Seminário	
  Água,	
  Agricultura	
  Familiar,	
  
Rio	
  das	
  Velhas	
  –	
  Crise	
  e	
  Gestão	
  de	
  
Recursos	
 ...
Caracterís?cas	
  da	
  Bacia	
  Hidrográfica	
  
do	
  Rio	
  das	
  Velhas	
  
SF5	
  –	
  CBH	
  do	
  Rio	
  das	
  Velhas	
  
Normal	
  Climatológica	
  no	
  Brasil	
  (1961-­‐1990)	
  FONTE:	
  INMET	
  
Na	
  SF5	
  a	
  média	
  climatológica	
...
Na	
  SF5	
  a	
  chuva	
  observada	
  variou	
  de	
  600	
  a	
  1100	
  mm.	
  
Precipitação	
  Observada	
  -­‐	
  Pe...
Na	
   SF5	
   a	
   chuva	
   observada	
   ficou	
   abaixo	
   da	
  
média	
  climatológica	
  variando	
  de	
  -­‐10	...
Disponibilidade	
  Hídrica	
  
Vazões	
  do	
  Rio	
  das	
  Velhas	
  ao	
  
longo	
  do	
  seu	
  curso	
  d’água	
  
Os	
  Gráficos	
  demonstram	
  a	...
Vazão	
  Outorgável	
  
Sub	
  –bacia	
  do	
  Ribeiro	
  Bonito	
  
Usos	
  Insignificantes	
  
Outorgas	
  e	
  Cer?dões	
  -­‐	
  SF5	
  
Tipo Vazão	
  (m³/s) Quatidade	
  
Outorga	
   16,6867 243
Certidão 0,6287 953...
Finalidades	
  Outorga	
  –	
  SF5	
  
Qualidade	
  das	
  Águas	
  -­‐	
  	
  SF5	
  
Ø  Nº	
  de	
  estações	
  de	
  
monitoramento	
  SF5:	
  81	
  
Observa...
ü  No 1° trimestre de 2015 houve redução das ocorrências de IQA Bom,
passando de 36% no 1° trimestre de 2014 para 23% no ...
 BACIA	
  	
  	
   2010	
   2011	
   2012	
   2013	
   2014	
   2015	
   Total	
  
	
  Velhas	
  	
  
	
  	
  	
  	
  	
  ...
Exercício PEIXE VIVO ABHA IBIO AGEVAP
2010	
   7.071.446,58 3.116.177,73
2011	
   7.942.209,92 5.098.909,34
2012	
   6.745...
Ações	
  para	
  Enfrentamento	
  da	
  Crise	
  
Hídrica	
  
 
ü Decreto	
  nº	
  46.711/2015	
  -­‐	
  ins*tuiu	
  a	
  Força-­‐Tarefa	
  de	
  Recursos	
  Hídricos,	
  com	
  a	
  ...
Vazões	
  entre	
  
100%	
  	
  e	
  	
  70%	
  da	
  
Q7,10	
  e/ou	
  risco	
  
desabastecimento	
  
em	
  reservatórios...
PLANO	
  ESTADUAL	
  DE	
  SEGURANÇA	
  HÍDRICA	
  
ü Diagnós*co	
  das	
  regiões	
  	
  crí*cos	
  de	
  disponibilidad...
Regularização	
  do	
  Uso	
  da	
  Água	
  para	
  o	
  
Pequeno	
  Agricultor	
  
Termo	
  de	
  Auto	
  Declaração	
  de	
  Uso	
  Insignificante	
  de	
  
Recursos	
  Hídricos	
  
A	
  Resolução	
  Conju...
Termo	
  de	
  Auto	
  Declaração	
  de	
  Uso	
  Insignificante	
  de	
  
Recursos	
  Hídricos	
  
A	
   Resolução	
   Conjunta	
   SEMAD/IGAM	
   nº	
   1913/2013,	
   define	
   os	
   pequenos	
   núcleos	
  
populacion...
 
