Exposição pv

168 visualizações

Publicada em

Pierre Verger e os Cultos Afro-Brasileiros do Recife - Exposição em Homenagem aos 100 anos de René Ribeiro

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
168
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Exposição pv

  1. 1. Pierre Verger e os cultos afro-brasileiros no Recife Exposição em Homenagem aos 100 Anos de René Ribeiro Curadoria: Renato Athias Laboratório de Antropologia Visual Departamento de Antropologia e Museologia Universidade Federal de Pernambuco Pierre Verger (1902-1996), ao chegar no Brasil, em 1946, manteve contato com Gilberto Freyre (1900-1987) que o propiciou os primeiros contatos com os cultos afro-brasileiro no Recife. Verger já havia tomado conhecimento através de seu amigo antropólogo francês Roger Bastide (1898-1974). No Recife, Verger frequentou várias terreiros, acompanhando o antropólogo pernambucano René Ribeiro (1914-1990) em suas incursões etnográficas. Resulta desse experiência o ensaio aqui exposto. Trata-se de um conjunto de fotos da autoria de Verger, tendo sido publicada na primeira edição do livro de René, intitulado Cultos Afro- brasileiros do Recife, que veio a lume em 1952. O livro de René é um versão em português apresentada na Northwestern University, sob a orientação do antropólogo norte-americano Melville Herskovits (1895-1963), em 1947. Este conjunto de fotos é pioneiro na sua temática, por se tratar de um tema que na época era pouco explorado: o transe no campo ritual afro-brasileiro. O movimento das imagens tão bem capitado por Verger é revelador dessa sensibilidade etnográfica que, posteriormente, marcará sua trajetória de fotógrafo e etnógrafo. Provavelmente, foi através de suas incursões no Xangô de Pernambuco, em 1947 e 48, que Verger irá despertar ainda mais a paixão por essa manifestações religiosas que delas irá se ocupar com maior regularidade quando fixou definitivamente em Salvador. Verger foi um apaixonado e devoto pelo candomblé da Bahia, incluindo no patronímico o nome de Fatumbi (nascido de novo graças a Ifá), recebido durante suas inúmeras permanências no continente africano. Por fim, agradecemos a Fundação Pierre Verger que nos vendeu os direitos autorais para esta exposição, como também para a reedição dos Cultos Afro- brasileiros no Recife, publicado em livro comemorativo ao centenário de nascimento de René Ribeiro, que celebramos neste ano. Renato Athias Curador da exposição e organizador do livro em homenagem a René Ribeiro

×