SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
RETIFICAÇÃO OUTORGA BARRAMENTO
EM CURSO D’ÁGUA SEM CAPTAÇÃO
ALTEAMENTO DA BARRAGEM DE DISPOSIÇÃO DE REJEITOS DA MINA CUIABÁ
Setembro, 2016
SOBRE A
ANGLOGOLD
ASHANTI
09
países
17
operações
3.200
EMPREGADOS
GERA ANUALMENTE
R$ 177 M
de CONTRIBUIÇÃO
TRIBUTÁRIA direta
CONTEXTO
UNIDADE CUIABÁ - LAMEGO
A ANGLOGOLDASHANTI POSSUI OPERAÇÕES EM MG HÁ 182 ANOS
E OPERA AS MINAS CUIABÁ E LAMEGO HÁ 28 ANOS.
Mina Cuiabá Mina Lamego
2 MINAS SUBTERRÂNEAS
2 PLANTAS METALÚRGICAS
Planta do Queiroz Planta Ouro
1 REFINARIA FUNDIÇÃO
2 PLANTAS DE ÁCIDO
SULFÚRICO
Planta do Queiroz
Modalidade: Autorização para barramento em curso de água sem captação de água nova, não havendo alteração no que tange ao regime
hídrico e/ou disponibilidade hídrica.
Finalidade: disposição de rejeito do beneficiamento e recirculação/reutilização da
água presente na polpa do rejeito (da ordem de 90%) e alteamento da crista da
barragem da elevação 889m até 904m.
LICENCIAMENTO
PA COPAM nº 3533/2007/025/2013
• Alteamento até a cota 904m
• Requerimento Retificação Outorga em novembro/2013
• Obtenção LP/LI nº 095/2014 em novembro/14
• LO para a Cota 897 solicitada em maio/16
Retificação da Portaria de Outorga n° 1793/2005 (Proc. 28.859/13).
Alteração do volume de disposição de rejeitos e área inundada
OBJETIVO DA OUTORGA
BARRAGEM DE
DISPOSIÇÃO DE
REJEITOS
CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
Barragem do tipo convencional construído em solo compactado, com filtros horizontal e vertical e com dreno de base.
Envolve materiais e procedimentos executivos similares àqueles utilizados para estruturas com finalidade de acumulação
de água, tais como:
• Ensaios de caracterização física e mecânica do solo
• Controle de compactação do aterro
• Ensaios de granulometria dos materiais para drenagem interna
Cota - 904,0m
MONTANTE
BARRAGEM
ATUAL
FILTROVERTICAL
TAPETE DRENANTE
JUSANTE
CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
Vertedouro de superfície em concreto
armado, constituído por canal de
aproximação, trecho inclinado e bacia de
dissipação. Dimensionado para chuva
Decamilenar.
Alteamentos executados pelo Método de Jusante.
ELEVAÇÕES(m)
850
860
870
880
890
900
865
870
886
901
904
889
873
868
2006
2009
2011/2012
2015/2017
Ano de Construção
Soleira do Vertedor
CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
Altura atual (cota 897): 90 m
Alteamento até a Cota 904
Extensão atual da Crista: 330 m
FS: 1,571 (Seção de maior altura)
Classificação da Barragem:
- COPAM 87/2005 Classe III
- DNPM Portaria 416/12 Classe C (Dano Potencial
Alto e Categoria de Risco Baixo)
CARACTERÍSTICAS DO REJEITO
Descrição do sólido depositado:
Possui aspecto de areia fina, contendo 50% de sílica
livre (SiO2), 25% de carbonatos (ankerita, siderita,
calcita e dolomita), 15% de outros silicatos (muscovita,
clorita, biotita), 10% de feldspato (albita, ortoclásio).
Rejeito:
Classe IIA (não perigoso – não inerte): porção fina
oriunda do processo de flotação (separação entre
partículas de ouro livre / sulfetos de silicatos /
carbonatos)
Formas de Deposição:
* Parte grossa do rejeito é desaguada e depositada
em cava exaurida na superfície e no subsolo (realce);
* Parte fina do rejeito é depositada na barragem;
MONITORAMENTO E
CONTROLES DE SEGURANÇA
INSTRUMENTAÇÃO
26 medidores de nível de água tipo Casa Grande
• 12 eletrônicos: leituras em tempo real
• 14 manuais: leituras quinzenais
Medidores de nível do reservatório:
• Visual Régua de nível instalada no talude de montante
