NEWSLETTER LICINIA DE CAMPOSSEMANA 44Os 10 alimentos mais perigosos de consumirNos últimos anos, temos visto o aumento de ...
Ovos – foram relacionados com 352 ocorrências de contaminação alimentar. A maioria dascontaminações com ovos foram associa...
Sorvete – foi relacionado com 74 ocorrências de DVAs, envolvendo 2594 casos relatados decontaminações por patógenos como a...
Dra Licinia de CamposGraduada em Nutrição (Universidade São Judas Tadeu) com formação autodidata em Gastronomia; pós-gradu...
Apare as pontas das vagens. Coloque 3 litros de água para ferver e adicione as vagens. Ferva até ficaremcrocantes e macias...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Newsletter licinia de campos 44 alimentos de alto risco

674 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
674
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Newsletter licinia de campos 44 alimentos de alto risco

  1. 1. NEWSLETTER LICINIA DE CAMPOSSEMANA 44Os 10 alimentos mais perigosos de consumirNos últimos anos, temos visto o aumento de doenças veiculadas por alimentos (DVAs). Amendoimcontaminado por Salmonella, carne contaminada por E. Coli, queijos com Listeria e assim por diante. Agama de alimentos relacionados com doenças veiculadas por alimentos é tão ampla, que gerou pânicono mundo da segurança alimentar.Os últimos relatórios mostram que os alimentos de mais alto risco em contaminação são responsáveispor 40% de todas as contaminações alimentares nos EUA entre os anos de 1990 e 2006. Estascontaminações alimentares respondem por uma estimativa de 50000 contaminados com sintomasvariando de diarréia e cólicas abdominais a falência renal e morte. Os dez mais da lista de alimentos derisco incluem carnes e laticínios, como se poderia esperar, e também vários tipos de frutas e hortaliças.Me veja, me sinta, me cheireA maioria de nós acha que está a salvo no que se refere à preparação alimentar segura e ao reconhecerprodutos com aparência segura para consumo. Se a carne intencionada para um delicioso ensopadotiver cheiro de urubu, pode ter certeza de que seu destino vai ser a lata de lixo. Se notamos que a tampada lata de molho de tomate está mofando, lixo nela. A maioria repete o velho adágio: “na dúvida émelhor jogar fora”, mas nem sempre ficamos em dúvida.Nossos olhos e nariz são a 1ª linha de defesa contra alimentos que nos adoeceriam, mas o que dizerdaqueles que não são visíveis, indicadores sem aroma? Os especialistas bem sabem que substânciascausadoras de doenças podem estar presentes em frutas e hortaliças sem percepção notória. Estamosfalando daqueles componentes essenciais à boa saúde, ingredientes de dieta equilibrada e saudável. Sesão saudáveis, não devem oferecer riscos à saúde, não é mesmo? Pois bem, as pesquisas provam aocontrário. Assim, antes de levar qualquer alimento à boca, verifique muito bem sua sanidade.A seguir, fornecemos uma lista veiculada pelo Centro da Ciência pelo Interesse Público dos EUA. Asestatísticas vêm de lá, porque aqui infelizmente esse tipo de dados continua sendo subestimado:Folhas verdes – 363 contaminações alimentares separadas foram relacionadas com folhas verdes,tornando-as o alimento no 1 no topo da lista dos 10 alimentos de maior risco. Saladas e outrosalimentos contendo folhosos responderam por cerca de 24% das ocorrências, representando 13568pessoas doentes no mínimo. Outro patógeno que aparece com frequência nos folhosos é o Norovirus,relacionado com 64% das ocorrências em folhosos. Salmonella foi responsável por outros 10%.
