SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Indicadores 
Elenara Ribas 
Hospital Mãe de Deus
HOSPITAL MÃE DE DEUS 
ANO 
EMPLEADOS 2.460 
CAMAS 345
1.407 camas 
65% camas al sistema de salud pública 
1.451.542 Personas atendidas em 2013
Mensuração 
• “Embora possa parecer um paradoxo, toda ciência exata se 
baseia na ideia de aproximação. Se um homem lhe afirmar que 
conhece algo exatamente, você pode ter certeza ao inferir que 
esta falando com um homem inexato” 
• Bertrand Russell 
• O que é? Um conjunto de observações que reduzem a incerteza 
quando o resultado é expresso como uma quantidade
INDICADORES E MOTIVAÇÃO 
5 
• INDICADORES funcionam como ferramentas que 
conduzem ao comportamento desejado; 
• Dão aos indivíduos o direcionamento que precisam para 
atingir a estratégia da organização; 
•As pessoas respondem ao que é comunicado e não o que 
é esperado;
Indicadores 
• Atributos: 
• Validade 
• Precisão 
• Reprodutibilidade 
• Oportunidade 
• Comparabilidade-Sensibilidade/ especificidade 
• Viés de seleção e de informação 
• Facilidade 
• Interpretabilidade 
• Custo
Foco 
• Estrutura 
• Processo 
• Resultado 
• Tendência – driver 
• Comparação 
• Individual 
• Grupo
segurança 
• O que é? 
Conhecimento 
dos eventos 
Complicações 
clinicas 
Fisica 
Não sofrer 
dano 
previsível 
Não sofrer 
dano
Altamente recomendáveis 
Checklist perioperatório e anestésico 
Pacotes que incluem checklist de 
prevenção de infecção de cateter 
venoso central 
Intervenções para reduzir o uso de 
cateter urinário 
Pacotes para reduzir pneumonia 
associada a ventilação mecânica 
Higiene de mãos 
Lista de abreviações não utilizáveis 
Prevenção de lesões de pressão 
Precauções para evitar infecções 
associadas a assistência 
Intervenções para profilaxia de trombose 
venosa 
Intervenções para reduzir quedas 
Farmácia clínica para reduzir eventos adversos 
relacionados a drogas 
Documentação de preferencias do paciente quanto a 
manutenção da vida 
Obtenção de consentimento informado 
Treinamento de times 
Reconciliação medicamentosa 
Redução da exposição a radiação da TC e fluoroscopia 
Sistemas de resposta rápida 
Uso de métodos complementares para detecção de 
eventos adversos ou erros 
Exercícios de simulação 
Ann Intern Med. 2013;158(5_Part_2):365-368
• Suspeita 
• Busca ativa de casos ( trigger) 
• Acesso a microbiologia 
• Qualidade de laboratório 
• 3 diferentes definições de 
infecção: 
• Associada (CLABSI/CABSI); 
• Relacionada (CRBSI); 
• Suspeita
Como medir segurança ? 
Processo Resultado
Direcionadores 
Missão e visão 
• Segurança 
como 
estratégia 
• Focos 
estratégicos 
Epidemiologia 
• Necessidades 
da população 
atendida 
Direcionadores 
externos 
• Legislação 
• Acreditação 
• Certificação 
Profissionais 
• Preocupações 
• Valores
Observatório ANAHP 2014
´http://proqualis.net/indicadores-de- 
seguran%C3%A7a-do-paciente
QUALISS – programa de qualificação dos 
prestadores
• Se voce não está medindo, não 
está gerenciando 
• Se voce está medindo 
erroneamente, não está 
gerenciando 
• Se voce está somente medindo, 
não está gerenciando 
• (adaptado Prof Mary-Dixon-Woods -citado em ISQUA 2014)
Eventos 
passados 
• O cuidado 
foi seguro ? 
Mensuração de 
segurança 
Confiável 
• Os nossos 
sistemas e 
processos 
são 
confiáveis ? 
Sensibilidade 
das operações 
• O cuidado é 
seguro 
hoje? 
Integração e 
aprendizagem 
• Estamos 
melhorando? 
Antecipação e 
preparação 
• O cuidado 
será seguro 
no futuro? 
A framework for measuring and monitoring safety 
The Health Foundation 2014
Mortalidade por patologia ( DRG) 
Revisão de prontuários ( trigger) 
Notificações 
Proporção de pacientes avaliados 
para risco de úlcera de pressão 
Auditoria de processos .
Round de segurança 
Entrevistas com o paciente 
Reclamações 