• On line Via remoto
Drenagem Interna: Controle da vazão da fundação
Inspeções periódicas diárias
Leituras sistemáticas da instrumentação e interpretação dos resultados de campo
Auditorias anuais de segurança: internas, externas e corporativas
FASES DE IMPLANTAÇÃO
2006 2007
Instalação da Barragem Início da Operação
Alteamentos:
Estágio
Ano de
Construção
Elevação da crista
(m)
Elevação da
Fundação (m)
Implantação 2006 868 820
1º alteamento 2009 873 817
2º alteamento
2011 887 815
2011/12 889 815
3º alteamento
2015/16
2016/17
897
904
807
807
LOCALIZAÇÃO
Fontes: http://cbhvelhas.org.br/
http://www.igam.mg.gov.br/
Enquadramento conforme DN nº 20/97: Classe 2
Bacia Rio das Velhas - UPGH SF 05
Sub-Bacia Caeté-Sabará
LOCALIZAÇÃO
!(
Pompéu
Córrego Sabará
MONITORAMENTO
!P
!P
!P
!P
!P
!P
!P
!P
!P
!P
!P
1003
1004
1010
1011
2003
2008
2007
2002
2001
1005
V5
Legenda
!P Água Superficial
!P Ribeirão Sabará
!P Água Subterrânea
!P Efluente
!P Vazão (Calha Parshall)
Drenagem
±
• Os resultados atenderam as legislações, com exceções
dos parâmetros oxigênio dissolvido e ferro solúvel que
apresentaram concentrações fora dos limites
estabelecidos pela CERH 01/2008 para os pontos de
água superficial a montante da barragem.
• Parâmetros analisados para águas superficiais: As
Total, As Sol, Co Total, condutividade, cor, Cu Total, Cr
Total, DBO, Fe Sol, Mn Sol, NO3, OD, pH, SO4, Ssedt,
STD, STS, turbidez, Zn Total.
• Parâmetros analisados para efluente a jusante da
barragem: As Total, As Sol, Co Total, condutividade,
cor, Cu Total, Cr Total, DBO, Fe Sol, Mn Sol, NO3, OD,
pH, SO4, Ssedt, STD, STS, turbidez, Zn Total.
• Parâmetros analisados para águas subterrâneas: As
Sol, Co Total, SO4, pH, Zn Total, Cu Total, Cr Total,
STD
MONITORAMENTO
MONITORAMENTO NO CÓRREGO SABARÁ – MONTANTE (1010) E
JUSANTE (1011) DA BARRAGEM
-0,015
-0,01
-0,005
0
0,005
0,01
0,015
jan-15
fev-15
mar-15
abr-15
mai-15
jun-15
jul-15
ago-15
set-15
out-15
nov-15
dez-15
jan-16
fev-16
mar-16
abr-16
mai-16
mg/L
As Total
MCB1010 MCB1011 Limite
-4
-2
0
2
4
6
8
10
12
14
16
18
jan-15
fev-15
mar-15
abr-15
mai-15
jun-15
jul-15
ago-15
set-15
out-15
nov-15
dez-15
jan-16
fev-16
mar-16
abr-16
mai-16
jun-16
Demanda Bioquímica de Oxigênio (mg/L)
MCB 1010 MCB1011 Limite
MONITORAMENTO - VAZÃO
• A AGA está mantendo e monitorando uma vazão de jusante da barragem Cuiabá
de no mínimo 100% da Q7,10 (8,7 L/s ou 31,32m³/h ou 0,0087 m3/s). Este valor é
maior que o determinado pela SUPRAM.
• O valor calculado pela SUPRAM da Q7,10 é de 5,6786L/s ou 20,44m³/h ou
0,0057 m³/s.
• Monitoramento da vazão da saída do dreno de fundo - Calha Parshall
dreno de fundo(fundação).
0
5
10
15
20
25
30
35
40
45
50
Vazão(m³/h)
Monitoramento de Vazão da Saída do Dreno de Fundo da Barragem de
Cuiabá (V5)
INOVAÇÃO
TRATAMENTO DE ÁGUA
NA MINA SUBTERRÂNEA
ETE - ESTAÇÃO DE TRATAMENTO
DE EFLUENTES SUBSOLO
(800 m de profundidade)
A ETE instalada no subsolo promove o tratamento
do efluente gerado, realimentando a operação e
retornando com o excedente para a superfície. Esta
inovação tecnológica permitiu:
• Potencializar a recirculação de água utilizada na
mina subterrânea
• Reduzir a captação de água nova
• Diminuir consumo de energia
• Assegurar a boa qualidade da água utilizada e
descartada
OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Problemas de Qualidade e Tratamento de Água de Poços
Problemas de Qualidade e Tratamento de Água de PoçosProblemas de Qualidade e Tratamento de Água de Poços
Problemas de Qualidade e Tratamento de Água de Poçosslides-mci
 
VALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuvaVALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuvaslides-mci
 
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...Gabriella Ribeiro
 
CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...
CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...
CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...Gabriella Ribeiro
 
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência slides-mci
 
VALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de PerdasVALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de Perdasslides-mci
 
VALOR: Reuso de Água
VALOR: Reuso de ÁguaVALOR: Reuso de Água
VALOR: Reuso de Águaslides-mci
 
Escassez Hídrica na bacia do Rio Paraopeba
Escassez Hídrica na bacia do Rio Paraopeba Escassez Hídrica na bacia do Rio Paraopeba
Escassez Hídrica na bacia do Rio Paraopeba CIBAPAR
 
Variações na Composição Isotópica da Precipitação e nas Águas Subterrâneas em...
Variações na Composição Isotópica da Precipitação e nas Águas Subterrâneas em...Variações na Composição Isotópica da Precipitação e nas Águas Subterrâneas em...
Variações na Composição Isotópica da Precipitação e nas Águas Subterrâneas em...Gabriella Ribeiro
 
Apresentacao Marcos Heil
Apresentacao Marcos HeilApresentacao Marcos Heil
Apresentacao Marcos Heilequipeagroplus
 
Para entender o caso
Para entender o casoPara entender o caso
Para entender o casoPolibio Braga
 
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...Gabriella Ribeiro
 
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabian
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabianApresentação dessal valors economico abas comentado fabian
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabianslides-mci
 
Sisema - Escassez de Recursos Hídricos no rio das Velhas
Sisema - Escassez de Recursos Hídricos no rio das VelhasSisema - Escassez de Recursos Hídricos no rio das Velhas
Sisema - Escassez de Recursos Hídricos no rio das VelhasCBH Rio das Velhas
 
Dn 005 2014_processo de outorga n 00923_2011_barragem maravilhas iii_mbr
Dn 005 2014_processo de outorga n 00923_2011_barragem maravilhas iii_mbrDn 005 2014_processo de outorga n 00923_2011_barragem maravilhas iii_mbr
Dn 005 2014_processo de outorga n 00923_2011_barragem maravilhas iii_mbrCBH Rio das Velhas
 
AQDEURIM: UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DESENVOLVIDA PARA AUXILIAR NA DETERMIN...
AQDEURIM: UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DESENVOLVIDA PARA AUXILIAR NA DETERMIN...AQDEURIM: UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DESENVOLVIDA PARA AUXILIAR NA DETERMIN...
AQDEURIM: UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DESENVOLVIDA PARA AUXILIAR NA DETERMIN...Gabriella Ribeiro
 
AVALIAÇÃO DA GESTÃO COMPARTILHADA DO AQUÍFERO JANDAÍRA , REGIÃO LIMÍTROFE DOS...
AVALIAÇÃO DA GESTÃO COMPARTILHADA DO AQUÍFERO JANDAÍRA , REGIÃO LIMÍTROFE DOS...AVALIAÇÃO DA GESTÃO COMPARTILHADA DO AQUÍFERO JANDAÍRA , REGIÃO LIMÍTROFE DOS...
AVALIAÇÃO DA GESTÃO COMPARTILHADA DO AQUÍFERO JANDAÍRA , REGIÃO LIMÍTROFE DOS...Gabriella Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Apresentação Cemig
Apresentação CemigApresentação Cemig
Apresentação Cemig
 
Problemas de Qualidade e Tratamento de Água de Poços
Problemas de Qualidade e Tratamento de Água de PoçosProblemas de Qualidade e Tratamento de Água de Poços
Problemas de Qualidade e Tratamento de Água de Poços
 
VALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuvaVALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuva
 
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
 
CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...
CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...
CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...
 
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
 
VALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de PerdasVALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de Perdas
 
VALOR: Reuso de Água
VALOR: Reuso de ÁguaVALOR: Reuso de Água
VALOR: Reuso de Água
 
Escassez Hídrica na bacia do Rio Paraopeba
Escassez Hídrica na bacia do Rio Paraopeba Escassez Hídrica na bacia do Rio Paraopeba
Escassez Hídrica na bacia do Rio Paraopeba
 
Variações na Composição Isotópica da Precipitação e nas Águas Subterrâneas em...
Variações na Composição Isotópica da Precipitação e nas Águas Subterrâneas em...Variações na Composição Isotópica da Precipitação e nas Águas Subterrâneas em...
Variações na Composição Isotópica da Precipitação e nas Águas Subterrâneas em...
 
