Projeto Curricular de Escola2011-2012                          “Não se pode aprender sem uma autoestima elevada.          ...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça               PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012ESTRUTURA DO PROJETO CU...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça                   PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012  2.     CRITÉRIOS ...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça       PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012     1.    BIBLIOTECA ESCOLAR E...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça       PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012I. NOTAS INTRODUTÓRIAS 1. DA HI...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça                   PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012A causa do ensino s...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça          PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Não conformadas, as gentes d...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça       PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Secundário. A oferta pedagógica...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça       PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012perguntas-tipo estáveis que se ...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça             PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012II. O PROJETO CURRICULAR ...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça        PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012                              ...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça                         PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012    2. CONTEX...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça               PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012    3. PLANIFICAÇÃO, EN...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça             PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 4. GRELHA DE APRESENTAÇÃ...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça            PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Salvaguardando a especific...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça             PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012       Aviso atempado sob...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça                          PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012TESTES ESCRI...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça                     PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012III.       CONTEX...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça             PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-20127. PRINCÍPIOS ESTRUTURANT...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça           PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012       “condenadas” a um en...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça           PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012IV. OFERTA FORMATIVA 8. TUR...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça            PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012       humanísticos       ...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça             PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012   ·     Manifestar respe...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça          PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Esta tipologia de formação é...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça           PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012       Curso científico-hum...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça         PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012        Curso científico-huma...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça        PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012       Curso científico-humaní...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça         PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012        Curso científico-huma...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça             PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012   9.1.2.        CURSOS T...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça            PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012                          ...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça             PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012A conclusão do curso prof...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça          PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Portaria nº 916/2005 de 26 s...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça        PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Portaria nº 176/2011 de 28 de ...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça          PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Portaria nº 221/2007 de 1 de...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça          PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Portaria nº 176/2011 de 28 d...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça             PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Portaria nº 1041/2010 de ...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça           PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Nesta fase de implementação...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça            PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012        3. A atividade reg...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça               PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012V. ORGANIZAÇÃO DO ANO L...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça             PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012disponíveis na escola. Pa...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça             PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 12. Critérios para a ela...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça            PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012       As disciplinas de ...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça           PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012CRITÉRIOS CIENTÍFICO-PEDAGÓ...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça            PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012     1.       As “Reuniões...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça            PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012      a.         Fazer o a...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça            PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 16. Escola a tempo inteir...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça            PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012- Todos os Professores est...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça            PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012VI.    AVALIAÇÃO DOS ALUNO...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça              PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012     4.   Os Critérios d...
Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça             PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012     6.   Para os efeitos...
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
2011.10.17 projecto curricular de escola
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2011.10.17 projecto curricular de escola

1.254 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.254
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2011.10.17 projecto curricular de escola

  1. 1. Projeto Curricular de Escola2011-2012 “Não se pode aprender sem uma autoestima elevada. Assim, é preciso convencer os alunos em dificuldade de que eles podem aprender, assim como valorizar todos os seus progressos, por menores que sejam.” Rua Costa Veiga 2460 - 028 Alcobaça Philippe Perrenoud 262 505 170 962 097 175 913 6174 44 262 596 460 Aprovado em Conselho Geral 2011.10.26 www.esdica.pt diretor@esdica.pt facebook.com/esdica
  2. 2. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012ESTRUTURA DO PROJETO CURRICULAR DE ESCOLAESTRUTURA DO PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2I. NOTAS INTRODUTÓRIAS 5 1. DA HISTÓRIA DA ESCOLA À MODELAÇÃO DE UM CURRÍCULO 5 2. O IMPERATIVO DA MUDANÇA CONTÍNUA 8II. O PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA PRÓLOGO 10 1. TRANSVERSALIDADE E COMPLEMENTARIDADE COM O PROJETO EDUCATIVO DA ESCOLA E O REGULAMENTO INTERNO 10 2. CONTEXTUALIZAÇÃO (E LIMITES) DA GESTÃO CURRICULAR 12 3. PLANIFICAÇÃO, ENSINO-APRENDIZAGEM E AVALIAÇÃO 13 4. GRELHA DE APRESENTAÇÃO DE PLANIFICAÇÕES 14 5. AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS 14 6. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS 15 TESTES ESCRITOS 17III. CONTEXTUALIZAÇÃO (E LIMITES) DA GESTÃO CURRICULAR 18 1. PRINCÍPIOS ESTRUTURANTES DA POLÍTICA EDUCATIVA 19IV. OFERTA FORMATIVA 21 1. Turmas em funcionamento no ano letivo 2011-2012 21 2. ENSINO SECUNDÁRIO 22 Competências do Ensino Secundário 22 2.1.1. CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS 23 2.1.2. CURSOS TECNOLÓGICOS 29 2.1.3. CURSOS PROFISSIONAIS 30 2.1.4. ENSINO PARA ADULTOS 36V. ORGANIZAÇÃO DO ANO Letivo 39 1. Calendário escolar para o ano letivo 2011-2012 39 2. Critérios de constituição de turmas 39 3. Critérios para a elaboração dos horários dos alunos 41 4. Distribuição do serviço docente 42 5. Orientações para os projetos curriculares de turma 45 6. Escola a tempo inteiro (ocupação plena dos tempos escolares) 46VI. AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 48 1. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO (Contextualização) 48 Página 2 de 131
