SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
1
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS
FACULDADE DE SERVIÇO SOCIAL
NUCLEO DE TEORIA E PESQUISA DO COMPORTAMENTO
TRABALHO SOBRE A ORIGEM DA PSICOLOGIA - SÓCRATES
CLODOMIR DOS SANTOS ARAÚJO
Profª. Ma. ISABEL LUCIA ABREU FLORENTINO
BELÉM - PARÁ
JAN/2017
2
TRABALHO SOBRE A ORIGEM DA PSICOLOGIA - SÓCRATES
BELÉM - PARÁ
JAN/2017
3
“A Psicologia possui um longo passado, mas uma
história curta!”
Herrmann Ebbinghaus.
INTRODUÇÃO
Desde a antiguidade, pensadores, filósofos e teólogos de várias regiões e
culturas se dedicaram nas questões relativas à natureza humana como a percepção, a
consciência e a loucura. E, apesar das teorias psicológicas fazerem parte de muitas das
teorias orientais, a Psicologia, enquanto ciência tem suas raízes fundadas nos filósofos
gregos, vindo separar-se da filosofia apenas no século XIX. A Psicologia tem suas raízes na
filosofia, surgindo da necessidade que o homem teve de pensar-se e explicar-se a si próprio
além de ter de transmitir essa busca à sociedade, portanto, seu fundamento é a reflexão
sobre o homem e, como as demais ciências, deriva de um conjunto de determinações
históricas ligadas a grandes pensadores, como os gregos. O diálogo com a filosofia, em
particular com a filosofia da ciência e da ética, é imprescindível para o refinamento
conceitual e para o exercício crítico de qualquer campo de conhecimento. Neste sentido, as
relações entre psicologia e filosofia seguem os padrões das demais ciências, concentrando-
se no exame de questões fronteiriças e controversas.
Devemos lembrar que a Psicologia é uma ciência nova, sendo que no Brasil foi
regulamentada há tão somente 53 anos e, sendo assim, muitas das questões apresentadas
hoje nasceram num passado distante, por conta disso é necessário analisar o surgimento
desta disciplina com muito cuidado. Como surgiu, por que e em qual contexto histórico,
além dos fatores que influenciaram o seu desenvolvimento. Por todo o exposto, estudar
Psicologia é dar continuidade ao trabalho de importantes pensadores de outras épocas,
como Sócrates, Platão, Aristóteles e Descartes, mentes brilhantes que mudaram a história
da humanidade e proclamaram o fim da escravidão na caverna ou, ao menos, muito fizeram
para contribuir para tal.
4
Por que a importância de estudar a História da Psicologia?
Estudasse a História da Psicologia pela latente necessidade em saber como se
desenvolveu o estudo da mente humana, as dificuldades e questões por qual esta ciência
passou e para podermos então entender, de forma clara, a atual situação qual a mesma se
encontra. Como entender as divergências que ocorrem entre suas mais diversas linhas de
pensamento se não buscar saber como essa separação surgiu? Daí a grande importância do
estudo histórico dessa ciência. Dessa forma, estudamos o passado da Psicologia para que
possamos entender o presente e atuar no futuro com excelência, para nos livrarmos de
preconceitos pré-estabelecidos e formarmos os nossos próprios conceitos, e também, para
poder enxergar a psicologia como um todo.
O Nascimento da Psicologia
Ao longo da história da humanidade, pode-se observar o deslumbre com qual o
homem analisa seu próprio comportamento e dissemina as reflexões sobre seu agir e de sua
conduta. Justamente nesse cenário é que encontramos Sócrates, considerado o divisor de
águas da filosofia e com quem a Psicologia ganhou consistência desde a antiguidade, qual
surgiu então com novo modo de pensar e de viver, distinto dos pré-socráticos, onde a arte, o
corpo e o ‘devir’ dominavam; onde a ideia da verdade ainda não era clara e os teatros se
encarregavam de difundir ideias através de tragédias. E o que seria o devir? Representa o
tempo e a vida como processo de transformação e de mudanças constantes, onde tudo muda
o tempo inteiro e nada é fixo. Ficou eterna sua frase “Só sei que nada sei”.
Os filósofos pré-socráticos - assim denominados por antecederem Sócrates -
preocupavam-se em definir a relação do homem com o mundo através da ‘percepção’.
