÍTULOS desta Comarca de Sombrio, situado na Av. Nereu Ramos, 1300 - Fone (48) 3533-0318 - CEP 88960-000, faz saber na forma da Lei aos que o presente EDITAL virem, que se encontram nesse tabelionato para serem protestados, decorrido o prazo legal, por não terem sido encontrados nos endereços fornecidos, ou por se recusarem a tomar conhecimento, os títulos cujos responsáveis estão abaixo discriminados. PROT. APRESENTANTE / CNPJ DEVEDOR / CNPJ Prot: 131873; Dev:ADÃO DE SOUZA- 351.606.830-20; Ced: BV FINANCEIRAS/AC.F.I.; Sac: BV FINANCEIRAS/AC.F.I.; Tit: 900331987 ; Apr: SCHULZE ADVOGADOS ASSOCIADOS; VEN: 23/01/2015; Esp: Cédula de Crédito Bancário por Indicação; Val: 1.946,17+Juros Legais; Emol.: 70,13. Prot:131786;Dev:AGENORFELICIANODACRUZ-036.549.549-28;Ced:M.C.C.MATERIAISDECONSTRUÇÃOLTDAME; Sac:M.C.C. MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDAME; Tit: 820/11 ;Apr: BANCO DO BRASILSA; VEN: 10/01/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 445,00+Juros Legais; Emol.: 46,96. Prot: 131738; Dev: ALEX VARGAS CARDOSO - 14.160.496/0001-75; Ced: AMARETTI BEBIDAS LTDA; Sac: AMARETTI BEBIDAS LTDA; Tit: 1088215 ;Apr: BANCO BRADESCO SA ; VEN: 12/01/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 205,10+Juros Legais; Emol.: 71,89. Prot:131788;Dev:CSTTRANSPORTESDEPASSAGEIROSLTDA-19.324.945/0001-97;Ced:POADISTROBUIDORADEPEÇASLTDA.; Sac: POADISTROBUIDORADE PEÇAS LTDA.; Tit: 26561/01 ;Apr: BANCO DO BRASIL SA; VEN: 14/01/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 342,00+Juros Legais; Emol.: 46,96. Prot: 131870; Dev: DEIVID DOS SANTOS DASILVA- 073.615.619-42; Ced: BV FINANCEIRAS/AC.F.I.; Sac: BV FINANCEIRAS/AC.F.I.; Tit: 116081199 ; Apr: SCHULZE ADVOGADOS ASSOCIADOS; VEN: 23/01/2015; Esp: Cédula de Crédito Bancário por Indicação; Val: 2.060,83+Juros Legais; Emol.: 70,13. Prot: 131780; Dev: DIEGO JOÃO FERMIANO - 18.829.035/0001-01; Ced: GMAD PONTO DO MARCENEIRO SUPRIMENTOS PARA MOVEIS; Sac: GMAD PONTO DO MARCENEIRO SUPRIMENTOS PARA MOVEIS; Tit: 908581 ; Apr: BANCO DO BRASIL SA; VEN: 09/01/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 169,78+Juros Legais; Emol.: 64,23. Prot: 131866; Dev: DOMINIQUE MACHADO MATIAS - 091.323.129-03; Ced: CENTAURO COMERCIO DE MOVEIS LTDA ME; Sac: CENTAURO COMERCIO DE MOVEIS LTDA ME; Tit: 0526 ; Apr: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL; VEN: 10/01/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 654,00+Juros Legais; Emol.: 46,96. Prot: 131795; Dev: DORALICE DASILVAFABIANO DASILVA- 039.761.209-52; Ced: L.L. ROTH ME; Sac: L.L. ROTH ME; Tit: 7596-5 ;Apr: CAIXAECONÔMICAFEDERAL;VEN:08/01/2015;Esp:DuplicatadeVendaMercantilporIndicação; Val:275,00+JurosLegais;Emol.:46,96. Prot: 131871; Dev: IVONETE LAMARCK DE VARGAS - 006.106.299-56; Ced: BV FINANCEIRA S/A C.F.I.; Sac: BV FINANCEIRA S/A C.F.I.; Tit: 900340598 ; Apr: SCHULZE ADVOGADOS ASSOCIADOS; VEN: 23/01/2015; Esp: Cédula de Crédito Bancário por Indicação; Val: 2.256,34+Juros Legais; Emol.: 46,96. Prot: 131856; Dev: JOANARAULINO RODRIGUES - 091.888.419-52; Ced: SONIAREGINAMICHELS DUMINELLI; Sac: SONIAREGINA MICHELS DUMINELLI; Tit: 747-3 ;Apr: BANCO DO BRASIL SA; VEN: 10/01/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 523,00+Juros Legais; Emol.: 46,96. Prot: 131859; Dev: JOÃO BATISTASILVANO DACUNHA- 767.173.309-10; Ced: MANOELSALVATO PEREIRA; Sac: MANOELSALVATO PEREIRA; Tit: CF 8655/05 ; Apr: BANCO DO BRASIL SA; VEN: 10/01/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 2.250,00+Juros Legais; Emol.: 46,96. Prot:131784;Dev:RCUNHALTDAME-05.383.171/0001-60;Ced:ICARABRINDESLTDAME; Sac:ICARABRINDESLTDAME; Tit:1673/01 ;Apr: BANCO DO BRASILSA; VEN: 12/01/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 512,67+Juros Legais; Emol.: 46,96. Prot: 131868; Dev: REGINALDO FERREIRA CARNEIRO - 046.406.989-09; Ced: WARNIER & FAVARIN LTDA - ME; Sac: WARNIER & FAVARIN LTDA - ME; Tit: 211 ; Apr: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL; VEN: 12/01/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 204,84+Juros Legais; Emol.: 46,96. Prot: 131781; Dev: RODRIGO SANTOS DA SILVA - 912.496.279-15; Ced: BANCO COOPERATIVO DO BRASIL S.A.; Sac: RINAVI COMERCIO E TRA; Tit: 188/2-4 ; Apr: BANCO DO BRASIL SA; VEN: 20/12/2014; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 605,00+Juros Legais; Emol.: 54,62. Prot: 131843; Dev: RONALDO MAIA DA SILVA - 18.786.548/0001-74; Ced: COVOLAN IND TEXTIL LTDA; Sac: COVOLAN IND TEXTIL LTDA; Tit: 166383/06 ; Apr: ITAU UNIBANCO SA ; VEN: 17/01/2015; Esp: Duplicata de Venda Mercantil por Indicação; Val: 2.163,87+Juros Legais; Emol.: 70,13. Prot: 131869; Dev: RONE DO NASCIMENTO DUARTE - 039.477.809-07; Ced: BV LEASINGARRENDAMENTO MERCANTILS.A.; Sac: BV LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL S.A.; Tit: 00261857/10 ; Apr: SÉRGIO SCHULZE & ADVOGADOS ASSOCIADOS; VEN: 23/01/2015; Esp: Nota Promissória; Val: 4.844,87+Juros Legais; Emol.: 46,96. Sombrio - SC, 26/01/2015 ARLINDO EDÍLIO DAROSA
  15. 15. Geral 15Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 > SOMBRIO/ARROIO Policiais de Sombrio, comapoiodaDivisãodeIn- vestigação Criminal (DIC) deAraranguá, prenderam no início da noite de sexta- -feira um homem acusado de estupro de vulnerável ocorrido em Balneário Ar- roio do Silva. Roberto José Corrêa e sua companheira estavam sendo investiga- dos e apontados como os principaissuspeitosdeum furto registrado na última quinta no bairro Nova Brasília, em Sombrio. Após o registro de um furto a um veículo estacio- nado na Nova Brasília, de onde foi levada uma bolsa contendo vários pertences na quinta-feira, policiais daDelegaciadePolíciaCi- vildeSombrioderaminício a uma investigação que apontou como principais suspeitos Roberto José Corrêa e sua companhei- ra, que há menos de um mês passaram a residir no município. Aobuscarinformações a respeito do casal, os po- liciaissouberamquehavia um mandado de prisão preventivacontraRoberto, em