  3. 3. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 2. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GERAIS 48 3. CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 51 PORTUGUÊS 51 FILOSOFIA 52 FRANCÊS 53 INGLÊS 54 ESPANHOL 55 MATEMÁTICA A, MATEMÁTICA B e MACS 55 EDUCAÇÃO FÍSICA 57 ÁREA DE INTEGRAÇÃO 64 ECONOMIA A e C 64 HISTÓRIA e HISTÓRIA E CULTURA DAS ARTES 65 DISCIPLINAS LECIONADAS PELO GRUPO DE INFORMÁTICA 66 ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO 68 FORMAÇÃO CÍVICA – 10º Ano 73 DISCIPLINA DE BIOLOGIA E GEOLOGIA 75 FÍSICA E QUÍMICA 80 GEOMETRIA DESCRITIVA A 81 DESENHO A 84 GEOGRAFIA e GEOGRAFIA A e C 86 PSICOLOGIA A + B 88 4. REGRAS METODOLÓGICAS PARA A ELABORAÇÃO DOS TRABALHOS ESCOLARES 89 5. CURRÍCULO INFORMAL / Atividades DE ENRIQUECIMENTO DO CURRÍCULO 92 Projetos 92 5.1.1. SENTIR + - Clube de Inteligência Emocional 92 5.1.2. DESPORTO ESCOLAR 98 5.1.3. DESPORTO MENTAL 99 5.1.4. OFICINA DE EXPRESSÕES 101 5.1.5. PAIS NA ESCOLA DO SÉCULO XXI 105 5.1.6. PROJETO DE MEDIAÇÃO ESCOLAR 106 5.1.7. LITERACIA financeira 106 5.1.8. CANTO D’INÊS, O JORNAL DA ESCOLA 108 5.1.9. a LeR+ com a ESDICA 108 5.1.10. PESME 110 5.1.11. Projeto PTE – Plano TIC 115 5.1.12. “ESCOLA ABERTA” 116VII. PLANO DE FORMAÇÃO 2011-2012 116VIII. ESTRUTURAS DE APOIO 117 Página 3 de 131
  4. 4. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 1. BIBLIOTECA ESCOLAR E A CONSTRUÇÃO AUTÓNOMA DO CONHECIMENTO 117 2. SALAS DE ESTUDO 123 3. DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 126 4. SPO 127IX. PROTOCOLOS E PARCERIAS 128X. AVALIAÇÃO DO Projeto CURRICULAR DE ESCOLA 130 Página 4 de 131
  5. 5. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012I. NOTAS INTRODUTÓRIAS 1. DA HISTÓRIA DA ESCOLA À MODELAÇÃO DE UM CURRÍCULOTodas as instituições têm uma cultura, a que se chama “cultura institucional”. De contornos maisou menos definidos, ela “explica” determinadas opções, determinadas maneiras de agir / reagirperante os problemas.Nem tudo, porém, assume a mesma importância nessa tarefa explicativa; é natural que astransformações mais recentes tenham um papel mais importante na explicação de determinadosfenómenos, enquanto que o nexo entre factos mais distantes no tempo e o comportamentopresente mal se faça sentir.A história da Escola Secundária D. Inês de Castro, como primeira escola de Alcobaça, está,longinquamente, ligada à história de Alcobaça e, mais precisamente, à história da Ordem de Cister– sob cuja sombra tutelar Alcobaça apareceu e se desenvolveu.Assim, poderemos dizer que nascemos algures nos séc. XI e XII quando S. Bernardo de Claraval eum grupo de monges, saídos da Borgonha, se instalam em Alcobaça..Em 11 de janeiro de 1269, Frei Estêvão Martins, 12º Abade do Mosteiro, cria, em Alcobaça, aprimeira Escola pública do Reino – onde se ensinava Gramática, Lógica e Teologia. E, como oconhecimento significa “desenvolvimento”, e não “despesa”, a Abadia conheceu o seu períodoáureo entre 1357 e 1433 (desde o reinado de D. Pedro I ao reinado de D. João I).Com a nomeação do Abade a ser da responsabilidade do Rei, começou a decadência da Abadia (háerros que nunca se emendam...) – sendo particularmente ruinosa a “gestão” do Abade D. JoãoDornellas. Pio V, cedendo, por meio de bula entregue ao Cardeal D. Henrique, completaautonomia aos Monges de Cister, deu novo folgo à comunidade. Contudo, dois acontecimentosiriam condenar todo o esforço: as inundações de 1722 e o terramoto de 1755: com as finanças nãoconsolidadas, o esforço de reconstrução revelou-se maior do que as possibilidades, tanto mais queo pior ainda estava para vir: primeiro, as invasões francesas e, finalmente, em 1833, o decreto queextingue as Ordens religiosas existentes no país. Página 5 de 131
  6. 6. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012A causa do ensino só ganha nova dimensão em Alcobaça em 3 de maio de 1925, com ainauguração da Escola Agrícola Feminina Vieira Natividade, culminando um processo iniciado em1910, liderado, para além do ilustre alcobacense atrás citado, por Ana de Castro Osório e JoséJoaquim dos Santos.Esta Escola, de que a atual “Escola Velha/Escola Nova” mantém toda a traça arquitetónica,desenhada por Raul Lino, foi criada pelo Decreto nº 4105, de 18 de abril de 1918, tendo sido aprimeira pedra lançada em 11 de julho de 1921. Os cursos aí ministrados, a alunas em regime deinternato, tinham uma forte componente prática e conferiam o curso Prático Elementar Agrícola –que comportava um ano de estágio.Não foi feliz a curta vida desta escola, lançada numa época de fortes convulsões políticas e sociais.Nem a passagem de uma figura tão emblemática como o Prof. Joaquim Vieira Natividade (1899-1968) conseguiu inverter a situação. Aliás, na vida deste insigne alcobacense, esse foi um períodoque ele gostava de omitir. Outro fator que pesou no destino infeliz da Escola prende-se com a sua(não) inserção no meio. Com efeito, a maior parte das alunas era oriunda do Asilo da InfânciaDesvalida de Alcobaça. Por estas razões, conjugadas com o desprezo com que o Estado Novotratou a Educação, a Escola foi extinta em 1931. A Escola Prática Agrícola Vieira Natividade, quefoi criada em sua substituição, nunca haveria de sair do papel. No entanto, em 1947, assiste-se aorecomeço do ensino agrícola (“Pomicultura”), sempre nas mesmas instalações, agoradenominadas Escola Prática de Agricultura Vieira Natividade. (Como se poderá constatar, vem delonge a nossa atração pela mudança de rótulos...)A avaliação da validade dos curricula e de toda a organização do ensino tem em Vieira daNatividade um lúcido crítico. Pela sua atualidade, merecerá atentar nestas palavras (ainda, hoje,tão atuais):“(...) A relação das disciplinas que fazem parte do ciclo profissional das escolas práticas de agricultura, com a duraçãode dois anos, mostra que nos mantemos fiéis ao enciclopedismo, tão grato às gerações que nos antecederam, e emque a preocupação de se ensinar um pouco de tudo dá como resultado ficar-se a saber muito pouco de qualquercoisa.”Entretanto, em 1932, por iniciativa e financiamento da Câmara Municipal, foi criado, nasinstalações da extinta escola, o Liceu Municipal. Contudo, quando os alcobacenses almejavam atransformação do Liceu Municipal em Liceu Nacional, ocorreu, pouco tempo depois, a suaextinção. Página 6 de 131
  7. 7. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Não conformadas, as gentes de Alcobaça encetam uma campanha que, pelo menos a partir de1947, tem no jornal Alcoa a tribuna oficial, encontrando entre as diversas individualidadesenvolvidas, mais uma vez... Joaquim Vieira Natividade. Provando que “tudo vale a pena quando aalma não é pequena”, o Decreto nº 40:029, de 28 de junho de 1955, veio transformar a EscolaPrática de Agricultura em Escola Técnica de Alcobaça. Desse mesmo decreto constam os cursos aserem ministrados, “Ciclo Preparatório do Ensino Técnico-Profissional” e “CursosComplementares de Aprendizagem de Serralheiro, Ceramista e Comércio”.A inauguração da Escola efetuou-se em 1960, permitindo que o ano letivo de 1960/61 funcionassejá nas novas instalações. A partir desta altura, a “Escola Velha” é encerrada.Os passos seguintes mais relevantes são:1968 – Separação Ciclo Preparatório / Escola Técnica.1971/72 – Inclusão na Escola Técnica da secção liceal do Liceu de Leiria.1974/75 – O grande aumento da população escolar leva à reocupação da Escola Velha – que, noentanto, já não tinha condições mínimas para um funcionamento adequado.1978/79 – O Decreto-Lei 80/78, de 27/4/78, extingue todos os Liceus e Escolas Técnicas.Doravante, apenas haverá escolas secundárias, nascendo, assim, a Escola Secundária de Alcobaça.Os anos 80 foram anos de crise. O aumento incessante dos alunos, a progressiva degradação dasinstalações da Escola Velha, levaria ao seu encerramento, a começos atribulados dos anos letivos,à colocação, em 84/85, de uma série de Pavilhões pré-fabricados. A transitoriedade desta medidasó viria a acabar no ano letivo de 2001/02 com a desocupação e posterior demolição dosfamigerados Pavilhões.No final da década, a situação melhorou significativamente com a entrada em funcionamento daescola gémea Escola Secundária nº 2, no ano letivo de 1988/89. Por essa razão, desde essa altura,a nossa escola passou a chamar-se Escola Secundária Nº 1 de Alcobaça.Em 1990/91, aproveitando as infraestruturas agrícolas existentes, é criada a EPACIS, mercê dacelebração de contrato-programa em que foram outorgantes o Estado (GETAP), a EscolaSecundária Nº 1, a Câmara Municipal e as Cooperativas Agrícola dos Avicultores e Criadores deGado, da Benedita, e Agrícola, de Alcobaça.Em 1993, através do Despacho nº 140/SERE/93, de 24 de setembro, a Escola passa a chamar-seESCOLA SECUNDÁRIA D. INÊS DE CASTRO, lecionando os 3º Ciclo do Ensino Básico e o Ensino Página 7 de 131
  8. 8. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Secundário. A oferta pedagógica do Ensino Básico e Secundário sempre se caracterizou pelaabrangência e diversidade, implementando Cursos de Educação e Formação Profissional, ViasProfissionalizantes e Cursos Tecnológicos / Profissionais, em articulação com as necessidadeslocais e os interesses dos alunos. Foi, deste modo, a primeira escola de Alcobaça a oferecer, no 3ºCiclo, primeiro, e depois, no Secundário, o Espanhol como Língua Estrangeira, correspondendo auma procura forte por parte dos alunos e encarregados de educação.Após a transformação desta escola em Escola Secundária “pura” – o que aconteceu em 2007, porDespacho do Senhor Secretário de Estado da Educação, de 26 de abril (comunicado pelo OfícioDREL nº 22644, de 10 de maio) - passámos a poder oferecer todos os cursos, incluindo, a partir doano letivo anterior, o de Artes Visuais. Merecem destaque, pela inovação e arrojo das propostas,os Cursos Profissionais de Música e o de Técnico Auxiliar de Saúde.Esta nota introdutória, embora repita, em parte inutilmente, textos semelhantes inseridos noProjeto Educativo, tem como função tornar percetíveis certas escolhas curriculares. A história deuma instituição, a sua cultura institucional, o seu corpo docente, acabam por ter um peso nãonegligenciável na escolha das disciplinas a oferecer – sendo, no entanto, verdadeiro o princípiofundamental: a escolha tem de partir sempre de impulsos vindos de fora, dos alunos e seusrepresentantes, bem como da evolução da própria sociedade. 2. O IMPERATIVO DA MUDANÇA CONTÍNUA“Formar é muito mais do que puramente treinar o educando no desempenho de destrezas” (Paulo Freire)A citação de Paulo Freire constitui uma tentativa de resposta à questão em título: “formar oueducar”?. Ela, para além de um programa, é sobretudo a constatação de um facto: a Escoladeslocou-se da sua pura dimensão instrutiva para uma missão também educadora.A realização deste desiderato pressupõe algumas condições: 1) a existência de uma escolaautónoma, formada por atores autónomos; 2) a aceitação da mudança como o facto maispermanente da modernidade – o que implica ajustamentos constantes nos programas, nosconteúdos, nos esquemas curriculares, na “rede escolar” de uma região mais ou menos alargada.Assim, o que antigamente estabelecia uma linha de distinção clara entre tipos de ensino/estabelecimentos – “liceus”, “escolas técnicas”, “escolas comerciais e industriais”… - hoje não épossível mais. Aqueles currículos estáveis - que se desdobravam em “livros de texto” estáveis, em Página 8 de 131
