SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 56
Baixar para ler offline
Provas Selecionadas – Aula 14




                    CONTABILIDADE GERAL
                    CATHEDRA COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS
                    PROF. MORAES JR.
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08


                      CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS
                           Provas Selecionadas
Prezados Alunos,

Ao final de cada aula, disponibilizo as questões que serão comentadas durante a
aula. Caso você julgue conveniente, poderá testar seu conhecimento previamente
antes de ver os gabaritos e as resoluções comentadas. Você pode simular uma
situação real de prova: para calcular o tempo de duração das provas, considere
um tempo de 3 minutos por questão. Desta forma, utilizando esta metodologia,
seu aprendizado será muito mais eficaz.
Prova 14. Petrobrás – Profissional Júnior – Ciências Contábeis
– 2008 - Cesgranrio

Índice de questões por assunto:
322.   Matemática Financeira
323.   Matemática Financeira
324.   Critérios de Avaliação do Passivo
325.   Capital Social
326.   Demonstração do Fluxo de Caixa
327.   Demonstração do Fluxo de Caixa
328.   Princípios Fundamentais da Contabilidade
329.   Cisão
330.   Consolidação das Demonstrações Contábeis
331.   Análise das Demonstrações Contábeis
332.   Análise das Demonstrações Contábeis
333.   Análise das Demonstrações Contábeis
334.   Análise das Demonstrações Contábeis
335.   Análise das Demonstrações Contábeis
336.   Operações com Mercadorias/Produtos
337.   Operações com Mercadorias/Produtos
338.   Contabilidade de Custos
339.   Contabilidade de Custos
340.   Contabilidade de Custos
341.   Lucro Real
342.   Lucro Real
343.   Retenção na Fonte
344.   ICMS substituição tributária
345.   COFINS
346.   Arrendamento
347.   Arrendamento
348.   Princípio da Oportunidade
349.   Contabilidade Ambiental
350.   Contabilidade Ambiental
351.   Contabilidade Ambiental
Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          2
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

352.   Demonstrações Contábeis Internacionais
353.   FASB
354.   Demonstrações Contábeis Internacionais
355.   Demonstrações Contábeis Internacionais
356.   Comitê Gestor de Convergência no Brasil
357.   Governança Corporativa
358.   Governança Corporativa
359.   Governança Corporativa
360.   Governança Corporativa
361.   Auditoria
362.   Auditoria
363.   Auditoria
364.   Auditoria
365.   Auditoria
366.   Auditoria




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          3
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08


                     Questões Comentadas e Resolvidas
322. Certo capital, aplicado por 10 meses, a uma taxa de 18% ao ano (juros
simples), rende R$ 72.000,00 de juros. Este capital aplicado, em reais, é

(A) 360.000,00
(B) 400.000,00
(C) 480.000,00
(D) 500.000,00
(E) 510.000,00

Resolução

Questão de Matemática Financeira, que não faz parte do escopo do curso:

Capital = C
Período (n) = 10 meses
Taxa de Juros Simples (i) = 18% ao ano
Juros = R$ 72.000,00

Juros = C x i x n => 72.000 = C x 18% x (10/12) =>
    C = 72.000/0,15 = 480.000

GABARITO: C

323. Um título de renda fixa deverá ser resgatado por R$ 10.000,00 no seu
vencimento, que ocorrerá dentro de 3 meses. Sabendo-se que o rendimento
desse título é de 1,25% ao mês (juros compostos), seu valor presente, em reais,
é

(A) 9.638,55
(B) 9.634,18
(C) 9.625,00
(D) 9.555,65
(E) 9.333,33

Resolução

Montante = R$ 10.000,00
Período (n) = 3 meses
Juros Compostos (i) = 1,25% ao mês

Montante = Valor Presente x (1 + i) n => 10.000 = Valor Presente x (1,0125) 3 =>
   Valor Presente = 10.000/1,01253 => Valor Presente = 9.634,18

GABARITO: B
Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          4
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

324. Nos termos da Lei no 6.404/76, com a nova redação dada pela Lei no
11.638/07, as obrigações, encargos e riscos classificados no Passivo Exigível a
Longo Prazo serão ajustados a valor

(A) atualizado pela inflação.
(B) de custo ou mercado, o menor dos dois.
(C) de mercado, somente.
(D) de reposição.
(E) presente.

Resolução

De acordo com o art. 184 da Lei da SA:

Art. 184. No balanço, os elementos do passivo serão avaliados de acordo com os
seguintes critérios:

(...)

III - as obrigações, encargos e riscos classificados no passivo não-
circulante serão ajustados ao seu valor presente, sendo os demais
ajustados quando houver efeito relevante. (Redação dada pela Medida
Provisória nº 449, de 2008)

GABARITO: E

325. Nos termos da Lei no 6.404/76, com a nova redação dada pela Lei n o
11.638/07, a conta do capital social discriminará o montante

(A) autorizado e, por dedução, a parcela subscrita.
(B) integralizado e o montante a integralizar.
(C) integralizado em dinheiro.
(D) subscrito, totalmente integralizado.
(E) subscrito e, por dedução, a parcela ainda não realizada.

Resolução

De acordo com o art. 182 da Lei da SA:

Art. 182. A conta do capital social discriminará o montante subscrito e,
por dedução, a parcela ainda não realizada.

GABARITO: E



Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          5
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

326. Na elaboração dos fluxos de caixa, o conceito de caixa é ampliado,
envolvendo o caixa puro, dinheiro em mão e em conta corrente bancária e as
aplicações em equivalentes de caixa. Como equivalentes de caixa podem ser
consideradas as aplicações financeiras resgatáveis até

(A) 3 meses da data da aplicação.
(B) 3 meses da data da emissão.
(C) 6 meses da data da aplicação.
(D) 6 meses da data da emissão.
(E) 12 meses da data da aplicação.

Resolução

Equivalentes de caixa: são aplicações financeiras de curto prazo (resgate
em até 30 dias = liquidez imediata – De acordo com o FIPECAFI), de alta
liquidez, que são prontamente conversíveis em um montante conhecido
de caixa e que estão sujeitas a um insignificante risco de mudança de
valor.

Contudo, a questão considerou 3 meses da data da aplicação.

GABARITO: A

327. As atividades operacionais inclusas na demonstração dos fluxos de caixa
relacionam-se, normalmente, com as transações que aparecem na

(A) avaliação periódica dos ativos de longo prazo que a empresa utiliza para
produzir bens e serviços.
(B) demonstração do valor adicionado.
(C) demonstração de resultados.
(D) operação de empréstimo de credores e investidores da entidade.
(E) obtenção de recursos dos donos e no pagamento a eles do retorno sobre seus
investimentos.

Resolução

Fluxo das Atividades Operacionais (FAO)

      Entradas:
           - Recebimentos de clientes
           - Recebimento de vendas à vista de bens e serviços.
           - Descontos de duplicatas emitidas em venda a prazo (também
           pode ser classificado como atividade de financiamento).



Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          6
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

             - Recebimento de dividendos de participação no capital de
             outras sociedades (também pode ser classificado como
             atividade de investimento).
             - Recebimento de juros de empréstimos concedidos (também
             pode ser classificado com atividade de investimento).
             - Recebimentos diversos (aluguéis de imóveis, recebimento de
             seguradoras referente a sinistro em estoques, etc).

      Saídas:
           - Pagamentos a fornecedores
           - Pagamento de salários a funcionários
           - Pagamento de tributos e multas
           - Pagamento de juros de empréstimos obtidos (também pode
           ser classificado como atividade de financiamento).

Logo, as atividades operacionais inclusas na demonstração dos fluxos de
caixa relacionam-se, normalmente, com as transações que aparecem na
demonstração de resultados.

GABARITO: C

328. O Manual de Contabilidade classifica os Princípios (Conceitos) Fundamentais
de Contabilidade, em 3 categorias:

• postulados ambientais da contabilidade;
• princípios contábeis propriamente ditos;
• restrições dos princípios contábeis fundamentais – Convenções.

Os princípios contábeis propriamente ditos são:

(A) Entidade, Continuidade, Custo como base de valor, Oportunidade.
(B) Custo como base de valor, Denominador comum monetário, Realização da
receita, Confronto das despesas com as receitas e com os períodos contábeis.
(C) Objetividade, Confronto das despesas com as receitas e com os períodos
contábeis, Conservadorismo, Competência.
(D) Materialidade, Custo como base de valor, Objetividade e Prudência.
(E) Consistência, Receitas reconhecidas proporcionalmente ao período de tempo,
Objetividade, Denominador comum monetário.

Resolução

O artigo 3o da Resolução no 750/93 enumera os princípios fundamentais,
conforme descrito abaixo:



Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          7
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

Art. 3º São Princípios Fundamentais de Contabilidade:
                  I) o da ENTIDADE;
                  II) o da CONTINUIDADE;
                  III) o da OPORTUNIDADE;
                  IV) o do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL;
                  V) o da ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA;
                  VI) o da COMPETÊNCIA; e
                  VII) o da PRUDÊNCIA.

GABARITO: A

329. A operação pela qual, com a extinção de uma Companhia, são transferidas
parcelas de seu patrimônio para uma ou mais sociedades, constituídas para esse
fim ou já existentes, é a operação de

(A) cisão total.
(B) cisão parcial.
(C) fusão.
(D) transformação.
(E) incorporação.

Resolução

Cisão
Operação pela qual uma companhia (cindida) transfere parcelas de seu
patrimônio para uma ou mais sociedades, as quais podem já existir ou
ser criadas precipuamente para este fim. A cisão pode ser total, quando
houver a versão de todo o patrimônio da sociedade cindida (que se
extinguirá) ou parcial, quando apenas parte do patrimônio é vertido para
as outras sociedades e a personalidade jurídica da companhia cindida
subsiste.

GABARITO: A




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          8
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

330. Em 20.12.07, a controladora Alfa vendeu mercadorias à vista, por R$
50.000,00, para a controlada Beta, que as revendeu para terceiros, por R$
70.000,00, sendo R$ 45.000,00 à vista e R$ 25.000,00, a prazo. Sabe-se que:

• o custo das mercadorias vendidas pela controladora foi R$ 35.000,00;
• nenhuma outra venda foi realizada pela controladora para a controlada.

Na consolidação, a eliminação a ser feita na Demonstração do Resultado do
Exercício de 2007, em reais, é

(A)   Custo das Mercadorias Vendidas 20.000,00
      a Vendas 20.000,00
(B)   Duplicatas a Receber 45.000,00
      a Fornecedores 45.000,00
(C)   Vendas 25.000,00
      a Clientes 25.000,00
(D)   Vendas 35.000,00
      a Custo das Mercadorias Vendidas 35.000,00
(E)   Vendas 50.000,00
      a Custo das Mercadorias Vendidas 50.000,00

Resolução

Na consolidação de balanços, deve ser eliminado o valor da transação entre as
companhias controladora e controlada:

Vendas (controlada Beta)
a Custo das Mercadorias Vendidas (controladora Alfa)                                   50.000,00

GABARITO: E




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas             9
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

Considere as informações a seguir para responder às questões de nos
331 e 332.

Saldo das contas, retirado do Balanço Patrimonial/2007 da Companhia Amigos
S/A:
Em reais
Duplicatas a Receber                        500.000,00
Duplicatas Descontadas                      150.000,00
Fornecedores                                220.000,00
Empréstimos Bancários de Curto Prazo         80.000,00
Empréstimos Bancários de Longo Prazo        100.000,00
Total do Passivo mais Patrimônio Líquido    800.000,00

331. Considerando, exclusivamente, os dados informados, o grau de dependência
dos Bancos no financiamento dos investimentos totais, pelas instituições de
crédito, é

(A) 22,50%
(B) 41,25%
(C) 43,75%
(D) 50,00%
(E) 68,75%

Resolução

Investimentos Totais = Total do Ativo = Total do Passivo + PL = 800.000

Financiamentos Bancários
Empréstimos Bancários de Curso Prazo                      80.000
Empréstimos Bancários de Longo Prazo                     100.000
Duplicatas Descontadas                                   150.000
Financiamentos Bancários                                 330.000

Financiamentos Bancários/Investimentos Totais = 330.000/800.000
    Financiamentos Bancários/Investimentos Totais = 41,25%

GABARITO: B




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          10
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

332. Considerando, exclusivamente, os dados informados, o nível de desconto de
duplicatas é

(A) 18,75%
(B) 23,08%
(C) 30,00%
(D) 42,86%
(E) 45,45%

Resolução

Duplicatas Descontadas/Duplicatas a Receber = 150.000/500.000
   Duplicatas Descontadas/Duplicatas a Receber = 30,00%

GABARITO: C

Considere as informações a seguir para responder às questões de nos
333 a 335.

A Companhia Irmãos Flores S/A apresentou as seguintes informações relativas ao
exercício social encerrado em 31.12.2007:

                                                  Em reais
Capital Social Realizado                          8.000.000,00
Patrimônio Líquido                                10.800.000,00
Lucro Líquido do Exercício                        1.600.000,00
Ações Ordinárias                                  600.000
Ações Preferenciais                               400.000
Dividendos Propostos                              480.000,00
Cotação Média das Ações                           6,40

333.    Considerando,    exclusivamente,     as    informações                      recebidas,   a
representatividade de cada ação (valor patrimonial), em reais, é

(A) 1,60
(B) 8,00
(C) 10,80
(D) 18,00
(E) 27,00

Resolução

Total das Ações = 400.000 + 600.000 = 1.000.000

Valor Patrimonial das Ações = Patrimônio Líquido/Total de Ações =>

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas               11
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

        Valor Patrimonial das Ações = 10.800.000/1.000.000 = R$ 10,80

GABARITO: C

334. Admita que o lucro por ação, apurado em 2007, seja mantido por vários
exercícios. Considerando tal condição (manutenção do lucro por ação), quantos
anos serão necessários para que o investidor tenha o retorno do capital aplicado
na Companhia?

(A) 4
(B) 5
(C) 6
(D) 8
(E) 10

Resolução

I – Lucro por ação em 2007:

Lucro por Ação = Lucro Líquido do Exercício/Total de Ações =>
    Lucro por Ação = 1.600.000/1.000.000 = 1,6

II – Retorno do Capital Aplicado: manutenção do lucro por ação

Retorno do Capital Aplicado = Valor de Mercado das Ações/Lucro por Ação
    Retorno do Capital Aplicado = 6,4/1,6 = 4 anos

GABARITO: A

335. O retorno de caixa a ser efetivamente embolsado pelo acionista, referente
a 2007, em percentual, é

(A) 4,80%
(B) 6,00%
(C) 6,40%
(D) 7,50%
(E) 20,00%

Resolução

I – Dividendo por Ação:

Dividendo por Ação = Dividendos Propostos/Total de Ações =>
    Dividendo por Ação = 480.000/1.000.000 = 0,48


Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          12
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

II – Retorno de caixa a ser efetivamente embolsado pelo acionista:

Retorno de Caixa = Dividendo por Ação/Valor de Mercado das Ações =>
    Retorno de Caixa = 0,48/6,4 = 0,075 = 7,5%

GABARITO: D

Considere as informações a seguir para responder às questões de nos
336 e 337.

A Indústria Natividade apresentou informações sobre a movimentação de
materiais diretos, num determinado período produtivo, conforme tabela a seguir.




Informações adicionais:
• os preços apresentados são líquidos (sem impostos), e em reais;
• não há estoque anterior de materiais diretos.

336. Admitindo-se que a Indústria Natividade utilize o critério de avaliação de
estoque pelo preço médio ponderado fixo, o custo dos materiais diretos utilizados
pela indústria, nesse período produtivo, em reais, é

(A) 234.000,00
(B) 235.400,00
(C) 236.000,00
(D) 239.000,00
(E) 239.040,00

Resolução

Média Ponderada Fixa: é utilizada no inventário periódico e calculada com
base nas mercadorias existentes em estoque no período considerado para
o cálculo da média, ou seja, são computadas na média ponderada fixa inclusive
as mercadorias que já tenham sido vendidas no momento do cálculo da média.




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          13
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

Média Ponderada Fixa = (2.000 x 23 + 4.000 x 26 + 6.500 x 28)/(2.000 + 4.000
+ 6.500)
Média Ponderada Fixa = 332.000/12.500 = 26,56

Custo dos Materiais Diretos Utilizados = (5.000 + 4.000) x 26,56 =>
   Custo dos Materiais Diretos Utilizados = 239.040

GABARITO: E

337. Se a Indústria Natividade adotar, na sua avaliação, o critério UEPS, o valor
do estoque de materiais diretos, ao final do período produtivo, em reais, é

(A) 92.960,00
(B) 93.000,00
(C) 96.000,00
(D) 96.600,00
(E) 98.000,00

Resolução

UEPS ou LIFO (Último que Entra é o Primeiro que Sai, Last-In-First-Out):
ao contrário do método PEPS, dá-se primeiro a saída das mercadorias mais
recentes, ou seja, das últimas mercadorias que foram adquiridas.

UEPS:
Dia 10: Compras = 2.000 kg x R$ 23,00

Dia 16: Compras = 4.000 kg x R$ 26,00

Dia 18: Venda = 5.000 kg consumidos
           Saída = 4.000 kg x R$ 26,00 + 1.000 kg x R$ 23,00
           Saldo no Estoque = 1.000 kg x 23 kg

Dia 25: Compras = 6.500 kg x R$ 28,00
           Saldo no Estoque = 1.000 kg x R$ 23,00 + 6.500 kg x R$ 28,00

Dia 28: Venda = 4.000 kg consumidos
           Saída = 4.000 kg x R$ 28,00
           Saldo no Estoque = 1.000 kg x R$ 23,00 + 2.500 kg x R$ 28,00
     Saldo no Estoque = R$ 23.000,00 + R$ 70.000,00 = R$ 93.000,00

GABARITO: B




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          14
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

Considere as informações a seguir para responder às questões de nos
338 e 339.

A Indústria Cocada apresentou as informações a seguir, relativas à produção de
cada unidade dos três produtos de sua linha de produção.




Informações adicionais:
• os custos fixos do período alcançaram o total de 450.000,00;
• a indústria rateia os custos fixos pelo consumo total de matéria-prima.

338. Admita que toda a produção tenha sido vendida. O lucro relativo ao
produto B, pelo critério de custeio por absorção, em reais, foi

(A) 30.000,00
(B) 300.000,00
(C) 480.000,00
(D) 960.000,00
(E) 1.200.000,00

Resolução

I – Rateio dos custos fixos pelo consumo total de matéria-prima:

Consumo de Matéria-Prima:
Matéria-Prima (A) = 50 x 6.000 = 300.000
Matéria-Prima (B) = 20 x 12.000 = 240.000
Matéria-Prima (C) = 30 x 2.000 = 60.000
Consumo Total de Matéria-Prima = 600.000

Custo Fixo (B) = (240.000/600.000) x 450.000 = 180.000

II – Cálculo do lucro relativo ao produto “B”:

Custo Total (B) = Custos Variáveis + Custos Fixos =>
   Custo Total (B) = (20 + 40) x 12.000 + 180.000 = 900.000

Receita de Vendas (B) = Preço de Venda x Quantidade Vendida =>
   Receita de Vendas (B) = 100 x 12.000 = 1.200.000
Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          15
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08



Lucro (B) = 1.200.000 – 900.000 = 300.000

GABARITO: B

339. Considerando-se o critério de custeio variável, a margem de contribuição
unitária referente ao produto C, em reais, é

(A) 30,00
(B) 37,50
(C) 42,50
(D) 53,25
(E) 60,00

Resolução

Margem de Contribuição Unitária = MCu = PVu – CVu

Margem de Contribuição Total: corresponde à diferença entre a receita
total e os custos variáveis totais, ou seja, mostra o quanto sobra de
receitas para cobrir os custos fixos.

Preço de Venda Unitário (C) = 150

Custos Variáveis Unitários (C) = Matéria-Prima + MOD = 30 + 60 = 90

MCu = 150 – 90 = 60

GABARITO: E




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          16
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

340. A Indústria de Pregos Mangaba apresentou as seguintes informações de um
dos produtos de sua linha:




Admita que a Mangaba utilize, na análise de seus produtos, o custeio variável.
O volume físico de vendas necessário para que o resultado da indústria seja nulo,
em unidades do produto, é

(A) 264
(B) 540
(C) 576
(D) 787
(E) 840

Resolução

Custeio Direto ou Variável
O custeio direto ou variável corresponde ao método de apropriação de
custos que consiste em apropriar aos produtos apenas os custos variáveis
(neste caso, custos ou despesas variáveis).

     Os custos fixos, neste método de custeio são considerados despesas e são
lançados diretamente em conta de resultado, visto que, eles existem
independentemente se houver produção ou não. Logo, não são considerados
custos de produção e sim despesas, sendo encerrados diretamente em
conta de resultado.

     Há que se ressaltar que este método de custeio é vedado pela legislação do
imposto de renda. Contudo, é considerado o método mais adequado ao processo
de tomada de decisão da administração da empresa.




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          17
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

Apuração da produção acabada, dos produtos em elaboração e dos produtos
vendidos:

      Estoque inicial de insumos
      (+) Custo de Aquisição das compras de insumos (matéria-prima,
      material secundário e embalagens)
      (-) Estoque final de insumos
      (=) Insumos Consumidos
      (+) Outros Custos Variáveis
      (+) Estoque inicial de produtos em elaboração
      (-) Estoque final de produtos em elaboração
      (=) Custo da Produção Acabada
      (+) Estoque inicial de produtos acabados
      (-) Estoque final de produtos acabados
      Custo dos Produtos Vendidos (CPV)

      Apuração do Resultado

      Faturamento
      (-) Imposto sobre Produtos Industrializados
      (=) Receita Operacional Bruta
      (-) Deduções da Receita Bruta (*)
      (=) Receita Líquida
      (-) Custo dos Produtos Vendidos
      (=) Margem de Contribuição
      (-) Custos Fixos
      (-) Despesas Fixas
            (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO


Vamos à resolução da questão:

Resultado Nulo: Receitas = Despesas + Custos

Preço de Venda = 150.000/1.500 = 100
Matéria-Prima Consumida por Unidade = 30.000/1.500 = 20
Mão-de-obra direta por Unidade = 24.000/1.500 = 16
Custos Indiretos Fixos = 34.560
Despesas Indiretas Fixas = 15.840
Despesas Indiretas Variáveis por Unidade = 6.000/1.500 = 4

Custo dos Produtos Vendidos = Custos Variáveis + Despesas Variáveis =>
   CPV = 20 x Q + 16 x Q + 4 x Q = 40 x Q



Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          18
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

Receita de Vendas                         100 x Q
(-) CPV                                   (40 x Q)
(=) Margem de Contribuição                 60 x Q
(-) Custos Fixos                          (34.560)
(-) Despesas Fixas                        (15.840)
Resultado do Período                            0

=> 60 x Q – 34.560 – 15.840 = 0 => 60 x Q = 50.400 => Q = 840

GABARITO: E

341. A Demonstração do Resultado do Exercício apresenta, resumidamente, as
operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, de forma a
destacar o resultado líquido, apurado pelo confronto de receitas, custos e
despesas operacionais e não operacionais relativas a esse mesmo exercício social.
A legislação fiscal, por sua vez, tem uma maneira específica para apurar o lucro
fiscal (tributável), que servirá de base para exigir os tributos. Nos termos da
legislação fiscal, o lucro fiscal (tributável) é estabelecido pelo lucro

(A) contábil (menos) imposto de renda (mais) adições (menos) exclusões.
(B) contábil (menos) imposto de renda (menos) contribuição social sobre o lucro
(mais) adições (menos) exclusões.
(C) antes do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro líquido
(mais) adições (menos) exclusões (mais) lucros
fiscais.
(D) antes do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro (mais)
adições (menos) exclusões (menos) compensação de prejuízos fiscais.
(E) antes do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro líquido
(mais) adições (menos) exclusões (menos) compensação de prejuízos fiscais
(mais) participações e contribuições.

