SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
INTERAÇÕES E GRANDEZAS Índice Ponto de ebulição e forças intermoleculares Óxidos metálicos ― nomenclatura e propriedades Lei Volumétrica de Gay-Lussac e Princípio de Avogadro Forças intermoleculares Óxidos  ―  definição e classificação Massa atômica e massa molecular Massa atômica e massa molecular Solubilidade e forças intermoleculares Óxidos ametálicos  ―  nomenclatura e propriedades
Forças intermoleculares As forças intermoleculares  resultam das interações entre as moléculas de um material.  Forças de van der Waals :interação entre moléculas polares ou apolares.  Ligações de hidrogênio :   ocorrem entre moléculas em que o átomo de hidrogênio está ligado diretamente a átomos muito eletronegativos, como F, O, N. intensidade : muito forte  exemplos : H 2 O, NH 3 interação :   dipolo induzido – dipolo induzido (forças de London) interação : dipolo permanente – dipolo permanente intensidade :   fraca  intensidade : forte atração por meio de dipolos temporários ou induzidos atração por meio de dipolos permanentes exemplos :   CH 4 , N 2 exemplos : HCl, HNO 3 moléculas apolares moléculas polares
Ponto de ebulição e forças intermoleculares  Pontos de ebulição (PE) :   depende da intensidade da força intermolecular e do n o  de elétrons na molécula. Quanto mais intensa a força intermolecular e maior o  n o  de elétrons na molécula, maior será o PE. ligação de hidrogênio dipolo induzido – dipolo induzido dipolo induzido – dipolo induzido INTERAÇÃO +100 +77 -253 PE (ºC)  10 74 2 N o  DE ELÉTRONS polar apolar apolar POLARIDADE ESTRUTURA H 2 O CCl 4 H 2 FÓRMULA Água Tetracloreto de carbono Gás hidrogênio SUBSTÂNCIA
Solubilidade e forças intermoleculares  Regra geral:  “o semelhante dissolve o semelhante” , ou seja, substâncias polares tendem a dissolver substâncias polares, e substâncias apolares dissolvem substâncias apolares. tintasrampazzo.com.br  A limpeza de pincéis utilizados com tintas à base de solventes orgânicos não pode ser feita com água (polar). Isso porque os solventes e pigmentos que constituem a tinta são substâncias apolares e, portanto, serão solúveis apenas em outros compostos apolares. As moléculas das substâncias polares são capazes de interagir umas com as outras. O mesmo raciocínio se aplica às apolares. Interação entre moléculas de etanol (polar) e água (polar), que explica a solubilidade do etanol em água.
Óxidos ― definição e classificação  Óxidos  são compostos binários em que o elemento mais eletronegativo é o oxigênio. Os óxidos são classificados em: Óxidos   ametálicos (ligações covalentes) Óxidos   metálicos (ligações iônicas) Exemplo :   óxido de ferro (Fe 2 O 3 ) Exemplo :   dióxido de carbono (CO 2 ) minério de ferro – hematita (F 2 O 3 ) http://pt.wikipedia.org/wiki/Hematita educacaoadventista.org.br  gelo seco – dióxido de carbono (CO 2 ) no estado sólido
Óxidos metálicos – nomenclatura e propriedades Nomenclatura dos óxidos metálicos ÓXIDO + DE + NOME DO CÁTION (METAL) Exs.:  MgO ― óxido de magnésio  Al 2 O 3  ―  óxido de alumínio Quando o cátion puder apresentar 2 cargas distintas deve-se acrescentar a carga ao nome ou usar a terminação  oso  para o cátion de menor carga e a terminação  ico  para o de maior carga. Ex.:  NiO  ―  óxido de níquel II    ou óxido niquel oso Ni 2 O 3   ―  óxido de níquel III    ou óxido niquél ico Propriedades dos óxidos metálicos São sólidos com altos pontos de fusão e ebulição (características de compostos iônicos). carga +2 carga +3
Óxidos ametálicos  nomenclatura e propriedades Nomenclatura dos óxidos ametálicos PREFIXO + ÓXIDO + DE + PREFIXO + NOME DO ELEMENTO Exs.:  CO  ―   mon óxido de carbono  CO 2  ―  di óxido de carbono  P 2 O 5  ―  pent óxido  de  di fósforo Propriedades dos óxidos ametálicos São sólidos com baixos pontos de fusão e ebulição (características de compostos moleculares). PREFIXOS: indicação do número de átomos do elemento na molécula. mono   ―  1 átomo  di   ―  2 átomos  tri   ―  3 átomos  tetra   ―  4 átomos e assim por diante.
Lei volumétrica de Gay-Lussac e Princípio de Avogadro Lei de Gay-Lussac:  “em uma reação química envolvendo gases o volume dos reagentes e o volume dos produtos guardam uma proporção simples”. Princípio de Avogadro:  “volumes iguais de gases diferentes, medidos nas mesmas condições de temperatura e pressão, contêm o mesmo número de moléculas”. H 2 HCl O 2 2 H 2 (g) + O 2 (g)     2 H 2 O (g)   2 volumes de H 2  + 1 Volume de O 2      2 volumes de água   Proporção: 2 : 1: 2 O mesmo volume de gases diferentes conterão o mesmo  n o  de moléculas.
Massa atômica e massa molecular Massa atômica : é a massa do átomo do elemento químico relativa a um padrão de comparação denominado “unidade de massa atômica” (u). Carbono 12 Massa molecular : é a massa de uma molécula relativa a um padrão de comparação denominado “unidade de massa atômica” (u). Exemplo: massa molecular da amônia (NH 3 ) : 1 (N) + 3 (H) 1 (14) + 3 (1) = 17 u 1 u 16 oxigênio 14 nitrogênio 12 carbono 1 hidrogênio Massa atômica (u) Elemento