Discutiam se o mundo existia porque o homem o vê ou se o homem vê um mundo que já
existe. Havia então uma oposição entre os ‘idealistas’ quais acreditavam que a ideia
formava o mundo e os ‘materialistas’ que, de outro modo pregavam que a matéria que
forma o mundo já é dada pela própria ’percepção’ do indivíduo. Contudo, embora passar a
5
ideia de que esses mesmos existiram antes de Sócrates, o termo ‘pré-socrático’ indica uma
‘tendência de pensamento’, estando relacionada, também, com filósofos que viveram na
mesma época de Sócrates e até mesmo após ele. Contudo, Sócrates não os via com bons
olhos, pois, repassavam conhecimento tão somente aos que lhe dariam alguma forma de
paga, muito diferente de Sócrates, qual pregava que esse repasse deveria ser gratuito e a
todos.
Foi com Sócrates (Athenas, 470-399 a.C.) filho de um escultor e de uma
parteira, que a Psicologia na Antiguidade ganhou verdadeira consistência com a sua
fundamental pergunta: O que é a essência do homem? Pergunta esta que ele mesmo
respondia: o homem é a sua alma e alma com razão. Nesse momento, estava iniciando o
poderoso Império de Roma, qual fora o povo mais evoluído dessa época, e, às novas
conquistas e o aumento das ‘riquezas’ adquiridas dos domínios anexados, qual permitiu a
construção das primeiras cidades-estados ou em grego ‘pólis’. A manutenção dessas
cidades geraram outras riquezas, desta feita em forma de escravos trazidos para trabalhar.
Esse conjunto amargo de riquezas gerou crescimento, e este mesmo crescimento exigia
soluções cada vez mais práticas para as questões humanas, à arquitetura, para a agricultura
e para a nova sociedade que nascia de maneira à reenquadrar e entender essas novas
questões. Surgia com isso, a necessidade de uma nova organização social, um
remodelamento de conceitos, de se pensar a psicologia, e por conta disso fomentou-se a
criação do conceito do que hoje chamamos democracia, tudo graças a Psicologia.
A principal preocupação de Sócrates era o limite que separava os homens dos
animais, postulando que a principal característica da natureza humana é a razão, o que
permite ao homem sobrepor seus instintos que seriam a base da irracionalidade, dessa
forma, diferente das demais espécies, ao atuar sobre a natureza, o homem não estaria
somente alterando-a, mas, também, modificando a si próprio e desenvolvendo suas
faculdades, ao definir a razão como peculiaridade do homem ou como essência humana,
Sócrates abre um caminho que seria muito explorado pela Psicologia ao afirmar que todos
nascem com conhecimento e que caberia então ao filósofo – Psicólogo – o resgate ou a
extração desse conhecimento trazendo-o a luz ou a verdade, sendo assim, surgem “As
6
teorias da consciência”. Sócrates observava que, sobretudo, quando o humano aprendeu a
dominar instintos e reflexos e transmitia essas conquistas e avanços de forma organizada,
extrapolando os limites genéticos, utilizando da educação e da cultura, como meio de
demonstrar a continuidade entre passado e presente em termos de objeto de estudos num
constante processo na busca de conhecimento, o homem dessa forma, se distinguia dos
noutros animais. Sócrates usava do meio que ficou conhecido como “dialética Socrática”,
isto é, o exercício de contrapor argumentos contrários, qual apresentava, a saber, três
elementos: A Tese, a Antítese e a Síntese. Onde a Tese seria a ideia, a Antítese a
contraposição à mesma e a Síntese o resultado dessa discussão.
Embora estando relacionado em inúmeras das principais obras e teorias do
passado, Sócrates, por si só, não deixou nada por escrito, sendo assim, todo o conhecimento
que obtemos sobre suas importantes ideias, foram transmitidos por seus discípulos, como
Xenofonte, que como Sócrates também foi soldado, Aristófanes, um dos maiores
dramaturgos grego e seu principal discípulo: Platão (427-347 a.C.). Esse último e também
filósofo, procurou definir um “lugar” para a razão no nosso próprio corpo. Definindo esse
lugar como sendo a cabeça, onde se encontra a alma do homem. A medula seria, portanto, o