que é acusado de estu- pro contra um menino de Investigado por furto é preso por estupro cinco anos no bairro Gol- finho, no Arroio do Silva. Segundoospoliciais,aoser identificadopelacomunida- de como o autor dos abusos àcriança,aresidênciaonde morava com a companhei- ra e dois filhos pequenos chegou a ser apedrejada e ele sofreu ameaças, motivo pelo qual passou a residir em Sombrio. Ao dar cumprimento ao mandado de prisão por estupro, na casa onde atu- almentemoravaocasal,no bairroSãoJosé,ospoliciais encontraram a bolsa que havia sido roubada no dia anterior com os objetos, incluindo um cartão de banco que havia sido utili- zado para alguns saques. O casal alegou que havia encontrado a bolsa na rua e negou ter cometido o crime de furto. Ambos foram levados à delegacia de Sombrio, onde deram seu depoi- mento. Roberto foi poste- riormente encaminhado à Central de Polícia de Ara- ranguá, onde seria entre- gue ao Departamento de Administração Prisional (Deap). Sua companheira foi liberada e deve respon- der pelo crime de furto em liberdade. ³ Expositoresepúblicopartilharamaadmiraçãopelosbeloseconservadosautomóveis Djonatha Geremias Carrões > BALNEÁRIO GAIVOTA O s fãs de carros antigos pude- ram fazer a festadomingoemBalneá- rio Gaivota – literalmente festa, com direito a músi- cas, churrascada, bebida e amigos. A 5ª edição do Opala Beach fez a orga- nização perder a conta de quantos visitantes e turistas passaram pela exposição, que reuniu mais de cem carros an- tigos, e a sensação eram, logicamente, os Opalas. “Mais de 60% dos car- ros expostos são Opalas, mas também temos Fus- cas ano 1969, Chevette, Dodge Magnum, entre outros importados”, co- menta um dos organiza- dores, LuísAugustoAlves da Silva, o Guto, membro doClubedoOpalaCatari- nense (Coca), que produz o evento. Na exposição, estavam tanto os carros dos mais de 30 membros do Coca, como também dos convidados de fora (Rio Grande do Sul, norte catarinense e outros mu- nicípios da região sul) e dos que resolveram expor de última hora. O marceneiro Pau- lo Henrique Ilges veio dirigindo de Canoas/ Encontro de Opalas expõe relíquias Mais de cem carros antigos, com destaques para os Opalas, atraíram um incontável número de visitantes e turistas RS só para participar do Opala Beach, trazendo um Comodoro prata ano 1989.“Comprei há dez anos e não me arrependo. Troquei meu Cadete por esseOpala,compreideum senhor velhinho que, não sei se por desgosto de ficar longeda máquina,faleceu uma semana depois”, con- ta Paulo. Na exposição ainda havia um Opala gaúcho com título de ‘placa preta’, denominação concedida pela Federação Brasilei- ra de Veículos Antigos (FBVA) aos carros que te- nham, no mínimo, 85% de originalidade, em termos de peças e conservação. Foi um dos xodós da fei- ra, recebendo inclusive o prêmio Destaque Opala 1969-1972. Os visitantes é que votavam nos melhores carros antigos. Teve até fritão baru- lhentonoasfaltodaGaivota durante o 5º Opala Beach, mas calma: eram só carri- nhos de controle remoto.
  16. 16. um representante titular e um suplente da Procuradoria Geral do Município; IV........................................................................................................ um representante titular e um suplente da Secretaria Municipal de Saúde; V......................................................................................................... um representante titular e um suplente do Poder Legislativo Municipal. § 2º. Os Conselheiros titulares e suplentes de órgãos não governamentais serão determinados por seus respectivos representantes definidos no Fórum Municipal das entidades não Governamentais da Criança e do Adolescente, o Fórum DCA. § 3º.Não poderão participar do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA, os políticos militantes com mandatos efetivos ou de direção partidária assim como candidatos. Art. 7º. Os Conselheiros Suplentes assumirão, automaticamente, nas ausências e impedimentos dos titulares, como suplentes, a sua presença é recomendada em todas as reuniões plenárias podendo participar dos assuntos e matérias discutidas. Art. 8º. Os nomes, telefones e endereços (inclusive eletrônicos) das entidades governamentais e não governamentais que compõem o Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente e de seus respectivos representantes, serão publicados na imprensa local, assim como afixados em sua sede, na sede do Conselho Tutelar, Prefeitura Municipal e órgãos públicos encarregados das políticas básicas e de assistência social, bem como comunicados ao Ministério Público e ao Juiz da Infância e da Juventude local. Art. 9º. No prazo de 60 dias antes do final de cada biênio o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente emitirá Resolução que irá dispor sobre o processo de indicação dos novos conselheiros titulares e suplentes dos órgãos governamentais e não governamentais para o referido Conselho no biênio posterior. Parágrafo único. Na última sessão plenária de cada biênio será lavrado em ata a nominata dos novos conselheiros titulares e suplentes dos órgãos governamentais e não governamentais para o biênio posterior. Art. 10°. Compete aoConselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Araranguá – CMDCA: I.......................................................................................................... formular e coordenar a Política Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente com garantia de sua promoção, da sua defesa, da sua orientação, visando à proteção integral da criança e do adolescente; II......................................................................................................... fixar os critérios para gerenciamento do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e doAdolescente - FIAe utilização dos recursos nos termos do Art. 260 da Lei Federal n°8069 de 13 de julho de 1990 e alterada pela Lei n° 8242, de 12 de