•  I	
   –	
   O	
   núcleo	
   populacional	
   com	
   população	
   inferior	
   ou	
   igual	
   a	
   600	
   habit...
 
Resolução	
  Conjunta	
  SEMAD/IGAM	
  nº	
  1913/2013	
  
As	
  Prá?cas	
  Agrícolas	
  e	
  a	
  Água	
  
Ø  o	
  uso	
  inadequado	
  do	
  solo	
  contribui	
  para	
  a	
  degradação	
  dos	
  
recursos	
  hídricos	
  
Ø  a...
Ø o	
  manejo	
  sustentável	
  dos	
  recursos	
  naturais	
  -­‐	
  a	
  recuperação	
  da	
  
capacidade	
  produ?va	
...
Ø fomento	
  a	
  negócios	
  sustentáveis	
  -­‐	
  arranjos	
  e	
  sistemas	
  produ?vos	
  locais	
  para	
  
dinamiz...
Obrigada!	
  
Maria	
  de	
  Fá*ma	
  Chagas	
  Dias	
  Coelho	
  
Diretoria	
  Geral	
  IGAM	
  
Telefone:	
  (31)	
  391...
1)  Os	
  pagamentos	
  foram	
  realizados	
  a	
  1019	
  beneficiários;	
  
2)  Crédito	
  Orçamentário	
  do	
  FHIDRO	...
Apresentacao Maria de Fatima Chagas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentacao Maria de Fatima Chagas

497 visualizações

Publicada em

Apresentacao Maria de Fatima Chagas

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
497
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
138
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentacao Maria de Fatima Chagas