elemento de ligação da alma com o corpo. Este elemento de ligação era necessário porque
Platão concebia a alma separada do corpo. Quando alguém morria, a matéria ou o corpo
desaparecia, mas a alma ficaria livre para ocupar outro corpo.
Aristóteles (384-322 a.C), discípulo de Platão, foi um dos mais importantes
pensadores da história da Filosofia. Sua contribuição foi inovadora ao postular que alma e
corpo não podem ser dissociados. Para Aristóteles, a psyché seria o princípio ativo da vida.
Tudo aquilo que cresce, se reproduz e se alimenta possui a sua psyché ou a representação
da alma. Desta forma, os vegetais, os animais e o homem teriam alma. Os vegetais teriam a
alma vegetativa, que se define pela função de alimentação e reprodução. Os animais teriam
essa alma e a alma sensitiva, que tem a função de percepção e movimento. E o homem teria
os dois níveis anteriores e a alma racional, que tem a função pensante. Aristóteles chegou a
estudar as diferenças entre a razão, a percepção e as sensações. Esse estudo está
sistematizado no ‘Da anima’, que pode ser considerado o primeiro tratado em Psicologia.
7
Portanto, cerca de 2.300 anos antes do advento da Psicologia científica, os gregos já haviam
formulado duas teorias que viriam dar sustentáculo a Psicologia: a platônica, que postulava
a imortalidade da alma concebendo-a separada do corpo, e a aristotélica, que afirmava a
mortalidade da alma e a sua relação de pertencimento ao corpo.
CONCLUSÃO
A característica da filosofia de Sócrates é a reflexão. Isso se aplica a frase
“conhece-te a ti mesmo”, ou seja, torna a sua ignorância consciente, sendo como o pico da
sabedoria; ter consciência racional de si mesmo para organizar racionalmente sua própria
vida. Para Sócrates a filosofia é a busca pela verdade, ele indagava e questionava sobre o
que seriam “ideias de mundo”. Sócrates teve o interesse pela filosofia voltada para o mundo
humano, espiritual, com finalidades práticas e morais. Ele era cético voltado à cosmologia.
Para ele, a ciência da prática era a única ciência possível, voltada para valores universais, e
que o agir e o conhecimento humano baseavam-se na experiência. Antes da sua filosofia,
Sócrates estudou vários de seus antepassados que são chamados de pré-socráticos chegando
à conclusão que suas teorias eram bastante conflitantes, e que não conseguiria se decidir
por uma delas. Sócrates questionou então os pré-socráticos por não saber onde os
pensamentos deles afetavam o comportamento humano, para ele era mais importante saber
o que era bom, o certo e o que era justo, de modo geral ele queria estabelecer uma forma de
conhecimento para que fosse estipulado um exemplo de conduta correta para o ser humano.
Acreditando que ninguém seria capaz de ter respostas para suas perguntas, Sócrates andava
por Atenas jogando as questões para o povo sobre moralidade e política. O método
principal de Sócrates era o diálogo, e a cada questão respondida ele jogava outra questão
fazendo com que o povo pensasse e aprimorasse seus pensamentos. Sócrates gostava de
estimular as ideias das pessoas e por isso se definiu como “parteiro de ideias”, com clara
referência a sua mãe, que era parteira.
REFERÊNCIAS
8
BARRETO, M. M. S. Uma Jornada de Humilhações. Dissertação (Mestrado em
Psicologia Social) – PUC de São Paulo, São Paulo, 2000.
BOCK, A. M. B. et al. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. 10 ed. São
Paulo: Saraiva, 1997.
BOCK, Ana Mercês Bahia Psicologia fácil / Ana Mercês Bahia Bock, Maria de Lourdes
Trassi Teixeira, Odair Furtado. – São Paulo: Saraiva, 2011.
BRAGHIROLLI, E. M. Psicologia Geral. 16 ed. rev. e atual. Porto Alegre: vozes, 1998.
LEONTIEV, A. O Homem e a cultura. In O desenvolvimento do psiquismo. Tradução de
Manoel Dias Duarte. (p. 259-284). Lisboa: Horizonte Universitário, 1978.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contribuições da psicologia
Contribuições da psicologiaContribuições da psicologia
Contribuições da psicologiamegainfoin
 
