SlideShare uma empresa Scribd logo

Aula de-cabeamento-03 606

C
clopes005

norma eia/tia 565

1 de 6
Baixar para ler offline
1
EIA/TIA 606
Administração do Cabeamento
Estruturado
AdministraAdministraçção do Cabeamento Estruturadoão do Cabeamento Estruturado
As áreas da infra-estrutura a serem administradas compreendem:
Terminações para meios de telecomunicações localizados nas
Work Areas; Telecommunication Room, Equipment Rooms e
Entrance Facilities;
Os meios de telecomunicações (cabos) entre os pontos de
terminação;
Dutos e passagens;
Os espaços (room) onde as terminações estão localizadas;
Componentes elétricos e de aterramento aplicados a
telecomunicações.
Componentes EssenciaisComponentes Essenciais
Identificadores (identifiers): etiquetas, código de cores;
Registros (records): Informações mandatórias e
interligações;
Interligações (linkages): define a conexão entre
identificadores e registros;
Código do usuário (User Code): associa uma terminação
com um registro;
Apresentação de informações como-: relatórios, desenhos e
ordens de serviços (Work Orders).
Exemplo de identificaExemplo de identificaçção do REGISTROão do REGISTRO
de um cabo (C0001)de um cabo (C0001)
INFORMAÇÕES MANDATÓRIAS COMENTÁRIOS
Identificador de cabo C0001 identificador s/código para cabo C0001
Tipo de cabo 4 pares UTP cat.3
N: de pares, não terminados 0 pares/condutores não terminados
N: de pares danificados 0 pares/condutores danificados
N: de pares não utilizados0 pares/condutores não utilizados
INTERLIGAÇÕES
Extremidade 1 / Extremidade 2
Identificador dos pares 1-4 J001 3A-C17-001 Identificação das terminações do C0001
Identificador de emenda N/A Não aplicável
Identificador do duto CD34 Conduíte CD34
Identificador do aterramento N/A Não aplicável
INFORMAÇÕES OPCIONAIS
Comprimento do cabo 50 m
CUP N/A Não possui código universal de produto
Responsável
Outros
OUTRAS INTERLIGAÇÕES
Identificador do equipamento PC1583 Ligação ao equipamento hub 1
AsAs BuiltBuilt
IdentificadoresIdentificadores
Identificadores de cabos;
Identificadores dos hardwares de conexão;
Identificadores das posições de terminação;
Identificadores de dutos;
Identificadores de espaços.
Esquema de CoresEsquema de Cores
A cor laranja - terminações da sala de entrada do câmpus.
A cor verde - conexões da rede com serviços auxiliares.
A cor violeta - terminações de equipamentos ativos hub’s,
switches, etc.
A cor branca - Terminações do backbone num edifício com MC-IC
ou MC-TR.
A cor cinza - Terminações backbone para interligações de
pavimentos.
A cor azul - Terminações do cabeamento horizontal, identificam
terminações para as estações no TR e Equipment Room. Esta cor
não se aplica à Work Area.
A cor amarela - Terminações de equipamentos. auxiliares
(segurança, alarmes).
A cor vermelha - Normalmente identifica circuitos telefônicos.
2
TTóópicospicos dada Norma NBR 14565Norma NBR 14565
ponto de telecomunicações nas áreas de trabalho;
armários de telecomunicações, salas de equipamentos e
sala de entrada de telecomunicações;
meios de transmissão utilizados entre essas
terminações;
caminhos entre as terminações que contenham os
meios de transmissão;
espaço onde as terminações estão executadas;
componentes e meios utilizados para o aterramento e
vinculação de terra que se aplique a telecomunicações.
PATCH
CORD
equipto
PATCH
PANEL
CABEAMENTO
SECUNDÁRIO
Tomada
“wall”
PATCH
CORD
usuário
ÁÁrearea dede trabalhotrabalho
Início do
Canal
Conector “undercarpet”
ou no mobiliário
Fim do
Canal
ArmArmááriorio dede TelecomunicaTelecomunicaççõesões
Canal HorizontalCanal Horizontal ouou Link canalLink canal
Os resultados não incluem as
contribuições dos patch cords do
equipamento
Fim do
Link
Fim do
Link
PATCH
CORD
do
SCANNER
tomada
PATCH
CORD
do
SCANNER
AREA DE TRABALHOAREA DE TRABALHO
Patch
Panel
CABEAMENTO
SECUNDÁRIO
ARMARMÁÁRIO DE TELECOMRIO DE TELECOM
Permanent LinkPermanent Link
Capítulo 4
Técnicas e Cuidados
para a Instalação do
Cabeamento
OOOOs cabos UTP devem ser lançados obedecendo-se o raio de
curvatura mínimo do cabo que é de 4 vezes o diâmetro do cabo, ou
seja, 21,2 mm;
Os cabos UTP devem ser lançados ao mesmo tempo em que são
retirados das caixas ou bobinas e preferencialmente de uma só
vez;
Os cabos UTP devem ser lançados obedecendo-se à carga de
tracionamento máximo, que não deverá ultrapassar o valor de 11,3
kgf.
TTéécnicas e cuidados para o Instalacnicas e cuidados para o Instalaççãoão
do Cabeamentodo Cabeamento
Os cabos UTP não devem ser estrangulados, torcidos ou
prensados, com o risco de provocar alterações nas
características originais;
No caso de haver grandes sobras de cabos UTP, deverão ser
