SlideShare uma empresa Scribd logo
CRISE DA ÁGUA OU CONFLITO
PELO USO DE RECURSOS
HÍDRICOS?
Rodrigo Lemos
rslemosbh@gmail.com
e
O QUE É MAIS COMPLICADO:
RACIONAMENTO OU
ESCASSEZ DE ÁGUA?
ÁGUA E RECURSOS HÍDRICOS
•  ÁGUAS – Termo usado quando se trata das águas em
geral, incluindo aquelas que não devem ser usadas pelas
atividades humanas.
•  RECURSOS HÍDRICOS - numa determinada região ou
bacia, é qualquer coleção d’água superficial ou
subterrânea que pode ser obtida e está disponível para o
uso humano. Segundo a ONU, não passa de um por
cento das águas totais do planeta.
ÁGUAS DE DOMÍNIO ESTADUAL
•  Águas superficiais que
nascem e deságuam
dentro do mesmo estado
(no mar ou em outro
curso d’ água e todas as
águas subterrâneas.
Exceções: trechos de
rios que atravessam
á r e a s p r o t e g i d a s
nacionais (parques,
reservas biológicas etc.)
e reservas indígenas.
ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E SUPERFICIAIS
•  ÁGUAS SUBTERRÂNEAS – Águas que se infiltram no
solo e que penetram, por gravidade, em camadas
profundas do subsolo, atingindo a zona de saturação. A
zona de saturação é aquela em que os poros e
interstícios do subsolo estão completamente ocupados
pela água.
•  ÁGUAS SUPERFICIAIS – Águas que escoam ou
acumulam na superfície terrestre, como os rios, riachos,
lagos, lagoas, veredas, brejos e etc.
QUALIDADE E
QUANTIDADE
Pressuposto
• Alterações no uso e ocupação dos solos e a
implantação de equipamentos nos cursos d’água
podem alterar de forma significativa a
quantidade e a qualidade das águas.
Exemplo
UTE CBH RIO
DAS VELHAS	
  
Área Total
(Há)	
  
Área de Uso
Natural (Ha)	
  
Área de Uso
Antrópico (Ha)	
  
SCBH Rio Bicudo	
   227.434	
   62.638 (28%)	
   164.751 (72%)	
  
UTE Rio Pardo	
   223.404	
   134.285 (61%)	
   89.084 (39%)	
  
BICUDO, NOV 2013
Foto: Leandro Vaz
BICUDO, OUT 2014
Rio Pardo – out de 2014
Foto: Acervo Projeto Manuelzão, 2014
Diminuição de vazão
• As alterações na vazão do curso d’água podem
alterar a capacidade (quantidade de
sedimentos) e a competência (tamanho do
material a ser transportado dos cursos d’água.
• As alterações de vazão podem também ter um
dano significativo para o sistema ecológico
dos cursos d’água.
Impactos na qualidade das águas: esgotos.
• Esgotos cloacais são os derivados de usos e
efluentes domésticos: águas de pias, águas de
banheiro, de lavagens etc. São águas que são
devolvidas após o uso para o sistema hídrico.
• Esgotos pluviais são aqueles oriundos da
lavagem das áreas urbanas e consequente
carreamento de sólidos e materiais solúveis que
estão depositados nas superfícies urbanas: óleos
de pistas; fosfatos e nitratos; resíduos de
queimas etc.
Esgoto doméstico e poluição difusa
• Para o esgoto doméstico a solução indicada é o
tratamento por meio de fossas sépticas
(sistema estático) ou redes coletoras e
consequente tratamento em estações de
tratamento de esgotos (sistema dinâmico);
• Para o esgoto proveniente das poluições difusas
a solução é muito mais complexa: uma
possibilidade é o tratamento por meio das
estações de tratamento de águas pluviais ou
Fluviais. De forma a garantir qualidade para
contato primário.
Rio Isar, Munique -
Alemanha
Rio Isar, Munique -
Alemanha
CONFLITO NO ALTO
RIO DAS VELHAS
Alto Rio das Velhas
A região do alto rio das Velhas compreende toda
a área denominada Quadrilátero Ferrífero, tendo
o município de Ouro Preto como limite sul dessa
região e os municípios de Belo Horizonte,
Contagem e Sabará como limite norte. A região é
composta por dez municípios, constituindo 9,8%
do total da bacia do rio das Velhas, ou 2.739,74
km². (RP02 - PDRH Rio das Velhas, 2014, p. 64).
Quantidade de água retirada
• A quantidade das águas é prevista de acordo
com métodos hidrológicos que calculam as
vazões esperadas para os cursos d’água a partir
das chuvas. Em Minas Gerais adotamos o critério
da Q7/10 que estabelece um limite para o que se
pode retirar de água em um curso d’água. O
limite em Minas Gerais é de se retirar 30% da
Q7/10.
Quantidade de água
• Quantidade de água deve ser compatibilizada
entre os diferentes usos da água.
• A quantidade das águas é prevista de acordo
com métodos hidrológicos que calculam as
vazões esperadas para os cursos d’água a partir
das chuvas.
Abastecimento por águas superficiais
Hoje a grande maioria do abastecimento publico na RMBH
é gerado a partir de captações de água superficial.
Captação	
  de	
  Bela	
  Fama	
  –	
  única	
  