Apresentacao Marcos Heil
Apresentacao Marcos HeilApresentacao Marcos Heil
Apresentacao Marcos Heil
 
Para entender o caso
Para entender o casoPara entender o caso
Para entender o caso
 
Apresentação Copasa
Apresentação CopasaApresentação Copasa
Apresentação Copasa
 
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
 
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabian
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabianApresentação dessal valors economico abas comentado fabian
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabian
 
Seminario Revitaliza Fiemg
Seminario Revitaliza FiemgSeminario Revitaliza Fiemg
Seminario Revitaliza Fiemg
 
Sisema - Escassez de Recursos Hídricos no rio das Velhas
Sisema - Escassez de Recursos Hídricos no rio das VelhasSisema - Escassez de Recursos Hídricos no rio das Velhas
Sisema - Escassez de Recursos Hídricos no rio das Velhas
 
Dn 005 2014_processo de outorga n 00923_2011_barragem maravilhas iii_mbr
Dn 005 2014_processo de outorga n 00923_2011_barragem maravilhas iii_mbrDn 005 2014_processo de outorga n 00923_2011_barragem maravilhas iii_mbr
Dn 005 2014_processo de outorga n 00923_2011_barragem maravilhas iii_mbr
 
AQDEURIM: UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DESENVOLVIDA PARA AUXILIAR NA DETERMIN...
AQDEURIM: UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DESENVOLVIDA PARA AUXILIAR NA DETERMIN...AQDEURIM: UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DESENVOLVIDA PARA AUXILIAR NA DETERMIN...
AQDEURIM: UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DESENVOLVIDA PARA AUXILIAR NA DETERMIN...
 
AVALIAÇÃO DA GESTÃO COMPARTILHADA DO AQUÍFERO JANDAÍRA , REGIÃO LIMÍTROFE DOS...
AVALIAÇÃO DA GESTÃO COMPARTILHADA DO AQUÍFERO JANDAÍRA , REGIÃO LIMÍTROFE DOS...AVALIAÇÃO DA GESTÃO COMPARTILHADA DO AQUÍFERO JANDAÍRA , REGIÃO LIMÍTROFE DOS...
AVALIAÇÃO DA GESTÃO COMPARTILHADA DO AQUÍFERO JANDAÍRA , REGIÃO LIMÍTROFE DOS...
 

Semelhante a Apresentacao ctoc

Aterro sanitario
Aterro sanitarioAterro sanitario
Aterro sanitarioRene Nakaya
 
Apresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do CarvãoApresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do CarvãoIvan Cardoso Martineli
 
CONTROLE DE PRODUÇÃO DE AREIA E SELEÇÃO DE GRAVEL E TELA APRESENTAÇÃO para a...
CONTROLE DE PRODUÇÃO DE AREIA E SELEÇÃO DE GRAVEL E TELA APRESENTAÇÃO  para a...CONTROLE DE PRODUÇÃO DE AREIA E SELEÇÃO DE GRAVEL E TELA APRESENTAÇÃO  para a...
CONTROLE DE PRODUÇÃO DE AREIA E SELEÇÃO DE GRAVEL E TELA APRESENTAÇÃO para a...Bruna Sanchez De Viveiros
 
A mineração de argila no PCSG e seus impactos sobre os Recursos Hídricos
A mineração de argila no PCSG  e seus impactos sobre os Recursos HídricosA mineração de argila no PCSG  e seus impactos sobre os Recursos Hídricos
A mineração de argila no PCSG e seus impactos sobre os Recursos HídricosEmerson Kaseker
 
Workshop “Gestão de Dragagens” – Celso Aleixo Pinto
Workshop “Gestão de Dragagens” – Celso Aleixo PintoWorkshop “Gestão de Dragagens” – Celso Aleixo Pinto
Workshop “Gestão de Dragagens” – Celso Aleixo Pintoportodeaveiro
 
Apresentação calcário
Apresentação calcárioApresentação calcário
Apresentação calcárioPublicaTUDO
 
Matrizes Aquosas2017.pdf
Matrizes Aquosas2017.pdfMatrizes Aquosas2017.pdf
Matrizes Aquosas2017.pdfprofAlexLima1
 