  1. 1. Seminário  Água,  Agricultura  Familiar,   Rio  das  Velhas  –  Crise  e  Gestão  de   Recursos  Hídricos   Maria  de  Fá*ma  Chagas  Dias  Coelho   Diretoria  Geral  IGAM   Telefone:  (31)  39151252   E-­‐mail:  dgigam@meioambiente.mg.gov.br  
  2. 2. Caracterís?cas  da  Bacia  Hidrográfica   do  Rio  das  Velhas  
  3. 3. SF5  –  CBH  do  Rio  das  Velhas  
  4. 4. Normal  Climatológica  no  Brasil  (1961-­‐1990)  FONTE:  INMET   Na  SF5  a  média  climatológica  varia  de  900  a  1300  mm  para  o  período.   Média  Climatológica  do  Período  Chuvoso  
  5. 5. Na  SF5  a  chuva  observada  variou  de  600  a  1100  mm.   Precipitação  Observada  -­‐  Período  Chuvoso    
  6. 6. Na   SF5   a   chuva   observada   ficou   abaixo   da   média  climatológica  variando  de  -­‐10  a  -­‐40  %.   Porcentagem  da  Precipitação  -­‐  Período  Chuvoso  
  7. 7. Disponibilidade  Hídrica  
  8. 8. Vazões  do  Rio  das  Velhas  ao   longo  do  seu  curso  d’água   Os  Gráficos  demonstram  a  diminuição  da  vazão   média   no   ano   de   2014,   que   representam   50%   da  vazão  média  de  2012.  
  9. 9. Vazão  Outorgável   Sub  –bacia  do  Ribeiro  Bonito  
  10. 10. Usos  Insignificantes  
  11. 11. Outorgas  e  Cer?dões  -­‐  SF5   Tipo Vazão  (m³/s) Quatidade   Outorga   16,6867 243 Certidão 0,6287 953 Total 17,3154 1196 Portaria Empreendedor Finalidades Município Latitude Longitude Vazão em m³/s 2203/ 2013 COPASA Abastecimento público NOVA LIMA 20° 0' 32" 43° 49' 52" 8,7710 1914/ 2008 PREFEITURA MUNICIPAL DE SETE LAGOAS Abastecimento publico SETE LAGOAS 19° 20' 58" 43° 59' 56" 0,5000 1222/ 2011 ULISSES FERREIRA DINIZ Irrigação CORINTO 18° 11' 16" 44° 32' 24" 0,4900 298/ 2014 PAULO CEZAR BARREIRA E OUTROS Irrigação LASSANCE 17° 48' 3" 44° 36' 10" 0,3750 2265/ 2012 MINERAÇÕES BRASILEIRAS REUNIDAS S,A Consumo industrial NOVA LIMA 20° 11' 0" 43° 48' 47" 0,3020 534/ 2012 HILDA ANDREA LOSCHI Irrigação LASSANCE 17° 45' 30" 44° 38' 59" 0,2200 2390/ 2010 EDUARDO LUIZ ÁLVARES MESQUITA Irrigação POMPÉU 19° 40' 12" 43° 54' 57" 0,2170 918/ 2012 PAULO VICTOR CARDOSO Irrigação VÁRZEA DA PALMA 17° 38' 5" 44° 40' 43" 0,1700 3332/ 2012 JOSÉ SOARES MARQUES E OUTROS Irrigação LASSANCE 17° 48' 11" 44° 35' 49" 0,1500 210/ 2014 AMBEV Consumo industrial e humano SETE LAGOAS 19° 17' 28" 44° 7' 30" 0,1400 As  dez  maiores  vazões  outorgadas  superficialmente  na  SF5     Disponibilidade  hídrica  na  SF5  
  12. 12. Finalidades  Outorga  –  SF5  
  13. 13. Qualidade  das  Águas  -­‐    SF5   Ø  Nº  de  estações  de   monitoramento  SF5:  81   Observa-­‐se  a  qualidade  da  água  ruim   para   médio   ao   longo   do   Rio   das   Velhas,  e  uma  maior  concentração  de   pontos   de   monitoramento   com   contaminação   por   tóxicos   alta   próximo  a  região  metropolitana  e  na   calha  do  Rio  das  Velhas.  
  14. 14. ü  No 1° trimestre de 2015 houve redução das ocorrências de IQA Bom, passando de 36% no 1° trimestre de 2014 para 23% no 1° trimestre de 2015 e concomitante aumento da ocorrência de IQA Ruim passando de 14% no 1° trimestre de 2014 para 28% no 1° trimestre de 2015 ü  Trechos mais comprometidos (qualidade ruim e muito ruim), segundo o Índice de Qualidade das Águas - IQA e CT Alta, ocorrem principalmente, próximo a grandes centros urbanos como à Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) na sub-bacia do rio das Velhas (SF5), municípios de Nova Serrana e São Gonçalo do Pará na sub-bacia do rio Pará (SF2) e município de Betim na sub-bacia do rio Paraopeba (SF3). ü  Essa condição é favorecida principalmente pelo lançamento de grandes quantidades de esgotos domésticos lançados sem tratamento nos corpos de água e lançamento de efluentes industriais. ü  O período de estiagem prolongado contribui para o agravamento da situação, uma vez que os corpos de água apresentam menos água para diluição de poluentes lançados. Qualidade  da  Água  –  SF5  