  9. 9. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012perguntas-tipo estáveis que se materializavam em exames estáveis – são fatores a ter em contanuma avaliação comparativa entre os “bons velhos tempos” de outrora e o tempo de hoje em que,supostamente, nada se sabe. De qualquer modo, mesmo que teimosamente se continue a afirmarum pensamento catastrofista, a mobilização dos recursos mais adequados à formação comsentido dos seus alunos, continuará a ser um desafio de que as comunidades educativas não sepodem alhear.É neste sentido que Del Carmen e A Zabalza definem o Projeto Curricular de Escola como um“conjunto de decisões articuladas, partilhadas por uma equipa docente de uma escola, tendentesa dotar de maior coerência a sua atuação, concretizando as orientações curriculares de âmbitonacional em propostas globais de intervenção pedagógico-didática adequadas a um contextoeducativo.”Por todas estas razões, a tão falada articulação entre o Projeto Educativo de Escola, o CurrículoNacional e o Projeto Educativo de Escola, muito para além de aparecer como um “diktat”doutrinário e dogmático, afigura-se como a constatação de uma necessidade, de uma evidência.Na verdade, aqueles esquemas curriculares em que muita gente foi formada, feitos deestabilidade que percorria várias gerações, já não existem. E, se bem que estas mudanças sejammais visíveis ao nível das ofertas profissionalizantes – em grande parte consubstanciada nosCursos Profissionais – elas apontam o caminho para que, cada vez mais, tenderão os projetoscurriculares, quaisquer que eles sejam: coerência – o que exige sujeição a um Projeto Educativo –mas, simultaneamente, atenção aos contextos concretos em que as escolas se situam. Página 9 de 131
  10. 10. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012II. O PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA PRÓLOGO1. TRANSVERSALIDADE E COMPLEMENTARIDADE COM O PROJETO EDUCATIVO DA ESCOLA E O REGULAMENTO INTERNOO Projeto Curricular de Escola é visto como um instrumento que sofre mudanças, consoante os diferentescontextos em que a sua construção se dá. Essas mudanças são caracterizadas pelo currículo escolar, oconjunto de aprendizagens que, por serem consideradas socialmente necessárias num dado tempo econtexto, cabe à escola garantir e organizar (Roldão, 1999), a partir do currículo nacional. Por outro lado, oProjeto Curricular de Escola estabelece relações de transversalidade com o Projeto Educativo de Escola ecom o Regulamento Interno, documentos vértices e pontos de referência orientadores de toda a atividadeescolar.A pretendida melhoria eficaz da escola tem por base a missão orgânica da escola ou, como afirma Éthier,“toda a organização tem uma missão a cumprir, ela é, ao mesmo tempo, a sua razão de ser, a sua finalidadee a sua referência”. O plano de ação do Projeto Curricular de Escola tem em consideração diversos aspetos,tais como: - Valores consagrados no PEE. - Níveis e campos de decisão curricular. - Recursos Físicos e Humanos de que a Escola dispõe. - Avaliação das opções tomadas. Página 10 de 131
  11. 11. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 Página 11 de 131
  12. 12. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 2. CONTEXTUALIZAÇÃO (E LIMITES) DA GESTÃO CURRICULARTempos houve em que se hiperbolizou o génio individual como a boa norma das ações, nomeadamente dasações pedagógicas. Esta hipérbole, aplicada ao domínio pedagógico, teve os seus efeitos: acantonou oprofessor, dando-lhe a representação de uma individualidade. Nesta representação, a sala de aula ficoucomo “o último reduto” da individualidade, o santo dos santos em que era (é?) sacrilégio alguém entrar.Sem se pretender anular o caráter singular do ato pedagógico, a verdade é que, hoje, é pacífica a suaaceitação como um ato situado, um ato planificado, em contexto. Assim, hoje, em todas as escolas, écanónico o conceito de “trabalho colaborativo”, a ideia de que a planificação em sede de grupo éincontornável. Na Escola D. Inês de Castro, esta ideia foi tão longe que se instituiu, a partir de 2007, umespaço-tempo, dentro da componente não letiva dos docentes, consagrado à planificação em conjunto, emgrupo. Chamou-se a esse espaço “RCA”: “Reunião de coordenação de ano / grupo”.Esta conceção leva-nos a considerar os limites que a gestão curricular feita por cada professor deveconsiderar:  A legislação nacional, cabendo dentro deste conjunto a legislação e regulamentação sobre o currículo, os programas das diversas disciplinas1, homologados pelo Ministério da Educação, as orientações sobre a gestão curricular, da responsabilidade dos serviços centrais e regionais do Ministério da Educação (DGIDC, JNE, GAVE, DRELVT…). Deve ainda considerar-se, dentro deste item, a legislação relativa ao Estatuto do aluno, nomeadamente no que diz respeito aos seus direitos.  As normas, valores e metas consignadas no Projeto Educativo e no Regulamento Interno.  Orientações aprovadas pelo Conselho Pedagógico.2, 31 Programa de uma disciplina ou área disciplinar consta, por norma, de uma lista de conteúdos e objetivos, eventualmente numasequência determinada, de instruções metodológicas sobre o tratamento dos conteúdos, objetivos e indicações bibliográficas.2 Poderíamos considerar ainda as “necessidades individuais dos alunos” (a análise dos pré-requisitos, das prioridades, metas emeios necessários a uma aprendizagem de sucesso). Estas necessidades podem ter etiologia diversa, podendo provir do Conselhode Turma, do Diretor, dos Grupos Disciplinares / Departamentos Curriculares, bem como dos serviços de apoio educativo, SPO eProfessora de Educação Especial- No entanto, dada a natureza variada desta proveniência, entende-se que a sua imperatividade setornará indiscutivelmente efetiva, a partir do momento em que o Conselho Pedagógico sobre elas se pronunciar.3 Estamos (2011) em fase de mudança. No entanto, ainda há resistência à consideração das deliberações internas das escolas comofonte de legitimação. Ainda são frequentes as perguntas “onde é que isso está na lei?”, quando se sabe – ou desconfia – que umanorma de ação não tem por trás uma lei, um decreto-lei ou um simples despacho… Página 12 de 131
  13. 13. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 3. PLANIFICAÇÃO, ENSINO-APRENDIZAGEM E AVALIAÇÃOAo contrário de um certo senso comum, que teima em ver nas planificações o mero cumprimento de umaformalidade, a planificação constitui-se, em vista do objetivo, como um meio facilitador: visa que se atinjamos objetivos de aprendizagem de cada disciplina com um mínimo de recursos materiais, no mais curtoespaço de tempo. É, pois, uma atividade que alinha estratégias, atividades de professores e alunos, bemcomo as circunstâncias de tempo, modo e recursos. Por comodidade de leitura e análise, a representaçãohabitual das planificações assume a forma de uma tabela que evidencie objetivos, roteiro de conteúdos,calendarização, atividades / estratégias e demais circunstâncias da aprendizagem.O facto de a representação simplificada ser uma tabela deste tipo, não significa que não sejam tidos emconta dos seguintes pressupostos:  Perfil do aluno à saída do 3º Ciclo.  Perfil dos alunos à saída do ensino secundário.  Objetivos gerais do ensino, tais como estão definidos na Lei de Bases do Sistema Educativo.  Circunstâncias e valores locais, tomando como pontos de apoio, nomeadamente, a Carta Municipal de Educação, o Projeto Educativo da Escola e o Regulamento Interno da Escola  Programas oficiais das diferentes disciplinas.  Manuais oficialmente adotados  Orientações sobre a Educação Sexual.  Diferenciação pedagógica, valorização do saber experimental e da oralidade.  Transversalidade da competência em Língua Portuguesa.  Competência em Tecnologias de informação e comunicação.  Existência de Critérios de avaliação.  Valor da informação, nomeadamente no que diz respeito aos alunos, encarregados de educação, pares e direção, sobre a evolução das aprendizagens e perspetivas de sucesso.Entendendo-se por ensino a criação dos meios e das situações que levam os alunos à descoberta,tratamento e validação das informações que as diversas disciplinas propõem, devem ser propostas aosalunos, além das atividades letivas, Salas de Estudo e projetos extracurriculares. Assim, o Currículo, apesarde ser uma realidade nascida fora da instituição escolar, desenvolve-se dentro dela, devendo articular-secom os valores consagrados no Projeto Educativo, na esperança de formar cidadãos capazes de serem bemsucedidos para além da instituição, porque intelectualmente emancipados.. Página 13 de 131
  14. 14. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 4. GRELHA DE APRESENTAÇÃO DE PLANIFICAÇÕESA grelha de apresentação do planeamento de atividades de ensino e aprendizagem, de cada nível edisciplina, a propor aos Grupo disciplinar e ao departamento curricular, até ao início do ano escolar, deveconter os seguintes elementos:  Pré-requisitos  Objetivos  Roteiro de conteúdos, a serem abordados, a longo, a médio e a curto prazo.  Atividades / Estratégias  Competências o Exemplos de competências / operações cognitivas:  Identificação;  Comparação;  Diferenciação; / Diferenciação  Análise / Síntese;  Cálculo  Relação temporal /espacial;  Antecedente / consequente / causa / consequência / simultaneidade;  Recursos materiais e humanos. 5. AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOSPelas implicações que tem na vida das pessoas, pelas leituras políticas que suscita, pelo efeito reguladorque tem sobre a aprendizagem, o sistema de avaliação é central em todo o processo, impondo algunscuidados especiais.Matriz dos testesAssim, as provas de conhecimentos devem implicar a existência prévia de uma Matriz, para informar osalunos e encarregados de educação, de modo explícito, sobre a natureza e a estrutura do teste a realizar. Página 14 de 131
