SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
O DESIGN PARA
                            UM ENTENDIMENTO COLETIVO
                                      THE DESIGN FOR
                            AN UNDERSTANDING COLLECTIVE


    ASSUNÇÃO, Alexandre V.; Doutor em Educação; Instituto Federal Sul-Rio-Grandense –
                                                                IFSul –alex.ifsul@hotmail.com


 COITINHO, Manuela A.; Graduanda de Bacharelado em Design – Instituto Federal Sul-Rio-
                                                           Grandense – coitinho.m@gmail.com




RESUMO
Este artigo tem por finalidade fazer reflexões sobre o Design Instrucional aplicado ao sistema
educacional baseado nas plataformas dos AVA – Ambiente Virtual de Aprendizagem.
Considerando a semiótica como fator fundamental nas estratégias para a produção de
material, também será vista a importância dos estudos dentro das teorias psicológicas e de
aprendizagem na a formatação desses sistemas para que sejam utilizados num entendimento
coletivo.


PALAVRAS-CHAVE: Design instrucional; Educação à distância; Inteligências múltiplas;
Conectivismo.


Abstract
This article has to make reflections on the Instructional Design applied to the educational
system based on the platforms of VLE - Virtual Learning Environment. Condsidering
semiotics as a fundamental factor in the strategies for the production of material, will also be
seen in studies of the importance of psychological theories and learning in the formatting of
these systems to be used in a collective understanding.


KEYWORDS: Design instructional Distance Education, Multiple Intelligences; Connectivism.
INTRODUÇÃO
Para questões pedagógicas como de onde vem o conhecimento há respostas óbvias e
tradicionais – estudando em boas escolas, com bons professores. (ASSMANN, 2001) Hoje, o
avanço das tecnologias e das teorias comportamentais viabilizam discussões importantes
sobre o estudo das teorias de aprendizagem enquanto desenvolvedoras de sistemas efetivos
para o entendimento comum de variadas temáticas.
Numa análise superficial, se entende que o ato de aprender num mundo globalizado se dá pela
constante troca e aglutinação de conhecimentos, sendo de primordial importância o estudo de
teorias cognitivas, sendo evidente que o conhecimento adquirido ocorre não só por meios
institucionais como, também, por meio de redes de informações. (ARAÚJO, 2010; CTAE, ?)
Neste artigo, será feita uma reflexão do modo como o design instrucionalcomo uma nova
forma da aprendizagem, pode influenciar na cognição de um coletivo humano, com base em
teorias e estudos de semióticado filósofo Charles Pierce eem teorias de aprendizagemdo
psicólogoLev Vygotsky.


O DESIGN INSTRUCIONAL
Históricamente tem-se que as primeiras manifestações do DI (Design Instrucional) ocorreram
durante a Segunda Guerra Mundial ao existir a necessidade de treinamento de batalhões de
soldados no manejo de armas julgadas sofisticadas através de mídias instrutivas
desenvolvidas com base em filmes de grande sucesso à época. Entre as décadas de 1960 e
1970 surgiram os primeiros modelos de DI e, em 1980 os computadores, junto com seus
produtos multimídias, facilitaram sua implantação nos modos não-oficiais de ensino até então.
Já nas décadas de 1940 e 1960, a psicologia comportamental influenciou as teorias nas quais o
DI está alicerçado pois considera que a aprendizagem não é somente compreendida, mas
controlada por meio de instrução programada. Como participante das ciências da informação,
o DI encontra seu vértice na comunicação por conseguir trabalhar com uma informação
dentro de um ambiente tecnológico. (BATISTA, 2008)


A INFLUÊNCIA DA SEMIÓTICA
Sendo a ação signa uma atividade evolutiva onde um signo se transforma em outro num
sistema organizado de informações, Charles Pierce terceirizou conceitos de signo que
priorizassem o processo evolutivo do significado, evidenciando a fenomenologia desse



Percepção e Cognição – Bacharelado em Design – IFSul
processo. Dessa maneira, Pierce estabeleceu perspectivas e fundamentações teóricas para o
estudo da aquisição do conhecimento humano. (CORREIA, 2009)
O conhecimento, segundo Pierce, é construído em função dos componentes que integram o
processo de comunicação. Para que o impacto e a interação da informação com o receptor seja
eficaz e de qualidade, devem ser considerados pontos importantes no processo de formação de
conteúdo, dentre os quais está o estudo da semiótica, que alicerça o desenvolvimento de
simbolismos eficientes e coesos. (MAGER, 2010)
Nesse momento, os estudos sobre semiótica de Pierce se relacionam com a Teoria da Gestalt,
da qual nos baseamos na ideia de que a instrução é fundamentada nas leis da organização
gestalticas.Não cabe aqui discutir as ideias de Werthimeir¹, mas é importante salientar essa
relação entre as duas teorias já que se referem ao entendimento cognitivo por meio de formas,
principalmente no DI, quando a escolha correta de um signos define o sucesso ou o fracasso
de um projeto.


                           “As ações de percepção consideram principalmente o aspecto visual,
                                  fundamentado na capacidade, facilidade e rapidez na captação,
                         decodificação e compreensão da informação pelo usuário-receptor, em
                           sua relação com o signo e com o entorno no qual o signo se destaca.”
                                                                             (BATISTA, 2008)


No mundo digital, principalmente no que tange o DI, é importante que se tenha uma
padronagem de formatação textual, bem como iconológica. É provável que a eficácia de um
produto instrucional dentro do sistema educacional virtual somente aconteça totalmente
quando tal ponto for abordado na construção do produto, desde o princípio das discussões que
o permeiam.


INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS
Um sistema de informações é um eficiente gerador de conhecimento quando, ali, há o papel
ativo de agentes cognitivos²; toda informação pode ser classificada e analisada, processada e
refletida de maneiras diferentes para que seja configurado um conhecimento. (ASSMANN,
2001, p. 149)
Segundo Vygotsky (apud Rabello; PASSOS; ?), o desenvolvimento humano está ligado à
aprendizagem e ao amadurecimento do mesmo, até o momento em que esses pontos se

Percepção e Cognição – Bacharelado em Design – IFSul
fundam em uma nova forma de comportamento.A espécie humana poderia ser caracterizada
pela capacidade de utilizar ferramentas criadoras de cultura, elementos que determinam o que
devemos aprender e o tipo de habilidades que precisamos desenvolver – a partir do
aprendizado de um conjunto de símbolos é que surge o pensamento. (AZAMBUJA;
ARENDT; 2008)
É importante que se compreenda como os indivíduos controlam os sistemas significantes
pertinentes ao seu desenvolvimento cognitivo e como ocorre a decodificação desses sistemas,
bem como seu reprocessamento. Assim, a aprendizagem é acumulada sob a forma de
conteúdos cognitivos, sendo a responsável por sustentar a comunicação do homem com o
mundo (AZAMBUJA; ARENDT; 2008), sendo importante conhecer o fenômeno que é o
estudo da inteligência coletiva: todos os dados transformam-se em hipertextos³,
desaparecendo o texto, o conceito. (ASSMANN, 2001, p. 161)


                                 “No sentido mais tradicional do conceito, fala-se de inteligência
                                coletiva (ou termos similares) quando um grupo social consegue
                                 enfrentar e resolver problemas de forma da qual nenhum agente
                                                 isolado seria capaz.” (ASSMANN, 2001, p. 160)


Considerando a interação como a base do processo comunicativoe percebendo o
desenvolvimento cognitivo humano alicerçado nas interações e na linguagem, é constatada
uma relação das formas de contato do indivíduo com mundo externo e o plano das
organizações internas do conhecimento (organização cognitiva) onde as transformações no
mundo contemporâneo exigem mudanças nos conceitos de sujeito, sociedade e sua
interrelação.


                                    “Interação social é a origem e o motor da aprendizagem e do
                                       desenvolvimento intelectual.” – Teoria Sócio-interativista
                                                                                     de Vygotsky
                                                                               (BATISTA, 2008)


Talvez mais do que os recursos disponíveis que facilitam a aprendizagem, essa interrelação
seja o que promova o desenvolvimento de habilidades e a educação, pois são processos
presenciais que exigem troca e cooperação, mesmo que os sujeitos estejam à distancia. Assim,

Percepção e Cognição – Bacharelado em Design – IFSul
a presença virtual de um significa a presença virtual do outro, à medida que os espaços se
tornam redes de aprendizagem onde os sujeitos aprendem, cooperam e aprendem juntos.
Não podemos negar que as tecnologias se desenvolvem rapidamente e que é necessária nossa
adaptação à essa realidade de novos métodos de aprendizagem, sendo a avaliação e o
reconhecimento das conexões e padrões adquiridos extremamente importantes; isso permite
comportamentos de aprendizagem com diferentes potencialidades.
O conceito da inteligência coletiva foi criado a partir de alguns debates relacionados às TICs4
– Tecnologias de Informação e Comunicação – teorizando o DI. Caracteriza-se por uma nova
forma depensamento que se sustenta através de conexões sociais viabilizadas pela utilização
das redes abertas deinternet para as plataformas AVA5. Essas tecnologias da inteligência são
representadas pelas linguagens, por sistemas de signos, por recursos lógicos e pelos
instrumentos dos quais nos servimos. Segundo o filósofo e sociólogo criador do conceito de
inteligência coletiva, Pierre Lévy6, os seres humanos não são capazes de pensar sozinhos e
sem a ajuda quaisquer ferramentas. Assim, a inteligência coletiva é uma forma de
compartilhamento de pensamentos e conhecimentos com a utilização de recursos mecânicos
como a internet, por exemplo.


CONSIDERAÇÕES
Dentro de um processo educacional, o design surge com ideias inovadoras dentro das
necessidades do usuário de um produto final que, nesse caso, são as plataformas AVA
aplicadas com as TICs.
O DI, apesar de ligado diretamente com aspectos de funcionamento do produto – o AVA –,
não está colocado em meros aspectos visuais e abstratos mas se comporta como uma
“articulação entre forma e função, a fim de que cumpramos objetivos educacionais propostos”
(Batista, 2008).
Deve-se considerar muitos fatores culturais e regionais, estéticos-formais para que sejam
desenvolvidos processos de aprendizagem eficazes para o entendimento de um maior número
de usuários e, para tanto, basear-se numa instrução dentro das leis da organização visual
facilita a experiência do usuário.
Nesse aspecto é importante saber que o conhecimento humano não se faz somente individual
mas, igualmente, em conjunto. Um projeto bem estruturado, com a existência de padrões
visuais e, também, linguísticos, fomentam o processo cognitivo ao qual o usuário se submete,



Percepção e Cognição – Bacharelado em Design – IFSul
possibilitando a troca de informações pertinentes a outros membros/usuários do mesmo
ambiente.


