Caderno 25anos

172 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
172
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caderno 25anos

  1. 1. Unindo o Sul pela informação
  2. 2. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 20152 N o final da década de 1980, Ro- lando Chris- tian Coelho e um grupo de amigos, com idades entre 15 e 17 anos, se reuniam para discutir questões culturais e es- creviam artigos sobre cultura que publicavam nos jornais da época, como Tribuna Sombrien- se e Tribuna do Vale. Foi daí que surgiu a ideia de lançar um jornal, o que aconteceu em 1990. A primeira edição circu- lou no dia 5 de junho de 1990 e em setembro Rolando já estava so- zinho, pois o custo era elevado e praticamen- te não havia retorno fi- nanceiro. Mesmo assim, com muitas dificuldades e no início bastante ar- tesanal, o Correio do Sul caiu no gosto da popu- lação. No início impresso Expediente Projeto: Jornal Correio do Sul Comercialização: Jabson Muller, Jarbas Vieira, Igor Borges Projeto Gráfico: Cristian Mello Artes: Cristian Mello Editora: Marivânia Farias Reportagem: Rafael Andrade Djoantha Geremias Marivânia Farias Jabson Muller Valdinei Nichele Fotografias: Grabiela Capra , Banco de dados da Amesc/SANTUR Arquivo Correio do Sul em Porto Alegre, quatro anos depois o Correio do Sul passou a ser o primeiro periódico com impressão própria da região. O Correio do Sul foi o primeiro jornal re- gional de Santa Catarina a ter impressão of set positiva, já ultrapassa- da hoje, mas um avan- ço sem precedentes em 1994. Outro grande passo se deu quando a circulação que era se- manal passou a ser di- ária a partir de 12 de junho de 1998. Sempre se aperfeiço- ando e buscando a pro- fissionalização, o Cor- reio do Sul passou a ter uma gestão ainda mais profissional sob a dire- ção de Jabson Muller, que assim como Rolan- do Christian Coelho cur- sou jornalismo. O maior empenho do Correio do Sul nestes 25 anos é se manter inova- dor e conectado com as necessidades do Extre- mo-Sul Catarinense. Por opção e convic- ção, o Correio do Sul nasceu e continua sendo um jornal regional, circulan- do de segunda a sexta-feira nos 15 municípios que for- mam a Associação dos Municípios do Extremo Sul Ca- tarinense. M a i s tarde a a t u a - ção do jornal foi re- força- da pela S u l Gráfica e pela Rádio 93 FM, que formam o Grupo Cor- reio do Sul. Como tudo começou 25 anos de informação
  3. 3. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 2015 3 A chegada do ano dois mil era aguar- dada com tensão e enorme expec- tativa. Não eram poucos os que garantiam que o mundo acabaria no ano dois mil. Também eram muitos os que temiam o colapso de aparelhos ele- trônicos, principalmente os computadores, quan- do tivessem que trocar o número 19 pelo 20 para indicar não apenas um novo ano, mas um novo século e um novo milênio que se aproximavam. Porém, uma quan- tidade maior ainda de pessoas recebia com oti- mismo a chegada do his- tórico ano dois mil. Entre A vinda de Jabson Muller para o Correio do Sul foi antecedida pela do seu irmão mais velho. Léo Júnior chegou ao jornal em 1999 e realmente fez de tudo um pouco, inclusive trabalhando na redação. Praticamente sozinho aprendeu a diagramar as páginas do jornal, dominando programas de computação que na época poucos conhe- ciam. Com dedicação e criatividade, revolucionou a ‘cara’ do jornal. Hoje é responsável pela Sul Gráfica, a gráfica própria do Grupo Correio do Sul, que inclui também a Rádio 93 FM. A semelhança entre os irmãos Jabson e Júnior até hoje leva muita gente a questionar se são gêmeos. Não são, e além da semelhança física os dois têm a mesma dedicação ao jornal que os viu crescer ao mesmo tempo em que também crescia. A trajetória de dois sucessosestes estava o adoles- cente Jabson Muller, que aos 16 anos realmen- te entrava em um novo mundo, o mundo do tra- balho. Entregar jornal de madrugada pelas ruas de Sombrio, e de bicicle- ta, com certeza não era o emprego dos sonhos de nenhum jovem, mas foi o emprego