  15. 15.  BACIA       2010   2011   2012   2013   2014   2015   Total    Velhas               7.234.303,86               7.891.625,64               7.233.001,89               9.322.671,12               9.376.428,84               7.490.611,31                   48.548.642,66      Araguari               3.397.878,54               4.999.402,88               5.367.931,79               6.327.272,09               5.127.230,20               3.654.420,80                   28.874.136,30      Piracicaba/ Jaguari                         42.685,53                           66.356,38                           92.377,57                       120.281,59                           82.200,23                           85.156,17                               489.057,47      Piranga                                                           -­‐                                                               -­‐                   1.939.035,34               2.514.396,45               2.999.106,80               2.227.990,01                         9.680.528,60      Piracicaba                                                                 -­‐                                                               -­‐                   3.916.804,00               7.789.715,14               7.927.516,10               5.781.513,84                   25.415.549,08      Santo  Antônio                                                           -­‐                                                               -­‐                           654.043,90               1.339.596,17               2.287.857,44               2.200.697,62                         6.482.195,13      Suaçui                                                           -­‐                                                               -­‐                           309.629,42                       570.137,49                       670.994,41                       458.018,54                         2.008.779,86      Cara*nga                                                           -­‐                                                               -­‐                           324.362,09                       721.439,96                       694.343,39                       521.394,37                         2.261.539,81      Manhuaçu                                                           -­‐                                                               -­‐                           456.862,25                       544.320,21                       890.070,54                       375.359,75                         2.266.612,75      Preto/Paraibuna                                                           -­‐                                                               -­‐                                                               -­‐                                                               -­‐                                           540,04                       816.496,70                               817.036,74      Pomba/Muriaé                                                           -­‐                                                               -­‐                                                               -­‐                                                               -­‐                                                               -­‐                           639.719,83                               639.719,83      Total           10.674.867,93           12.957.384,90           20.294.048,25           29.249.830,22           30.056.287,99           24.251.378,94               127.483.798,23     Universo  de  usuários:  3.335   Em  fase  de  implantação  na  UPGRH  SF2  (bacia  do  Pará)   COBRANÇA  PELO  USO  DE  RECURSOS  HÍDRICOS  -­‐  ARRECADAÇÃO   Valor  R$    