  15. 15. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Salvaguardando a especificidade de cada disciplina, não existe um modelo único de Matriz, mas têm de serdada informação explícita sobre os seguintes aspetos:Temas a abordar e hierarquização dos temas, distinguindo, nomeadamente através da cotação, os temascentrais dos secundários.Estrutura do teste: número e tipologia das perguntas (pergunta direta, pergunta de preenchimento delacuna, pergunta de escolha entre alternativas de resposta, pergunta de opção por pares contrários;pergunta pelo comentário ou dissertação).Pressupostos pedagógicosEquacionar o tempo disponível com o número de perguntas.Nas disciplinas de línguas, devem ser realizados, pelo menos uma vez por período, momentos formais deavaliação oral.Nas disciplinas que impliquem trabalho de laboratório, com dimensão prática, devem existir, pelo menos,dois momentos de avaliação, em cada um dos períodos: teste teórico-prático e relatório sobre as aulaspráticas. 6. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOSInstrumentos de avaliação, em uso na escola:Testes de diagnóstico – Realizados no início do ano letivo, virados para aprendizagens anteriores,assumidos como um ponto de partida, a ter em conta no desenrolar do processo de ensino aprendizagem.Testes de prognóstico – Realizados antes do início de uma nova unidade letiva, com o objetivo de garantiros pré-requisitos necessários para que essa unidade seja lecionada com sucesso.Relatórios - de trabalho experimental, de observação, de visitas de estudo ou sobre o trabalhodesenvolvido, num determinado período de tempo.Testes de oralidade: intervenções espontâneas do aluno ou solicitadas pelo professor, dissertaçõesprogramadas e debates. Quando intencionalmente provocadas pelo professor, os questionários orais, seexistirem, devem pautar-se pelas seguintes regras: Criação de condições físicas e psíquicas de descontração; começar com uma troca de palavras extrainterrogatório e iniciar este com perguntas simples Página 15 de 131
  16. 16. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 Aviso atempado sobre quais os alunos a ser interrogados, para evitar o embaraço que se segue imediatamente à escolha. Tempo ao aluno para refletir, antes de responder Evitar manifestações de desagrado, pelas respostas ou falta delas, através da fisionomia. em caso algum deve troçar do aluno Formulação de perguntas de modo claro e preciso, na ordem direta, indo ao essencial e não a pormenores insignificantes Criação de mecanismos para que nunca se instale em algum aluno a suspeita de ter sido alvo de um tratamento injusto. Registo, feito pelo professor, sobre a qualidade da resposta e a atitude do aluno.Trabalhos de casaTrabalhos de grupoExposições. Na avaliação da qualidade do que se expõe, a avaliação deve pautar-se por critérios, entre osquais se destacam Riqueza e adequação vocabular; Rigor na construção sintática; Estilo: de frases apelativas, interrogativas e exclamativas; Estruturação e sequência de ideias; Modo expositivo, considerando-se, nomeadamente: Uso de argumentos racionais e afetivos Imparcialidade da informação utilizada Confiança evidenciada Capacidade de “prender” o auditório. Página 16 de 131
  17. 17. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012TESTES ESCRITOS o Resposta fechada o Resposta de escolha múltipla4 o Preenchimento de lacunas o Resposta aberta o Resposta curta54 As provas de reconhecimento podem ser de escolha múltipla, de verdadeiro ou falso e de associação. Sãoparticularmente eficazes na avaliação da memorização de conceitos, verificando a precisão de definiçõesou de entendimento de sentenças de um texto como nenhumas outras; se muito bem usadas, podem aindapermitir verificar o rigor e fundamentação de raciocínios. As provas de escolha múltipla são as maiseficientes e também as que dão mais trabalho a elaborar, mas têm a vantagem de ser muito rápidas declassificar e poderem ir sendo dadas aos poucos, na parte final das aulas, servindo assim de autênticosapontamentos para os alunos.As regras gerais são as seguintes: a)- nunca use menos de quatro alíneas na escolha múltipla, pois tornará oacaso como causa de sucesso; b)- use perguntas ou proposições e suas respostas ou complementos muitoclaras e precisas; c)- indique muito claramente o modo de responder, se possível fazendo um exemplo noenunciado e no quadro; d)- na prova de lacunas não deve começar logo o texto por uma delas, para nãofazer perder o sentido do texto; atire-as para o fim da frase; e)- não penalize os erros.5 As provas escritas de resposta curta verificam em extensão a aquisição de memórias. À medida que vailecionando, o professor deve ir anotando os pontos a que deu maior ênfase e que correspondem aproblemas claros e significativos para o aluno; ao fim de algumas aulas já tem um banco de dados comperguntas significativas, em perfeito acordo com o estilo com que o curso está a ser ministrado - que variade turma para turma, de ano para ano, de escola para escola - e capazes de, em princípio, seremrespondíveis pelos alunos.As principais regras a seguir neste tipo de provas podem ser:a)- A redação das perguntas deve ser clara e precisa, e só o é se estiver em acordo com o modo como os conteúdos foramsurgindo na aula; uma pergunta só pode dar origem a uma resposta, deve excluir a possibilidade de o aluno pensar noutras ou terde responder duplamente;b)- evitar as respostas em cadeia, isto é, que a primeira resposta, quando falhada, impeça a resposta às seguintes; tal não excluique, em cada grupo, por cada assunto, haja uma progressão de dificuldade de resposta;c)- evitar dar pontuação muito diferente às várias perguntas; as questões mais difíceis já são penalizadoras por serem mais difíceis; Página 17 de 131
  18. 18. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012III. CONTEXTUALIZAÇÃO (E LIMITES) DA GESTÃO CURRICULARTempos houve em que se hiperbolizou o génio individual como a boa norma das ações, nomeadamente dasações pedagógicas. Esta hipérbole, aplicada ao domínio pedagógico, teve os seus efeitos: acantonou oprofessor, dando-lhe a representação de uma individualidade. Nesta representação, a sala de aula ficoucomo “o último reduto” da individualidade, o santo dos santos em que era (é?) sacrilégio alguém entrar.Sem se pretender anular o caráter singular do ato pedagógico, a verdade é que, hoje, é pacífica a suaaceitação como um ato situado, um ato planificado, em contexto. Assim, hoje, em todas as escolas, écanónico o conceito de “trabalho colaborativo”, a ideia de que a planificação em sede de grupo éincontornável. Na Escola D. Inês de Castro, esta ideia foi tão longe que se instituiu, a partir de 2007, umespaço-tempo, dentro da componente não letiva dos docentes, consagrado à planificação em conjunto, emgrupo. Chamou-se a esse espaço “RCA”: “Reunião de coordenação de ano / grupo”.Esta conceção leva-nos a considerar os limites que a gestão curricular feita por cada professor deveconsiderar:  A legislação nacional, cabendo dentro deste conjunto a legislação e regulamentação sobre o currículo, os programas das diversas disciplinas6, homologados pelo Ministério da Educação, as orientações sobre a gestão curricular, da responsabilidade dos serviços centrais e regionais do Ministério da Educação (DGIDC, JNE, GAVE, DRELVT…). Deve ainda considerar-se, dentro deste item, a legislação relativa ao Estatuto do aluno, nomeadamente no que diz respeito aos seus direitos.  As normas, valores e metas consignadas no Projeto Educativo e no Regulamento Interno.  Orientações aprovadas pelo Conselho Pedagógico.7, 8d)- organizar as perguntas por grupos correspondentes aos menores agrupamentos de conteúdos - aqueles que serviram de títulonos sumários; dentro de cada grupo, organizar as perguntas por grau de dificuldade, de modo a entender qual o patamar deconhecimento em que pode situar o aluno.6 Programa de uma disciplina ou área disciplinar consta, por norma, de uma lista de conteúdos e objetivos,eventualmente numa sequência determinada, de instruções metodológicas sobre o tratamento dos conteúdos,objetivos e indicações bibliográficas.7 Poderíamos considerar ainda as “necessidades individuais dos alunos” (a análise dos pré-requisitos, dasprioridades, metas e meios necessários a uma aprendizagem de sucesso). Estas necessidades podem teretiologia diversa, podendo provir do Conselho de Turma, do Diretor, dos Grupos Disciplinares /Departamentos Curriculares, bem como dos serviços de apoio educativo, SPO e Professora de Educação Página 18 de 131
  19. 19. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-20127. PRINCÍPIOS ESTRUTURANTES DA POLÍTICA EDUCATIVA1.1 - ARTICULAÇÃO SISTEMÁTICA – Muitas vezes, o que falta às organizações não é o fazer, mas sim a consciência do que fazem e de por que é que o fazem. A distinção pode parecer meramente escolástica; no entanto, esta consciencialização permite uma consistência muito maior do agir, transformando um acontecer casuístico num fazer intencional, regulado por princípios, e que, deste modo, tem maiores possibilidades de se repetir com (mais) êxito no futuro.Deste modo, o nosso Projeto Curricular procurará cotejar-se sempre com os valores axiais do ProjetoEducativo acima referenciados (promoção da cidadania, do sucesso, qualidade, abertura e liberdadeintelectual), com as imposições do Currículo nacional, reconhecendo que, para além da obrigatoriedadelegal, há a justificação racional de um valor comum a todos. Finalmente, não esquecerá a culturalinstitucional da Escola, “aberta” por tradição a atividades várias que se apresentam como extensões edesenvolvimentos do currículo formal.1.2 - ABERTURA - “Numa época em que nada é garantido e tudo é para ser justificado, a inculcação do valor da mudança, da criatividade e da adaptabilidade ao que é mutável, não constitui apenas um valor; constitui também um ‘manual de sobrevivência’” (Projeto Educativo, pág. 13). Este princípio desdobra-se nos seguintes preceitos operativos:1.2.1 Mudança / Inovação Contínuas – Sobretudo no que diz respeito à oferta da Escola nos Cursos Profissionais, impõe-se uma política de mudança (quase) contínua, de modo a melhor aproveitar as oportunidades e não saturar o mercado com profissionais sem ocupação nem futuro. Esta política impõe-se também por razões mais realistas: num cenário em que “o aluno” passou a ser um bem escasso, a satisfação das suas ambições é também uma necessidade prática – a par da, mais fundamental, imposição ética e deontológica.1.2.2 Permeabilidade ao meio – A dicotomia escola / meio faz cada vez menos sentido. Sem que se defenda, em circunstância alguma, uma “capitulação” da escola face às competências concorrentes do meio; significa, antes, a consciencialização de que as instituições, escolares ou não, estãoEspecial- No entanto, dada a natureza variada desta proveniência, entende-se que a sua imperatividade setornará indiscutivelmente efetiva, a partir do momento em que o Conselho Pedagógico sobre elas sepronunciar.8 Estamos (2011) em fase de mudança. No entanto, ainda há resistência à consideração das deliberaçõesinternas das escolas como fonte de legitimação. Ainda são frequentes as perguntas “onde é que isso estána lei?”, quando se sabe – ou desconfia – que uma norma de ação não tem por trás uma lei, um decreto-leiou um simples despacho… Página 19 de 131