Aula de Psicologia da Educação
Aula de Psicologia da EducaçãoAula de Psicologia da Educação
Aula de Psicologia da EducaçãoR Gómez
 
As três principais concepções de ciência
As três principais concepções de ciênciaAs três principais concepções de ciência
As três principais concepções de ciênciaElisabeth Silva Epifânio
 
Vygotsky e a Teoria da Zona de Desenvolvimento Proximal
Vygotsky e a Teoria da Zona de Desenvolvimento ProximalVygotsky e a Teoria da Zona de Desenvolvimento Proximal
Vygotsky e a Teoria da Zona de Desenvolvimento ProximalCícero Quarto
 
Filosofia & psicologia
Filosofia & psicologiaFilosofia & psicologia
Filosofia & psicologiaLuciano Souza
 
Epistemologia genética de jean piaget primeira parte
Epistemologia genética de jean piaget primeira parteEpistemologia genética de jean piaget primeira parte
Epistemologia genética de jean piaget primeira parteAnaí Peña
 
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atualContribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atualLuciano Souza
 
Psicologia educacional
Psicologia educacionalPsicologia educacional
Psicologia educacionalAna Pereira
 
PESQUISA E EDUCAÇÃO: REFLETINDO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA NO CAMPO...
PESQUISA E EDUCAÇÃO: REFLETINDO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA NO CAMPO...PESQUISA E EDUCAÇÃO: REFLETINDO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA NO CAMPO...
PESQUISA E EDUCAÇÃO: REFLETINDO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA NO CAMPO...Tamiris Cerqueira
 
01 psicologia da educação
01 psicologia da educação01 psicologia da educação
01 psicologia da educaçãoGLEYDSON ROCHA
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoLudmila Moura
 

Mais procurados (20)

Contribuições da psicologia
Contribuições da psicologiaContribuições da psicologia
Contribuições da psicologia
 
Aula de Psicologia da Educação
Aula de Psicologia da EducaçãoAula de Psicologia da Educação
Aula de Psicologia da Educação
 
As três principais concepções de ciência
As três principais concepções de ciênciaAs três principais concepções de ciência
As três principais concepções de ciência
 
Psicologia escolar
Psicologia escolarPsicologia escolar
Psicologia escolar
 
Vygotsky e a Teoria da Zona de Desenvolvimento Proximal
Vygotsky e a Teoria da Zona de Desenvolvimento ProximalVygotsky e a Teoria da Zona de Desenvolvimento Proximal
Vygotsky e a Teoria da Zona de Desenvolvimento Proximal
 
Filosofia & psicologia
Filosofia & psicologiaFilosofia & psicologia
Filosofia & psicologia
 
Epistemologia genética de jean piaget primeira parte
Epistemologia genética de jean piaget primeira parteEpistemologia genética de jean piaget primeira parte
Epistemologia genética de jean piaget primeira parte
 
Aula de psicologia
Aula de psicologiaAula de psicologia
Aula de psicologia
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atualContribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
 
Psicologia educacional
Psicologia educacionalPsicologia educacional
Psicologia educacional
 
Apresentação: Fundamentos da Psicopedagogia
Apresentação: Fundamentos da PsicopedagogiaApresentação: Fundamentos da Psicopedagogia
Apresentação: Fundamentos da Psicopedagogia
 
Os sete saberes: Edgar Morin (síntese)
Os sete saberes: Edgar Morin (síntese) Os sete saberes: Edgar Morin (síntese)
Os sete saberes: Edgar Morin (síntese)
 
PESQUISA E EDUCAÇÃO: REFLETINDO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA NO CAMPO...
PESQUISA E EDUCAÇÃO: REFLETINDO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA NO CAMPO...PESQUISA E EDUCAÇÃO: REFLETINDO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA NO CAMPO...
PESQUISA E EDUCAÇÃO: REFLETINDO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA NO CAMPO...
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
 
A EducaçãO Renascentista
A  EducaçãO  RenascentistaA  EducaçãO  Renascentista
A EducaçãO Renascentista
 
01 psicologia da educação
01 psicologia da educação01 psicologia da educação
01 psicologia da educação
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
 

Destaque

Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesErizon Júnior
 
Sócrates e Platão
Sócrates e PlatãoSócrates e Platão
Sócrates e PlatãoErica Frau
 
Psicologia introdução
Psicologia introduçãoPsicologia introdução
Psicologia introduçãoChrys Souza
 
Trabalho em grupo 2014 2 semestre serviço social
Trabalho em grupo 2014 2 semestre   serviço socialTrabalho em grupo 2014 2 semestre   serviço social
Trabalho em grupo 2014 2 semestre serviço socialClodomir Araújo
 
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZAGRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZAClodomir Araújo
 
MIGRAÇÃO NA AMAZÔNIA - TRABALHO E NOVOS RUMOS
MIGRAÇÃO NA AMAZÔNIA - TRABALHO E NOVOS RUMOSMIGRAÇÃO NA AMAZÔNIA - TRABALHO E NOVOS RUMOS
MIGRAÇÃO NA AMAZÔNIA - TRABALHO E NOVOS RUMOSClodomir Araújo
 
Métodos e técnicas da psicologia
Métodos e técnicas da psicologiaMétodos e técnicas da psicologia
Métodos e técnicas da psicologiaOrlando Tandala
 
A Honra Tambem Se Ensina
A Honra Tambem Se EnsinaA Honra Tambem Se Ensina
A Honra Tambem Se Ensinacristalslides
 
Palestra - GRANDES LIDERES - 5 Comportamentos - Kairos Treinamentos
Palestra - GRANDES LIDERES - 5 Comportamentos - Kairos TreinamentosPalestra - GRANDES LIDERES - 5 Comportamentos - Kairos Treinamentos
Palestra - GRANDES LIDERES - 5 Comportamentos - Kairos TreinamentosKairos Treinamentos
 
