atencaobasica.org.br
Aprendizagem Social e Aprendizagem
Colaborativa
através de comunidades de práticas
Você já pensou como
acontece um processo
processo de
aprendizagem?
Quando nos propomos a realizar ações de educação, é importante
refletirmos sobre qual é o nosso entendimento sobre o proce...
O processo ensino e aprendizagem baseia-se em metodologias desenvolvidas em
diversas concepções epistemológicas, orientand...
Como as tecnologias
podem ser usadas
na concepção ensino e
aprendizagem?
O computador pode ser usado de diferentes formas, refletindo as diversas teorias que
embasam a proposta educativa. Pode se...
Por quê?
Vamos falar da perspetiva interacionista.
Ela é a que mais tem contribuído para
desenvolver processos de aprendiz...
● Nessa concepção, busca-se romper a hierarquia das relações professor-aluno
e superar a ideia de que o professor só ensin...
Vamos relembrar ?
● Comunidades de práticas são grupos de pessoas que compartilham um interesse
comum sobre um assunto ou problema e aprende...
Teoria da Aprendizagem Social:
compreensões que podem nos ajudar a refletir sobre como se dá a
aprendizagem nas comunidade...
Teoria da Aprendizagem Social
● A aprendizagem social é a aprendizagem colaborativa que se dá por meio do contato e
de ass...
É possível ensinar e aprender ao
mesmo tempo?
Aprendizagem colaborativa:
quando ensinar e aprender é um
processo coletivo!
Aprendizagem colaborativa
● A aprendizagem colaborativa ocorre a partir de um trabalho conjunto
entre dois ou mais indivíd...
Como a interação
por meio do uso de
tecnologias contribui
na construção
de processos de
aprendizagem?
● As comunidades dão suporte à aprendizagem colaborativa, permitindo aos alunos a
formação de redes, o ensino entre os par...
● Essas tecnologias proporcionam o suporte necessário para que ocorra a interação do
aprendiz com o tutor e com outros apr...
A aprendizagem social em comunidades
Wenger, um importante pensador sobre comunidades de prática, destaca
algumas das pers...
Referências
● BANDURA, A. (1977) Social Learning Theory. New York: General Learning Press
● KIRKWOOD, K. 2006. If they bui...
Dúvidas? Envie e-mail para:
contato@atencaobasica.org.br
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aprendizagem social e e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de práticas

443 visualizações

Publicada em

Os participantes de uma comunidade são atores ativos em seu próprio processo de aprendizagem, bem como no aprendizado da comunidade como um todo. Vamos saber mais sobre a fundamentação que norteia a aprendizagem através de comunidades, como também sobre as características dessa forma de aprender lendo a apresentação.

Esta apresentação foi produzida para o curso "Facilitação: promovendo interação em ambientes de aprendizagem colaborativa", acesso em: https://cursos.atencaobasica.org.br/courses/15784

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
443
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
50
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aprendizagem social e e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de práticas

