SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
BPMN
Categoria Objetos do Fluxo
Atividades
Uma	atividade	é	um	passo	dentro	do	processo.	
Representa	o	trabalho	realizado	dentro	de	uma
organização	e	consome	recursos	(tais	como	tempo	e
dinheiro).	
As	atividades	são	representadas	por	retângulos	com	os
cantos	arredondados.
Tipos de Tarefas
Simples utilizada de forma genérica
Usuário
tarefa	realizada	por	um	usuário	com
ajuda	de	um	sistema	ou	software
Serviço
realizada	por	um	sistema	sem
intervenção	humana
Envio
realizada para o envio de
informações
Manual sem apoio tecnológico
Script código de programação
Regras de Negócios
executa uma regra de negócio (ex.:
calculo de I.R.)
As atividades podem ser utilizadas em seu formato simples ou com a
explicitação de tipos, de acordo com o trabalho realizado nesse
determinado ponto do processo.
A explicitação de tipos deve ser utilizada preferencialmente quando é
necessário acrescentar informações relevantes a respeito de uma tarefa
sem tornar o texto da atividade demasiadamente longo.
Subprocessos
Para	evitar	que	o	fluxo	do	processo	de	trabalho	fique
demasiado	complexo	e	tenha	que	ser	colado	cobrindo	todas	as
paredes	da	sua	sala	para	ser	visualisado,	você	pode	dividi-lo
em	uma	hierarquia	de	subprocessos.
tipos	de	subprocessos
Embutido:
é	definido	como	um	subprocesso	que	está	embutido
completamente	no	processo	“pai”.	Não	pode	conter pools
nem lanes.
A	utilização	de	subprocessos	embutidos	geralmente	é	a
forma	mais	adequada	de	desenhar	partes	pequenas	do
processo	que	podem	ser	expandidas	para	facilitar	a
explicação	de	seu	funcionamento	mas	não	precisam	ficar
visíveis	sempre.
Reusável:
é	definido	como	um	diagrama	de	processos	completo.	Pode
conter	qualquer	elemento,	até pools e lanes.
A	utilização	de	subprocessos	reusáveis	geralmente	é	a
forma	mais	adequada	de	desenhar	o	processo,	facilitando	a
visualização	e	a	interpretação	do	fluxo,	especialmente
quando	impresso.
O	subprocesso	do	tipo	reusável	é	desenhado	como	se	fosse	um	novo	processo!
Dentro	do	mapeamento	os	subprocessos	são	muito	importantes,	já	que	oferecem	a
possibilidade	de	diagramar	hierarquicamente	um	processo,	detalhando-o	em	vários
níveis
Tipo de loop
condição de ciclo
condição de negócio que define até quando o ciclo irá ser
repetido. Exemplo: mínimo de 3 candidatos selecionados para
poer continuar o processo
Máximo de ciclo/loop
indica	a	quantidade	máxima	de	vezes	que	a	atividade	deve	ser
repetida,	mesmo	que	a	condição	de loop não	seja	atingida.
Exemplo:	a	atividade	“avaliar	candidato”	será	executada	no
máximo	15	vezes,	mesmo	que	não	sejam	selecionados	os	3
candidatos.
Eventos
Permitem	agregar	informações	adicionais
sobre	o	processo.
Início
indicam	o	início	de	um	processo.	Ao	ler
um	mapa	de	processo,	comece	por	ele!
O	evento	de	início	marca	o	ponto	de
partida	do	fluxo	do	processo	de
trabalho	e	tem	como	características:
indicam	quando	um	processo	inicia;
usualmente,	um	processo	tem	apenas
um	evento	de	início;
se	for	usado	um	evento	de	início,	todos
os	subprocessos	devem	ter	também
eventos	de	início;
se	for	usado	evento	de	início,	é
obrigatório	usar	evento	de	fim;
o	evento	de	início	é	independente	para
cada	processo	e	para	cada	subprocesso,
conforme	figura	a	seguir.
Tipos
Genérico
Não	especifica	nenhum	comportamento
particular	para	iniciar	o	processo.
Mensagem
Especifica	que	um	processo	inicia
quando	uma	mensagem	é	recebida	de
outro	participante.
Timer
Indica	que	um	processo	inicia	a	cada
ciclo	de	tempo	ou	em	uma	data/hora
específica
Intermediários
ocorrem	durante	o	transcurso	de	um	processo,	ou	seja,	entre	o	início	e	o	fim.
Os	eventos	intermediários	indicam	algo	que	ocorre	durante	um	processo.	Eles
afetam	o	fluxo	do	processo	mas	não	o	iniciam	nem	o	terminam	diretamente.
Os	eventos	intermediários	também
podem	ser	especificados	para
representar	com	mais	exatidão	os	fatos
que	acontecem	durante	o	processo.
genérico
Indica algo que ocorre ou pode ocorrer
dentro do processo;
Só pode ser utilizado dentro da
sequência do fluxo;
Também podem ser utilizados para
representar os diferentes estados do
processo.
mensagem
Indica que uma mensagem pode ser
enviada ou recebida;
Utilize o ícone escuro se a mensagem for
enviada pelo processo;
Utilize o ícone claro se a mensagem for
recebida pelo processo. O processo não
continua até que a mensagem seja
recebida.
timer
Indica uma espera dentro do processo,
ou seja, uma demora;
Este tipo de evento pode ser utilizado
dentro do fluxo de sequência do
processo, indicando uma espera entre as
atividades;
O tempo indicado pode ser em minutos,
horas, dias etc ou pode ser uma data
determinada.
enlace
Permite conectar duas seções do
processo, ou seja, atua como conector
entre “páginas” de um diagrama.
Fim
indicam	onde	um	processo	é	finalizado.
Os	eventos	de	fim	indicam	quando	um
caminho	do	processo	ou	um
subprocesso	finaliza
Características	dos	eventos	de	fim:
não	têm	fluxos	saindo
se	for	usado	um	evento	de	fim,	todos	os
subprocessos	devem	ter	também
eventos	de	fim
Gateways
(desvios)
Proveem	informações	sobre	as	entradas	e