captação	
  do	
  SIN	
  Rio	
  das	
  Velhas	
  
Depende-se em grande parte do sistema
Rio das Velhas.
• Aproximadamente 1.872.000 pessoas
tem o abastecimento na RMBH
fornecido pelo Sistema Integrado do
Rio das Velhas que retira suas águas
em Bela Fama. O sistema abastece
Santa Luzia, Belo Horizonte, Sabará,
Nova Lima e Raposos.
36
Fragilidades ambientais
• O sistema Rio das Velhas está fortemente
susceptível à alterações de qualidade das águas
a partir dos usos e ocupações à montante de
seus pontos de captação.
• No caso do Sistema Rio das Velhas dois focos de
pressão ambiental se destacam: usos urbanos e
mineração.
Usos urbanos
• Os usos urbanos geram o carreamento de
poluição difusa, mas principalmente o
lançamento de esgotos in natura nos cursos
d’água.
LEMOS, 2009
cervo Manuelzão, sd
Usos para mineração
• A mineração contribui para a consolidação de
áreas de descontinuidade ambiental muito
significativas, além de rebaixarem o nível
d’água podendo alterar a vazão de nascentes e
carrear sedimentos para os cursos d’água.
Mina Capão Xavier (Nova Lima)
Ribeirão d Silva à jusante da barragem da Mineração Herculano, rompida em 10 de setembro de 2014
Importantes áreas...
• No alto Rio das Velhas temos importantes
áreas de preservação e ainda vários
cursos d’água enquadrados como classe 1,
ou especial.
• A quantidade de áreas protegidas é
significativa, mas o manancial do Rio das
Ve l h a s s e m a n t é m c o m f o r t e s
susceptibilidades à impactos ambientais.
URBANO %¹ RURAL % ANIMAL % IRRIGAÇÃO % INDUSTRIAL % MINERAÇÃO % TOTAL	
  DE	
  RETIRADA
UTE	
  NASCENTES 0,00 0,0 0,005 3,2 0,003 2,1 0,06 37,1 0,036 22,6 0,055 34,9 0,16
UTE	
  RIO	
  ITABIRITO 0,15 7,2 0,004 0,2 0,004 0,2 0,05 2,4 0,717 35,5 1,104 54,6 2,02
UTE	
  ÁGUAS	
  DO	
  GANDARELA 0,05 25,0 0,003 1,7 0,001 0,8 0,02 9,2 0,104 57,6 0,010 5,7 0,18
UTE	
  ÁGUAS	
  DA	
  MOEDA 0,29 16,0 0,004 0,2 0,001 0,1 0,01 0,4 0,321 17,8 1,183 65,6 1,80
¹%	
  DO	
  TOTAL	
  DA	
  UTE 4,16
VAZÕES	
  RETIRADAS	
  M³/S
TOTAL	
  M³/S
VAZÕES RETIRADAS
VAZÕES CONSUMIDAS
UTE URBANO %¹ RURAL % ANIMAL % IRRIGAÇÃO % INDUSTRIAL % MINERAÇÃO % TOTAL	
  DE	
  USO	
  CONSUNTIVO
UTE	
  NASCENTES 0,00 0,0 0,003 4,5 0,003 4,6 0,03 59,7 0,007 12,2 0,011 18,9 0,06
UTE	
  RIO	
  ITABIRITO 0,03 6,8 0,002 0,4 0,003 0,7 0,03 6,7 0,143 33,6 0,221 51,7 0,43
UTE	
  ÁGUAS	
  DO	
  GANDARELA 0,05 56,1 0,002 1,9 0,001 1,4 0,01 12,3 0,021 25,8 0,002 2,5 0,08
UTE	
  ÁGUAS	
  DA	
  MOEDA 0,09 23,1 0,002 0,4 0,001 0,2 0,00 1,1 0,064 16,0 0,237 59,1 0,40
¹%	
  DO	
  TOTAL	
  DA	
  UTE 0,97
VAZÕES	
  CONSUMIDAS	
  M³/S
TOTAL	
  M³/S	
  Consumido
Racionamento e escassez
• Racionamento é uma medida administrativa,
pontual, é uma consequência quando a água não
chega na torneira...
• A escassez é um contexto hidrológico e de uso,
ou seja, envolve a quantidade de água
disponível, mas principalmente a quantidade de
água demandada.
1
O QUE É MAIS
COMPLICADO:
RACIONAMENTO OU
ESCASSEZ DE ÁGUA?
O que sacrificaremos para evitar o
racionamento?
Considera-se, portanto, que...
•  Que o cenário de conflito pelo uso da água já é uma
realidade no Alto Rio das Velhas (apesar de ainda
estar em discussão em um grupo de trabalho);
•  Que a dependência da RMBH das captações
superficiais em áreas de influência da expansão
urbana e ainda de interesses econômicos, em
especial o da mineração de ferro, é um dos principais
conflitos na região do Alto Rio das Velhas;
•  Que áreas de proteção ambiental podem ser uma
forte ferramenta de controle do uso do solo e das
atividades econômicas em uma área de conflito.
Considera-se, portanto, que....
• As demandas por água já se mostram acima dos
percentuais permitidos;
• As águas subterrâneas podem ser alternativas
estratégicas para a garantia de seguridade
hídrica para a região metropolitana de Belo
Horizonte e de vários municípios;
• É necessário que as pessoas e as instâncias
públicas, já a luz das novas informações, se
manifestem sobre a situação de conflito, de forma
a diminuir os impactos de um cenário de
escassez de água.
Obrigado
Rodrigo Silva Lemos
rslemosbh@gmail.com
no mundo realmente invertido,
o verdadeiro é um movimento
do falso (Debord, 1996)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resultados do Projeto SWITCH em Belo Horizonte
Resultados do Projeto SWITCH em Belo Horizonte Resultados do Projeto SWITCH em Belo Horizonte
Resultados do Projeto SWITCH em Belo Horizonte
Diário do Comércio - MG
 
