“Pessoa e poder transcendental no xangô e no pentecostalismo: Aproximações e
afastamentos entre o axé que forma o filho de...
Religiosos, Vale do Amanhecer, Educação, Sociologia e Antropologia da Educação,
Ensino de Sociologia, Ensino de Antropolog...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pessoa e poder transcendental no xangô e no pentecostalismo

182 visualizações

Publicada em

Mesa Redonda que acontecerá na II Jornada do NERP

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
182
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pessoa e poder transcendental no xangô e no pentecostalismo

  1. 1. “Pessoa e poder transcendental no xangô e no pentecostalismo: Aproximações e afastamentos entre o axé que forma o filho de santo e a unção que preenche o crente pentecostal.” A proposta dessa mesa redonda é discutir a constituição da “pessoa” e sua relação com o “poder” no xangô (forma de culto afro-pernambucana) e no pentecostalismo, ou seja, como o poder transcendental constitui a pessoa, tentando apontar semelhanças e diferenças entre o “Axé” e a “Unção” na constituição do fiel para cada religião. Dessa forma, apontamos que nessas religiões o Ser percorre caminhos a fim de tornar-se mais completo. Sendo o xangô uma religião iniciática, os fiéis existem mais ou menos de acordo com o poder que adquirem do “Axé”, sendo este, digamos, transmitido pela comunidade e pelos deuses. No pentecostalismo, discutiremos como o fiel só se torna pessoa a partir do momento em que é cheio da “unção” do Espírito Santo, podendo ser mais ou menos “cheio da unção” a partir do momento em que se engaja na circulação do carisma pentecostal. Tentaremos ainda, de modo inicial, no entanto, levantar questões sobre as relações entre a pessoa no xangô, no pentecostalismo e sua relação com a formação da noção de pessoa ocidental moderna e, a partir daí, tirar conclusões sobre a expansão destas formas de religiosidade. Apresentadores: Cleonardo Mauricio Junior - Doutorando em Antropologia na UFPE. Membro do NERP. Escreveu sua dissertação sobre o processo de construção das subjetividades dos líderes pentecostais. Ligia Gama - Doutoranda em Antropologia na UFPE. Membro do NERP. Desenvolve pesquisa sobre a participação da criança enquanto agente no candomblé. Pedro Germano – Mestrando em Antropologia na UFPE. Membro do NERP. Desenvolve pesquisa sobre a noção de pessoa no xangô pernambucano. Debatedor: Amurabi Oliveira - Possui Licenciatura Plena (2007) e Mestrado (2008) em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande e Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (2011). Atualmente é professor do Centro de Educação da Universidade Federal de Alagoas, Campus I, e professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFAL. É pesquisador do NERP e atua principalmente nos seguintes temas: Religiosidades, Nova Era, Novos Movimentos
  2. 2. Religiosos, Vale do Amanhecer, Educação, Sociologia e Antropologia da Educação, Ensino de Sociologia, Ensino de Antropologia, Dádiva, Estudos Pós-Coloniais, Antropologia e Sociologia do Corpo.

×