armazenadas preferencialmente em bobinas;
Cuidado com a reutilização de cabos UTP de outras
instalações;
Cada lance de cabo UTP não deverá ultrapassar o
comprimento máximo de 90 metros, incluindo as sobras;
Todos os cabos UTP devem ser identificados com materiais
resistentes ao lançamento, para serem reconhecidos e
instalados em seus respectivos pontos;
Não utilize produtos químicos, como vaselina, sabão,
detergentes, etc., para facilitar o lançamento dos cabos UTP
no interior de dutos.
TTéécnicas e Cuidados para ocnicas e Cuidados para o
InstalaInstalaçção do Cabeamentoão do Cabeamento
3
Evite lançar cabos UTP no interior de dutos que contenham umidade
excessiva e não permita que os cabos UTP fiquem expostos a intempéries;
Os cabos UTP não devem ser lançados em infra-estruturas que apresentem
arestas vivas ou rebarbas tais que possam provocar danos;
A temperatura máxima de operação permissível ao cabo é de 60ºC;
Os cabos UTP devem ser decapados somente nos pontos de
conectorização;
Jamais poderão ser feitas emendas nos cabos UTP, com o risco de
provocar um ponto de oxidação e provocar falhas na comunicação;
Se instalar os cabos UTP na mesma infra-estrutura com cabos de energia
e/ou aterramento, deve haver uma separação física de proteção e devem
ser considerados circuitos com 20 A/127 V ou 13 A/220V.
TTéécnicas e Cuidados para o Instalacnicas e Cuidados para o Instalaççãoão
do Cabeamentodo Cabeamento
Quando a infra-estrutura não for composta de materiais
metálicos, CUIDADO com fontes de energia eletromagnética;
Após o lançamento, os cabos UTP devem ser acomodados
adequadamente de forma que os mesmos possam receber
acabamentos, isto é, amarrações e conectorizações;
Os cabos UTP devem ser agrupados em forma de “chicotes”,
evitando-se trançamentos, estrangulamentos e nós;
Posteriormente devem ser amarrados com velcros para que
possam permanecer fixos sem, contudo, apertar excessivamente
os cabos;
TTéécnicas e cuidados para o Instalacnicas e cuidados para o Instalaççãoão
do Cabeamentodo Cabeamento
• Manter os cuidados tomados quando do lançamento, como os
raios de mínimos de curvatura, torções, prensamento e
estrangulamento;
• Tomadas: Deve ser deixado folga de 30 cm;
• Nas Salas de Telecomunicações: 3 metros;
• Nas terminações, isto é, nos racks ou brackets evitar que o
cabo fique exposto o menos possível, minimizando os riscos
de o mesmo ser danificado acidentalmente.
TTéécnicas e cuidados para o Instalacnicas e cuidados para o Instalaççãoão
do Cabeamentodo Cabeamento
Conectorização de cabos UTP
• No momento da conectorização, os pares
trançados dos condutores não deverão ser
destrançados mais que a medida de 13 mm.
• Na medida do possível, os cabos deverão ser
destrançados e decapados o mínimo possível.
• No momento da conectorização, atentar para o
padrão de pinagem (EIA/TIA -568 A ou B) dos
conectores RJ-45 e patch panels.
• Após a conectorização, tomar o máximo
cuidado para que o cabo não seja prensado,
torcido ou estrangulado.
ConectorizaConectorizaçção em tomadas modulares de 8 viasão em tomadas modulares de 8 vias
Montagem do Cabo em 180°ou 90°
Maior facilidade na montagem da caixa
Conectores modulares de 8 viasConectores modulares de 8 vias
1
2
3 4
T- 568 A T- 568 B
1
3
2 4
1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8
4
InstalaInstalaççãoão PatchPatch PanelPanel
Identificação do Fabricante
Certificação
Identificação da Categoria
Identificação do Número da Porta (1-24)
Orientação para fixação do par 1
Contatos em Ângulo de 45°- Maior distância relativa entre pares
Melhor desempenho em Diafonia (NEXT, FEXT)
Identificação de Montagem
Universal (568 A/B)
PatchPatch PanelPanel
PatchPatch PanelPanel Blocos de Conexão 110 IDCBlocos de Conexão 110 IDC
1 BRANCO AZUL
2 BRANCO LARANJA
3 BRANCO VERDE
4 BRANCO MARROM
5 BRANCO CINZA
6 VERMELHO AZUL
7 VERMELHO LARANJA
8 VERMELHO VERDE
9 VERMELHO MARROM
10 VERMELHO CINZA
11 PRETO AZUL
12 PRETO LARANJA
13 PRETO VERDE
14 PRETO MARROM
15 PRETO CINZA
16 AMARELO AZUL
17 AMARELO LARANJA
18 AMARELO VERDE
19 AMARELO MARROM
20 AMARELO CINZA
21 ROXO AZUL
22 ROXO LARANJA
23 ROXO VERDE
24 ROXO MARROM
25 ROXO CINZA
Blocos de ConexãoBlocos de Conexão 110110 IDCIDC Blocos de ConexãoBlocos de Conexão 110110 IDCIDC
5
Capítulo 5
Certificação de
Sistemas em Rede
AA CertificaCertificaççãoão dada RedeRede
Utilização de um Cable SCANNER;
Teste dos parâmetros elétricos do cabo com base em normas;
Detecção de falhas no cabeamento;
Emissão de relatórios que irão fazer parte do “AS-BUILT”;
Garantia para o cliente de que o cabeamento está normatizado;
Normas a seguir:
TIA / EIA 568-B(EEUU)
ISO / IEC 11801 (Europa)
ABNT (Brasil)