que lhe possibilitou realizar vá- rios sonhos. O Correio do Sul tinha então dez anos de existência e como seu jovem entregador queria crescer. Para isso, Jab- son e jornal apostavam na competência e na de- dicação. Um ano depois a trajetória dos dois se separou, mas por um breve período. Jabson foi ser garçom e o Correio do Sul continuou sendo um bom jornal. Os dois logo se reencontraram. O entregador voltou, agora equipado com uma moto, e ficou ainda me- lhor. O Correio do Sul foi juntando outras pessoas competentes e corajosas e todos foram crescen- do em idade, tamanho e confiança. O entregador não ti- nha mais dúvidas: ama- va o jornal e não queria mais se separar dele. En- tão foi fazer faculdade de jornalismo e foi aprender tudo sobre o jornal na te- oria e na prática. Passou por vários setores, da gráfica a colunista social, e aos 30 anos chegou a direção do Cor- reio do Sul. Nesta sexta- -feira o jornal completa 25 anos e está di- ferente do que era no ano dois mil, quando um jovem entregador de 16 anos entrou em sua história. Só uma coisa não mudou na trajetória de sucesso do Correio do Sul e de Jabson Muller: o compromisso irres- trito com a defesa do desenvolvimen- to da nossa região e dos leitores, razão máxima da existência de um jornal, tenha ele a idade que tiver. Um ‘gêmeo’ para toda hora
  4. 4. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 20154
  5. 5. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 2015 5
  6. 6. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 20156
  7. 7. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 2015 Na madrugada A pós servir a Po- lícia Militar de Araranguá por três décadas, o cabo Gabriel Tristão não é do tipo que fica parado. Aos 62 anos de idade, ele acorda toda madrugada, veste um colete, pega a moto e fica, por horas, entregando os jornais do Correio do Sul de casa em casa, de comércio em comércio, até de manhã. Essa é a rotina do entrega- dor que está há mais tempo na empresa, onde entrou em 2007, e que atende diversos bairros de Araranguá. Os demais bairros ficam à car- go do seu filho Gilvanir Tris- tão,36. Djonatha Geremias Quando começou o traba- lho, oito anos atrás, Gabriel fazia as entregas de bicicle- ta em uma área bem menor do que faz hoje. Com a aju- da da moto, ele pode cobrir uma área maior, em menos tempo. Sua jornada de tra- balho tem aproximadamen- te quatro horas e começa na rodoviária de Araranguá, antes do sol nascer. Quando o jornal fica pronto na Sul Gráfica, colegas telefonam para ele. “Estamos saindo de Sombrio”, avisam. Gabriel então levanta e vai esperar na rodoviária de Araranguá. Vinte minutos depois, o car- ro da gráfica chega com to- dos os exemplares para ele e o filho distribuírem. Pai e filho então têm a tarefa de enrolar parte dos jornais, dependendo da necessida- de dos clientes. Alguns jor- nais precisam ser dobrados até quatro vezes para caber na caixa de correio ou para serem arremessados em al- gum lugar específico a pedi- do do leitor. “Tem casas em que a gente precisa jogar o jornal sempre no mesmo lugarzinho. Se cair um me- tro para o lado, o cliente já estranha. Assim como tam- bém têm aqueles que não se importam, desde que o jor- nal chegue em bom estado, claro. A gente se preocupa nesses detalhes com todos eles”, comenta Gabriel. Enquanto enrolam os jornais, prendem com uma borrachinha e verificam os novos endereços para entre- ga em uma lista atualizada diariamente, Gabriel e Gil- vanir aproveitam para con- versar e contar histórias. É um momento também de tensão, porque, além da gi- lidade para que a entrega não atrase, a rodoviária é um local vulnerável durante as madrugadas, com tráfe- go de moradores de rua e outras pessoas estranhas. Por isso, pai e filho saem de casa sempre sem nenhum dinheiro, para evitar prejuízo em caso de assalto, mesmo nunca tendo sido assaltados. Jornais dobrados e rota atualizada, é hora de dese- jar um bom trabalho ao fi- lho e cada um seguir seu rumo. Começa uma jornada extensa de moto,nenhum endereço