saídas	de	uma	atividade.
Os gateways são	elementos	utilizados	para	controlar	os
pontos	de	divergência	e	convergência	do	fluxo,	tais	como
as	decisões,	as	ações	em	paralelo	e	os	pontos	de
sincronização	do	fluxo.	Os gateways são	representados
por	losangos.	As	anotações	no	interior	do	losango
indicam	o	tipo	e	o	comportamento	do gateway.
Tipos
Exclusivo
representa	um	ponto	de	decisão	onde	apenas	um	caminho
dos	vários	possíveis	pode	ser	escolhido.
Para	expressar	que	apenas	uma	alternativa	de	caminho	é	possível
utilizamos	o gateway exclusivo.	No	exemplo,	o	cliente	pode	pagar	via
débito	direto	ou	via	cartão	de	crédito,	mas	não	poderá	utilizar	os	dois
meios	de	pagamento	ao	mesmo	tempo.
Baseado em Eventos
representa	um	ponto	do	processo	em
que	a	decisão	será	tomada	com	base
em	um	evento.
Paralelo
é	utilizado	quando	várias	atividades	podem	ser	realizadas
concorrentemente	ou	em	paralelo.
Inclusive
é	utilizado	quando,	em	um	ponto	do
fluxo,	são	ativados	um	ou	mais
caminhos,	dentre	vários	disponíveis.
Complexo
Um	diagrama	de	processo	de	trabalho	consiste	em	atividades,	eventos	e
gateways em	uma	ordem	de	ocorrência.	
Atividades,	eventos	e gateways são	denominados	objetos	do	fluxo.	
Objetos	de	Fluxo:	são	os	principais	elementos	gráficos	para	definir	o
comportamento	do	processo	de	trabalho .
Categoria Swimlanes : Pools,
Lanes, Milestones
são utilizados para organizar as atividades do fluxo em diferentes categorias visuais que representam áreas
funcionais, papéis, responsabilidades, entidades ou até outros processos.
pool (piscina)
Contém	o	processo	de	trabalho.
Tipos de pools
Processo de Negócio Interno (Privado)
Representa um único processo de
trabalho em que normalmente se mostra
toda a sequência do processo.
O	trabalho	executado	pela	entidade
fora	do	escopo	é	um processo	externo .
Processo de Negócio Abstrato (Público)
Representa um processo de trabalho
externo, do qual desconhecemos o fluxo
e as atividades.
Desenhado	simplesmente	por	um pool
vazio,	nele	somente	são	representados
os	pontos	de	contato	entre	o	processo
interno	com	o	externo.
Processo de Negócio Colaborativo (Global)
Representa a interação entre dois ou
mais entidades de negócio, explicitada
pelas mensagens trocadas entre essas
entidades.
Em	outros	casos	temos	processos	de
trabalho	que	ultrapassam	as	fronteiras
entre	duas	entidades,	mas	temos
condições	e	interesse	em	mostrar	os
detalhes	do	trabalho	de	ambos.	Para
isso,	utilizamos	o	chamado	processo	de
negócios	colaborativo.
Lane	(raia)
É	uma	partição	horizontal	dentro	do	processo.	Geralmente	utilizado	para	separar	as
atividades	a	cargo	de	cada	responsável.
É	uma	subdivisão	de	um pool,	normalmente	representando	uma	área
organizacional	ou	um	papel	desempenhado	por	um	servidor.
Os pontos em que o fluxo de trabalho cruza de uma lane para outra devem ser vistos
com atenção, pois representam fronteiras entre responsabilidades e apresentam
potencial para atrasos ou erros.
Os	fluxos	de	sequência	(flechas	que	ligam	atividades,	eventos,
gateways)	podem	cruzar	livremente	os	limites	de	cada lane em	um
pool.
A	apresentação	em lanes ajuda	muito	a	produzir	um	desenho	de	fácil
entendimento	e	que	explicita	realmente	o	caminho	que	o	fluxo	do
processo	de	trabalho	percorre.
Milestone
Criam	partições	na	sequência	do	processo.	Geralmente	utilizado	para
indicar	fases	dentro	do	processo	ou	períodos	de	tempo	demarcados
Categoria Artefatos
Objetos de Dados
Proveem informações sobre as entradas e saídas de uma atividade.
Podem	ser	exemplificados	por	formulários,	documentos,
livros,	manuais	etc.
Anotações
Permitem agregar comentários acerca do processo.
São observações acerca	do	mapa	do	processo	de	trabalho.	Estas	permitem
agregar	informações	ao	processo	que	se	consideram	relevantes	para	seu
entendimento.
Grupos
São mecanismos visuais que permitem agrupar as atividades, com fins de
documentação ou análise.
Grupos	são	apenas	uma	forma	visual	de	agrupar	as	atividades	de	um	pedaço
do	mapa,	com	fins	de	documentação	ou	análise,	mas	não	afetam	a	sequência
do	fluxo.
Categoria Objetos de Conexão
Linhas	de	sequência
Utilizadas	para	conectar	as	figuras	básicas.
Para	conectar	as	figuras	básicas,	usamos	os	fluxos	de	sequência.	Eles
representam	o	controle	do	fluxo	e	a	sequência	dos objetos	do	fluxo
(atividades, gateways e	eventos).
Linhas	de	mensagem
Representam	a	comunicação	existente	entre	dois	processos
As	linhas	de	mensagem	representam	a	comunicação	existente entre
dois	processos,	como:	requerimentos,	respostas,	eventos	que	podem
modificar	o	processo	etc.
Podemos	utilizar	linhas	de	mensagem	conectadas	diretamente	às
atividades,	representando	os	fluxos	de	mensagens	entre	dois	processos
internos	da	organização,	ou	entre	um	processo	interno	e	outro	externo	à
organização.
Também	pode	haver	linhas	de	mensagem	conectadas	diretamente	aos
limites	de	um	processo,	representando	os	fluxos	de	mensagens	entre	um
processo	interno	da	organização	e	um	processo	externo	do	tipo	abstrato.
AssociaçõesLigam	os	artefatos	( anotações,	objetos	de	dados,	grupos )	a	outros	elementos	do	mapa.
BPMN.mmap - 03/12/2013 - Mindjet