Processo de dragagem no Porto Rio das mortes
Processo de dragagem no Porto Rio das mortesProcesso de dragagem no Porto Rio das mortes
Processo de dragagem no Porto Rio das mortesevadosreis
 
Recursos Hidricos no Brasil
Recursos Hidricos no BrasilRecursos Hidricos no Brasil
Recursos Hidricos no BrasilRodrigo Mesquita
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiaNilton Goulart
 
Relatorio_Mina_Barroso_Emerman_Revisado4.pdf
Relatorio_Mina_Barroso_Emerman_Revisado4.pdfRelatorio_Mina_Barroso_Emerman_Revisado4.pdf
Relatorio_Mina_Barroso_Emerman_Revisado4.pdfJoão Soares
 
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBRCasos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBRRoberto Yoshida
 
Leonardo mitidieropetrobras remocaboro_mar09
Leonardo mitidieropetrobras remocaboro_mar09Leonardo mitidieropetrobras remocaboro_mar09
Leonardo mitidieropetrobras remocaboro_mar09jpegd
 
Comissão resposta questionamentos oficinas_18-nov-2014
Comissão resposta questionamentos oficinas_18-nov-2014Comissão resposta questionamentos oficinas_18-nov-2014
Comissão resposta questionamentos oficinas_18-nov-2014Cassuruba
 
Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)
Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)
Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)Victor Eduardo Cury Silva
 
Amaciamento de Águas
Amaciamento de ÁguasAmaciamento de Águas
Amaciamento de ÁguasIana18
 
Amaciamento das Águas
Amaciamento das  ÁguasAmaciamento das  Águas
Amaciamento das Águasgueste2e0d6
 
Apresentação revestimento e cimentação
Apresentação revestimento e cimentaçãoApresentação revestimento e cimentação
Apresentação revestimento e cimentaçãoSandro Marden
 
INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASIL
INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASILINVASÃO DO CORAL SOL NO BRASIL
INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASILPablo Cotsifis
 
INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASIL- O QUE PODE SER FEITO?
INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASIL- O QUE PODE SER FEITO?INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASIL- O QUE PODE SER FEITO?
INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASIL- O QUE PODE SER FEITO?Pablo Cotsifis
 

Semelhante a Apresentacao ctoc (20)

Aterro sanitario
Aterro sanitarioAterro sanitario
Aterro sanitario
 
Apresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do CarvãoApresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do Carvão
 
CONTROLE DE PRODUÇÃO DE AREIA E SELEÇÃO DE GRAVEL E TELA APRESENTAÇÃO para a...
CONTROLE DE PRODUÇÃO DE AREIA E SELEÇÃO DE GRAVEL E TELA APRESENTAÇÃO  para a...CONTROLE DE PRODUÇÃO DE AREIA E SELEÇÃO DE GRAVEL E TELA APRESENTAÇÃO  para a...
CONTROLE DE PRODUÇÃO DE AREIA E SELEÇÃO DE GRAVEL E TELA APRESENTAÇÃO para a...
 
A mineração de argila no PCSG e seus impactos sobre os Recursos Hídricos
A mineração de argila no PCSG  e seus impactos sobre os Recursos HídricosA mineração de argila no PCSG  e seus impactos sobre os Recursos Hídricos
A mineração de argila no PCSG e seus impactos sobre os Recursos Hídricos
 
Workshop “Gestão de Dragagens” – Celso Aleixo Pinto
Workshop “Gestão de Dragagens” – Celso Aleixo PintoWorkshop “Gestão de Dragagens” – Celso Aleixo Pinto
Workshop “Gestão de Dragagens” – Celso Aleixo Pinto
 
Apresentação calcário
Apresentação calcárioApresentação calcário
Apresentação calcário
 
Matrizes Aquosas2017.pdf
Matrizes Aquosas2017.pdfMatrizes Aquosas2017.pdf
Matrizes Aquosas2017.pdf
 
Processo de dragagem no Porto Rio das mortes
Processo de dragagem no Porto Rio das mortesProcesso de dragagem no Porto Rio das mortes
Processo de dragagem no Porto Rio das mortes
 
Recursos Hidricos no Brasil
Recursos Hidricos no BrasilRecursos Hidricos no Brasil
Recursos Hidricos no Brasil
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
 
Relatorio_Mina_Barroso_Emerman_Revisado4.pdf
Relatorio_Mina_Barroso_Emerman_Revisado4.pdfRelatorio_Mina_Barroso_Emerman_Revisado4.pdf
Relatorio_Mina_Barroso_Emerman_Revisado4.pdf
 