A formacao social da mente - Vygotsky
A formacao social da mente - VygotskyA formacao social da mente - Vygotsky
A formacao social da mente - Vygotskyunisocionautas
 
O segredo do controle da mente
O segredo do controle da menteO segredo do controle da mente
O segredo do controle da menteCamargo Pedro
 
Treinamento para líderes
Treinamento para líderesTreinamento para líderes
Treinamento para líderesMariana Correa
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaRita Cristiane Pavan
 

Destaque (20)

Origem da Psicologia
Origem da Psicologia Origem da Psicologia
Origem da Psicologia
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Sócrates e Platão
Sócrates e PlatãoSócrates e Platão
Sócrates e Platão
 
Psicologia introdução
Psicologia introduçãoPsicologia introdução
Psicologia introdução
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
Trabalho em grupo 2014 2 semestre serviço social
Trabalho em grupo 2014 2 semestre   serviço socialTrabalho em grupo 2014 2 semestre   serviço social
Trabalho em grupo 2014 2 semestre serviço social
 
A Honra
A HonraA Honra
A Honra
 
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZAGRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
 
MIGRAÇÃO NA AMAZÔNIA - TRABALHO E NOVOS RUMOS
MIGRAÇÃO NA AMAZÔNIA - TRABALHO E NOVOS RUMOSMIGRAÇÃO NA AMAZÔNIA - TRABALHO E NOVOS RUMOS
MIGRAÇÃO NA AMAZÔNIA - TRABALHO E NOVOS RUMOS
 
Principio da honra
Principio da honraPrincipio da honra
Principio da honra
 
Métodos e técnicas da psicologia
Métodos e técnicas da psicologiaMétodos e técnicas da psicologia
Métodos e técnicas da psicologia
 
A Honra Tambem Se Ensina
A Honra Tambem Se EnsinaA Honra Tambem Se Ensina
A Honra Tambem Se Ensina
 
Palestra - GRANDES LIDERES - 5 Comportamentos - Kairos Treinamentos
Palestra - GRANDES LIDERES - 5 Comportamentos - Kairos TreinamentosPalestra - GRANDES LIDERES - 5 Comportamentos - Kairos Treinamentos
Palestra - GRANDES LIDERES - 5 Comportamentos - Kairos Treinamentos
 
Socrates
SocratesSocrates
Socrates
 
A formacao social da mente - Vygotsky
A formacao social da mente - VygotskyA formacao social da mente - Vygotsky
A formacao social da mente - Vygotsky
 
Nicolau Maquiavel
Nicolau MaquiavelNicolau Maquiavel
Nicolau Maquiavel
 
O segredo do controle da mente
O segredo do controle da menteO segredo do controle da mente
O segredo do controle da mente
 
Treinamento para líderes
Treinamento para líderesTreinamento para líderes
Treinamento para líderes
 
MENTE
MENTEMENTE
MENTE
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 

Semelhante a TRABALHO SOBRE A ORIGEM DA PSICOLOGIA - SÓCRATES

Filo 2 trimestre larissa e monique 26
Filo 2 trimestre larissa e monique 26Filo 2 trimestre larissa e monique 26
Filo 2 trimestre larissa e monique 26Alexandre Misturini
 
Introducao ao estudo_da_psicologia
Introducao ao estudo_da_psicologiaIntroducao ao estudo_da_psicologia
Introducao ao estudo_da_psicologiaAilton Adriano
 
A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.PatriciaKarla
 
2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptxFlavioCandido8
 
o que é arché
o que é archéo que é arché
o que é archépuenzo
 
Apresentações Sociais
Apresentações SociaisApresentações Sociais
Apresentações Sociaisitassa
 
Antropologia correcao3.
Antropologia correcao3.Antropologia correcao3.
Antropologia correcao3.itassa
 
Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia  Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia faculdade11
 
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaIuri Guedes
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaAniel Soares
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaAniel Soares
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
AntropologiaClaudia
 
Captulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da VerdadeCaptulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da VerdadeMarcos Mororó
 
Slides de antropologia principal(1)
Slides de antropologia   principal(1)Slides de antropologia   principal(1)
Slides de antropologia principal(1)Ivison Kauê
 
Slides de antropologia principal(1)
Slides de antropologia   principal(1)Slides de antropologia   principal(1)
Slides de antropologia principal(1)Ivison Kauê
 
Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25
Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25
Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25Alexandre Misturini
 

Semelhante a TRABALHO SOBRE A ORIGEM DA PSICOLOGIA - SÓCRATES (20)

Filo 2 trimestre larissa e monique 26
Filo 2 trimestre larissa e monique 26Filo 2 trimestre larissa e monique 26
Filo 2 trimestre larissa e monique 26
 
Filo 24
Filo 24Filo 24
Filo 24
 
Introducao ao estudo_da_psicologia
Introducao ao estudo_da_psicologiaIntroducao ao estudo_da_psicologia
Introducao ao estudo_da_psicologia
 
A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.
 