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Templante, Modelo do Planejamento de um Projeto de Gestão por Processos (BPM)
Templante, Modelo do Planejamento de um Projeto de Gestão por Processos (BPM)Templante, Modelo do Planejamento de um Projeto de Gestão por Processos (BPM)
Templante, Modelo do Planejamento de um Projeto de Gestão por Processos (BPM)CompanyWeb
 
BPMS - Do processo à execução do processo
BPMS -  Do processo à execução do processoBPMS -  Do processo à execução do processo
BPMS - Do processo à execução do processoCompanyWeb
 
Analista de Negócios & Gestão de Requisitos via Web
Analista de Negócios & Gestão de Requisitos via WebAnalista de Negócios & Gestão de Requisitos via Web
Analista de Negócios & Gestão de Requisitos via WebCompanyWeb
 
Mapeamento de Processos de Negócios - as is BPM
Mapeamento de Processos de Negócios - as is BPMMapeamento de Processos de Negócios - as is BPM
Mapeamento de Processos de Negócios - as is BPMCompanyWeb
 
Cap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPP
Cap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPPCap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPP
Cap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPPEloGroup
 
Modelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de Sistemas
Modelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de SistemasModelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de Sistemas
Modelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de SistemasImpacta Eventos
 
Aula Gestão da Produção e Logística: Arranjo Físico
Aula Gestão da Produção e Logística: Arranjo FísicoAula Gestão da Produção e Logística: Arranjo Físico
Aula Gestão da Produção e Logística: Arranjo FísicoWilian Gatti Jr
 

Destaque (11)

Templante, Modelo do Planejamento de um Projeto de Gestão por Processos (BPM)
Templante, Modelo do Planejamento de um Projeto de Gestão por Processos (BPM)Templante, Modelo do Planejamento de um Projeto de Gestão por Processos (BPM)
Templante, Modelo do Planejamento de um Projeto de Gestão por Processos (BPM)
 
BPMS - Do processo à execução do processo
BPMS -  Do processo à execução do processoBPMS -  Do processo à execução do processo
BPMS - Do processo à execução do processo
 
Analista de Negócios & Gestão de Requisitos via Web
Analista de Negócios & Gestão de Requisitos via WebAnalista de Negócios & Gestão de Requisitos via Web
Analista de Negócios & Gestão de Requisitos via Web
 