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBRCasos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
 
Leonardo mitidieropetrobras remocaboro_mar09
Leonardo mitidieropetrobras remocaboro_mar09Leonardo mitidieropetrobras remocaboro_mar09
Leonardo mitidieropetrobras remocaboro_mar09
 
Comissão resposta questionamentos oficinas_18-nov-2014
Comissão resposta questionamentos oficinas_18-nov-2014Comissão resposta questionamentos oficinas_18-nov-2014
Comissão resposta questionamentos oficinas_18-nov-2014
 
Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)
Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)
Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)
 
Amaciamento de Águas
Amaciamento de ÁguasAmaciamento de Águas
Amaciamento de Águas
 
Amaciamento das Águas
Amaciamento das  ÁguasAmaciamento das  Águas
Amaciamento das Águas
 
Apresentação revestimento e cimentação
Apresentação revestimento e cimentaçãoApresentação revestimento e cimentação
Apresentação revestimento e cimentação
 
INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASIL
INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASILINVASÃO DO CORAL SOL NO BRASIL
INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASIL
 
INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASIL- O QUE PODE SER FEITO?
INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASIL- O QUE PODE SER FEITO?INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASIL- O QUE PODE SER FEITO?
INVASÃO DO CORAL SOL NO BRASIL- O QUE PODE SER FEITO?
 

Mais de CBH Rio das Velhas

10 propostas texto final - descanalização rios urbanos de BH
10 propostas texto final - descanalização rios urbanos de BH10 propostas texto final - descanalização rios urbanos de BH
10 propostas texto final - descanalização rios urbanos de BHCBH Rio das Velhas
 
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...CBH Rio das Velhas
 
Trilha agroecologica estudantes
Trilha agroecologica estudantesTrilha agroecologica estudantes
Trilha agroecologica estudantesCBH Rio das Velhas
 
Modelo carta de indicacao - Santo Antonio Maquine
Modelo carta de indicacao - Santo Antonio MaquineModelo carta de indicacao - Santo Antonio Maquine
Modelo carta de indicacao - Santo Antonio MaquineCBH Rio das Velhas
 
Reuniao final fechos 30_04_2019
Reuniao final fechos 30_04_2019Reuniao final fechos 30_04_2019
Reuniao final fechos 30_04_2019CBH Rio das Velhas
 
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecapParecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecapCBH Rio das Velhas
 
Evento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em Itabirito
Evento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em ItabiritoEvento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em Itabirito
Evento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em ItabiritoCBH Rio das Velhas
 
Subcomitê Ribeirões Caete Sabara
Subcomitê Ribeirões Caete SabaraSubcomitê Ribeirões Caete Sabara
Subcomitê Ribeirões Caete SabaraCBH Rio das Velhas
 

Mais de CBH Rio das Velhas (20)

10 propostas texto final - descanalização rios urbanos de BH
10 propostas texto final - descanalização rios urbanos de BH10 propostas texto final - descanalização rios urbanos de BH
10 propostas texto final - descanalização rios urbanos de BH
 
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
 
Portaria igam n045.2019
Portaria igam n045.2019Portaria igam n045.2019
Portaria igam n045.2019
 
Qualidade agua - FIEMG
Qualidade agua - FIEMGQualidade agua - FIEMG
Qualidade agua - FIEMG
 
Senai
SenaiSenai
Senai
 
Saae
SaaeSaae
Saae
 
Pro mananciais
Pro mananciaisPro mananciais
Pro mananciais
 
Copasa
CopasaCopasa
Copasa
 
Projeto jequitiba
Projeto jequitibaProjeto jequitiba
Projeto jequitiba
 
Trilha agroecologica estudantes
Trilha agroecologica estudantesTrilha agroecologica estudantes
Trilha agroecologica estudantes
 
Apresentacao SEMAD
Apresentacao SEMADApresentacao SEMAD
Apresentacao SEMAD
 
ProfÀgua
ProfÀguaProfÀgua
ProfÀgua
 
Modelo carta de indicacao - Santo Antonio Maquine
Modelo carta de indicacao - Santo Antonio MaquineModelo carta de indicacao - Santo Antonio Maquine
Modelo carta de indicacao - Santo Antonio Maquine
 
Reuniao final fechos 30_04_2019
Reuniao final fechos 30_04_2019Reuniao final fechos 30_04_2019
Reuniao final fechos 30_04_2019
 