Resolução

Lucro Real = Lucro Antes do Imposto de Renda + Adições – Exclusões –
Compensações

Adições
As adições ao lucro líquido do período para a determinação do lucro real são
ajustes que têm a finalidade de aumentar a base de cálculo do imposto.

          Exemplos:
      -   CSLL;
      -   Despesas com Multas;
      -   Despesas com Provisões, exceto as Despesas com Provisão para o 13 o
          Salário e as Despesas com Provisão para Férias;

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          19
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

      -   Despesa de Equivalência Patrimonial;
      -   Despesas com Alimentação dos Sócios, Acionistas e Administradores;
      -   Despesas com Brindes;
      -   Parcela Realizada das Reservas de Reavaliação;
      -   Depreciação de Bens Tangíveis do Ativo Permanente Investimentos;
      -   Excesso de Juros sobre o Capital Próprio;
      -   Entre outras.

Exclusões
As exclusões são ajustes que têm por finalidade reduzir a base de cálculo do
imposto.

   Exemplos: Receitas Não Tributáveis, tais como:
     - Receita de Equivalência Patrimonial
     - Receita de Dividendos
     - Reversão de Provisões Indedutíveis
     - Benefícios de Depreciação, Amortização                         e    Exaustão         Acelerada
       Incentivada
     - Juros sobre o Capital Próprio

Compensações
As compensações referem-se, primordialmente, ao saldo de prejuízo fiscal de
períodos anteriores, que diminuirá a base de cálculo do imposto de renda,
respectivamente, em períodos futuros, até zerar este saldo.

Contudo, há uma limitação importante: o saldo de prejuízo fiscal apurado em
períodos anteriores que será compensado está limitado a 30% (trinta por
cento) do lucro líquido ajustado pelas adições e exclusões.

GABARITO: D




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas                 20
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

342. Uma empresa comercial é tributada com base no lucro real, apura o lucro
real anual e faz o recolhimento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido
(CSLL), com antecipações mensais, sobre base de cálculo apurada por estimativa.
Integra essa base de cálculo o valor correspondente a 12% da receita bruta
mensal. Dessa receita bruta mensal, além dos impostos não cumulativos
cobrados destacadamente do comprador, dos quais o vendedor dos bens ou
prestador de serviços seja mero depositário, deverão ser excluídas(os),
igualmente, as(os)

(A) vendas canceladas, as devoluções de vendas e os descontos incondicionais
concedidos.
(B) vendas canceladas, os descontos condicionais concedidos e os abatimentos
sobre vendas.
(C) devoluções de vendas, os descontos incondicionais concedidos e os
abatimentos sobre vendas.
(D) devoluções de vendas, os descontos condicionais concedidos e os
abatimentos sobre vendas.
(E) descontos incondicionais concedidos, a devolução de vendas e os descontos
financeiros concedidos.

Resolução

De acordo com o Regulamento do Imposto de Renda, utiliza-se a receita
bruta como base de cálculo. De acordo com o art. 224:

Art. 224. A receita bruta das vendas e serviços compreende o produto da venda
de bens nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o
resultado auferido nas operações de conta alheia (Lei nº 8.981, de 1995, art. 31).

Parágrafo único. Na receita bruta não se incluem as vendas canceladas,
os descontos incondicionais concedidos e os impostos não cumulativos
cobrados destacadamente do comprador ou contratante dos quais o
vendedor dos bens ou o prestador dos serviços seja mero depositário
(Lei nº 8.981, de 1995, art. 31, parágrafo único).

Nota: Na receita bruta se inclui o ICMS e deverão ser excluídas as vendas
canceladas, os descontos incondicionais concedidos e os impostos não
cumulativos cobrados destacadamente do comprador, dos quais o
vendedor ou prestador é mero depositário (exemplo: IPI)

GABARITO: A




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          21
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

343. O pagamento feito por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas de
serviços de natureza profissional deve sofrer retenção na fonte, em geral, de
1,5%, mas existem alguns desses serviços que estão sujeitos a retenção menor.
Considere os seguintes serviços:

I - locação de mão-de-obra;
II - limpeza;
III - conservação;
IV - manutenção;
V - vigilância;
VI - segurança.

No pagamento feito por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas, são serviços
sujeitos à retenção na fonte de 1%, APENAS:

(A) I, II, IV e V
(B) I, IV, V e VI
(C) II, III, IV e V
(D) I, II, III, V e VI
(E) II, III, IV, V e VI

Resolução

De acordo com o art. 649, do Decreto 3.000/99 – Regulamento do Imposto de
Renda (RIR/99), estão sujeitas à incidência do IR-Fonte à alíquota de 1%
(um por cento), as importâncias pagas ou creditadas por pessoas
jurídicas a outras pessoas jurídicas, referentes a:

I - prestação de serviços de limpeza e conservação de bens imóveis,
exceto reformas e obras assemelhadas;

II - prestação de serviços de segurança e vigilância;

III - locação de mão-de-obra de empregados da locadora colocados a
serviço da locatária, pessoas jurídicas, em local por esta determinado.

GABARITO: D




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          22
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

344. Na maioria das vezes, a principal característica do ICMS substituição
tributária é

(A) centralizar o controle do imposto nas operações concomitantes.
(B) postergar a cobrança do imposto de pequenos comerciantes.
(C) reter o imposto pelo fabricante, no momento da venda para o distribuidor ou
comércio varejista.
(D) alcançar apenas mercadorias de grande valor e de pequeno consumo,
simplificando o processo de tributação e fiscalização.
(E) agilizar a fiscalização da cobrança com a centralização de maior número de
agentes.

Resolução

Na maioria das vezes, a principal característica do ICMS substituição
tributária é reter o imposto pelo fabricante, no momento da venda para o
distribuidor ou comércio varejista.

GABARITO: C

345. Nas importações de bens, a base de cálculo do COFINS é formada pela base
de cálculo do imposto de importação

(A) (menos) imposto de importação.
(B) (menos) imposto de importação e (mais) ICMS.
(C) (menos) imposto de importação, (menos) ICMS e (menos) COFINS.
(D) (mais) imposto de importação, (menos) ICMS e (mais) COFINS.
(E) (mais) imposto de importação, (mais) ICMS e (mais) COFINS.

Resolução

Cálculo do PIS/Cofins:

BC = BC II (Base de Cálculo do Imposto de Importação)
(+) II (Imposto de Importação)
(+) ICMS
(+) PIS/Cofins

GABARITO: E




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          23
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

346. O arrendamento (leasing) financeiro tem como característica ser um

(A) contrato de curta duração no qual o proprietário do bem vende seu ativo e o
arrenda de volta, permitindo à empresa levantar capital para outras finalidades e
continuar a utilizar o ativo.
(B) contrato firmado em médio prazo, no qual os reparos e manutenção são de
responsabilidade do arrendador, mas passível de cancelamento por opção do
arrendatário.
(C) contrato de longa duração entre o arrendador e o arrendatário, em que este
último é responsável pela manutenção e reparos, em que o ativo costuma ser
amortizado totalmente, e o contrato não pode ser cancelado.
(D) financiamento de longo prazo no qual o bem fica em regime de consignação
com o arrendatário, que não pode cancelar o contrato, em que a responsabilidade
de manutenção e reparos é do arrendador, e em que o arrendatário pode adquirir
o bem, caso exerça sua opção de compra.
(E) financiamento rígido, que permite a programação financeira de desembolsos
de caixa e o registro como despesas nos resultados do arrendador, o qual assume
a responsabilidade de manutenção e reparos durante o período do contrato.

Resolução

A classificação de um arrendamento mercantil como arrendamento
mercantil financeiro ou arrendamento mercantil operacional depende da
essência da transação e não da forma do contrato. Exemplos de situações
que individualmente ou em conjunto levariam normalmente a que um
arrendamento mercantil fosse classificado como arrendamento mercantil
financeiro são:

      - o arrendamento mercantil transfere a propriedade do ativo para o
      arrendatário no fim do prazo do arrendamento mercantil;

      - o arrendatário tem a opção de comprar o ativo por um preço que
      se espera seja suficientemente mais baixo do que o valor justo à
      data em que a opção se torne exercível de forma que, no início do
      arrendamento mercantil, seja razoavelmente certo que a opção será
      exercida;

      - o prazo do arrendamento mercantil refere-se à maior parte da vida
      econômica do ativo mesmo que a propriedade não seja transferida;

      - no início do arrendamento mercantil, o valor presente dos
      pagamentos mínimos do arrendamento mercantil totaliza pelo
      menos substancialmente todo o valor justo do ativo arrendado; e



Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          24
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

      - os ativos arrendados são de natureza especializada de tal forma
      que apenas o arrendatário pode usá-los sem grandes modificações.

O arrendamento (leasing) financeiro tem como característica ser um
contrato de longa duração entre o arrendador e o arrendatário, em que
este último é responsável pela manutenção e reparos, em que o ativo
costuma ser amortizado totalmente, e o contrato não pode ser cancelado.

GABARITO: C

347. Na visão de Gitman (Princípios de Administração Financeira, 2006) o
arrendamento (leasing) operacional é mais eficiente quando realizado para ativos
de vida útil de curta duração. Seguindo essa orientação, dentre as opções abaixo,
o arrendamento operacional seria mais eficiente se aplicado sobre

(A) sistemas de computação.
(B) máquinas e equipamentos.
(C) móveis e utensílios.
(D) peças e conjuntos de reposição.
(E) ferramentas.

Resolução

Arrendamento mercantil operacional

Os pagamentos da prestação do arrendamento mercantil (excluindo os
custos de serviços tais como seguro e manutenção) segundo um
arrendamento mercantil operacional devem ser reconhecidos como
despesa em base linear durante o prazo do arrendamento mercantil,
exceto se outra base sistemática for mais representativa do modelo
temporal do benefício do usuário.

Para os arrendamentos mercantis operacionais, os pagamentos da prestação são
reconhecidos como despesa em base linear, salvo se outra base sistemática for
representativa do modelo temporal do benefício do usuário, mesmo que tais
pagamentos não sejam feitos nessa base.

O arrendamento operacional seria mais eficiente se aplicado sobre
sistemas de computação.

GABARITO: A




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          25
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

348. Sob o enfoque humano, o princípio fundamental de contabilidade da
oportunidade aplicado à contabilidade ambiental indica que

(A) é focado na indeterminação do prazo, prevendo o crescimento da entidade,
sendo que seus gestores devem fazê-la crescer, produzir mais, ganhar mais
mercado, e a falta de limites deve ser encarada, do ponto de vista ambiental,
com restrições, pois os recursos naturais são finitos.
(B) informações ambientais devem ser registradas e disponibilizadas no tempo
oportuno para permitir ação ambiental de preservação do meio ambiente,
refletindo a integridade do patrimônio da entidade e suas mutações relativas aos
impactos ambientais.
(C) os fatos geradores relacionados ao meio ambiente, que resultarem em
receitas ou despesas, devem ser incluídos na apuração dos resultados no período
em que ocorrerem.
(D) os impactos ambientais devem ser registrados pelos valores das transações,
expressos a valor presente da moeda do país.
(E) o reconhecimento da alteração do poder aquisitivo da moeda nacional é
fundamental quando se trata de registro de eventos econômicos que afetem o
meio ambiente, isso porque as questões ambientais são, na maioria das vezes,
questões que envolvem vários exercícios sociais.

Resolução

Princípios:
Entidade Contábil - o princípio contábil da entidade é aderente ao princípio do
poluidor pagador, tão importante para os ecologistas: quem polui deve pagar pela
poluição que causa. Respeitar a entidade contábil permite a internalização das
externalidades ambientais.

Continuidade - focada na continuidade dos recursos naturais à disposição da
entidade. O postulado da continuidade prevê o crescimento da entidade; seus
gestores devem fazê-la crescer, produzir mais, ganhar mais mercado; entretanto
esta continuidade sem limites deve ser encarada, do ponto de vista ambiental,
com restrições, pois os recursos naturais são finitos. O crescimento desenfreado
levara ao esgotamento dos recursos naturais indispensáveis à vida humana, a
continuidade então, do ponto de vista da contabilidade ambiental está
obrigatoriamente ligada ao uso limitado dos fatores de produção nos casos em
que exista a possibilidade de seu esgotamento.

Oportunidade - as informações ambientais devem ser registradas e
disponibilizadas no tempo oportuno para permitir ação ambiental de
preservação do meio ambiente, refletindo a integridade do patrimônio da
entidade e suas mutações relativas aos impactos ambientais.

Registro pelo Valor Original - os impactos ambientais devem ser registrados pelos
valores originais das transações, expressos a valor presente na moeda do país.
Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          26
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

Atualização Monetária - o reconhecimento               da alteração do poder aquisitivo da
moeda nacional é fundamental quando                    se tratar do registro de eventos
econômicos que afetem o meio ambiente,                 isso porque as questões ambientais
são, na maioria das vezes, questões que                 envolvem vários exercícios sociais.
Portanto é fundamental o reconhecimento                 da variação do poder aquisitivo da
moeda.

Competência - os fatos geradores relacionados ao meio ambiente que resultarem
em receitas ou despesas devem ser incluídos na apuração dos resultados no
período em que ocorrerem.

Prudência - em termos de meio ambiente, deve-se considerar como a condição
para o reconhecimento dos riscos relativos ao meio ambiente que colocam em
risco o patrimônio da entidade.

Confronto - aplicada ao aspecto ambiental essa regra obriga que sejam
reconhecidos também os custos e despesas com o meio ambiente que foram
necessários para obtenção da receita. A venda de um produto deve ser
reconhecida no mesmo momento que o custo de degradação causado para
produzir este mesmo produto.

Objetividade - para atender este princípio é necessário que seja possível medir
fisicamente os impactos ambientais e depois seus efeitos.

Materialidade - serão definidos como materiais os impactos ambientais cujos
efeitos puderem ser percebidos de forma aparente e forem economicamente
mensuráveis, a partir da proporção da poluição total medida fisicamente, em
relação à medida individual do evento em si.

Evidenciação - é uma prestação de contas à sociedade de como o meio ambiente
está sendo afetado pela gestão de determinada empresa.

Fato Gerador - todo o evento que modifique o patrimônio deve ser reconhecido
no momento em que ocorre. Caso seja impossível determinar precisamente seu
valor, devemos estimá-lo com razoável grau de acurácia; se não pudermos
estimá-lo, devemos, pelo menos evidenciá-lo em notas explicativas.

GABARITO: B




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          27
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

349. Sob o enfoque de Contabilidade Ambiental, a evidenciação apresenta a

(A) possibilidade de medir fisicamente os impactos ambientais e depois seus
efeitos, não sendo possível, sem isso, preservar a natureza.
(B) ordem de grandeza dos impactos ambientais cujos efeitos puderem ser
percebidos de forma aparente, e forem economicamente mensuráveis, a partir da
proporção da poluição total medida fisicamente, em relação à medida individual
do evento em si.
(C) informação necessária para a operação ótima de um eficiente mercado de
capitais, implica que suficiente informação deveria ser apresentada para permitir
a previsão da tendência futura, sendo também uma prestação de contas à
sociedade de como o meio ambiente está sendo afetado pela gestão ambiental de
determinada empresa.
(D) necessidade de reconhecimento dos custos e despesas com o meio ambiente
que foram necessários para a obtenção da receita, sendo que a venda de um
produto deve ser reconhecida, no mesmo momento do custo da degradação
causada para produzir esse mesmo produto.
(E) importância de destacar o entendimento da ocorrência para a Contabilidade
Ambiental e de que forma o evento pode modificar o patrimônio da entidade em
relação ao meio ambiente, a ser reconhecido no momento em que ocorre.

Resolução

Sob o enfoque de Contabilidade Ambiental, a evidenciação apresenta a
informação necessária para a operação ótima de um eficiente mercado de
capitais, implica que suficiente informação deveria ser apresentada para
permitir a previsão da tendência futura, sendo também uma prestação de
contas à sociedade de como o meio ambiente está sendo afetado pela
gestão ambiental de determinada empresa.

GABARITO: C

350. O livro Contabilidade Ambiental (Ferreira, Aracéli, 2006), no capítulo 5 –
Contabilidade Gerencial Ambiental, apresenta as atividades operacionais, assim
se manifestando sobre uma dessas mesmas atividades.

“Seu objetivo é colocar o ambiente em condições iguais ou próximas daquelas
que ele tinha antes da degradação ocorrer.”

A afirmativa refere-se à atividade da gestão ambiental de

(A) prevenção.
(B) produção.
(C) reciclagem.
(D) recuperação.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          28
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

(E) tratamento.

Resolução

O modelo de gestão foi desenvolvido de modo a atender às necessidades básicas
de informação das três atividades principais da gestão ambiental - Prevenção,
Recuperação, Reciclagem e também da atividade de Produção, no que dia
respeito ao meio ambiente.

Atividade de Prevenção: proteger o meio ambiente da ação da poluição pode
requerer gastos em insumos que irão gerar benefícios em períodos futuros, os
chamados investimentos e também gastos em insumos cujos benefícios
esperados devem ocorrer no momento de seu consumo, as despesas.

Atividade de Recuperação: a recuperação do meio ambiente dá-se sobre
a degradação ocorrida. Seu objetivo é colocar o ambiente em condições
iguais ou próximas daquelas que ele tinha antes de a degradação ocorrer.

Atividade de Reciclagem: a reciclagem tem por objetivo permitir que resíduos de
matéria-prima ou outros materiais utilizados no processamento específico, ser
utilizados novamente.

Atividade de Produção: ao produzir bens e serviços, esta atividade gera também,
e ao mesmo tempo, um impacto ambiental negativo representado pela poluição.
Esse impacto é reconhecido por esse modelo como um evento econômico-
ambiental denominado Degradação Produzida.

GABARITO: D

351. Analise as seguintes situações, sob o enfoque ambiental:

I - avaliação do grau dos impactos ambientais;
II - geração e distribuição de riqueza;
III - identificação de responsabilidades;
IV - interação da entidade com o ambiente externo.

Dentre as situações acima, podem ser consideradas como elementos da auditoria
ambiental, APENAS, a

(A) I e a II.
(B) I e a III.
(C) II e a III.
(D) II e a IV.
(E) III e a IV.



Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          29
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

Resolução

Elementos da Auditoria Ambiental:
I - avaliação do grau dos impactos ambientais;
III - identificação de responsabilidades;

GABARITO: B

352. Um dos fatores que demonstram grandes diferenças entre os países, em
relação aos sistemas contábeis por eles praticados, é a legislação tributária. Os
países em que as demonstrações contábeis (financial reporting) se destinam a
atender tanto a propósitos fiscais como a objetivos específicos de usuários
externos são:

(A) Grã-Bretanha, Holanda e Suíça.
(B) Alemanha, Áustria e França.
(C) Suécia, Dinamarca e Islândia.
(D) Espanha, Portugal e Austrália.
(E) Estados Unidos, Irlanda e Canadá.

Resolução

Os países em que as demonstrações contábeis (financial reporting) se
destinam a atender tanto a propósitos fiscais como a objetivos
específicos de usuários externos são: Alemanha, Áustria e França.

GABARITO: B

353. Nos Estados Unidos da América, a regulamentação e a normatização de
matéria contábil estão sob a responsabilidade de um organismo do setor privado
– FASB – Financial Accounting Standards Board, mas a edição de padrões
contábeis é sustentada pelo(a)

(A) FED – Federal Reserve Bank.
(B) ASEC – Accounting Standards Executive Committee.
(C) SEC – Securities and Exchange Commission.
(D) FIA – Federal International Accountants.
(E) AICPA – American Institute of Certified Public Accountants.

Resolução

A edição de padrões contábeis é sustentada pelo SEC – Securities and
Exchange Commission.

GABARITO: C

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          30
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08



354. As tentativas para classificar os países, ou grupos de países, de acordo com
seus sistemas contábeis, têm revelado um alto grau de dificuldade. Entretanto, a
maioria dos autores e estudiosos de sistemas contábeis destaca a existência de
dois grandes grupos distintos: o modelo anglo-saxão e o modelo continental. Para
essa classificação, as principais características do modelo anglo-saxão são a
existência de uma

(A) profissão contábil forte e atuante; sólido mercado de capitais como fonte de
captação de recursos; pouca interferência governamental na definição de práticas
contábeis; e demonstrações financeiras que buscam atender, em primeiro lugar,
aos investidores.
(B) profissão contábil forte e atuante; sólido mercado de capitais como fonte de
captação de recursos; forte interferência governamental no estabelecimento de
padrões contábeis, notadamente, de natureza fiscal; e demonstrações financeiras
que buscam atender, primeiramente, aos credores.
(C) profissão contábil forte e atuante; importância de Bancos e outras instituições
financeiras como provedores dos recursos; forte interferência governamental no
estabelecimento de padrões contábeis, notadamente, de natureza fiscal; e
demonstrações financeiras voltadas, em primeiro lugar, para o governo.
(D) profissão contábil fraca e pouco atuante; sólido mercado de capitais como
fonte de captação de recursos; forte interferência governamental no
estabelecimento de padrões contábeis, notadamente, de natureza fiscal; e
demonstrações financeiras voltadas, em primeiro lugar, para os investidores.
(E) profissão contábil fraca e pouco atuante; uso de Bancos e instituições
financeiras como fonte de captação de recursos; pouca interferência
governamental na definição de práticas contábeis; e demonstrações financeiras
voltadas, em primeiro lugar, para os administradores.

Resolução

Principais características do modelo anglo-saxão:
- existência de uma profissão contábil forte e atuante;
- sólido mercado de capitais como fonte de captação de recursos;
- pouca interferência governamental na definição de práticas contábeis; e
- demonstrações financeiras que buscam atender, em primeiro lugar, aos
investidores.