Mapeamento de Processos de Negócios - as is BPM
Mapeamento de Processos de Negócios - as is BPMMapeamento de Processos de Negócios - as is BPM
Mapeamento de Processos de Negócios - as is BPM
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
 
Cap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPP
Cap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPPCap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPP
Cap 10 – Tecnologia BPM – Bruno Lima,CBPP
 
Modelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de Sistemas
Modelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de SistemasModelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de Sistemas
Modelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de Sistemas
 
Melhoria de Processo de Negócio
Melhoria de Processo de NegócioMelhoria de Processo de Negócio
Melhoria de Processo de Negócio
 
Guia BPM CBOK
Guia BPM CBOK Guia BPM CBOK
Guia BPM CBOK
 
Aula Gestão da Produção e Logística: Arranjo Físico
Aula Gestão da Produção e Logística: Arranjo FísicoAula Gestão da Produção e Logística: Arranjo Físico
Aula Gestão da Produção e Logística: Arranjo Físico
 
Resumo do Guia BABOK® 3
Resumo do Guia BABOK®  3 Resumo do Guia BABOK®  3
Resumo do Guia BABOK® 3
 

Semelhante a BPMN: Objetos do Fluxo, Swimlanes e Artefatos

Business Process Modeling Notation (BPMN)
Business Process Modeling Notation (BPMN)Business Process Modeling Notation (BPMN)
Business Process Modeling Notation (BPMN)elliando dias
 
Fluxograma de atividades
Fluxograma de atividadesFluxograma de atividades
Fluxograma de atividadesVanessa Barbosa
 
BPMN - Modelagem de negocio
BPMN - Modelagem de negocioBPMN - Modelagem de negocio
BPMN - Modelagem de negocioEduardo Greco
 
BPMN-V1 - Conhecendo os elementos da técnica BPMN
BPMN-V1 - Conhecendo os elementos da técnica BPMNBPMN-V1 - Conhecendo os elementos da técnica BPMN
BPMN-V1 - Conhecendo os elementos da técnica BPMNSaulo Oliveira
 
Arquitetura orientada a serviço
Arquitetura orientada a serviçoArquitetura orientada a serviço
Arquitetura orientada a serviçocadeirudo
 
ApresentaçãO Metodologia
ApresentaçãO MetodologiaApresentaçãO Metodologia
ApresentaçãO MetodologiaMarcos Yonamine
 
Fluxograma de atividades
Fluxograma de atividadesFluxograma de atividades
Fluxograma de atividadesLauren Goulart
 
Guia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicas
Guia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicasGuia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicas
Guia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicasFranciscoSAlmeida
 
Aula de revisão 2º bimestre - Análise Projeto e Programação para Web - TSI
Aula de revisão 2º bimestre - Análise Projeto e Programação para Web - TSIAula de revisão 2º bimestre - Análise Projeto e Programação para Web - TSI
Aula de revisão 2º bimestre - Análise Projeto e Programação para Web - TSIMaria Alice Jovinski
 
Administração de tempo e prazo
Administração de tempo e prazoAdministração de tempo e prazo
Administração de tempo e prazoCiro Lopes
 
Aula modelagem de dados
Aula modelagem de dadosAula modelagem de dados
Aula modelagem de dadosGabriel Moura
 
Análise de processos fluxogrmas aula dia 16-08
Análise de processos fluxogrmas   aula dia 16-08Análise de processos fluxogrmas   aula dia 16-08
Análise de processos fluxogrmas aula dia 16-08Fabiano Fersant
 

Semelhante a BPMN: Objetos do Fluxo, Swimlanes e Artefatos (20)

Curso bpmn
Curso bpmnCurso bpmn
Curso bpmn
 
Introducao_BPMN.pdf
Introducao_BPMN.pdfIntroducao_BPMN.pdf
Introducao_BPMN.pdf
 
ManualBPMN.pdf
ManualBPMN.pdfManualBPMN.pdf
ManualBPMN.pdf
 
Business Process Modeling Notation (BPMN)
Business Process Modeling Notation (BPMN)Business Process Modeling Notation (BPMN)
Business Process Modeling Notation (BPMN)
 
Exemplo do uso de BPMN
Exemplo do uso de BPMNExemplo do uso de BPMN
Exemplo do uso de BPMN
 
Aula 6 14042011 sii
Aula 6   14042011 siiAula 6   14042011 sii
Aula 6 14042011 sii
 
Bpmn2 0 poster_pt
Bpmn2 0 poster_ptBpmn2 0 poster_pt
Bpmn2 0 poster_pt
 
Fluxograma de atividades
Fluxograma de atividadesFluxograma de atividades
Fluxograma de atividades
 
BPMN - Modelagem de negocio
BPMN - Modelagem de negocioBPMN - Modelagem de negocio
BPMN - Modelagem de negocio
 