outubro de 1991; III........................................................................................................ cumprir e fazer cumprir, em âmbito municipal, o Estatuto da Criança e do Adolescente, as Constituições Estadual e Federal, a Lei Orgânica do Município, a presente Lei 3280/2014 e toda a legislação atinente a direitos da criança e do adolescente; IV........................................................................................................ dar apoio aos órgãos não governamentais para tornar efetivos os princípios, as diretrizes e os direitos na Lei Federal n°8069, de 13 de julho de 1990; V......................................................................................................... zelar pela execução da Política dos Direitos da Criança e do Adolescente atendidas as suas peculiaridades, de suas famílias, de seus grupos de vizinhança, dos bairros e da zona rural ou urbana em que se localizam; VI. ...................................................................................................... requisitar da Secretaria Municipal de Assistência Social e Habitação, apoio técnico especializado no assessoramento, procurado efetivar os princípios ou diretrizes e os direitos estabelecidos no Estatuto da Criança e do Adolescente; VII. ..................................................................................................... participar do planejamento integrado do orçamento do município formulado as prioridades a serem incluídas no mesmo, no que se refere ou possa afetar as condições de vida das crianças e dos adolescentes; VIII. .................................................................................................... receber denúncias, petições, reclamações, representações ou queixas de qualquer pessoa ou entidade, por desrespeito aos direitos assegurados à criança e ao adolescente, dando-lhes o encaminhamento devido; IX. ...................................................................................................... promover o registro e a avaliação das entidades ligadas ao atendimento e a defesa dos direitos da criança e do adolescente; inscrição pelo prazo de 6 (seis) meses. X. ....................................................................................................... elaborar e alterar o seu regimento interno, com a aprovação de dois terços do total de seus membros; XI. ...................................................................................................... desempenhar quaisquer outras atividades desde que compatíveis com suas finalidades para o perfeito cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente; XII. ..................................................................................................... reunir-se ordinária e extraordinariamente conforme dispuser o Regimento Interno; XIII. .................................................................................................... conduzir o processo de escolha dos Conselhos Tutelares; XIV. .................................................................................................... homologar o regimento interno do Conselho Tutelar; XV. ..................................................................................................... encaminhar o seu regimento interno e do Conselho Tutelar para homologação do Poder Executivo. CAPITULO III DOS ÓRGÃOS DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ARARANGUÁ – CMDCA Art. 11°. São órgãos do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA, O Plenário, a Diretoria a as Comissões. SEÇÃO I DO PLENÁRIO Art. 12°. O Plenário, órgão soberano do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Araranguá – CMDCA, compõe-se dos membros no exercício pleno de seus mandatos nomeados pelo prefeito para mandato de dois (02) anos, permitida a recondução por igual período. Publicações Legais16 Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 RESOLUÇÃO CMDCA Nº 01/2015 APROVAREGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DO MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA, no uso de suas atribuições legais e regimentais conforme o disposto no Art. 15 da lei 3280 de 02 de Outubro de 2014, considerando a deliberação do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente em sua reunião plenária ordinária de 21 de Janeiro de 2015. RESOLVE: Art. 1º - Aprovar por unanimidade, o Regimento interno do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA em conformidade com as alterações da lei 3280/2014 que dispõe sobre a política de Atendimento à Criança e Adolescente no município de Araranguá. Art. 2º - O Regimento Interno do CMDCA passa a ter a seguinte redação: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE TÍTULO I DO CONSELHO MUNICIPAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1°. O presente Regimento Interno disciplina o funcionamento do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Araranguá CMDCA, conforme LEI N° 3280, de 02 de outubro de 2014. Art. 2°. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente deAraranguá, CMDCAfuncionara em local e instalações determinadas pelo Poder Publico de Municipal. Parágrafo Único: caberá a Secretaria de Assistência Social e Habitação assegurar o suporte técnico-administrativo necessário ao funcionamento do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e de Adolescente de Araranguá – CMDCA. Art. 3°. O membro que deixar de comparecer a três(3) sessões ordinárias consecutivas, ou a cinco (5) sessões alternadas sem justificativa formal, será substituído, devendo a Presidência solicitar a entidade ou órgão que represente a indicação de novo titular e suplente, a qual devera ser feita em 30 (trinta) dias do recebimento da solicitação. Art. 4º. Na forma do disposto no art.89, da Lei nº 8.069/90, a função de membro do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente é considerada de interesse público relevante e não será remunerada. CAPITULO II DA NATUREZA DA COMPOSIÇÃO E DAS ATRIBUIÇÕES Art.5º. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e doAdolescente é, por sua natureza, órgão normativo, consultivo, deliberativo, conscientizador e fiscalizador das ações políticas de promoção, atendimento e defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente. § 1º. Como órgão normativo, o Conselho deverá expedir resoluções definindo e disciplinando as ações políticas de promoção, atendimento e defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente. § 2º. Como órgão consultivo, o Conselho emitirá parecer, através de comissões especiais, sobre todas as consultas que lhe forem dirigidas, após discussão e aprovação do plenário, incluindo-se a gestão junto ao Poder Executivo e Legislativo quanto à dotação orçamentária a ser destinada aos projetos em defesa dos direitos da criança e do adolescente. § 3º. Como órgão deliberativo, reunir-se-á em sessões plenárias, decidindo, após ampla discussão, e por maioria simples de votos, todas as matérias que lhe forem pertinentes. § 4º. Como órgão conscientizador, emitirá boletins, organizará palestras, criará grupos de estudo dos Direitos da Criança e do Adolescente, disporá dos meios de comunicação que estiverem ao seu alcance, prestará assessoria que lhe for solicitada dentro de seu campo específico e convidará todas as entidades e segmentos sociais afins a se reunirem anualmente, em forma de fórum. § 5º. Como órgão fiscalizador, os membros do Conselho poderão visitar delegacias, casas noturnas, presídios e escolas observadas as disposições legais, receber comunicações oficiais, representações ou reclamações de qualquer cidadão sobre a violação de Direitos da Criança e do Adolescente, deliberando em plenário dentro do âmbito de sua competência. Art.6º. O Conselho Municipal é composto de 10 (dez) membros efetivos e mais 10 (dez) suplentes, de forma paritária, sendo 05 (cinco) de órgãos públicos municipais e 05 (cinco) de organizações não governamentais, representativas da sociedade, com mandato de 02 ( dois ) anos, podendo haver uma reeleição de seus membros, observadas as determinações da lei 3280/2014. § 1º. Os 4 representantes do poder executivo serão indicados pelo Prefeito Municipal e o representante do poder legislativo será indicado pelo presidente do Poder Legislativo, conforme a seguinte disposição: I.......................................................................................................... um representante titular e um suplente da Secretaria Municipal de Educação; II......................................................................................................... um representante titular e um suplente da Secretaria de Assistência Social e Habitação; III........................................................................................................ Art. 13°. As sessões plenárias serão: I........................................................................................................... ordinárias, realizadas mensalmente em local e horários fixados em cronograma anual definido na última sessão plenária de cada ano. II.......................................................................................................... extraordinárias - sempre que necessário, convocadas pelo Presidente, pelo Chefe do Poder Executivo ou por iniciativa de um terço de seus membros, mediante ofício protocolado junto à secretaria executiva com antecedência de setenta e duas horas. Parágrafo Único - As sessões plenárias ordinárias do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente obedecerão à seguinte ordem do dia: I........................................................................................................... instalação dos trabalhos pelo Presidente; II.......................................................................................................... leitura da ata dos assuntos tratados na reunião anterior; III......................................................................................................... apreciação e assinatura da ata; IV......................................................................................................... leitura, discussão e apresentação da agenda da reunião ou edital; V.......................................................................................................... ordem do dia; VI. ....................................................................................................... avisos, comunicações, registro de fatos, apresentação de propostas e proposições, correspondências e documentos de interesse do Conselho; VII. ...................................................................................................... encerramento dos trabalhos pelo presidente. Art. 14°.Acada plenária o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Araranguá – CMDCA será lavrada a respectiva ata em livro próprio, assinada pelo Presidente e demais conselheiros presentes, contendo em resumo, todos os assuntos tratados. Art. 15°. O presidente, com base nos votos da maioria vencedora, editará resoluções. SEÇÃO II DOS MEMBROS Art. 16º. São atribuições dos membros do Conselho: I........................................................................................................... comparecer às sessões plenárias, justificando as faltas; II.......................................................................................................... integrar as Comissões para as quais forem designados; III......................................................................................................... votar os assuntos debatidos no Plenário; IV......................................................................................................... assinar a presença em livro próprio; V.......................................................................................................... pedir vistas de processos pelo prazo máximo de 05 ( cinco ) dias, devolvendo-os com parecer; VI. ....................................................................................................... votar a ser votado para cargos do Conselho; VII. ...................................................................................................... exercer outras funções no âmbito de sua competência. SEÇÃO III DA DIRETORIA Art. 17°. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Araranguá – CMDCA será coordenado por uma diretoria executiva eleita entre os conselheiros titulares e suplentes, composta por um presidente, um vice-presidente e dois secretários. § 1º. Para todos os cargos da Diretoria será observada alternância entre os representantes do governo e da sociedade civil organizada; § 2º. A escolha dos membros da diretoria dar-se-á na primeira sessão subseqüente ao término do mandato da diretoria anterior, sendo a inscrição efetuada verbalmente pelo aspirante ao cargo e a votação tomada de forma nominal entre os Conselheiros presentes; § 3º. Havendo empate na votação, será considerado eleito, para cada um dos cargos da Diretoria, o concorrente mais idoso; SEÇÃO IV DA PRESIDÊNCIA Art. 18°. O presidente é o representante legal do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Araranguá – CDMCA, o regulador de seus trabalhos é o fiscal de sua ordem, tudo de conformidade com este Regimento. § 1°. Na ausência ou impedimento do Presidente, assumira como seu substituto legal, o Vice-Presidente ou Secretario, nesta ordem. § 2°. No caso de vacância de cargo de Presidente, o Prefeito Municipal nomeara novo titular para completar o mandato no caso de o presidente ser de esfera governamental. § 3°. No caso de vacância de cargo de Presidente quando o mandato pertencer à esfera não governamental, o Fórum Municipal das entidades não Governamentais da Criança e do Adolescente deverá indicar um novo titular que os represente. § 4°. No caso de vacância de cargo de Presidente seja ele da esfera governamental ou não governamental, sem que as partes tenham indicado o substituto, caso houver consenso os conselheiros do CMDCA têm a autonomia de indicar qualquer um dos conselheiros titulares ou suplentes. Art. 19°. São atribuições do Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Araranguá – CMDCA: I........................................................................................................... presidir as sessões plenárias tomando parte das discussões; II.......................................................................................................... decidir soberanamente as questões de ordem, reclamações ou solicitações de votação para novos estudos das Comissões permanentes ou transitórias; III......................................................................................................... proferir o ultimo voto nominal e, quando houver empate, remeter o objeto de votação para novos estudos das Comissões; IV......................................................................................................... distribuir matérias as Comissões quando a sua complexidade assim o exigir, nomeando integrantes, dentre os titulares do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Araranguá – CMDCA, ou designando eventuais relatores substitutos; V.......................................................................................................... assinar a correspondência oficial do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Araranguá – CMDCA;
  17. 17. Publicações Legais 17Correio do Sul Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 VI. ...................................................................................................... representar o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente deAraranguá- CMDCA, em solenidades publicas e zelar pelo seu prestigio; VII. ..................................................................................................... preparar, junto com o Secretário do Conselho, a pauta das sessões ordinárias e extraordinárias; VIII. .................................................................................................... encaminhar ao Ministério Público notícia de infrações administrativas ou penais que cheguem ao conhecimento do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente; IX. ...................................................................................................... determinar a instauração de sindicância ou procedimento administrativo para apurar denúncias de irregularidades envolvendo entidades ou representantes de entidades com assento no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente; X. ....................................................................................................... manter os demais membros do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente informados sobre todos os assuntos que digam respeito ao órgão; XI. ...................................................................................................... convocar, de ofício ou a requerimento das Comissões, Conselho Tutelar, Ministério Público, Poder Judiciário ou Prefeito, reuniões extraordinárias da Plenária do Conselho, para tratar de assuntos de caráter urgente; XII. ..................................................................................................... exercer outras funções correlatas que lhe sejam atribuídas pelo presente Regimento Interno ou pela Legislação Municipal específica. § 1º. É vedado ao Presidente do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente a tomada de qualquer decisão ou a prática de atos que não tenham sido submetidos à discussão e deliberação por sua plenária; § 2º. Quando necessária a tomada de decisões em caráter emergencial, é facultado ao Presidente