GABARITO: A




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          31
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

355. No entendimento de autores e pensadores da Contabilidade, a principal
razão para haver a harmonização dos padrões contábeis internacionais é

(A) padronizar os procedimentos contábeis de forma universal.
(B) reduzir custos por permitir registros únicos em vários países.
(C) permitir a comparabilidade das informações.
(D) unificar os impostos cobrados nos diversos países.
(E) unificar os princípios fundamentais de contabilidade.

Resolução

A principal razão para haver a harmonização dos padrões contábeis
internacionais é permitir a comparabilidade das informações.

GABARITO: C

356.    A Resolução CFC 1.103 de 28.09.2007 criou o Comitê Gestor da
Convergência no Brasil. Segundo o artigo 2 o desta resolução, esse comitê será
composto pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e pelas seguintes
entidades:

(A) CEF – CMN – SRF.
(B) CMN – IBRACON – CVM.
(C) BNDES – BACEN – CMN.
(D) CVM – CRC – SFN.
(E) IBRACON – CVM – BACEN.

Resolução

De acordo com a Resolução CFC 1.103 de 28.09.2007:

Art. 1º Fica criado o Comitê Gestor da Convergência no Brasil.

Art. 2º O Comitê será composto pelas seguintes entidades:

a) CFC – Conselho Federal de Contabilidade;
b) IBRACON – Instituto dos Auditores Independentes do Brasil;
c) CVM – Comissão de Valores Mobiliários;
d) BACEN – Banco Central do Brasil.

GABARITO: E




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          32
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

357. Um dos elementos-chave da governança corporativa é o relacionamento
entre partes interessadas, que tanto pode se referir a divergências entre
acionistas e gestores, quanto a divergências entre acionistas majoritários e
minoritários. Esses relacionamentos são considerados uma das cinco questões
centrais da governança corporativa, que são os(as)

(A) conflitos de agência.
(B) direitos assimétricos.
(C) práticas de gestão.
(D) dispersões de governança.
(E) divergências de stakeholders.

Resolução

As questões centrais da governança corporativa são:
   a) os conflitos de agência;
   b) os custos de agência;
   c) os direitos assimétricos;
   d) o equilíbrio de interesses de stakeholders; e
   e) as forças de controle.

Conflitos de Agência: interesses daquele que administra a propriedade
nem sempre estão alinhados com os de seu titular. Sob a perspectiva da
teoria da agência, a preocupação maior é criar mecanismos eficientes
(sistemas de monitoramento e incentivos) para garantir que o
comportamento dos executivos esteja alinhado com o interesse dos
acionistas.

GABARITO: A

358. Tratando-se de governança corporativa, uma das questões-chave é a
separação formal dos processos decisórios entre a Direção Executiva e o Conselho
de Administração. Enquanto ao primeiro cabem as decisões de gestão, ao
segundo cabem as decisões

(A) de planejamento.
(B) de conformidade.
(C) financeiras.
(D) de controle.
(E) estratégicas.

Resolução
Direção Executiva => decisões de gestão
Conselho de Administração => decisões de controle
GABARITO: D

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          33
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

359. A Lei Sarbanes-Oxley promoveu ampla regulação da vida corporativa,
fundamentada nas boas práticas de governança corporativa. Seus focos são
exatamente os quatro valores que há duas décadas vinham sendo enfatizados
pelo ativismo pioneiro, que são:

(A) corporate bond, bull spread, strike price e rating.
(B) compliance, accountability, disclosure e fairness.
(C) forward discount, embedded option, default risk e swap.
(D) adesão, auto-regulamentação, comitês de auditoria                            e    conselho   de
administração.
(E) princípios, equanimidade, diretriz e transparência.

Resolução

Lei Sarbanes-Oxley: compliance, accountability, disclosure e fairness.
gestão transparente (disclosure), senso de justiça (fairness), ética, que
preste conta satisfatoriamente (accountability) e seja compromissada
com o cumprimento das leis (compliance).

GABARITO: B

360. Os impactos, na legislação de outros países, da Lei Sarbanes-Oxley e de
mudanças nela inspiradas e por ela exigidas têm sido expressivos. Alguns de seus
novos elementos são: ágio de governança e deságio de governança. Esses
elementos criaram uma nova oportunidade no mercado de ratings, que é a(o)

(A) criação de agências de avaliação de empresas, quanto ao cumprimento de
boas práticas de governança corporativa.
(B) criação de um modelo de avaliação padronizada, denominada ISO 19.000,
destinada a medir as boas práticas de governança corporativa.
(C) análise, pelo Comitê de Auditoria, da adequação das melhores práticas de
governança corporativa utilizadas pela empresa às regras estabelecidas pelo
Comitê da Basiléia.
(D) oferta de stock options ao principal executivo, que deverá ser aprovada pelo
conselho de administração e homologada por uma agência de rating.
(E) lançamento de ações especiais, denominadas UPTICK, que representam 120%
sobre o valor normal das ações, em virtude da aplicação de boas práticas de
governança corporativa.

Resolução

Os impactos, na legislação de outros países, da Lei Sarbanes-Oxley e de
mudanças nela inspiradas e por ela exigidas têm sido expressivos. Alguns de seus
novos elementos são: ágio de governança e deságio de governança. Esses
elementos criaram uma nova oportunidade no mercado de ratings, que é a

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas               34
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

criação de agências de avaliação de empresas, quanto ao cumprimento
de boas práticas de governança corporativa.

GABARITO: A

361. Para exercer seu trabalho em companhias abertas, o auditor externo está
sujeito ao prévio registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Para obter
esse registro, o auditor externo precisa comprovar que está registrado no
Conselho Regional de Contabilidade e ter exercido a atividade de auditoria por um
período, contado a partir da data do registro no CRC, não inferior a quantos
anos?

(A) 1
(B) 2
(C) 3
(D) 4
(E) 5

Resolução

O auditor externo precisa comprovar que está registrado no Conselho
Regional de Contabilidade e ter exercido a atividade de auditoria por um
período, contado a partir da data do registro no CRC, não inferior a 5
(cinco) anos.

GABARITO: E

362. De acordo com a Lei no 6.404/76 e a Lei no 11.638/07, estão obrigadas à
auditagem por auditores independentes, registrados na Comissão de Valores
Mobiliários (CVM), as sociedades anônimas

(A) e as demais sociedades.
(B) de capital aberto, somente.
(C) de capital aberto e de capital fechado, somente.
(D) de capital aberto e as sociedades de grande porte.
(E) de capital aberto, de capital fechado e as sociedades de grande porte.

Resolução

Elaboração das demonstrações financeiras pelas sociedades de grande
porte, abertas ou fechadas, e obrigatoriedade de auditoria independente
(art. 3o da Lei no 11.638/07).
Para as sociedades de grande porte, isto é, empresas com ativo total
superior a R$ 240 milhões ou receita bruta anual superior a R$ 300
milhões, ainda que não constituídas sob a forma de sociedades por

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          35
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

ações, são obrigadas à elaboração de demonstrações financeiras, que
deverão sofrer auditoria independente.

De acordo com a Lei no 6.404/76 e a Lei no 11.638/07, estão obrigadas à
auditagem por auditores independentes, registrados na Comissão de
Valores Mobiliários (CVM), as sociedades anônimas de capital aberto e as
sociedades de grande porte.

GABARITO: D

363. Analise os procedimentos a seguir.

I - Determinar a natureza, oportunidade e extensão dos procedimentos de
auditoria.
II - Examinar a adequação dos saldos de encerramento do exercício anterior aos
saldos de abertura do exercício atual.
III - Identificar os fatos relevantes que possam afetar as atividades da entidade e
sua situação patrimonial e financeira.
IV - Resolver questões significativas quanto à aplicação dos Princípios
Fundamentais de Contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade.
V - Verificar se as práticas contábeis adotadas no atual exercício são uniformes às
adotadas no exercício anterior.

Quando da realização de uma auditoria na entidade, pela primeira vez, ou quando
as demonstrações contábeis do exercício anterior tenham sido examinadas por
outro auditor, o planejamento deve contemplar, dentre os procedimentos acima,
APENAS os seguintes:

(A) I, II e IV
(B) I, II e V
(C) II, III e IV
(D) II, III e V
(E) III, IV e V

Resolução

Quando da realização de uma auditoria na entidade, pela primeira vez, ou quando
as demonstrações contábeis do exercício anterior tenham sido examinadas por
outro auditor, o planejamento deve:

- Examinar a adequação dos saldos de encerramento do exercício
anterior aos saldos de abertura do exercício atual.
- Identificar os fatos relevantes que possam afetar as atividades da
entidade e sua situação patrimonial e financeira.;


Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          36
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

- Verificar se as práticas contábeis adotadas no atual exercício são
uniformes às adotadas no exercício anterior.

GABARITO: D

364. “Estabelecer que uma mesma pessoa não pode ter acesso aos ativos e aos
registros contábeis.” (Almeida, 2007) indica a existência de um dos princípios
fundamentais do controle contábil. Este princípio é o

(A) do Acesso aos Ativos.
(B) do Confronto dos Ativos com os Registros.
(C) da Responsabilidade.
(D) da Segregação de Funções.
(E) das Rotinas Internas.

Resolução

Princípio da Segregação de Funções: uma mesma pessoa não pode ter
acesso aos ativos e aos registros contábeis.

GABARITO: D

365. A independência é uma das normas relativas à pessoa do auditor. Em
decorrência dela, há impedimento para o auditor executar trabalho de auditoria
em entidade em que ele tenha grau de parentesco consangüíneo, em linha reta,
com administradores, acionistas, sócios ou com empregados que tenham
ingerência na sua administração ou nos negócios ou sejam responsáveis por sua
contabilidade,

(A) qualquer que seja o grau de parentesco.
(B) para parentesco de 1o grau, apenas.
(C) para parentesco até 2o grau, apenas.
(D) para parentesco até 3o grau, apenas.
(E) para parentesco até 4o grau, apenas.

Resolução

Há impedimento para o auditor executar trabalho de auditoria em
entidade em que ele tenha grau de parentesco consangüíneo, em linha
reta, com administradores, acionistas, sócios ou com empregados que
tenham ingerência na sua administração ou nos negócios ou sejam
responsáveis por sua contabilidade, qualquer que seja o grau de
parentesco.

GABARITO: A

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          37
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

366. O auditor deve estabelecer e documentar seus honorários levando em
consideração alguns fatores fundamentais para estabelecer o valor dos mesmos.
Sob esse enfoque, analise os fatores a seguir apresentados.

I - Descrição dos serviços a serem realizados, inclusive referências às leis e
regulamentos aplicáveis ao caso.
II - Número de horas estimadas para a realização dos serviços.
III - Prazo estimado para realização dos serviços.
IV - Qualificação técnica dos profissionais que irão participar da execução dos
serviços.
V - Relevância, vulto, complexidade do serviço e custo do serviço a executar.

Dentre os fatores acima, exclusivamente, devem ser considerados pelo auditor
para estipular o valor de seus honorários, APENAS,

(A) I, II e III
(B) I, III e IV
(C) II, III e V
(D) II, IV e V
(E) III, IV e V

Resolução
O auditor deve estabelecer e documentar seus honorários mediante
avaliação dos serviços, considerando os seguintes fatores:

a) a relevância, o vulto, a complexidade do serviço, e o custo do serviço a
executar;

b) o número de horas estimadas para a realização dos serviços;

c) a peculiaridade           de    tratar-se      de     cliente     eventual,       habitual   ou
permanente;

d) a qualificação técnica dos profissionais que irão participar da
execução dos serviços; e

e) o lugar em que os serviços serão prestados, fixando, se for o caso,
como serão cobrados os custos de viagens e estadas.

GABARITO: D

Bons estudos a todos e até a próxima aula,

Moraes Junior



Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas              38
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08


Prova 14. Petrobrás – Profissional Júnior – Ciências Contábeis
– 2008 - Cesgranrio

               Lista de Questões Comentadas Nesta Aula

322. Certo capital, aplicado por 10 meses, a uma taxa de 18% ao ano (juros
simples), rende R$ 72.000,00 de juros. Este capital aplicado, em reais, é

(A) 360.000,00
(B) 400.000,00
(C) 480.000,00
(D) 500.000,00
(E) 510.000,00

323. Um título de renda fixa deverá ser resgatado por R$ 10.000,00 no seu
vencimento, que ocorrerá dentro de 3 meses. Sabendo-se que o rendimento
desse título é de 1,25% ao mês (juros compostos), seu valor presente, em reais,
é

(A) 9.638,55
(B) 9.634,18
(C) 9.625,00
(D) 9.555,65
(E) 9.333,33

324. Nos termos da Lei no 6.404/76, com a nova redação dada pela Lei no
11.638/07, as obrigações, encargos e riscos classificados no Passivo Exigível a
Longo Prazo serão ajustados a valor

(A) atualizado pela inflação.
(B) de custo ou mercado, o menor dos dois.
(C) de mercado, somente.
(D) de reposição.
(E) presente.

325. Nos termos da Lei no 6.404/76, com a nova redação dada pela Lei n o
11.638/07, a conta do capital social discriminará o montante

(A) autorizado e, por dedução, a parcela subscrita.
(B) integralizado e o montante a integralizar.
(C) integralizado em dinheiro.
(D) subscrito, totalmente integralizado.
(E) subscrito e, por dedução, a parcela ainda não realizada.



Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          39
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

326. Na elaboração dos fluxos de caixa, o conceito de caixa é ampliado,
envolvendo o caixa puro, dinheiro em mão e em conta corrente bancária e as
aplicações em equivalentes de caixa. Como equivalentes de caixa podem ser
consideradas as aplicações financeiras resgatáveis até

(A) 3 meses da data da aplicação.
(B) 3 meses da data da emissão.
(C) 6 meses da data da aplicação.
(D) 6 meses da data da emissão.
(E) 12 meses da data da aplicação.

327. As atividades operacionais inclusas na demonstração dos fluxos de caixa
relacionam-se, normalmente, com as transações que aparecem na

(A) avaliação periódica dos ativos de longo prazo que a empresa utiliza para
produzir bens e serviços.
(B) demonstração do valor adicionado.
(C) demonstração de resultados.
(D) operação de empréstimo de credores e investidores da entidade.
(E) obtenção de recursos dos donos e no pagamento a eles do retorno sobre seus
investimentos.

328. O Manual de Contabilidade classifica os Princípios (Conceitos) Fundamentais
de Contabilidade, em 3 categorias:

• postulados ambientais da contabilidade;
• princípios contábeis propriamente ditos;
• restrições dos princípios contábeis fundamentais – Convenções.

Os princípios contábeis propriamente ditos são:

(A) Entidade, Continuidade, Custo como base de valor, Oportunidade.
(B) Custo como base de valor, Denominador comum monetário, Realização da
receita, Confronto das despesas com as receitas e com os períodos contábeis.
(C) Objetividade, Confronto das despesas com as receitas e com os períodos
contábeis, Conservadorismo, Competência.
(D) Materialidade, Custo como base de valor, Objetividade e Prudência.
(E) Consistência, Receitas reconhecidas proporcionalmente ao período de tempo,
Objetividade, Denominador comum monetário.




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          40
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

329. A operação pela qual, com a extinção de uma Companhia, são transferidas
parcelas de seu patrimônio para uma ou mais sociedades, constituídas para esse
fim ou já existentes, é a operação de

(A) cisão total.
(B) cisão parcial.
(C) fusão.
(D) transformação.
(E) incorporação.

330. Em 20.12.07, a controladora Alfa vendeu mercadorias à vista, por R$
50.000,00, para a controlada Beta, que as revendeu para terceiros, por R$
70.000,00, sendo R$ 45.000,00 à vista e R$ 25.000,00, a prazo. Sabe-se que:

• o custo das mercadorias vendidas pela controladora foi R$ 35.000,00;
• nenhuma outra venda foi realizada pela controladora para a controlada.

Na consolidação, a eliminação a ser feita na Demonstração do Resultado do
Exercício de 2007, em reais, é

(A)   Custo das Mercadorias Vendidas 20.000,00
      a Vendas 20.000,00
(B)   Duplicatas a Receber 45.000,00
      a Fornecedores 45.000,00
(C)   Vendas 25.000,00
      a Clientes 25.000,00
(D)   Vendas 35.000,00
      a Custo das Mercadorias Vendidas 35.000,00
(E)   Vendas 50.000,00
      a Custo das Mercadorias Vendidas 50.000,00

Considere as informações a seguir para responder às questões de nos
331 e 332.

Saldo das contas, retirado do Balanço Patrimonial/2007 da Companhia Amigos
S/A:
Em reais
Duplicatas a Receber                        500.000,00
Duplicatas Descontadas                      150.000,00
Fornecedores                                220.000,00
Empréstimos Bancários de Curto Prazo         80.000,00
Empréstimos Bancários de Longo Prazo        100.000,00
Total do Passivo mais Patrimônio Líquido    800.000,00



Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          41
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

331. Considerando, exclusivamente, os dados informados, o grau de dependência
dos Bancos no financiamento dos investimentos totais, pelas instituições de
crédito, é

(A) 22,50%
(B) 41,25%
(C) 43,75%
(D) 50,00%
(E) 68,75%

332. Considerando, exclusivamente, os dados informados, o nível de desconto de
duplicatas é

(A) 18,75%
(B) 23,08%
(C) 30,00%
(D) 42,86%
(E) 45,45%

Considere as informações a seguir para responder às questões de nos
333 a 335.

A Companhia Irmãos Flores S/A apresentou as seguintes informações relativas ao
exercício social encerrado em 31.12.2007:

                                                  Em reais
Capital Social Realizado                          8.000.000,00
Patrimônio Líquido                                10.800.000,00
Lucro Líquido do Exercício                        1.600.000,00
Ações Ordinárias                                  600.000
Ações Preferenciais                               400.000
Dividendos Propostos                              480.000,00
Cotação Média das Ações                           6,40

333.    Considerando,    exclusivamente,     as    informações                      recebidas,   a
representatividade de cada ação (valor patrimonial), em reais, é

(A) 1,60
(B) 8,00
(C) 10,80
(D) 18,00
(E) 27,00




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas               42
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

334. Admita que o lucro por ação, apurado em 2007, seja mantido por vários
exercícios. Considerando tal condição (manutenção do lucro por ação), quantos
anos serão necessários para que o investidor tenha o retorno do capital aplicado
na Companhia?
(A) 4
(B) 5
(C) 6
(D) 8
(E) 10

335. O retorno de caixa a ser efetivamente embolsado pelo acionista, referente
a 2007, em percentual, é

(A) 4,80%
(B) 6,00%
(C) 6,40%
(D) 7,50%
(E) 20,00%

Considere as informações a seguir para responder às questões de nos
336 e 337.

A Indústria Natividade apresentou informações sobre a movimentação de
materiais diretos, num determinado período produtivo, conforme tabela a seguir.




Informações adicionais:
• os preços apresentados são líquidos (sem impostos), e em reais;
• não há estoque anterior de materiais diretos.




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          43
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

336. Admitindo-se que a Indústria Natividade utilize o critério de avaliação de
estoque pelo preço médio ponderado fixo, o custo dos materiais diretos utilizados
pela indústria, nesse período produtivo, em reais, é
(A) 234.000,00
(B) 235.400,00
(C) 236.000,00
(D) 239.000,00
(E) 239.040,00

337. Se a Indústria Natividade adotar, na sua avaliação, o critério UEPS, o valor
do estoque de materiais diretos, ao final do período produtivo, em reais, é

(A) 92.960,00
(B) 93.000,00
(C) 96.000,00
(D) 96.600,00
(E) 98.000,00

Considere as informações a seguir para responder às questões de nos
338 e 339.

A Indústria Cocada apresentou as informações a seguir, relativas à produção de
cada unidade dos três produtos de sua linha de produção.




Informações adicionais:
• os custos fixos do período alcançaram o total de 450.000,00;
• a indústria rateia os custos fixos pelo consumo total de matéria-prima.

338. Admita que toda a produção tenha sido vendida. O lucro relativo ao
produto B, pelo critério de custeio por absorção, em reais, foi

(A) 30.000,00
(B) 300.000,00
(C) 480.000,00
(D) 960.000,00
(E) 1.200.000,00



Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          44
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

339. Considerando-se o critério de custeio variável, a margem de contribuição
unitária referente ao produto C, em reais, é

(A) 30,00
(B) 37,50
(C) 42,50
(D) 53,25
(E) 60,00

340. A Indústria de Pregos Mangaba apresentou as seguintes informações de um
dos produtos de sua linha:




Admita que a Mangaba utilize, na análise de seus produtos, o custeio variável.
O volume físico de vendas necessário para que o resultado da indústria seja nulo,
em unidades do produto, é

(A) 264
(B) 540
(C) 576
(D) 787
(E) 840

341. A Demonstração do Resultado do Exercício apresenta, resumidamente, as
operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, de forma a
destacar o resultado líquido, apurado pelo confronto de receitas, custos e
despesas operacionais e não operacionais relativas a esse mesmo exercício social.
A legislação fiscal, por sua vez, tem uma maneira específica para apurar o lucro
fiscal (tributável), que servirá de base para exigir os tributos. Nos termos da
legislação fiscal, o lucro fiscal (tributável) é estabelecido pelo lucro

(A) contábil (menos) imposto de renda (mais) adições (menos) exclusões.
(B) contábil (menos) imposto de renda (menos) contribuição social sobre o lucro
(mais) adições (menos) exclusões.
(C) antes do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro líquido
(mais) adições (menos) exclusões (mais) lucros
fiscais.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          45
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

(D) antes do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro (mais)
adições (menos) exclusões (menos) compensação de prejuízos fiscais.
(E) antes do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro líquido
(mais) adições (menos) exclusões (menos) compensação de prejuízos fiscais
(mais) participações e contribuições.

342. Uma empresa comercial é tributada com base no lucro real, apura o lucro
real anual e faz o recolhimento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido
(CSLL), com antecipações mensais, sobre base de cálculo apurada por estimativa.
Integra essa base de cálculo o valor correspondente a 12% da receita bruta
mensal. Dessa receita bruta mensal, além dos impostos não cumulativos
cobrados destacadamente do comprador, dos quais o vendedor dos bens ou
prestador de serviços seja mero depositário, deverão ser excluídas(os),
igualmente, as(os)

(A) vendas canceladas, as devoluções de vendas e os descontos incondicionais
concedidos.
(B) vendas canceladas, os descontos condicionais concedidos e os abatimentos
sobre vendas.
(C) devoluções de vendas, os descontos incondicionais concedidos e os
abatimentos sobre vendas.
(D) devoluções de vendas, os descontos condicionais concedidos e os
abatimentos sobre vendas.
(E) descontos incondicionais concedidos, a devolução de vendas e os descontos
financeiros concedidos.

343. O pagamento feito por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas de
serviços de natureza profissional deve sofrer retenção na fonte, em geral, de
1,5%, mas existem alguns desses serviços que estão sujeitos a retenção menor.
Considere os seguintes serviços:
I - locação de mão-de-obra;
II - limpeza;
III - conservação;
IV - manutenção;
V - vigilância;
VI - segurança.