DSP-2000DSP-4000
Deverá ser empregado equipamento de medição compatível
com o meio a ser testado:
Categoria 5e
Categoria 6
Os resultados de todas as medições deverão ser registrados
pelo equipamento de teste, armazenados em meio magnético
(disquetes de 3 ½”) e impressos em papel timbrado.
AA CertificaCertificaççãoão dada RedeRede
Equipamentos de teste:
Mapeador de cabos (cable mapper) - NÃO CERTIFICAM;
Testador de cabos (scanners) - CERTIFICAM;
OTDR’s (ópticos) - CERTIFICAM;
Analisadores de Rede - NÃO CERTIFICAM.
Certificação:
Consiste em colher parâmetros do cabeamento instalado que
possibilitem demonstrar a qualidade geral do mesmo. Este rocesso
de certificação deve ser realizado antes do Sistema em rede ser
ativado.
AA CertificaCertificaççãoão dada RedeRede
AA CertificaCertificaççãoão dada RedeRede
Certificação do cabeamento: envolve uma série de etapas que
avaliam os principais parâmetros do cabeamento da rede;
- Comprimento máximo dos lances;
- Mapeamento de condutores;
- Paradiafonia (NEXT);
- Impedância do cabo;
- Atenuação do cabo;
- ACR (atenuação x NEXT);
- Return Loss (perda de retorno).
RefletometriaRefletometria
6
Exemplo da Tela do SCANNERExemplo da Tela do SCANNER
Teste do par
Curvatura limite da norma
O cursor indica a pior Margem
O valor em dB onde o cursor
está, a frequência que ocorreu e
a margem entre os valores
Figuras cedidas pela
Tela do SCANNERTela do SCANNER
O cursor indica a pior Margem
Teste dos pares
Curvatura limite da norma
O valor em dB onde o cursor
está, a frequência que
ocorreu e a margem entre os
valores
Figuras cedidas pela
RelatRelatóório gerado por um SCANNERrio gerado por um SCANNER
FURUKAW A INDUSTRIAL S.A. TestSum mary : PASS
SITE:S. PAULO Cable ID: SD5-PP01-03
OPERATO R: DEPTO DE INSTALACOES Date / Tim e :16/07/96 10:29:06
NVP: 6 9 , 0 % FAULT ANO M ALY THRESHO LD: 1 5 % TestStandard :T I A Cat5
Channel
AVERAG E CABLE TEM PERATURE : 21-30C ( 69-86F ) Cable Type :UTP 100 Ohm Cat 5
W ire M ap PASS Result RJ45 PIN: 1 2 3 4 5 6 7 8 S
| | | | | | | |
RJ45 PIN: 1 2 3 4 5 6 7 8
Pair 1,2 3,6 4,5 7,8
Impedance (ohm s ) 111 107 109 96
Lim it (ohm s ) 80-120 80-120 80-120 80-120
Result PASS PASS PASS PASS
Length ( m ) 58,5 59,4 59,0 60,0
Lim it (m ) 100,0 100,0 100,0 100,0
Result PASS PASS PASS PASS
Prop. Delay (n s ) 283 287 285 290
Resistance ( ohm s ) 10,7 11,0 11,7 13,7
Attenuation ( dB ) 11,5 12,0 12,1 12,6
Lim it (dB ) 24,5 24,5 24,5 24,5
M argin (dB ) 13,0 12,5 12,4 11,9
M argin ( % ) 53,1 51,0 50,6 48,6
Frequency (M Hz ) 100,0 100,0 100,0 100,0
Result PASS PASS PASS PASS
Pairs 1,2-3,6 1,2-4,5 1,2-7,8 3,6-4,5 3,6-7,8 4,5-7,8
NEXT (dB ) 51,2 59,2 51,5 38,2 49,4 61,0
Lim it (dB ) 42,3 48,5 37,4 31,2 40,1 49,9
M argin (dB ) 8,9 10,7 14,1 7,0 9,3 11,1
Frequency (M Hz ) 12,8 5,4 25,0 57,4 17,2 4,4
Result PASS PASS PASS PASS PASS PASS
Defeitos em CampoDefeitos em Campo
• Excesso de conexões no link – verifique se as conexões estão de
acordo, verifique estado das ferramentas (deformação da alicate de
crimpagem e pressão punch down);
• Excesso de aplicações no mesmo cabeamento – cuidado com
aplicações simultâneas de voz e dados (lembre-se que os ramais
normalmente são analógicos e os sinais também). Procure trabalhar
se for o caso, com sinais de natureza digitais;
• Verificar a qualidade dos acessórios empregados (patch panel,
fêmeas e machos) podem ser de outra categoria (menos cat5, 5e ou
6);
Erros de NEXT:
• Cordões de manobra devem ser construídos de fios flexíveis;
• Verifique o correto destrançamento máximo dos pares (13mm);
• Certifique-se que os pares lógicos estão trançados na mesma trança;
• Atente ao ambiente externo – procure realizar a “autocalibração” do
scanner antes de iniciar os testes. Cuidado com fontes de ruído externos
(no-breaks, lâmpadas fluorescentes, máquinas de xerox, elevadores e
ambientes eletricamente ruidosos com a av. Paulista por exemplo).
Erros de NEXT:
Defeitos em CampoDefeitos em Campo
Erros de ATENUAÇÃO:
• Categoria inadequada do cabo e acessórios e acerto do NVP errado;
• Comprimento excessivo e conexões mal feitas no patchpanel, machos ou
fêmeas ( conectorize novamente ). Verifique se os patch cords são de cabos
flexíveis.
Erros de ACR:
• Categoria dos acessórios errada e conexões mal realizadas;
• Cordões de manobra de cabos não flexíveis, comprimento excessivo e NVP
mal ajustado.
Erros de IMPEDÂNCIA:
• Cuidado com medições de lances inferiores a 15m (o scanner mostra a
mensagem “ovr” ou “ * ”). Verificar metragem máxima do lance.
Erros de CAPACITÂNCIA:
• Cabos rompidos, blindagem ou condutores em curto. Ruído excessivo no
cabo.
Defeitos em CampoDefeitos em Campo