________________________
NOTAS
¹Max Werthimeir:um dos fundadores da Teoria da Gestalt juntamente com Kurt
Koffka e Wolfgang Köhler.
²Agente Cognitivo: indivíduo que, ao mesmo tempo, recebe, classifica, analisa, processa e
constrói ou reconstrói o conhecimento – há somente um receptor, não há um conhecimento.
³Hipertextos:termo que remete a um texto em formato digital, ao qual se agregam outros
conjuntos de informação na forma de blocos de textos, palavras, imagens ou sons, cujo acesso
se dá através de referências específica.
4
    TIC:Tecnologias da Informação e Comunicação - correspondem a todas as tecnologias que
interferem e mediam os processos informacionais e comunicativos dos seres.
5
    AVA: softwares que auxiliam na montagem de cursos acessíveis pela Internet. Elaborado
para ajudar os professores no gerenciamento de conteúdos para seus alunos e na
administração do curso, permite acompanhar constantemente o progresso dos estudantes.
Como ferramenta para EAD, são usados para complementar aulas presenciais.
Ex: Moodle, SOLAR, TelEduc etc.
6
    Pierre Lévy:filósofo da informação que sugeriu uma conceituação para a teoria da
inteligência coletiva a partir de seus estudos sobre a interação entre a Internet e a sociedade.


________________________
REFERÊNCIAS
ARAÚJO, Isabel Maria T. M. V. Araújo.Será possível dissociar o conectivismo do contexto
do ensino superior actualmente?IndagatioDidactica, v. 2, 2010


ASSMANN, Hugo. Aprender na era das redes: Glossário de conceitos. 5 ed. Petrópolis:
Vozes, 2001.


ASSMANN, Hugo. Reencantara educação: rumo à sociedade aprendente – Com um
glossário de conceitos. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.



Percepção e Cognição – Bacharelado em Design – IFSul
AZAMBUJA, Patrícia; ARENDT, Ronald J. J. Abordagem Cognitiva para Interfaces na
Era Digital: anotações sobre uma transformação social. Intercom, 2008.


BATISTA, Márcia Luiza F. S. Design instrucional: uma abordagem do design gráfico
para o desenvolvimento de ferramentas de suporte à Educação a Distância. Bauru:
FAAC/UNESP, 2008. Dissertação (Mestrado em Design), Faculdade de Arquitetura, Artes e
Comunicação, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2008.


CORREIA, Claudio Manoel de C. Fundamentos da Semiótica Pierceana. Rio de Janeiro:
CiFEFiL, 2009.


CTAE. Conectivismo. (http://www5.fgv.br/ctae/publicacoes/Ning/Publicacoes/00-
Artigos/Conectivismo/Artigo_Conectivismo_impressao.html) Acesso em 23 ago. 2012.


EDUTECH. O que é Design Instrucional? (http://www.edutech.org.br/design.htm) Acesso em
17 out. 2012.


FILATRO, Andrea. Design Instrucional Contextualizado.
(http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2004/06/16/504800/esign-instrucional-
contextualizado.html) Acesso em 17 out. 2012.


HAMZE, Amélia. Inteligência coletiva. (http://educador.brasilescola.com/trabalho-
docente/inteligencia-coletiva.htm) Acesso em 16 out. 2012.


MAGER, Gabriela B. A Relação entre Semiótica e Design. Doutora em Design – PUC – Rio
de Janeiro, 2010.


RABELLO, E.T. e PASSOS, J. S. Vygotsky e o desenvolvimento humano.
(http://www.josesilveira.com/artigos/vygotsky.pdf) Acesso em: 16 de nov.2012.




Percepção e Cognição – Bacharelado em Design – IFSul

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aprendizagem Integrada
Aprendizagem IntegradaAprendizagem Integrada
Aprendizagem Integrada
Adriana Bruno
 
Pensamento crítico
Pensamento crítico   Pensamento crítico
Pensamento crítico
AnaCarla000
 
SemináRio VersãO Final Tc
SemináRio VersãO Final TcSemináRio VersãO Final Tc
SemináRio VersãO Final Tc
Amorim Albert
 
Conhecimento e aprendizagem
Conhecimento e aprendizagemConhecimento e aprendizagem
Conhecimento e aprendizagem
ricaselmavera
 
Via da Complexidade
Via da ComplexidadeVia da Complexidade
Via da Complexidade
Lucila Pesce
 
Mapas conceituais
Mapas conceituaisMapas conceituais
Mapas conceituais
Lxa Alx
 
Natureza da comunicação educativa
Natureza da comunicação educativaNatureza da comunicação educativa
Natureza da comunicação educativa
Mack Lopes da Silva
 
Desafio da Sustentabilidade Sociocultural
Desafio da Sustentabilidade SocioculturalDesafio da Sustentabilidade Sociocultural
Desafio da Sustentabilidade Sociocultural
André Martinez
 

Mais procurados (20)

Aprendizagem Integrada
Aprendizagem IntegradaAprendizagem Integrada
Aprendizagem Integrada
 
CORRENTE PEDAGÓGICA NEOCOGNITIVISTA SEGUNDO LIBÂNEO
CORRENTE PEDAGÓGICA NEOCOGNITIVISTA SEGUNDO LIBÂNEOCORRENTE PEDAGÓGICA NEOCOGNITIVISTA SEGUNDO LIBÂNEO
CORRENTE PEDAGÓGICA NEOCOGNITIVISTA SEGUNDO LIBÂNEO
 
Novas tecnologias e educação
Novas tecnologias e educaçãoNovas tecnologias e educação
Novas tecnologias e educação
 
Redes E Conhecimento
Redes E ConhecimentoRedes E Conhecimento
Redes E Conhecimento
 
Didática [1]..
Didática [1]..Didática [1]..
Didática [1]..
 