No pagamento feito por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas, são serviços
sujeitos à retenção na fonte de 1%, APENAS:

(A) I, II, IV e V
(B) I, IV, V e VI
(C) II, III, IV e V
(D) I, II, III, V e VI
(E) II, III, IV, V e VI

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          46
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

344. Na maioria das vezes, a principal característica do ICMS substituição
tributária é

(A) centralizar o controle do imposto nas operações concomitantes.
(B) postergar a cobrança do imposto de pequenos comerciantes.
(C) reter o imposto pelo fabricante, no momento da venda para o distribuidor ou
comércio varejista.
(D) alcançar apenas mercadorias de grande valor e de pequeno consumo,
simplificando o processo de tributação e fiscalização.
(E) agilizar a fiscalização da cobrança com a centralização de maior número de
agentes.

345. Nas importações de bens, a base de cálculo do COFINS é formada pela base
de cálculo do imposto de importação

(A) (menos) imposto de importação.
(B) (menos) imposto de importação e (mais) ICMS.
(C) (menos) imposto de importação, (menos) ICMS e (menos) COFINS.
(D) (mais) imposto de importação, (menos) ICMS e (mais) COFINS.
(E) (mais) imposto de importação, (mais) ICMS e (mais) COFINS.

346. O arrendamento (leasing) financeiro tem como característica ser um

(A) contrato de curta duração no qual o proprietário do bem vende seu ativo e o
arrenda de volta, permitindo à empresa levantar capital para outras finalidades e
continuar a utilizar o ativo.
(B) contrato firmado em médio prazo, no qual os reparos e manutenção são de
responsabilidade do arrendador, mas passível de cancelamento por opção do
arrendatário.
(C) contrato de longa duração entre o arrendador e o arrendatário, em que este
último é responsável pela manutenção e reparos, em que o ativo costuma ser
amortizado totalmente, e o contrato não pode ser cancelado.
(D) financiamento de longo prazo no qual o bem fica em regime de consignação
com o arrendatário, que não pode cancelar o contrato, em que a responsabilidade
de manutenção e reparos é do arrendador, e em que o arrendatário pode adquirir
o bem, caso exerça sua opção de compra.
(E) financiamento rígido, que permite a programação financeira de desembolsos
de caixa e o registro como despesas nos resultados do arrendador, o qual assume
a responsabilidade de manutenção e reparos durante o período do contrato.




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          47
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

347. Na visão de Gitman (Princípios de Administração Financeira, 2006) o
arrendamento (leasing) operacional é mais eficiente quando realizado para ativos
de vida útil de curta duração. Seguindo essa orientação, dentre as opções abaixo,
o arrendamento operacional seria mais eficiente se aplicado sobre

(A) sistemas de computação.
(B) máquinas e equipamentos.
(C) móveis e utensílios.
(D) peças e conjuntos de reposição.
(E) ferramentas.

348. Sob o enfoque humano, o princípio fundamental de contabilidade da
oportunidade aplicado à contabilidade ambiental indica que

(A) é focado na indeterminação do prazo, prevendo o crescimento da entidade,
sendo que seus gestores devem fazê-la crescer, produzir mais, ganhar mais
mercado, e a falta de limites deve ser encarada, do ponto de vista ambiental,
com restrições, pois os recursos naturais são finitos.
(B) informações ambientais devem ser registradas e disponibilizadas no tempo
oportuno para permitir ação ambiental de preservação do meio ambiente,
refletindo a integridade do patrimônio da entidade e suas mutações relativas aos
impactos ambientais.
(C) os fatos geradores relacionados ao meio ambiente, que resultarem em
receitas ou despesas, devem ser incluídos na apuração dos resultados no período
em que ocorrerem.
(D) os impactos ambientais devem ser registrados pelos valores das transações,
expressos a valor presente da moeda do país.
(E) o reconhecimento da alteração do poder aquisitivo da moeda nacional é
fundamental quando se trata de registro de eventos econômicos que afetem o
meio ambiente, isso porque as questões ambientais são, na maioria das vezes,
questões que envolvem vários exercícios sociais.

349. Sob o enfoque de Contabilidade Ambiental, a evidenciação apresenta a

(A) possibilidade de medir fisicamente os impactos ambientais e depois seus
efeitos, não sendo possível, sem isso, preservar a natureza.
(B) ordem de grandeza dos impactos ambientais cujos efeitos puderem ser
percebidos de forma aparente, e forem economicamente mensuráveis, a partir da
proporção da poluição total medida fisicamente, em relação à medida individual
do evento em si.
(C) informação necessária para a operação ótima de um eficiente mercado de
capitais, implica que suficiente informação deveria ser apresentada para permitir
a previsão da tendência futura, sendo também uma prestação de contas à
sociedade de como o meio ambiente está sendo afetado pela gestão ambiental de
determinada empresa.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          48
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

(D) necessidade de reconhecimento dos custos e despesas com o meio ambiente
que foram necessários para a obtenção da receita, sendo que a venda de um
produto deve ser reconhecida, no mesmo momento do custo da degradação
causada para produzir esse mesmo produto.
(E) importância de destacar o entendimento da ocorrência para a Contabilidade
Ambiental e de que forma o evento pode modificar o patrimônio da entidade em
relação ao meio ambiente, a ser reconhecido no momento em que ocorre.

350. O livro Contabilidade Ambiental (Ferreira, Aracéli, 2006), no capítulo 5 –
Contabilidade Gerencial Ambiental, apresenta as atividades operacionais, assim
se manifestando sobre uma dessas mesmas atividades.

“Seu objetivo é colocar o ambiente em condições iguais ou próximas daquelas
que ele tinha antes da degradação ocorrer.”

A afirmativa refere-se à atividade da gestão ambiental de

(A) prevenção.
(B) produção.
(C) reciclagem.
(D) recuperação.
(E) tratamento.

351. Analise as seguintes situações, sob o enfoque ambiental:

I - avaliação do grau dos impactos ambientais;
II - geração e distribuição de riqueza;
III - identificação de responsabilidades;
IV - interação da entidade com o ambiente externo.

Dentre as situações acima, podem ser consideradas como elementos da auditoria
ambiental, APENAS, a

(A) I e a II.
(B) I e a III.
(C) II e a III.
(D) II e a IV.
(E) III e a IV.




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          49
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

352. Um dos fatores que demonstram grandes diferenças entre os países, em
relação aos sistemas contábeis por eles praticados, é a legislação tributária. Os
países em que as demonstrações contábeis (financial reporting) se destinam a
atender tanto a propósitos fiscais como a objetivos específicos de usuários
externos são:

(A) Grã-Bretanha, Holanda e Suíça.
(B) Alemanha, Áustria e França.
(C) Suécia, Dinamarca e Islândia.
(D) Espanha, Portugal e Austrália.
(E) Estados Unidos, Irlanda e Canadá.

353. Nos Estados Unidos da América, a regulamentação e a normatização de
matéria contábil estão sob a responsabilidade de um organismo do setor privado
– FASB – Financial Accounting Standards Board, mas a edição de padrões
contábeis é sustentada pelo(a)

(A) FED – Federal Reserve Bank.
(B) ASEC – Accounting Standards Executive Committee.
(C) SEC – Securities and Exchange Commission.
(D) FIA – Federal International Accountants.
(E) AICPA – American Institute of Certified Public Accountants.

354. As tentativas para classificar os países, ou grupos de países, de acordo com
seus sistemas contábeis, têm revelado um alto grau de dificuldade. Entretanto, a
maioria dos autores e estudiosos de sistemas contábeis destaca a existência de
dois grandes grupos distintos: o modelo anglo-saxão e o modelo continental. Para
essa classificação, as principais características do modelo anglo-saxão são a
existência de uma

(A) profissão contábil forte e atuante; sólido mercado de capitais como fonte de
captação de recursos; pouca interferência governamental na definição de práticas
contábeis; e demonstrações financeiras que buscam atender, em primeiro lugar,
aos investidores.
(B) profissão contábil forte e atuante; sólido mercado de capitais como fonte de
captação de recursos; forte interferência governamental no estabelecimento de
padrões contábeis, notadamente, de natureza fiscal; e demonstrações financeiras
que buscam atender, primeiramente, aos credores.
(C) profissão contábil forte e atuante; importância de Bancos e outras instituições
financeiras como provedores dos recursos; forte interferência governamental no
estabelecimento de padrões contábeis, notadamente, de natureza fiscal; e
demonstrações financeiras voltadas, em primeiro lugar, para o governo.
(D) profissão contábil fraca e pouco atuante; sólido mercado de capitais como
fonte de captação de recursos; forte interferência governamental no


Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          50
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

estabelecimento de padrões contábeis, notadamente, de natureza fiscal; e
demonstrações financeiras voltadas, em primeiro lugar, para os investidores.
(E) profissão contábil fraca e pouco atuante; uso de Bancos e instituições
financeiras como fonte de captação de recursos; pouca interferência
governamental na definição de práticas contábeis; e demonstrações financeiras
voltadas, em primeiro lugar, para os administradores.

355. No entendimento de autores e pensadores da Contabilidade, a principal
razão para haver a harmonização dos padrões contábeis internacionais é

(A) padronizar os procedimentos contábeis de forma universal.
(B) reduzir custos por permitir registros únicos em vários países.
(C) permitir a comparabilidade das informações.
(D) unificar os impostos cobrados nos diversos países.
(E) unificar os princípios fundamentais de contabilidade.

356.    A Resolução CFC 1.103 de 28.09.2007 criou o Comitê Gestor da
Convergência no Brasil. Segundo o artigo 2o desta resolução, esse comitê será
composto pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e pelas seguintes
entidades:

(A) CEF – CMN – SRF.
(B) CMN – IBRACON – CVM.
(C) BNDES – BACEN – CMN.
(D) CVM – CRC – SFN.
(E) IBRACON – CVM – BACEN.

357. Um dos elementos-chave da governança corporativa é o relacionamento
entre partes interessadas, que tanto pode se referir a divergências entre
acionistas e gestores, quanto a divergências entre acionistas majoritários e
minoritários. Esses relacionamentos são considerados uma das cinco questões
centrais da governança corporativa, que são os(as)

(A) conflitos de agência.
(B) direitos assimétricos.
(C) práticas de gestão.
(D) dispersões de governança.
(E) divergências de stakeholders.




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          51
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

358. Tratando-se de governança corporativa, uma das questões-chave é a
separação formal dos processos decisórios entre a Direção Executiva e o Conselho
de Administração. Enquanto ao primeiro cabem as decisões de gestão, ao
segundo cabem as decisões

(A) de planejamento.
(B) de conformidade.
(C) financeiras.
(D) de controle.
(E) estratégicas.

359. A Lei Sarbanes-Oxley promoveu ampla regulação da vida corporativa,
fundamentada nas boas práticas de governança corporativa. Seus focos são
exatamente os quatro valores que há duas décadas vinham sendo enfatizados
pelo ativismo pioneiro, que são:

(A) corporate bond, bull spread, strike price e rating.
(B) compliance, accountability, disclosure e fairness.
(C) forward discount, embedded option, default risk e swap.
(D) adesão, auto-regulamentação, comitês de auditoria                            e    conselho   de
administração.
(E) princípios, equanimidade, diretriz e transparência.

360. Os impactos, na legislação de outros países, da Lei Sarbanes-Oxley e de
mudanças nela inspiradas e por ela exigidas têm sido expressivos. Alguns de seus
novos elementos são: ágio de governança e deságio de governança. Esses
elementos criaram uma nova oportunidade no mercado de ratings, que é a(o)

(A) criação de agências de avaliação de empresas, quanto ao cumprimento de
boas práticas de governança corporativa.
(B) criação de um modelo de avaliação padronizada, denominada ISO 19.000,
destinada a medir as boas práticas de governança corporativa.
(C) análise, pelo Comitê de Auditoria, da adequação das melhores práticas de
governança corporativa utilizadas pela empresa às regras estabelecidas pelo
Comitê da Basiléia.
(D) oferta de stock options ao principal executivo, que deverá ser aprovada pelo
conselho de administração e homologada por uma agência de rating.
(E) lançamento de ações especiais, denominadas UPTICK, que representam 120%
sobre o valor normal das ações, em virtude da aplicação de boas práticas de
governança corporativa.




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas               52
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

361. Para exercer seu trabalho em companhias abertas, o auditor externo está
sujeito ao prévio registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Para obter
esse registro, o auditor externo precisa comprovar que está registrado no
Conselho Regional de Contabilidade e ter exercido a atividade de auditoria por um
período, contado a partir da data do registro no CRC, não inferior a quantos
anos?

(A) 1
(B) 2
(C) 3
(D) 4
(E) 5

362. De acordo com a Lei no 6.404/76 e a Lei no 11.638/07, estão obrigadas à
auditagem por auditores independentes, registrados na Comissão de Valores
Mobiliários (CVM), as sociedades anônimas

(A) e as demais sociedades.
(B) de capital aberto, somente.
(C) de capital aberto e de capital fechado, somente.
(D) de capital aberto e as sociedades de grande porte.
(E) de capital aberto, de capital fechado e as sociedades de grande porte.

363. Analise os procedimentos a seguir.
I - Determinar a natureza, oportunidade e extensão dos procedimentos de
auditoria.
II - Examinar a adequação dos saldos de encerramento do exercício anterior aos
saldos de abertura do exercício atual.
III - Identificar os fatos relevantes que possam afetar as atividades da entidade e
sua situação patrimonial e financeira.
IV - Resolver questões significativas quanto à aplicação dos Princípios
Fundamentais de Contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade.
V - Verificar se as práticas contábeis adotadas no atual exercício são uniformes às
adotadas no exercício anterior.

Quando da realização de uma auditoria na entidade, pela primeira vez, ou quando
as demonstrações contábeis do exercício anterior tenham sido examinadas por
outro auditor, o planejamento deve contemplar, dentre os procedimentos acima,
APENAS os seguintes:

(A) I, II e IV
(B) I, II e V
(C) II, III e IV
(D) II, III e V
(E) III, IV e V

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          53
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

364. “Estabelecer que uma mesma pessoa não pode ter acesso aos ativos e aos
registros contábeis.” (Almeida, 2007) indica a existência de um dos princípios
fundamentais do controle contábil. Este princípio é o

(A) do Acesso aos Ativos.
(B) do Confronto dos Ativos com os Registros.
(C) da Responsabilidade.
(D) da Segregação de Funções.
(E) das Rotinas Internas.

365. A independência é uma das normas relativas à pessoa do auditor. Em
decorrência dela, há impedimento para o auditor executar trabalho de auditoria
em entidade em que ele tenha grau de parentesco consangüíneo, em linha reta,
com administradores, acionistas, sócios ou com empregados que tenham
ingerência na sua administração ou nos negócios ou sejam responsáveis por sua
contabilidade,

(A) qualquer que seja o grau de parentesco.
(B) para parentesco de 1o grau, apenas.
(C) para parentesco até 2o grau, apenas.
(D) para parentesco até 3o grau, apenas.
(E) para parentesco até 4o grau, apenas.

366. O auditor deve estabelecer e documentar seus honorários levando em
consideração alguns fatores fundamentais para estabelecer o valor dos mesmos.
Sob esse enfoque, analise os fatores a seguir apresentados.

I - Descrição dos serviços a serem realizados, inclusive referências às leis e
regulamentos aplicáveis ao caso.
II - Número de horas estimadas para a realização dos serviços.
III - Prazo estimado para realização dos serviços.
IV - Qualificação técnica dos profissionais que irão participar da execução dos
serviços.
V - Relevância, vulto, complexidade do serviço e custo do serviço a executar.

Dentre os fatores acima, exclusivamente, devem ser considerados pelo auditor
para estipular o valor de seus honorários, APENAS,

(A) I, II e III
(B) I, III e IV
(C) II, III e V
(D) II, IV e V
(E) III, IV e V



Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          54
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08


GABARITO – AULA 14:
322.   C
323.   B
324.   E
325.   E
326.   A
327.   C
328.   A
329.   A
330.   E
331.   B
332.   C
333.   C
334.   A
335.   D
336.   E
337.   B
338.   B
339.   E
340.   E
341.   D
342.   A
343.   D
344.   C
345.   E
346.   C
347.   A
348.   B
349.   C
350.   D
351.   B
352.   B
353.   C
354.   A
355.   C
356.   E
357.   A
358.   D
359.   B
360.   A
361.   E
362.   D
363.   D
364.   D
365.   A     366. D

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          55
Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08

Bibliografia

Lei das Sociedades Anônimas com as alterações trazidas pela Lei n o 11.638/07 e
pela MP no 449/08.

FERREIRA, Ricardo J. Contabilidade Avançada e Intermediária. Rio de Janeiro.
Editora Ferreira.

FERREIRA, Ricardo J. Contabilidade Básica. 3 a Edição. Rio de Janeiro. Editora
Ferreira. 2004.

FIPECAFI, Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações (aplicável as
demais sociedades). 6a Edição. São Paulo. Editora Atlas. 2003.

LUIZ FERRARI, Ed. Contabilidade Geral – Série Provas e Concursos. 5a Edição. 3a
Tiragem. Elsevier Editora. 2005.

MOURA RIBEIRO, Osni. Contabilidade Geral Fácil – Para cursos de contabilidade e
concursos em geral. 4a Edição. 4a Tiragem (2005). São Paulo. Editora Saraiva.
2002.

SILVA, Antônio César Valério da. Contabilidade Avançada: Teoria e 300 questões.
2a Edição. Rio de Janeiro. Elsevier Editora. 2005.

VICECONTI, Paulo Eduardo Vilchez & NEVES, Silvério das. Contabilidade
Avançada e Análise das Demonstrações Financeiras. 12 a Edição. São Paulo.
Editora Frase. 2003.




Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas          56

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05contacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 14 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 14 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 14 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 14 cathedracathedracontabil
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidaderazonetecontabil
 
Apostila gestão estratégica de custos
Apostila gestão estratégica de custosApostila gestão estratégica de custos
Apostila gestão estratégica de custoszeramento contabil
 
Caderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCaderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCadernos PPT
 
Balancetes e razonetes gabarito 00
Balancetes e razonetes gabarito 00Balancetes e razonetes gabarito 00
Balancetes e razonetes gabarito 00zeramento contabil
 
Droit des affaires au maroc
Droit des affaires au marocDroit des affaires au maroc
Droit des affaires au marocYassineHammoucha
 
Exercicios contabilidade gabarito resolucao
Exercicios contabilidade gabarito resolucaoExercicios contabilidade gabarito resolucao
Exercicios contabilidade gabarito resolucaocapitulocontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 01 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 01 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 01 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 01 cathedracathedracontabil
 
9. Demonstrações Financeiras.pdf
9. Demonstrações Financeiras.pdf9. Demonstrações Financeiras.pdf
9. Demonstrações Financeiras.pdfBertaRocha4
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 12
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 12Exercicios resolvidos contabilidade   aula 12
Exercicios resolvidos contabilidade aula 12cathedracontabil
 
Atividade Financeira do Estado: visão preliminar
Atividade Financeira do Estado: visão preliminarAtividade Financeira do Estado: visão preliminar
Atividade Financeira do Estado: visão preliminarelliando dias
 
Resolução de questões contabeis
Resolução de questões contabeisResolução de questões contabeis
Resolução de questões contabeissimuladocontabil
 
Atividade de Revisão de Administração Financeira
Atividade de Revisão de Administração FinanceiraAtividade de Revisão de Administração Financeira
Atividade de Revisão de Administração FinanceiraDanilo Pires
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 11 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 11 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 11 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 11 cathedracathedracontabil
 
Comptabilité analytique
Comptabilité analytiqueComptabilité analytique
Comptabilité analytiqueayoubbbb
 

Mais procurados (20)

Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05
 
Exerc prat iva
Exerc prat ivaExerc prat iva
Exerc prat iva
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 14 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 14 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 14 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 14 cathedra
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade
 
Apostila gestão estratégica de custos
Apostila gestão estratégica de custosApostila gestão estratégica de custos
Apostila gestão estratégica de custos
 
Caderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCaderno - Análise Financeira
Caderno - Análise Financeira
 
Balancetes e razonetes gabarito 00
Balancetes e razonetes gabarito 00Balancetes e razonetes gabarito 00
Balancetes e razonetes gabarito 00
 
Rácio de Solvabilidade
Rácio de SolvabilidadeRácio de Solvabilidade
Rácio de Solvabilidade
 
Droit des affaires au maroc
Droit des affaires au marocDroit des affaires au maroc
Droit des affaires au maroc
 
Exercicios contabilidade gabarito resolucao
Exercicios contabilidade gabarito resolucaoExercicios contabilidade gabarito resolucao
Exercicios contabilidade gabarito resolucao
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 01 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 01 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 01 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 01 cathedra
 
Apostila contabilidade seguros
Apostila contabilidade segurosApostila contabilidade seguros
Apostila contabilidade seguros
 
9. Demonstrações Financeiras.pdf
9. Demonstrações Financeiras.pdf9. Demonstrações Financeiras.pdf
9. Demonstrações Financeiras.pdf
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 12
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 12Exercicios resolvidos contabilidade   aula 12
Exercicios resolvidos contabilidade aula 12
 
Atividade Financeira do Estado: visão preliminar
Atividade Financeira do Estado: visão preliminarAtividade Financeira do Estado: visão preliminar
Atividade Financeira do Estado: visão preliminar
 
Resolução de questões contabeis
Resolução de questões contabeisResolução de questões contabeis
Resolução de questões contabeis
 
Trabalho de financas
Trabalho de financasTrabalho de financas
Trabalho de financas
 
Atividade de Revisão de Administração Financeira
Atividade de Revisão de Administração FinanceiraAtividade de Revisão de Administração Financeira
Atividade de Revisão de Administração Financeira
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 11 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 11 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 11 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 11 cathedra
 
Comptabilité analytique
Comptabilité analytiqueComptabilité analytique
Comptabilité analytique
 

Destaque

Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 05 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 05 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 05 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 05 cathedracontacontabil
 
1000 exercicios de contabilidade com gabarito
1000 exercicios de contabilidade com gabarito1000 exercicios de contabilidade com gabarito
1000 exercicios de contabilidade com gabaritoNelio019
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 09 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 09 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 09 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 09 cathedracontacontabil
 
contabilidade-basica-peps-ueps
contabilidade-basica-peps-uepscontabilidade-basica-peps-ueps
contabilidade-basica-peps-uepsWaister Marques
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 08Exercicios resolvidos contabilidade   aula 08
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08contacontabil
 
Apostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidosApostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidosdudu_rosa
 
Exercicios resolvidos contabilidade esaf
Exercicios resolvidos contabilidade   esafExercicios resolvidos contabilidade   esaf
Exercicios resolvidos contabilidade esafcontacontabil
 