pode ser esqueci- do. “O bom de trafegar de madrugada é que as ruas estão sempre vazias, então isso agiliza bastante”, res- salta Gabriel. O policial apo- sentado atende os endere- ços do Centro de Araranguá e dos bairros Vila São José, Coloninha, Urussanguinha, Cidade Alta, Arapongas e Jardim das Avenidas. “Se eu ficasse em casa sem fa- zer nada,certamente já teria morrido, porque ociosidade não é comigo. Quantos ami- gos eu já perdi, mais novos do que eu, porque manti- nham uma vida sedentária, sem fazer nada... Eu gosto de trabalhar, não me importo de acordar cedo, e pretendo continuar trabalhando ainda por muito tempo”, acrescen- ta Gabriel. o trabalho não para 7
  8. 8. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 20158
  9. 9. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 2015 drasticamente as tragédias fami- liares resultantes dos inúmeros acidentes registrados na rodovia federal e retratados nas páginas do jornal. Comemorando 25 anos hoje, Tamires prevê os próximos 25 com tecnologias inimaginavel- mente avançadas em relação aos dias atuais, em que, inclusive, a comunicação deve ser feita de no- vas maneiras. Mas, se os avanços tecnológicos são vistos como po- sitivos, a professora se preocupa com o crescimento da violência e com os reflexos da educação atual nas próximas gerações. “Se a edu- cação continuar como está, vai ser difícil enfrentar o futuro, quando estascriançastornarem-seosadul- tos”, preocupa-se. Mas, enquanto o futuro não chega,Tamiresseguesuatrajetória e, noiva desde março do ano pas- sado,jáplanejanovidadesparasua vida e acredita no desenvolvimen- to de Araranguá e região, sempre acompanhando todas as notícias nas páginas do Correio do Sul. “É uma ótima fonte de notícias, que tem mais informações. É o mais completo”, afirma. por que tu nasceu no mesmo dia que eles fundaram o jornal’. Até que eu resolvi entrar em conta- to”, explica. Entretristezaseconquistasre- gionais, alguns fatos acompanha- dos pelo Correio do Sul também ficaram marcados na trajetória de Tamires. Num deles, as enchen- tes e deslizamentos de terra nas encostas da Serra Geral, mortes e grande número de famílias de- sabrigadas causaram comoção re- gional. “Eu era bem pequena, mas lembro que peguei algumas roupas minhas para doar para pessoas afetadas pela enchen- te”, conta a moça. Como pon- to positivo, Tamires menciona a chegada de universidades à região, principalmente em Araran- guá, e a democratização do en- sino, em que um número maior de jovens puderam estudar. “Eu, felizmente, já pude estudar aqui mesmo em Araranguá, mas mui- tos amigos mais velhos passaram dificuldades indo para outras re- giões para cursar uma faculdade. Essa foi e está sendo uma grande conquista para a nossa região e um assunto que acompanhamos através do Correio do Sul”, men- ciona a pedagoga, formada pela Unopar em março de 2014. Divulgado, debatido e co- brado durante muitos anos pelo Correio do Sul, outro assunto mencionadoporTamiresfoiadu- plicaçãodaBR-101,umsonhode décadas que apenas recentemente se tornou realidade, reduzindo Tamiressopravelinhascomo Correio do SulOano era 1990. Ti- nha início a última década de um sécu- lo de incontáveis progressos, o mundo vivia um período de ex- pectativas positivas, com a reu- nificação da Alemanha e o fim da Guerra Fria, com a popula- rização do computador e, no Brasil, a eleição do primeiro pre- sidente após um longo período de regime militar. Muitos eram os sonhos que saíam do papel e das mentes dos brasileiros. Den- tre eles, o jornalista Rolando Cristian Coelho transformava em realidade o jornal semanal Correio do Sul, em 5 de junho de 1990. Na mesma data, no Hospital Regional de Araranguá, o casal Glória Aparecida Cardo- so e Aguinaldo Araújo realizava o sonho da primeira filha. Hoje soprando as mesmas 25 velinhas do Correio do Sul, Tamires Cardo- so Araújo compartilha com os leitores algumas de suas impressões nessas duas décadas e meia. Ao longo destes 25 anos, cada um dos mais importantes aconteci- mentos da região