  1. 1. atencaobasica.org.br Aprendizagem Social e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de práticas
  2. 2. Você já pensou como acontece um processo processo de aprendizagem?
  3. 3. Quando nos propomos a realizar ações de educação, é importante refletirmos sobre qual é o nosso entendimento sobre o processo ensino e aprendizagem. ● Esse processo diz respeito à forma como as pessoas constroem conhecimentos, competências e comportamentos; ● para isso, muitas metodologias podem ser empregadas, baseadas em concepções epistemológicas distintas, ou seja, há uma diversidade de teorias que procuram explicar como as pessoas constroem seus conhecimentos, e as práticas utilizadas no processo de aprender e ensinar estão intimamente relacionadas a elas; ● dessas concepções teóricas e metodológicas resultam diferentes práticas pedagógicas. Você já pensou sobre qual é a sua?
  4. 4. O processo ensino e aprendizagem baseia-se em metodologias desenvolvidas em diversas concepções epistemológicas, orientando diferentes modelos educacionais e práticas pedagógicas. As três principais concepções epistemológicas são: ● concepção apriorista: nessa concepção, acredita-se que o conhecimento está no sujeito e precisa ser despertado; ● concepção empirista: nessa concepção, o professor detém o conhecimento e o transmite ao aluno. O aluno é visto como uma “tábula rasa”, e de forma passiva recebe o conhecimento pronto; e ● concepção interacionista: nessa concepção, o conhecimento é resultado das interações. (Mussoi, Flores e Behar, 2007)
  5. 5. Como as tecnologias podem ser usadas na concepção ensino e aprendizagem?
  6. 6. O computador pode ser usado de diferentes formas, refletindo as diversas teorias que embasam a proposta educativa. Pode ser usado como “máquina de ensinar”, refletindo um modelo empirista, e pode ser usado em Comunidades Virtuais de Aprendizagem, refletindo um modelo interacionista. (Mussoi, Flores e Behar, 2007)
  7. 7. Por quê? Vamos falar da perspetiva interacionista. Ela é a que mais tem contribuído para desenvolver processos de aprendizagem nas Comunidades de Práticas.
  8. 8. ● Nessa concepção, busca-se romper a hierarquia das relações professor-aluno e superar a ideia de que o professor só ensina, e o estudante só aprende. ● O professor oportuniza relações com as informações, favorece processos de mediação e promove problematizações. ● Mais do que o próprio sujeito ou o objeto de aprendizagem, são as ações do sujeito que realmente importam no processo de aprendizagem interacionista. E, coletivamente, são as interações que promovem o processo de aprender e ensinar.
  9. 9. Vamos relembrar ?
  10. 10. ● Comunidades de práticas são grupos de pessoas que compartilham um interesse comum sobre um assunto ou problema e aprendem com interações regulares. (WENGER, 2008). ● Mais do que comunidades de aprendizes, as comunidades podem ser “comunidades que aprendem”, pois são compostas por pessoas que têm o compromisso de agregar as melhores práticas. (WENGER, 2008). ● O contato e a interação entre os membros deve possibilitar a troca de informações e conhecimentos, que, ao serem postos em prática pelos outros membros, auxiliam na busca de soluções.
  11. 11. Teoria da Aprendizagem Social: compreensões que podem nos ajudar a refletir sobre como se dá a aprendizagem nas comunidades de prática
  12. 12. Teoria da Aprendizagem Social ● A aprendizagem social é a aprendizagem colaborativa que se dá por meio do contato e de associações regulares com outros indivíduos. (BANDURA, 1977). ● Princípios básicos: ○ as pessoas aprendem observando o que as outras fazem; ○ o mesmo conjunto de estímulos pode provocar respostas diferentes de pessoas diferentes ou das mesmas pessoas em momentos diferentes; ○ o mundo e o comportamento de uma pessoa estão conectados; ○ a personalidade é uma interação entre três fatores: o meio ambiente, o comportamento e os processos psicológicos de uma pessoa.
  13. 13. É possível ensinar e aprender ao mesmo tempo? Aprendizagem colaborativa: quando ensinar e aprender é um processo coletivo!
  14. 14. Aprendizagem colaborativa ● A aprendizagem colaborativa ocorre a partir de um trabalho conjunto entre dois ou mais indivíduos, que, através da troca de ideias e conhecimentos, geram novas ideias e conhecimentos de forma coletiva. (DILLENBOURG, 1995). ● Componentes básicos: o critérios: para definir uma situação, simetria, divisão de tarefas, gerando padrões de interação; o interações: disparam mecanismos cognitivos que geram efeitos cognitivos (troca, negociação, etc.); o processos: background, modelagem mútua, indução, carga cognitiva; e o efeitos: resultado dos processos sobre o objeto de aprendizagem (ideia, produto, conhecimento, interação).
  15. 15. Como a interação por meio do uso de tecnologias contribui na construção de processos de aprendizagem?
  16. 16. ● As comunidades dão suporte à aprendizagem colaborativa, permitindo aos alunos a formação de redes, o ensino entre os pares e a construção de projetos conjuntamente. As ferramentas disponíveis permitem que o foco pedagógico seja a interação. (KIRKWOOD, 2006). ● Um dos grandes avanços dos modelos de formação que utilizam ambientes virtuais, deve-se à incorporação das Tecnologias da Informação e de elementos pedagógicos provenientes de teorias de aprendizagem social.
  17. 17. ● Essas tecnologias proporcionam o suporte necessário para que ocorra a interação do aprendiz com o tutor e com outros aprendizes. ● Dessa forma, os alunos tornam-se agentes ativos do próprio processo de ensino e aprendizagem, e os professores, facilitadores da construção e da apropriação do conhecimento pelos alunos. (Quiroz, 2010)
  18. 18. A aprendizagem social em comunidades Wenger, um importante pensador sobre comunidades de prática, destaca algumas das perspectivas da aprendizagem social: ● é inerente à natureza humana; o homem é um ser social por natureza; ● está centrada na habilidade de negociar novos significados, através da comunicação e da ressignificação das nossas experiências; ● é fundamentalmente social e baseada em experiências individuais (observação) e coletivas (interação); ● transforma a nossa identidade pela reflexão da percepção em grupo; ● é uma questão de energia social e força; é preciso um envolvimento cognitivo no processo colaborativo, ou seja, todos devem querer participar e ter um objetivo em comum; e ● envolve a interação entre o local (experiências e habilidades individuais) e o global (construção coletiva e conhecimento do grupo).
  19. 19. Referências ● BANDURA, A. (1977) Social Learning Theory. New York: General Learning Press ● KIRKWOOD, K. 2006. If they build it, they will come: creating opportunities for E-learning communities of practice. Universitas 21 Conference on E-learning and pedagogy. ● MUSSOI, E., FLORES, M., BEHAR, P. 2007. Comunidades virtuais: um novo espaço de aprendizagem. ● QUIROZ, J. El rol del tutor en los entornos virtuales de aprendizaje. Innovación Educativa, v. 10(52), jul- set, pp. 13-23. 2010. ● RIBEIRO, A. M., SILVA, J. L. T, BOFF, E., VICARI, R. 2011. Dos ambientes de aprendizagem às comunidades de práticas. Anais do XXII SBIE-WIE. ● WENGER, E. (2008) Communities of practice: a brief introduction. Disponível em: www.ewenger.com/theory/index.htm. Acesso: jun/2010. ● WENGER, E. (2000) Communities of Practice and Social Learning Systems. Wenger Organization. ● WOOLF, B.P. (org). (2010) A Roadmap for Education Technology. Global Resources for Online Education (GROE).
  20. 20. Dúvidas? Envie e-mail para: contato@atencaobasica.org.br

×