Ppt peixe vivo
Ppt peixe vivoPpt peixe vivo
Ppt peixe vivo
 
Ppt feam
Ppt feamPpt feam
Ppt feam
 
Ppt copasa
Ppt copasaPpt copasa
Ppt copasa
 
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecapParecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
 
Evento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em Itabirito
Evento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em ItabiritoEvento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em Itabirito
Evento inicial - Projeto na sub-bacia do Ribeirão Carioca em Itabirito
 
Subcomitê Ribeirões Caete Sabara
Subcomitê Ribeirões Caete SabaraSubcomitê Ribeirões Caete Sabara
Subcomitê Ribeirões Caete Sabara
 

Apresentacao ctoc

  • 1. RETIFICAÇÃO OUTORGA BARRAMENTO EM CURSO D’ÁGUA SEM CAPTAÇÃO ALTEAMENTO DA BARRAGEM DE DISPOSIÇÃO DE REJEITOS DA MINA CUIABÁ Setembro, 2016
  • 4. 3.200 EMPREGADOS GERA ANUALMENTE R$ 177 M de CONTRIBUIÇÃO TRIBUTÁRIA direta
  • 5. CONTEXTO UNIDADE CUIABÁ - LAMEGO A ANGLOGOLDASHANTI POSSUI OPERAÇÕES EM MG HÁ 182 ANOS E OPERA AS MINAS CUIABÁ E LAMEGO HÁ 28 ANOS. Mina Cuiabá Mina Lamego 2 MINAS SUBTERRÂNEAS 2 PLANTAS METALÚRGICAS Planta do Queiroz Planta Ouro 1 REFINARIA FUNDIÇÃO 2 PLANTAS DE ÁCIDO SULFÚRICO Planta do Queiroz
  • 6. Modalidade: Autorização para barramento em curso de água sem captação de água nova, não havendo alteração no que tange ao regime hídrico e/ou disponibilidade hídrica. Finalidade: disposição de rejeito do beneficiamento e recirculação/reutilização da água presente na polpa do rejeito (da ordem de 90%) e alteamento da crista da barragem da elevação 889m até 904m. LICENCIAMENTO PA COPAM nº 3533/2007/025/2013 • Alteamento até a cota 904m • Requerimento Retificação Outorga em novembro/2013 • Obtenção LP/LI nº 095/2014 em novembro/14 • LO para a Cota 897 solicitada em maio/16 Retificação da Portaria de Outorga n° 1793/2005 (Proc. 28.859/13). Alteração do volume de disposição de rejeitos e área inundada OBJETIVO DA OUTORGA
  • 8. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Barragem do tipo convencional construído em solo compactado, com filtros horizontal e vertical e com dreno de base. Envolve materiais e procedimentos executivos similares àqueles utilizados para estruturas com finalidade de acumulação de água, tais como: • Ensaios de caracterização física e mecânica do solo • Controle de compactação do aterro • Ensaios de granulometria dos materiais para drenagem interna Cota - 904,0m MONTANTE BARRAGEM ATUAL FILTROVERTICAL TAPETE DRENANTE JUSANTE
  • 9. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Vertedouro de superfície em concreto armado, constituído por canal de aproximação, trecho inclinado e bacia de dissipação. Dimensionado para chuva Decamilenar. Alteamentos executados pelo Método de Jusante. ELEVAÇÕES(m) 850 860 870 880 890 900 865 870 886 901 904 889 873 868 2006 2009 2011/2012 2015/2017 Ano de Construção Soleira do Vertedor
  • 10. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Altura atual (cota 897): 90 m Alteamento até a Cota 904 Extensão atual da Crista: 330 m FS: 1,571 (Seção de maior altura) Classificação da Barragem: - COPAM 87/2005 Classe III - DNPM Portaria 416/12 Classe C (Dano Potencial Alto e Categoria de Risco Baixo)
  • 11. CARACTERÍSTICAS DO REJEITO Descrição do sólido depositado: Possui aspecto de areia fina, contendo 50% de sílica livre (SiO2), 25% de carbonatos (ankerita, siderita, calcita e dolomita), 15% de outros silicatos (muscovita, clorita, biotita), 10% de feldspato (albita, ortoclásio). Rejeito: Classe IIA (não perigoso – não inerte): porção fina oriunda do processo de flotação (separação entre partículas de ouro livre / sulfetos de silicatos / carbonatos) Formas de Deposição: * Parte grossa do rejeito é desaguada e depositada em cava exaurida na superfície e no subsolo (realce); * Parte fina do rejeito é depositada na barragem;