Recomendados

Manual ati teka_vf
Manual ati teka_vfManual ati teka_vf
Manual ati teka_vfjomagon
 
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011Renan Amicuchi
 
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede Elétrica
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede ElétricaCabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede Elétrica
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede ElétricaEduardo D'Avila
 
Cabeamento estruturado furukawa
Cabeamento estruturado   furukawaCabeamento estruturado   furukawa
Cabeamento estruturado furukawaprofandreson
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cabeamento extruturado infra extrutura de redes
Cabeamento extruturado infra extrutura de redesCabeamento extruturado infra extrutura de redes
Cabeamento extruturado infra extrutura de redesChristopher Moreira
 
Leitor de RFID Portátil Mc9190-G
Leitor de RFID Portátil Mc9190-GLeitor de RFID Portátil Mc9190-G
Leitor de RFID Portátil Mc9190-GScanSource Brasil
 
Apresentação Bluetooth
Apresentação BluetoothApresentação Bluetooth
Apresentação Bluetoothsafetycontrol
 
Cabeamento Predial e Industrial
Cabeamento Predial e IndustrialCabeamento Predial e Industrial
Cabeamento Predial e IndustrialBruna Alves
 
Cabeamento Estruturado
Cabeamento EstruturadoCabeamento Estruturado
Cabeamento EstruturadoAnderson Zardo
 
Aula cabeamento estruturado Eia/Tia
Aula cabeamento  estruturado Eia/TiaAula cabeamento  estruturado Eia/Tia
Aula cabeamento estruturado Eia/TiaOsimar Almeida
 
Redes cabeamento estruturado
Redes   cabeamento estruturadoRedes   cabeamento estruturado
Redes cabeamento estruturadorobinhoct
 
Aula05 - cabeamento estruturado - parte 02
Aula05 - cabeamento estruturado - parte 02Aula05 - cabeamento estruturado - parte 02
Aula05 - cabeamento estruturado - parte 02Carlos Veiga
 
Apresentação automação wago
Apresentação automação wagoApresentação automação wago
Apresentação automação wagosafetycontrol
 
Cab estruturado-unidade3
Cab estruturado-unidade3Cab estruturado-unidade3
Cab estruturado-unidade3Leandro Almeida
 
Arvore codificacao hd2
Arvore codificacao hd2Arvore codificacao hd2
Arvore codificacao hd2silvamtt2003
 
Apresentação Fatec Norma 569-B
Apresentação Fatec Norma 569-BApresentação Fatec Norma 569-B
Apresentação Fatec Norma 569-BReginaldo F. Lopes
 
Aula04 - cabeamento estruturado - parte 01
Aula04 - cabeamento estruturado - parte 01Aula04 - cabeamento estruturado - parte 01
Aula04 - cabeamento estruturado - parte 01Carlos Veiga
 
Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturado Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturado Cesar Augusto
 
Telefone Conveniencia Sistema + Portaria Video Porteiro
Telefone Conveniencia Sistema + Portaria Video PorteiroTelefone Conveniencia Sistema + Portaria Video Porteiro
Telefone Conveniencia Sistema + Portaria Video PorteiroJose Sousa
 

Mais procurados (20)

Cabeamento extruturado infra extrutura de redes
Cabeamento extruturado infra extrutura de redesCabeamento extruturado infra extrutura de redes
Cabeamento extruturado infra extrutura de redes
 
Leitor de RFID Portátil Mc9190-G
Leitor de RFID Portátil Mc9190-GLeitor de RFID Portátil Mc9190-G
Leitor de RFID Portátil Mc9190-G
 
Mc319z
Mc319zMc319z
Mc319z
 
Manual alarme aw-201
Manual   alarme   aw-201Manual   alarme   aw-201
Manual alarme aw-201
 
Apresentação Bluetooth
Apresentação BluetoothApresentação Bluetooth
Apresentação Bluetooth
 
MTP6000 Series Accessories (português)
MTP6000 Series Accessories (português)MTP6000 Series Accessories (português)
MTP6000 Series Accessories (português)
 
Cabeamento Predial e Industrial
Cabeamento Predial e IndustrialCabeamento Predial e Industrial
Cabeamento Predial e Industrial
 
Cabeamento Estruturado
Cabeamento EstruturadoCabeamento Estruturado
Cabeamento Estruturado
 
Ited ddc
Ited ddcIted ddc
Ited ddc
 
Aula cabeamento estruturado Eia/Tia
Aula cabeamento  estruturado Eia/TiaAula cabeamento  estruturado Eia/Tia
Aula cabeamento estruturado Eia/Tia
 
Redes cabeamento estruturado
Redes   cabeamento estruturadoRedes   cabeamento estruturado
Redes cabeamento estruturado
 
Aula05 - cabeamento estruturado - parte 02
Aula05 - cabeamento estruturado - parte 02Aula05 - cabeamento estruturado - parte 02
Aula05 - cabeamento estruturado - parte 02
 
Apresentação automação wago
Apresentação automação wagoApresentação automação wago
Apresentação automação wago
 
Cab estruturado-unidade3
Cab estruturado-unidade3Cab estruturado-unidade3
Cab estruturado-unidade3
 
Arvore codificacao hd2
Arvore codificacao hd2Arvore codificacao hd2
Arvore codificacao hd2
 
Apresentação Fatec Norma 569-B
Apresentação Fatec Norma 569-BApresentação Fatec Norma 569-B
Apresentação Fatec Norma 569-B
 
Aula04 - cabeamento estruturado - parte 01
Aula04 - cabeamento estruturado - parte 01Aula04 - cabeamento estruturado - parte 01
Aula04 - cabeamento estruturado - parte 01
 
Leitores LS3578-fz
Leitores LS3578-fzLeitores LS3578-fz
Leitores LS3578-fz
 
Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturado Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturado
 
