Ano VII                                                                                                                   ...
Sindicatos das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento,                          Perícias, Informa...
FENACON                                         FENACON em                      R. Augusta, 1939 - Cjs 42 e 43            ...
espaço do leitor       MP 22                                    do objeto (atividades) da seguinte               Paulo Ang...
palavra do presidenteVencemos uma batalha, a guerra continua    Acabamos de assistir a uma acirrada queda-de-braço entre o...
sistema tributárioEnfim, a vitória!Acaba o pesadelo do aumento de carga tributária para as empresas prestadoras de serviço...
Simples esbarra agora                                       Foto: Lillian Vanessa de Oliveira                             ...
legislativo                                                                                                               ...
Foto: Alex Salim                                                         “A Reforma Tributária é um                       ...
legislativoMenos guerra, mais recursos                                                                                    ...
publicado & registrado                       Presidente da Fenacon debate fim da                       cumulatividade do P...
recursos humanosCaçadores de talentosA globalização deu um novo perfil às relações de trabalho;consequentemente maior valo...
Alex Salimir de módicos vinte reais a contratos sigilosos, que    problemas. Para o consultor deenvolvam milhares de reais...
Edicao77
Edicao77
Edicao77
Edicao77
Edicao77
Edicao77
Edicao77
Edicao77
Edicao77
Edicao77
Edicao77
Edicao77
Edicao77
Edicao77
Edicao77
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Edicao77

360 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
360
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Edicao77

  1. 1. Ano VII Edição 77 FENACON em Maio 2002 S E R V I ÇO SPublicação Mensal da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas dirigida a empresários de prestação de serviços - Valor Unitário - R$ 2,50 Programa das Bandeiras Fenacon comemora 11 anos, homenageando sindicatos que mais se destacaram em 2001 Eventos Fenacon Londrina espera 400 empresários de serviços para o II Enescap/Sul Recolocação profissional em alta Empresas de recursos humanos ganham importância estratégica no mercado de trabalho do mundo globalizado
  2. 2. Sindicatos das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas filiados à FENACON SESCAP - Acre SESCON - Distrito Federal SESCON - Minas Gerais SESCON/ Rio Grande do SulPres.: Sergio Castagna Pres.: Elizer Soares de Paula Pres.: João Batista de Almeida Pres.: Tadeu Saldanha SteimerAv. Getúlio Vargas, 130, sala 205 - Centro SHC Sul, Qd. 504, Bloco C, Av.Afonso Pena, 748 - 24º andar R. Augusto Severo, 16869900-660 – Rio Branco/AC Loja 64, Subsolo 30.130-003 - Belo Horizonte/MG 90240-480 - Porto Alegre - RSTel.: (68) 223-6942 70331-535 – Brasília/DF Telefax.: (31) 3273-7353 Telefax: (51) 3343-2090castagnasergio@aol.com Tel.: (61) 226-1269/ 226-1248 sescon@sescon-mg.com.br sescondf@loreno.net sescon-rs@sescon-rs.com.br www.sescon-mg.com.br www.bbcont.com.br/sescondf www.sescon-rs.com.br SESCON - Alagoas SESCON - ParáPres.: Anastácio Costa Mota SIECONT - Rondônia SESCON - Espírito Santo Pres.: Carlos Alberto do Rego CorreaR. Dr.Albino Magalhães, 185 Travessa 9 de Janeiro, 2050 - Cremação Pres.: Antonio Sivaldo Canhin57050-080 - Maceió/AL Pres.: Luiz Carlos de Amorim 66063-260 - Belém/PA Av. Carlos Gomes, 2292 - Sl 4Telefax (82) 336.2210 R. Quintino Bocaiuva, 16, s. 903 Telefax: (91) 249-9768 78901-200 - Porto Velho/ROsesconal@matrix.com.br 29010-903 – Vitória/ES Tel. (69) 224.4842 - Fax: (69) 216.1217 Tel. (27) 3223.4936/ 3223.3547 sesconpa@nautilus.com.br siecont@casadoempresario.com.br SESCAP - Amapá sescon@sescon-es.org.br www.sescon-es.org.br SESCON - Paraíba www.canhin.com.brPres.: Aluisio Pires de Oliveira Pres.Aderaldo Gonçalves do Nascimento Jr.Rua Cândido Mendes, 374, sala B