BPMN-V1 - Conhecendo os elementos da técnica BPMN
BPMN-V1 - Conhecendo os elementos da técnica BPMNBPMN-V1 - Conhecendo os elementos da técnica BPMN
BPMN-V1 - Conhecendo os elementos da técnica BPMN
 
Arquitetura orientada a serviço
Arquitetura orientada a serviçoArquitetura orientada a serviço
Arquitetura orientada a serviço
 
ApresentaçãO Metodologia
ApresentaçãO MetodologiaApresentaçãO Metodologia
ApresentaçãO Metodologia
 
Fluxograma de atividades
Fluxograma de atividadesFluxograma de atividades
Fluxograma de atividades
 
Guia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicas
Guia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicasGuia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicas
Guia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicas
 
Aula de revisão 2º bimestre - Análise Projeto e Programação para Web - TSI
Aula de revisão 2º bimestre - Análise Projeto e Programação para Web - TSIAula de revisão 2º bimestre - Análise Projeto e Programação para Web - TSI
Aula de revisão 2º bimestre - Análise Projeto e Programação para Web - TSI
 
Análise desenvolvimento de sistemas 4periodo
Análise desenvolvimento de sistemas 4periodoAnálise desenvolvimento de sistemas 4periodo
Análise desenvolvimento de sistemas 4periodo
 
Administração de tempo e prazo
Administração de tempo e prazoAdministração de tempo e prazo
Administração de tempo e prazo
 
Aula modelagem de dados
Aula modelagem de dadosAula modelagem de dados
Aula modelagem de dados
 
Análise de processos fluxogrmas aula dia 16-08
Análise de processos fluxogrmas   aula dia 16-08Análise de processos fluxogrmas   aula dia 16-08
Análise de processos fluxogrmas aula dia 16-08
 
Mapeamento
Mapeamento Mapeamento
Mapeamento
 

Mais de CompanyWeb

Jornada do Risco - 1/2 parte
Jornada do Risco - 1/2 parteJornada do Risco - 1/2 parte
Jornada do Risco - 1/2 parteCompanyWeb
 
Infográfico do Roadmap do PMO
Infográfico do Roadmap do PMOInfográfico do Roadmap do PMO
Infográfico do Roadmap do PMOCompanyWeb
 
Roadmap do PMO
Roadmap do PMORoadmap do PMO
Roadmap do PMOCompanyWeb
 
Fluxo dos projetos dentro do Escritório de Projeto (PMO)
Fluxo dos projetos dentro do Escritório de Projeto (PMO)Fluxo dos projetos dentro do Escritório de Projeto (PMO)
Fluxo dos projetos dentro do Escritório de Projeto (PMO)CompanyWeb
 
Mentoria em Compliance, BPM e Gestão de Riscos e Controles Internos
Mentoria em Compliance, BPM e Gestão de Riscos e Controles InternosMentoria em Compliance, BPM e Gestão de Riscos e Controles Internos
Mentoria em Compliance, BPM e Gestão de Riscos e Controles InternosCompanyWeb
 
LGPD - Projeto de compliance em 4 fases
LGPD - Projeto de compliance em 4 fasesLGPD - Projeto de compliance em 4 fases
LGPD - Projeto de compliance em 4 fasesCompanyWeb
 
Apresentação Executiva da CompanyWeb
Apresentação Executiva da CompanyWebApresentação Executiva da CompanyWeb
Apresentação Executiva da CompanyWebCompanyWeb
 
Privacy Manager - Para atender compliance LGPD
Privacy Manager - Para atender compliance LGPDPrivacy Manager - Para atender compliance LGPD
Privacy Manager - Para atender compliance LGPDCompanyWeb
 
Gestão Eficaz da GRC - Governança, Risco e Conformidade | Três Linhas de Defesa
Gestão Eficaz da GRC - Governança, Risco e Conformidade | Três Linhas de DefesaGestão Eficaz da GRC - Governança, Risco e Conformidade | Três Linhas de Defesa
Gestão Eficaz da GRC - Governança, Risco e Conformidade | Três Linhas de DefesaCompanyWeb
 
ISO 19600 - Programa de Compliance
ISO 19600 - Programa de ComplianceISO 19600 - Programa de Compliance
ISO 19600 - Programa de ComplianceCompanyWeb
 
EAD - FAP Formação Analista de Processos
EAD - FAP Formação Analista de ProcessosEAD - FAP Formação Analista de Processos
EAD - FAP Formação Analista de ProcessosCompanyWeb
 
Curso FAP – Analista de Processos de Negócios
Curso FAP – Analista de Processos de NegóciosCurso FAP – Analista de Processos de Negócios
Curso FAP – Analista de Processos de NegóciosCompanyWeb
 
Software riskM - Tutorial
Software riskM - TutorialSoftware riskM - Tutorial
Software riskM - TutorialCompanyWeb
 