Analise da cultura de segurança 
Treinamentos 
FMEA
Processos específicos: 
Higiene de mãos 
Medicação 
Infecção
Estratégico 
Matriz das áreas 
Resultados 
categorias 
Matriz das 
especialidades e 
institutos médicos 
Resultados 
individuais
AÇÕES DE SEGURANÇA 
1 . Identificação do Paciente 7,65 
2 . Confirmação da Informação Verbal 3,88 
3 . Segurança de Medicamentos de Alta Vigilância 
7,65 
4. Cirurgia Segura 
Realização do checklist 
Marcação de lateralidade 
4,07 
8,16 
5 . Higiene de mãos ( SR, CTIA, CTI neo, Emergencia, UCE) 2,82 
6 . Numero de quedas por 1000 pacientes-dia 
17,51 
GLOBAIS 
7.Incidência de Ulcera de pressão por 1000 pacientes-dia 12,61 
8.Taxa de prescrição até 15h 22,89 
9.Incidência de FLEBITE em pacientes internados 
7,30
CENTRO DE 
TERAPIA INTENSIVA 
(ADULTO E 
PEDIÁTRICO) 
10.Readmissão em < 48h 0,41 
11. Taxa de Pneumonia associado a VMI 
0,13 
12.Taxa de Infecção de Corrente Sanguíneas associada 
a cateter 
2,18 
CENTRO DE 
TERAPIA 
INTENSIVA 
NEONATAL 
13.Taxa de Pneumonia em RN de baixo peso 
0,21 
14. Infecção em cateter em RN de baixo peso 
0,54 
CENTRO 
CIRÚRGICO 
15. Taxa de Uso de antibiotico profilático na indução 
anestésica 
0,21 
16.Taxa de pacientes com infecção após cirurgia 
Limpa 
0,21 
CENTRO OBSTÉTRICO 
17.Taxa de utilização de Cefazolina na Indução 
Anestésica ( escolha Correta) 
0,50 
18.Retorno da mãe à sala de parto ou ao CO, devido a 
alguma complicação 
0,58 
19.Taxa de pacientes com infecção após cirurgia Limpa 
0,50
Identificar 
objetivos 
Revisar 
evidências 
Preparação para 
auditoria 
Amostragem 
Seleção dos critérios 
Desenho do 
questionário 
Mensurar resultado 
Estudo piloto 
Sustentando a 
melhoria 
Implantando a 
melhoria 
Benchmarking 
Melhoria 
contínua da 
qualidade 
Analisar as 
mudanças 
Escolher o 
tópico 
Coletar 
dados 
Analisar 
dados 
Feedback do 
resultado 
Programar 
nova auditoria 
Auditoria Clínica -Gestão da Eficácia Clínica Dario Fortes Ferreira
Área global
Resultados Globais 
2010 2011 2012 
Real Esperado R/E Real Esperado R/E Real Esperado R/E 
INSTITUTO DO CÂNCER 
N 709 1.195 327 
Idade 58,51 60,09 60,55 
Mortalidade 9,31% 6,14% 1,51 11,72% 8,05% 1,45 9,48% 7,02% 1,35 
Permanência 8,62 7,21 1,20 8,71 7,54 1,16 7,58 7,16 1,06 
Permanência Ajustada 7,26 6,29 1,15 6,53 6,25 1,04 6,22 6,10 1,02 
Perm Pré op U 5,00 5,13 0,98 5,90 5,17 1,14 4,95 6,32 0,78 
Perm Pré Op E 1,51 1,58 0,96 1,64 1,82 0,90 0,99 1,53 0,64 
Faturamento Real 11.059,40 8.505,00 1,30 12.843,02 10.906,24 1,18 11.901,38 9.712,64 1,23 
Faturamento Ponderado 12.837,33 9.914,09 1,29 14.071,70 12.070,60 1,17 13.165,00 11.010,73 1,20 
Custo 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 
Margem Real 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 
Margem Ponderada 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 
CMA 53,61% 70,17% 0,76 61,68% 79,00% 0,78 72,73% 80,42% 0,90 
Reinternação 30 31,31% 26,45% 1,18 30,79% 28,31% 1,09 18,65% 26,76% 0,70 
Reinternação 60 39,49% 34,19% 1,16 39,83% 36,79% 1,08 21,41% 33,62% 0,64 
Reinternação 90 43,86% 38,21% 1,15 44,44% 41,10% 1,08 21,41% 36,99% 0,58
DRGs Críticos: Mortalidade 
Mortalidade DRG 2 Craniotomia, idade >17 anos, sem CC 
20010-2012 N Real Esperado Diferença Impacto 
DESVINCULADO DE INSTITUTOS 31 19,4% 9,3% 10,1% 3,13 
INSTITUTO DA MULHER 0 
INSTITUTO DE DOENÇAS RESPIRATORIAS 5 20,0% 9,3% 10,7% 0,54 
INSTITUTO DE MEDICINA VASCULAR 174 6,9% 9,3% -2,4% -4,11 
INSTITUTO DE TRAUMATO-ORTOPEDIA 0 
INSTITUTO DO CÂNCER 6 16,7% 9,3% 7,4% 0,44
Obrigada!! 
elenara.ribas@maededeus.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segurança do paciente na atenção primária à saúde
Segurança do paciente na atenção primária à saúdeSegurança do paciente na atenção primária à saúde
Segurança do paciente na atenção primária à saúdeProqualis
 
Melhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMS
Melhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMSMelhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMS
Melhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMSProqualis
 
Atuar em equipe de forma eficaz - Tópico 4_Guia Curricular da OMS
Atuar em equipe de forma eficaz - Tópico 4_Guia Curricular da OMSAtuar em equipe de forma eficaz - Tópico 4_Guia Curricular da OMS
Atuar em equipe de forma eficaz - Tópico 4_Guia Curricular da OMSProqualis
 
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMSEnvolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMSProqualis
 
A compreensão dos sistemas e do efeito da complexidade nos cuidados ao pacien...
A compreensão dos sistemas e do efeito da complexidade nos cuidados ao pacien...A compreensão dos sistemas e do efeito da complexidade nos cuidados ao pacien...
A compreensão dos sistemas e do efeito da complexidade nos cuidados ao pacien...Proqualis
 
Princípios da Investigação em Segurança do Paciente/Doente: Visão Geral
Princípios da Investigação em Segurança do Paciente/Doente: Visão GeralPrincípios da Investigação em Segurança do Paciente/Doente: Visão Geral
Princípios da Investigação em Segurança do Paciente/Doente: Visão GeralProqualis
 
Aprender com os erros para evitar danos - Tópico 5_Guia Curricular da OMS
Aprender com os erros para evitar danos - Tópico 5_Guia Curricular da OMSAprender com os erros para evitar danos - Tópico 5_Guia Curricular da OMS
Aprender com os erros para evitar danos - Tópico 5_Guia Curricular da OMSProqualis
 
Aula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentesAula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentesProqualis
 
Medir o dano
Medir o danoMedir o dano
Medir o danoProqualis
 
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...Proqualis
 
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/DoenteAprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/DoenteProqualis
 
Disclosure (Abertura de Informação)
Disclosure  (Abertura de Informação)Disclosure  (Abertura de Informação)
Disclosure (Abertura de Informação)Proqualis
 
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...Vic Fernandes
 
Aula sobre Taxonomia de segurança_do_paciente
Aula sobre Taxonomia de segurança_do_pacienteAula sobre Taxonomia de segurança_do_paciente
Aula sobre Taxonomia de segurança_do_pacienteProqualis
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Proqualis
 
A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...
A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...
A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...CONITEC
 
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Milena de Oliveira Matos Carvalho
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Proqualis
 

Mais procurados (20)

Segurança do paciente na atenção primária à saúde
Segurança do paciente na atenção primária à saúdeSegurança do paciente na atenção primária à saúde
Segurança do paciente na atenção primária à saúde
 
Melhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMS
Melhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMSMelhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMS
Melhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMS
 
Atuar em equipe de forma eficaz - Tópico 4_Guia Curricular da OMS
Atuar em equipe de forma eficaz - Tópico 4_Guia Curricular da OMSAtuar em equipe de forma eficaz - Tópico 4_Guia Curricular da OMS
Atuar em equipe de forma eficaz - Tópico 4_Guia Curricular da OMS
 
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMSEnvolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
 
A compreensão dos sistemas e do efeito da complexidade nos cuidados ao pacien...
A compreensão dos sistemas e do efeito da complexidade nos cuidados ao pacien...A compreensão dos sistemas e do efeito da complexidade nos cuidados ao pacien...
A compreensão dos sistemas e do efeito da complexidade nos cuidados ao pacien...
 