Telefone Conveniencia Sistema + Portaria Video Porteiro
Telefone Conveniencia Sistema + Portaria Video PorteiroTelefone Conveniencia Sistema + Portaria Video Porteiro
Telefone Conveniencia Sistema + Portaria Video Porteiro
 

Destaque (13)

Sina Lewis - Executive Assistant
Sina Lewis - Executive AssistantSina Lewis - Executive Assistant
Sina Lewis - Executive Assistant
 
Nac 9no-1m
Nac 9no-1mNac 9no-1m
Nac 9no-1m
 
Aproximación de conocimientos naturales 4°
Aproximación de conocimientos naturales 4°Aproximación de conocimientos naturales 4°
Aproximación de conocimientos naturales 4°
 
Plantilla icontec
Plantilla icontecPlantilla icontec
Plantilla icontec
 
Clase 1 paginas web en dw
Clase 1  paginas web en dwClase 1  paginas web en dw
Clase 1 paginas web en dw
 
Yodo dia positiva
Yodo dia positivaYodo dia positiva
Yodo dia positiva
 
Sustainability_StaffDevDay2015_SeasonOfChange2 - Food
Sustainability_StaffDevDay2015_SeasonOfChange2 - FoodSustainability_StaffDevDay2015_SeasonOfChange2 - Food
Sustainability_StaffDevDay2015_SeasonOfChange2 - Food
 
Infinity Trademarks
Infinity TrademarksInfinity Trademarks
Infinity Trademarks
 
Revista
RevistaRevista
Revista
 
ORGANIZACIÓN DE LA INSTITUCIÓN EDUCATIVA PARA LA RESPUESTA
ORGANIZACIÓN DE LA INSTITUCIÓN EDUCATIVA  PARA LA RESPUESTA ORGANIZACIÓN DE LA INSTITUCIÓN EDUCATIVA  PARA LA RESPUESTA
ORGANIZACIÓN DE LA INSTITUCIÓN EDUCATIVA PARA LA RESPUESTA
 
Life map maria
Life map mariaLife map maria
Life map maria
 
Dr. Prabhakar Singh SEM-III_Nucleiotide Metabolism
Dr. Prabhakar Singh SEM-III_Nucleiotide MetabolismDr. Prabhakar Singh SEM-III_Nucleiotide Metabolism
Dr. Prabhakar Singh SEM-III_Nucleiotide Metabolism
 
Monopolios
MonopoliosMonopolios
Monopolios
 

Semelhante a Aula de-cabeamento-03 606

CE MATERIAIS .pdf
CE MATERIAIS .pdfCE MATERIAIS .pdf
CE MATERIAIS .pdfMARXVICTOR1
 
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdfRaphaelBarradas1
 
Aula2 conceitos basicos
Aula2 conceitos basicosAula2 conceitos basicos
Aula2 conceitos basicosAdrioPacheco
 
IFRN - Cabeamento Estrurturado.pdf
IFRN - Cabeamento Estrurturado.pdfIFRN - Cabeamento Estrurturado.pdf
IFRN - Cabeamento Estrurturado.pdfwrsconsultoria1
 
Montagem de Cabos Cross e Crossover
Montagem de Cabos Cross e CrossoverMontagem de Cabos Cross e Crossover
Montagem de Cabos Cross e CrossoverRaquel Kinupp
 
Cabos De Rede
Cabos De RedeCabos De Rede
Cabos De Redehallogui
 
Teleco.com cabeamentoestruturado1
Teleco.com cabeamentoestruturado1Teleco.com cabeamentoestruturado1
Teleco.com cabeamentoestruturado1robertowa
 
Guia centrais impacta_portugues_05_13_site
Guia centrais impacta_portugues_05_13_siteGuia centrais impacta_portugues_05_13_site
Guia centrais impacta_portugues_05_13_sitezeu1507
 
Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...
Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...
Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...Redes & Cia
 
Memorial descritivo montadora
Memorial descritivo montadoraMemorial descritivo montadora
Memorial descritivo montadoraSandroIndustriais
 
Projeto de redes oficial de uma empresa fictícia
Projeto de redes oficial de uma empresa fictíciaProjeto de redes oficial de uma empresa fictícia
Projeto de redes oficial de uma empresa fictíciaMarcioveras
 
Prova infra redes
Prova infra redesProva infra redes
Prova infra redesxitocnn
 

Semelhante a Aula de-cabeamento-03 606 (20)

CE MATERIAIS .pdf
CE MATERIAIS .pdfCE MATERIAIS .pdf
CE MATERIAIS .pdf
 
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
 
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
 
Aula2 conceitos basicos
Aula2 conceitos basicosAula2 conceitos basicos
Aula2 conceitos basicos
 
CABEAMENTO ESTRUTURADO
CABEAMENTO ESTRUTURADOCABEAMENTO ESTRUTURADO
CABEAMENTO ESTRUTURADO
 
Cabeamento estruturado nt
Cabeamento estruturado ntCabeamento estruturado nt
Cabeamento estruturado nt
 
IFRN - Cabeamento Estrurturado.pdf
IFRN - Cabeamento Estrurturado.pdfIFRN - Cabeamento Estrurturado.pdf
IFRN - Cabeamento Estrurturado.pdf
 
André tesa
André tesaAndré tesa
André tesa
 
Montagem de Cabos Cross e Crossover
Montagem de Cabos Cross e CrossoverMontagem de Cabos Cross e Crossover
Montagem de Cabos Cross e Crossover
 
Cabos De Rede
Cabos De RedeCabos De Rede
Cabos De Rede
 
Teleco.com cabeamentoestruturado1
Teleco.com cabeamentoestruturado1Teleco.com cabeamentoestruturado1
Teleco.com cabeamentoestruturado1
 
Guia centrais impacta_portugues_05_13_site
Guia centrais impacta_portugues_05_13_siteGuia centrais impacta_portugues_05_13_site
Guia centrais impacta_portugues_05_13_site
 
Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...
Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...
Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...
 