Software riskM | Gestão Eficaz da GRC – Governança, Risco e Conformidade
Software riskM | Gestão Eficaz da GRC – Governança, Risco e ConformidadeSoftware riskM | Gestão Eficaz da GRC – Governança, Risco e Conformidade
Software riskM | Gestão Eficaz da GRC – Governança, Risco e ConformidadeCompanyWeb
 
Compliance em Fundações
Compliance em FundaçõesCompliance em Fundações
Compliance em FundaçõesCompanyWeb
 
Matriz de Risco Corporativo | em 3 passos
Matriz de Risco Corporativo | em 3 passosMatriz de Risco Corporativo | em 3 passos
Matriz de Risco Corporativo | em 3 passosCompanyWeb
 
Liderando Mudança
Liderando MudançaLiderando Mudança
Liderando MudançaCompanyWeb
 
Infográfico - Programa de Compliance & Integridade – 6 passos para implantação
Infográfico - Programa de Compliance & Integridade  – 6 passos para implantaçãoInfográfico - Programa de Compliance & Integridade  – 6 passos para implantação
Infográfico - Programa de Compliance & Integridade – 6 passos para implantaçãoCompanyWeb
 

Mais de CompanyWeb (20)

Jornada do Risco - 1/2 parte
Jornada do Risco - 1/2 parteJornada do Risco - 1/2 parte
Jornada do Risco - 1/2 parte
 
Infográfico do Roadmap do PMO
Infográfico do Roadmap do PMOInfográfico do Roadmap do PMO
Infográfico do Roadmap do PMO
 
Roadmap do PMO
Roadmap do PMORoadmap do PMO
Roadmap do PMO
 
Fluxo dos projetos dentro do Escritório de Projeto (PMO)
Fluxo dos projetos dentro do Escritório de Projeto (PMO)Fluxo dos projetos dentro do Escritório de Projeto (PMO)
Fluxo dos projetos dentro do Escritório de Projeto (PMO)
 
Mentoria em Compliance, BPM e Gestão de Riscos e Controles Internos
Mentoria em Compliance, BPM e Gestão de Riscos e Controles InternosMentoria em Compliance, BPM e Gestão de Riscos e Controles Internos
Mentoria em Compliance, BPM e Gestão de Riscos e Controles Internos
 
LGPD - Projeto de compliance em 4 fases
LGPD - Projeto de compliance em 4 fasesLGPD - Projeto de compliance em 4 fases
LGPD - Projeto de compliance em 4 fases
 
LGPD
LGPDLGPD
LGPD
 
Apresentação Executiva da CompanyWeb
Apresentação Executiva da CompanyWebApresentação Executiva da CompanyWeb
Apresentação Executiva da CompanyWeb
 
ITIL 4
ITIL 4ITIL 4
ITIL 4
 
Privacy Manager - Para atender compliance LGPD
Privacy Manager - Para atender compliance LGPDPrivacy Manager - Para atender compliance LGPD
Privacy Manager - Para atender compliance LGPD
 
Gestão Eficaz da GRC - Governança, Risco e Conformidade | Três Linhas de Defesa
Gestão Eficaz da GRC - Governança, Risco e Conformidade | Três Linhas de DefesaGestão Eficaz da GRC - Governança, Risco e Conformidade | Três Linhas de Defesa
Gestão Eficaz da GRC - Governança, Risco e Conformidade | Três Linhas de Defesa
 
ISO 19600 - Programa de Compliance
ISO 19600 - Programa de ComplianceISO 19600 - Programa de Compliance
ISO 19600 - Programa de Compliance
 
EAD - FAP Formação Analista de Processos
EAD - FAP Formação Analista de ProcessosEAD - FAP Formação Analista de Processos
EAD - FAP Formação Analista de Processos
 
Curso FAP – Analista de Processos de Negócios
Curso FAP – Analista de Processos de NegóciosCurso FAP – Analista de Processos de Negócios
Curso FAP – Analista de Processos de Negócios
 
Software riskM - Tutorial
Software riskM - TutorialSoftware riskM - Tutorial
Software riskM - Tutorial
 
Software riskM | Gestão Eficaz da GRC – Governança, Risco e Conformidade
Software riskM | Gestão Eficaz da GRC – Governança, Risco e ConformidadeSoftware riskM | Gestão Eficaz da GRC – Governança, Risco e Conformidade
Software riskM | Gestão Eficaz da GRC – Governança, Risco e Conformidade
 
Compliance em Fundações
Compliance em FundaçõesCompliance em Fundações
Compliance em Fundações
 
Matriz de Risco Corporativo | em 3 passos
Matriz de Risco Corporativo | em 3 passosMatriz de Risco Corporativo | em 3 passos
Matriz de Risco Corporativo | em 3 passos
 