Conectivismo aprendizagem na era digital
Conectivismo aprendizagem na era digitalConectivismo aprendizagem na era digital
Conectivismo aprendizagem na era digital
 
Pensamento crítico
Pensamento crítico   Pensamento crítico
Pensamento crítico
 
Aprendizado de conhecimentos
Aprendizado de conhecimentosAprendizado de conhecimentos
Aprendizado de conhecimentos
 
SemináRio VersãO Final Tc
SemináRio VersãO Final TcSemináRio VersãO Final Tc
SemináRio VersãO Final Tc
 
Conectivismo: uma teoria para a era digital
Conectivismo: uma teoria para a era digitalConectivismo: uma teoria para a era digital
Conectivismo: uma teoria para a era digital
 
Conhecimento e aprendizagem
Conhecimento e aprendizagemConhecimento e aprendizagem
Conhecimento e aprendizagem
 
Livro reflexões sobre_educação_online
Livro reflexões sobre_educação_onlineLivro reflexões sobre_educação_online
Livro reflexões sobre_educação_online
 
Via da Complexidade
Via da ComplexidadeVia da Complexidade
Via da Complexidade
 
Mapas conceituais
Mapas conceituaisMapas conceituais
Mapas conceituais
 
Teorias pedagógicas e a cibercultura: Corrente Racional-Tecnológica
Teorias pedagógicas e a cibercultura: Corrente Racional-TecnológicaTeorias pedagógicas e a cibercultura: Corrente Racional-Tecnológica
Teorias pedagógicas e a cibercultura: Corrente Racional-Tecnológica
 
A Corrente Racional- Tecnológica e a Cibercultura
A Corrente Racional- Tecnológica e a CiberculturaA Corrente Racional- Tecnológica e a Cibercultura
A Corrente Racional- Tecnológica e a Cibercultura
 
Teoria neocognitiva
Teoria neocognitivaTeoria neocognitiva
Teoria neocognitiva
 
Natureza da comunicação educativa
Natureza da comunicação educativaNatureza da comunicação educativa
Natureza da comunicação educativa
 
Desafio da Sustentabilidade Sociocultural
Desafio da Sustentabilidade SocioculturalDesafio da Sustentabilidade Sociocultural
Desafio da Sustentabilidade Sociocultural
 
Estruturação de Unidades Didáticas de Química integrando o uso de softwares d...
Estruturação de Unidades Didáticas de Química integrando o uso de softwares d...Estruturação de Unidades Didáticas de Química integrando o uso de softwares d...
Estruturação de Unidades Didáticas de Química integrando o uso de softwares d...
 

Destaque

Formulas
FormulasFormulas
Formulas
dubi-01
 
OOWLAD2012-OVMTemplates
OOWLAD2012-OVMTemplatesOOWLAD2012-OVMTemplates
OOWLAD2012-OVMTemplates
David Siqueira
 
Examen tefa cherrez
Examen tefa cherrezExamen tefa cherrez
Examen tefa cherrez
tefakari
 
Descoberta de uma nova espécie
Descoberta de uma nova espécieDescoberta de uma nova espécie
Descoberta de uma nova espécie
JoanaaCampos
 
A fábula o cãozinho e a onça
A fábula o cãozinho e a onçaA fábula o cãozinho e a onça
A fábula o cãozinho e a onça
Nicolle Comin
 
Apresentação trabalho teorias da organização
Apresentação trabalho teorias da organizaçãoApresentação trabalho teorias da organização
Apresentação trabalho teorias da organização
Tito Bouças
 
24 30 jan 2015 ram deep
24 30 jan 2015 ram deep24 30 jan 2015 ram deep
24 30 jan 2015 ram deep
Santosh Tiwari
 

Destaque (20)

O que eu quero pra minha cidade
O que eu quero pra minha cidadeO que eu quero pra minha cidade
O que eu quero pra minha cidade
 
Translated Degree
Translated DegreeTranslated Degree
Translated Degree
 
Formulas
FormulasFormulas
Formulas
 
Pramono anung
Pramono anungPramono anung
Pramono anung
 
Recursos Didácticos
Recursos DidácticosRecursos Didácticos
Recursos Didácticos
 
Collage
CollageCollage
Collage
 
OOWLAD2012-OVMTemplates
OOWLAD2012-OVMTemplatesOOWLAD2012-OVMTemplates
OOWLAD2012-OVMTemplates
 
คู่มือการใช้ถึงหมักก๊าชชีวภาพ
คู่มือการใช้ถึงหมักก๊าชชีวภาพคู่มือการใช้ถึงหมักก๊าชชีวภาพ
คู่มือการใช้ถึงหมักก๊าชชีวภาพ
 
Examen tefa cherrez
Examen tefa cherrezExamen tefa cherrez
Examen tefa cherrez
 
Descoberta de uma nova espécie
Descoberta de uma nova espécieDescoberta de uma nova espécie
Descoberta de uma nova espécie
 