Aula - Cabeamentos
Aula - CabeamentosAula - Cabeamentos
Aula - Cabeamentos
 
Memorial descritivo montadora
Memorial descritivo montadoraMemorial descritivo montadora
Memorial descritivo montadora
 
Projeto de redes oficial de uma empresa fictícia
Projeto de redes oficial de uma empresa fictíciaProjeto de redes oficial de uma empresa fictícia
Projeto de redes oficial de uma empresa fictícia
 
Senai recife
Senai   recifeSenai   recife
Senai recife
 
Modulo1p5 081
Modulo1p5 081Modulo1p5 081
Modulo1p5 081
 
Prova infra redes
Prova infra redesProva infra redes
Prova infra redes
 
Redes industriais introducao
Redes industriais introducaoRedes industriais introducao
Redes industriais introducao
 

Aula de-cabeamento-03 606

  • 1. 1 EIA/TIA 606 Administração do Cabeamento Estruturado AdministraAdministraçção do Cabeamento Estruturadoão do Cabeamento Estruturado As áreas da infra-estrutura a serem administradas compreendem: Terminações para meios de telecomunicações localizados nas Work Areas; Telecommunication Room, Equipment Rooms e Entrance Facilities; Os meios de telecomunicações (cabos) entre os pontos de terminação; Dutos e passagens; Os espaços (room) onde as terminações estão localizadas; Componentes elétricos e de aterramento aplicados a telecomunicações. Componentes EssenciaisComponentes Essenciais Identificadores (identifiers): etiquetas, código de cores; Registros (records): Informações mandatórias e interligações; Interligações (linkages): define a conexão entre identificadores e registros; Código do usuário (User Code): associa uma terminação com um registro; Apresentação de informações como-: relatórios, desenhos e ordens de serviços (Work Orders). Exemplo de identificaExemplo de identificaçção do REGISTROão do REGISTRO de um cabo (C0001)de um cabo (C0001) INFORMAÇÕES MANDATÓRIAS COMENTÁRIOS Identificador de cabo C0001 identificador s/código para cabo C0001 Tipo de cabo 4 pares UTP cat.3 N: de pares, não terminados 0 pares/condutores não terminados N: de pares danificados 0 pares/condutores danificados N: de pares não utilizados0 pares/condutores não utilizados INTERLIGAÇÕES Extremidade 1 / Extremidade 2 Identificador dos pares 1-4 J001 3A-C17-001 Identificação das terminações do C0001 Identificador de emenda N/A Não aplicável Identificador do duto CD34 Conduíte CD34 Identificador do aterramento N/A Não aplicável INFORMAÇÕES OPCIONAIS Comprimento do cabo 50 m CUP N/A Não possui código universal de produto Responsável Outros OUTRAS INTERLIGAÇÕES Identificador do equipamento PC1583 Ligação ao equipamento hub 1 AsAs BuiltBuilt IdentificadoresIdentificadores Identificadores de cabos; Identificadores dos hardwares de conexão; Identificadores das posições de terminação; Identificadores de dutos; Identificadores de espaços. Esquema de CoresEsquema de Cores A cor laranja - terminações da sala de entrada do câmpus. A cor verde - conexões da rede com serviços auxiliares. A cor violeta - terminações de equipamentos ativos hub’s, switches, etc. A cor branca - Terminações do backbone num edifício com MC-IC ou MC-TR. A cor cinza - Terminações backbone para interligações de pavimentos. A cor azul - Terminações do cabeamento horizontal, identificam terminações para as estações no TR e Equipment Room. Esta cor não se aplica à Work Area. A cor amarela - Terminações de equipamentos. auxiliares (segurança, alarmes). A cor vermelha - Normalmente identifica circuitos telefônicos.
  • 2. 2 TTóópicospicos dada Norma NBR 14565Norma NBR 14565 ponto de telecomunicações nas áreas de trabalho; armários de telecomunicações, salas de equipamentos e sala de entrada de telecomunicações; meios de transmissão utilizados entre essas terminações; caminhos entre as terminações que contenham os meios de transmissão; espaço onde as terminações estão executadas; componentes e meios utilizados para o aterramento e vinculação de terra que se aplique a telecomunicações. PATCH CORD equipto PATCH PANEL CABEAMENTO SECUNDÁRIO Tomada “wall” PATCH CORD usuário ÁÁrearea dede trabalhotrabalho Início do Canal Conector “undercarpet” ou no mobiliário Fim do Canal ArmArmááriorio dede TelecomunicaTelecomunicaççõesões Canal HorizontalCanal Horizontal ouou Link canalLink canal Os resultados não incluem as contribuições dos patch cords do equipamento Fim do Link Fim do Link PATCH CORD do SCANNER tomada PATCH CORD do SCANNER AREA DE TRABALHOAREA DE TRABALHO Patch Panel CABEAMENTO SECUNDÁRIO ARMARMÁÁRIO DE TELECOMRIO DE TELECOM Permanent LinkPermanent Link Capítulo 4 Técnicas e Cuidados para a Instalação do Cabeamento OOOOs cabos UTP devem ser lançados obedecendo-se o raio de curvatura mínimo do cabo que é de 4 vezes o diâmetro do cabo, ou seja, 21,2 mm; Os cabos UTP devem ser lançados ao mesmo tempo em que são retirados das caixas ou bobinas e preferencialmente de uma só vez; Os cabos UTP devem ser