fize- ram parte das páginas do Correio do Sul. Muitas delas acompa- nhadas e até vividas por Tamires ao longo de sua trajetória. “Um dos exemplos foi o Ca- tarina (furacão ocorrido em 2004), quando faltou energia e obtínhamos as notícias lendo o jornal”, lembra a jovem professora de Educação Infan- til moradora do bairro Urus- sanguinha, em Araranguá. Nascida há somente 25 anos, era um período muito diferente do atual, e Tami- res lembra com saudade do tempo em que brincava nas ruas sem correr nenhum risco, quando o en- torno de sua casa era for- mado por matas e a alegria era reu- nir os ami- g o s e m frente de casa. “Hoje em dia é muita tecnologia, as crianças não brincam mais nas ruas. Eu brincava muito e sinto saudades disso”, diz. Durante alguns anos, Tamires viu sua ligação com o Correio do Sul aumentar, influenciada principalmente pelo pai, que diariamente chega do trabalho tendo o jor- nal nas mãos, levando as informações reunidas pelos repórteres até sua famí- lia. “Além disso, todo ano nos dias pró- ximos ao meu aniversário ele sempre falava: ‘tens que mandar um e- -mail pro pessoal do Correio do Sul, Vadinei Nichele Fatos que marcaram Futuro 9 Parabéns, Tamires! Parabéns, CorreiodoSul!
  10. 10. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 2015 Esta é a família Gr 10 Adão jorge (Entregador) Edna Rocke (Locutora) Ademar Pereira (Entregador) Fabiano Albano (Impressor Gráfico) Adriano Viana (Entregador) Fernando Apolinario (Impressor Gráfico) Barbara Muller (Auxiliar Administrativo) Gabriel Tristão (Entregador) Marivania Farias (Editora chefe) Peter Konig (Administrador de sistemas operacionais) Rafael Andrade (Jornalista) Rodrigo dos Santos (Entregador) Odilon Farias (Locutor) Camile Réus (Secretaria Administrativa) Gilvanir Tristão (Entregador)
  11. 11. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 2015 rupo Correio do Sul 11 Rodrigo lopes (Entregador) Rolando Christian Coelho (Fundador, Jornalista, Colunista) Sula Claudino (Cobradora) Sheila Ribeiro (Telemarketing) Tomaz Selau (Assistente administrativo e publicacoes legais) Cassia Pacheco (Administrativo) Igor Borges (Diretor Comercial) Claudio silva (Comunicador) Jabson Muller (Diretor Geral) Cristian Mello (Diagramador) Jarbas Viera (Jornalista, Colunista) Dayane Ferreira (Executiva de Vendas) Joice Pereira (Gerente Financeiro) Djonatan Geremias (Jornalista) Junior Muller (Diretor Sul Grafica)
  12. 12. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 201512
  13. 13. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 2015 13 O mês de junho, mais especificadamente neste dia 5, marca o aniversário de 25 anos do Jor- nal Correio do Sul, de Sombrio, primeiro jornal a ter circulação diária no Vale do Araranguá. Preocupado com causas regio- nais, assim como o deputado estadual Manoel Mota, o jornal fez história na região e se pre- Motaparabeniza e destaca papel importante do Correio do Sul nesses 25 anos para para novos desafios. Para o deputado, ao longo desses anos, o trabalho ini- ciado pelo jornalista Rolando Christian Sant’Helena Coelho e hoje seguido pelo também jornalista Jabson Roberto Clau- dino Muller, traz aos leitores a identidade do extremo sul. “O jornal Correio do Sul é re- ferência quando o assunto é credibilidade e isso fortalece a cada dia por sua essência, de- dicação, profissionalismo e sua proximidade com os morado- res e trabalhadores da nossa região”, completa Mota. Em todas as lutas importan- tes para o Vale, como a dupli- cação da Br-101, a construção da barragem do Rio do Salto, as pavimentações da Serra do Faxinal, da Rodovia Interpraias e da Serra da Rocinha, o Jornal Correio do Sul esteve à fren- te, cobrando e apoiando. “Por isso, desejo que o jornal con- tinue levando informação, es- clarecendo dúvidas e amplian- do horizontes, para que cada vez mais pessoas tenham o prazer de desfrutar e participar deste importante meio de co- municação. Parabéns Correio do Sul e parabéns a todos que contribuem para o sucesso do jornal”, finaliza Mota.