Princípios da Investigação em Segurança do Paciente/Doente: Visão Geral
Princípios da Investigação em Segurança do Paciente/Doente: Visão GeralPrincípios da Investigação em Segurança do Paciente/Doente: Visão Geral
Princípios da Investigação em Segurança do Paciente/Doente: Visão Geral
 
Aprender com os erros para evitar danos - Tópico 5_Guia Curricular da OMS
Aprender com os erros para evitar danos - Tópico 5_Guia Curricular da OMSAprender com os erros para evitar danos - Tópico 5_Guia Curricular da OMS
Aprender com os erros para evitar danos - Tópico 5_Guia Curricular da OMS
 
Aula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentesAula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentes
 
Medir o dano
Medir o danoMedir o dano
Medir o dano
 
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
 
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/DoenteAprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
 
Disclosure (Abertura de Informação)
Disclosure  (Abertura de Informação)Disclosure  (Abertura de Informação)
Disclosure (Abertura de Informação)
 
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
 
Aula sobre Taxonomia de segurança_do_paciente
Aula sobre Taxonomia de segurança_do_pacienteAula sobre Taxonomia de segurança_do_paciente
Aula sobre Taxonomia de segurança_do_paciente
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
 
Segurança do paciente pediátrico
Segurança do paciente pediátricoSegurança do paciente pediátrico
Segurança do paciente pediátrico
 
A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...
A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...
A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...
 
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
 
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
 

Semelhante a Indicadores Perú 2014

Avaliacao gestao de riscos.pdf
Avaliacao gestao de riscos.pdfAvaliacao gestao de riscos.pdf
Avaliacao gestao de riscos.pdfFernando V. Ennes
 
Pesquisa de aceitação do checklist
Pesquisa de aceitação do checklistPesquisa de aceitação do checklist
Pesquisa de aceitação do checklistcmecc
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do pacienteHIAGO SANTOS
 
A Inserção da Cultura de Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica ...
A Inserção da Cultura de  Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica  ...A Inserção da Cultura de  Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica  ...
A Inserção da Cultura de Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica ...Portal da Inovação em Saúde
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemresenfe2013
 
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...MV
 
Infecção Hospitalar
Infecção HospitalarInfecção Hospitalar
Infecção Hospitalarguest6fe9cc
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE Guilherme Barcellos
 
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...Abilio Cardoso Teixeira
 
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoAula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoProqualis
 

Semelhante a Indicadores Perú 2014 (20)

Elena bohomol
Elena bohomolElena bohomol
Elena bohomol
 
Avaliacao gestao de riscos.pdf
Avaliacao gestao de riscos.pdfAvaliacao gestao de riscos.pdf
Avaliacao gestao de riscos.pdf
 
Pesquisa de aceitação do checklist
Pesquisa de aceitação do checklistPesquisa de aceitação do checklist
Pesquisa de aceitação do checklist
 
segurança do paciente
segurança do paciente segurança do paciente
segurança do paciente
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Janine Schirmer
Janine SchirmerJanine Schirmer
Janine Schirmer
 
TelessaúdeRS
TelessaúdeRSTelessaúdeRS
TelessaúdeRS
 
A Inserção da Cultura de Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica ...
A Inserção da Cultura de  Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica  ...A Inserção da Cultura de  Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica  ...
A Inserção da Cultura de Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica ...
 
Monitoramento e Qualidade na Atenção Obstétrica
Monitoramento e Qualidade na Atenção ObstétricaMonitoramento e Qualidade na Atenção Obstétrica
Monitoramento e Qualidade na Atenção Obstétrica
 
Aula de cateteres.pdf
Aula de cateteres.pdfAula de cateteres.pdf
Aula de cateteres.pdf
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
 
Manual de exames 2013 hermes-pardini
Manual de exames 2013 hermes-pardiniManual de exames 2013 hermes-pardini
Manual de exames 2013 hermes-pardini
 
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFCMedicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
 
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
 
Infecção Hospitalar
Infecção HospitalarInfecção Hospitalar
Infecção Hospitalar
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
 
SegurançA.Ppt2
SegurançA.Ppt2SegurançA.Ppt2
SegurançA.Ppt2
 
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
 
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoAula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
 
Cirurgiasegura
CirurgiaseguraCirurgiasegura
Cirurgiasegura
 

Mais de Cmp Consejo Nacional

Tratamiento de la falla cardiaca crónica
Tratamiento de la falla cardiaca crónicaTratamiento de la falla cardiaca crónica
Tratamiento de la falla cardiaca crónicaCmp Consejo Nacional
 