  • 12. MONITORAMENTO E CONTROLES DE SEGURANÇA INSTRUMENTAÇÃO 26 medidores de nível de água tipo Casa Grande • 12 eletrônicos: leituras em tempo real • 14 manuais: leituras quinzenais Medidores de nível do reservatório: • Visual Régua de nível instalada no talude de montante • On line Via remoto Drenagem Interna: Controle da vazão da fundação Inspeções periódicas diárias Leituras sistemáticas da instrumentação e interpretação dos resultados de campo Auditorias anuais de segurança: internas, externas e corporativas
  • 13. FASES DE IMPLANTAÇÃO 2006 2007 Instalação da Barragem Início da Operação Alteamentos: Estágio Ano de Construção Elevação da crista (m) Elevação da Fundação (m) Implantação 2006 868 820 1º alteamento 2009 873 817 2º alteamento 2011 887 815 2011/12 889 815 3º alteamento 2015/16 2016/17 897 904 807 807
  • 14. LOCALIZAÇÃO Fontes: http://cbhvelhas.org.br/ http://www.igam.mg.gov.br/ Enquadramento conforme DN nº 20/97: Classe 2 Bacia Rio das Velhas - UPGH SF 05 Sub-Bacia Caeté-Sabará
  • 16. MONITORAMENTO !P !P !P !P !P !P !P !P !P !P !P 1003 1004 1010 1011 2003 2008 2007 2002 2001 1005 V5 Legenda !P Água Superficial !P Ribeirão Sabará !P Água Subterrânea !P Efluente !P Vazão (Calha Parshall) Drenagem ±
  • 17. • Os resultados atenderam as legislações, com exceções dos parâmetros oxigênio dissolvido e ferro solúvel que apresentaram concentrações fora dos limites estabelecidos pela CERH 01/2008 para os pontos de água superficial a montante da barragem. • Parâmetros analisados para águas superficiais: As Total, As Sol, Co Total, condutividade, cor, Cu Total, Cr Total, DBO, Fe Sol, Mn Sol, NO3, OD, pH, SO4, Ssedt, STD, STS, turbidez, Zn Total. • Parâmetros analisados para efluente a jusante da barragem: As Total, As Sol, Co Total, condutividade, cor, Cu Total, Cr Total, DBO, Fe Sol, Mn Sol, NO3, OD, pH, SO4, Ssedt, STD, STS, turbidez, Zn Total. • Parâmetros analisados para águas subterrâneas: As Sol, Co Total, SO4, pH, Zn Total, Cu Total, Cr Total, STD MONITORAMENTO
  • 18. MONITORAMENTO NO CÓRREGO SABARÁ – MONTANTE (1010) E JUSANTE (1011) DA BARRAGEM -0,015 -0,01 -0,005 0 0,005 0,01 0,015 jan-15 fev-15 mar-15 abr-15 mai-15 jun-15 jul-15 ago-15 set-15 out-15 nov-15 dez-15 jan-16 fev-16 mar-16 abr-16 mai-16 mg/L As Total MCB1010 MCB1011 Limite -4 -2 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 jan-15 fev-15 mar-15 abr-15 mai-15 jun-15 jul-15 ago-15 set-15 out-15 nov-15 dez-15 jan-16 fev-16 mar-16 abr-16 mai-16 jun-16 Demanda Bioquímica de Oxigênio (mg/L) MCB 1010 MCB1011 Limite
  • 19. MONITORAMENTO - VAZÃO • A AGA está mantendo e monitorando uma vazão de jusante da barragem Cuiabá de no mínimo 100% da Q7,10 (8,7 L/s ou 31,32m³/h ou 0,0087 m3/s). Este valor é maior que o determinado pela SUPRAM. • O valor calculado pela SUPRAM da Q7,10 é de 5,6786L/s ou 20,44m³/h ou 0,0057 m³/s. • Monitoramento da vazão da saída do dreno de fundo - Calha Parshall dreno de fundo(fundação). 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Vazão(m³/h) Monitoramento de Vazão da Saída do Dreno de Fundo da Barragem de Cuiabá (V5)
  • 21. ETE - ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SUBSOLO (800 m de profundidade) A ETE instalada no subsolo promove o tratamento do efluente gerado, realimentando a operação e retornando com o excedente para a superfície. Esta inovação tecnológica permitiu: • Potencializar a recirculação de água utilizada na mina subterrânea • Reduzir a captação de água nova • Diminuir consumo de energia • Assegurar a boa qualidade da água utilizada e descartada