  20. 20. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 “condenadas” a um entendimento estratégico. A cultura está em toda a parte, assim como as oportunidades, os riscos, as ameaças.1.2.3 Uma oferta completa, que valoriza a dimensão artística - A nível dos cursos gerais, a Escola tem a possibilidade, outorgada pela “Rede Escolar” da DRELVT, de oferecer todos os cursos disponíveis. Assim, desde o ano letivo anterior, que o Curso de Artes Visuais funciona neste estabelecimento de ensino.Sendo Alcobaça, desde sempre, uma terra dedicada a certas formas de produção artística, adquirindo amúsica particular importância, como o provam o número de instituições que ao ensino / divulgação damúsica se dedicam. Filarmónicas, hás as de Alcobaça, Maiorga, Vestiaria, Pataias e Turquel, algumas dasquais centenárias. Há várias escolas de música (desde logo as que nasceram à sombra da sociedadesfilarmónicas, bem como outras como as do Bárrio e da Cela. Deste modo, serão de privilegiar “Clubes” eProjetos que se dediquem à divulgação da música nas suas diversas manifestações. Concretizou-se, nopresente ano letivo, em articulação e parceria com a Academia de Música de Alcobaça, a oferta de cursosprofissionais, na Área da Música, de Instrumentistas de sopro e percussão e de instrumentista de jazz, oque se traduz numa enorme mais valia, uma vez que a oferta regional é praticamente nula neste domínio. 1.3 - O INTERESSE DOS ALUNOS – Para que este princípio não seja uma mera figura de retórica, deve comportar consequências. Deste modo:1.3.1 Escolha das opções – Uma vez que as escolhas possíveis, sobretudo no que ao 12º ano dizem respeito, oscilam entre o privilegiar a abrangência ou privilegiar a especialização, sem que haja um critério que se imponha inequivocamente, após vários anos em que este assunto se analisou em sede de Conselho Pedagógico, decidimos que a palavra decisiva sobre este assunto cabe aos alunos. São eles quem decide o caminho da especialização ou o caminho da abrangência. À Escola cabe a tarefa de arregimentar os meios para viabilizar as opções mais escolhidas.1.3.2 Viabilização de projetos próprios – A escola empenhar-se-á em criar as condições para viabilizar todos os projetos válidos, propostos pela Biblioteca, pelo PTE, pelo CNO, pelos departamentos/ grupos disciplinares, pelo SPO/NEE, por “Clubes” ou pelos alunos. Página 20 de 131
  21. 21. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012IV. OFERTA FORMATIVA 8. TURMAS EM FUNCIONAMENTO NO ANO LETIVO 2011-2012Ensino Diurno 10º Ano CURSOS Áreas Nº de turmas Ciências e Tecnologias 5 Cursos Científico Ciências Socioeconómicas 1 humanísticos Línguas e Humanidades 2 Artes Visuais 1 Téc.º de Gestão e Programação de Sistemas 1 Informáticos Apoio á Gestão Desportiva 1 Profissionais Técnico auxiliar de saúde 1 Instrumentista de sopro e 1 percussão/Instrumentista de Jazz 11º Ano CURSOS Áreas Nº de turmas Ciências e Tecnologias 4 Cursos Científico Ciências Socioeconómicas 1 humanísticos Línguas e Humanidades 2 Artes Visuais 1 Téc.º de Gestão e Programação de Sistemas Profissionais 1 Informáticos 12º Ano CURSOS Áreas Nº de turmas Cursos Científico Ciências e Tecnologias 4 Página 21 de 131
  22. 22. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 humanísticos Ciências Socioeconómicas 1 Línguas e Humanidades 2 Tecnológico Desporto Téc.º de Gestão de Equipamentos Profissionais 1 InformáticosEnsino Noturno Secundário Nº de turmas Cursos EFA Certificação Escolar 2 (turmas A e B)A diversidade de opções de formação pretende por um lado, dar resposta às solicitações e necessidadesdos alunos que a escola serve, mas também desafiar as suas capacidades organizativas de forma arentabilizar os recursos humanos, infraestruturas e equipamentos que possui. 9. ENSINO SECUNDÁRIOCOMPETÊNCIAS DO ENSINO SECUNDÁRIOÀ saída do Ensino Secundário, o aluno deverá ser capaz de: · Dominar competências comunicativas usando com clareza e correção a Língua Portuguesa em contextos diversos; · Dominar conhecimentos e técnicas no domínio das tecnologias da informação e comunicação; · Compreender, viver e fruir da realidade em que está inserido, nas suas diversas dimensões; · Organizar os seus saberes e experiências, em sistemas interpretativos coerentes, mas críticos e flexíveis; · Reconhecer a permanente relatividade do conhecimento, estruturando processos cognitivos de questionamento crítico; · Atualizar as competências técnico-científicas adquiridas, face à rápida mutação do mundo atual; Página 22 de 131
  23. 23. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 · Manifestar respeito, abertura e capacidade de diálogo face a perspetivas e valores diferentes dos seus; · Desenvolver uma perspetiva de interesse e responsabilização face aos problemas dos grupos e da sociedade a que pertence; · Atuar autonomamente, sabendo gerir pessoalmente e de forma eficaz os seus objetivos, iniciativas e opções; · Desempenhar papéis sociais em contextos diversos, compreendendo a interação com a perspetiva do (s) outro (s). · Conhecer princípios e adotar comportamentos reveladores de uma sexualidade saudável. · Dominar conhecimentos do âmbito da literacia financeira.9.1.1. CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Generalidades  Perfil do Aluno à saída destes cursos · Compreender e utilizar corretamente a terminologia específica de cada disciplina. · Desenvolver o raciocínio e o pensamento científicos. · Desenvolver a capacidade de utilizar a Matemática na interpretação e intervenção para cada problema da realidade. · Desenvolver as capacidades de utilização de novas tecnologias. · Desenvolver a capacidade de selecionar, analisar e avaliar de modo crítico, informações em situações concretas. · Ser crítico e apresentar posições fundamentadas quanto à defesa e melhoria da qualidade de vida e do ambiente. · Adquirir, compreender e utilizar dados, conceitos, modelos e teorias do domínio científico. · Produzir enunciados que permitam interação linguística, exprimindo as ideias em textos linguisticamente corretos e de complexidade crescente. · Escrever com fluência e correção, utilizando diversos modelos de escrita. · Adotar atitudes e valores relacionados com a consciencialização pessoal e social visando uma educação equilibrada. Página 23 de 131
  24. 24. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Esta tipologia de formação é particularmente adequada a alunos que concluíram o 9.º ano de escolaridade,que tenham realizado exames nacionais às disciplinas de Português e Matemática e que pretendampredominantemente o prosseguimento de estudos no ensino superior, após o 12ºano. Por este motivodeve salientar-se a obrigatoriedade de realização de, pelo menos, quatro exames nacionais, exigidos emcada curso, que assumem também a valência de Provas de Ingresso Página 24 de 131
  25. 25. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 Curso científico-humanístico de Ciências e TecnologiasPlano de estudos – Decreto-Lei nº 272/2007 Página 25 de 131
  26. 26. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 Curso científico-humanístico de Ciências Socioeconómicas(Plano de estudos – Decreto-Lei nº 272/2007) Página 26 de 131
  27. 27. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 Curso científico-humanístico de Línguas e Humanidades(Plano de estudos – Decreto-Lei nº 272/2007) Página 27 de 131
  28. 28. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 Curso científico-humanístico de Artes Visuais(Plano de estudos – Decreto-Lei nº 272/2007) Página 28 de 131
  29. 29. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 9.1.2. CURSOS TECNOLÓGICOS Curso Tecnológico de DesportoO Curso Tecnológico de Desporto, último e único curso tecnológico ainda em funcionamento, irádesaparecer no final deste ano letivo (2011-2012), sendo substituído pelo correspondente (?) cursoprofissional. Tem por objetivo a formação de profissionais capazes de dinamização desportiva, capazes dedesempenhar variadas funções em áreas como o desporto, o lazer e o turismo, exercer tarefas deorganização, realização e avaliação de atividades desportivas, bem como a gestão e manutenção ao níveldos respetivos materiais, equipamentos e estruturas de enquadramento.Legislação  Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de março (Estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão curricular, bem como da avaliação das aprendizagens, no nível secundário de educação), retificado pela Declaração de Retificação nº 44/2004, de 25 de maio.  Decreto-Lei n.º 24/2006. de 6 de fevereiro (Altera o Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março, que estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão curricular, bem como da avaliação das aprendizagens, no nível secundário de educação. Revoga o nº 5 do artigo 11º do Dec. Lei nº 74/2004)  Portaria nº 550-A/2004 de 21 de maio (Estabelece os princípios orientadores da organização e dagestão do currículo, bem como da avaliação e certificação das aprendizagens do nível secundário deeducação, aplicáveis aos diferentes percursos do nível secundário de educação).  Portaria nº 260/2006 de 14 de março (Aprova o regime de organização, funcionamento e avaliação dos cursos tecnológicos de nível secundário de educação). Componentes de Carga horária Semanal Disciplinas (tempos de 90 minutos) formação 10º 11º 12º Português 2 2 2 L. Estrangeira I, II ou III a) 2 2 - Filosofia 2 2 - GERAL Ed. Física 2 2 - Tecnologias da Informação e Comunicação 2 - - Sub-total 10 8 4 CIENTÍFICA Matemática B 2 2 2 Página 29 de 131
  30. 30. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 Biologia Humana 2 2 - Sub-total 4 4 2 Psicologia A 2 2 2 Organização e Desenvolvimento Desportivo 2 2 2 Práticas Desportivas e Recreativas 2 4 - Sub-total 6 6 4 Carga Horária Anual ( tempos de 90 minutos) TECNOLÓGICA Área Tecnológica Integrada c) Práticas de Dinamização Desp. Disciplina de Especificação d) e) 120 Práticas de Organização Desp. Projeto Tecnológico e) 27 (147) Estágio f) 160 g) Educação Moral e Religiosa h) (1) (1) (1) TOTAL 20 a 21 20 a 21 17 a 18 a) O aluno escolhe uma língua estrangeira. b) A área Tecnológica Integrada é assegurada pelo docente que leciona a disciplina de Especificação. Certificado Profissional Técnico Intermédio de Nível III 9.1.3. CURSOS PROFISSIONAIS GeneralidadesDestinatários:Os Cursos Profissionais podem ser o percurso mais indicado para jovens que: - tenham concluído o 9º ano de escolaridade ou equivalente; - procuram um ensino mais prático e voltado para o mundo do trabalho; - não excluam a hipótese de, mais tarde, prosseguir estudos.Certificações: Página 30 de 131