do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente a convocação de reunião extraordinária do órgão, onde a matéria será discutida e decidida. SEÇÃO V DO SECRETÁRIO Art. 20°. Ao Secretário, auxiliado pelo Secretário Executivo, com suporte técnico-administrativo da Secretaria Municipal da Criança, compete: I.......................................................................................................... manter: a)........................................................................................................ livro de correspondência recebidas e emitidas com o nome dos remetentes ou destinatários e respectivas datas: b)........................................................................................................ livros de atas sessões plenárias; c)........................................................................................................ ficha de registro das entidades governamentais e não governamentais que prestem assistência e atendimento a criança e ao numero de criança e adolescente atendidos: II......................................................................................................... secretariar sessões Plenárias do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Araranguá – CMDCA; III........................................................................................................ despachar com o Presidente; IV........................................................................................................ manter sobre sua guarda: livros, fichas, documentos, papeis do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Araranguá – CMDCA e controle do almoxarifado; V......................................................................................................... prestar informações que lhe forem requisitadas; VI. ...................................................................................................... propor ao presidente a requisição de funcionários dos órgãos governamentais que propõem o conselho municipal dos direitos da Criança e do Adolescente de Araranguá –CMDCA, para execução dos serviços de secretaria; VII. ..................................................................................................... orientar, coordenar e fiscalizar os serviços da secretaria; VIII. .................................................................................................... remeter para aprovação do plenário, os pedidos de registro das entidades não governamentais e programas governamentais que prestam assistência e atendimento a criança e Adolescente. SEÇÃO VI DAS COMISSÕES Art. 21. Mediante aprovação do Plenário, serão criadas Comissões temáticas paritárias permanentes ou temporárias formadas por membros titulares, suplente e convidados. § 1º. As Comissões terão a função de desenvolver as atividades executivas do conselho e a ele apresentar para apreciação e deliberação. § 2º. O presidente e o relator das Comissões serão escolhidos internamente pelos respectivos membros. Art. 22. A estrutura organizacional e a área de abrangência das Comissões temporárias serão estabelecidas em resolução aprovada em plenário. Art. 23. São três as Comissões permanentes, cada qual formada no mínimo de 4 (quatro) Conselheiros e convidados, assim designadas; I.......................................................................................................... Comissão de Políticas Básicas e Garantias de Direitos; II......................................................................................................... Comissão de Normas e registros; III........................................................................................................ Comissão do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FIA). § 1º.As reuniões ordinárias das Comissões serão realizadas de acordo com cronograma estabelecido em cada Comissão. § 2º.Qualquer Conselheiro poderá participar dos trabalhos em outra Comissão, sendo-lhe, contudo, vetado o direito à voto. Art. 24. Poderão ser constituídas Comissões Transitórias, necessárias para o estudo de assuntos específicos, que observarão as disposições do presente Regimento, e que se dissolverão, automaticamente, após a conclusão dos trabalhos. Art. 25. Compete a Comissão de Políticas Publicas Básicas e Garantias de Direitos: I.......................................................................................................... formular proposta de políticas e promoção, defesa e garantias dos direitos da criança e do adolescente; II......................................................................................................... acompanhar as ações governamentais e não governamentais que se destinam a promoção e defesa dos direitos da criança e do adolescente; III........................................................................................................ encaminhar e acompanhar junto aos órgãos competentes denuncias de todas as formas de negligencia, discriminação, exclusão, exploração, omissão e qualquer tipo de violência contra criança e adolescente para execução das medidas necessárias; IV........................................................................................................ inspecionar, em caráter extraordinário, organismos governamentais e instituições não governamentais, quando deliberada em plenário a necessidade de verificação da adequação do atendimento a criança e ao adolescente; V......................................................................................................... fiscalizar o cumprimento da Lei que estabelece que as empresas devem manter creches no local de trabalho, propondo alternativas e parcerias para efetivação da mesma; Art. 26. Compete a Comissão de Normas e Registros; I.......................................................................................................... normatizar o registro