Liderando Mudança
Liderando MudançaLiderando Mudança
Liderando Mudança
 
Infográfico - Programa de Compliance & Integridade – 6 passos para implantação
Infográfico - Programa de Compliance & Integridade  – 6 passos para implantaçãoInfográfico - Programa de Compliance & Integridade  – 6 passos para implantação
Infográfico - Programa de Compliance & Integridade – 6 passos para implantação
 

BPMN: Objetos do Fluxo, Swimlanes e Artefatos

  • 1. BPMN Categoria Objetos do Fluxo Atividades Uma atividade é um passo dentro do processo. Representa o trabalho realizado dentro de uma organização e consome recursos (tais como tempo e dinheiro). As atividades são representadas por retângulos com os cantos arredondados. Tipos de Tarefas Simples utilizada de forma genérica Usuário tarefa realizada por um usuário com ajuda de um sistema ou software Serviço realizada por um sistema sem intervenção humana Envio realizada para o envio de informações Manual sem apoio tecnológico Script código de programação Regras de Negócios executa uma regra de negócio (ex.: calculo de I.R.) As atividades podem ser utilizadas em seu formato simples ou com a explicitação de tipos, de acordo com o trabalho realizado nesse determinado ponto do processo. A explicitação de tipos deve ser utilizada preferencialmente quando é necessário acrescentar informações relevantes a respeito de uma tarefa sem tornar o texto da atividade demasiadamente longo. Subprocessos Para evitar que o fluxo do processo de trabalho fique demasiado complexo e tenha que ser colado cobrindo todas as paredes da sua sala para ser visualisado, você pode dividi-lo em uma hierarquia de subprocessos. tipos de subprocessos Embutido: é definido como um subprocesso que está embutido completamente no processo “pai”. Não pode conter pools nem lanes. A utilização de subprocessos embutidos geralmente é a forma mais adequada de desenhar partes pequenas do processo que podem ser expandidas para facilitar a explicação de seu funcionamento mas não precisam ficar visíveis sempre. Reusável: é definido como um diagrama de processos completo. Pode conter qualquer elemento, até pools e lanes. A utilização de subprocessos reusáveis geralmente é a forma mais adequada de desenhar o processo, facilitando a visualização e a interpretação do fluxo, especialmente quando impresso. O subprocesso do tipo reusável é desenhado como se fosse um novo processo! Dentro do mapeamento os subprocessos são muito importantes, já que oferecem a possibilidade de diagramar hierarquicamente um processo, detalhando-o em vários níveis Tipo de loop condição de ciclo condição de negócio que define até quando o ciclo irá ser repetido. Exemplo: mínimo de 3 candidatos selecionados para poer continuar o processo Máximo de ciclo/loop indica a quantidade máxima de vezes que a atividade deve ser repetida, mesmo que a condição de loop não seja atingida. Exemplo: a atividade “avaliar candidato” será executada no máximo 15 vezes, mesmo que não sejam selecionados os 3 candidatos. Eventos Permitem agregar informações adicionais sobre o processo. Início indicam o início de um processo. Ao ler um mapa de processo, comece por ele! O evento de início marca o ponto de partida do fluxo do processo de trabalho e tem como características: indicam quando um processo inicia; usualmente, um processo tem apenas um evento de início; se for usado um evento de início, todos os subprocessos devem ter também eventos de início; se for usado evento de início, é obrigatório usar evento de fim; o evento de início é independente para cada processo e para cada subprocesso, conforme figura a seguir. Tipos Genérico Não especifica nenhum comportamento particular para iniciar o processo. Mensagem Especifica que um processo inicia quando uma mensagem é recebida de outro participante. Timer Indica que um processo inicia a cada ciclo de tempo ou em uma data/hora específica Intermediários ocorrem durante o transcurso de um processo, ou seja, entre o início e o fim. Os eventos intermediários indicam algo que ocorre durante um processo. Eles afetam o fluxo do processo mas não o iniciam nem o terminam diretamente. Os eventos intermediários também podem ser especificados para representar com mais exatidão os fatos que acontecem durante o processo. genérico Indica algo que ocorre ou pode ocorrer dentro do processo; Só pode ser utilizado dentro da sequência do fluxo; Também podem ser utilizados para representar os diferentes estados do processo. mensagem Indica que uma mensagem pode ser enviada ou recebida; Utilize o ícone escuro se a mensagem for enviada pelo processo; Utilize o ícone claro se a mensagem for recebida pelo processo. O processo não continua até que a mensagem seja recebida. timer Indica uma espera dentro do processo, ou seja, uma demora; Este tipo de evento pode ser utilizado dentro do fluxo de sequência do processo, indicando uma espera entre as atividades; O tempo indicado pode ser em minutos, horas, dias etc ou pode ser uma data determinada. enlace Permite conectar duas seções do processo, ou seja, atua como conector entre “páginas” de um diagrama. Fim indicam onde um processo é finalizado. Os eventos de fim indicam quando um caminho do processo ou um subprocesso finaliza Características