  31. 31. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012A conclusão do curso profissional confere um diploma equivalente ao ensino secundário e um certificadode qualificação profissional de nível III.O diploma do ensino secundário e o certificado de qualificação profissional de nível III permitem o ingressonos Cursos de Especialização Tecnológica (nível 4) e o acesso ao ensino superior.No entanto, se o aluno pretende prosseguir estudos no ensino superior, terá de realizar um exame nadisciplina de Português e em duas disciplinas da componente de formação científica.Estes cursos culminam com a apresentação de um projeto, designado por Prova de Aptidão Profissional(PAP), no qual o aluno demonstrará as competências e os saberes que desenvolveu ao longo dos 3 anos deformação.Legislação aplicável:- Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março, retificado pela Declaração de Retificação n.º 44/2004, de 25 demaio, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 24/ 2006, de 6 de fevereiro, retificado pelaDeclaração de retificação n.º 23/2006, de 7 de abril;- Portaria n.º 550-C/2004, de 21 de maio, com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 797/2006, de 10de agosto;- Despacho n.º 14 758/2004, de 23 de julho. Cursos Profissionais atualmente em funcionamento na ESDICA:  Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos  Técnico de Apoio à Gestão Desportiva  Instrumentista de Sopro e Percussão  Instrumentista de Jazz  Técnico Auxiliar de Saúde Página 31 de 131
  32. 32. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Portaria nº 916/2005 de 26 setembroNota: Os alunos que pretendem ingressar no ensino superior realizam exame às disciplinas específicas.Perfil de Desempenho à Saída do Curso: O Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos é oprofissional qualificado que, de uma forma autónoma ou integrado numa equipa, realiza atividades deconceção, especificação, projeto, implementação, avaliação, suporte e manutenção de sistemasinformáticos e de tecnologias de processamento e transmissão de dados e informações. Página 32 de 131
  33. 33. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Portaria nº 176/2011 de 28 de abrilPerfil de Desempenho à Saído do Curso – O técnico de apoio à gestão desportiva é o profissional quecolabora na gestão e manutenção de instalações e de equipamentos desportivos e que participa naconceção e desenvolvimento e avaliação de programas, atividades e eventos desportivos em diversoscontextos organizacionais. Página 33 de 131
  34. 34. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Portaria nº 221/2007 de 1 de marçoPerfil de Desempenho à Saída do Curso – O Instrumentista de Sopro e Percussão é o profissional quedesenvolve a sua atividade interpretando obras, no instrumento musical da sua especialidade, executandocomo solista ou em grupo, perfomances ao vivo e ou em estúdio, como forma de expressão artística. Página 34 de 131
  35. 35. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Portaria nº 176/2011 de 28 de abrilPerfil de Desempenho à Saída do Curso – O Instrumentista de Jazz é o profissional que desenvolve a suaatividade interpretando obras, no instrumento musical da sua especialidade, executando como solista ouem grupo, perfomances ao vivo e ou em estúdio, como forma de expressão artística. Página 35 de 131
  36. 36. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Portaria nº 1041/2010 de 7 de outubroPerfil de Desempenho à Saída do Curso – O Técnico Auxiliar de Saúde é o profissional que desenvolve a suaatividade sob a orientação de profissionais de saúde com formação superior, e que auxilia na prestação decuidados de saúde aos utentes, na recolha e transporte de amostras biológicas, na limpeza, higienização etransporte de roupas, materiais e equipamentos. Operacionalização dos Cursos Profissionais e Curso Tecnológico.A especificidade organizativa dos cursos que conferem certificação profissional, para além da certificaçãoescolar, e incluem formação em contexto de trabalho, justifica a elaboração de regulamentação específicaadaptada a cada tipologia de formação.9.1.4. ENSINO PARA ADULTOS Centro de Novas Oportunidades (CNO)O Centro Novas Oportunidades da Escola Secundária D. Inês de Castro promove processos de diagnósticoe encaminhamento para educação e formação, de reconhecimento de competências, de formação e decertificação que respondam às necessidades dos cidadãos que pretendam elevar os seus níveis dequalificação escolar, procurando sempre adequar os processos referidos ao perfil do formando adulto.Constitui-se assim como meio privilegiado de acesso a todas as modalidades de Educação e Formação deAdultos, oferecidas pela Escola Sec. D. Inês de Castro ou por outras entidades da região.O Centro Novas Oportunidades D. Inês de Castro propõe-se, ainda, distinguir-se pela qualidade da ofertaformativa. Assim, mobilizando os conceitos-âncora de “rigor”, “exigência” e “eficiência”, procurar-se-á criaruma imagem de seriedade associada a este processo de formação, contribuindo, assim, para credibilizaresta inovadora aposta na valorização dos recursos humanos.Numa primeira fase, o Centro Novas Oportunidades irá assegurar a certificação escolar de Nível Básico e deNível Secundário, remetendo para um próximo Plano Estratégico de Intervenção a possibilidade de secandidatar a RVCC Profissional.Pretende-se garantir igualdade de oportunidades a mulheres e homens e desenvolver práticas quemelhorem o acesso à formação por parte de públicos com dificuldades de inserção no mercado detrabalho, procurando garantir-lhes um acompanhamento personalizado, adaptado às condições específicasverificadas, no sentido de encontrar soluções adequadas ao perfil individual. Página 36 de 131
  37. 37. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012Nesta fase de implementação, o horário de funcionamento, repartido entre o período laboral e o períodopós-laboral, procura diversificar a oferta, de modo a poder atender formandos adultos, ora em situação dedesemprego, ora empregados em busca de qualificação e certificação suplementar.Haverá avaliação periódica dos processos e dos resultados alcançados, através do modelo CAF (CommonAssessment Framework), perspetivandorspectivando-se sempre uma estratégia dinâmica de intervenção ea atualização constante dos membros da equipa técnico-pedagógica, através de Ações de Formaçãoregulares e de Jornadas de Reflexão. reActPara alguns, a escola não resulta. Isto leva ao insucesso e ao aumento da marginalização. A falta deiniciativa, de assuntos relevantes ou de interesse revelam que a escola não motiva. Coloca-se então umdesafio: reativar o desejo natural para aprender, de modo a que estes aprendentes possam voltar àeducação e construir um futuro para si-próprios.Quando os estudantes pensam: A escola foi uma perda de tempo; Nada na escola se relaciona com a minhavida; A escola não é real e quando os professores perguntam:Como tornar os estudantes mais proativos na sala de aula? Devem as aulas ser divertidas? Uma sala de aulasem “paredes”?Assim, o projeto reAct propõe:Autonomia: Os aprendentes escolhem e definem os seus projetos, desenvolvendocapacidades de iniciativa e autonomia, desaprendendo a passividade previamente incutida pelo sistemaeducativo.Colaboração: Trabalham com outros aprendentes nos seus projetos, incluindo pessoas de outros países,alargando assim as suas perspetivas, aprendendo a trabalhar em equipa e desenvolvendo, também, a suacriatividade no processo.Aprender a aprender: no processo, desenvolvem novas competências e novas atitudes que irão mudar omodo de abordar a aprendizagem e o mundo do trabalho.Como atingir estes objetivos?Uma mudança na metodologia de formação 1. Os formandos colaboram uns com os outros num projeto criativo, num tema à sua escolha, em colaboração com outros países. 2. Os formandos escolhem e trabalham num projeto criativo num tema da área do seu curso. Página 37 de 131
  38. 38. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 3. A atividade regressa à sala de aula mas os formandos adquiriram novas competências e uma nova conceção da aprendizagem.Papel do formadorApoia o processo, é guia e coaprendente das novas competências, o que lhe permite mudar as atividadesprevistas no programa, tornando-as mais criativas, colaborativas e relevantes.Ferramentas tecnológicas Uma seleção de ferramentas criativas de comunicação para apoiar o processo.Principais atividades a desenvolver no projeto:Estudo do perfil dos participantes: definir competências e necessidades de formadores e formandos.Metodologia: definir linhas mestras para aplicar abordagens pedagógicas personalizadas e inovadoras.Preparação de um conjunto de ferramentas, incluindo as da Web 2.0, utilizadas em AmbientesPersonalizados de Aprendizagem (PLE). Página 38 de 131
  39. 39. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012V. ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 10. Calendário escolar para o ano letivo 2011-2012 Ensinos Básico e Secundário – Períodos letivos Início 15 de setembro 1º P Termo 16 de dezembro Início 3 de janeiro 2º P Termo 23 de março Início 10 de abril 3º P 8 de junho para os 11.º e 12.º anos e 15 de junho para Termo o 10º ano. Interrupções 1º P De 19 de dezembro a 3 de janeiro, inclusive 2º P De 20 a 22 de fevereiro, inclusive 3º P De 24 de março a 09 de abril, inclusiveDia do diplomaNo dia 30 de setembro de 2011, realiza-se o dia do Diploma: “as escolas e os agrupamentos que lecionem oensino secundário deverão promover, envolvendo a respetiva comunidade educativa, uma ação formal deentrega dos certificados e dos diplomas aos alunos que, no ano letivo anterior, tenham terminado o ensinosecundário.”Adenda em tom menor – Este ano, a uma semana do dia aprazado, veio o desmentido: não há prémiosmonetários. A crise até podia justificar o facto, não fosse a circunstância de o dinheiro ficar na escola. 11. Critérios de constituição de turmasOs critérios de natureza pedagógica para a construção de turmas obedecem a Despacho a publicar em cadaano letivo, sendo o Diretor responsável pela sua aplicação, em função dos recursos humanos e materiais Página 39 de 131