lançados obedecendo-se à carga de tracionamento máximo, que não deverá ultrapassar o valor de 11,3 kgf. TTéécnicas e cuidados para o Instalacnicas e cuidados para o Instalaççãoão do Cabeamentodo Cabeamento Os cabos UTP não devem ser estrangulados, torcidos ou prensados, com o risco de provocar alterações nas características originais; No caso de haver grandes sobras de cabos UTP, deverão ser armazenadas preferencialmente em bobinas; Cuidado com a reutilização de cabos UTP de outras instalações; Cada lance de cabo UTP não deverá ultrapassar o comprimento máximo de 90 metros, incluindo as sobras; Todos os cabos UTP devem ser identificados com materiais resistentes ao lançamento, para serem reconhecidos e instalados em seus respectivos pontos; Não utilize produtos químicos, como vaselina, sabão, detergentes, etc., para facilitar o lançamento dos cabos UTP no interior de dutos. TTéécnicas e Cuidados para ocnicas e Cuidados para o InstalaInstalaçção do Cabeamentoão do Cabeamento
  • 3. 3 Evite lançar cabos UTP no interior de dutos que contenham umidade excessiva e não permita que os cabos UTP fiquem expostos a intempéries; Os cabos UTP não devem ser lançados em infra-estruturas que apresentem arestas vivas ou rebarbas tais que possam provocar danos; A temperatura máxima de operação permissível ao cabo é de 60ºC; Os cabos UTP devem ser decapados somente nos pontos de conectorização; Jamais poderão ser feitas emendas nos cabos UTP, com o risco de provocar um ponto de oxidação e provocar falhas na comunicação; Se instalar os cabos UTP na mesma infra-estrutura com cabos de energia e/ou aterramento, deve haver uma separação física de proteção e devem ser considerados circuitos com 20 A/127 V ou 13 A/220V. TTéécnicas e Cuidados para o Instalacnicas e Cuidados para o Instalaççãoão do Cabeamentodo Cabeamento Quando a infra-estrutura não for composta de materiais metálicos, CUIDADO com fontes de energia eletromagnética; Após o lançamento, os cabos UTP devem ser acomodados adequadamente de forma que os mesmos possam receber acabamentos, isto é, amarrações e conectorizações; Os cabos UTP devem ser agrupados em forma de “chicotes”, evitando-se trançamentos, estrangulamentos e nós; Posteriormente devem ser amarrados com velcros para que possam permanecer fixos sem, contudo, apertar excessivamente os cabos; TTéécnicas e cuidados para o Instalacnicas e cuidados para o Instalaççãoão do Cabeamentodo Cabeamento • Manter os cuidados tomados quando do lançamento, como os raios de mínimos de curvatura, torções, prensamento e estrangulamento; • Tomadas: Deve ser deixado folga de 30 cm; • Nas Salas de Telecomunicações: 3 metros; • Nas terminações, isto é, nos racks ou brackets evitar que o cabo fique exposto o menos possível, minimizando os riscos de o mesmo ser danificado acidentalmente. TTéécnicas e cuidados para o Instalacnicas e cuidados para o Instalaççãoão do Cabeamentodo Cabeamento Conectorização de cabos UTP • No momento da conectorização, os pares trançados dos condutores não deverão ser destrançados mais que a medida de 13 mm. • Na medida do possível, os cabos deverão ser destrançados e decapados o mínimo possível. • No momento da conectorização, atentar para o padrão de pinagem (EIA/TIA -568 A ou B) dos conectores RJ-45 e patch panels. • Após a conectorização, tomar o máximo cuidado para que o cabo não seja prensado, torcido ou estrangulado. ConectorizaConectorizaçção em tomadas modulares de 8 viasão em tomadas modulares de 8 vias Montagem do Cabo em 180°ou 90° Maior facilidade na montagem da caixa Conectores modulares de 8 viasConectores modulares de 8 vias 1 2 3 4 T- 568 A T- 568 B 1 3 2 4 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8
  • 4. 4 InstalaInstalaççãoão PatchPatch PanelPanel Identificação do Fabricante Certificação Identificação da Categoria Identificação do Número da Porta (1-24) Orientação para fixação do par 1 Contatos em Ângulo de 45°- Maior distância relativa entre pares Melhor desempenho em Diafonia (NEXT, FEXT) Identificação de Montagem Universal (568 A/B) PatchPatch PanelPanel PatchPatch PanelPanel Blocos de Conexão 110 IDCBlocos de Conexão 110 IDC 1 BRANCO AZUL 2 BRANCO LARANJA 3 BRANCO VERDE 4 BRANCO MARROM 5 BRANCO CINZA 6 VERMELHO AZUL 7 VERMELHO LARANJA 8 VERMELHO VERDE 9 VERMELHO MARROM 10 VERMELHO CINZA 11 PRETO AZUL 12 PRETO LARANJA 13 PRETO VERDE 14 PRETO MARROM 15 PRETO CINZA 16 AMARELO AZUL 17 AMARELO LARANJA 18 AMARELO VERDE 19 AMARELO MARROM 20 AMARELO CINZA 21 ROXO AZUL 22 ROXO LARANJA 23 ROXO VERDE 24 ROXO MARROM 25 ROXO CINZA Blocos de ConexãoBlocos de Conexão 110110 IDCIDC Blocos de ConexãoBlocos de Conexão 110110 IDCIDC
