Apresentação Luiz Ignácio Maranhão Filho

136 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Apresentação Luiz Ignácio Maranhão Filho

  1. 1. Assembleia Legislativa de São Paulo Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva” Presidente: Adriano Diogo (PT) Relator: André Soares (DEM) Membros Titulares: Ed Thomas (PSB), Marco Zerbini (PSDB) e Ulysses Tassinari (PV) Suplentes: Estevam Galvão (DEM), João Paulo Rillo (PT), Mauro Bragato (PSDB), Orlando Bolçone (PSB) e Regina Gonçalves (PV) Assessoria Técnica da Comissão da Verdade: Ivan Seixas (Coordenador), Amelinha Teles, Tatiana Merlino, Thais Barreto, Vivian Mendes, Renan Quinalha e Ricardo Kobayaski
  2. 2. 2 Luiz Ignácio Maranhão Filho (Desaparecido em 3 de abril de 1974) Dados Pessoais Nome: Luiz Ignácio Maranhão Filho Data de nascimento: 25 de janeiro de 1926 Local de nascimento: Natal - RN - Brasil Organização Política: Partido Comunista Brasileiro (PCB)
  3. 3. 3 Dados biográficos Era casado com Odette Roselli Garcia Maranhão. Advogado, professor do Atheneu Norteriograndense, onde havia estudado, da Fundação José Augusto e da UFRN. Colaborou com diversos jornais, particularmente, o Diário de Natal e publicou vários artigos na Revista Civilização Brasileira. Em 1945, entrou para o PCB. Em 1952, foi preso pela Aeronáutica, em Parnamirin (RN), e foi muito torturado. Sua história constituiu um capítulo do livro A História Militar do Brasil, de Nelson Werneck Sodré. Em 1958, foi eleito deputado estadual, pela legenda do Partido Trabalhista Nacional (PTN), desempenhando o mandato até 1962. No início de 1964, visitou Cuba a convite de Fidel Castro.
  4. 4. 4 Ao voltar, com o golpe de 1964, Luiz Ignácio foi preso e, submetido à tortura. Ficou preso na Ilha de Fernando de Noronha juntamente com Miguel Arraes, ambos cassados em seus direitos políticos. Ao sair da prisão, passou a viver na clandestinidade no Rio de Janeiro. No VI Congresso do PCB, em 1967, foi eleito membro do Comitê Central. Atuou muito próximo da Igreja Católica. Mantinha contatos com Roger Gauraudy, filósofo filiado ao PCF. Dados sobre sua prisão e desaparecimento Luiz Maranhão foi preso no dia 3 de abril de 1974, numa praça em São Paulo, capital. Pessoas que presenciaram a cena informaram que ele foi algemado e conduzido por agentes policiais.
  5. 5. 5 Providencias tomadas por seus familiares Odete Maranhão, sua esposa, constituiu como advogado Aldo Lins e Silva. Buscou informações em diversas delegacias, entidades e autoridades. Conseguiu até uma audiência com o general Ednardo D`Ávila, então comandante do II Exército, que lhe disse ter procurado Erasmo Dias (coronel do Exército e Secretario de Segurança Pública do Estado de SP), mas não houve nenhuma informação: eles lhe garantiram que Ignácio não estava sob a responsabilidade de seus comandos.
  6. 6. 6 Seu nome consta no anexo da Lei 9.140/95 e seu caso foi protocolado com o número 043/96. Informações tiradas do Dossiê Ditadura: Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil 1964-1985. (IEVE- Instituto de Estudos Sobre Violência do Estado e Imprensa Oficial, São Paulo, 2009)

×