Manejo inicial de los síndromes coronarios agudos sin
Manejo inicial de los síndromes coronarios agudos sinManejo inicial de los síndromes coronarios agudos sin
Manejo inicial de los síndromes coronarios agudos sinCmp Consejo Nacional
 
MANEJO INICIAL DE LOS SÍNDROMES CORONARIOS AGUDOS SIN ELEVACIÓN DEL SEGMENTO ST
MANEJO INICIAL DE LOS SÍNDROMES CORONARIOS AGUDOS SIN ELEVACIÓN DEL SEGMENTO STMANEJO INICIAL DE LOS SÍNDROMES CORONARIOS AGUDOS SIN ELEVACIÓN DEL SEGMENTO ST
MANEJO INICIAL DE LOS SÍNDROMES CORONARIOS AGUDOS SIN ELEVACIÓN DEL SEGMENTO STCmp Consejo Nacional
 
Presentación del síndrome coronario agudo en el servicio de emergencia
Presentación del síndrome coronario agudo en el servicio de emergenciaPresentación del síndrome coronario agudo en el servicio de emergencia
Presentación del síndrome coronario agudo en el servicio de emergenciaCmp Consejo Nacional
 
European Heart Journal Advance Access published June 28, 2011
European Heart Journal Advance Access published June 28, 2011European Heart Journal Advance Access published June 28, 2011
European Heart Journal Advance Access published June 28, 2011Cmp Consejo Nacional
 
CRISIS HIPERTENSIVAS: antihipertensivos endovenosos
CRISIS HIPERTENSIVAS: antihipertensivos endovenososCRISIS HIPERTENSIVAS: antihipertensivos endovenosos
CRISIS HIPERTENSIVAS: antihipertensivos endovenososCmp Consejo Nacional
 
FARMACOLOGIA DE LOS ANTIAGREGANTES PLAQUETARIOS
FARMACOLOGIA DE LOS ANTIAGREGANTES PLAQUETARIOSFARMACOLOGIA DE LOS ANTIAGREGANTES PLAQUETARIOS
FARMACOLOGIA DE LOS ANTIAGREGANTES PLAQUETARIOSCmp Consejo Nacional
 
Avance de las tecnologías para la Seguridad del Paciente
Avance de las tecnologías para la Seguridad del Paciente Avance de las tecnologías para la Seguridad del Paciente
Avance de las tecnologías para la Seguridad del Paciente Cmp Consejo Nacional
 
Herramientas Cuantitativas de Calidad
Herramientas Cuantitativas de CalidadHerramientas Cuantitativas de Calidad
Herramientas Cuantitativas de CalidadCmp Consejo Nacional
 
Involucrando a los Médicos en la Agenda de Calidad y Seguridad del Paciente
Involucrando a los Médicos en la Agenda de Calidad y Seguridad del PacienteInvolucrando a los Médicos en la Agenda de Calidad y Seguridad del Paciente
Involucrando a los Médicos en la Agenda de Calidad y Seguridad del PacienteCmp Consejo Nacional
 
¿Por qué Incluir la Seguridad del Paciente en la Curricula del Pregrado?
¿Por qué Incluir la Seguridad del Paciente en la Curricula del Pregrado?¿Por qué Incluir la Seguridad del Paciente en la Curricula del Pregrado?
¿Por qué Incluir la Seguridad del Paciente en la Curricula del Pregrado?Cmp Consejo Nacional
 
Curso Internacional de Calidad y Seguridad del Paciente II
Curso Internacional de Calidad y Seguridad del Paciente IICurso Internacional de Calidad y Seguridad del Paciente II
Curso Internacional de Calidad y Seguridad del Paciente IICmp Consejo Nacional
 
Presentación Calidad y Seguridad del Paciente
Presentación Calidad y Seguridad del PacientePresentación Calidad y Seguridad del Paciente
Presentación Calidad y Seguridad del PacienteCmp Consejo Nacional
 

Mais de Cmp Consejo Nacional (20)

Tratamiento de la falla cardiaca crónica
Tratamiento de la falla cardiaca crónicaTratamiento de la falla cardiaca crónica
Tratamiento de la falla cardiaca crónica
 
Taquiarritmias
TaquiarritmiasTaquiarritmias
Taquiarritmias
 
Nitratos diureticos HNDAC
Nitratos diureticos  HNDACNitratos diureticos  HNDAC
Nitratos diureticos HNDAC
 
Manejo inicial de los síndromes coronarios agudos sin
Manejo inicial de los síndromes coronarios agudos sinManejo inicial de los síndromes coronarios agudos sin
Manejo inicial de los síndromes coronarios agudos sin
 