Plano de Bacia Hidrográfica
Plano de Bacia Hidrográfica Plano de Bacia Hidrográfica
Plano de Bacia Hidrográfica
Tainá Bimbati
 
Gestão dos Recursos Hídricos
Gestão dos Recursos HídricosGestão dos Recursos Hídricos
Gestão dos Recursos Hídricos
Ana Daniela Castro do Nascimento
 
Carta vilarinho 2019
Carta vilarinho 2019Carta vilarinho 2019
Carta vilarinho 2019
CBH Rio das Velhas
 
Subcomite ribeirão arrudas
Subcomite ribeirão arrudas Subcomite ribeirão arrudas
Subcomite ribeirão arrudas
CBH Rio das Velhas
 
Oficina de Capacitação: . Gestão Sustentável dos Recursos Hídricos
Oficina de Capacitação:.Gestão Sustentável dos Recursos Hídricos Oficina de Capacitação:.Gestão Sustentável dos Recursos Hídricos
Oficina de Capacitação: . Gestão Sustentável dos Recursos Hídricos
andremarcioneumann
 
Gerenciamento de Drenagem Urbana: Praça Julio de Castilhos (Porto Alegre)
Gerenciamento de Drenagem Urbana: Praça Julio de Castilhos (Porto Alegre)Gerenciamento de Drenagem Urbana: Praça Julio de Castilhos (Porto Alegre)
Gerenciamento de Drenagem Urbana: Praça Julio de Castilhos (Porto Alegre)
Mariana Mincarone
 
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piauiusos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
julianamariamorais
 
Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas
Projeto de Valorização das Nascentes UrbanasProjeto de Valorização das Nascentes Urbanas
Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas
CBH Rio das Velhas
 
Sma cartilha nascentes_pag1_10
Sma cartilha nascentes_pag1_10Sma cartilha nascentes_pag1_10
Sma cartilha nascentes_pag1_10
Professora Raquel Silva
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
Ana Barros
 
Trabalho Interdisciplinar de Grupo
Trabalho Interdisciplinar de GrupoTrabalho Interdisciplinar de Grupo
Trabalho Interdisciplinar de Grupo
João Silva
 
INFLUÊNCIA DE DEMANDAS HÍDRICAS AGRÍCOLAS NA RESPOSTA DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ...
INFLUÊNCIA DE DEMANDAS HÍDRICAS AGRÍCOLAS NA RESPOSTA DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ...INFLUÊNCIA DE DEMANDAS HÍDRICAS AGRÍCOLAS NA RESPOSTA DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ...
INFLUÊNCIA DE DEMANDAS HÍDRICAS AGRÍCOLAS NA RESPOSTA DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ...
Gabriella Ribeiro
 
Gestão de bacias hidrográficas
Gestão de bacias hidrográficasGestão de bacias hidrográficas
Gestão de bacias hidrográficas
Carlos Henrique Sousa
 
Projeto Nascentes Urbanas
Projeto Nascentes Urbanas Projeto Nascentes Urbanas
Projeto Nascentes Urbanas
Deise Mara do Nascimento
 
Catalogo de Nascentes Urbanas - Ribeirão Onça
Catalogo de Nascentes Urbanas - Ribeirão OnçaCatalogo de Nascentes Urbanas - Ribeirão Onça
Catalogo de Nascentes Urbanas - Ribeirão Onça
CBH Rio das Velhas
 
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
Anexo i   cartilha nascentesprotegidasAnexo i   cartilha nascentesprotegidas
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
Súlivan Bernardon
 
Recursos Hidricos no Brasil
Recursos Hidricos no BrasilRecursos Hidricos no Brasil
Recursos Hidricos no Brasil
Rodrigo Mesquita
 
Apresentação rio guandu - T.I.G
Apresentação  rio guandu - T.I.GApresentação  rio guandu - T.I.G
Apresentação rio guandu - T.I.G
João Silva
 

Mais procurados (19)