2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
o que é arché
o que é archéo que é arché
o que é arché
 
Filosofia Unidade 2
Filosofia Unidade 2Filosofia Unidade 2
Filosofia Unidade 2
 
Apresentações Sociais
Apresentações SociaisApresentações Sociais
Apresentações Sociais
 
Antropologia correcao3.
Antropologia correcao3.Antropologia correcao3.
Antropologia correcao3.
 
Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia  Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia
 
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humana
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humana
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Captulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da VerdadeCaptulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da Verdade
 
Slides de antropologia principal(1)
Slides de antropologia   principal(1)Slides de antropologia   principal(1)
Slides de antropologia principal(1)
 
Slides de antropologia principal(1)
Slides de antropologia   principal(1)Slides de antropologia   principal(1)
Slides de antropologia principal(1)
 
Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25
Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25
Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25
 
VisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da FilosofiaVisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da Filosofia
 

Último

O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 

Último (20)

O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 

TRABALHO SOBRE A ORIGEM DA PSICOLOGIA - SÓCRATES

  • 1. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE SERVIÇO SOCIAL NUCLEO DE TEORIA E PESQUISA DO COMPORTAMENTO TRABALHO SOBRE A ORIGEM DA PSICOLOGIA - SÓCRATES CLODOMIR DOS SANTOS ARAÚJO Profª. Ma. ISABEL LUCIA ABREU FLORENTINO BELÉM - PARÁ JAN/2017
  • 2. 2 TRABALHO SOBRE A ORIGEM DA PSICOLOGIA - SÓCRATES BELÉM - PARÁ JAN/2017
  • 3. 3 “A Psicologia possui um longo passado, mas uma história curta!” Herrmann Ebbinghaus. INTRODUÇÃO Desde a antiguidade, pensadores, filósofos e teólogos de várias regiões e culturas se dedicaram nas questões relativas à natureza humana como a percepção, a consciência e a loucura. E, apesar das teorias psicológicas fazerem parte de muitas das teorias orientais, a Psicologia, enquanto ciência tem suas raízes fundadas nos filósofos gregos, vindo separar-se da filosofia apenas no século XIX. A Psicologia tem suas raízes na filosofia, surgindo da necessidade que o homem teve de pensar-se e explicar-se a si próprio além de ter de transmitir essa busca à sociedade, portanto, seu fundamento é a reflexão sobre o homem e, como as demais ciências, deriva de um conjunto de determinações históricas ligadas a grandes pensadores, como os gregos. O diálogo com a filosofia, em particular com a filosofia da ciência e da ética, é imprescindível para o refinamento conceitual e para o exercício crítico de qualquer campo de conhecimento. Neste sentido, as relações entre psicologia e filosofia seguem os padrões das demais ciências, concentrando- se no exame de questões fronteiriças e controversas. Devemos lembrar que a Psicologia é uma ciência nova, sendo que no Brasil foi regulamentada há tão somente 53 anos e, sendo assim, muitas das questões apresentadas hoje nasceram num passado distante, por conta disso é necessário analisar o surgimento desta disciplina com muito cuidado. Como surgiu, por que e em qual contexto histórico, além dos fatores que influenciaram o seu desenvolvimento. Por todo o exposto, estudar Psicologia é dar continuidade ao trabalho de importantes pensadores de outras épocas, como Sócrates, Platão, Aristóteles e Descartes, mentes brilhantes que mudaram a história da humanidade e proclamaram o fim da escravidão na caverna ou, ao menos, muito fizeram para contribuir para tal.