de entidades e a inscrição de programas de atendimento às crianças e adolescentes desenvolvidos pelas organizações governamentais e não-governamentais; II......................................................................................................... apreciar e emitir parecer quanto à solicitação de registro de entidades e inscrição dos programas governamentais e não governamentais; III........................................................................................................ Realizar visitas às entidades, programas e serviçoscadastrados e elaborar respectivo parecer. IV........................................................................................................ acompanhar o monitoramento das entidades registradas e dos programas inscritos no CMDCA definidos no Art. 90 do Estatuto da Criança e do Adolescente; V......................................................................................................... elaborar a normatização interna do CMDCA., estabelecendo fluxo e instrumental; VI. ...................................................................................................... manter atualizados os dados sobre projetos, decretos e leis referentes à criança e ao adolescente; VII. ..................................................................................................... outras atribuições inerentes ao trabalho da comissão. Art. 27. Compete à Comissãodo Fundo Municipal dos Direitos da criança e do Adolescente. I.......................................................................................................... propor políticas de captação e aplicação dos recursos do Fundo Municipal dos Direitos e do Adolescente; II......................................................................................................... analisar e emitir parecer aos processos de solicitação de verba encaminhados ao Conselho Municipal dos Direitos da criança e do Adolescente de Araranguá- CMDCA, de acordo com a política estabelecida; III........................................................................................................ propor formas e meios de captação de recursos através de campanhas de incentivo as doações para pessoas físicas ou jurídicas de acordo com a legislação vigente. CAPÍTULO IV DO FUNCIONAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: SEÇÃO I DAS REUNIÕES ORDINÁRIAS E EXTRAORDINÁRIAS Art. 28. Na forma do disposto no art. 17, da Lei Municipal nº 3280/2014, o Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente de Araranguá realizará 1 (uma) reunião ordinária a cada mês. § 1º. As reuniões ordinárias serão realizadas na sede do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente, em local e horário pré-definidos na últimasessão plenária do ano anterior; §2º.Semprequenecessário,serãorealizadasreuniõesextraordinárias, conforme disposto no presente Regimento Interno; § 3º. A pauta contendo as matérias a serem objeto de discussão e deliberação nas reuniões ordinárias e extraordinárias do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente deverá ser comunicada com antecedência mínima de 72 horas aos conselheiros titulares e suplentes, Juízo e Promotoria da Infância e Juventude, Ordem dos Advogados do Brasil, Conselho Tutelar, bem como à população em geral, nos moldes do previsto neste Regimento Interno; § 4º. A realização de reuniões do Conselho de Direitos da Criança e do Adolescente em local diverso do usual deverá ser devidamente justificada, comunicada com antecedência mínima de 30 (trinta) dias e amplamente divulgada, orientando o público acerca da mudança e de sua transitoriedade; § 5º. As sessões serão consideradas instaladas após atingidos o horário regulamentar e o quorummínimo de metade dos membros do Conselho; § 6º. As decisões serão tomadas por maioria simples de votos dos Conselheiros presentes à sessão. Art. 29.As reuniões ordinárias e extraordinárias do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente serão públicas, ressalvadas as que colocarem em discussão casos específicos envolvendo crianças ou adolescentes acusados da prática de ato infracional (cf. arts.143 e 247, da Lei nº 8.069/90) ou outros, cuja publicidade possa colocar em risco a imagem e/ou a integridade psíquica e moral de crianças e/ou adolescentes (cf. arts.17 e 18, da Lei nº 8.069/90). Parágrafo único. Ocorrendo qualquer das hipóteses do caput do presente dispositivo, será permitida a presença em plenário apenas dos membros do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente e do Conselho Tutelar, representantes do Ministério Público e Poder Judiciário, além de familiares das crianças e/ou adolescentes envolvidas. Art. 30. Na sessão serão apreciados todos os itens constantes da pauta, sendo facultada a apresentação de outras matérias, de caráter urgente, por parte de qualquer dos membros do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente, assim como pelo Conselho Tutelar, Ministério Público, Poder Judiciário e representante da Ordem dos Advogados do Brasil; § 1º. As matérias não constantes da pauta serão apreciadas após esgotadas aquelas anteriormente pautadas, ressalvada decisão em contrário por parte da maioria dos membros presentes à sessão; § 2º. Enquanto não apreciadas todas as matérias constantes da pauta o Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente continuará em sessão, podendo, caso necessário, ter esta continuidade em dia(s) subseqüente(s). SEÇÃO II DA PUBLICAÇÃO DAS DELIBERAÇÕES E RESOLUÇÕES Art. 31. As deliberações e resoluções do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente serão publicadas nos órgãos oficiais e/ou na imprensa local, seguindo os mesmos trâmites para publicação dos demais atos do Executivo, porém gozando de absoluta prioridade. § 1º.As despesas decorrentes da publicação deverão ser suportadas pela administração pública, através de dotação orçamentária