The sweet history of android
The sweet history of androidThe sweet history of android
The sweet history of android
 
inauguration party editorial1
inauguration party editorial1inauguration party editorial1
inauguration party editorial1
 
A fábula o cãozinho e a onça
A fábula o cãozinho e a onçaA fábula o cãozinho e a onça
A fábula o cãozinho e a onça
 
Игровые занятия для детей 4-5 лет
Игровые занятия для детей 4-5 летИгровые занятия для детей 4-5 лет
Игровые занятия для детей 4-5 лет
 
JVDM PhD
JVDM PhDJVDM PhD
JVDM PhD
 
Apresentação trabalho teorias da organização
Apresentação trabalho teorias da organizaçãoApresentação trabalho teorias da organização
Apresentação trabalho teorias da organização
 
L'antica filanda presentazione
L'antica filanda presentazioneL'antica filanda presentazione
L'antica filanda presentazione
 
Inclusao social
Inclusao socialInclusao social
Inclusao social
 
24 30 jan 2015 ram deep
24 30 jan 2015 ram deep24 30 jan 2015 ram deep
24 30 jan 2015 ram deep
 
BA degree
BA degreeBA degree
BA degree
 

Semelhante a Entendimento coletivo

Operadores Pedagógicos da Inteligência Coletiva em Ambientes Virtuais de Apre...
Operadores Pedagógicos da Inteligência Coletiva em Ambientes Virtuais de Apre...Operadores Pedagógicos da Inteligência Coletiva em Ambientes Virtuais de Apre...
Operadores Pedagógicos da Inteligência Coletiva em Ambientes Virtuais de Apre...
José Erigleidson da Silva
 
jose carlos libaneo a didatica e a aprendizagem do pensar e do aprender
jose carlos libaneo a didatica e a aprendizagem do pensar e do aprenderjose carlos libaneo a didatica e a aprendizagem do pensar e do aprender
jose carlos libaneo a didatica e a aprendizagem do pensar e do aprender
Fernanda Câmara
 
EAD: integração de mídias e tecnologias
EAD: integração de mídias e tecnologiasEAD: integração de mídias e tecnologias
EAD: integração de mídias e tecnologias
Robson Santos da Silva
 

Semelhante a Entendimento coletivo (20)

Aprendizagem nas redes_sociais_virtuais
Aprendizagem nas redes_sociais_virtuaisAprendizagem nas redes_sociais_virtuais
Aprendizagem nas redes_sociais_virtuais
 
Sociedade da aprendizagem
Sociedade da aprendizagemSociedade da aprendizagem
Sociedade da aprendizagem
 
Corrente pedagógica contemporânea neocognitivista x cibercultura
Corrente pedagógica contemporânea neocognitivista x ciberculturaCorrente pedagógica contemporânea neocognitivista x cibercultura
Corrente pedagógica contemporânea neocognitivista x cibercultura
 
O processo de_aprendizagem
O processo de_aprendizagemO processo de_aprendizagem
O processo de_aprendizagem
 
Cibercultura e teoria da atividade
Cibercultura e teoria da atividadeCibercultura e teoria da atividade
Cibercultura e teoria da atividade
 
Bibliografia Anotada - Pedagogia do E-learning, Papel do Tutor Online
Bibliografia Anotada - Pedagogia do E-learning, Papel do Tutor OnlineBibliografia Anotada - Pedagogia do E-learning, Papel do Tutor Online
Bibliografia Anotada - Pedagogia do E-learning, Papel do Tutor Online
 
Interacao pea katia_danielle
Interacao pea katia_danielleInteracao pea katia_danielle
Interacao pea katia_danielle
 
A Pedagogia do e-Learning: o papel do professor online
A Pedagogia do e-Learning: o papel do professor onlineA Pedagogia do e-Learning: o papel do professor online
A Pedagogia do e-Learning: o papel do professor online
 
A Pedagogia do e-Learning: o papel do professor online
A Pedagogia do e-Learning: o papel do professor onlineA Pedagogia do e-Learning: o papel do professor online
A Pedagogia do e-Learning: o papel do professor online
 
Operadores Pedagógicos da Inteligência Coletiva em Ambientes Virtuais de Apre...
Operadores Pedagógicos da Inteligência Coletiva em Ambientes Virtuais de Apre...Operadores Pedagógicos da Inteligência Coletiva em Ambientes Virtuais de Apre...
Operadores Pedagógicos da Inteligência Coletiva em Ambientes Virtuais de Apre...
 
Coied - SOBERIRO, Milton JB - Estilos de Aprendizagem: Ferramenta para produç...
Coied - SOBERIRO, Milton JB - Estilos de Aprendizagem: Ferramenta para produç...Coied - SOBERIRO, Milton JB - Estilos de Aprendizagem: Ferramenta para produç...
Coied - SOBERIRO, Milton JB - Estilos de Aprendizagem: Ferramenta para produç...
 