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lei de lavoiser, e acerto de equações, 8º ano, 2014 2015
Lei de lavoiser, e acerto de equações, 8º ano, 2014 2015Lei de lavoiser, e acerto de equações, 8º ano, 2014 2015
Lei de lavoiser, e acerto de equações, 8º ano, 2014 2015anabela explicaexplica
 
Vários tipos de reacções químicas completas
Vários tipos de reacções químicas completasVários tipos de reacções químicas completas
Vários tipos de reacções químicas completasIsadora Girio
 
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Química - Exercícios Resolvidos Reações I...
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Química - Exercícios Resolvidos Reações I...www.exerciciosresolvidosde.com.br - Química - Exercícios Resolvidos Reações I...
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Química - Exercícios Resolvidos Reações I...Joana Figueredo
 
Notações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tiposNotações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tiposKarol Maia
 
Reações químicas tipos- 1o ano
Reações químicas  tipos- 1o anoReações químicas  tipos- 1o ano
Reações químicas tipos- 1o anoKarol Maia
 
3 estudo da matéria - abril
3 estudo da matéria - abril3 estudo da matéria - abril
3 estudo da matéria - abrilLuiza Collet
 
Lista de exercicios reações químicas
Lista de exercicios   reações químicasLista de exercicios   reações químicas
Lista de exercicios reações químicasProfª Alda Ernestina
 
Resumo Global Físico-Química 8ºano
Resumo Global Físico-Química 8ºanoResumo Global Físico-Química 8ºano
Resumo Global Físico-Química 8ºanoMaria Catarina Santos
 
Classificação, propriedades e transformações físicas da matéria
Classificação, propriedades e transformações físicas da matériaClassificação, propriedades e transformações físicas da matéria
Classificação, propriedades e transformações físicas da matériaProfª Alda Ernestina
 
Introdução às Reações Químicas
Introdução às Reações QuímicasIntrodução às Reações Químicas
Introdução às Reações QuímicasPauloMaiaCampos
 
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICAAPOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICAKATIA CAVALCANTI
 
Transformações físicas e transformações químicas
Transformações físicas e transformações químicasTransformações físicas e transformações químicas
Transformações físicas e transformações químicaseufisica
 
Equações químicas
Equações químicasEquações químicas
Equações químicasIsadora Girio
 
Aula 9 lei de lavoisier e lei de proust
Aula 9   lei de lavoisier e lei de proustAula 9   lei de lavoisier e lei de proust
Aula 9 lei de lavoisier e lei de proustprofNICODEMOS
 
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análise
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análiseIntroducao quimica, materia, substância, mistura, análise
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análiseVinny Silva
 

Mais procurados (20)