SESCON - Goiás R. Rodrigues de Aquino, 267 - sala 703 SESCON - Roraima68900-100 - Macapá - AP 58013-030 - João Pessoa/PBTelefone: (96) 222-0434 Pres. Edson Cândido Pinto Telefax (83) 222.9106 Pres.: Maria de Fátima Bezerra da Silvasescap_ap@uol.com.br Av. Goiás, 400 - 6º and. - Sl. 67 - Centro sesconpb@zaz.com.br Av.Getútio Vargas, 687-W - Centro/Anexo 74010-010 - Goiânia - GO 69301.030 - Boa Vista/RR SESCON - Amazonas Telefax: (62) 212-4477 SESCAP - Paraná Telefax. (95) 623.0724 sescongo@ih.com.br fatima@technet.com.brPres.: Wilson Américo da Silva www.bbcont.com.br/sescongo Pres.: Valdir PietrobonR. Monsenhor Coutinho, 485 - sala 3 - Centro R.Marechal Deodoro, 500 -11º andar69010-110 - Manaus/AM 80010-911- Curitiba/PR SESCON - Santa CatarinaTel.: (92) 231-1090 SESCON - Grande Florianópolis Telefax (41) 222.8183 Pres.: Vilson Wegener sescap-pr@sescap-pr.org.br Pres.: Walter Teófilo Cruz Av. Juscelino Kubitschek, 410 - bl.B - sl.306 SESCON - Apucarana R. Araújo Figueiredo, 119 - sl. 402 www.sescap-pr.org.br 89201-906 - Joinville/SC 88010-520 - Florianópolis/SC Telefax (47) 433.9849/1131Pres.: Alicindo Carlos Moroti SESCON - Pernambuco Telefax: (48) 222.1409 sesconsc@sesconsc.org.brRua Osvaldo Cruz, 341 - Centro86800-720 - Apucarana - PR sescon@floripa.com.br Pres.: Almir Dias de Souza www.sesconsc.org.brTel. (43) 422-7908 / 422-3913 www.sesconfloripa.org.br R. José Aderval Chaves, 78 Sls 407/408 51111.030 - Recife/PEaprogramacao@onda.com.br Telefax: (081) 3327.6324 SESCON - São Paulo SESCON - Londrina sesconpe@truenet.com.br SESCON - Bahia Pres.: Paulo Bento www.brasilnet2000.com.br/sesconpe Pres.: Carlos José de Lima Castro R. Senador Souza Naves, 289 - sobreloja Av. Tiradentes, 960 - Ponte PequenaPres.: Fernando César Passos Lopo 01102-000 - São Paulo - SPAv. Antonio Carlos Magalhães, 2573 - 12° 86010-914 - Londrina / PR SESCON - Piauí Telefax. (43) 329.3473 Telefax: (11) 3328-4900/3328-4909andar,sl. 1205/1206 - Candeal de Brotas - Pres.: Tertulino Ribeiro Passos sescon@sercomtel.com.br sesconsp@sescon.org.br40289.900 - Salvador/BA R. Honório de Paiva, 607 - Piçarra www.sesconlda.org.br www.sescon.org.brTelefax. (71) 452.4082/9945 64001-510 - Teresina/PIsesconba@terra.com.br Telefax: (86) 222.6337 SESCON - Maranhão sesconpi@analisecontabilidade.com.br SESCON - Sergipe SESCON - Blumenau Pres. Gilberto Alves Ribeiro Av. Gerônimo de Albuquerque, s/n° - sala 201 SESCON - Ponta Grossa Pres.: Wladimir Alves TorresPres.: Carlos Roberto Victorino R. Siriri, 496 - sl. 4 - 1º andar Retorno do Calhau - Casa do Trabalhador Pres. Luiz Fernando SaffraiderR.15 de novembro, 550 - Sl 1009 49010-450 - Aracaju/SE 65051-200 - São Luís / MA R. Comendador Miró, 860 - 1º andar89010-901 - Blumenau/SC Telefax (79) 214.0722 - (79) 213.7058 Telefax: (98) 3082-7972 / (98) 3082-7976 84010-160 - Ponta Grossa/PRTelefax. (47) 326.0236 - 326.3401 sesconse@infonet.com.br sescon-ma@elo.com.br Tel. (42) 222.1096 - Fax: (42) 222.5040sesconblumenau@flynet.com.br www.infonet.com.br/sesconse www.elo.com.br/sescon sesconpg@uol.com.br SESCON - Caxias do Sul SESCON - Mato Grosso do Sul SESCON - Rio de Janeiro SESCON - Sul FluminensePres.: Moacir CarboneraR. Ítalo Victor Bersani, 1134 Pres.: José Augusto de Carvalho Pres.: Laércio José Jacomélli Pres. Fulvio Abrami Stagi95050-520 - Caxias do Sul/RS Av. Presidente Vargas, 542 - sl.1906 Rua Elvira Pacheco Sampaio, 681 R. Orozimbo Ribeiro, 14, 2º and., CentroTel. (54) 228.2425 - Fax: (54) 222.7825 20071-000 - Rio de Janeiro/RJ 27330-420 - Barra Mansa - RJ 79071- 030 - Campo Grande - MSsescon@cic-caxias.com.br Tel. (21) 2233-8868 - Fax. (21) 2233-8899 Telefax: (67) 387-6094/387-5489 Telefax (24) 3323.8318 sesconrj@domain.com.br sesconsul@uol.com.br sesconms@terra.com.br SESCON - Ceará www.bbcont.com.br/sesconrjPres.: Urubatam Augusto Ribeiro SESCON - Mato Grosso SESCON - TocantinsAv. Washington Soares, 1.400 - sl. 401 SESCON - Rio Grande do Norte60811-341 - Fortaleza/CE Pres.: Elynor Rey Parrado Pres.: Edson Oliveira da Silva Pres.: Antônio Luiz Amorim AraújoTel.