MANEJO INICIAL DE LOS SÍNDROMES CORONARIOS AGUDOS SIN ELEVACIÓN DEL SEGMENTO ST
MANEJO INICIAL DE LOS SÍNDROMES CORONARIOS AGUDOS SIN ELEVACIÓN DEL SEGMENTO STMANEJO INICIAL DE LOS SÍNDROMES CORONARIOS AGUDOS SIN ELEVACIÓN DEL SEGMENTO ST
MANEJO INICIAL DE LOS SÍNDROMES CORONARIOS AGUDOS SIN ELEVACIÓN DEL SEGMENTO ST
 
Manejo de dislipidemias
Manejo de dislipidemiasManejo de dislipidemias
Manejo de dislipidemias
 
Fisiologia de los lipidos
Fisiologia de los lipidosFisiologia de los lipidos
Fisiologia de los lipidos
 
Fibrilación auricular
Fibrilación auricularFibrilación auricular
Fibrilación auricular
 
Presentación del síndrome coronario agudo en el servicio de emergencia
Presentación del síndrome coronario agudo en el servicio de emergenciaPresentación del síndrome coronario agudo en el servicio de emergencia
Presentación del síndrome coronario agudo en el servicio de emergencia
 
European Heart Journal Advance Access published June 28, 2011
European Heart Journal Advance Access published June 28, 2011European Heart Journal Advance Access published June 28, 2011
European Heart Journal Advance Access published June 28, 2011
 
CRISIS HIPERTENSIVAS: antihipertensivos endovenosos
CRISIS HIPERTENSIVAS: antihipertensivos endovenososCRISIS HIPERTENSIVAS: antihipertensivos endovenosos
CRISIS HIPERTENSIVAS: antihipertensivos endovenosos
 
Riesgo cardiovascular en latinos
Riesgo cardiovascular en latinosRiesgo cardiovascular en latinos
Riesgo cardiovascular en latinos
 
FARMACOLOGIA DE LOS ANTIAGREGANTES PLAQUETARIOS
FARMACOLOGIA DE LOS ANTIAGREGANTES PLAQUETARIOSFARMACOLOGIA DE LOS ANTIAGREGANTES PLAQUETARIOS
FARMACOLOGIA DE LOS ANTIAGREGANTES PLAQUETARIOS
 
Avance de las tecnologías para la Seguridad del Paciente
Avance de las tecnologías para la Seguridad del Paciente Avance de las tecnologías para la Seguridad del Paciente
Avance de las tecnologías para la Seguridad del Paciente
 
Herramientas Cuantitativas de Calidad
Herramientas Cuantitativas de CalidadHerramientas Cuantitativas de Calidad
Herramientas Cuantitativas de Calidad
 
Involucrando a los Médicos en la Agenda de Calidad y Seguridad del Paciente
Involucrando a los Médicos en la Agenda de Calidad y Seguridad del PacienteInvolucrando a los Médicos en la Agenda de Calidad y Seguridad del Paciente
Involucrando a los Médicos en la Agenda de Calidad y Seguridad del Paciente
 
¿Por qué Incluir la Seguridad del Paciente en la Curricula del Pregrado?
¿Por qué Incluir la Seguridad del Paciente en la Curricula del Pregrado?¿Por qué Incluir la Seguridad del Paciente en la Curricula del Pregrado?
¿Por qué Incluir la Seguridad del Paciente en la Curricula del Pregrado?
 
Curso Internacional de Calidad y Seguridad del Paciente II
Curso Internacional de Calidad y Seguridad del Paciente IICurso Internacional de Calidad y Seguridad del Paciente II
Curso Internacional de Calidad y Seguridad del Paciente II
 
Gestión de la Seguridad de Red
Gestión de la Seguridad de RedGestión de la Seguridad de Red
Gestión de la Seguridad de Red
 
Presentación Calidad y Seguridad del Paciente
Presentación Calidad y Seguridad del PacientePresentación Calidad y Seguridad del Paciente
Presentación Calidad y Seguridad del Paciente
 

Último

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...LuisCSIssufo
 
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulaoTeorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulaoEduardoBarreto262551
 
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoRevisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoAlessandraRaiolDasNe
 
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptSistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptMrciaVidigal
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
O Modelo Atômico de Dalton - Carlos Vinicius
O Modelo Atômico de Dalton - Carlos ViniciusO Modelo Atômico de Dalton - Carlos Vinicius
O Modelo Atômico de Dalton - Carlos ViniciusVini Master
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Último (17)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
 