Lei de lavoiser, e acerto de equações, 8º ano, 2014 2015
Lei de lavoiser, e acerto de equações, 8º ano, 2014 2015Lei de lavoiser, e acerto de equações, 8º ano, 2014 2015
Lei de lavoiser, e acerto de equações, 8º ano, 2014 2015
 
Vários tipos de reacções químicas completas
Vários tipos de reacções químicas completasVários tipos de reacções químicas completas
Vários tipos de reacções químicas completas
 
Reações químicas 2
Reações químicas 2Reações químicas 2
Reações químicas 2
 
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Química - Exercícios Resolvidos Reações I...
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Química - Exercícios Resolvidos Reações I...www.exerciciosresolvidosde.com.br - Química - Exercícios Resolvidos Reações I...
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Química - Exercícios Resolvidos Reações I...
 
Notações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tiposNotações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tipos
 
Materia
MateriaMateria
Materia
 
Reações químicas tipos- 1o ano
Reações químicas  tipos- 1o anoReações químicas  tipos- 1o ano
Reações químicas tipos- 1o ano
 
3 estudo da matéria - abril
3 estudo da matéria - abril3 estudo da matéria - abril
3 estudo da matéria - abril
 
Lista de exercicios reações químicas
Lista de exercicios   reações químicasLista de exercicios   reações químicas
Lista de exercicios reações químicas
 
Resumo Físico-Química
Resumo Físico-QuímicaResumo Físico-Química
Resumo Físico-Química
 
Resumo Global Físico-Química 8ºano
Resumo Global Físico-Química 8ºanoResumo Global Físico-Química 8ºano
Resumo Global Físico-Química 8ºano
 
Classificação, propriedades e transformações físicas da matéria
Classificação, propriedades e transformações físicas da matériaClassificação, propriedades e transformações físicas da matéria
Classificação, propriedades e transformações físicas da matéria
 
Introdução às Reações Químicas
Introdução às Reações QuímicasIntrodução às Reações Químicas
Introdução às Reações Químicas
 
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICAAPOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICA
 
Transformações físicas e transformações químicas
Transformações físicas e transformações químicasTransformações físicas e transformações químicas
Transformações físicas e transformações químicas
 
Equações químicas
Equações químicasEquações químicas
Equações químicas
 
Aula 3. estrutura atômica
Aula 3. estrutura atômicaAula 3. estrutura atômica
Aula 3. estrutura atômica
 
Aula 9 lei de lavoisier e lei de proust
Aula 9   lei de lavoisier e lei de proustAula 9   lei de lavoisier e lei de proust
Aula 9 lei de lavoisier e lei de proust
 
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análise
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análiseIntroducao quimica, materia, substância, mistura, análise
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análise
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 

Semelhante a Forças Intermoleculares e Propriedades de Óxidos

1ºano_Teoria Atômica de Dalton e Leis Ponderais.pptx
1ºano_Teoria Atômica de Dalton e Leis Ponderais.pptx1ºano_Teoria Atômica de Dalton e Leis Ponderais.pptx
1ºano_Teoria Atômica de Dalton e Leis Ponderais.pptxssuser46eea5
 
QUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVASQUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVASPortal NE10
 
Prova ufpe-2012-quimica
Prova ufpe-2012-quimicaProva ufpe-2012-quimica
Prova ufpe-2012-quimicaUtane Quimico
 
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdfQuímica Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdfphvs120
 
Resumo polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
Resumo    polaridade, geometria molecular e ligações intermolecularesResumo    polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
Resumo polaridade, geometria molecular e ligações intermolecularesProfª Alda Ernestina
 
aula ligações químicas - iônica e covalente.ppt
aula ligações químicas - iônica e covalente.pptaula ligações químicas - iônica e covalente.ppt
aula ligações químicas - iônica e covalente.pptPedro Ribeiro
 
2019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v2
2019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v22019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v2
2019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v2rasuanfe
 
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemploSimone Belorte de Andrade
 
Pré-prova dos mais bagual Química POP
Pré-prova dos mais bagual Química POPPré-prova dos mais bagual Química POP
Pré-prova dos mais bagual Química POPRodrigo Oliveira
 
Aula 2 quim em
Aula 2   quim emAula 2   quim em
Aula 2 quim emWalney M.F
 
Aula sobre Grandezas Químicas!
Aula sobre Grandezas Químicas!Aula sobre Grandezas Químicas!
Aula sobre Grandezas Químicas!Nai Mariano
 