Resultados do Projeto SWITCH em Belo Horizonte
Resultados do Projeto SWITCH em Belo Horizonte Resultados do Projeto SWITCH em Belo Horizonte
Resultados do Projeto SWITCH em Belo Horizonte
 
Plano de Bacia Hidrográfica
Plano de Bacia Hidrográfica Plano de Bacia Hidrográfica
Plano de Bacia Hidrográfica
 
Gestão dos Recursos Hídricos
Gestão dos Recursos HídricosGestão dos Recursos Hídricos
Gestão dos Recursos Hídricos
 
Carta vilarinho 2019
Carta vilarinho 2019Carta vilarinho 2019
Carta vilarinho 2019
 
Subcomite ribeirão arrudas
Subcomite ribeirão arrudas Subcomite ribeirão arrudas
Subcomite ribeirão arrudas
 
Oficina de Capacitação: . Gestão Sustentável dos Recursos Hídricos
Oficina de Capacitação:.Gestão Sustentável dos Recursos Hídricos Oficina de Capacitação:.Gestão Sustentável dos Recursos Hídricos
Oficina de Capacitação: . Gestão Sustentável dos Recursos Hídricos
 
Gerenciamento de Drenagem Urbana: Praça Julio de Castilhos (Porto Alegre)
Gerenciamento de Drenagem Urbana: Praça Julio de Castilhos (Porto Alegre)Gerenciamento de Drenagem Urbana: Praça Julio de Castilhos (Porto Alegre)
Gerenciamento de Drenagem Urbana: Praça Julio de Castilhos (Porto Alegre)
 
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piauiusos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
 
Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas
Projeto de Valorização das Nascentes UrbanasProjeto de Valorização das Nascentes Urbanas
Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas
 
Sma cartilha nascentes_pag1_10
Sma cartilha nascentes_pag1_10Sma cartilha nascentes_pag1_10
Sma cartilha nascentes_pag1_10
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
 
Trabalho Interdisciplinar de Grupo
Trabalho Interdisciplinar de GrupoTrabalho Interdisciplinar de Grupo
Trabalho Interdisciplinar de Grupo
 
INFLUÊNCIA DE DEMANDAS HÍDRICAS AGRÍCOLAS NA RESPOSTA DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ...
INFLUÊNCIA DE DEMANDAS HÍDRICAS AGRÍCOLAS NA RESPOSTA DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ...INFLUÊNCIA DE DEMANDAS HÍDRICAS AGRÍCOLAS NA RESPOSTA DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ...
INFLUÊNCIA DE DEMANDAS HÍDRICAS AGRÍCOLAS NA RESPOSTA DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ...
 
Gestão de bacias hidrográficas
Gestão de bacias hidrográficasGestão de bacias hidrográficas
Gestão de bacias hidrográficas
 
Projeto Nascentes Urbanas
Projeto Nascentes Urbanas Projeto Nascentes Urbanas
Projeto Nascentes Urbanas
 
Catalogo de Nascentes Urbanas - Ribeirão Onça
Catalogo de Nascentes Urbanas - Ribeirão OnçaCatalogo de Nascentes Urbanas - Ribeirão Onça
Catalogo de Nascentes Urbanas - Ribeirão Onça
 
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
Anexo i   cartilha nascentesprotegidasAnexo i   cartilha nascentesprotegidas
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
 
Recursos Hidricos no Brasil
Recursos Hidricos no BrasilRecursos Hidricos no Brasil
Recursos Hidricos no Brasil
 
Apresentação rio guandu - T.I.G
Apresentação  rio guandu - T.I.GApresentação  rio guandu - T.I.G
Apresentação rio guandu - T.I.G
 

Semelhante a Crise da água ou crise de gestão?

Hidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.ppt
Hidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.pptHidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.ppt
Hidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.ppt
wesleybatistadossant
 
Ciclo da Água
Ciclo da ÁguaCiclo da Água
Ciclo da Água
Adminefa
 
Ciclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua UltimoCiclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua Ultimo
Ttavares
 
Aula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptxAula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptx
CamilaCamposGomezFam
 
Meu seminário 2
Meu seminário 2Meu seminário 2
Meu seminário 2
Tania Bezerra
 
Dinamica hidrografica
Dinamica hidrograficaDinamica hidrografica
Dinamica hidrografica
Débora Sales
 
Subcomitês do CBH Rio das Velhas
Subcomitês do CBH Rio das VelhasSubcomitês do CBH Rio das Velhas
Subcomitês do CBH Rio das Velhas
CBH Rio das Velhas
 
Legislação ambiental e a proteção dos recursos hídricos
Legislação ambiental e a proteção dos recursos hídricosLegislação ambiental e a proteção dos recursos hídricos
Legislação ambiental e a proteção dos recursos hídricos
nucleosul2svma
 
Informativo insp 72
Informativo insp   72Informativo insp   72
Informativo insp 72
Douglas Siqueira
 
AULA BACIA HIDROGRAFICA.pdf
AULA BACIA HIDROGRAFICA.pdfAULA BACIA HIDROGRAFICA.pdf
AULA BACIA HIDROGRAFICA.pdf
PaulaMariaMagalhesTe
 