Cibercultura e o construtivismo pós piagetianismo
Cibercultura e o construtivismo pós piagetianismoCibercultura e o construtivismo pós piagetianismo
Cibercultura e o construtivismo pós piagetianismo
 
jose carlos libaneo a didatica e a aprendizagem do pensar e do aprender
jose carlos libaneo a didatica e a aprendizagem do pensar e do aprenderjose carlos libaneo a didatica e a aprendizagem do pensar e do aprender
jose carlos libaneo a didatica e a aprendizagem do pensar e do aprender
 
Plataformas de Aprendizagem
Plataformas de AprendizagemPlataformas de Aprendizagem
Plataformas de Aprendizagem
 
EAD: integração de mídias e tecnologias
EAD: integração de mídias e tecnologiasEAD: integração de mídias e tecnologias
EAD: integração de mídias e tecnologias
 
EAD : educação a distância - conceitos
EAD : educação a distância - conceitosEAD : educação a distância - conceitos
EAD : educação a distância - conceitos
 
Aprendizagem Colaborativa
Aprendizagem ColaborativaAprendizagem Colaborativa
Aprendizagem Colaborativa
 
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
 
Uma Teoria Sociocrítica no Contexto da Cibercultura
Uma Teoria Sociocrítica no Contexto da CiberculturaUma Teoria Sociocrítica no Contexto da Cibercultura
Uma Teoria Sociocrítica no Contexto da Cibercultura
 
Docência na Cibercultura
Docência na CiberculturaDocência na Cibercultura
Docência na Cibercultura
 

Mais de Manuela Coitinho (9)

Guia de Descontos Osório Week 2017
Guia de Descontos Osório Week 2017Guia de Descontos Osório Week 2017
Guia de Descontos Osório Week 2017
 
TCC Design IFSul - Campus Pelotas | Abril 2016 (formato artigo)
TCC Design IFSul - Campus Pelotas | Abril 2016 (formato artigo)TCC Design IFSul - Campus Pelotas | Abril 2016 (formato artigo)
TCC Design IFSul - Campus Pelotas | Abril 2016 (formato artigo)
 
TCC Design IFSul - Campus Pelotas | Abril 2016
TCC Design IFSul - Campus Pelotas | Abril 2016TCC Design IFSul - Campus Pelotas | Abril 2016
TCC Design IFSul - Campus Pelotas | Abril 2016
 
Como utilizar seu extintor?
Como utilizar seu extintor?Como utilizar seu extintor?
Como utilizar seu extintor?
 
Tribute to Amy
Tribute to AmyTribute to Amy
Tribute to Amy
 
Limites culturais cores
Limites culturais coresLimites culturais cores
Limites culturais cores
 