Prova bacharel 2 2012 de Conselho de Contabilidade
Prova bacharel 2 2012 de Conselho de ContabilidadeProva bacharel 2 2012 de Conselho de Contabilidade
Prova bacharel 2 2012 de Conselho de ContabilidadeJaguar Souza
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 12 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 12 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 12 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 12 cathedracontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 10 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 10 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 10 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 10 cathedracontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 13
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 13Exercicios resolvidos contabilidade   aula 13
Exercicios resolvidos contabilidade aula 13contacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rjcathedracontabil
 
Questoes resolvidas contabeis
Questoes resolvidas contabeisQuestoes resolvidas contabeis
Questoes resolvidas contabeissimuladocontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 07Exercicios resolvidos contabilidade   aula 07
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07contacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 11
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 11Exercicios resolvidos contabilidade   aula 11
Exercicios resolvidos contabilidade aula 11contacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 03
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 03Exercicios resolvidos contabilidade   aula 03
Exercicios resolvidos contabilidade aula 03contacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedracontacontabil
 
Exercicios resolvidos lançamentos
Exercicios resolvidos lançamentosExercicios resolvidos lançamentos
Exercicios resolvidos lançamentossimuladocontabil
 

Destaque (20)

Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 05 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 05 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 05 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 05 cathedra
 
1000 exercicios de contabilidade com gabarito
1000 exercicios de contabilidade com gabarito1000 exercicios de contabilidade com gabarito
1000 exercicios de contabilidade com gabarito
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 09 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 09 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 09 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 09 cathedra
 
contabilidade-basica-peps-ueps
contabilidade-basica-peps-uepscontabilidade-basica-peps-ueps
contabilidade-basica-peps-ueps
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 08Exercicios resolvidos contabilidade   aula 08
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08
 
Apostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidosApostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidos
 
Exercicios resolvidos contabilidade esaf
Exercicios resolvidos contabilidade   esafExercicios resolvidos contabilidade   esaf
Exercicios resolvidos contabilidade esaf
 
Prova bacharel 2 2012 de Conselho de Contabilidade
Prova bacharel 2 2012 de Conselho de ContabilidadeProva bacharel 2 2012 de Conselho de Contabilidade
Prova bacharel 2 2012 de Conselho de Contabilidade
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 12 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 12 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 12 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 12 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 10 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 10 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 10 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 10 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 13
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 13Exercicios resolvidos contabilidade   aula 13
Exercicios resolvidos contabilidade aula 13
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
 
Questoes resolvidas contabeis
Questoes resolvidas contabeisQuestoes resolvidas contabeis
Questoes resolvidas contabeis
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 07Exercicios resolvidos contabilidade   aula 07
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 11
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 11Exercicios resolvidos contabilidade   aula 11
Exercicios resolvidos contabilidade aula 11
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 03
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 03Exercicios resolvidos contabilidade   aula 03
Exercicios resolvidos contabilidade aula 03
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
 
Exercicios resolvidos lançamentos
Exercicios resolvidos lançamentosExercicios resolvidos lançamentos
Exercicios resolvidos lançamentos
 
4 métodos de avaliação de estoques
4 métodos de avaliação de estoques4 métodos de avaliação de estoques
4 métodos de avaliação de estoques
 
Balancetes e razonetes
Balancetes e razonetesBalancetes e razonetes
Balancetes e razonetes
 

Semelhante a Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 14 cathedra

Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 13 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 13 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 13 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 13 cathedracathedracontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 13 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 13 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 13 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 13 cathedracontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 12 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 12 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 12 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 12 cathedracathedracontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 16 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 16 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 16 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 16 cathedracathedracontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 16 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 16 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 16 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 16 cathedracontacontabil
 
Contabilidade decifrada 03
Contabilidade decifrada 03Contabilidade decifrada 03
Contabilidade decifrada 03simuladocontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedracathedracontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 10 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 10 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 10 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 10 cathedra icms-rjcathedracontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 08 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 08 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 08 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 08 cathedracathedracontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 11 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 11 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 11 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 11 cathedracontacontabil
 
Teoria da contabilidade ii exercicios passivo
Teoria da contabilidade ii exercicios passivoTeoria da contabilidade ii exercicios passivo
Teoria da contabilidade ii exercicios passivogabaritocontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 07Exercicios resolvidos contabilidade   aula 07
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07cathedracontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 08 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 08 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08 cathedra icms-rjcontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 08 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 08 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08 cathedra icms-rjcathedracontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 05 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 05 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 05 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 05 cathedracathedracontabil
 
Apostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadaApostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadazeramento contabil
 
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilísticaMétodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilísticaUniversidade Pedagogica
 
Apostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadaApostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadaMylena Barros
 

Semelhante a Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 14 cathedra (20)

Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 13 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 13 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 13 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 13 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 13 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 13 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 13 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 13 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 12 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 12 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 12 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 12 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 16 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 16 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 16 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 16 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 16 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 16 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 16 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 16 cathedra
 
Contabilidade decifrada 03
Contabilidade decifrada 03Contabilidade decifrada 03
Contabilidade decifrada 03
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 10 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 10 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 10 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 10 cathedra icms-rj
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 08 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 08 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 08 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 08 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 11 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 11 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 11 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 11 cathedra
 
Teoria da contabilidade ii exercicios passivo
Teoria da contabilidade ii exercicios passivoTeoria da contabilidade ii exercicios passivo
Teoria da contabilidade ii exercicios passivo
 
Exercicios passivo
Exercicios passivoExercicios passivo
Exercicios passivo
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 07Exercicios resolvidos contabilidade   aula 07
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 08 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 08 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08 cathedra icms-rj
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 08 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 08 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 08 cathedra icms-rj
 
PIS e COFINS - Receita, Faturamento e Créditos
PIS e COFINS - Receita, Faturamento e CréditosPIS e COFINS - Receita, Faturamento e Créditos
PIS e COFINS - Receita, Faturamento e Créditos
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 05 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 05 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 05 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 05 cathedra
 
Apostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadaApostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancada
 
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilísticaMétodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
 
Apostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadaApostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancada
 

Mais de contacontabil

500 questões concursos
500 questões concursos500 questões concursos
500 questões concursoscontacontabil
 
Contabilidade introdutoria exercicios
Contabilidade introdutoria   exerciciosContabilidade introdutoria   exercicios
Contabilidade introdutoria exercicioscontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 07 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 07 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 07 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 07 cathedracontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 03 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 03 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 03 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 03 cathedracontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 01 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 01 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 01 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 01 cathedracontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 06 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 06 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 06 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 06 cathedracontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 04 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 04 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 04 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 04 cathedracontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 02 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 02 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 02 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 02 cathedracontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral indice
Exercicios resolvidos contabilidade geral   indiceExercicios resolvidos contabilidade geral   indice
Exercicios resolvidos contabilidade geral indicecontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 09 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 09 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 09 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 09 cathedra icms-rjcontacontabil
 
Contabil diversas bancas
Contabil diversas bancasContabil diversas bancas
Contabil diversas bancascontacontabil
 
Apostila cathedra contabilidade de custos
Apostila cathedra   contabilidade de custosApostila cathedra   contabilidade de custos
Apostila cathedra contabilidade de custoscontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 10 e cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 10 e cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 10 e cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 10 e cathedra icms-rjcontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 07 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 07 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07 cathedra icms-rjcontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 06 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 06 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 06 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 06 cathedra icms-rjcontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 05 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05 cathedra icms-rjcontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rjcontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 03 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 03 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 03 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 03 cathedra icms-rjcontacontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 02 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 02 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 02 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 02 cathedra icms-rjcontacontabil
 

Mais de contacontabil (19)

500 questões concursos
500 questões concursos500 questões concursos
500 questões concursos
 
Contabilidade introdutoria exercicios
Contabilidade introdutoria   exerciciosContabilidade introdutoria   exercicios
Contabilidade introdutoria exercicios
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 07 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 07 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 07 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 07 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 03 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 03 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 03 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 03 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 01 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 01 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 01 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 01 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 06 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 06 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 06 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 06 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 04 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 04 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 04 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 04 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 02 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 02 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 02 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 02 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral indice
Exercicios resolvidos contabilidade geral   indiceExercicios resolvidos contabilidade geral   indice
Exercicios resolvidos contabilidade geral indice
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 09 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 09 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 09 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 09 cathedra icms-rj
 
Contabil diversas bancas
Contabil diversas bancasContabil diversas bancas
Contabil diversas bancas
 
Apostila cathedra contabilidade de custos
Apostila cathedra   contabilidade de custosApostila cathedra   contabilidade de custos
Apostila cathedra contabilidade de custos
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 10 e cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 10 e cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 10 e cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 10 e cathedra icms-rj
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 07 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 07 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 07 cathedra icms-rj
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 06 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 06 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 06 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 06 cathedra icms-rj
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 05 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 05 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 05 cathedra icms-rj
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 03 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 03 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 03 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 03 cathedra icms-rj
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 02 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 02 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 02 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 02 cathedra icms-rj
 

Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 14 cathedra

  • 1. Provas Selecionadas – Aula 14 CONTABILIDADE GERAL CATHEDRA COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS PROF. MORAES JR.
  • 2. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS Provas Selecionadas Prezados Alunos, Ao final de cada aula, disponibilizo as questões que serão comentadas durante a aula. Caso você julgue conveniente, poderá testar seu conhecimento previamente antes de ver os gabaritos e as resoluções comentadas. Você pode simular uma situação real de prova: para calcular o tempo de duração das provas, considere um tempo de 3 minutos por questão. Desta forma, utilizando esta metodologia, seu aprendizado será muito mais eficaz. Prova 14. Petrobrás – Profissional Júnior – Ciências Contábeis – 2008 - Cesgranrio Índice de questões por assunto: 322. Matemática Financeira 323. Matemática Financeira 324. Critérios de Avaliação do Passivo 325. Capital Social 326. Demonstração do Fluxo de Caixa 327. Demonstração do Fluxo de Caixa 328. Princípios Fundamentais da Contabilidade 329. Cisão 330. Consolidação das Demonstrações Contábeis 331. Análise das Demonstrações Contábeis 332. Análise das Demonstrações Contábeis 333. Análise das Demonstrações Contábeis 334. Análise das Demonstrações Contábeis 335. Análise das Demonstrações Contábeis 336. Operações com Mercadorias/Produtos 337. Operações com Mercadorias/Produtos 338. Contabilidade de Custos 339. Contabilidade de Custos 340. Contabilidade de Custos 341. Lucro Real 342. Lucro Real 343. Retenção na Fonte 344. ICMS substituição tributária 345. COFINS 346. Arrendamento 347. Arrendamento 348. Princípio da Oportunidade 349. Contabilidade Ambiental 350. Contabilidade Ambiental 351. Contabilidade Ambiental Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 2
  • 3. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 352. Demonstrações Contábeis Internacionais 353. FASB 354. Demonstrações Contábeis Internacionais 355. Demonstrações Contábeis Internacionais 356. Comitê Gestor de Convergência no Brasil 357. Governança Corporativa 358. Governança Corporativa 359. Governança Corporativa 360. Governança Corporativa 361. Auditoria 362. Auditoria 363. Auditoria 364. Auditoria 365. Auditoria 366. Auditoria Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 3
  • 4. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 Questões Comentadas e Resolvidas 322. Certo capital, aplicado por 10 meses, a uma taxa de 18% ao ano (juros simples), rende R$ 72.000,00 de juros. Este capital aplicado, em reais, é (A) 360.000,00 (B) 400.000,00 (C) 480.000,00 (D) 500.000,00 (E) 510.000,00 Resolução Questão de Matemática Financeira, que não faz parte do escopo do curso: Capital = C Período (n) = 10 meses Taxa de Juros Simples (i) = 18% ao ano Juros = R$ 72.000,00 Juros = C x i x n => 72.000 = C x 18% x (10/12) =>  C = 72.000/0,15 = 480.000 GABARITO: C 323. Um título de renda fixa deverá ser resgatado por R$ 10.000,00 no seu vencimento, que ocorrerá dentro de 3 meses. Sabendo-se que o rendimento desse título é de 1,25% ao mês (juros compostos), seu valor presente, em reais, é (A) 9.638,55 (B) 9.634,18 (C) 9.625,00 (D) 9.555,65 (E) 9.333,33 Resolução Montante = R$ 10.000,00 Período (n) = 3 meses Juros Compostos (i) = 1,25% ao mês Montante = Valor Presente x (1 + i) n => 10.000 = Valor Presente x (1,0125) 3 =>  Valor Presente = 10.000/1,01253 => Valor Presente = 9.634,18 GABARITO: B Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 4
  • 5. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 324. Nos termos da Lei no 6.404/76, com a nova redação dada pela Lei no 11.638/07, as obrigações, encargos e riscos classificados no Passivo Exigível a Longo Prazo serão ajustados a valor (A) atualizado pela inflação. (B) de custo ou mercado, o menor dos dois. (C) de mercado, somente. (D) de reposição. (E) presente. Resolução De acordo com o art. 184 da Lei da SA: Art. 184. No balanço, os elementos do passivo serão avaliados de acordo com os seguintes critérios: (...) III - as obrigações, encargos e riscos classificados no passivo não- circulante serão ajustados ao seu valor presente, sendo os demais ajustados quando houver efeito relevante. (Redação dada pela Medida Provisória nº 449, de 2008) GABARITO: E 325. Nos termos da Lei no 6.404/76, com a nova redação dada pela Lei n o 11.638/07, a conta do capital social discriminará o montante (A) autorizado e, por dedução, a parcela subscrita. (B) integralizado e o montante a integralizar. (C) integralizado em dinheiro. (D) subscrito, totalmente integralizado. (E) subscrito e, por dedução, a parcela ainda não realizada. Resolução De acordo com o art. 182 da Lei da SA: Art. 182. A conta do capital social discriminará o montante subscrito e, por dedução, a parcela ainda não realizada. GABARITO: E Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 5
  • 6. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 326. Na elaboração dos fluxos de caixa, o conceito de caixa é ampliado, envolvendo o caixa puro, dinheiro em mão e em conta corrente bancária e as aplicações em equivalentes de caixa. Como equivalentes de caixa podem ser consideradas as aplicações financeiras resgatáveis até (A) 3 meses da data da aplicação. (B) 3 meses da data da emissão. (C) 6 meses da data da aplicação. (D) 6 meses da data da emissão. (E) 12 meses da data da aplicação. Resolução Equivalentes de caixa: são aplicações financeiras de curto prazo (resgate em até 30 dias = liquidez imediata – De acordo com o FIPECAFI), de alta liquidez, que são prontamente conversíveis em um montante conhecido de caixa e que estão sujeitas a um insignificante risco de mudança de valor. Contudo, a questão considerou 3 meses da data da aplicação. GABARITO: A 327. As atividades operacionais inclusas na demonstração dos fluxos de caixa relacionam-se, normalmente, com as transações que aparecem na (A) avaliação periódica dos ativos de longo prazo que a empresa utiliza para produzir bens e serviços. (B) demonstração do valor adicionado. (C) demonstração de resultados. (D) operação de empréstimo de credores e investidores da entidade. (E) obtenção de recursos dos donos e no pagamento a eles do retorno sobre seus investimentos. Resolução Fluxo das Atividades Operacionais (FAO) Entradas: - Recebimentos de clientes - Recebimento de vendas à vista de bens e serviços. - Descontos de duplicatas emitidas em venda a prazo (também pode ser classificado como atividade de financiamento). Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 6
  • 7. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 - Recebimento de dividendos de participação no capital de outras sociedades (também pode ser classificado como atividade de investimento). - Recebimento de juros de empréstimos concedidos (também pode ser classificado com atividade de investimento). - Recebimentos diversos (aluguéis de imóveis, recebimento de seguradoras referente a sinistro em estoques, etc). Saídas: - Pagamentos a fornecedores - Pagamento de salários a funcionários - Pagamento de tributos e multas - Pagamento de juros de empréstimos obtidos (também pode ser classificado como atividade de financiamento). Logo, as atividades operacionais inclusas na demonstração dos fluxos de caixa relacionam-se, normalmente, com as transações que aparecem na demonstração de resultados. GABARITO: C 328. O Manual de Contabilidade classifica os Princípios (Conceitos) Fundamentais de Contabilidade, em 3 categorias: • postulados ambientais da contabilidade; • princípios contábeis propriamente ditos; • restrições dos princípios contábeis fundamentais – Convenções. Os princípios contábeis propriamente ditos são: (A) Entidade, Continuidade, Custo como base de valor, Oportunidade. (B) Custo como base de valor, Denominador comum monetário, Realização da receita, Confronto das despesas com as receitas e com os períodos contábeis. (C) Objetividade, Confronto das despesas com as receitas e com os períodos contábeis, Conservadorismo, Competência. (D) Materialidade, Custo como base de valor, Objetividade e Prudência. (E) Consistência, Receitas reconhecidas proporcionalmente ao período de tempo, Objetividade, Denominador comum monetário. Resolução O artigo 3o da Resolução no 750/93 enumera os princípios fundamentais, conforme descrito abaixo: Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 7
  • 8. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 Art. 3º São Princípios Fundamentais de Contabilidade: I) o da ENTIDADE; II) o da CONTINUIDADE; III) o da OPORTUNIDADE; IV) o do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL; V) o da ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA; VI) o da COMPETÊNCIA; e VII) o da PRUDÊNCIA. GABARITO: A 329. A operação pela qual, com a extinção de uma Companhia, são transferidas parcelas de seu patrimônio para uma ou mais sociedades, constituídas para esse fim ou já existentes, é a operação de (A) cisão total. (B) cisão parcial. (C) fusão. (D) transformação. (E) incorporação. Resolução Cisão Operação pela qual uma companhia (cindida) transfere parcelas de seu patrimônio para uma ou mais sociedades, as quais podem já existir ou ser criadas precipuamente para este fim. A cisão pode ser total, quando houver a versão de todo o patrimônio da sociedade cindida (que se extinguirá) ou parcial, quando apenas parte do patrimônio é vertido para as outras sociedades e a personalidade jurídica da companhia cindida subsiste. GABARITO: A Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 8
  • 9. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 330. Em 20.12.07, a controladora Alfa vendeu mercadorias à vista, por R$ 50.000,00, para a controlada Beta, que as revendeu para terceiros, por R$ 70.000,00, sendo R$ 45.000,00 à vista e R$ 25.000,00, a prazo. Sabe-se que: • o custo das mercadorias vendidas pela controladora foi R$ 35.000,00; • nenhuma outra venda foi realizada pela controladora para a controlada. Na consolidação, a eliminação a ser feita na Demonstração do Resultado do Exercício de 2007, em reais, é (A) Custo das Mercadorias Vendidas 20.000,00 a Vendas 20.000,00 (B) Duplicatas a Receber 45.000,00 a Fornecedores 45.000,00 (C) Vendas 25.000,00 a Clientes 25.000,00 (D) Vendas 35.000,00 a Custo das Mercadorias Vendidas 35.000,00 (E) Vendas 50.000,00 a Custo das Mercadorias Vendidas 50.000,00 Resolução Na consolidação de balanços, deve ser eliminado o valor da transação entre as companhias controladora e controlada: Vendas (controlada Beta) a Custo das Mercadorias Vendidas (controladora Alfa) 50.000,00 GABARITO: E Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 9
  • 10. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 Considere as informações a seguir para responder às questões de nos 331 e 332. Saldo das contas, retirado do Balanço Patrimonial/2007 da Companhia Amigos S/A: Em reais Duplicatas a Receber 500.000,00 Duplicatas Descontadas 150.000,00 Fornecedores 220.000,00 Empréstimos Bancários de Curto Prazo 80.000,00 Empréstimos Bancários de Longo Prazo 100.000,00 Total do Passivo mais Patrimônio Líquido 800.000,00 331. Considerando, exclusivamente, os dados informados, o grau de dependência dos Bancos no financiamento dos investimentos totais, pelas instituições de crédito, é (A) 22,50% (B) 41,25% (C) 43,75% (D) 50,00% (E) 68,75% Resolução Investimentos Totais = Total do Ativo = Total do Passivo + PL = 800.000 Financiamentos Bancários Empréstimos Bancários de Curso Prazo 80.000 Empréstimos Bancários de Longo Prazo 100.000 Duplicatas Descontadas 150.000 Financiamentos Bancários 330.000 Financiamentos Bancários/Investimentos Totais = 330.000/800.000  Financiamentos Bancários/Investimentos Totais = 41,25% GABARITO: B Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 10
  • 11. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 332. Considerando, exclusivamente, os dados informados, o nível de desconto de duplicatas é (A) 18,75% (B) 23,08% (C) 30,00% (D) 42,86% (E) 45,45% Resolução Duplicatas Descontadas/Duplicatas a Receber = 150.000/500.000  Duplicatas Descontadas/Duplicatas a Receber = 30,00% GABARITO: C Considere as informações a seguir para responder às questões de nos 333 a 335. A Companhia Irmãos Flores S/A apresentou as seguintes informações relativas ao exercício social encerrado em 31.12.2007: Em reais Capital Social Realizado 8.000.000,00 Patrimônio Líquido 10.800.000,00 Lucro Líquido do Exercício 1.600.000,00 Ações Ordinárias 600.000 Ações Preferenciais 400.000 Dividendos Propostos 480.000,00 Cotação Média das Ações 6,40 333. Considerando, exclusivamente, as informações recebidas, a representatividade de cada ação (valor patrimonial), em reais, é (A) 1,60 (B) 8,00 (C) 10,80 (D) 18,00 (E) 27,00 Resolução Total das Ações = 400.000 + 600.000 = 1.000.000 Valor Patrimonial das Ações = Patrimônio Líquido/Total de Ações => Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 11
  • 12. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08  Valor Patrimonial das Ações = 10.800.000/1.000.000 = R$ 10,80 GABARITO: C 334. Admita que o lucro por ação, apurado em 2007, seja mantido por vários exercícios. Considerando tal condição (manutenção do lucro por ação), quantos anos serão necessários para que o investidor tenha o retorno do capital aplicado na Companhia? (A) 4 (B) 5 (C) 6 (D) 8 (E) 10 Resolução I – Lucro por ação em 2007: Lucro por Ação = Lucro Líquido do Exercício/Total de Ações =>  Lucro por Ação = 1.600.000/1.000.000 = 1,6 II – Retorno do Capital Aplicado: manutenção do lucro por ação Retorno do Capital Aplicado = Valor de Mercado das Ações/Lucro por Ação  Retorno do Capital Aplicado = 6,4/1,6 = 4 anos GABARITO: A 335. O retorno de caixa a ser efetivamente embolsado pelo acionista, referente a 2007, em percentual, é (A) 4,80% (B) 6,00% (C) 6,40% (D) 7,50% (E) 20,00% Resolução I – Dividendo por Ação: Dividendo por Ação = Dividendos Propostos/Total de Ações =>  Dividendo por Ação = 480.000/1.000.000 = 0,48 Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 12
  • 13. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 II – Retorno de caixa a ser efetivamente embolsado pelo acionista: Retorno de Caixa = Dividendo por Ação/Valor de Mercado das Ações =>  Retorno de Caixa = 0,48/6,4 = 0,075 = 7,5% GABARITO: D Considere as informações a seguir para responder às questões de nos 336 e 337. A Indústria Natividade apresentou informações sobre a movimentação de materiais diretos, num determinado período produtivo, conforme tabela a seguir. Informações adicionais: • os preços apresentados são líquidos (sem impostos), e em reais; • não há estoque anterior de materiais diretos. 336. Admitindo-se que a Indústria Natividade utilize o critério de avaliação de estoque pelo preço médio ponderado fixo, o custo dos materiais diretos utilizados pela indústria, nesse período produtivo, em reais, é (A) 234.000,00 (B) 235.400,00 (C) 236.000,00 (D) 239.000,00 (E) 239.040,00 Resolução Média Ponderada Fixa: é utilizada no inventário periódico e calculada com base nas mercadorias existentes em estoque no período considerado para o cálculo da média, ou seja, são computadas na média ponderada fixa inclusive as mercadorias que já tenham sido vendidas no momento do cálculo da média. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 13
  • 14. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 Média Ponderada Fixa = (2.000 x 23 + 4.000 x 26 + 6.500 x 28)/(2.000 + 4.000 + 6.500) Média Ponderada Fixa = 332.000/12.500 = 26,56 Custo dos Materiais Diretos Utilizados = (5.000 + 4.000) x 26,56 =>  Custo dos Materiais Diretos Utilizados = 239.040 GABARITO: E 337. Se a Indústria Natividade adotar, na sua avaliação, o critério UEPS, o valor do estoque de materiais diretos, ao final do período produtivo, em reais, é (A) 92.960,00 (B) 93.000,00 (C) 96.000,00 (D) 96.600,00 (E) 98.000,00 Resolução UEPS ou LIFO (Último que Entra é o Primeiro que Sai, Last-In-First-Out): ao contrário do método PEPS, dá-se primeiro a saída das mercadorias mais recentes, ou seja, das últimas mercadorias que foram adquiridas. UEPS: Dia 10: Compras = 2.000 kg x R$ 23,00 Dia 16: Compras = 4.000 kg x R$ 26,00 Dia 18: Venda = 5.000 kg consumidos Saída = 4.000 kg x R$ 26,00 + 1.000 kg x R$ 23,00 Saldo no Estoque = 1.000 kg x 23 kg Dia 25: Compras = 6.500 kg x R$ 28,00 Saldo no Estoque = 1.000 kg x R$ 23,00 + 6.500 kg x R$ 28,00 Dia 28: Venda = 4.000 kg consumidos Saída = 4.000 kg x R$ 28,00 Saldo no Estoque = 1.000 kg x R$ 23,00 + 2.500 kg x R$ 28,00 Saldo no Estoque = R$ 23.000,00 + R$ 70.000,00 = R$ 93.000,00 GABARITO: B Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 14
  • 15. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 Considere as informações a seguir para responder às questões de nos 338 e 339. A Indústria Cocada apresentou as informações a seguir, relativas à produção de cada unidade dos três produtos de sua linha de produção. Informações adicionais: • os custos fixos do período alcançaram o total de 450.000,00; • a indústria rateia os custos fixos pelo consumo total de matéria-prima. 338. Admita que toda a produção tenha sido vendida. O lucro relativo ao produto B, pelo critério de custeio por absorção, em reais, foi (A) 30.000,00 (B) 300.000,00 (C) 480.000,00 (D) 960.000,00 (E) 1.200.000,00 Resolução I – Rateio dos custos fixos pelo consumo total de matéria-prima: Consumo de Matéria-Prima: Matéria-Prima (A) = 50 x 6.000 = 300.000 Matéria-Prima (B) = 20 x 12.000 = 240.000 Matéria-Prima (C) = 30 x 2.000 = 60.000 Consumo Total de Matéria-Prima = 600.000 Custo Fixo (B) = (240.000/600.000) x 450.000 = 180.000 II – Cálculo do lucro relativo ao produto “B”: Custo Total (B) = Custos Variáveis + Custos Fixos =>  Custo Total (B) = (20 + 40) x 12.000 + 180.000 = 900.000 Receita de Vendas (B) = Preço de Venda x Quantidade Vendida =>  Receita de Vendas (B) = 100 x 12.000 = 1.200.000 Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 15
  • 16. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 Lucro (B) = 1.200.000 – 900.000 = 300.000 GABARITO: B 339. Considerando-se o critério de custeio variável, a margem de contribuição unitária referente ao produto C, em reais, é (A) 30,00 (B) 37,50 (C) 42,50 (D) 53,25 (E) 60,00 Resolução Margem de Contribuição Unitária = MCu = PVu – CVu Margem de Contribuição Total: corresponde à diferença entre a receita total e os custos variáveis totais, ou seja, mostra o quanto sobra de receitas para cobrir os custos fixos. Preço de Venda Unitário (C) = 150 Custos Variáveis Unitários (C) = Matéria-Prima + MOD = 30 + 60 = 90 MCu = 150 – 90 = 60 GABARITO: E Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 16
  • 17. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 340. A Indústria de Pregos Mangaba apresentou as seguintes informações de um dos produtos de sua linha: Admita que a Mangaba utilize, na análise de seus produtos, o custeio variável. O volume físico de vendas necessário para que o resultado da indústria seja nulo, em unidades do produto, é (A) 264 (B) 540 (C) 576 (D) 787 (E) 840 Resolução Custeio Direto ou Variável O custeio direto ou variável corresponde ao método de apropriação de custos que consiste em apropriar aos produtos apenas os custos variáveis (neste caso, custos ou despesas variáveis). Os custos fixos, neste método de custeio são considerados despesas e são lançados diretamente em conta de resultado, visto que, eles existem independentemente se houver produção ou não. Logo, não são considerados custos de produção e sim despesas, sendo encerrados diretamente em conta de resultado. Há que se ressaltar que este método de custeio é vedado pela legislação do imposto de renda. Contudo, é considerado o método mais adequado ao processo de tomada de decisão da administração da empresa. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 17
  • 18. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 Apuração da produção acabada, dos produtos em elaboração e dos produtos vendidos: Estoque inicial de insumos (+) Custo de Aquisição das compras de insumos (matéria-prima, material secundário e embalagens) (-) Estoque final de insumos (=) Insumos Consumidos (+) Outros Custos Variáveis (+) Estoque inicial de produtos em elaboração (-) Estoque final de produtos em elaboração (=) Custo da Produção Acabada (+) Estoque inicial de produtos acabados (-) Estoque final de produtos acabados Custo dos Produtos Vendidos (CPV) Apuração do Resultado Faturamento (-) Imposto sobre Produtos Industrializados (=) Receita Operacional Bruta (-) Deduções da Receita Bruta (*) (=) Receita Líquida (-) Custo dos Produtos Vendidos (=) Margem de Contribuição (-) Custos Fixos (-) Despesas Fixas (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Vamos à resolução da questão: Resultado Nulo: Receitas = Despesas + Custos Preço de Venda = 150.000/1.500 = 100 Matéria-Prima Consumida por Unidade = 30.000/1.500 = 20 Mão-de-obra direta por Unidade = 24.000/1.500 = 16 Custos Indiretos Fixos = 34.560 Despesas Indiretas Fixas = 15.840 Despesas Indiretas Variáveis por Unidade = 6.000/1.500 = 4 Custo dos Produtos Vendidos = Custos Variáveis + Despesas Variáveis =>  CPV = 20 x Q + 16 x Q + 4 x Q = 40 x Q Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 18
  • 19. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 Receita de Vendas 100 x Q (-) CPV (40 x Q) (=) Margem de Contribuição 60 x Q (-) Custos Fixos (34.560) (-) Despesas Fixas (15.840) Resultado do Período 0 => 60 x Q – 34.560 – 15.840 = 0 => 60 x Q = 50.400 => Q = 840 GABARITO: E 341. A Demonstração do Resultado do Exercício apresenta, resumidamente, as operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, de forma a destacar o resultado líquido, apurado pelo confronto de receitas, custos e despesas operacionais e não operacionais relativas a esse mesmo exercício social. A legislação fiscal, por sua vez, tem uma maneira específica para apurar o lucro fiscal (tributável), que servirá de base para exigir os tributos. Nos termos da legislação fiscal, o lucro fiscal (tributável) é estabelecido pelo lucro (A) contábil (menos) imposto de renda (mais) adições (menos) exclusões. (B) contábil (menos) imposto de renda (menos) contribuição social sobre o lucro (mais) adições (menos) exclusões. (C) antes do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro líquido (mais) adições (menos) exclusões (mais) lucros fiscais. (D) antes do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro (mais) adições (menos) exclusões (menos) compensação de prejuízos fiscais. (E) antes do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro líquido (mais) adições (menos) exclusões (menos) compensação de prejuízos fiscais (mais) participações e contribuições. Resolução Lucro Real = Lucro Antes do Imposto de Renda + Adições – Exclusões – Compensações Adições As adições ao lucro líquido do período para a determinação do lucro real são ajustes que têm a finalidade de aumentar a base de cálculo do imposto. Exemplos: - CSLL; - Despesas com Multas; - Despesas com Provisões, exceto as Despesas com Provisão para o 13 o Salário e as Despesas com Provisão para Férias; Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 19
  • 20. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 - Despesa de Equivalência Patrimonial; - Despesas com Alimentação dos Sócios, Acionistas e Administradores; - Despesas com Brindes; - Parcela Realizada das Reservas de Reavaliação; - Depreciação de Bens Tangíveis do Ativo Permanente Investimentos; - Excesso de Juros sobre o Capital Próprio; - Entre outras. Exclusões As exclusões são ajustes que têm por finalidade reduzir a base de cálculo do imposto. Exemplos: Receitas Não Tributáveis, tais como: - Receita de Equivalência Patrimonial - Receita de Dividendos - Reversão de Provisões Indedutíveis - Benefícios de Depreciação, Amortização e Exaustão Acelerada Incentivada - Juros sobre o Capital Próprio Compensações As compensações referem-se, primordialmente, ao saldo de prejuízo fiscal de períodos anteriores, que diminuirá a base de cálculo do imposto de renda, respectivamente, em períodos futuros, até zerar este saldo. Contudo, há uma limitação importante: o saldo de prejuízo fiscal apurado em períodos anteriores que será compensado está limitado a 30% (trinta por cento) do lucro líquido ajustado pelas adições e exclusões. GABARITO: D Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 20
  • 21. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 342. Uma empresa comercial é tributada com base no lucro real, apura o lucro real anual e faz o recolhimento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), com antecipações mensais, sobre base de cálculo apurada por estimativa. Integra essa base de cálculo o valor correspondente a 12% da receita bruta mensal. Dessa receita bruta mensal, além dos impostos não cumulativos cobrados destacadamente do comprador, dos quais o vendedor dos bens ou prestador de serviços seja mero depositário, deverão ser excluídas(os), igualmente, as(os) (A) vendas canceladas, as devoluções de vendas e os descontos incondicionais concedidos. (B) vendas canceladas, os descontos condicionais concedidos e os abatimentos sobre vendas. (C) devoluções de vendas, os descontos incondicionais concedidos e os abatimentos sobre vendas. (D) devoluções de vendas, os descontos condicionais concedidos e os abatimentos sobre vendas. (E) descontos incondicionais concedidos, a devolução de vendas e os descontos financeiros concedidos. Resolução De acordo com o Regulamento do Imposto de Renda, utiliza-se a receita bruta como base de cálculo. De acordo com o art. 224: Art. 224. A receita bruta das vendas e serviços compreende o produto da venda de bens nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado auferido nas operações de conta alheia (Lei nº 8.981, de 1995, art. 31). Parágrafo único. Na receita bruta não se incluem as vendas canceladas, os descontos incondicionais concedidos e os impostos não cumulativos cobrados destacadamente do comprador ou contratante dos quais o vendedor dos bens ou o prestador dos serviços seja mero depositário (Lei nº 8.981, de 1995, art. 31, parágrafo único). Nota: Na receita bruta se inclui o ICMS e deverão ser excluídas as vendas canceladas, os descontos incondicionais concedidos e os impostos não cumulativos cobrados destacadamente do comprador, dos quais o vendedor ou prestador é mero depositário (exemplo: IPI) GABARITO: A Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 21
  • 22. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 343. O pagamento feito por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas de serviços de natureza profissional deve sofrer retenção na fonte, em geral, de 1,5%, mas existem alguns desses serviços que estão sujeitos a retenção menor. Considere os seguintes serviços: I - locação de mão-de-obra; II - limpeza; III - conservação; IV - manutenção; V - vigilância; VI - segurança. No pagamento feito por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas, são serviços sujeitos à retenção na fonte de 1%, APENAS: (A) I, II, IV e V (B) I, IV, V e VI (C) II, III, IV e V (D) I, II, III, V e VI (E) II, III, IV, V e VI Resolução De acordo com o art. 649, do Decreto 3.000/99 – Regulamento do Imposto de Renda (RIR/99), estão sujeitas à incidência do IR-Fonte à alíquota de 1% (um por cento), as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas, referentes a: I - prestação de serviços de limpeza e conservação de bens imóveis, exceto reformas e obras assemelhadas; II - prestação de serviços de segurança e vigilância; III - locação de mão-de-obra de empregados da locadora colocados a serviço da locatária, pessoas jurídicas, em local por esta determinado. GABARITO: D Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 22
  • 23. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 344. Na maioria das vezes, a principal característica do ICMS substituição tributária é (A) centralizar o controle do imposto nas operações concomitantes. (B) postergar a cobrança do imposto de pequenos comerciantes. (C) reter o imposto pelo fabricante, no momento da venda para o distribuidor ou comércio varejista. (D) alcançar apenas mercadorias de grande valor e de pequeno consumo, simplificando o processo de tributação e fiscalização. (E) agilizar a fiscalização da cobrança com a centralização de maior número de agentes. Resolução Na maioria das vezes, a principal característica do ICMS substituição tributária é reter o imposto pelo fabricante, no momento da venda para o distribuidor ou comércio varejista. GABARITO: C 345. Nas importações de bens, a base de cálculo do COFINS é formada pela base de cálculo do imposto de importação (A) (menos) imposto de importação. (B) (menos) imposto de importação e (mais) ICMS. (C) (menos) imposto de importação, (menos) ICMS e (menos) COFINS. (D) (mais) imposto de importação, (menos) ICMS e (mais) COFINS. (E) (mais) imposto de importação, (mais) ICMS e (mais) COFINS. Resolução Cálculo do PIS/Cofins: BC = BC II (Base de Cálculo do Imposto de Importação) (+) II (Imposto de Importação) (+) ICMS (+) PIS/Cofins GABARITO: E Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 23