  16. 16. Exercício PEIXE VIVO ABHA IBIO AGEVAP 2010   7.071.446,58 3.116.177,73 2011   7.942.209,92 5.098.909,34 2012   6.745.685,41 5.158.332,74 2.268.661,14 2013   8.489.748,54 6.209.899,52 16.924.591,53 2014   7.284.696,13 4.192.825,84 10.325.065,39 2015   3.846.470,71 1.695.037,04 7.746.222,98 159.997,22 Total   41.380.257,29 25.471.182,2137.264.541,04 159.997,22 COBRANÇA  PELO  USO  DE  RECURSOS  HÍDRICOS  –  RECURSOS  REPASSADOS   Total  repassado:  R$104.275.977,76   Valor  R$    
  17. 17. Ações  para  Enfrentamento  da  Crise   Hídrica  
  18. 18.   ü Decreto  nº  46.711/2015  -­‐  ins*tuiu  a  Força-­‐Tarefa  de  Recursos  Hídricos,  com  a  finalidade   de  planejar  e  ar*cular  as  ações  setoriais  a  cargo  do  Estado  voltadas  ao  gerenciamento  dos   recursos  hídricos.  Definiu  ações  para  enfrentar  a  crise  e  para  subsidiar  planejamentos  para  os   próximos  anos;   ü Resolução  Conjunta  Semad/Igam  nº  2237/2014  -­‐  procedimentos  visando  envio  dos  dados   de   monitoramento   pluviométrico,   limnimétrico   e   fluviométrico   associados   a   reservatórios   para  aproveitamento  hidrelétrico  e  para  abastecimento  público;   ü Resolução  Conjunta  Semad/Igam  nº  2302/2015  -­‐  estabelece  critérios  para  implantação  de   sistemas   de   medição   para   monitoramento   dos   usos   e   intervenções   em   recursos   hídricos   visando  à  adoção  de  medidas  de  controle  no  estado  de  Minas  Gerais;   ü Deliberação  Norma?va  CERH/MG  n.º  49/2015  -­‐  estabelece  diretrizes  e  critérios  gerais  para   a  definição  de  situação  crí*ca  de  escassez  hídrica  e  estado  de  restrição  de  uso  de  recursos   hídricos  superficiais  nas  porções  hidrográficas  no  Estado  de  Minas  Gerais.   ü Portarias   declarando   situação   crí*ca   de   escassez   hídrica   superficial   nas   porções   hidrográficas   localizadas   nos   reservatórios   Rio   Manso,   Serra   Azul   e   Vargem   das   Flores   respec*vamente  e  as  suas  bacias  de  contribuição  que  fazem  parte  do  sistema  Paraopeba.   ü Grupos   de   trabalho   do   CERH   -­‐   critérios   de   excepcionalidade   de   restrição   de   uso   para   captações   de   água;   diretrizes   e   critérios   para   a   definição   de   situação   crí*ca   de   escassez   hídrica  e  estado  de  restrição  de  uso  de  recursos  hídricos  subterrâneos  em  Minas  Gerais.   AÇÕES  INSTITUCIONAIS  E  NORMATIVAS  
  19. 19. Vazões  entre   100%    e    70%  da   Q7,10  e/ou  risco   desabastecimento   em  reservatórios   até  o  final  do   período  seco.   Vazões  inferiores  a   50%  ou  70%  da   Q7,10  e/ou  risco   desabastecimento   em  reservatórios   até  o  final  do   período  seco.   ESTÁGIOS  PARA  DECLARAÇÃO  DE  ESCASSEZ  HÍDRICA  DE  ACORDO   COM  A  DELIBERAÇÃO  NORMATIVA  CERH/MG  Nº  49/2015   Estado  de   Atenção   Estado  de   Restrição   de  Uso   Estado  de   Alerta   Vazões    entre   100%    e  200%  da   Q7,10,  por   período  mínimo   de  7  dias   consecu*vos.   A  Restrição  de  Uso  para  captações  de  água  ocorrerá  nos  seguintes  termos:   FINALIDADE  DO  USO   RESTRIÇÃO  (volume  diário  outorgado)   Consumo  humano,  dessedentação  animal   e  abastecimento  público   20%   Irrigação   25%   Industrial  e  agroindustrial   30%   Demais  finalidades   50%  
  20. 20. PLANO  ESTADUAL  DE  SEGURANÇA  HÍDRICA   ü Diagnós*co  das  regiões    crí*cos  de  disponibilidade  hídrica  no  Estado,   considerando:   •  situações  de  escassez  por  condições  naturais,  por  incertezas  ligadas  às   questões   climá*cas   e   por   excesso   de   demanda   (limitações   na   quan*dade  e  na  qualidade);   •  situações  de  ocorrência  de  inundações.   ü Propostas  de  ações:   •  estruturais:  infraestrutura  hídrica,  tratamento  de  efluentes,  etc;   •  não   estruturais:   recuperação   de   cobertura   vegetal,   e   projetos   de   conservação  de  bacias,  educação  ambiental,  etc     ü  Emenda  parlamentar  em  2015  para  apoiar  na  contratação  do  diagnós*co   para  a  elaboração  do  Plano  Estadual  de  Segurança  Hídrica.  