  14. 14. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 201514
  15. 15. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 2015 Jornal foi o primeiro da farmácia‘remédio’ M anoel Scheffer dos Santos, de 55 anos, é proprietário da Farmácia Farmaléo, na Vila Santa Catarina,em São João do Sul. Tem comér- cio há 11 anos e assina o Correio do Sul desde o pri- meiro dia de funcionamento do negócio. É casado há 15 anos com uma farmacêuti- ca e tem um filho de 4 anos. Manoel escolheu o Cor- reio do Sul antes mesmo de terminar a instalação dos medicamentos no ponto co- mercial, porque percebia o carinho do público com o jornal. “Tem notícias locais. É interessante também de- Rafael Andrade vido às matérias regionais publicadas todos os dias. Fui eu mesmo que procu- rei pelo jornal, pois atuava em Praia Grande, quando eu morava e tinha negócio por lá, e já era assinante”, lembra. Manoel gosta muito das editorias de esporte e políti- ca, que se define um fã. Ele é técnico de futebol amador e começa a leitura do Correio do Sul justamente pelas pá- ginas de futebol. É gremista roxo e sempre acompanha o dia a dia do seu time, como detalhes dos treinamentos e jogos. A leitura do jornal é compartilhada pela esposa e por vários clientes durante o dia. A sua farmácia é uma das mais movimentadas de São João. 15
  16. 16. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 2015 Assinantes,nosso maior patrimônio 16 Severino Simon (Ermo) Vanir Antônio Farias (Araranguá) Orealis Pereira Costa (Passo de Torres) Jurema Colares (Jacinto Machado) Valmor Cologini (Passo de Torres) Paulo Cardoso Constante (São João do Sul)
  17. 17. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 2015 17 Nosso desejo é o de homenagear cada um dos nossos milhares de assinantes espalhados pelos 15 municípios da região. Como não é possível, selecionamos alguns que hoje representam todos a quem só temos a dizer: Muito Obrigado! Edson Schinaider (Sombrio) Claudionei Acordi (Ermo) Saulo Muniz Silveira (Praia Grande) Severino Simon (Ermo) Ida Lucheta Ryll (Praia Grande)
  18. 18. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 201518
  19. 19. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 2015 O diabo 19 A exemplo de qual- quer empresa, a redação de um jornal precisa ne- cessariamente de um coman- dante, de alguém que dite as regras de seu funcionamento, de modo a criar uma lógica de operação. Ao longo das úl- timas duas décadas quem tem executado este papel no Jornal Correio do Sul é a Chefe de Redação, Marivânia Silveira Farias. Já em 1990, ano de fun- dação do jornal, Marivânia atuava como colaboradora, corrigindo textos e escrevendo artigos. Acabava dividindo seu tempo profissional entre a atu- ação no magistério e a dedica- ção às páginas do Correio do Sul. Neste segundo caso, sem remuneração, por um simples motivo: não havia dinheiro para pagá-la. Os tempos de vacas magras, no entanto, não assustaram a então professora que em pouco tempo foi ab- sorvida pela chamada ‘loucura da redação’. A história dos 25 anos do Correio do Sul se confunde com a própria história da ex-professora Marivânia Silveira Farias, que comanda a redação do jornal com mãos de ferro. Nossa Chefe de Redação: Com o cresci- mento do jornal Marivânia precisou se decidir entre o magistério e a re- dação, e, para a felicidade do Cor- reio do Sul a opção se deu pelas páginas do então semanário. Não há dúvidas de que a partir deste momento o Correio do Sul passou a ser de fato um jornal de verdade, voltado não só as discussões dos problemas de nossa região, mas tendo este objetivo como cláusula pé- trea em sua redação. Foi com mão de ferro que Marivânia consolidou esta