dos eventos de fim: não têm fluxos saindo se for usado um evento de fim, todos os subprocessos devem ter também eventos de fim Gateways (desvios) Proveem informações sobre as entradas e saídas de uma atividade. Os gateways são elementos utilizados para controlar os pontos de divergência e convergência do fluxo, tais como as decisões, as ações em paralelo e os pontos de sincronização do fluxo. Os gateways são representados por losangos. As anotações no interior do losango indicam o tipo e o comportamento do gateway. Tipos Exclusivo representa um ponto de decisão onde apenas um caminho dos vários possíveis pode ser escolhido. Para expressar que apenas uma alternativa de caminho é possível utilizamos o gateway exclusivo. No exemplo, o cliente pode pagar via débito direto ou via cartão de crédito, mas não poderá utilizar os dois meios de pagamento ao mesmo tempo. Baseado em Eventos representa um ponto do processo em que a decisão será tomada com base em um evento. Paralelo é utilizado quando várias atividades podem ser realizadas concorrentemente ou em paralelo. Inclusive é utilizado quando, em um ponto do fluxo, são ativados um ou mais caminhos, dentre vários disponíveis. Complexo Um diagrama de processo de trabalho consiste em atividades, eventos e gateways em uma ordem de ocorrência. Atividades, eventos e gateways são denominados objetos do fluxo. Objetos de Fluxo: são os principais elementos gráficos para definir o comportamento do processo de trabalho . Categoria Swimlanes : Pools, Lanes, Milestones são utilizados para organizar as atividades do fluxo em diferentes categorias visuais que representam áreas funcionais, papéis, responsabilidades, entidades ou até outros processos. pool (piscina) Contém o processo de trabalho. Tipos de pools Processo de Negócio Interno (Privado) Representa um único processo de trabalho em que normalmente se mostra toda a sequência do processo. O trabalho executado pela entidade fora do escopo é um processo externo . Processo de Negócio Abstrato (Público) Representa um processo de trabalho externo, do qual desconhecemos o fluxo e as atividades. Desenhado simplesmente por um pool vazio, nele somente são representados os pontos de contato entre o processo interno com o externo. Processo de Negócio Colaborativo (Global) Representa a interação entre dois ou mais entidades de negócio, explicitada pelas mensagens trocadas entre essas entidades. Em outros casos temos processos de trabalho que ultrapassam as fronteiras entre duas entidades, mas temos condições e interesse em mostrar os detalhes do trabalho de ambos. Para isso, utilizamos o chamado processo de negócios colaborativo. Lane (raia) É uma partição horizontal dentro do processo. Geralmente utilizado para separar as atividades a cargo de cada responsável. É uma subdivisão de um pool, normalmente representando uma área organizacional ou um papel desempenhado por um servidor. Os pontos em que o fluxo de trabalho cruza de uma lane para outra devem ser vistos com atenção, pois representam fronteiras entre responsabilidades e apresentam potencial para atrasos ou erros. Os fluxos de sequência (flechas que ligam atividades, eventos, gateways) podem cruzar livremente os limites de cada lane em um pool. A apresentação em lanes ajuda muito a produzir um desenho de fácil entendimento e que explicita realmente o caminho que o fluxo do processo de trabalho percorre. Milestone Criam partições na sequência do processo. Geralmente utilizado para indicar fases dentro do processo ou períodos de tempo demarcados Categoria Artefatos Objetos de Dados Proveem informações sobre as entradas e saídas de uma atividade. Podem ser exemplificados por formulários, documentos, livros, manuais etc. Anotações Permitem agregar comentários acerca do processo. São observações acerca do mapa do processo de trabalho. Estas permitem agregar informações ao processo que se consideram relevantes para seu entendimento. Grupos São mecanismos visuais que permitem agrupar as atividades, com fins de documentação ou análise. Grupos são apenas uma forma visual de agrupar as atividades de um pedaço do mapa, com fins de documentação ou análise, mas não afetam a sequência do fluxo. Categoria Objetos de Conexão Linhas de sequência Utilizadas para conectar as figuras básicas. Para conectar as figuras básicas, usamos os fluxos de sequência. Eles representam o controle do fluxo e a sequência dos objetos do fluxo (atividades, gateways e eventos). Linhas de mensagem Representam a comunicação existente entre dois processos As linhas de mensagem representam a comunicação existente entre dois processos, como: requerimentos, respostas, eventos que podem modificar o processo etc. Podemos utilizar linhas de mensagem conectadas diretamente às atividades, representando os fluxos de mensagens entre dois processos internos da organização, ou entre um processo interno e outro externo à organização. Também pode haver linhas de mensagem conectadas diretamente aos limites de um processo, representando os fluxos de mensagens entre um processo interno da organização e um processo externo do tipo abstrato. AssociaçõesLigam os artefatos ( anotações, objetos de dados, grupos ) a outros elementos do mapa. BPMN.mmap - 03/12/2013 - Mindjet