  21. 21. Regularização  do  Uso  da  Água  para  o   Pequeno  Agricultor  
  22. 22. Termo  de  Auto  Declaração  de  Uso  Insignificante  de   Recursos  Hídricos   A  Resolução  Conjunta  SEMAD/IGAM  nº1832  de  2013,  estabelece  o  Termo  de  Auto   Declaração   de   Uso   Insignificante   de   Recursos   Hídricos,   no   âmbito   do   Programa   Nacional  de  Habitação  Rural  –Minha  Casa,  Minha  Vida  Rural.   •  O   Termo   tem   como   obje*vo   cadastrar   o   uso   insignificante   que   abastecerá   a   residência  rural  objeto  do  financiamento.   •  Somente   poderão   se   valer   do   Termo   as   captações   e   derivações   que   se   enquadrarem  nos  termos  da  Deliberação  Norma*va  CERH  n°  09/04  e  Deliberação   Norma*va  CERH  n°  34/10,  que  definem  os  usos  insignificantes  no  Estado  de  Minas   Gerais,  ou  outras  normas  que  venham  a  subs*tuí-­‐las.   •  Deverão   ser   preenchidos   e   assinados   03   (três)   Termos,   a   serem   entregues   às   en*dades  organizadoras  possuidoras  de  Termo  de  Cooperação  Técnica  junto  ao   IGAM,   para   compor   a   documentação   exigida   pela   Ins*tuição   Financeira   Credenciada.   •  Os   candidatos   que   *verem   o   financiamento   aprovado   receberão,   após   prévia   análise  da  en*dade  gestora,  a  Cer*dão  de  Cadastro  de  Uso  Insignificante.    
  23. 23. Termo  de  Auto  Declaração  de  Uso  Insignificante  de   Recursos  Hídricos  
  24. 24. A   Resolução   Conjunta   SEMAD/IGAM   nº   1913/2013,   define   os   pequenos   núcleos   populacionais  rurais  que  independem  de  outorga.     •  A  Lei  13.199/1999  determina  que  independem  de  outorga  pelo  poder  público,  conforme   definido  em  regulamento,  o  uso  de  recursos  hídricos  para  sa*sfação  das  necessidades  de   pequenos  núcleos  populacionais  distribuídos  no  meio  rural,  bem  como  as  acumulações,  as   derivações,  as  captações  e  os  lançamentos  considerados  insignificantes.     •  Estão   dispensados   de   obtenção   de   outorga,   mas   sujeitos   a   cadastramento,   o   núcleo   populacional  rural  que  se  enquadre  nas  seguintes  condições:   I  –  população  inferior  ou  igual  a  600  habitantes,  localizado  em  área  legalmente  definida  como   rural   cons*tuída   por   um   conjunto   de   edificações   adjacentes,   com   caracterís*cas   de   permanência  e  não  vinculados  a  um  único  proprietário  do  solo;  e   ll   –   as   captações,   superficiais   e   subterrâneas   para   atendimento   do   pequeno   núcleo   populacional  rural  com  valores  máximo  de  captação  de  1,5  l/s  ou  volume  máximo  captado  de   86  .400  l/dia,    tempo  máximo  de  captação  de  16  horas/  dia  .   •  Para  o  núcleo  populacional  rural  dispensado  de  outorga,  o  interessado  deverá  solicitar  o   cadastramento  protocolando  na  en*dade  gestora  o  respec*vo  requerimento  (anexo  da   Resolução)  e  disponibilizado  em  www.meioambiente  .mg  .gov.  br.   Resolução  Conjunta  SEMAD/IGAM  nº  1913/2013  
