Verdade e Infância Roubada

390 visualizações

Publicada em

Comissão da Verdade do Estado de SP "Rubens Paiva"

Depoimentos de crianças presas e torturadas na ditadura militar

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
390
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Verdade e Infância Roubada

  1. 1. VERDADE E INFÂNCIA ROUBADA
  2. 2. Crianças foram seqüestradas e escondidas nos centros clandestinos da repressão, política. Foram arrancadas do convívio com seus pais e suas famílias, foram enquadradas como “elementos subversivos” pelos órgãos de repressão e banidas do país. Foram obrigadas a ficar em orfanatos, morar com parentes distantes, a viver com identidade falsa, na clandestinidade, impedidas de conviver, crescer e conhecer os nomes de seus pais. Levadas aos cárceres da ditadura militar foram confrontadas com seus pais nus, machucados, recém saídos do pau-de-arara ou da cadeira do dragão. Foram encapuzadas, intimidadas, torturadas. Algumas foram torturadas antes de nascer, nasceram nas prisões e cativeiros. Sofreram torturas físicas e psicológicas.
  3. 3. Houve crianças que assistiram ao assassinato de seus pais, outras não conheceram seus pais assassinados cujos corpos não foram entregues aos seus familiares para que fosse feito o sepultamento. Crianças que não tiveram o contato direto com os agentes da repressão, mas seus familiares foram atingidos, o que causou a elas sentimento de dor, de perda, de medo e humilhação. A ditadura não poupou as crianças, sacrificou-as como forma de ampliar e perpetuar os efeitos das torturas a elas próprias e a seus pais.
  4. 4. Crianças torturadas Ao depor como testemunha na Justiça Militar do Ceará, a camponesa Maria José de Souza Barros, de Jaquara, contou, em 1973: (...) e ainda levaram seu filho para o mato, judiaram com o mesmo, com a finalidade de dar conta de seu marido; que o menino se chama Francisco de Souza Barros e tem a idade de nove anos; que a polícia levou o menino às cinco horas da tarde e somente voltou com ele às duas da madrugada mais ou menos; (...) (Brasil Nunca Mais, página 43, 19ª. edição, Editora Vozes, 1985, Petrópolis/RJ)
  5. 5. Orandina Ghilardini (esposa de Luiz Ghilardini, assassinado em 5/01/1973) testemunhou, em depoimento ao GTNM/RJ, que em 4 de janeiro de 1973, sua casa na Rua Guararema, 62, no de Janeiro, foi invadida por 13 homens armados, que ali mesmo começaram as torturas. Ela, seu filho de 8 anos (Gino Ghilardini) e Luiz Ghilardini foram colocados em cômodos separados e espancados. Foram levados encapuzados, em viaturas diferentes, para um local que presume fosse o DOI-CODI/RJ. Gino Ghilardini confirmou o relato da mãe e acrescentou:
  6. 6. (...) nós fomos levados para uma prisão que não sei onde era, só sei que ficava no subsolo. Chegando lá me tiraram de perto de minha mãe e ainda encapuzado fui levado a uma sala, chegando lá, começaram a fazer perguntas. Perguntavam se o meu pai viajava e o que Le fazia e eu, muito assustado, nada respondia, mas eu ouvia meu pai ali perto gemendo, eu escutava, mas não podia fazer nada. Só sei que sentia muito medo. Gino foi transferido para o quartel onde ficou durante três dias e depois foi levado para o SAM (Serviço de Atendimento ao Menor) no bairro Quintino, no Rio de Janeiro. (Dados extraídos do Dossiê Ditadura : Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil – 1964-1985. IEVE – Instituto de Estudos Sobre A Violência do Estado / Imprensa Oficial – São Paulo/SP, 2009)
  7. 7. (...) nós fomos levados para uma prisão que não sei onde era, só sei que ficava no subsolo. Chegando lá me tiraram de perto de minha mãe e ainda encapuzado fui levado a uma sala, chegando lá, começaram a fazer perguntas. Perguntavam se o meu pai viajava e o que Le fazia e eu, muito assustado, nada respondia, mas eu ouvia meu pai ali perto gemendo, eu escutava, mas não podia fazer nada. Só sei que sentia muito medo. Gino foi transferido para o quartel onde ficou durante três dias e depois foi levado para o SAM (Serviço de Atendimento ao Menor) no bairro Quintino, no Rio de Janeiro. (Dados extraídos do Dossiê Ditadura : Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil – 1964-1985. IEVE – Instituto de Estudos Sobre A Violência do Estado / Imprensa Oficial – São Paulo/SP, 2009)

×