  2. 2. Ovos – foram relacionados com 352 ocorrências de contaminação alimentar. A maioria dascontaminações com ovos foram associadas com Salmonella, que deixou doentes 11163 pessoas de 1990a 2006. A Salmonella vive no trato intestinal dos animais e aves e é transmitida aos humanos quando asfezes animais contaminam o alimento de origem animal, como ovos.Atum – muitos consumidores já estão cientes dos avisos sobre atum e metilmercúrio, mas o peixetambém foi implicado em 268 ocorrências e 2341 casos relatados de doenças veiculadas por alimentos.O atum foi associado ao escombróide, doença causada pela toxina histamina. Peixes frescos deterioramrapidamente após serem pescados e, se não armazenados apropriadamente, começam a liberar toxinasnaturais perigosas aos humanos. Sintomas de envenenamento histamínico podem incluir inchaços, dorde cabeça, caimbras abdominais, náusea, diarréia, palpitações e perda de visão. Além da toxinaescombróide, o norovirus e a salmonella também podem ser relacionados com o consumo de atum.Ostras – foram relacionadas com 132 ocorrências de contaminação alimentar, com 3409 casos relatadosde DVAs. Sem surpresa, a maioria das ocorrências com ostras aconteceu em restaurantes. As doençasprovenientes das ostras acontecem primariamente de 2 fontes: norovirus e vibrio. Embora o norovirusem outros alimentos esteja associado com manipulação imprópria, as ostras podem na realidade seremapanhadas em águas contaminadas com norovirus. Quando servidas cruas ou sub-cozidas, podemcausar gastroenterite, uma inflamação do estômago e dos intestinos delgado e grosso. Vibrio, um tipode bactéria da mesma família que o cólera, pode causar DVAs graves, particularmente naqueles comsistema imune comprometido. O envenenamento por vibrio é caracterizado por febre e calafrios,choque séptico e lesões com bolhas na pele e pode mesmo ser fatal.Batatas – na maioria das vezes em forma de salada de batatas, foram associadas com 108 ocorrênciascom 3659 consumidores relatando terem ficado doentes por conta das batatas desde 1990. Asalmonella é o patógeno mais comum, associado com quase 30% das ocorrências de DVAs, seguido peloE. Coli com 6%. Shigella e Listeria também aparecem nas ocorrências das DVAs associadas com batatas.Mais de 40% das ocorrências com batatas foram associadas com alimentos preparados em restaurantese estabelecimentos de alimentos, incluindo mercearias e rotisseries.Queijo – foi relacionado com 83 ocorrências envolvendo 2761 casos relatados de DVAs desde 1990, coma salmonella sendo o risco mais comum. O queijo pode ficar contaminado com patógenos durante suaprodução ou processamento. Mulheres grávidas devem ficar de sobreaviso em particular, a respeito doconsumo de queijos macios não pasteurizados como brie, camembert, queijos azuis (roquefort egorgonzola), os quais podem carregar consigo a bactéria Listeria. A infecção por listeriose pode levar aoaborto. Em idosos, crianças e os com sistema imune comprometido, a listeria pode causar doençasgraves, com altas taxas de hospitalização e mortes.
  3. 3. Sorvete – foi relacionado com 74 ocorrências de DVAs, envolvendo 2594 casos relatados decontaminações por patógenos como a salmonella e estafilococos desde 1990. Sorvete cremoso pode serparticularmente perigoso para grávidas. A listeria pode sobreviver nas superfícies metálicas, como ointerior das máquinas de sorvetes cremosos, e pode contaminar lote após lote de produtos.Tomates – causaram no mínimo 31 ocorrências de DVAs e adoeceram 3292 pessoas desde 1990. O riscode contaminação mais comum associado com tomates é a salmonella, que conta por mais que metadedas ocorrências relatadas. A salmonella pode entrar nos tomateiros através das raízes ou flores e podeentrar no fruto através de pequenas rachaduras na pele, em cicatrizes no talo ou na planta mesmo.Brotos – brotos foram implicados em 31 ocorrências de DVAs, envolvendo 2022 casos relatados dedoencás desde 1990. A fonte mais provável de contaminação em brotos são as sementes usadas paraplantar. As sementes podem ficar contaminadas no campo ou durante o armazenamento, e ascondições úmidas e quentes, necessárias ao crescimento dos brotos, são ideais para o rápidocrescimento de bactérias como a E. Coli O157:H7.Morangos – morangos, framboesas, mirtilos e outros bagos causaram 25 ocorrências em DVAs eadoeceram 3397 pessoas desde 1990, mais de 1,3 milhões de morangos contaminados foramrelacionados após milhares de estudantes distribuídos por vários estados terem relatado doenças apósconsumirem morangos congelados no almoço das cantinas escolares. A hepatite A foi a consequência, ea contaminação pode ter ocorrido através de trabalhadores contaminados da zona rural. No mesmoano, framboesas importadas da Guatemala e Chile foram implicadas em ocorrências de ciclospora em 5estados. A infecção resultante se deve a uma doença parasitária nos intestinos, e pode causar diarréiagrave, desidratação e cólicas abdominais, e requer tratamento com antibióticos.Como se identifica uma DVAOs sintomas de DVAs normalmente aparecem no prazo de 6 horas após o consumo do alimentocontaminado, embora possa ser mais longo. Os sintomas variam de acordo com a fonte decontaminação, mas geralmente incluem diarréia, náusea, dores abdominais e algumas vezes vômitos.O que fazerSe os sintomas de DVAs evoluirem, os médicos recomendam descanso e o consumo de muitos fluidos.Tomar medicamento anti-diarréico não é aconselhável porque pode retardar a eliminação das bactériasdo sistema.As DVAs quase sempre desaparecem por si próprias no prazo de 48 horas. Contudo, se a pessoa sesentir doente por mais que 2 ou 3 dias, ou se aparecer sangue nas fezes, contate o médico.