  25. 25.   •  I   –   O   núcleo   populacional   com   população   inferior   ou   igual   a   600   habitantes,   localizado  em  área  legalmente  definida  como  rural  cons*tuída  por  um  conjunto  de   edificações  adjacentes,  com  caracterís*cas  de  permanência  e  não  vinculados  a  um   único  proprietário  do  solo;  e   •  ll  –  As  captações,  superficiais  e  subterrâneas  para  atendimento  do  pequeno  núcleo   populacional  rural  com  valores  máximo  de  captação  de  1,5  l/s  ou  volume  máximo   captado  de  86  .400  l/dia,  ressalvando  o  tempo  máximo  de  captação  de  16  horas/   dia  .   •  Art.   2º   Para   o   núcleo   populacional   rural   dispensado   de   outorga,   conforme   estabelece   o   Art.   1º   desta   Resolução,   o   interessado   deverá   solicitar   o   cadastramento   protocolando   no   órgão   ambiental   competente   o   respec*vo   requerimento   conforme   anexo   I   desta   Resolução   e   também   disponibilizado   no   sí*o  da  Secretaria  de  Estado  de  Meio  Ambiente  e  Desenvolvimento  Sustentável  -­‐   SEMAD:  www.meioambiente  .mg  .gov.  br.   Resolução  Conjunta  SEMAD/IGAM  nº  1913/2013  
  26. 26.   Resolução  Conjunta  SEMAD/IGAM  nº  1913/2013  
  27. 27. As  Prá?cas  Agrícolas  e  a  Água  
  28. 28. Ø  o  uso  inadequado  do  solo  contribui  para  a  degradação  dos   recursos  hídricos   Ø  a  degradação  da  qualidade  das  águas  ocorre        -­‐  pelos  processos  de  erosão  (facilitados  pela    topografia   acidentada)  -­‐  assoreamento  dos  corpos  de  água    -­‐  pelo  uso  de  agrotóxicos  e  fer?lizantes  -­‐  poluição  hídrica,   com  reflexos  na  saúde  humana   Ø   a  redução  da  quan?dade  de  água    -­‐  pode  ocorrer  quando  há  o  uso  inadequado  e  intensivo  da    água  nas  áreas  irrigadas   -­‐  a  diminuição  da  infiltração,  influencia  o  regime  hídrico,   aumenta  o  escoamento  superficial,  diminui  as  vazões  de   recarga  dos  aqüíferos    e  das  fontes   Os  Problemas  resultantes  de  Prá?cas  Inadequadas  
  29. 29. Ø o  manejo  sustentável  dos  recursos  naturais  -­‐  a  recuperação  da   capacidade  produ?va  dos  agroecossistemas  com  u?lização  de   técnicas  sustentáveis  de  uso  e  ocupação  do  solo  –  controle  da   erosão;  propostas  e  soluções  relacionadas  ao  combate  ao   desperdício  de  água,  etc   Ø melhorias  tecnológicas  e  prá?cas  agroecológicas;   Ø redução  e  controle  do  uso  de  agrotóxicos  e  fer?lizantes;   Ø eswmulo  à  implementação  de  programas  e  ações  que  obje?vem  à   revitalização  das  bacias  hidrográficas;   Ø ampliação  e  disseminação  do  conhecimento  -­‐  intercâmbio  das   experiências  exitosas  entre  os  agricultores  (redes  de  ar?culação  e   informações);   As  Soluções  Sustentáveis  
  30. 30. Ø fomento  a  negócios  sustentáveis  -­‐  arranjos  e  sistemas  produ?vos  locais  para   dinamizar  a  base  econômica  local  -­‐  modelo  de  produção  compar?lhada,   dinamizando  fluxos  produ?vos  e  financeiros;     Ø a  valoração  dos  produtos  regionais,  incluindo  o  arcabouço  legal  e  ins?tucional   para  proteger  a  biodiversidade  e  para  resguardar  os  recursos  naturais;     Ø as  oportunidades  relacionadas  ao  potencial  turís?co,  ao  artesanato,  entre   outras  oportunidades   Ø o  envolvimento  efe?vo  das  comunidades,    incorporando  as  perspec?vas  de   gênero  e  de  geração  no  processo;   Ø Sensibilização  dos  produtores  e  consumidores  de  água  sobre  a  importância  da   gestão  integrada  de  bacias  hidrográficas     As  Soluções  Sustentáveis   A  par?cipação  nos  Comitês  de  Bacias  Hidrográficas  
  31. 31. Obrigada!   Maria  de  Fá*ma  Chagas  Dias  Coelho   Diretoria  Geral  IGAM   Telefone:  (31)  39151252   E-­‐mail:  dgigam@meioambiente.mg.gov.br  
  32. 32. 1)  Os  pagamentos  foram  realizados  a  1019  beneficiários;   2)  Crédito  Orçamentário  do  FHIDRO  para  o  Bolsa  Verde  em  2015:  R$  24.774.512,00   BOLSA  VERDE   Projeto Descrição   Crédito  Autorizado 4560 BOLSA  VERDE  -­‐  AMPLIAÇÃO  E  CONSERVAÇÃO  DA  COBERTURA  VEGETAL  NATIVA R$  24.774.512,00 R$  24.774.512,00TOTAL ANO VALOR  PAGO  FINANCEIRO   2011 R$  5.584.510,62 2012 R$  1.288.768,68 2013 R$  4.353.236,05 2014 R$  266.463,37 TOTAL R$  11.492.978,72

×