Semelhante a Forças Intermoleculares e Propriedades de Óxidos (20)

1ºano_Teoria Atômica de Dalton e Leis Ponderais.pptx
1ºano_Teoria Atômica de Dalton e Leis Ponderais.pptx1ºano_Teoria Atômica de Dalton e Leis Ponderais.pptx
1ºano_Teoria Atômica de Dalton e Leis Ponderais.pptx
 
Quimica ufpe 2013
Quimica ufpe 2013Quimica ufpe 2013
Quimica ufpe 2013
 
QUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVASQUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
 
Prova ufpe-2012-quimica
Prova ufpe-2012-quimicaProva ufpe-2012-quimica
Prova ufpe-2012-quimica
 
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdfQuímica Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
 
Resumo polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
Resumo    polaridade, geometria molecular e ligações intermolecularesResumo    polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
Resumo polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
 
aula ligações químicas - iônica e covalente.ppt
aula ligações químicas - iônica e covalente.pptaula ligações químicas - iônica e covalente.ppt
aula ligações químicas - iônica e covalente.ppt
 
Quimica 2014 tipo_b
Quimica 2014 tipo_bQuimica 2014 tipo_b
Quimica 2014 tipo_b
 
Quimica 2014 tipo_a
Quimica 2014 tipo_aQuimica 2014 tipo_a
Quimica 2014 tipo_a
 
Apostila quimica senai
Apostila quimica senaiApostila quimica senai
Apostila quimica senai
 
2019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v2
2019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v22019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v2
2019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v2
 
Ligacoes quimicas
Ligacoes quimicasLigacoes quimicas
Ligacoes quimicas
 
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
 
Pré-prova dos mais bagual Química POP
Pré-prova dos mais bagual Química POPPré-prova dos mais bagual Química POP
Pré-prova dos mais bagual Química POP
 
Ligações químicas
Ligações químicas Ligações químicas
Ligações químicas
 
Material de Estudo
Material de EstudoMaterial de Estudo
Material de Estudo
 
Aula 2 quim em
Aula 2   quim emAula 2   quim em
Aula 2 quim em
 
Aula sobre Grandezas Químicas!
Aula sobre Grandezas Químicas!Aula sobre Grandezas Químicas!
Aula sobre Grandezas Químicas!
 
Quimica 2012
Quimica 2012Quimica 2012
Quimica 2012
 
Quimica 2012
Quimica 2012Quimica 2012
Quimica 2012
 

Mais de con_seguir

Transformações geométricas no plano
Transformações geométricas no planoTransformações geométricas no plano
Transformações geométricas no planocon_seguir
 
Sistemas lineares
Sistemas linearesSistemas lineares
Sistemas linearescon_seguir
 
Relações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retânguloRelações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retângulocon_seguir
 
Numeros complexos aula
Numeros complexos aulaNumeros complexos aula
Numeros complexos aulacon_seguir
 
Numeros complexos
Numeros complexosNumeros complexos
Numeros complexoscon_seguir
 
Matematica raciocinio logico
Matematica raciocinio logicoMatematica raciocinio logico
Matematica raciocinio logicocon_seguir
 
Matematica questões resolvidas i
Matematica questões resolvidas iMatematica questões resolvidas i
Matematica questões resolvidas icon_seguir
 
Geometria analitica exercicios resolvidos
Geometria analitica exercicios resolvidosGeometria analitica exercicios resolvidos
Geometria analitica exercicios resolvidoscon_seguir
 
Geometria analitica equacao da reta
Geometria analitica equacao da retaGeometria analitica equacao da reta
Geometria analitica equacao da retacon_seguir
 
Fundamentos matematica iv
Fundamentos matematica ivFundamentos matematica iv
Fundamentos matematica ivcon_seguir
 
Fundamentos matematica ii
Fundamentos matematica iiFundamentos matematica ii
Fundamentos matematica iicon_seguir
 
Fundamentos matematica i
Fundamentos matematica iFundamentos matematica i
Fundamentos matematica icon_seguir
 
Fundamentos geometria i
Fundamentos geometria iFundamentos geometria i
Fundamentos geometria icon_seguir
 