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentesAbastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
gbruck53
 
A importância da água
A importância da águaA importância da água
A importância da água
André Luiz Marques
 
Pegada hídrica
Pegada hídricaPegada hídrica
Pegada hídrica
Maria Teixiera
 
Doc 816
Doc 816Doc 816
Doc 816
thales braneo
 
Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas
Projeto de Valorização das Nascentes UrbanasProjeto de Valorização das Nascentes Urbanas
Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas
CBH Rio das Velhas
 
Samuel Barrêto
Samuel BarrêtoSamuel Barrêto
Samuel Barrêto
ambev
 
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
CBH Rio das Velhas
 
Redes de abastecimento de água
Redes de abastecimento de águaRedes de abastecimento de água
Redes de abastecimento de água
Mateus Dezotti
 
Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...
Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...
Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...
Bernardete Guimaraes
 
Aproveitamento de água da chuva: para fins não potáveis
Aproveitamento de água da chuva: para fins não potáveisAproveitamento de água da chuva: para fins não potáveis
Aproveitamento de água da chuva: para fins não potáveis
petambiental
 

Semelhante a Crise da água ou crise de gestão? (20)

Hidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.ppt
Hidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.pptHidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.ppt
Hidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.ppt
 
Ciclo da Água
Ciclo da ÁguaCiclo da Água
Ciclo da Água
 
Ciclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua UltimoCiclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua Ultimo
 
Aula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptxAula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptx
 
Meu seminário 2
Meu seminário 2Meu seminário 2
Meu seminário 2
 
Dinamica hidrografica
Dinamica hidrograficaDinamica hidrografica
Dinamica hidrografica
 
Subcomitês do CBH Rio das Velhas
Subcomitês do CBH Rio das VelhasSubcomitês do CBH Rio das Velhas
Subcomitês do CBH Rio das Velhas
 
Legislação ambiental e a proteção dos recursos hídricos
Legislação ambiental e a proteção dos recursos hídricosLegislação ambiental e a proteção dos recursos hídricos
Legislação ambiental e a proteção dos recursos hídricos
 
Informativo insp 72
Informativo insp   72Informativo insp   72
Informativo insp 72
 
AULA BACIA HIDROGRAFICA.pdf
AULA BACIA HIDROGRAFICA.pdfAULA BACIA HIDROGRAFICA.pdf
AULA BACIA HIDROGRAFICA.pdf
 
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentesAbastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
 
A importância da água
A importância da águaA importância da água
A importância da água
 
Pegada hídrica
Pegada hídricaPegada hídrica
Pegada hídrica
 
Doc 816
Doc 816Doc 816
Doc 816
 
Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas
Projeto de Valorização das Nascentes UrbanasProjeto de Valorização das Nascentes Urbanas
Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas
 
Samuel Barrêto
Samuel BarrêtoSamuel Barrêto
Samuel Barrêto
 
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
 
Redes de abastecimento de água
Redes de abastecimento de águaRedes de abastecimento de água
Redes de abastecimento de água
 
Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...
Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...
Cfakepathmicrosoftword propostawwf-ambevnascentesdobrasildfsite1-100311080249...
 
Aproveitamento de água da chuva: para fins não potáveis
Aproveitamento de água da chuva: para fins não potáveisAproveitamento de água da chuva: para fins não potáveis
Aproveitamento de água da chuva: para fins não potáveis
 

Mais de CBH Rio das Velhas

Portaria igam n045.2019
Portaria igam n045.2019Portaria igam n045.2019
Portaria igam n045.2019
CBH Rio das Velhas
 
Qualidade agua - FIEMG
Qualidade agua - FIEMGQualidade agua - FIEMG
Qualidade agua - FIEMG
CBH Rio das Velhas
 
Senai
SenaiSenai
Saae
SaaeSaae
Pro mananciais
Pro mananciaisPro mananciais
Pro mananciais
CBH Rio das Velhas
 
Projeto jequitiba
Projeto jequitibaProjeto jequitiba
Projeto jequitiba
CBH Rio das Velhas
 
Trilha agroecologica estudantes
Trilha agroecologica estudantesTrilha agroecologica estudantes
Trilha agroecologica estudantes
CBH Rio das Velhas
 
Apresentacao SEMAD
Apresentacao SEMADApresentacao SEMAD
Apresentacao SEMAD
CBH Rio das Velhas
 
ProfÀgua
ProfÀguaProfÀgua
Modelo carta de indicacao - Santo Antonio Maquine
Modelo carta de indicacao - Santo Antonio MaquineModelo carta de indicacao - Santo Antonio Maquine
Modelo carta de indicacao - Santo Antonio Maquine
CBH Rio das Velhas
 
Reuniao final fechos 30_04_2019
Reuniao final fechos 30_04_2019Reuniao final fechos 30_04_2019
Reuniao final fechos 30_04_2019
CBH Rio das Velhas
 