  • 24. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 346. O arrendamento (leasing) financeiro tem como característica ser um (A) contrato de curta duração no qual o proprietário do bem vende seu ativo e o arrenda de volta, permitindo à empresa levantar capital para outras finalidades e continuar a utilizar o ativo. (B) contrato firmado em médio prazo, no qual os reparos e manutenção são de responsabilidade do arrendador, mas passível de cancelamento por opção do arrendatário. (C) contrato de longa duração entre o arrendador e o arrendatário, em que este último é responsável pela manutenção e reparos, em que o ativo costuma ser amortizado totalmente, e o contrato não pode ser cancelado. (D) financiamento de longo prazo no qual o bem fica em regime de consignação com o arrendatário, que não pode cancelar o contrato, em que a responsabilidade de manutenção e reparos é do arrendador, e em que o arrendatário pode adquirir o bem, caso exerça sua opção de compra. (E) financiamento rígido, que permite a programação financeira de desembolsos de caixa e o registro como despesas nos resultados do arrendador, o qual assume a responsabilidade de manutenção e reparos durante o período do contrato. Resolução A classificação de um arrendamento mercantil como arrendamento mercantil financeiro ou arrendamento mercantil operacional depende da essência da transação e não da forma do contrato. Exemplos de situações que individualmente ou em conjunto levariam normalmente a que um arrendamento mercantil fosse classificado como arrendamento mercantil financeiro são: - o arrendamento mercantil transfere a propriedade do ativo para o arrendatário no fim do prazo do arrendamento mercantil; - o arrendatário tem a opção de comprar o ativo por um preço que se espera seja suficientemente mais baixo do que o valor justo à data em que a opção se torne exercível de forma que, no início do arrendamento mercantil, seja razoavelmente certo que a opção será exercida; - o prazo do arrendamento mercantil refere-se à maior parte da vida econômica do ativo mesmo que a propriedade não seja transferida; - no início do arrendamento mercantil, o valor presente dos pagamentos mínimos do arrendamento mercantil totaliza pelo menos substancialmente todo o valor justo do ativo arrendado; e Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 24
  • 25. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 - os ativos arrendados são de natureza especializada de tal forma que apenas o arrendatário pode usá-los sem grandes modificações. O arrendamento (leasing) financeiro tem como característica ser um contrato de longa duração entre o arrendador e o arrendatário, em que este último é responsável pela manutenção e reparos, em que o ativo costuma ser amortizado totalmente, e o contrato não pode ser cancelado. GABARITO: C 347. Na visão de Gitman (Princípios de Administração Financeira, 2006) o arrendamento (leasing) operacional é mais eficiente quando realizado para ativos de vida útil de curta duração. Seguindo essa orientação, dentre as opções abaixo, o arrendamento operacional seria mais eficiente se aplicado sobre (A) sistemas de computação. (B) máquinas e equipamentos. (C) móveis e utensílios. (D) peças e conjuntos de reposição. (E) ferramentas. Resolução Arrendamento mercantil operacional Os pagamentos da prestação do arrendamento mercantil (excluindo os custos de serviços tais como seguro e manutenção) segundo um arrendamento mercantil operacional devem ser reconhecidos como despesa em base linear durante o prazo do arrendamento mercantil, exceto se outra base sistemática for mais representativa do modelo temporal do benefício do usuário. Para os arrendamentos mercantis operacionais, os pagamentos da prestação são reconhecidos como despesa em base linear, salvo se outra base sistemática for representativa do modelo temporal do benefício do usuário, mesmo que tais pagamentos não sejam feitos nessa base. O arrendamento operacional seria mais eficiente se aplicado sobre sistemas de computação. GABARITO: A Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 25
  • 26. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 348. Sob o enfoque humano, o princípio fundamental de contabilidade da oportunidade aplicado à contabilidade ambiental indica que (A) é focado na indeterminação do prazo, prevendo o crescimento da entidade, sendo que seus gestores devem fazê-la crescer, produzir mais, ganhar mais mercado, e a falta de limites deve ser encarada, do ponto de vista ambiental, com restrições, pois os recursos naturais são finitos. (B) informações ambientais devem ser registradas e disponibilizadas no tempo oportuno para permitir ação ambiental de preservação do meio ambiente, refletindo a integridade do patrimônio da entidade e suas mutações relativas aos impactos ambientais. (C) os fatos geradores relacionados ao meio ambiente, que resultarem em receitas ou despesas, devem ser incluídos na apuração dos resultados no período em que ocorrerem. (D) os impactos ambientais devem ser registrados pelos valores das transações, expressos a valor presente da moeda do país. (E) o reconhecimento da alteração do poder aquisitivo da moeda nacional é fundamental quando se trata de registro de eventos econômicos que afetem o meio ambiente, isso porque as questões ambientais são, na maioria das vezes, questões que envolvem vários exercícios sociais. Resolução Princípios: Entidade Contábil - o princípio contábil da entidade é aderente ao princípio do poluidor pagador, tão importante para os ecologistas: quem polui deve pagar pela poluição que causa. Respeitar a entidade contábil permite a internalização das externalidades ambientais. Continuidade - focada na continuidade dos recursos naturais à disposição da entidade. O postulado da continuidade prevê o crescimento da entidade; seus gestores devem fazê-la crescer, produzir mais, ganhar mais mercado; entretanto esta continuidade sem limites deve ser encarada, do ponto de vista ambiental, com restrições, pois os recursos naturais são finitos. O crescimento desenfreado levara ao esgotamento dos recursos naturais indispensáveis à vida humana, a continuidade então, do ponto de vista da contabilidade ambiental está obrigatoriamente ligada ao uso limitado dos fatores de produção nos casos em que exista a possibilidade de seu esgotamento. Oportunidade - as informações ambientais devem ser registradas e disponibilizadas no tempo oportuno para permitir ação ambiental de preservação do meio ambiente, refletindo a integridade do patrimônio da entidade e suas mutações relativas aos impactos ambientais. Registro pelo Valor Original - os impactos ambientais devem ser registrados pelos valores originais das transações, expressos a valor presente na moeda do país. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 26
  • 27. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 Atualização Monetária - o reconhecimento da alteração do poder aquisitivo da moeda nacional é fundamental quando se tratar do registro de eventos econômicos que afetem o meio ambiente, isso porque as questões ambientais são, na maioria das vezes, questões que envolvem vários exercícios sociais. Portanto é fundamental o reconhecimento da variação do poder aquisitivo da moeda. Competência - os fatos geradores relacionados ao meio ambiente que resultarem em receitas ou despesas devem ser incluídos na apuração dos resultados no período em que ocorrerem. Prudência - em termos de meio ambiente, deve-se considerar como a condição para o reconhecimento dos riscos relativos ao meio ambiente que colocam em risco o patrimônio da entidade. Confronto - aplicada ao aspecto ambiental essa regra obriga que sejam reconhecidos também os custos e despesas com o meio ambiente que foram necessários para obtenção da receita. A venda de um produto deve ser reconhecida no mesmo momento que o custo de degradação causado para produzir este mesmo produto. Objetividade - para atender este princípio é necessário que seja possível medir fisicamente os impactos ambientais e depois seus efeitos. Materialidade - serão definidos como materiais os impactos ambientais cujos efeitos puderem ser percebidos de forma aparente e forem economicamente mensuráveis, a partir da proporção da poluição total medida fisicamente, em relação à medida individual do evento em si. Evidenciação - é uma prestação de contas à sociedade de como o meio ambiente está sendo afetado pela gestão de determinada empresa. Fato Gerador - todo o evento que modifique o patrimônio deve ser reconhecido no momento em que ocorre. Caso seja impossível determinar precisamente seu valor, devemos estimá-lo com razoável grau de acurácia; se não pudermos estimá-lo, devemos, pelo menos evidenciá-lo em notas explicativas. GABARITO: B Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 27
  • 28. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 349. Sob o enfoque de Contabilidade Ambiental, a evidenciação apresenta a (A) possibilidade de medir fisicamente os impactos ambientais e depois seus efeitos, não sendo possível, sem isso, preservar a natureza. (B) ordem de grandeza dos impactos ambientais cujos efeitos puderem ser percebidos de forma aparente, e forem economicamente mensuráveis, a partir da proporção da poluição total medida fisicamente, em relação à medida individual do evento em si. (C) informação necessária para a operação ótima de um eficiente mercado de capitais, implica que suficiente informação deveria ser apresentada para permitir a previsão da tendência futura, sendo também uma prestação de contas à sociedade de como o meio ambiente está sendo afetado pela gestão ambiental de determinada empresa. (D) necessidade de reconhecimento dos custos e despesas com o meio ambiente que foram necessários para a obtenção da receita, sendo que a venda de um produto deve ser reconhecida, no mesmo momento do custo da degradação causada para produzir esse mesmo produto. (E) importância de destacar o entendimento da ocorrência para a Contabilidade Ambiental e de que forma o evento pode modificar o patrimônio da entidade em relação ao meio ambiente, a ser reconhecido no momento em que ocorre. Resolução Sob o enfoque de Contabilidade Ambiental, a evidenciação apresenta a informação necessária para a operação ótima de um eficiente mercado de capitais, implica que suficiente informação deveria ser apresentada para permitir a previsão da tendência futura, sendo também uma prestação de contas à sociedade de como o meio ambiente está sendo afetado pela gestão ambiental de determinada empresa. GABARITO: C 350. O livro Contabilidade Ambiental (Ferreira, Aracéli, 2006), no capítulo 5 – Contabilidade Gerencial Ambiental, apresenta as atividades operacionais, assim se manifestando sobre uma dessas mesmas atividades. “Seu objetivo é colocar o ambiente em condições iguais ou próximas daquelas que ele tinha antes da degradação ocorrer.” A afirmativa refere-se à atividade da gestão ambiental de (A) prevenção. (B) produção. (C) reciclagem. (D) recuperação. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 28
  • 29. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 (E) tratamento. Resolução O modelo de gestão foi desenvolvido de modo a atender às necessidades básicas de informação das três atividades principais da gestão ambiental - Prevenção, Recuperação, Reciclagem e também da atividade de Produção, no que dia respeito ao meio ambiente. Atividade de Prevenção: proteger o meio ambiente da ação da poluição pode requerer gastos em insumos que irão gerar benefícios em períodos futuros, os chamados investimentos e também gastos em insumos cujos benefícios esperados devem ocorrer no momento de seu consumo, as despesas. Atividade de Recuperação: a recuperação do meio ambiente dá-se sobre a degradação ocorrida. Seu objetivo é colocar o ambiente em condições iguais ou próximas daquelas que ele tinha antes de a degradação ocorrer. Atividade de Reciclagem: a reciclagem tem por objetivo permitir que resíduos de matéria-prima ou outros materiais utilizados no processamento específico, ser utilizados novamente. Atividade de Produção: ao produzir bens e serviços, esta atividade gera também, e ao mesmo tempo, um impacto ambiental negativo representado pela poluição. Esse impacto é reconhecido por esse modelo como um evento econômico- ambiental denominado Degradação Produzida. GABARITO: D 351. Analise as seguintes situações, sob o enfoque ambiental: I - avaliação do grau dos impactos ambientais; II - geração e distribuição de riqueza; III - identificação de responsabilidades; IV - interação da entidade com o ambiente externo. Dentre as situações acima, podem ser consideradas como elementos da auditoria ambiental, APENAS, a (A) I e a II. (B) I e a III. (C) II e a III. (D) II e a IV. (E) III e a IV. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 29
  • 30. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 Resolução Elementos da Auditoria Ambiental: I - avaliação do grau dos impactos ambientais; III - identificação de responsabilidades; GABARITO: B 352. Um dos fatores que demonstram grandes diferenças entre os países, em relação aos sistemas contábeis por eles praticados, é a legislação tributária. Os países em que as demonstrações contábeis (financial reporting) se destinam a atender tanto a propósitos fiscais como a objetivos específicos de usuários externos são: (A) Grã-Bretanha, Holanda e Suíça. (B) Alemanha, Áustria e França. (C) Suécia, Dinamarca e Islândia. (D) Espanha, Portugal e Austrália. (E) Estados Unidos, Irlanda e Canadá. Resolução Os países em que as demonstrações contábeis (financial reporting) se destinam a atender tanto a propósitos fiscais como a objetivos específicos de usuários externos são: Alemanha, Áustria e França. GABARITO: B 353. Nos Estados Unidos da América, a regulamentação e a normatização de matéria contábil estão sob a responsabilidade de um organismo do setor privado – FASB – Financial Accounting Standards Board, mas a edição de padrões contábeis é sustentada pelo(a) (A) FED – Federal Reserve Bank. (B) ASEC – Accounting Standards Executive Committee. (C) SEC – Securities and Exchange Commission. (D) FIA – Federal International Accountants. (E) AICPA – American Institute of Certified Public Accountants. Resolução A edição de padrões contábeis é sustentada pelo SEC – Securities and Exchange Commission. GABARITO: C Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 30
  • 31. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 354. As tentativas para classificar os países, ou grupos de países, de acordo com seus sistemas contábeis, têm revelado um alto grau de dificuldade. Entretanto, a maioria dos autores e estudiosos de sistemas contábeis destaca a existência de dois grandes grupos distintos: o modelo anglo-saxão e o modelo continental. Para essa classificação, as principais características do modelo anglo-saxão são a existência de uma (A) profissão contábil forte e atuante; sólido mercado de capitais como fonte de captação de recursos; pouca interferência governamental na definição de práticas contábeis; e demonstrações financeiras que buscam atender, em primeiro lugar, aos investidores. (B) profissão contábil forte e atuante; sólido mercado de capitais como fonte de captação de recursos; forte interferência governamental no estabelecimento de padrões contábeis, notadamente, de natureza fiscal; e demonstrações financeiras que buscam atender, primeiramente, aos credores. (C) profissão contábil forte e atuante; importância de Bancos e outras instituições financeiras como provedores dos recursos; forte interferência governamental no estabelecimento de padrões contábeis, notadamente, de natureza fiscal; e demonstrações financeiras voltadas, em primeiro lugar, para o governo. (D) profissão contábil fraca e pouco atuante; sólido mercado de capitais como fonte de captação de recursos; forte interferência governamental no estabelecimento de padrões contábeis, notadamente, de natureza fiscal; e demonstrações financeiras voltadas, em primeiro lugar, para os investidores. (E) profissão contábil fraca e pouco atuante; uso de Bancos e instituições financeiras como fonte de captação de recursos; pouca interferência governamental na definição de práticas contábeis; e demonstrações financeiras voltadas, em primeiro lugar, para os administradores. Resolução Principais características do modelo anglo-saxão: - existência de uma profissão contábil forte e atuante; - sólido mercado de capitais como fonte de captação de recursos; - pouca interferência governamental na definição de práticas contábeis; e - demonstrações financeiras que buscam atender, em primeiro lugar, aos investidores. GABARITO: A Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 31
  • 32. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 355. No entendimento de autores e pensadores da Contabilidade, a principal razão para haver a harmonização dos padrões contábeis internacionais é (A) padronizar os procedimentos contábeis de forma universal. (B) reduzir custos por permitir registros únicos em vários países. (C) permitir a comparabilidade das informações. (D) unificar os impostos cobrados nos diversos países. (E) unificar os princípios fundamentais de contabilidade. Resolução A principal razão para haver a harmonização dos padrões contábeis internacionais é permitir a comparabilidade das informações. GABARITO: C 356. A Resolução CFC 1.103 de 28.09.2007 criou o Comitê Gestor da Convergência no Brasil. Segundo o artigo 2 o desta resolução, esse comitê será composto pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e pelas seguintes entidades: (A) CEF – CMN – SRF. (B) CMN – IBRACON – CVM. (C) BNDES – BACEN – CMN. (D) CVM – CRC – SFN. (E) IBRACON – CVM – BACEN. Resolução De acordo com a Resolução CFC 1.103 de 28.09.2007: Art. 1º Fica criado o Comitê Gestor da Convergência no Brasil. Art. 2º O Comitê será composto pelas seguintes entidades: a) CFC – Conselho Federal de Contabilidade; b) IBRACON – Instituto dos Auditores Independentes do Brasil; c) CVM – Comissão de Valores Mobiliários; d) BACEN – Banco Central do Brasil. GABARITO: E Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 32
  • 33. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 357. Um dos elementos-chave da governança corporativa é o relacionamento entre partes interessadas, que tanto pode se referir a divergências entre acionistas e gestores, quanto a divergências entre acionistas majoritários e minoritários. Esses relacionamentos são considerados uma das cinco questões centrais da governança corporativa, que são os(as) (A) conflitos de agência. (B) direitos assimétricos. (C) práticas de gestão. (D) dispersões de governança. (E) divergências de stakeholders. Resolução As questões centrais da governança corporativa são: a) os conflitos de agência; b) os custos de agência; c) os direitos assimétricos; d) o equilíbrio de interesses de stakeholders; e e) as forças de controle. Conflitos de Agência: interesses daquele que administra a propriedade nem sempre estão alinhados com os de seu titular. Sob a perspectiva da teoria da agência, a preocupação maior é criar mecanismos eficientes (sistemas de monitoramento e incentivos) para garantir que o comportamento dos executivos esteja alinhado com o interesse dos acionistas. GABARITO: A 358. Tratando-se de governança corporativa, uma das questões-chave é a separação formal dos processos decisórios entre a Direção Executiva e o Conselho de Administração. Enquanto ao primeiro cabem as decisões de gestão, ao segundo cabem as decisões (A) de planejamento. (B) de conformidade. (C) financeiras. (D) de controle. (E) estratégicas. Resolução Direção Executiva => decisões de gestão Conselho de Administração => decisões de controle GABARITO: D Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 33
  • 34. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 359. A Lei Sarbanes-Oxley promoveu ampla regulação da vida corporativa, fundamentada nas boas práticas de governança corporativa. Seus focos são exatamente os quatro valores que há duas décadas vinham sendo enfatizados pelo ativismo pioneiro, que são: (A) corporate bond, bull spread, strike price e rating. (B) compliance, accountability, disclosure e fairness. (C) forward discount, embedded option, default risk e swap. (D) adesão, auto-regulamentação, comitês de auditoria e conselho de administração. (E) princípios, equanimidade, diretriz e transparência. Resolução Lei Sarbanes-Oxley: compliance, accountability, disclosure e fairness. gestão transparente (disclosure), senso de justiça (fairness), ética, que preste conta satisfatoriamente (accountability) e seja compromissada com o cumprimento das leis (compliance). GABARITO: B 360. Os impactos, na legislação de outros países, da Lei Sarbanes-Oxley e de mudanças nela inspiradas e por ela exigidas têm sido expressivos. Alguns de seus novos elementos são: ágio de governança e deságio de governança. Esses elementos criaram uma nova oportunidade no mercado de ratings, que é a(o) (A) criação de agências de avaliação de empresas, quanto ao cumprimento de boas práticas de governança corporativa. (B) criação de um modelo de avaliação padronizada, denominada ISO 19.000, destinada a medir as boas práticas de governança corporativa. (C) análise, pelo Comitê de Auditoria, da adequação das melhores práticas de governança corporativa utilizadas pela empresa às regras estabelecidas pelo Comitê da Basiléia. (D) oferta de stock options ao principal executivo, que deverá ser aprovada pelo conselho de administração e homologada por uma agência de rating. (E) lançamento de ações especiais, denominadas UPTICK, que representam 120% sobre o valor normal das ações, em virtude da aplicação de boas práticas de governança corporativa. Resolução Os impactos, na legislação de outros países, da Lei Sarbanes-Oxley e de mudanças nela inspiradas e por ela exigidas têm sido expressivos. Alguns de seus novos elementos são: ágio de governança e deságio de governança. Esses elementos criaram uma nova oportunidade no mercado de ratings, que é a Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 34
  • 35. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 criação de agências de avaliação de empresas, quanto ao cumprimento de boas práticas de governança corporativa. GABARITO: A 361. Para exercer seu trabalho em companhias abertas, o auditor externo está sujeito ao prévio registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Para obter esse registro, o auditor externo precisa comprovar que está registrado no Conselho Regional de Contabilidade e ter exercido a atividade de auditoria por um período, contado a partir da data do registro no CRC, não inferior a quantos anos? (A) 1 (B) 2 (C) 3 (D) 4 (E) 5 Resolução O auditor externo precisa comprovar que está registrado no Conselho Regional de Contabilidade e ter exercido a atividade de auditoria por um período, contado a partir da data do registro no CRC, não inferior a 5 (cinco) anos. GABARITO: E 362. De acordo com a Lei no 6.404/76 e a Lei no 11.638/07, estão obrigadas à auditagem por auditores independentes, registrados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), as sociedades anônimas (A) e as demais sociedades. (B) de capital aberto, somente. (C) de capital aberto e de capital fechado, somente. (D) de capital aberto e as sociedades de grande porte. (E) de capital aberto, de capital fechado e as sociedades de grande porte. Resolução Elaboração das demonstrações financeiras pelas sociedades de grande porte, abertas ou fechadas, e obrigatoriedade de auditoria independente (art. 3o da Lei no 11.638/07). Para as sociedades de grande porte, isto é, empresas com ativo total superior a R$ 240 milhões ou receita bruta anual superior a R$ 300 milhões, ainda que não constituídas sob a forma de sociedades por Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 35
  • 36. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 ações, são obrigadas à elaboração de demonstrações financeiras, que deverão sofrer auditoria independente. De acordo com a Lei no 6.404/76 e a Lei no 11.638/07, estão obrigadas à auditagem por auditores independentes, registrados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), as sociedades anônimas de capital aberto e as sociedades de grande porte. GABARITO: D 363. Analise os procedimentos a seguir. I - Determinar a natureza, oportunidade e extensão dos procedimentos de auditoria. II - Examinar a adequação dos saldos de encerramento do exercício anterior aos saldos de abertura do exercício atual. III - Identificar os fatos relevantes que possam afetar as atividades da entidade e sua situação patrimonial e financeira. IV - Resolver questões significativas quanto à aplicação dos Princípios Fundamentais de Contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade. V - Verificar se as práticas contábeis adotadas no atual exercício são uniformes às adotadas no exercício anterior. Quando da realização de uma auditoria na entidade, pela primeira vez, ou quando as demonstrações contábeis do exercício anterior tenham sido examinadas por outro auditor, o planejamento deve contemplar, dentre os procedimentos acima, APENAS os seguintes: (A) I, II e IV (B) I, II e V (C) II, III e IV (D) II, III e V (E) III, IV e V Resolução Quando da realização de uma auditoria na entidade, pela primeira vez, ou quando as demonstrações contábeis do exercício anterior tenham sido examinadas por outro auditor, o planejamento deve: - Examinar a adequação dos saldos de encerramento do exercício anterior aos saldos de abertura do exercício atual. - Identificar os fatos relevantes que possam afetar as atividades da entidade e sua situação patrimonial e financeira.; Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 36
  • 37. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 - Verificar se as práticas contábeis adotadas no atual exercício são uniformes às adotadas no exercício anterior. GABARITO: D 364. “Estabelecer que uma mesma pessoa não pode ter acesso aos ativos e aos registros contábeis.” (Almeida, 2007) indica a existência de um dos princípios fundamentais do controle contábil. Este princípio é o (A) do Acesso aos Ativos. (B) do Confronto dos Ativos com os Registros. (C) da Responsabilidade. (D) da Segregação de Funções. (E) das Rotinas Internas. Resolução Princípio da Segregação de Funções: uma mesma pessoa não pode ter acesso aos ativos e aos registros contábeis. GABARITO: D 365. A independência é uma das normas relativas à pessoa do auditor. Em decorrência dela, há impedimento para o auditor executar trabalho de auditoria em entidade em que ele tenha grau de parentesco consangüíneo, em linha reta, com administradores, acionistas, sócios ou com empregados que tenham ingerência na sua administração ou nos negócios ou sejam responsáveis por sua contabilidade, (A) qualquer que seja o grau de parentesco. (B) para parentesco de 1o grau, apenas. (C) para parentesco até 2o grau, apenas. (D) para parentesco até 3o grau, apenas. (E) para parentesco até 4o grau, apenas. Resolução Há impedimento para o auditor executar trabalho de auditoria em entidade em que ele tenha grau de parentesco consangüíneo, em linha reta, com administradores, acionistas, sócios ou com empregados que tenham ingerência na sua administração ou nos negócios ou sejam responsáveis por sua contabilidade, qualquer que seja o grau de parentesco. GABARITO: A Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 37
  • 38. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 366. O auditor deve estabelecer e documentar seus honorários levando em consideração alguns fatores fundamentais para estabelecer o valor dos mesmos. Sob esse enfoque, analise os fatores a seguir apresentados. I - Descrição dos serviços a serem realizados, inclusive referências às leis e regulamentos aplicáveis ao caso. II - Número de horas estimadas para a realização dos serviços. III - Prazo estimado para realização dos serviços. IV - Qualificação técnica dos profissionais que irão participar da execução dos serviços. V - Relevância, vulto, complexidade do serviço e custo do serviço a executar. Dentre os fatores acima, exclusivamente, devem ser considerados pelo auditor para estipular o valor de seus honorários, APENAS, (A) I, II e III (B) I, III e IV (C) II, III e V (D) II, IV e V (E) III, IV e V Resolução O auditor deve estabelecer e documentar seus honorários mediante avaliação dos serviços, considerando os seguintes fatores: a) a relevância, o vulto, a complexidade do serviço, e o custo do serviço a executar; b) o número de horas estimadas para a realização dos serviços; c) a peculiaridade de tratar-se de cliente eventual, habitual ou permanente; d) a qualificação técnica dos profissionais que irão participar da execução dos serviços; e e) o lugar em que os serviços serão prestados, fixando, se for o caso, como serão cobrados os custos de viagens e estadas. GABARITO: D Bons estudos a todos e até a próxima aula, Moraes Junior Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 38