  40. 40. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012disponíveis na escola. Para além dos critérios gerais legalmente estabelecidos, foram definidos emConselho Pedagógico os seguintes critérios específicos: - Os critérios de natureza pedagógica para a constituição de turmas, obedecem a Despacho nº13170/2009 , de 4 de junho. - Serão considerados todos os alunos efetivamente matriculados (que pagaram propinas e seguro escolar), sendo as turmas constituídas pelo número de alunos legalmente estabelecido em função da tipologia do curso. - As turmas que integrem alunos com necessidades educativas especiais de caráter permanente (NEECP) devidamente comprovadas e cujo PEI assim o determine deverão ser constituídas por 20 alunos, integrando, no máximo, 2 alunos com NEECP por turma. - A constituição de turmas com número de alunos inferior ou superior ao estabelecido carece de autorização da respetiva Direção Regional de Educação, tendo estas situações que ser devidamente justificadas. - O interesse dos alunos deve sobrepor-se a qualquer outro critério; - No respeito pela lei, serão respeitadas, sempre que possível, as opções dos alunos, no que respeita às suas escolhas disciplinares; - As turmas em situação de continuidade (11º) serão mantidas, a menos que existam razões pedagógicas em contrário; - Na constituição das turmas do 10º ano, o Os pedidos de manutenção de determinados grupos de alunos serão, sempre que possível, respeitados; o Os alunos repetentes e provenientes de outros estabelecimentos de ensino sem indicação de grupo de referência serão distribuídos pelas diversas turmas de forma equilibrada.O Grupo de Elaboração de Turmas é constituído por um Coordenador e dois professores, por cada ano aprocessar.A equipa é homologada pelo Diretor, precedendo parecer do(a) Coordenador(a). O Grupo de Elaboraçãode Turmas, que trabalha em estreita colaboração com a Direção, os Serviços Administrativos e o SPO,executará as seguintes tarefas: elaborar as listas de alunos em suporte digital e preencher os mapas dedistribuição de níveis.Quaisquer situações não previstas serão resolvidas em articulação coma Direção, durante o período defuncionamento do Grupo de Trabalho, e pelo órgão Diretivo, depois da cessação de funções do grupo. Página 40 de 131
  41. 41. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 12. Critérios para a elaboração dos horários dos alunosOs horários obedecem aos princípios seguintes:  Tendencialmente, as atividades escolares comuns a todas as turmas de um mesmo ano deverão ter início e termo das atividades escolares comuns para todas as turmas do mesmo ano.  Tanto quanto possível, os alunos, ao longo da semana, têm sempre as mesmas horas de entrada e saída.  Os alunos pós-puberdade não devem iniciar as atividades letivas teóricas muito cedo, uma vez que, adormecendo mais tarde, não têm o tempo de sono necessário à consolidação da memória de longo prazo.  As unidades letivas devem ocupar, em 4 dias da semana, os dois turnos (manhã e tarde), e um dia com apenas um turno.  Em caso algum o dia escolar pode conter mais do que 4 unidades letivas curriculares de 90 (8 tempos letivos).  Em caso algum pode ser ultrapassado o máximo de 3 unidades letivas de 90 num período do dia (manhã ou tarde).  Pelo menos, cada turma deve dispor de uma manhã ou uma tarde livre. Sempre que possível, esse período livre deve ser comum a todas as turmas do mesmo ano.  Em horários completos, não deve haver "furos".  Em horários completos, um período não deve ter apenas uma aula.  O intervalo para almoço não pode ser inferior a uma hora.  As aulas de Educação Física só poderão iniciar-se uma hora depois de findo o período que a escola definiu para o almoço (horário de funcionamento do refeitório), ou seja, uma hora entre o período definido para o almoço no horário do respetivo grupo ou turma e o início das aulas de Educação Física).  Devem evitar-se blocos consecutivos de aulas que exijam concentração elevada, ou seja, distribuição equilibrada entre disciplinas de caráter teórico e disciplinas de caráter prático, ou aulas teóricas e aulas práticas.  Distribuição das unidades letivas das disciplinas em dias intercalados.  As aulas das diversas disciplinas devem ser lecionadas em dias interpolados.  Línguas estrangeiras diferentes não devem ser lecionadas em tempos consecutivos.  Uma mesma disciplina não deve ser lecionada sempre nem ao primeiro nem ao último tempo.  Uma mesma disciplina, preferencialmente, não deve ser lecionada nos extremos da semana. Página 41 de 131
  42. 42. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012  As disciplinas de Biologia e Geologia e de Física e Química desdobram num bloco e meio (135 min), quando o número de alunos da turma for superior a 15, de modo a permitir a realização de trabalho experimental.■ Nota: Trabalho Experimental é o que inclui atividades que envolvem controlo e manipulação de variáveise se realizam no campo, em laboratório ou oficinas ou com recurso a kits de experimentação utilizáveis emsalas normais. O critério principal para assumir uma atividade como laboratorial ou de campo diz respeitoao local onde a mesma se desenvolve. O trabalho prático corresponde ao envolvimento que os alunos têmna realização de atividades, mas que não implica necessariamente controlo e manipulação de variáveis elocal específico de realização das atividades. O critério que permite distinguir o trabalho experimental dotrabalho não experimental é a metodologia utilizada. 13. Distribuição do serviço docentePRINCÍPIO INFORMANTE:O interesse dos alunos deve sobrepor-se a qualquer outro critério.PRINCÍPIOS GERAIS: 1. Nos horários de trabalho do pessoal docente será registada a totalidade das horas correspondentes à componente letiva e não letiva de estabelecimento, bem como o tempo para atividades de apoio educativo, organizadas em Salas de Estudo. 2. Todos os professores terão direito a uma componente de trabalho individual que será de 10 horas para os docentes com menos de 100 alunos e de 11 horas para os docentes com mais de 100 alunos. [As horas, 1 ou 2, derivadas da conversão dos tempos letivos de 50 min em tempos de 45 min (Artº 3º do Despacho nº 13599 /2006), não entram neste cômputo]. 3. Não é permitida a lecionação de mais de 6 horas letivas consecutivas. 4. Na distribuição de serviço docente deverá respeitar-se a constituição de equipas estáveis que acompanhem os alunos ao longo de um ciclo de estudos. 5. A continuidade é, pois, o critério maior que preside à distribuição do serviço docente, só podendo ser quebrado em casos excecionais, devidamente fundamentados. 6. Aos professores poderá ser distribuído qualquer serviço docente, independentemente do Grupo de Recrutamento a que pertençam, desde que detenham formação adequada. Página 42 de 131
  43. 43. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012CRITÉRIOS CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVOS 1. Inexistência de incompatibilidades conhecidas entre professor e alunos; 2. Sintonia entre o saber / experiência do professor e as matérias a lecionar; 3. Distribuição equitativa e equilibrada de níveis, evitando que o mesmo professor lecione todas as turmas do mesmo ano. 4. Sempre que possível, cada professor não deve lecionar mais de três níveis diferentes. 5. Em caso de insuficiência de horas em determinado grupo, os horários zero / incompletos pertencerão aos professores menos graduados. 6. Em disciplinas que funcionem em regime de junções / simultaneidades, nenhum professor poderá lecionar mais do que uma das disciplinas / turmas envolvidas. 14. Reuniões de coordenação de ano (RCA)Tentando dar maior consistência e organização à Componente não Letiva de Estabelecimento (CNLE), aEscola instituiu um tempo de coordenação a que deu o nome de RCA. Dessa estrutura / valência foielaborado um regulamento que, aprovado no Conselho Pedagógico de 11 de novembro de 2009, aqui setranscreve: Artigo 1.º CNLE - Natureza, Âmbito e Finalidade Nos termos do Artigo 82º do Decreto-Lei nº 15/2007, de 19 de janeiro, com a redação dada pelo Decreto-Lei nº 270/2009, de 30 de setembro, adiante designado por ECD, a componente não letiva de estabelecimento, adiante designada por CNLE, compreende “o trabalho a nível do estabelecimento de educação ou de ensino [que] deve ser desenvolvido sob a orientação das respetivas estruturas pedagógicas intermédias com o objetivo de contribuir para a realização do projeto educativo da escola.” 1. As atividades a desenvolver na CNLE são as que constam do número 3 do Artigo 82º do ECD. Artigo 2.º RCA - Natureza, Âmbito e Finalidade Página 43 de 131
  44. 44. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 1. As “Reuniões de Coordenação de Ano, Grupo e Departamento”, adiante designadas por RCA, constituem um espaço destinado à operacionalização das diversas coordenações pedagógicas. 2. O RCA insere-se na componente não letiva de estabelecimento (CNLE) e é de marcação obrigatória nos horários dos docentes. 3. Dentro da sua matriz inicial, o RCA deve consagrar, pelo menos, uma reunião mensal à coordenação de Ano. a. Esta reunião deverá ocorrer na primeira quarta-feira de cada mês; b. Se este dia coincidir com feriado, transfere-se para a quarta-feira seguinte, procurando sempre assegurar a realização de, pelo menos, uma reunião mensal consagrada à coordenação de ano; 4. Entre outras matérias que julguem adequadas, deverão ser analisadas nesse RCA as seguintes: a. Avaliação do grau de cumprimento dos programas por anos / níveis de ensino, procurando assegurar uma gestão sincronizada dos ritmos de ensino-aprendizagem; b. Avaliação do grau de profundidade / dificuldade adequado; c. Planificação dos instrumentos de avaliação sumativa, de modo a assegurar níveis de dificuldade semelhantes, comuns aos diversos docentes; d. Diagnóstico anual das necessidades de formação; e. Elaboração do Plano de Atividades do Grupo, a submeter, no final do ano letivo, ao respetivo Departamento. 5. As restantes reuniões de RCA poderão ser utilizadas para outros tipos de coordenação, nomeadamente: a. Coordenação de Grupo / Departamento; b. Coordenação de Turma (Conselhos de Turma, Conselho de Diretores de Turma); c. Coordenação de Projetos; d. Reposição de aulas nos cursos profissionais / CEF, desde que não tenha sido possível assegurá-las através dos mecanismos OPTE. 6. No caso de não se realizarem as atividades previstas no nº 5, todas a reuniões previstas nos horários serão utilizadas para Coordenação de Ano. Artigo 3º Deliberações e votações Nas reuniões de RCA apenas poderão ser tomadas decisões vinculativas se os assuntos a deliberar tiverem sido divulgados por convocatória, nos termos da lei. Artigo 4.º Registo das Reuniões Das reuniões haverá registo, em impresso próprio, comum a todos os Grupos / Departamentos, através do qual seja possível: Página 44 de 131