Ppt peixe vivo
Ppt peixe vivoPpt peixe vivo
Ppt peixe vivo
CBH Rio das Velhas
 
Ppt feam
Ppt feamPpt feam
Ppt copasa
Ppt copasaPpt copasa
Ppt copasa
CBH Rio das Velhas
 
Evento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em Itabirito
Evento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em ItabiritoEvento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em Itabirito
Evento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em Itabirito
CBH Rio das Velhas
 
Subcomitê Ribeirões Caete Sabara
Subcomitê Ribeirões Caete SabaraSubcomitê Ribeirões Caete Sabara
Subcomitê Ribeirões Caete Sabara
CBH Rio das Velhas
 
Projeto urbanistico pac arrudas
Projeto urbanistico pac arrudasProjeto urbanistico pac arrudas
Projeto urbanistico pac arrudas
CBH Rio das Velhas
 
Dn 07 2006 scbh caete-sabara
Dn 07 2006 scbh caete-sabaraDn 07 2006 scbh caete-sabara
Dn 07 2006 scbh caete-sabara
CBH Rio das Velhas
 
modelo indicacao de representante - Caete Sabara
 modelo indicacao de representante - Caete Sabara modelo indicacao de representante - Caete Sabara
modelo indicacao de representante - Caete Sabara
CBH Rio das Velhas
 
Dn cbh velhas 07 2011 scbh rib cardoso cirstais-macacos-peixes
Dn cbh velhas 07 2011 scbh rib cardoso cirstais-macacos-peixesDn cbh velhas 07 2011 scbh rib cardoso cirstais-macacos-peixes
Dn cbh velhas 07 2011 scbh rib cardoso cirstais-macacos-peixes
CBH Rio das Velhas
 

Mais de CBH Rio das Velhas (20)

Portaria igam n045.2019
Portaria igam n045.2019Portaria igam n045.2019
Portaria igam n045.2019
 
Qualidade agua - FIEMG
Qualidade agua - FIEMGQualidade agua - FIEMG
Qualidade agua - FIEMG
 
Senai
SenaiSenai
Senai
 
Saae
SaaeSaae
Saae
 
Pro mananciais
Pro mananciaisPro mananciais
Pro mananciais
 
Projeto jequitiba
Projeto jequitibaProjeto jequitiba
Projeto jequitiba
 
Trilha agroecologica estudantes
Trilha agroecologica estudantesTrilha agroecologica estudantes
Trilha agroecologica estudantes
 
Apresentacao SEMAD
Apresentacao SEMADApresentacao SEMAD
Apresentacao SEMAD
 
ProfÀgua
ProfÀguaProfÀgua
ProfÀgua
 
Modelo carta de indicacao - Santo Antonio Maquine
Modelo carta de indicacao - Santo Antonio MaquineModelo carta de indicacao - Santo Antonio Maquine
Modelo carta de indicacao - Santo Antonio Maquine
 
Reuniao final fechos 30_04_2019
Reuniao final fechos 30_04_2019Reuniao final fechos 30_04_2019
Reuniao final fechos 30_04_2019
 
Ppt peixe vivo
Ppt peixe vivoPpt peixe vivo
Ppt peixe vivo
 
Ppt feam
Ppt feamPpt feam
Ppt feam
 
Ppt copasa
Ppt copasaPpt copasa
Ppt copasa
 
Evento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em Itabirito
Evento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em ItabiritoEvento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em Itabirito
Evento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em Itabirito
 
Subcomitê Ribeirões Caete Sabara
Subcomitê Ribeirões Caete SabaraSubcomitê Ribeirões Caete Sabara
Subcomitê Ribeirões Caete Sabara
 
Projeto urbanistico pac arrudas
Projeto urbanistico pac arrudasProjeto urbanistico pac arrudas
Projeto urbanistico pac arrudas
 
Dn 07 2006 scbh caete-sabara
Dn 07 2006 scbh caete-sabaraDn 07 2006 scbh caete-sabara
Dn 07 2006 scbh caete-sabara
 
modelo indicacao de representante - Caete Sabara
 modelo indicacao de representante - Caete Sabara modelo indicacao de representante - Caete Sabara
modelo indicacao de representante - Caete Sabara
 
Dn cbh velhas 07 2011 scbh rib cardoso cirstais-macacos-peixes
Dn cbh velhas 07 2011 scbh rib cardoso cirstais-macacos-peixesDn cbh velhas 07 2011 scbh rib cardoso cirstais-macacos-peixes
Dn cbh velhas 07 2011 scbh rib cardoso cirstais-macacos-peixes
 

Último

CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUSCAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdfrepresentações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
EVERALDODEOLIVEIRA2
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 

Último (9)

CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUSCAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdfrepresentações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 

Crise da água ou crise de gestão?