(85) 273.4341 R. São Benedito, 851 - 1o andar R. Segundo Wanderley, 855-B, Barro Vermelho, ACNO I - Lote 20 - Cj 3 - Sl 25Fax: (85) 273.5083 78010-800 - Cuiabá/MT 59030-050 - Natal/RN 77013.020 - Palmas/TOsesconce@baydenet.com.br Tel. (65) 623-1603 / Fax. 321-4831 Tel.: (84) 212-1312 Telefax (63) 215.3395www.sescon-ce.com.br sesconmt@terra.com.br sescon-rn@digi.com.br audiconta@uol.com.br Empresário de Serviços, entre em contato com seu sindicato através de e-mail. É mais fácil, rápido e econômico. Critique, reivindique, opine, faça sugestões aos seus dirigentes. Eles querem trabalhar por você, em defesa de sua empresa. Atualizado em 16.05.20022 - Revista Fenacon em Serviços - Edição 77
  3. 3. FENACON FENACON em R. Augusta, 1939 - Cjs 42 e 43 Ano VII - Edição 77 01413.000 - São Paulo - SP S E R V I ÇO S Telefax (11) 3063.0937 Diretoria da Fenacon 2001/2003 Maio de 2002 Presidente Pedro Coelho Neto Vice-Presidente - Região Sudeste índice Antônio Marangon Vice-Presidente - Região Nordeste s espaço do leitor .............................................................................04 José Geraldo Lins de Queirós s palavra do presidente ....................................................................05 Vice-Presidente - Região Sul . Vencemos uma batalha, a guerra continua Mário Elmir Berti s sistema tributário ...........................................................................06 Vice-Presidente - Região Centro-Oeste/Norte . Enfim, a vitória! Antônio Gutenberg Moraes de Anchieta s legislativo ......................................................................................08 Diretor Financeiro . Imposto sobre imposto Horizon Donizeth Faria de Almeida . Menos guerra, mais recursos Diretor Administrativo Roberto Wuthstrack s publicado & registrado .................................................................. 11 Diretor Institucional . Presidente da Fenacon debate fim da cumulatividade do PIS na Unitv Haroldo Santos Filho s recursos humanos .........................................................................12 Diretor de Eventos . Caçadores de talentos José Rosenvaldo Evangelista Rios s aniversário fenacon .......................................................................14 Diretor de Assuntos Legislativos e do Trabalho . Fenacon homenageia sindicatos que mais se destacaram em 2001 Sauro Henrique de Almeida Diretor de Tecnologia e Negócios s eventos ..........................................................................................16 Nivaldo Cleto . Sescon/Londrina espera 400 participantes para o II Enescap-Sul Suplentes s agenda ..........................................................................................17 José Eustáquio da Fonseca . Contabilidade de cooperativas Luiz Valdir Slompo de Lara Anastácio Costa Mota s tecnologia da informação ..............................................................19 Maciel Breno Schiffler . IncrediMail - Troque seu gerenciador de correio eletrônico Orival da Cruz s memória ........................................................................................20 Cleodon de Brito Saraiva . Contabilidade brasileira perde expoentes Izabel Rodrigues Liipke Carlos Alberto do Rego Correa s responsabilidade social .................................................................21 Leomir Antonio Minozzo . Pela vida William de Paiva Motta s regionais .......................................................................................22 Conselho Fiscal . Doação de sangue em Londrina Efetivos . Mais harmonia para as relações de trabalho Jodoval Luiz dos Santos . Posse no Sescon/MA José Carmelo Farias . SPB em Blumenau Antonio José Papior Suplentes s assembléia ....................................................................................23 Irany Barroso de Oliveira Filho . Conselho de Representantes da Fenacon se reúne em São Paulo Aluísio Beserra de Mendonça s rápidas ..........................................................................................24 Luis Carlos Freitas . Câmara de Serviços Terceirizáveis discute Lei de Licitações em Curitiba Representação na CNC . Sesc inaugura Centro Cultural e Poliesportivo