Gerard huerta
Gerard huertaGerard huerta
Gerard huerta
 
Anaiisanaiis
AnaiisanaiisAnaiisanaiis
Anaiisanaiis
 
Pintura mural
Pintura muralPintura mural
Pintura mural
 

Entendimento coletivo

  • 1. O DESIGN PARA UM ENTENDIMENTO COLETIVO THE DESIGN FOR AN UNDERSTANDING COLLECTIVE ASSUNÇÃO, Alexandre V.; Doutor em Educação; Instituto Federal Sul-Rio-Grandense – IFSul –alex.ifsul@hotmail.com COITINHO, Manuela A.; Graduanda de Bacharelado em Design – Instituto Federal Sul-Rio- Grandense – coitinho.m@gmail.com RESUMO Este artigo tem por finalidade fazer reflexões sobre o Design Instrucional aplicado ao sistema educacional baseado nas plataformas dos AVA – Ambiente Virtual de Aprendizagem. Considerando a semiótica como fator fundamental nas estratégias para a produção de material, também será vista a importância dos estudos dentro das teorias psicológicas e de aprendizagem na a formatação desses sistemas para que sejam utilizados num entendimento coletivo. PALAVRAS-CHAVE: Design instrucional; Educação à distância; Inteligências múltiplas; Conectivismo. Abstract This article has to make reflections on the Instructional Design applied to the educational system based on the platforms of VLE - Virtual Learning Environment. Condsidering semiotics as a fundamental factor in the strategies for the production of material, will also be seen in studies of the importance of psychological theories and learning in the formatting of these systems to be used in a collective understanding. KEYWORDS: Design instructional Distance Education, Multiple Intelligences; Connectivism.
  • 2. INTRODUÇÃO Para questões pedagógicas como de onde vem o conhecimento há respostas óbvias e tradicionais – estudando em boas escolas, com bons professores. (ASSMANN, 2001) Hoje, o avanço das tecnologias e das teorias comportamentais viabilizam discussões importantes sobre o estudo das teorias de aprendizagem enquanto desenvolvedoras de sistemas efetivos para o entendimento comum de variadas temáticas. Numa análise superficial, se entende que o ato de aprender num mundo globalizado se dá pela constante troca e aglutinação de conhecimentos, sendo de primordial importância o estudo de teorias cognitivas, sendo evidente que o conhecimento adquirido ocorre não só por meios institucionais como, também, por meio de redes de informações. (ARAÚJO, 2010; CTAE, ?) Neste artigo, será feita uma reflexão do modo como o design instrucionalcomo uma nova forma da aprendizagem, pode influenciar na cognição de um coletivo humano, com base em teorias e estudos de semióticado filósofo Charles Pierce eem teorias de aprendizagemdo psicólogoLev Vygotsky. O DESIGN INSTRUCIONAL Históricamente tem-se que as primeiras manifestações do DI (Design Instrucional) ocorreram durante a Segunda Guerra Mundial ao existir a necessidade de treinamento de batalhões de soldados no manejo de armas julgadas sofisticadas através de mídias instrutivas desenvolvidas com base em filmes de grande sucesso à época. Entre as décadas de 1960 e 1970 surgiram os primeiros modelos de DI e, em 1980 os computadores, junto com seus produtos multimídias, facilitaram sua implantação nos modos não-oficiais de ensino até então. Já nas décadas de 1940 e 1960, a psicologia comportamental influenciou as teorias nas quais o DI está alicerçado pois considera que a aprendizagem não é somente compreendida, mas controlada por meio de instrução programada. Como participante das ciências da informação, o DI encontra seu vértice na comunicação por conseguir trabalhar com uma informação dentro de um ambiente tecnológico. (BATISTA, 2008) A INFLUÊNCIA DA SEMIÓTICA Sendo a ação signa uma atividade evolutiva onde um signo se transforma em outro num sistema organizado de informações, Charles Pierce terceirizou conceitos de signo que priorizassem o processo evolutivo do significado, evidenciando a fenomenologia desse Percepção e Cognição – Bacharelado em Design – IFSul
  • 3. processo. Dessa maneira, Pierce estabeleceu perspectivas e fundamentações teóricas para o estudo da aquisição do conhecimento humano. (CORREIA, 2009) O conhecimento, segundo Pierce, é construído em função dos componentes que integram o processo de comunicação. Para que o impacto e a interação da informação com o receptor seja eficaz e de qualidade, devem ser considerados pontos importantes no processo de formação de conteúdo, dentre os quais está o estudo da semiótica, que alicerça o desenvolvimento de simbolismos eficientes e coesos. (MAGER, 2010) Nesse momento, os estudos sobre semiótica de Pierce se relacionam com a Teoria da Gestalt, da qual nos baseamos na ideia de que a instrução é fundamentada nas leis da organização gestalticas.Não cabe aqui discutir as ideias de Werthimeir¹, mas é importante salientar essa relação entre as duas teorias já que se referem ao entendimento cognitivo por meio de formas, principalmente no DI, quando a escolha correta de um signos define o sucesso ou o fracasso de um projeto. “As ações de percepção consideram principalmente o aspecto visual, fundamentado na capacidade, facilidade e rapidez na captação, decodificação e compreensão da informação pelo usuário-receptor, em sua relação com o signo e com o entorno no qual o signo se destaca.” (BATISTA, 2008) No mundo digital, principalmente no que tange o DI, é importante que se tenha uma padronagem de formatação textual, bem como iconológica. É provável que a eficácia de um produto instrucional dentro do sistema educacional virtual somente aconteça totalmente quando tal ponto for abordado na construção do produto, desde o princípio das discussões que o permeiam. INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS Um sistema de informações é um eficiente gerador de conhecimento quando, ali, há o papel ativo de agentes cognitivos²; toda informação pode ser classificada e analisada, processada e refletida de maneiras diferentes para que seja configurado um conhecimento. (ASSMANN, 2001, p. 149) Segundo Vygotsky (apud Rabello; PASSOS; ?), o desenvolvimento humano está ligado à aprendizagem e ao amadurecimento do mesmo, até o momento em que esses pontos se Percepção e Cognição – Bacharelado em Design – IFSul
