Palestra carmen sanches parte1

5.351 visualizações

Publicada em

1ª parte da palestra da professora Carmen Sarches da Unirio.
Dia 31/03/2011
Sesc São João de Meriti
Profissionais do Ciclo de Alfabetização

Publicada em: Tecnologia, Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Palestra carmen sanches parte1

  1. 1. Alfabetização e cotidiano escolar: práticas e concepções mais favoráveis às crianças de classes populares Carmen Sanches Sampaio Escola de Educação/UniRio
  2. 2. “ Como aprendi a alfabetizar”? <ul><li>Necessidade de preparar a criança para aprender a ler e a escrever. </li></ul><ul><li>Exercícios com letras e sílabas soltas; palavras-chave; textos acartilhados como referência e eixo do trabalho. Ausência de sentido. </li></ul><ul><li>Aprender como sinônimo de repetir para decorar e a transmissão da professora como eixo da prática pedagógica. </li></ul><ul><li>O erro como evidência do não-saber; do desconhecimento. </li></ul><ul><li>Avaliação como sinônimo de medição. </li></ul><ul><li>(Ana Paula, profª alfabetizadora/ISERJ) </li></ul>
  3. 11. O ensino da escrita tem se reduzido a uma simples técnica, enquanto a própria escrita é reduzida e apresentada como uma técnica, que serve e funciona num sistema de reprodução cultural e produção em massa. Os efeitos desse ensino são tragicamente evidentes, não apenas nos índices de evasão e repetência, mas nos resultados de uma alfabetização sem sentido que produz uma atividade sem consciência: desvinculada da práxis e desprovida de sentido, a escrita se transforma num instrumento de seleção, dominação e alienação. ( Ana Luiza B.SMOLKA, 1988)  
  4. 12. Anos de 1980: questionamento dos métodos e das cartilhas de alfabetização <ul><li>Intensa divulgação dos pensamentos construtivista e interacionista sobre alfabetização. </li></ul><ul><li>Pensamento construtivista – pesquisas sobre a Psicogênese da Língua Escrita (Ferreiro & Teberosky, 1985). Há um deslocamento do como se ensina para o como se aprende a língua escrita. </li></ul><ul><li>Pensamento interacionista – decorre das proposições de Geraldi (1984) – baseada em uma concepção interacionista de linguagem. Smolka (1988) retoma essa concepção e a torna mais conhecida no campo da alfabetização. </li></ul>
  5. 13. Alfabetização e Letramento? O que muda quando muda o nome? <ul><li>Letramento – palavra recém-chegada ao vocabulário da Educação e Ciências Lingüísticas: segunda metade dos anos 80. </li></ul><ul><li>Letramento – o resultado da ação de ensinar ou de aprender a ler e escrever: o estado ou a condição que adquire um grupo social ou um indivíduo como conseqüência de ter-se apropriado da escrita. Pesquisas que avaliam o nível de letramento – não basta apenas saber ler e escrever – é preciso saber fazer uso de diferentes tipos de material escrito, compreendê-los, interpretá-los e extrair deles informações. (Soares, 1996) </li></ul>
  6. 14. Alfabetização e Letramento? O que muda quando muda o nome? <ul><li>Alfabetização como um processo discursivo: a criança aprende a ouvir, a entender o outro pela leitura; aprende a falar, a dizer o que quer pela escrita. (Esse aprender significa fazer, usar, praticar, conhecer. Enquanto escreve, a criança aprende a escrever e aprende sobre a escrita). (Smolka, 1988) </li></ul><ul><li>Aprender a ler é ampliar as possibilidades de interlocução com pessoas que jamais encontraremos frente a frente e, por interagirmos com elas, sermos capazes de compreender, criticar e avaliar seus modos de compreender o mundo, as coisas, as gentes e suas relações. Isto é ler. E escrever é ser capaz de colocar-se na posição daquele que registra suas compreensões para ser lido por outros e, portanto, com eles interagir. (Geraldi, 1998 ) </li></ul>
  7. 15. <ul><li>A leitura do mundo precede sempre a leitura da palavra e a leitura desta implica a continuidade da leitura daquele. </li></ul><ul><li>(Paulo Freire) </li></ul>
  8. 18. <ul><li>O que compreendemos por alfabetizar? Por ensinar? Por aprender? </li></ul><ul><li>Como compreendemos o processo de ensino/aprendizagem? Quem ensina a quem? Quem aprende com quem? </li></ul><ul><li>Como compreendemos os estudantes com os quais trabalhamos? </li></ul>
  9. 19. As crianças podem falar o que pensam na escola? Podem escrever o que falam? Podem escrever como falam? Quando? Por quê? ( Ana Luiza B. Smolka)
  10. 20. Qual o papel do/a professor/a? Chegar mais perto, se colocar disponível para ouvir os alunos e alunas com mais atenção, procurando compreender como aprendem, o que aprendem, o que sabem e o que ainda não sabem.
  11. 21. <ul><li>Intervir deliberadamente fornecendo instruções, demonstrações, pistas, indicações, sinalizações. </li></ul><ul><li>Investir nos ainda não saberes dos estudantes – conhecimentos prospectivos, ainda inexpressivos, mas potencialmente presentes. </li></ul><ul><li>É preciso criar um clima de confiança na capacidade de aprendizagem de todos e não apenas de alguns ou da maioria dos alunos e alunas. </li></ul>
  12. 26. ERRO – Como aprendemos a compreendê-lo? Como a evidência do não saber. Como falta, incapacidade, ausência. Mas... Podemos (e precisamos) aprender a lidar com o erro de um outro modo. O ERRO... ERRO <ul><li>Pode sinalizar o movimento vivenciado pelos alunos e alunas no processo de aprendizagem. </li></ul><ul><li>Pode indicar as aprendizagens já realizadas, os saberes consolidados e, também, novos saberes ainda em elaboração – espaços privilegiados para a intervenção/mediação pedagógica. </li></ul><ul><li>Pode iluminar as diferenças ocultadas pela igualdade das respostas certas. </li></ul>

×