específica; §2º. A aludida publicação deverá ocorrer na primeira oportunidade subseqüente à reunião do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente onde a decisão foi tomada ou a resolução foi aprovada, cabendo à Presidência e à Secretaria do órgão as providências necessárias para que isto se concretize. SEÇÃO III DAANÁLISE E DO REGISTRO DAS ENTIDADES DEATENDIMENTO E DOS PROGRAMAS POR ELAS EXECUTADOS Art. 32. Na forma do disposto nos arts.90, par. único e 91, da Lei nº 8.069/90, cabe ao Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente efetuar o registro: I.......................................................................................................... das entidades não governamentais sediadas em sua base territorial que prestem atendimento a crianças, adolescentes e suas respectivas famílias, executando os programas a que se refere o art.90, caput e correspondentes às medidas previstas nos arts.101, 112 e 129, todos da Lei nº 8.069/90; II......................................................................................................... dos referidos programas de atendimento a crianças, adolescentes e suas respectivas famílias, em execução por entidades governamentais ou não governamentais; § 1º. As entidades não-governamentais somente poderão funcionar depois de registradas no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, o qual comunicará o registro ao Conselho Tutelar e à autoridade judiciária da respectiva localidade. § 2º. O Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente realizará periodicamente, a cada 02 (dois) anos, o recadastramento das entidades e dos programas em execução, certificando-se de sua contínua adequação à política de atendimento traçada. § 3º. A qualquer tempo as entidades poderão solicitar o registro no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente desde que esteja legalmente constituída observando os documentos exigidos neste Regimento Interno. § 4º.A Comissão Normas e Registros terá o prazo máximo de 90 dias a contar da data de recebimento do requerimento da entidade para deferir ou indeferir o registro. Art. 33. As Entidades não governamentais com sede em outros municípios poderão solicitar seu registro, desde que seus Programas e Serviços sejam executados no Município deAraranguá, apresentando oAtestado de Registro no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente da cidade de origem. Art. 34. O Conselho Municipal de Direitos da Criança e doAdolescente, por meio de resolução própria, indicará a relação de documentos a ser fornecida pela entidade para fins de registro ou recadastramento, da qual deverá constar, no mínimo: I.......................................................................................................... Requerimento solicitando o Registro devidamente assinado pelo responsável pela Entidade (Anexo I); II......................................................................................................... Cópia do Estatuto da Entidade e suas alterações, devidamente registrado no órgão competente, onde deverá constar nas suas finalidades estatutárias, o atendimento à criança e ao adolescente III........................................................................................................ Cópia da ata da última eleição da diretoria; IV........................................................................................................ Cópia do Regimento Interno e suas alterações, onde deverá constar nas suas finalidades, o atendimento à criança e ao adolescente; V......................................................................................................... prestação de contas dos recursos recebidos no ano anterior ou desde o último recadastramento, com a indicação da fonte de receita e forma de despesa. VI. ...................................................................................................... documentos comprobatórios de sua regular constituição como pessoa jurídica, com indicação de seu CNPJ; VII. ..................................................................................................... relação nominal e documentos comprobatórios da identidade e idoneidade de seus dirigentes e funcionários; VIII. .................................................................................................... documentos comprobatórios da habilitação profissional de seus dirigentes e funcionários; IX. ...................................................................................................... relatório das atividades desenvolvidas no período anterior ao recadastramento, com a respectiva documentação comprobatória; X. ....................................................................................................... descrição detalhada da proposta de atendimento e do programa que se pretende executar, com sua fundamentação técnica, metodologia e forma de articulação com outros programas e serviços já em execução; Art. 35.AComissão Permanente de Normas e Registros do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, poderá solicitar outros documentos que julgar necessário a fim de complementar a análise documental para a aprovação do Registro. Art. 36. Quando do registro ou recadastramento, o Conselho Municipal de Direitos da Criança e doAdolescente, por intermédio da Comissão de Normas e Registros, na forma do disposto neste Regimento Interno, e com o auxílio de outros órgãos e serviços públicos, avaliará a adequação da entidade e/ou do programa, às normas e princípios estatutários, bem como a outros requisitos específicos que venha a exigir, via resolução própria. § 1º. Será negado registro à entidade nas hipóteses relacionadas pelo art.91, par. único, da Lei nº 8.069/90 e em outras situações definidas pela mencionada resolução do Conselho de Direitos; § 2º. Será negado registro ao programa que não respeite os princípios

×