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulaoTeorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
 
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoRevisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
 
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptSistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
O Modelo Atômico de Dalton - Carlos Vinicius
O Modelo Atômico de Dalton - Carlos ViniciusO Modelo Atômico de Dalton - Carlos Vinicius
O Modelo Atômico de Dalton - Carlos Vinicius
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 

Indicadores Perú 2014

  • 1. Indicadores Elenara Ribas Hospital Mãe de Deus
  • 2. HOSPITAL MÃE DE DEUS ANO EMPLEADOS 2.460 CAMAS 345
  • 3. 1.407 camas 65% camas al sistema de salud pública 1.451.542 Personas atendidas em 2013
  • 4. Mensuração • “Embora possa parecer um paradoxo, toda ciência exata se baseia na ideia de aproximação. Se um homem lhe afirmar que conhece algo exatamente, você pode ter certeza ao inferir que esta falando com um homem inexato” • Bertrand Russell • O que é? Um conjunto de observações que reduzem a incerteza quando o resultado é expresso como uma quantidade
  • 5. INDICADORES E MOTIVAÇÃO 5 • INDICADORES funcionam como ferramentas que conduzem ao comportamento desejado; • Dão aos indivíduos o direcionamento que precisam para atingir a estratégia da organização; •As pessoas respondem ao que é comunicado e não o que é esperado;
  • 6. Indicadores • Atributos: • Validade • Precisão • Reprodutibilidade • Oportunidade • Comparabilidade-Sensibilidade/ especificidade • Viés de seleção e de informação • Facilidade • Interpretabilidade • Custo
  • 7. Foco • Estrutura • Processo • Resultado • Tendência – driver • Comparação • Individual • Grupo
  • 8. segurança • O que é? Conhecimento dos eventos Complicações clinicas Fisica Não sofrer dano previsível Não sofrer dano
  • 9. Altamente recomendáveis Checklist perioperatório e anestésico Pacotes que incluem checklist de prevenção de infecção de cateter venoso central Intervenções para reduzir o uso de cateter urinário Pacotes para reduzir pneumonia associada a ventilação mecânica Higiene de mãos Lista de abreviações não utilizáveis Prevenção de lesões de pressão Precauções para evitar infecções associadas a assistência Intervenções para profilaxia de trombose venosa Intervenções para reduzir quedas Farmácia clínica para reduzir eventos adversos relacionados a drogas Documentação de preferencias do paciente quanto a manutenção da vida Obtenção de consentimento informado Treinamento de times Reconciliação medicamentosa Redução da exposição a radiação da TC e fluoroscopia Sistemas de resposta rápida Uso de métodos complementares para detecção de eventos adversos ou erros Exercícios de simulação Ann Intern Med. 2013;158(5_Part_2):365-368
  • 10. • Suspeita • Busca ativa de casos ( trigger) • Acesso a microbiologia • Qualidade de laboratório • 3 diferentes definições de infecção: • Associada (CLABSI/CABSI); • Relacionada (CRBSI); • Suspeita
  • 11. Como medir segurança ? Processo Resultado
  • 12. Direcionadores Missão e visão • Segurança como estratégia • Focos estratégicos Epidemiologia • Necessidades da população atendida Direcionadores externos • Legislação • Acreditação • Certificação Profissionais • Preocupações • Valores
  • 14.
  • 15.
  • 17. QUALISS – programa de qualificação dos prestadores
  • 18. • Se voce não está medindo, não está gerenciando • Se voce está medindo erroneamente, não está gerenciando • Se voce está somente medindo, não está gerenciando • (adaptado Prof Mary-Dixon-Woods -citado em ISQUA 2014)
  • 19.
  • 20. Eventos passados • O cuidado foi seguro ? Mensuração de segurança Confiável • Os nossos sistemas e processos são confiáveis ? Sensibilidade das operações • O cuidado é seguro hoje? Integração e aprendizagem • Estamos melhorando? Antecipação e preparação • O cuidado será seguro no futuro? A framework for measuring and monitoring safety The Health Foundation 2014