Funcao do primeiro grau
Funcao do primeiro grauFuncao do primeiro grau
Funcao do primeiro graucon_seguir
 
Fisica 003 optica
Fisica   003 opticaFisica   003 optica
Fisica 003 opticacon_seguir
 
Exercicios resolvidos poligonos
Exercicios resolvidos   poligonosExercicios resolvidos   poligonos
Exercicios resolvidos poligonoscon_seguir
 
Estudos da reta
Estudos da retaEstudos da reta
Estudos da retacon_seguir
 

Mais de con_seguir (20)

Transformações geométricas no plano
Transformações geométricas no planoTransformações geométricas no plano
Transformações geométricas no plano
 
Sistemas lineares
Sistemas linearesSistemas lineares
Sistemas lineares
 
Relações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retânguloRelações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retângulo
 
Ponto reta
Ponto retaPonto reta
Ponto reta
 
Poliedro
PoliedroPoliedro
Poliedro
 
Numeros complexos aula
Numeros complexos aulaNumeros complexos aula
Numeros complexos aula
 
Numeros complexos
Numeros complexosNumeros complexos
Numeros complexos
 
Matematica raciocinio logico
Matematica raciocinio logicoMatematica raciocinio logico
Matematica raciocinio logico
 
Matematica questões resolvidas i
Matematica questões resolvidas iMatematica questões resolvidas i
Matematica questões resolvidas i
 
Geometria analitica exercicios resolvidos
Geometria analitica exercicios resolvidosGeometria analitica exercicios resolvidos
Geometria analitica exercicios resolvidos
 
Geometria analitica equacao da reta
Geometria analitica equacao da retaGeometria analitica equacao da reta
Geometria analitica equacao da reta
 
Geometria
GeometriaGeometria
Geometria
 
Fundamentos matematica iv
Fundamentos matematica ivFundamentos matematica iv
Fundamentos matematica iv
 
Fundamentos matematica ii
Fundamentos matematica iiFundamentos matematica ii
Fundamentos matematica ii
 
Fundamentos matematica i
Fundamentos matematica iFundamentos matematica i
Fundamentos matematica i
 
Fundamentos geometria i
Fundamentos geometria iFundamentos geometria i
Fundamentos geometria i
 
Funcao do primeiro grau
Funcao do primeiro grauFuncao do primeiro grau
Funcao do primeiro grau
 
Fisica 003 optica
Fisica   003 opticaFisica   003 optica
Fisica 003 optica
 
Exercicios resolvidos poligonos
Exercicios resolvidos   poligonosExercicios resolvidos   poligonos
Exercicios resolvidos poligonos
 
Estudos da reta
Estudos da retaEstudos da reta
Estudos da reta
 

Último

VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 

Último (20)

VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 

Forças Intermoleculares e Propriedades de Óxidos

  • 1. INTERAÇÕES E GRANDEZAS Índice Ponto de ebulição e forças intermoleculares Óxidos metálicos ― nomenclatura e propriedades Lei Volumétrica de Gay-Lussac e Princípio de Avogadro Forças intermoleculares Óxidos ― definição e classificação Massa atômica e massa molecular Massa atômica e massa molecular Solubilidade e forças intermoleculares Óxidos ametálicos ― nomenclatura e propriedades
  • 2. Forças intermoleculares As forças intermoleculares resultam das interações entre as moléculas de um material. Forças de van der Waals :interação entre moléculas polares ou apolares. Ligações de hidrogênio : ocorrem entre moléculas em que o átomo de hidrogênio está ligado diretamente a átomos muito eletronegativos, como F, O, N. intensidade : muito forte exemplos : H 2 O, NH 3 interação : dipolo induzido – dipolo induzido (forças de London) interação : dipolo permanente – dipolo permanente intensidade : fraca intensidade : forte atração por meio de dipolos temporários ou induzidos atração por meio de dipolos permanentes exemplos : CH 4 , N 2 exemplos : HCl, HNO 3 moléculas apolares moléculas polares
  • 3. Ponto de ebulição e forças intermoleculares Pontos de ebulição (PE) : depende da intensidade da força intermolecular e do n o de elétrons na molécula. Quanto mais intensa a força intermolecular e maior o n o de elétrons na molécula, maior será o PE. ligação de hidrogênio dipolo induzido – dipolo induzido dipolo induzido – dipolo induzido INTERAÇÃO +100 +77 -253 PE (ºC) 10 74 2 N o DE ELÉTRONS polar apolar apolar POLARIDADE ESTRUTURA H 2 O CCl 4 H 2 FÓRMULA Água Tetracloreto de carbono Gás hidrogênio SUBSTÂNCIA
  • 4. Solubilidade e forças intermoleculares Regra geral: “o semelhante dissolve o semelhante” , ou seja, substâncias polares tendem a dissolver substâncias polares, e substâncias apolares dissolvem substâncias apolares. tintasrampazzo.com.br A limpeza de pincéis utilizados com tintas à base de solventes orgânicos não pode ser feita com água (polar). Isso porque os solventes e pigmentos que constituem a tinta são substâncias apolares e, portanto, serão solúveis apenas em outros compostos apolares. As moléculas das substâncias polares são capazes de interagir umas com as outras. O mesmo raciocínio se aplica às apolares. Interação entre moléculas de etanol (polar) e água (polar), que explica a solubilidade do etanol em água.
  • 5. Óxidos ― definição e classificação Óxidos são compostos binários em que o elemento mais eletronegativo é o oxigênio. Os óxidos são classificados em: Óxidos ametálicos (ligações covalentes) Óxidos metálicos (ligações iônicas) Exemplo : óxido de ferro (Fe 2 O 3 ) Exemplo : dióxido de carbono (CO 2 ) minério de ferro – hematita (F 2 O 3 ) http://pt.wikipedia.org/wiki/Hematita educacaoadventista.org.br gelo seco – dióxido de carbono (CO 2 ) no estado sólido
  • 6. Óxidos metálicos – nomenclatura e propriedades Nomenclatura dos óxidos metálicos ÓXIDO + DE + NOME DO CÁTION (METAL) Exs.: MgO ― óxido de magnésio Al 2 O 3 ― óxido de alumínio Quando o cátion puder apresentar 2 cargas distintas deve-se acrescentar a carga ao nome ou usar a terminação oso para o cátion de menor carga e a terminação ico para o de maior carga. Ex.: NiO ― óxido de níquel II ou óxido niquel oso Ni 2 O 3 ― óxido de níquel III ou óxido niquél ico Propriedades dos óxidos metálicos São sólidos com altos pontos de fusão e ebulição (características de compostos iônicos). carga +2 carga +3
  • 7. Óxidos ametálicos nomenclatura e propriedades Nomenclatura dos óxidos ametálicos PREFIXO + ÓXIDO + DE + PREFIXO + NOME DO ELEMENTO Exs.: CO ― mon óxido de carbono CO 2 ― di óxido de carbono P 2 O 5 ― pent óxido de di fósforo Propriedades dos óxidos ametálicos São sólidos com baixos pontos de fusão e ebulição (características de compostos moleculares). PREFIXOS: indicação do número de átomos do elemento na molécula. mono ― 1 átomo di ― 2 átomos tri ― 3 átomos tetra ― 4 átomos e assim por diante.
  • 8. Lei volumétrica de Gay-Lussac e Princípio de Avogadro Lei de Gay-Lussac: “em uma reação química envolvendo gases o volume dos reagentes e o volume dos produtos guardam uma proporção simples”. Princípio de Avogadro: “volumes iguais de gases diferentes, medidos nas mesmas condições de temperatura e pressão, contêm o mesmo número de moléculas”. H 2 HCl O 2 2 H 2 (g) + O 2 (g)  2 H 2 O (g) 2 volumes de H 2 + 1 Volume de O 2  2 volumes de água Proporção: 2 : 1: 2 O mesmo volume de gases diferentes conterão o mesmo n o de moléculas.
  • 9. Massa atômica e massa molecular Massa atômica : é a massa do átomo do elemento químico relativa a um padrão de comparação denominado “unidade de massa atômica” (u). Carbono 12 Massa molecular : é a massa de uma molécula relativa a um padrão de comparação denominado “unidade de massa atômica” (u). Exemplo: massa molecular da amônia (NH 3 ) : 1 (N) + 3 (H) 1 (14) + 3 (1) = 17 u 1 u 16 oxigênio 14 nitrogênio 12 carbono 1 hidrogênio Massa atômica (u) Elemento