tendência, colaborando decisivamente com o crescimento do jornal, como também com o cres- cimento e desenvolvimento da própria região, na medida em que o Correio do Sul co- brava sistematicamente so- luções para as mazelas que atingiam e ainda atingem o Extremo Sul Catarinense. Ao longo dos últimos 25 anos foram cen- tenas os casos que tiveram solução depois que o fato se tornou público através das páginas do Correio do Sul. Desde a necessidade de uma lombada em uma rua movimentada, passando pelo auxílio a uma mãe necessitada, até a construção de uma creche ou de uma escola há muito reivindicada pela população. Por trás de cada matéria havia um repórter, e na sombra deste estava Ma- rivânia Farias. Muitas vezes, aliás, ela própria era a repórter. Em alguns casos porque não havia um profissional dispo- nível naquele momento. Em outros porque, de acordo com Marivânia, ‘só ela saberia fazer aquela matéria’. Este espírito voluntarioso, aliás, é bem co- nhecido na redação do Cor- reio do Sul, onde a Chefe de Redação tem fama de não usar meias palavras quando as ques- tões são de ordem profissional. veste jeans Não foram poucos os re- pórteres que jogaram a toalha e pediram as contas por conta do que consideravam um ex- cesso de cobrança. Na maioria dos casos Marivânia nem fica- va sabendo o motivo da saída. A ela era comunicado que tal profissional teria optado por outro trabalho, ou algo do gê- nero. Sua resposta quase sem- pre era a mesma: “Aquele (ou aquela) não servia mesmo!”. Em alguns casos era mais con- tundente: “Prefiro eu fazer a matéria do quê carregar aquele vadio nas costas!”. Exageros a parte, o fato é que esta determinação ajudou a consolidar o Correio do Sul como o principal diário de nossa região, feito que com certeza não teria sido alcança- do sem o empenho direto de Marivânia, cuja função, por vezes, lembra o sacerdócio. No entanto, ao contrário da editora da revista Runaway Magazine, vivida no cinema pela atriz Meryl Streep, nosso diabo não veste Prada. Ela veste jeans.
  20. 20. CORREIO DO SUL Sexta-feira, 5 de junho de 201520 Prefeito de 2000 a 2008, o deputado Zé Milton teve muito dos seus feitos como administrador público e hoje no parlamento relatados pelo Jornal Correio do Sul, que completa hoje 25 anos. Para Zé Milton, a história do Jornal que ele acompanha desde o “nascimento”, faz parte da história de Sombrio. “Ao longo deste 25 anos o Correio do Sul vem registrando os acontecimentos, discussões e debates importantes para a vida da população”, frisou o parlamentar, lembrando da cobertura do Jornal diante dos momentos críticos como o Furacão Catarina e as en- chentes que atingiram diversos municípios. “A cobertura do jornal e a forma como divulgaram os acontecimentos nos períodos em que fomos afetados pelos eventos climáticos, foram de grande importância na do- cumentação e elaboração de políticas públicas de prevenção e socorro às vitimas”, salientou Zé Milton, ressaltando também as diversas con- quistas do município em sua gestão como prefeito. “Cada conquista da nossa sociedade, no período em que administramos a prefeitura, esteve relatada nas páginas do Correio do Sul. Era levada aos munícipes a in- formação do que acontecia de melhoria em cada bairro”, comentou o parlamentar, citando as escolas, creches e postos de Saúde reformados e construídos, pavimentações, melhorias nos serviços de Saúde, Segurança e Educação. “É com grande orgulho que parabenizamos o Correio do Sul , que nós acompanhamos a trajetória, e que vem inovando na forma, no conteúdo e na tecnologia desde a sua fundação em prol da informa- ção de qualidade para a sociedade”, finalizou Zé Milton. José Milton Scheffer Deputado Estadual

×