  • 4. fundam em uma nova forma de comportamento.A espécie humana poderia ser caracterizada pela capacidade de utilizar ferramentas criadoras de cultura, elementos que determinam o que devemos aprender e o tipo de habilidades que precisamos desenvolver – a partir do aprendizado de um conjunto de símbolos é que surge o pensamento. (AZAMBUJA; ARENDT; 2008) É importante que se compreenda como os indivíduos controlam os sistemas significantes pertinentes ao seu desenvolvimento cognitivo e como ocorre a decodificação desses sistemas, bem como seu reprocessamento. Assim, a aprendizagem é acumulada sob a forma de conteúdos cognitivos, sendo a responsável por sustentar a comunicação do homem com o mundo (AZAMBUJA; ARENDT; 2008), sendo importante conhecer o fenômeno que é o estudo da inteligência coletiva: todos os dados transformam-se em hipertextos³, desaparecendo o texto, o conceito. (ASSMANN, 2001, p. 161) “No sentido mais tradicional do conceito, fala-se de inteligência coletiva (ou termos similares) quando um grupo social consegue enfrentar e resolver problemas de forma da qual nenhum agente isolado seria capaz.” (ASSMANN, 2001, p. 160) Considerando a interação como a base do processo comunicativoe percebendo o desenvolvimento cognitivo humano alicerçado nas interações e na linguagem, é constatada uma relação das formas de contato do indivíduo com mundo externo e o plano das organizações internas do conhecimento (organização cognitiva) onde as transformações no mundo contemporâneo exigem mudanças nos conceitos de sujeito, sociedade e sua interrelação. “Interação social é a origem e o motor da aprendizagem e do desenvolvimento intelectual.” – Teoria Sócio-interativista de Vygotsky (BATISTA, 2008) Talvez mais do que os recursos disponíveis que facilitam a aprendizagem, essa interrelação seja o que promova o desenvolvimento de habilidades e a educação, pois são processos presenciais que exigem troca e cooperação, mesmo que os sujeitos estejam à distancia. Assim, Percepção e Cognição – Bacharelado em Design – IFSul
  • 5. a presença virtual de um significa a presença virtual do outro, à medida que os espaços se tornam redes de aprendizagem onde os sujeitos aprendem, cooperam e aprendem juntos. Não podemos negar que as tecnologias se desenvolvem rapidamente e que é necessária nossa adaptação à essa realidade de novos métodos de aprendizagem, sendo a avaliação e o reconhecimento das conexões e padrões adquiridos extremamente importantes; isso permite comportamentos de aprendizagem com diferentes potencialidades. O conceito da inteligência coletiva foi criado a partir de alguns debates relacionados às TICs4 – Tecnologias de Informação e Comunicação – teorizando o DI. Caracteriza-se por uma nova forma depensamento que se sustenta através de conexões sociais viabilizadas pela utilização das redes abertas deinternet para as plataformas AVA5. Essas tecnologias da inteligência são representadas pelas linguagens, por sistemas de signos, por recursos lógicos e pelos instrumentos dos quais nos servimos. Segundo o filósofo e sociólogo criador do conceito de inteligência coletiva, Pierre Lévy6, os seres humanos não são capazes de pensar sozinhos e sem a ajuda quaisquer ferramentas. Assim, a inteligência coletiva é uma forma de compartilhamento de pensamentos e conhecimentos com a utilização de recursos mecânicos como a internet, por exemplo. CONSIDERAÇÕES Dentro de um processo educacional, o design surge com ideias inovadoras dentro das necessidades do usuário de um produto final que, nesse caso, são as plataformas AVA aplicadas com as TICs. O DI, apesar de ligado diretamente com aspectos de funcionamento do produto – o AVA –, não está colocado em meros aspectos visuais e abstratos mas se comporta como uma “articulação entre forma e função, a fim de que cumpramos objetivos educacionais propostos” (Batista, 2008). Deve-se considerar muitos fatores culturais e regionais, estéticos-formais para que sejam desenvolvidos processos de aprendizagem eficazes para o entendimento de um maior número de usuários e, para tanto, basear-se numa instrução dentro das leis da organização visual facilita a experiência do usuário. Nesse aspecto é importante saber que o conhecimento humano não se faz somente individual mas, igualmente, em conjunto. Um projeto bem estruturado, com a existência de padrões visuais e, também, linguísticos, fomentam o processo cognitivo ao qual o usuário se submete, Percepção e Cognição – Bacharelado em Design – IFSul
  • 6. possibilitando a troca de informações pertinentes a outros membros/usuários do mesmo ambiente. ________________________ NOTAS ¹Max Werthimeir:um dos fundadores da Teoria da Gestalt juntamente com Kurt Koffka e Wolfgang Köhler. ²Agente Cognitivo: indivíduo que, ao mesmo tempo, recebe, classifica, analisa, processa e constrói ou reconstrói o conhecimento – há somente um receptor, não há um conhecimento. ³Hipertextos:termo que remete a um texto em formato digital, ao qual se agregam outros conjuntos de informação na forma de blocos de textos, palavras, imagens ou sons, cujo acesso se dá através de referências específica. 4 TIC:Tecnologias da Informação e Comunicação - correspondem a todas as tecnologias que interferem e mediam os processos informacionais e comunicativos dos seres. 5 AVA: softwares que auxiliam na montagem de cursos acessíveis pela Internet. Elaborado para ajudar os professores no gerenciamento de conteúdos para seus alunos e na administração do curso, permite acompanhar constantemente o progresso dos estudantes. Como ferramenta para EAD, são usados para complementar aulas presenciais. Ex: Moodle, SOLAR, TelEduc etc. 6 Pierre Lévy:filósofo da informação que sugeriu uma conceituação para a teoria da inteligência coletiva a partir de seus estudos sobre a interação entre a Internet e a sociedade. ________________________ REFERÊNCIAS ARAÚJO, Isabel Maria T. M. V. Araújo.Será possível dissociar o conectivismo do contexto do ensino superior actualmente?IndagatioDidactica, v. 2, 2010 ASSMANN, Hugo. Aprender na era das redes: Glossário de conceitos. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 2001. ASSMANN, Hugo. Reencantara educação: rumo à sociedade aprendente – Com um glossário de conceitos. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 2001. Percepção e Cognição – Bacharelado em Design – IFSul
  • 7. AZAMBUJA, Patrícia; ARENDT, Ronald J. J. Abordagem Cognitiva para Interfaces na Era Digital: anotações sobre uma transformação social. Intercom, 2008. BATISTA, Márcia Luiza F. S. Design instrucional: uma abordagem do design gráfico para o desenvolvimento de ferramentas de suporte à Educação a Distância. Bauru: FAAC/UNESP, 2008. Dissertação (Mestrado em Design), Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2008. CORREIA, Claudio Manoel de C. Fundamentos da Semiótica Pierceana. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2009. CTAE. Conectivismo. (http://www5.fgv.br/ctae/publicacoes/Ning/Publicacoes/00- Artigos/Conectivismo/Artigo_Conectivismo_impressao.html) Acesso em 23 ago. 2012. EDUTECH. O que é Design Instrucional? (http://www.edutech.org.br/design.htm) Acesso em 17 out. 2012. FILATRO, Andrea. Design Instrucional Contextualizado. (http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2004/06/16/504800/esign-instrucional- contextualizado.html) Acesso em 17 out. 2012. HAMZE, Amélia. Inteligência coletiva. (http://educador.brasilescola.com/trabalho- docente/inteligencia-coletiva.htm) Acesso em 16 out. 2012. MAGER, Gabriela B. A Relação entre Semiótica e Design. Doutora em Design – PUC – Rio de Janeiro, 2010. RABELLO, E.T. e PASSOS, J. S. Vygotsky e o desenvolvimento humano. (http://www.josesilveira.com/artigos/vygotsky.pdf) Acesso em: 16 de nov.2012. Percepção e Cognição – Bacharelado em Design – IFSul