  45. 45. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 a. Fazer o apuramento de presenças e ausências; b. Saber os assuntos que foram alvo de ponderação e análise. 15. Orientações para os projetos curriculares de turmaO Projeto Curricular de Turma tem como objetivo organizar as atividades da turma, encontrando uma linhacondutora de atuação, tendo em conta as especificidades da turma e a situação real dos alunos, as suascaracterísticas e necessidades.O PCT concretiza o PCE, ajustando-o à turma, incluindo os seguintes tópicos: 1-Caracterização da turma 1.1 – Percurso escolar 1.2 - Perfil da turma 1.3 - Situações específicas 2- Medidas de Intervenção de âmbito disciplinar/ Interdisciplinar 2.1 – Interdisciplinaridade/ Desenvolvimento de Projetos Transversais 3- Plano de Atividades da Turma 3.1 – Promoção do sucesso escolar 3.2 – Promoção de um espírito de cidadania ativa e crítica 3.3 – Promoção de valores locais e relação com a Comunidade 3.4 – Quadro sinóptico das visitas de estudo 4– Indicadores de medida do sucesso educativo 5– Avaliação do Projeto Curricular de Turma 5.1 – Análise SWOTEm http://www.esdica.pt/DTURMA/DOCS/PCT_BASE_VERSAO_3.doc encontra-se disponível o modeloem formato Word, assim como outros documentos de apoio ao seu preenchimento. Página 45 de 131
  46. 46. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 16. Escola a tempo inteiro (ocupação plena dos tempos escolares)O Despacho 19117/2008 de 17 de julho reescrevendo o Despacho 13599/06, promove a ESCOLA A TEMPOINTEIROMercê da experiência colhida em anos anteriores, o nosso OPTE - Programa de Ocupação Plena dosTempos Escolares estrutura-se nos seguintes eixos: 1. Substituição de Professores em faltas não previstas – ou não passíveis de ser colmatadas. Esta atividade mobiliza os meios que se encontram no quadro “OPTE / CAS” 2. O CAS (“Coordenação das Atividades de Substituição”) é uma estrutura de coordenação dessas atividades, tendo por missão preparar os materiais, os dossiês, gerir os professores afetos, em esquema de rotatividade. 3. Este OPTE / CAS constitui uma das quatro opções disponibilizadas aos docentes para facilitar o cumprimento da assiduidade: a. Permutas - Permite que, no seio do Conselho de Turma, se encontrem os horários que, esporadicamente, possam servir aos docentes para não faltarem. b. Substituição por um docente com formação adequada - Permite que, no seio de um grupo de docência / recrutamento, mediante uma planificação feita pelo professor titular da disciplina, um professor com formação adequada possa substituir o professor impedido. c. Trocas - O professor que tenha de faltar poderá, em circunstâncias excecionais, trocar as horas das suas aulas. 4. Para que seja possível uma leitura do que se faz – e de quem faz – criámos um modelo de registo das diversas atividades desenvolvidas, em que o próprio professor substituto, em casos que ache justificados, anota procedimentos que correram menos bem, instituindo, assim, uma primeira avaliação da atividade.Em todas as circunstâncias, o que pretendemos, na linha defendida pelo Despacho 13599/06 e redaçõesposteriores, é fazer uma escola a tempo inteiro. E com sentido.OPERACIONALIZAÇÃOA operacionalização deste Plano segue as seguintes regras: Página 46 de 131
  47. 47. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012- Todos os Professores estão vinculados à comunicação antecipada da sua intenção de faltar (na Direção)assim como de organizar a respetiva permuta, troca ou substituição por outro docente de formaçãoadequada.-Na impossibilidade de permutar, devem antecipadamente entregar a algum membro do CAS, os Planos deAula para serem utilizados pelos docentes que irão ocupar os seus alunos.-Na eventual falta destes Planos de Aula deixados pelos professores ausentes, as atividades desenvolvidasna ocupação dos alunos serão da responsabilidade do professor destacado para este serviço.- Os professores destacados para o serviço de Ocupação Plena dos Tempos Escolares (OPTE) deverão estarà hora do início da aula na sala de professores:a) Havendo conhecimento da ausência prevista de um professor, o elemento do grupo CAS procederá àentrega do material deixado por este, ao professor que o irá substituir na ocupação dos alunos.b) Na falta imprevista de um professor, a auxiliar de ação educativa do respetivo bloco informará, danecessidade de ocupação dos alunos. Neste caso, algum dos elementos CAS selecionará o material queentender conveniente. (Se possível, recorrendo ao Delegado de Grupo Disciplinar para o apoiar na seleçãodo material mais adequado)- Concluída a Aula de Substituição, o Professor Substituto preencherá um formulário referindo se o Planofoi aplicado com normalidade- Estes professores serão destacados para o serviço de OPTE de acordo com as seguintes regras:Na sala de professores será afixado um mapa semanal com a indicação dos professores substitutos emserviço. Os professores irão desempenhar este serviço em regime de rotatividade. Para este efeito, osmapas semanais de substituições são atualizados semanalmente e afixados na sala de professores, paraconsulta.AVALIAÇÃOEste Plano será alvo de uma avaliação no final de cada período com base em informações recolhidas pelaanálise dos relatórios semanais de substituições e registos elaborados dos Professores que realizaram assubstituições. Página 47 de 131
  48. 48. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012VI. AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 17. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO (CONTEXTUALIZAÇÃO)Critérios de Avaliação – De um modo sistemático, os “Critérios de Avaliação” fazem parte da linguagempedagógica desta Escola desde há muitos anos, antes ainda de serem consagrados em lei. Este verdadeiroavanço educacional está plasmado em vários documentos oficiais da escola, nomeadamente no ProjetoEducativo, no que diz respeito à filosofia subjacente, no Regulamento Interno, no que diz respeito aosCritérios de Avaliação Gerais. Os Critérios de Avaliação Específicos de cada disciplina, depois de aprovadospelo Conselho Pedagógico, integram este projeto, sendo são dados a conhecer aos alunos pelo Diretor deTurma, apesar de publicados na página da Escola, em www.esdica.ptPara além dos Critérios de Avaliação próprios de cada disciplina – e que designamos de “Específicos” –existem os “Critérios de Avaliação Gerais” – que fazem parte do Regulamento Interno. Desse documento,transcrevemos os Artigos 9º, 10º e 11º: 18. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GERAIS Artigo 9º Critérios de Avaliação 1. Os Critérios de Avaliação são instrumentos pedagógicos de natureza pública, devendo ser do conhecimento de todos os implicados no processo de avaliação, nomeadamente alunos, professores, diretores de turma e encarregados de educação. 2. Os critérios de avaliação definem metodologias e procedimentos, instituindo-se como referenciais comuns, não fundamentando, nunca, prejuízos para os alunos. 3. Em ordem a garantir o princípio consagrado no número anterior, deve ser algo de especial ponderação e valorização, de acordo com o preceituado legal, a progressão do aluno. Página 48 de 131
  49. 49. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 4. Os Critérios de Avaliação dividem-se em dois níveis: Critérios de Avaliação Gerais e Critérios de Avaliação Específicos. a. Os Critérios de Avaliação Gerais definem um conjunto de regras e procedimentos gerais, fazendo parte deste Regulamento Interno; b. Os Critérios de Avaliação Específicos definem as regras, normas e procedimentos próprios de cada disciplina, sendo elaborados pelos Grupos Disciplinares. 5. Todos os Critérios de Avaliação carecem de aprovação pelo Conselho Pedagógico. 6. A divulgação dos Critérios de Avaliação Gerais é da responsabilidade do Diretor. 7. A divulgação dos Critérios de Avaliação Específicos é da responsabilidade de todos os professores. 8. O Conselho de Turma e, em primeiro lugar, o Diretor de Turma são os responsáveis pela verificação da sua aplicação. 9. Para os efeitos previstos no nº anterior, cada dossiê de Direção de Turma deve conter exemplares de todos os Critérios que tiverem aplicação na Turma. Artigo 10º Critérios de Avaliação Gerais 1. Cada Grupo define/confirma Critérios de Avaliação Específicos, por ano e por disciplina. 2. Para além dos testes, o Grupo deve definir que outros instrumentos entram na avaliação do aluno e em que percentagem, bem como as consequências de os alunos não os realizarem. 3. Deve ser fixado o número mínimo de testes e/ou trabalhos equiparados, por período e para a totalidade do ano. 4. O Grupo deve estabelecer explicitamente, através de critérios objetivos, a projeção e a incidência de cada período letivo na avaliação final, de modo a salvaguardar o caráter contínuo da avaliação. 5. Todos os elementos que entrem na composição da avaliação dos alunos devem apoiar- se em instrumentos objetiváveis. Página 49 de 131
  50. 50. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2011-2012 6. Para os efeitos do nº anterior, devem ser elaboradas Grelhas de Registo de Observação ou documentos análogos que permitam traduzir, o mais rigorosamente possível, o qualitativo em quantitativo. 7. Antes da realização de cada teste, os alunos devem ser informados, de um modo claro e inequívoco, sobre: a. Conteúdos a testar; b. Estrutura da prova; c. Duração do teste. 8. As cotações das perguntas devem constar nos enunciados dos testes. 9. A cotação atribuída a cada resposta deve ser registada na folha de prova dos alunos. 10. Os enunciados não podem ser manuscritos, de modo a facilitar a leitura e interpretação por parte dos alunos. 11. Não pode ser ministrado um segundo teste, sem que o primeiro tenha sido entregue aos alunos e com eles discutido e corrigido. 12. Os testes devem ser corrigidos e entregues aos alunos no prazo máximo de 10 dias úteis a contar da data da sua realização. 13. Sem prejuízo do disposto no número anterior, até ao último dia de aulas de cada período, todos os elementos de avaliação devem ser do conhecimento dos alunos, de modo a tornar viável a sua autoavaliação. 14. Todos os elementos de avaliação devem ser entregues aos alunos em sala de aulas e esse facto ser registado nos sumários respetivos. 15. A classificação a constar nos testes de avaliação é, obrigatoriamente, quantitativa. Nos restantes instrumentos de avaliação, a informação qualitativa deve obedecer à seguinte terminologia: Reduzido (0 – 19%), Insuficiente (20 – 49%), Suficiente (50 – 69%), Bom (70-89%) e Muito Bom (90-100%). 16. Os instrumentos de avaliação devem ser elaborados e discutidos no seio dos grupos disciplinares, de modo a salvaguardar a maior justiça e equidade entre todos os alunos. 17. Em ordem a prosseguir as finalidades referidas no número anterior, podem os grupos disciplinares, mediante aprovação do Conselho Pedagógico e comunicação atempada aos encarregados de educação, ministrar testes comuns, em horários também comuns, ainda que fora do horário habitual dos alunos. Página 50 de 131

×