  • 5. 5 Capítulo 5 Certificação de Sistemas em Rede AA CertificaCertificaççãoão dada RedeRede Utilização de um Cable SCANNER; Teste dos parâmetros elétricos do cabo com base em normas; Detecção de falhas no cabeamento; Emissão de relatórios que irão fazer parte do “AS-BUILT”; Garantia para o cliente de que o cabeamento está normatizado; Normas a seguir: TIA / EIA 568-B(EEUU) ISO / IEC 11801 (Europa) ABNT (Brasil) DSP-2000DSP-4000 Deverá ser empregado equipamento de medição compatível com o meio a ser testado: Categoria 5e Categoria 6 Os resultados de todas as medições deverão ser registrados pelo equipamento de teste, armazenados em meio magnético (disquetes de 3 ½”) e impressos em papel timbrado. AA CertificaCertificaççãoão dada RedeRede Equipamentos de teste: Mapeador de cabos (cable mapper) - NÃO CERTIFICAM; Testador de cabos (scanners) - CERTIFICAM; OTDR’s (ópticos) - CERTIFICAM; Analisadores de Rede - NÃO CERTIFICAM. Certificação: Consiste em colher parâmetros do cabeamento instalado que possibilitem demonstrar a qualidade geral do mesmo. Este rocesso de certificação deve ser realizado antes do Sistema em rede ser ativado. AA CertificaCertificaççãoão dada RedeRede AA CertificaCertificaççãoão dada RedeRede Certificação do cabeamento: envolve uma série de etapas que avaliam os principais parâmetros do cabeamento da rede; - Comprimento máximo dos lances; - Mapeamento de condutores; - Paradiafonia (NEXT); - Impedância do cabo; - Atenuação do cabo; - ACR (atenuação x NEXT); - Return Loss (perda de retorno). RefletometriaRefletometria
  • 6. 6 Exemplo da Tela do SCANNERExemplo da Tela do SCANNER Teste do par Curvatura limite da norma O cursor indica a pior Margem O valor em dB onde o cursor está, a frequência que ocorreu e a margem entre os valores Figuras cedidas pela Tela do SCANNERTela do SCANNER O cursor indica a pior Margem Teste dos pares Curvatura limite da norma O valor em dB onde o cursor está, a frequência que ocorreu e a margem entre os valores Figuras cedidas pela RelatRelatóório gerado por um SCANNERrio gerado por um SCANNER FURUKAW A INDUSTRIAL S.A. TestSum mary : PASS SITE:S. PAULO Cable ID: SD5-PP01-03 OPERATO R: DEPTO DE INSTALACOES Date / Tim e :16/07/96 10:29:06 NVP: 6 9 , 0 % FAULT ANO M ALY THRESHO LD: 1 5 % TestStandard :T I A Cat5 Channel AVERAG E CABLE TEM PERATURE : 21-30C ( 69-86F ) Cable Type :UTP 100 Ohm Cat 5 W ire M ap PASS Result RJ45 PIN: 1 2 3 4 5 6 7 8 S | | | | | | | | RJ45 PIN: 1 2 3 4 5 6 7 8 Pair 1,2 3,6 4,5 7,8 Impedance (ohm s ) 111 107 109 96 Lim it (ohm s ) 80-120 80-120 80-120 80-120 Result PASS PASS PASS PASS Length ( m ) 58,5 59,4 59,0 60,0 Lim it (m ) 100,0 100,0 100,0 100,0 Result PASS PASS PASS PASS Prop. Delay (n s ) 283 287 285 290 Resistance ( ohm s ) 10,7 11,0 11,7 13,7 Attenuation ( dB ) 11,5 12,0 12,1 12,6 Lim it (dB ) 24,5 24,5 24,5 24,5 M argin (dB ) 13,0 12,5 12,4 11,9 M argin ( % ) 53,1 51,0 50,6 48,6 Frequency (M Hz ) 100,0 100,0 100,0 100,0 Result PASS PASS PASS PASS Pairs 1,2-3,6 1,2-4,5 1,2-7,8 3,6-4,5 3,6-7,8 4,5-7,8 NEXT (dB ) 51,2 59,2 51,5 38,2 49,4 61,0 Lim it (dB ) 42,3 48,5 37,4 31,2 40,1 49,9 M argin (dB ) 8,9 10,7 14,1 7,0 9,3 11,1 Frequency (M Hz ) 12,8 5,4 25,0 57,4 17,2 4,4 Result PASS PASS PASS PASS PASS PASS Defeitos em CampoDefeitos em Campo • Excesso de conexões no link – verifique se as conexões estão de acordo, verifique estado das ferramentas (deformação da alicate de crimpagem e pressão punch down); • Excesso de aplicações no mesmo cabeamento – cuidado com aplicações simultâneas de voz e dados (lembre-se que os ramais normalmente são analógicos e os sinais também). Procure trabalhar se for o caso, com sinais de natureza digitais; • Verificar a qualidade dos acessórios empregados (patch panel, fêmeas e machos) podem ser de outra categoria (menos cat5, 5e ou 6); Erros de NEXT: • Cordões de manobra devem ser construídos de fios flexíveis; • Verifique o correto destrançamento máximo dos pares (13mm); • Certifique-se que os pares lógicos estão trançados na mesma trança; • Atente ao ambiente externo – procure realizar a “autocalibração” do scanner antes de iniciar os testes. Cuidado com fontes de ruído externos (no-breaks, lâmpadas fluorescentes, máquinas de xerox, elevadores e ambientes eletricamente ruidosos com a av. Paulista por exemplo). Erros de NEXT: Defeitos em CampoDefeitos em Campo Erros de ATENUAÇÃO: • Categoria inadequada do cabo e acessórios e acerto do NVP errado; • Comprimento excessivo e conexões mal feitas no patchpanel, machos ou fêmeas ( conectorize novamente ). Verifique se os patch cords são de cabos flexíveis. Erros de ACR: • Categoria dos acessórios errada e conexões mal realizadas; • Cordões de manobra de cabos não flexíveis, comprimento excessivo e NVP mal ajustado. Erros de IMPEDÂNCIA: • Cuidado com medições de lances inferiores a 15m (o scanner mostra a mensagem “ovr” ou “ * ”). Verificar metragem máxima do lance. Erros de CAPACITÂNCIA: • Cabos rompidos, blindagem ou condutores em curto. Ruído excessivo no cabo. Defeitos em CampoDefeitos em Campo