  • 39. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 Prova 14. Petrobrás – Profissional Júnior – Ciências Contábeis – 2008 - Cesgranrio Lista de Questões Comentadas Nesta Aula 322. Certo capital, aplicado por 10 meses, a uma taxa de 18% ao ano (juros simples), rende R$ 72.000,00 de juros. Este capital aplicado, em reais, é (A) 360.000,00 (B) 400.000,00 (C) 480.000,00 (D) 500.000,00 (E) 510.000,00 323. Um título de renda fixa deverá ser resgatado por R$ 10.000,00 no seu vencimento, que ocorrerá dentro de 3 meses. Sabendo-se que o rendimento desse título é de 1,25% ao mês (juros compostos), seu valor presente, em reais, é (A) 9.638,55 (B) 9.634,18 (C) 9.625,00 (D) 9.555,65 (E) 9.333,33 324. Nos termos da Lei no 6.404/76, com a nova redação dada pela Lei no 11.638/07, as obrigações, encargos e riscos classificados no Passivo Exigível a Longo Prazo serão ajustados a valor (A) atualizado pela inflação. (B) de custo ou mercado, o menor dos dois. (C) de mercado, somente. (D) de reposição. (E) presente. 325. Nos termos da Lei no 6.404/76, com a nova redação dada pela Lei n o 11.638/07, a conta do capital social discriminará o montante (A) autorizado e, por dedução, a parcela subscrita. (B) integralizado e o montante a integralizar. (C) integralizado em dinheiro. (D) subscrito, totalmente integralizado. (E) subscrito e, por dedução, a parcela ainda não realizada. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 39
  • 40. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 326. Na elaboração dos fluxos de caixa, o conceito de caixa é ampliado, envolvendo o caixa puro, dinheiro em mão e em conta corrente bancária e as aplicações em equivalentes de caixa. Como equivalentes de caixa podem ser consideradas as aplicações financeiras resgatáveis até (A) 3 meses da data da aplicação. (B) 3 meses da data da emissão. (C) 6 meses da data da aplicação. (D) 6 meses da data da emissão. (E) 12 meses da data da aplicação. 327. As atividades operacionais inclusas na demonstração dos fluxos de caixa relacionam-se, normalmente, com as transações que aparecem na (A) avaliação periódica dos ativos de longo prazo que a empresa utiliza para produzir bens e serviços. (B) demonstração do valor adicionado. (C) demonstração de resultados. (D) operação de empréstimo de credores e investidores da entidade. (E) obtenção de recursos dos donos e no pagamento a eles do retorno sobre seus investimentos. 328. O Manual de Contabilidade classifica os Princípios (Conceitos) Fundamentais de Contabilidade, em 3 categorias: • postulados ambientais da contabilidade; • princípios contábeis propriamente ditos; • restrições dos princípios contábeis fundamentais – Convenções. Os princípios contábeis propriamente ditos são: (A) Entidade, Continuidade, Custo como base de valor, Oportunidade. (B) Custo como base de valor, Denominador comum monetário, Realização da receita, Confronto das despesas com as receitas e com os períodos contábeis. (C) Objetividade, Confronto das despesas com as receitas e com os períodos contábeis, Conservadorismo, Competência. (D) Materialidade, Custo como base de valor, Objetividade e Prudência. (E) Consistência, Receitas reconhecidas proporcionalmente ao período de tempo, Objetividade, Denominador comum monetário. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 40
  • 41. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 329. A operação pela qual, com a extinção de uma Companhia, são transferidas parcelas de seu patrimônio para uma ou mais sociedades, constituídas para esse fim ou já existentes, é a operação de (A) cisão total. (B) cisão parcial. (C) fusão. (D) transformação. (E) incorporação. 330. Em 20.12.07, a controladora Alfa vendeu mercadorias à vista, por R$ 50.000,00, para a controlada Beta, que as revendeu para terceiros, por R$ 70.000,00, sendo R$ 45.000,00 à vista e R$ 25.000,00, a prazo. Sabe-se que: • o custo das mercadorias vendidas pela controladora foi R$ 35.000,00; • nenhuma outra venda foi realizada pela controladora para a controlada. Na consolidação, a eliminação a ser feita na Demonstração do Resultado do Exercício de 2007, em reais, é (A) Custo das Mercadorias Vendidas 20.000,00 a Vendas 20.000,00 (B) Duplicatas a Receber 45.000,00 a Fornecedores 45.000,00 (C) Vendas 25.000,00 a Clientes 25.000,00 (D) Vendas 35.000,00 a Custo das Mercadorias Vendidas 35.000,00 (E) Vendas 50.000,00 a Custo das Mercadorias Vendidas 50.000,00 Considere as informações a seguir para responder às questões de nos 331 e 332. Saldo das contas, retirado do Balanço Patrimonial/2007 da Companhia Amigos S/A: Em reais Duplicatas a Receber 500.000,00 Duplicatas Descontadas 150.000,00 Fornecedores 220.000,00 Empréstimos Bancários de Curto Prazo 80.000,00 Empréstimos Bancários de Longo Prazo 100.000,00 Total do Passivo mais Patrimônio Líquido 800.000,00 Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 41
  • 42. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 331. Considerando, exclusivamente, os dados informados, o grau de dependência dos Bancos no financiamento dos investimentos totais, pelas instituições de crédito, é (A) 22,50% (B) 41,25% (C) 43,75% (D) 50,00% (E) 68,75% 332. Considerando, exclusivamente, os dados informados, o nível de desconto de duplicatas é (A) 18,75% (B) 23,08% (C) 30,00% (D) 42,86% (E) 45,45% Considere as informações a seguir para responder às questões de nos 333 a 335. A Companhia Irmãos Flores S/A apresentou as seguintes informações relativas ao exercício social encerrado em 31.12.2007: Em reais Capital Social Realizado 8.000.000,00 Patrimônio Líquido 10.800.000,00 Lucro Líquido do Exercício 1.600.000,00 Ações Ordinárias 600.000 Ações Preferenciais 400.000 Dividendos Propostos 480.000,00 Cotação Média das Ações 6,40 333. Considerando, exclusivamente, as informações recebidas, a representatividade de cada ação (valor patrimonial), em reais, é (A) 1,60 (B) 8,00 (C) 10,80 (D) 18,00 (E) 27,00 Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 42
  • 43. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 334. Admita que o lucro por ação, apurado em 2007, seja mantido por vários exercícios. Considerando tal condição (manutenção do lucro por ação), quantos anos serão necessários para que o investidor tenha o retorno do capital aplicado na Companhia? (A) 4 (B) 5 (C) 6 (D) 8 (E) 10 335. O retorno de caixa a ser efetivamente embolsado pelo acionista, referente a 2007, em percentual, é (A) 4,80% (B) 6,00% (C) 6,40% (D) 7,50% (E) 20,00% Considere as informações a seguir para responder às questões de nos 336 e 337. A Indústria Natividade apresentou informações sobre a movimentação de materiais diretos, num determinado período produtivo, conforme tabela a seguir. Informações adicionais: • os preços apresentados são líquidos (sem impostos), e em reais; • não há estoque anterior de materiais diretos. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 43
  • 44. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 336. Admitindo-se que a Indústria Natividade utilize o critério de avaliação de estoque pelo preço médio ponderado fixo, o custo dos materiais diretos utilizados pela indústria, nesse período produtivo, em reais, é (A) 234.000,00 (B) 235.400,00 (C) 236.000,00 (D) 239.000,00 (E) 239.040,00 337. Se a Indústria Natividade adotar, na sua avaliação, o critério UEPS, o valor do estoque de materiais diretos, ao final do período produtivo, em reais, é (A) 92.960,00 (B) 93.000,00 (C) 96.000,00 (D) 96.600,00 (E) 98.000,00 Considere as informações a seguir para responder às questões de nos 338 e 339. A Indústria Cocada apresentou as informações a seguir, relativas à produção de cada unidade dos três produtos de sua linha de produção. Informações adicionais: • os custos fixos do período alcançaram o total de 450.000,00; • a indústria rateia os custos fixos pelo consumo total de matéria-prima. 338. Admita que toda a produção tenha sido vendida. O lucro relativo ao produto B, pelo critério de custeio por absorção, em reais, foi (A) 30.000,00 (B) 300.000,00 (C) 480.000,00 (D) 960.000,00 (E) 1.200.000,00 Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 44
  • 45. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 339. Considerando-se o critério de custeio variável, a margem de contribuição unitária referente ao produto C, em reais, é (A) 30,00 (B) 37,50 (C) 42,50 (D) 53,25 (E) 60,00 340. A Indústria de Pregos Mangaba apresentou as seguintes informações de um dos produtos de sua linha: Admita que a Mangaba utilize, na análise de seus produtos, o custeio variável. O volume físico de vendas necessário para que o resultado da indústria seja nulo, em unidades do produto, é (A) 264 (B) 540 (C) 576 (D) 787 (E) 840 341. A Demonstração do Resultado do Exercício apresenta, resumidamente, as operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, de forma a destacar o resultado líquido, apurado pelo confronto de receitas, custos e despesas operacionais e não operacionais relativas a esse mesmo exercício social. A legislação fiscal, por sua vez, tem uma maneira específica para apurar o lucro fiscal (tributável), que servirá de base para exigir os tributos. Nos termos da legislação fiscal, o lucro fiscal (tributável) é estabelecido pelo lucro (A) contábil (menos) imposto de renda (mais) adições (menos) exclusões. (B) contábil (menos) imposto de renda (menos) contribuição social sobre o lucro (mais) adições (menos) exclusões. (C) antes do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro líquido (mais) adições (menos) exclusões (mais) lucros fiscais. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 45
  • 46. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 (D) antes do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro (mais) adições (menos) exclusões (menos) compensação de prejuízos fiscais. (E) antes do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro líquido (mais) adições (menos) exclusões (menos) compensação de prejuízos fiscais (mais) participações e contribuições. 342. Uma empresa comercial é tributada com base no lucro real, apura o lucro real anual e faz o recolhimento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), com antecipações mensais, sobre base de cálculo apurada por estimativa. Integra essa base de cálculo o valor correspondente a 12% da receita bruta mensal. Dessa receita bruta mensal, além dos impostos não cumulativos cobrados destacadamente do comprador, dos quais o vendedor dos bens ou prestador de serviços seja mero depositário, deverão ser excluídas(os), igualmente, as(os) (A) vendas canceladas, as devoluções de vendas e os descontos incondicionais concedidos. (B) vendas canceladas, os descontos condicionais concedidos e os abatimentos sobre vendas. (C) devoluções de vendas, os descontos incondicionais concedidos e os abatimentos sobre vendas. (D) devoluções de vendas, os descontos condicionais concedidos e os abatimentos sobre vendas. (E) descontos incondicionais concedidos, a devolução de vendas e os descontos financeiros concedidos. 343. O pagamento feito por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas de serviços de natureza profissional deve sofrer retenção na fonte, em geral, de 1,5%, mas existem alguns desses serviços que estão sujeitos a retenção menor. Considere os seguintes serviços: I - locação de mão-de-obra; II - limpeza; III - conservação; IV - manutenção; V - vigilância; VI - segurança. No pagamento feito por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas, são serviços sujeitos à retenção na fonte de 1%, APENAS: (A) I, II, IV e V (B) I, IV, V e VI (C) II, III, IV e V (D) I, II, III, V e VI (E) II, III, IV, V e VI Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 46
  • 47. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 344. Na maioria das vezes, a principal característica do ICMS substituição tributária é (A) centralizar o controle do imposto nas operações concomitantes. (B) postergar a cobrança do imposto de pequenos comerciantes. (C) reter o imposto pelo fabricante, no momento da venda para o distribuidor ou comércio varejista. (D) alcançar apenas mercadorias de grande valor e de pequeno consumo, simplificando o processo de tributação e fiscalização. (E) agilizar a fiscalização da cobrança com a centralização de maior número de agentes. 345. Nas importações de bens, a base de cálculo do COFINS é formada pela base de cálculo do imposto de importação (A) (menos) imposto de importação. (B) (menos) imposto de importação e (mais) ICMS. (C) (menos) imposto de importação, (menos) ICMS e (menos) COFINS. (D) (mais) imposto de importação, (menos) ICMS e (mais) COFINS. (E) (mais) imposto de importação, (mais) ICMS e (mais) COFINS. 346. O arrendamento (leasing) financeiro tem como característica ser um (A) contrato de curta duração no qual o proprietário do bem vende seu ativo e o arrenda de volta, permitindo à empresa levantar capital para outras finalidades e continuar a utilizar o ativo. (B) contrato firmado em médio prazo, no qual os reparos e manutenção são de responsabilidade do arrendador, mas passível de cancelamento por opção do arrendatário. (C) contrato de longa duração entre o arrendador e o arrendatário, em que este último é responsável pela manutenção e reparos, em que o ativo costuma ser amortizado totalmente, e o contrato não pode ser cancelado. (D) financiamento de longo prazo no qual o bem fica em regime de consignação com o arrendatário, que não pode cancelar o contrato, em que a responsabilidade de manutenção e reparos é do arrendador, e em que o arrendatário pode adquirir o bem, caso exerça sua opção de compra. (E) financiamento rígido, que permite a programação financeira de desembolsos de caixa e o registro como despesas nos resultados do arrendador, o qual assume a responsabilidade de manutenção e reparos durante o período do contrato. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 47
  • 48. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 347. Na visão de Gitman (Princípios de Administração Financeira, 2006) o arrendamento (leasing) operacional é mais eficiente quando realizado para ativos de vida útil de curta duração. Seguindo essa orientação, dentre as opções abaixo, o arrendamento operacional seria mais eficiente se aplicado sobre (A) sistemas de computação. (B) máquinas e equipamentos. (C) móveis e utensílios. (D) peças e conjuntos de reposição. (E) ferramentas. 348. Sob o enfoque humano, o princípio fundamental de contabilidade da oportunidade aplicado à contabilidade ambiental indica que (A) é focado na indeterminação do prazo, prevendo o crescimento da entidade, sendo que seus gestores devem fazê-la crescer, produzir mais, ganhar mais mercado, e a falta de limites deve ser encarada, do ponto de vista ambiental, com restrições, pois os recursos naturais são finitos. (B) informações ambientais devem ser registradas e disponibilizadas no tempo oportuno para permitir ação ambiental de preservação do meio ambiente, refletindo a integridade do patrimônio da entidade e suas mutações relativas aos impactos ambientais. (C) os fatos geradores relacionados ao meio ambiente, que resultarem em receitas ou despesas, devem ser incluídos na apuração dos resultados no período em que ocorrerem. (D) os impactos ambientais devem ser registrados pelos valores das transações, expressos a valor presente da moeda do país. (E) o reconhecimento da alteração do poder aquisitivo da moeda nacional é fundamental quando se trata de registro de eventos econômicos que afetem o meio ambiente, isso porque as questões ambientais são, na maioria das vezes, questões que envolvem vários exercícios sociais. 349. Sob o enfoque de Contabilidade Ambiental, a evidenciação apresenta a (A) possibilidade de medir fisicamente os impactos ambientais e depois seus efeitos, não sendo possível, sem isso, preservar a natureza. (B) ordem de grandeza dos impactos ambientais cujos efeitos puderem ser percebidos de forma aparente, e forem economicamente mensuráveis, a partir da proporção da poluição total medida fisicamente, em relação à medida individual do evento em si. (C) informação necessária para a operação ótima de um eficiente mercado de capitais, implica que suficiente informação deveria ser apresentada para permitir a previsão da tendência futura, sendo também uma prestação de contas à sociedade de como o meio ambiente está sendo afetado pela gestão ambiental de determinada empresa. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 48
  • 49. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 (D) necessidade de reconhecimento dos custos e despesas com o meio ambiente que foram necessários para a obtenção da receita, sendo que a venda de um produto deve ser reconhecida, no mesmo momento do custo da degradação causada para produzir esse mesmo produto. (E) importância de destacar o entendimento da ocorrência para a Contabilidade Ambiental e de que forma o evento pode modificar o patrimônio da entidade em relação ao meio ambiente, a ser reconhecido no momento em que ocorre. 350. O livro Contabilidade Ambiental (Ferreira, Aracéli, 2006), no capítulo 5 – Contabilidade Gerencial Ambiental, apresenta as atividades operacionais, assim se manifestando sobre uma dessas mesmas atividades. “Seu objetivo é colocar o ambiente em condições iguais ou próximas daquelas que ele tinha antes da degradação ocorrer.” A afirmativa refere-se à atividade da gestão ambiental de (A) prevenção. (B) produção. (C) reciclagem. (D) recuperação. (E) tratamento. 351. Analise as seguintes situações, sob o enfoque ambiental: I - avaliação do grau dos impactos ambientais; II - geração e distribuição de riqueza; III - identificação de responsabilidades; IV - interação da entidade com o ambiente externo. Dentre as situações acima, podem ser consideradas como elementos da auditoria ambiental, APENAS, a (A) I e a II. (B) I e a III. (C) II e a III. (D) II e a IV. (E) III e a IV. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 49
  • 50. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 352. Um dos fatores que demonstram grandes diferenças entre os países, em relação aos sistemas contábeis por eles praticados, é a legislação tributária. Os países em que as demonstrações contábeis (financial reporting) se destinam a atender tanto a propósitos fiscais como a objetivos específicos de usuários externos são: (A) Grã-Bretanha, Holanda e Suíça. (B) Alemanha, Áustria e França. (C) Suécia, Dinamarca e Islândia. (D) Espanha, Portugal e Austrália. (E) Estados Unidos, Irlanda e Canadá. 353. Nos Estados Unidos da América, a regulamentação e a normatização de matéria contábil estão sob a responsabilidade de um organismo do setor privado – FASB – Financial Accounting Standards Board, mas a edição de padrões contábeis é sustentada pelo(a) (A) FED – Federal Reserve Bank. (B) ASEC – Accounting Standards Executive Committee. (C) SEC – Securities and Exchange Commission. (D) FIA – Federal International Accountants. (E) AICPA – American Institute of Certified Public Accountants. 354. As tentativas para classificar os países, ou grupos de países, de acordo com seus sistemas contábeis, têm revelado um alto grau de dificuldade. Entretanto, a maioria dos autores e estudiosos de sistemas contábeis destaca a existência de dois grandes grupos distintos: o modelo anglo-saxão e o modelo continental. Para essa classificação, as principais características do modelo anglo-saxão são a existência de uma (A) profissão contábil forte e atuante; sólido mercado de capitais como fonte de captação de recursos; pouca interferência governamental na definição de práticas contábeis; e demonstrações financeiras que buscam atender, em primeiro lugar, aos investidores. (B) profissão contábil forte e atuante; sólido mercado de capitais como fonte de captação de recursos; forte interferência governamental no estabelecimento de padrões contábeis, notadamente, de natureza fiscal; e demonstrações financeiras que buscam atender, primeiramente, aos credores. (C) profissão contábil forte e atuante; importância de Bancos e outras instituições financeiras como provedores dos recursos; forte interferência governamental no estabelecimento de padrões contábeis, notadamente, de natureza fiscal; e demonstrações financeiras voltadas, em primeiro lugar, para o governo. (D) profissão contábil fraca e pouco atuante; sólido mercado de capitais como fonte de captação de recursos; forte interferência governamental no Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 50
  • 51. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 estabelecimento de padrões contábeis, notadamente, de natureza fiscal; e demonstrações financeiras voltadas, em primeiro lugar, para os investidores. (E) profissão contábil fraca e pouco atuante; uso de Bancos e instituições financeiras como fonte de captação de recursos; pouca interferência governamental na definição de práticas contábeis; e demonstrações financeiras voltadas, em primeiro lugar, para os administradores. 355. No entendimento de autores e pensadores da Contabilidade, a principal razão para haver a harmonização dos padrões contábeis internacionais é (A) padronizar os procedimentos contábeis de forma universal. (B) reduzir custos por permitir registros únicos em vários países. (C) permitir a comparabilidade das informações. (D) unificar os impostos cobrados nos diversos países. (E) unificar os princípios fundamentais de contabilidade. 356. A Resolução CFC 1.103 de 28.09.2007 criou o Comitê Gestor da Convergência no Brasil. Segundo o artigo 2o desta resolução, esse comitê será composto pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e pelas seguintes entidades: (A) CEF – CMN – SRF. (B) CMN – IBRACON – CVM. (C) BNDES – BACEN – CMN. (D) CVM – CRC – SFN. (E) IBRACON – CVM – BACEN. 357. Um dos elementos-chave da governança corporativa é o relacionamento entre partes interessadas, que tanto pode se referir a divergências entre acionistas e gestores, quanto a divergências entre acionistas majoritários e minoritários. Esses relacionamentos são considerados uma das cinco questões centrais da governança corporativa, que são os(as) (A) conflitos de agência. (B) direitos assimétricos. (C) práticas de gestão. (D) dispersões de governança. (E) divergências de stakeholders. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 51
  • 52. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 358. Tratando-se de governança corporativa, uma das questões-chave é a separação formal dos processos decisórios entre a Direção Executiva e o Conselho de Administração. Enquanto ao primeiro cabem as decisões de gestão, ao segundo cabem as decisões (A) de planejamento. (B) de conformidade. (C) financeiras. (D) de controle. (E) estratégicas. 359. A Lei Sarbanes-Oxley promoveu ampla regulação da vida corporativa, fundamentada nas boas práticas de governança corporativa. Seus focos são exatamente os quatro valores que há duas décadas vinham sendo enfatizados pelo ativismo pioneiro, que são: (A) corporate bond, bull spread, strike price e rating. (B) compliance, accountability, disclosure e fairness. (C) forward discount, embedded option, default risk e swap. (D) adesão, auto-regulamentação, comitês de auditoria e conselho de administração. (E) princípios, equanimidade, diretriz e transparência. 360. Os impactos, na legislação de outros países, da Lei Sarbanes-Oxley e de mudanças nela inspiradas e por ela exigidas têm sido expressivos. Alguns de seus novos elementos são: ágio de governança e deságio de governança. Esses elementos criaram uma nova oportunidade no mercado de ratings, que é a(o) (A) criação de agências de avaliação de empresas, quanto ao cumprimento de boas práticas de governança corporativa. (B) criação de um modelo de avaliação padronizada, denominada ISO 19.000, destinada a medir as boas práticas de governança corporativa. (C) análise, pelo Comitê de Auditoria, da adequação das melhores práticas de governança corporativa utilizadas pela empresa às regras estabelecidas pelo Comitê da Basiléia. (D) oferta de stock options ao principal executivo, que deverá ser aprovada pelo conselho de administração e homologada por uma agência de rating. (E) lançamento de ações especiais, denominadas UPTICK, que representam 120% sobre o valor normal das ações, em virtude da aplicação de boas práticas de governança corporativa. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 52
  • 53. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 361. Para exercer seu trabalho em companhias abertas, o auditor externo está sujeito ao prévio registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Para obter esse registro, o auditor externo precisa comprovar que está registrado no Conselho Regional de Contabilidade e ter exercido a atividade de auditoria por um período, contado a partir da data do registro no CRC, não inferior a quantos anos? (A) 1 (B) 2 (C) 3 (D) 4 (E) 5 362. De acordo com a Lei no 6.404/76 e a Lei no 11.638/07, estão obrigadas à auditagem por auditores independentes, registrados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), as sociedades anônimas (A) e as demais sociedades. (B) de capital aberto, somente. (C) de capital aberto e de capital fechado, somente. (D) de capital aberto e as sociedades de grande porte. (E) de capital aberto, de capital fechado e as sociedades de grande porte. 363. Analise os procedimentos a seguir. I - Determinar a natureza, oportunidade e extensão dos procedimentos de auditoria. II - Examinar a adequação dos saldos de encerramento do exercício anterior aos saldos de abertura do exercício atual. III - Identificar os fatos relevantes que possam afetar as atividades da entidade e sua situação patrimonial e financeira. IV - Resolver questões significativas quanto à aplicação dos Princípios Fundamentais de Contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade. V - Verificar se as práticas contábeis adotadas no atual exercício são uniformes às adotadas no exercício anterior. Quando da realização de uma auditoria na entidade, pela primeira vez, ou quando as demonstrações contábeis do exercício anterior tenham sido examinadas por outro auditor, o planejamento deve contemplar, dentre os procedimentos acima, APENAS os seguintes: (A) I, II e IV (B) I, II e V (C) II, III e IV (D) II, III e V (E) III, IV e V Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 53
  • 54. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 364. “Estabelecer que uma mesma pessoa não pode ter acesso aos ativos e aos registros contábeis.” (Almeida, 2007) indica a existência de um dos princípios fundamentais do controle contábil. Este princípio é o (A) do Acesso aos Ativos. (B) do Confronto dos Ativos com os Registros. (C) da Responsabilidade. (D) da Segregação de Funções. (E) das Rotinas Internas. 365. A independência é uma das normas relativas à pessoa do auditor. Em decorrência dela, há impedimento para o auditor executar trabalho de auditoria em entidade em que ele tenha grau de parentesco consangüíneo, em linha reta, com administradores, acionistas, sócios ou com empregados que tenham ingerência na sua administração ou nos negócios ou sejam responsáveis por sua contabilidade, (A) qualquer que seja o grau de parentesco. (B) para parentesco de 1o grau, apenas. (C) para parentesco até 2o grau, apenas. (D) para parentesco até 3o grau, apenas. (E) para parentesco até 4o grau, apenas. 366. O auditor deve estabelecer e documentar seus honorários levando em consideração alguns fatores fundamentais para estabelecer o valor dos mesmos. Sob esse enfoque, analise os fatores a seguir apresentados. I - Descrição dos serviços a serem realizados, inclusive referências às leis e regulamentos aplicáveis ao caso. II - Número de horas estimadas para a realização dos serviços. III - Prazo estimado para realização dos serviços. IV - Qualificação técnica dos profissionais que irão participar da execução dos serviços. V - Relevância, vulto, complexidade do serviço e custo do serviço a executar. Dentre os fatores acima, exclusivamente, devem ser considerados pelo auditor para estipular o valor de seus honorários, APENAS, (A) I, II e III (B) I, III e IV (C) II, III e V (D) II, IV e V (E) III, IV e V Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 54
  • 55. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 GABARITO – AULA 14: 322. C 323. B 324. E 325. E 326. A 327. C 328. A 329. A 330. E 331. B 332. C 333. C 334. A 335. D 336. E 337. B 338. B 339. E 340. E 341. D 342. A 343. D 344. C 345. E 346. C 347. A 348. B 349. C 350. D 351. B 352. B 353. C 354. A 355. C 356. E 357. A 358. D 359. B 360. A 361. E 362. D 363. D 364. D 365. A 366. D Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 55
  • 56. Contabilidade Geral com as atualizações da Lei no 11.638/07 e da MP no 449/08 Bibliografia Lei das Sociedades Anônimas com as alterações trazidas pela Lei n o 11.638/07 e pela MP no 449/08. FERREIRA, Ricardo J. Contabilidade Avançada e Intermediária. Rio de Janeiro. Editora Ferreira. FERREIRA, Ricardo J. Contabilidade Básica. 3 a Edição. Rio de Janeiro. Editora Ferreira. 2004. FIPECAFI, Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações (aplicável as demais sociedades). 6a Edição. São Paulo. Editora Atlas. 2003. LUIZ FERRARI, Ed. Contabilidade Geral – Série Provas e Concursos. 5a Edição. 3a Tiragem. Elsevier Editora. 2005. MOURA RIBEIRO, Osni. Contabilidade Geral Fácil – Para cursos de contabilidade e concursos em geral. 4a Edição. 4a Tiragem (2005). São Paulo. Editora Saraiva. 2002. SILVA, Antônio César Valério da. Contabilidade Avançada: Teoria e 300 questões. 2a Edição. Rio de Janeiro. Elsevier Editora. 2005. VICECONTI, Paulo Eduardo Vilchez & NEVES, Silvério das. Contabilidade Avançada e Análise das Demonstrações Financeiras. 12 a Edição. São Paulo. Editora Frase. 2003. Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade em Exercícios – Provas Selecionadas 56