  4. 4. Dra Licinia de CamposGraduada em Nutrição (Universidade São Judas Tadeu) com formação autodidata em Gastronomia; pós-graduada em Gestãode Negócios de Serviços de Alimentação (SENAC); curso de especialização em Docência e Didática para Ensino Superior emTurismo e Hotelaria (SENAC); curso de Auditor Líder ISO 22000 (Food Design); ex-redatora do Suplemento Feminino do jornal“O Estado de SP” (1984- 1989); especialização em Antropologia Alimentar através de premiação para o Seminário:“Alimentation et hiérarchies sociales et culturelles” pelo IEHCA na Universidade de Tours, França; participante do programa“Com Sabor” da Rede Mulher por 3 anos; tradutora de diversos fascículos e livros para a Editora Globo; consultoragastronômica- nutricional do site www.sic.org.br (Serviço de Informação da Carne) e do site www.lacteabrasil.org.br;palestrante especializada em Gastronomia e Nutrição; redatora da revista NutriNews há mais de 10 anos com premio DestaqueFood Service 2008; docente em vários cursos das unidades SENAC desde 1998; Coordenadora do curso de Gastronomia daFaculdade Paschoal Dantas; Consultora e Assessora Especializada em Gestão Operacional Administrativa de UnidadesAlimentares; mestranda pela Universidade de Léon, Espanha do curso Master em Gerontologia – Ciência do Envelhecimento.Contatos comerciais p/ assessoria gastronômica e nutricional em Serviços de Alimentação; preparo de manuais e receituáriosp/ veiculação em internet, revistas, folhetos, etc; tradução de textos culinários e nutricionais; aulas, palestras e treinamentosem Higiene e Manipulação Alimentar, Cortes e Qualidades das carnes bovinas, suínas e ovinas, Adequação de Métodos deProcedimentos e Cozimentos em Unidades Alimentares, Cardápios característicos da Culinária Internacional por especificidade(européia, asiática, oriental, brasileira, etc), Desenvolvimento de produtos alimentares normais ou com peculiaridadesdietéticas.e-mail: liciniadecampos@uol.com.br.Tel: (11) 97376596RECEITA DO TRIVIALO JANTAR DE HOJE À NOITEInformação nutricional (por porção da refeição):Calorias totais: 539Carboidratos: 35gGorduras totais: 20Gorduras saturadas: 5gProteínas: 57gSódio: 839mg% Calorias das gorduras: 33%% Calorias das gorduras saturadas: 8%Vagens refogadas (4 porções)½ kg de vagens macarrão – 2 colheres (chá) de azeite de oliva – sal e pimenta do reino a gosto.
  5. 5. Apare as pontas das vagens. Coloque 3 litros de água para ferver e adicione as vagens. Ferva até ficaremcrocantes e macias, cerca de 4 a 8 minutos, dependendo do tipo de vagem. Escorra-as e imediatamentemergulhe-as em água fria. Escorra. Aqueça o azeite de oliva. Envolva as vagens no azeite e deixe aquecerbem, tempere com sal e pimenta. Tamanho da porção: cerca de 120g.Informação nutricional: 56 kcal; gorduras totais 2g; gorduras saturadas 0g; proteínas 2g; sódio 154mg;carboidratos 8g; fibras 4g.Batatinhas com salsa (4 porções)8 batatas médias cortadas ao meio – sal e pimenta do reino – 1 colher (sopa) de azeite de oliva – ½colher (chá) de salsa picada.Coloque as batatas em panela grande, cubra com água e junte uma porção liberal de sal. Deixe ferverem fogo alto e cozinhe até ficarem tenras, cerca de 20 minutos. Escorra-as bem. Aqueça o azeite emfogo médio e adicione as batatas, refogando por 2 minutos. Adicione a salsa e sirva imediatamente.Tamanho da porção: 2 batatasInformação nutricional: 131 kcal; gorduras totais 3g; gorduras saturadas 0g; proteínas 4g; sódio 294mg;carboidratos 26g.Fraldinha com relish de cebola (4 porções)Para a carne: 2 ½ colheres (sopa) de azeite de oliva – 2 colheres (chá) de vinagre balsâmico – 1 dente dealho esmagado - 1 ramo de alecrim picado ou ½ colher (chá) do seco – sal e pimenta do reino – 750g defraldinha limpaPara o relish de cebolas:1 cebola grande (de preferência roxa) - 1 colher (chá) de azeite de oliva – sal e pimenta do reino – 2colheres (sopa) de vinagre balsâmico.Misture o azeite, vinagre, alho, alecrim, sal e pimenta do reino e esfregue sobre a fraldinha. Cubra erefrigere por no mínimo meia hora ou de véspera. Enquanto isso, descasque e fatie a cebola emespessura de 1,5cm. Esfregue as rodelas de cebola, sem desmanchá-las, com o azeite e polvilhe sal epimenta do reino. Preaqueça a grelha em fogo médio. Grelhe as cebolas até ficarem levementechurrascadas e bem cozidas, cerca de 3-4 minutos por lado. Quando estiverem frias o suficiente paraserem manipuladas, pique-as grosseiramente e coloque-as em tigela. Adicione o vinagre balsâmico.Enquanto isso, grelhe a fraldinha por 4 a 8 minutos de cada lado, dependendo do ponto desejado. Deixea carne descansar na tábua de corte por 1-2 minutos. Fatie diagonalmente e sirva com o relish decebolas. Tamanho da porção: cerca de 250g de carne com relish.Informação nutricional: 352 kcal; gorduras totais 15g; gorduras saturadas 5g; carboidratos 1g; fibras 0g;proteínas 51g; sódio 391mg.

×