  • 4. 4 Por que a importância de estudar a História da Psicologia? Estudasse a História da Psicologia pela latente necessidade em saber como se desenvolveu o estudo da mente humana, as dificuldades e questões por qual esta ciência passou e para podermos então entender, de forma clara, a atual situação qual a mesma se encontra. Como entender as divergências que ocorrem entre suas mais diversas linhas de pensamento se não buscar saber como essa separação surgiu? Daí a grande importância do estudo histórico dessa ciência. Dessa forma, estudamos o passado da Psicologia para que possamos entender o presente e atuar no futuro com excelência, para nos livrarmos de preconceitos pré-estabelecidos e formarmos os nossos próprios conceitos, e também, para poder enxergar a psicologia como um todo. O Nascimento da Psicologia Ao longo da história da humanidade, pode-se observar o deslumbre com qual o homem analisa seu próprio comportamento e dissemina as reflexões sobre seu agir e de sua conduta. Justamente nesse cenário é que encontramos Sócrates, considerado o divisor de águas da filosofia e com quem a Psicologia ganhou consistência desde a antiguidade, qual surgiu então com novo modo de pensar e de viver, distinto dos pré-socráticos, onde a arte, o corpo e o ‘devir’ dominavam; onde a ideia da verdade ainda não era clara e os teatros se encarregavam de difundir ideias através de tragédias. E o que seria o devir? Representa o tempo e a vida como processo de transformação e de mudanças constantes, onde tudo muda o tempo inteiro e nada é fixo. Ficou eterna sua frase “Só sei que nada sei”. Os filósofos pré-socráticos - assim denominados por antecederem Sócrates - preocupavam-se em definir a relação do homem com o mundo através da ‘percepção’. Discutiam se o mundo existia porque o homem o vê ou se o homem vê um mundo que já existe. Havia então uma oposição entre os ‘idealistas’ quais acreditavam que a ideia formava o mundo e os ‘materialistas’ que, de outro modo pregavam que a matéria que forma o mundo já é dada pela própria ’percepção’ do indivíduo. Contudo, embora passar a
  • 5. 5 ideia de que esses mesmos existiram antes de Sócrates, o termo ‘pré-socrático’ indica uma ‘tendência de pensamento’, estando relacionada, também, com filósofos que viveram na mesma época de Sócrates e até mesmo após ele. Contudo, Sócrates não os via com bons olhos, pois, repassavam conhecimento tão somente aos que lhe dariam alguma forma de paga, muito diferente de Sócrates, qual pregava que esse repasse deveria ser gratuito e a todos. Foi com Sócrates (Athenas, 470-399 a.C.) filho de um escultor e de uma parteira, que a Psicologia na Antiguidade ganhou verdadeira consistência com a sua fundamental pergunta: O que é a essência do homem? Pergunta esta que ele mesmo respondia: o homem é a sua alma e alma com razão. Nesse momento, estava iniciando o poderoso Império de Roma, qual fora o povo mais evoluído dessa época, e, às novas conquistas e o aumento das ‘riquezas’ adquiridas dos domínios anexados, qual permitiu a construção das primeiras cidades-estados ou em grego ‘pólis’. A manutenção dessas cidades geraram outras riquezas, desta feita em forma de escravos trazidos para trabalhar. Esse conjunto amargo de riquezas gerou crescimento, e este mesmo crescimento exigia soluções cada vez mais práticas para as questões humanas, à arquitetura, para a agricultura e para a nova sociedade que nascia de maneira à reenquadrar e entender essas novas questões. Surgia com isso, a necessidade de uma nova organização social, um remodelamento de conceitos, de se pensar a psicologia, e por conta disso fomentou-se a criação do conceito do que hoje chamamos democracia, tudo graças a Psicologia. A principal preocupação de Sócrates era o limite que separava os homens dos animais, postulando que a principal característica da natureza humana é a razão, o que permite ao homem sobrepor seus instintos que seriam a base da irracionalidade, dessa forma, diferente das demais espécies, ao atuar sobre a natureza, o homem não estaria somente alterando-a, mas, também, modificando a si próprio e desenvolvendo suas faculdades, ao definir a razão como peculiaridade do homem ou como essência humana, Sócrates abre um caminho que seria muito explorado pela Psicologia ao afirmar que todos nascem com conhecimento e que caberia então ao filósofo – Psicólogo – o resgate ou a extração desse conhecimento trazendo-o a luz ou a verdade, sendo assim, surgem “As
  • 6. 6 teorias da consciência”. Sócrates observava que, sobretudo, quando o humano aprendeu a dominar instintos e reflexos e transmitia essas conquistas e avanços de forma organizada, extrapolando os limites genéticos, utilizando da educação e da cultura, como meio de demonstrar a continuidade entre passado e presente em termos de objeto de estudos num constante processo na busca de conhecimento, o homem dessa forma, se distinguia dos noutros animais. Sócrates usava do meio que ficou conhecido como “dialética Socrática”, isto é, o exercício de contrapor argumentos contrários, qual apresentava, a saber, três elementos: A Tese, a Antítese e a Síntese. Onde a Tese seria a ideia, a Antítese