  • 1. CRISE DA ÁGUA OU CONFLITO PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS? Rodrigo Lemos rslemosbh@gmail.com
  • 2.
  • 3. e
  • 4.
  • 5.
  • 6. O QUE É MAIS COMPLICADO: RACIONAMENTO OU ESCASSEZ DE ÁGUA?
  • 7. ÁGUA E RECURSOS HÍDRICOS •  ÁGUAS – Termo usado quando se trata das águas em geral, incluindo aquelas que não devem ser usadas pelas atividades humanas. •  RECURSOS HÍDRICOS - numa determinada região ou bacia, é qualquer coleção d’água superficial ou subterrânea que pode ser obtida e está disponível para o uso humano. Segundo a ONU, não passa de um por cento das águas totais do planeta.
  • 8. ÁGUAS DE DOMÍNIO ESTADUAL •  Águas superficiais que nascem e deságuam dentro do mesmo estado (no mar ou em outro curso d’ água e todas as águas subterrâneas. Exceções: trechos de rios que atravessam á r e a s p r o t e g i d a s nacionais (parques, reservas biológicas etc.) e reservas indígenas.
  • 9. ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E SUPERFICIAIS •  ÁGUAS SUBTERRÂNEAS – Águas que se infiltram no solo e que penetram, por gravidade, em camadas profundas do subsolo, atingindo a zona de saturação. A zona de saturação é aquela em que os poros e interstícios do subsolo estão completamente ocupados pela água. •  ÁGUAS SUPERFICIAIS – Águas que escoam ou acumulam na superfície terrestre, como os rios, riachos, lagos, lagoas, veredas, brejos e etc.
  • 10.
  • 12. Pressuposto • Alterações no uso e ocupação dos solos e a implantação de equipamentos nos cursos d’água podem alterar de forma significativa a quantidade e a qualidade das águas.
  • 13.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. UTE CBH RIO DAS VELHAS   Área Total (Há)   Área de Uso Natural (Ha)   Área de Uso Antrópico (Ha)   SCBH Rio Bicudo   227.434   62.638 (28%)   164.751 (72%)   UTE Rio Pardo   223.404   134.285 (61%)   89.084 (39%)  
  • 20.
  • 23. Rio Pardo – out de 2014 Foto: Acervo Projeto Manuelzão, 2014
  • 24. Diminuição de vazão • As alterações na vazão do curso d’água podem alterar a capacidade (quantidade de sedimentos) e a competência (tamanho do material a ser transportado dos cursos d’água. • As alterações de vazão podem também ter um dano significativo para o sistema ecológico dos cursos d’água.
  • 25. Impactos na qualidade das águas: esgotos. • Esgotos cloacais são os derivados de usos e efluentes domésticos: águas de pias, águas de banheiro, de lavagens etc. São águas que são devolvidas após o uso para o sistema hídrico. • Esgotos pluviais são aqueles oriundos da lavagem das áreas urbanas e consequente carreamento de sólidos e materiais solúveis que estão depositados nas superfícies urbanas: óleos de pistas; fosfatos e nitratos; resíduos de queimas etc.
  • 26. Esgoto doméstico e poluição difusa • Para o esgoto doméstico a solução indicada é o tratamento por meio de fossas sépticas (sistema estático) ou redes coletoras e consequente tratamento em estações de tratamento de esgotos (sistema dinâmico); • Para o esgoto proveniente das poluições difusas a solução é muito mais complexa: uma possibilidade é o tratamento por meio das estações de tratamento de águas pluviais ou Fluviais. De forma a garantir qualidade para contato primário.
  • 27.
  • 28. Rio Isar, Munique - Alemanha
  • 29. Rio Isar, Munique - Alemanha
  • 30. CONFLITO NO ALTO RIO DAS VELHAS
  • 31. Alto Rio das Velhas A região do alto rio das Velhas compreende toda a área denominada Quadrilátero Ferrífero, tendo o município de Ouro Preto como limite sul dessa região e os municípios de Belo Horizonte, Contagem e Sabará como limite norte. A região é composta por dez municípios, constituindo 9,8% do total da bacia do rio das Velhas, ou 2.739,74 km². (RP02 - PDRH Rio das Velhas, 2014, p. 64).
  • 32.
  • 33. Quantidade de água retirada • A quantidade das águas é prevista de acordo com métodos hidrológicos que calculam as vazões esperadas para os cursos d’água a partir das chuvas. Em Minas Gerais adotamos o critério da Q7/10 que estabelece um limite para o que se pode retirar de água em um curso d’água. O limite em Minas Gerais é de se retirar 30% da Q7/10.
  • 34. Quantidade de água • Quantidade de água deve ser compatibilizada entre os diferentes usos da água. • A quantidade das águas é prevista de acordo com métodos hidrológicos que calculam as vazões esperadas para os cursos d’água a partir das chuvas.