  • 21. Mortalidade por patologia ( DRG) Revisão de prontuários ( trigger) Notificações Proporção de pacientes avaliados para risco de úlcera de pressão Auditoria de processos .
  • 22. Round de segurança Entrevistas com o paciente Reclamações Analise da cultura de segurança Treinamentos FMEA
  • 23. Processos específicos: Higiene de mãos Medicação Infecção
  • 24. Estratégico Matriz das áreas Resultados categorias Matriz das especialidades e institutos médicos Resultados individuais
  • 25. AÇÕES DE SEGURANÇA 1 . Identificação do Paciente 7,65 2 . Confirmação da Informação Verbal 3,88 3 . Segurança de Medicamentos de Alta Vigilância 7,65 4. Cirurgia Segura Realização do checklist Marcação de lateralidade 4,07 8,16 5 . Higiene de mãos ( SR, CTIA, CTI neo, Emergencia, UCE) 2,82 6 . Numero de quedas por 1000 pacientes-dia 17,51 GLOBAIS 7.Incidência de Ulcera de pressão por 1000 pacientes-dia 12,61 8.Taxa de prescrição até 15h 22,89 9.Incidência de FLEBITE em pacientes internados 7,30
  • 26. CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA (ADULTO E PEDIÁTRICO) 10.Readmissão em < 48h 0,41 11. Taxa de Pneumonia associado a VMI 0,13 12.Taxa de Infecção de Corrente Sanguíneas associada a cateter 2,18 CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL 13.Taxa de Pneumonia em RN de baixo peso 0,21 14. Infecção em cateter em RN de baixo peso 0,54 CENTRO CIRÚRGICO 15. Taxa de Uso de antibiotico profilático na indução anestésica 0,21 16.Taxa de pacientes com infecção após cirurgia Limpa 0,21 CENTRO OBSTÉTRICO 17.Taxa de utilização de Cefazolina na Indução Anestésica ( escolha Correta) 0,50 18.Retorno da mãe à sala de parto ou ao CO, devido a alguma complicação 0,58 19.Taxa de pacientes com infecção após cirurgia Limpa 0,50
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. Identificar objetivos Revisar evidências Preparação para auditoria Amostragem Seleção dos critérios Desenho do questionário Mensurar resultado Estudo piloto Sustentando a melhoria Implantando a melhoria Benchmarking Melhoria contínua da qualidade Analisar as mudanças Escolher o tópico Coletar dados Analisar dados Feedback do resultado Programar nova auditoria Auditoria Clínica -Gestão da Eficácia Clínica Dario Fortes Ferreira
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41. Resultados Globais 2010 2011 2012 Real Esperado R/E Real Esperado R/E Real Esperado R/E INSTITUTO DO CÂNCER N 709 1.195 327 Idade 58,51 60,09 60,55 Mortalidade 9,31% 6,14% 1,51 11,72% 8,05% 1,45 9,48% 7,02% 1,35 Permanência 8,62 7,21 1,20 8,71 7,54 1,16 7,58 7,16 1,06 Permanência Ajustada 7,26 6,29 1,15 6,53 6,25 1,04 6,22 6,10 1,02 Perm Pré op U 5,00 5,13 0,98 5,90 5,17 1,14 4,95 6,32 0,78 Perm Pré Op E 1,51 1,58 0,96 1,64 1,82 0,90 0,99 1,53 0,64 Faturamento Real 11.059,40 8.505,00 1,30 12.843,02 10.906,24 1,18 11.901,38 9.712,64 1,23 Faturamento Ponderado 12.837,33 9.914,09 1,29 14.071,70 12.070,60 1,17 13.165,00 11.010,73 1,20 Custo 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Margem Real 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Margem Ponderada 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 CMA 53,61% 70,17% 0,76 61,68% 79,00% 0,78 72,73% 80,42% 0,90 Reinternação 30 31,31% 26,45% 1,18 30,79% 28,31% 1,09 18,65% 26,76% 0,70 Reinternação 60 39,49% 34,19% 1,16 39,83% 36,79% 1,08 21,41% 33,62% 0,64 Reinternação 90 43,86% 38,21% 1,15 44,44% 41,10% 1,08 21,41% 36,99% 0,58
  • 42. DRGs Críticos: Mortalidade Mortalidade DRG 2 Craniotomia, idade >17 anos, sem CC 20010-2012 N Real Esperado Diferença Impacto DESVINCULADO DE INSTITUTOS 31 19,4% 9,3% 10,1% 3,13 INSTITUTO DA MULHER 0 INSTITUTO DE DOENÇAS RESPIRATORIAS 5 20,0% 9,3% 10,7% 0,54 INSTITUTO DE MEDICINA VASCULAR 174 6,9% 9,3% -2,4% -4,11 INSTITUTO DE TRAUMATO-ORTOPEDIA 0 INSTITUTO DO CÂNCER 6 16,7% 9,3% 7,4% 0,44
  • 43.