a contraposição à mesma e a Síntese o resultado dessa discussão. Embora estando relacionado em inúmeras das principais obras e teorias do passado, Sócrates, por si só, não deixou nada por escrito, sendo assim, todo o conhecimento que obtemos sobre suas importantes ideias, foram transmitidos por seus discípulos, como Xenofonte, que como Sócrates também foi soldado, Aristófanes, um dos maiores dramaturgos grego e seu principal discípulo: Platão (427-347 a.C.). Esse último e também filósofo, procurou definir um “lugar” para a razão no nosso próprio corpo. Definindo esse lugar como sendo a cabeça, onde se encontra a alma do homem. A medula seria, portanto, o elemento de ligação da alma com o corpo. Este elemento de ligação era necessário porque Platão concebia a alma separada do corpo. Quando alguém morria, a matéria ou o corpo desaparecia, mas a alma ficaria livre para ocupar outro corpo. Aristóteles (384-322 a.C), discípulo de Platão, foi um dos mais importantes pensadores da história da Filosofia. Sua contribuição foi inovadora ao postular que alma e corpo não podem ser dissociados. Para Aristóteles, a psyché seria o princípio ativo da vida. Tudo aquilo que cresce, se reproduz e se alimenta possui a sua psyché ou a representação da alma. Desta forma, os vegetais, os animais e o homem teriam alma. Os vegetais teriam a alma vegetativa, que se define pela função de alimentação e reprodução. Os animais teriam essa alma e a alma sensitiva, que tem a função de percepção e movimento. E o homem teria os dois níveis anteriores e a alma racional, que tem a função pensante. Aristóteles chegou a estudar as diferenças entre a razão, a percepção e as sensações. Esse estudo está sistematizado no ‘Da anima’, que pode ser considerado o primeiro tratado em Psicologia.
  • 7. 7 Portanto, cerca de 2.300 anos antes do advento da Psicologia científica, os gregos já haviam formulado duas teorias que viriam dar sustentáculo a Psicologia: a platônica, que postulava a imortalidade da alma concebendo-a separada do corpo, e a aristotélica, que afirmava a mortalidade da alma e a sua relação de pertencimento ao corpo. CONCLUSÃO A característica da filosofia de Sócrates é a reflexão. Isso se aplica a frase “conhece-te a ti mesmo”, ou seja, torna a sua ignorância consciente, sendo como o pico da sabedoria; ter consciência racional de si mesmo para organizar racionalmente sua própria vida. Para Sócrates a filosofia é a busca pela verdade, ele indagava e questionava sobre o que seriam “ideias de mundo”. Sócrates teve o interesse pela filosofia voltada para o mundo humano, espiritual, com finalidades práticas e morais. Ele era cético voltado à cosmologia. Para ele, a ciência da prática era a única ciência possível, voltada para valores universais, e que o agir e o conhecimento humano baseavam-se na experiência. Antes da sua filosofia, Sócrates estudou vários de seus antepassados que são chamados de pré-socráticos chegando à conclusão que suas teorias eram bastante conflitantes, e que não conseguiria se decidir por uma delas. Sócrates questionou então os pré-socráticos por não saber onde os pensamentos deles afetavam o comportamento humano, para ele era mais importante saber o que era bom, o certo e o que era justo, de modo geral ele queria estabelecer uma forma de conhecimento para que fosse estipulado um exemplo de conduta correta para o ser humano. Acreditando que ninguém seria capaz de ter respostas para suas perguntas, Sócrates andava por Atenas jogando as questões para o povo sobre moralidade e política. O método principal de Sócrates era o diálogo, e a cada questão respondida ele jogava outra questão fazendo com que o povo pensasse e aprimorasse seus pensamentos. Sócrates gostava de estimular as ideias das pessoas e por isso se definiu como “parteiro de ideias”, com clara referência a sua mãe, que era parteira. REFERÊNCIAS
  • 8. 8 BARRETO, M. M. S. Uma Jornada de Humilhações. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – PUC de São Paulo, São Paulo, 2000. BOCK, A. M. B. et al. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. 10 ed. São Paulo: Saraiva, 1997. BOCK, Ana Mercês Bahia Psicologia fácil / Ana Mercês Bahia Bock, Maria de Lourdes Trassi Teixeira, Odair Furtado. – São Paulo: Saraiva, 2011. BRAGHIROLLI, E. M. Psicologia Geral. 16 ed. rev. e atual. Porto Alegre: vozes, 1998. LEONTIEV, A. O Homem e a cultura. In O desenvolvimento do psiquismo. Tradução de Manoel Dias Duarte. (p. 259-284). Lisboa: Horizonte Universitário, 1978.