  • 35. Abastecimento por águas superficiais Hoje a grande maioria do abastecimento publico na RMBH é gerado a partir de captações de água superficial. Captação  de  Bela  Fama  –  única   captação  do  SIN  Rio  das  Velhas  
  • 36. Depende-se em grande parte do sistema Rio das Velhas. • Aproximadamente 1.872.000 pessoas tem o abastecimento na RMBH fornecido pelo Sistema Integrado do Rio das Velhas que retira suas águas em Bela Fama. O sistema abastece Santa Luzia, Belo Horizonte, Sabará, Nova Lima e Raposos. 36
  • 37. Fragilidades ambientais • O sistema Rio das Velhas está fortemente susceptível à alterações de qualidade das águas a partir dos usos e ocupações à montante de seus pontos de captação. • No caso do Sistema Rio das Velhas dois focos de pressão ambiental se destacam: usos urbanos e mineração.
  • 38. Usos urbanos • Os usos urbanos geram o carreamento de poluição difusa, mas principalmente o lançamento de esgotos in natura nos cursos d’água.
  • 41. Usos para mineração • A mineração contribui para a consolidação de áreas de descontinuidade ambiental muito significativas, além de rebaixarem o nível d’água podendo alterar a vazão de nascentes e carrear sedimentos para os cursos d’água.
  • 42. Mina Capão Xavier (Nova Lima)
  • 43.
  • 44. Ribeirão d Silva à jusante da barragem da Mineração Herculano, rompida em 10 de setembro de 2014
  • 45. Importantes áreas... • No alto Rio das Velhas temos importantes áreas de preservação e ainda vários cursos d’água enquadrados como classe 1, ou especial. • A quantidade de áreas protegidas é significativa, mas o manancial do Rio das Ve l h a s s e m a n t é m c o m f o r t e s susceptibilidades à impactos ambientais.
  • 46.
  • 47. URBANO %¹ RURAL % ANIMAL % IRRIGAÇÃO % INDUSTRIAL % MINERAÇÃO % TOTAL  DE  RETIRADA UTE  NASCENTES 0,00 0,0 0,005 3,2 0,003 2,1 0,06 37,1 0,036 22,6 0,055 34,9 0,16 UTE  RIO  ITABIRITO 0,15 7,2 0,004 0,2 0,004 0,2 0,05 2,4 0,717 35,5 1,104 54,6 2,02 UTE  ÁGUAS  DO  GANDARELA 0,05 25,0 0,003 1,7 0,001 0,8 0,02 9,2 0,104 57,6 0,010 5,7 0,18 UTE  ÁGUAS  DA  MOEDA 0,29 16,0 0,004 0,2 0,001 0,1 0,01 0,4 0,321 17,8 1,183 65,6 1,80 ¹%  DO  TOTAL  DA  UTE 4,16 VAZÕES  RETIRADAS  M³/S TOTAL  M³/S VAZÕES RETIRADAS
  • 48. VAZÕES CONSUMIDAS UTE URBANO %¹ RURAL % ANIMAL % IRRIGAÇÃO % INDUSTRIAL % MINERAÇÃO % TOTAL  DE  USO  CONSUNTIVO UTE  NASCENTES 0,00 0,0 0,003 4,5 0,003 4,6 0,03 59,7 0,007 12,2 0,011 18,9 0,06 UTE  RIO  ITABIRITO 0,03 6,8 0,002 0,4 0,003 0,7 0,03 6,7 0,143 33,6 0,221 51,7 0,43 UTE  ÁGUAS  DO  GANDARELA 0,05 56,1 0,002 1,9 0,001 1,4 0,01 12,3 0,021 25,8 0,002 2,5 0,08 UTE  ÁGUAS  DA  MOEDA 0,09 23,1 0,002 0,4 0,001 0,2 0,00 1,1 0,064 16,0 0,237 59,1 0,40 ¹%  DO  TOTAL  DA  UTE 0,97 VAZÕES  CONSUMIDAS  M³/S TOTAL  M³/S  Consumido
  • 49.
  • 50. Racionamento e escassez • Racionamento é uma medida administrativa, pontual, é uma consequência quando a água não chega na torneira... • A escassez é um contexto hidrológico e de uso, ou seja, envolve a quantidade de água disponível, mas principalmente a quantidade de água demandada.
  • 51.
  • 52. 1
  • 53.
  • 54. O QUE É MAIS COMPLICADO: RACIONAMENTO OU ESCASSEZ DE ÁGUA? O que sacrificaremos para evitar o racionamento?
  • 55. Considera-se, portanto, que... •  Que o cenário de conflito pelo uso da água já é uma realidade no Alto Rio das Velhas (apesar de ainda estar em discussão em um grupo de trabalho); •  Que a dependência da RMBH das captações superficiais em áreas de influência da expansão urbana e ainda de interesses econômicos, em especial o da mineração de ferro, é um dos principais conflitos na região do Alto Rio das Velhas; •  Que áreas de proteção ambiental podem ser uma forte ferramenta de controle do uso do solo e das atividades econômicas em uma área de conflito.
  • 56. Considera-se, portanto, que.... • As demandas por água já se mostram acima dos percentuais permitidos; • As águas subterrâneas podem ser alternativas estratégicas para a garantia de seguridade hídrica para a região metropolitana de Belo Horizonte e de vários municípios; • É necessário que as pessoas e as instâncias públicas, já a luz das novas informações, se manifestem sobre a situação de conflito, de forma a diminuir os impactos de um cenário de escassez de água.
  • 57. Obrigado Rodrigo Silva Lemos rslemosbh@gmail.com no mundo realmente invertido, o verdadeiro é um movimento do falso (Debord, 1996)