Efetivos . Empresas de saúde querem o Simples Pedro Coelho Neto . Dia do Contabilista Eliel Soares de Paula Suplentes s livros .............................................................................................25 José Augusto de Carvalho . Pense nisso! Maria Elzira da Costa s go around ......................................................................................26 . Vendendo o invisível? expedienteA revista Fenacon em SERVIÇOS é uma publicação Editor Responsável:mensal da Federação Nacional das Empresas de Serviços André Luiz de AndradeContábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Redação x Assinaturas x Anúncios Direção de Arte e Diagramação:Informações e Pesquisas. Marcelo A. Ventura Revista Fenacon em SERVIÇOSHome Page: http://www.fenacon.org.br Conselho Editorial: Pedro Coelho Neto Rua Augusta, 1939 - Cj 42 e 43Tiragem: 50 mil exemplares Antonio Marangon Cep 01413-000 - São Paulo - SPAuditoria de Circulação: Villas Rodil Auditores Independentes Nivaldo Cleto revistafenacon@fenacon.org.brCirculação: nacional - empresas de setores de serviços Mário Elmir Berti Gerson Lopes Fonteles www.fenacon.org.brligadas ao Sistema Fenacon, instituições de ensino superior,órgãos governamentais, representantes dos poderes Sérgio Approbato Machado Telefones (11) 3063.0937legislativos e assinantes em geral. José Antonio de Godoy 3082.2218 3088-5774A Revista Fenacon em Serviços não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nas matérias ou artigos assinados Revista Fenacon em Serviços - Edição 77 - 3
  4. 4. espaço do leitor MP 22 do objeto (atividades) da seguinte Paulo Angelin, autor do artigo, ‘A vida Sou leitor assíduo da RFS e gostaria forma: 9000-0/01 - Serviço de Limpeza não é linear...’, na edição de n.º 73. Urbana - exclusive gestão de aterros Darci Marinode parabenizá-los pelo excelente trabalho sanitários, vindo a contrariar a própria Excelsior Contabilidadee pela representação junto à mídia e Americana-SPprincipalmente à Câmara Federal. Eu tabela de CNAE Fiscal adotada pela Receita Federal. Penso que a pessoa que excelsior@acia.com.brfiquei muito feliz em saber que há colegaslutando contra o abuso de poder por parte está à frente de órgão desta importânciados nossos governantes. deveria ser melhor escolhida e/ou Go aroundElias Xavier de França Junior preparada. Ou para cada empresa Quero parabenizar esta revista que, aoSão Gonçalo - RJ prestadora de serviços que viermos a longo destes anos, vem se solidificando comelias.dct@bol.com.br registrar deveremos consultar a matérias objetivas direcionadas a um seleto JUCERGS antes? público. Não poderia deixar de mencionar a Egon Guilherme Sturm Responsabilidade Social S & S Serviços Contábeis Ltda. brilhante participação do nobre colega Tucunduva - RS Haroldo Santos Filho, em sua inteligente e É de grande valia o papel do CFC, dos regional.sra@terra.com.br bem-humorada coluna ‘Go Around’, enfo-CRCs, da Fenacon e dos Sescons no que cando os mais diversos temas da nossa atuali-se refere a responsabilidade social. Pude dade. Referindo-se à gestão empresarial co-constatar lendo o artigo ‘Contabilistas Trading mo um todo, prova por ‘A + B’ que contadorrealizam Campanha Nacional de Doação Somos prestadores de serviços em também pode ser um bom orientadorde Sangue e ‘Fenacon promove ações despacho aduaneiro. Estamos empresarial sob o aspecto administrativo,filantrópicas’ (RFS 76, pág. 9). Isto pode precisando da legislação para abertura passando por cima do triste estigma que, aoalertar as pessoas que não contribuem com de uma trading. Pedimos ajuda. Onde longo dos anos, fomos obrigados a engolir:nenhuma ação social, para que não fiquem poderemos encontrar isso? ‘Contador: um mal necessário??’ Orgulho-de braços cruzados, pois é isso que a classe Assecex Ltda. me de ser contador e agradeço ao Sr. Haroldocontábil está fazendo; a cada dia que passa Assecex@assecex.com.br por usar seus conhecimentos e sua amplao envolvimento da nossa classe contábil capacidade de comunicação em prol daestá mais fortalecido no que tange ao Qualidade melhoria constante de nossa imagem.aspecto de ajudar um menor carente, uma Antonio Sérgio MarangoniAPAE. Está de parabéns a Fenacon, os Gostaria de receber alguma matéria Contador - Perito JudicialSescons, o CFC e os CRCs pelas iniciativas sobre qualidade nos serviços contábeis e Antoniomarangoni@hotmail.comde, não apenas dizermos que somos também uma reportagem que saiu sobreresponsáveis sociais, e sim de mostrarmos escritórios com o certificado ISO 9000.para todo o País, através de ações concretas, Sou aluna da UFSC e estou fazendo minha TIque realmente trazemos conosco este monografia com o tema ‘Qualidade nos Tenho acompanhado os artigos doespírito de socialmente responsáveis. Serviços Contábeis’. colunista Nivaldo Cleto, na Revista FenaconAntônia Elisângela Vaz Costa Tânia Regina Zunino Shigunov em Serviços - ‘Tecnologia da Informação’.Sobral-CE taniashig@zipmail.com.br Têm sido muito importante suas dicas paraelisangelacosta@sobral.org nosso escritório, pois sempre que recebemos a revista lemos estes artigos com muita Revista ansiedade pelas suas novidades ali Junta Comercial apresentadas. Na edição n° 76, conseguimos Parabenizo a todos aqueles que fazem Registro aqui minha inconformidade resolver duas pendências de tributação a Revista, pelo absoluto sucesso ao longo pesquisando o site de busca Google.com.e indignação para com os procedimentos de todos estes anos. Parabéns pelas idéias e novidadesinternos adotados pela Junta Comercial Gersuel Vieira de Brito apresentadas, pois as estamos colocando emdo Estado do Rio Grande do Sul, quando Barreiras - BA prática com excelentes resultados.do registro de empresas prestadoras de gersuel@uol.com.br Mauricio G. Candidoserviços. Ocorre que simplesmente não Escoplan - Escritório Contábil Planaltofoi aceito o registro de empresas cujo Pres. do Sincontabil - Sind. dosCNAE Fiscal é 9000-0/01 - Limpeza Revista II Contabilistas de MaringáUrbana - exclusive gestão de aterros Meus cumprimentos à direção da Maringá - PRsanitários, por não constar a descrição Revista Fenacon, por publicar, e ao Sr. E-mail: mauricio@escoplan.com.br•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO•NOVO• Atenção!!! Novo endereço de e-mails para esta seção: revistafenacon@fenacon.org.br As mensagens somente serão publicadas com a devida identificação do leitor: Nome, Endereço Completo e Telefone. Por motivos de espaço, a redação se reserva o direito de publicar de modo resumido o conteúdo das cartas e e-mails dos leitores.4 - Revista Fenacon em Serviços - Edição 77
  5. 5. palavra do presidenteVencemos uma batalha, a guerra continua Acabamos de assistir a uma acirrada queda-de-braço entre o Executivo e o Legislativo, por “Plagiando o provérbio:conta da indigesta Medida Provisória 22, que Pedro Coelho Netopretendia aumentar a Contribuição Social sobre ‘Deus escreve certo por linhaso Lucro Líquido das empresas prestadoras de Salário educaçãoserviços em mais de 166%. tortas’, o nosso Governo De prontidão, fomos à luta e conseguimos, E, como se não bastasse, idênticacom o apoio do Núcleo Parlamentar de quando trata de tributação metodologia de apuração será aplicada aoEstudos Contábeis e Tributários - NPECT e Salário Educação, que deixaria de incidirdos Sindicatos Filiados, arregimentar um costuma escrever errado por sobre a Folha de Pagamento e passaria abatalhão de choque contra a agressiva incidir sobre o faturamento; passando a serpretensão do Governo. Escudados por linhas aparentemente retas” administrado, no que tange à tributação,inteligente estratégia legal e eficaz apoio arrecadação e fiscalização, pela Receitapolítico, vencemos essa memorável batalha. Federal. No rescaldo, fica a certeza de que o melhor insumos, nos bens de uso, nos aluguéis etc, de Aqui cabe a pergunta: quem vai pagar acaminho a ser seguido, quando se pretende modo a eliminar a incidência em cadeia. dispendiosa burocracia que acompanhaalcançar um objetivo politicamente correto, é Estariam de fora dessa forma de apuração esse novo método de apuração? Seria dea legítima mobilização de forças, ou seja, a as empresas optantes pelo Lucro Presumido todo pertinente que os senhores deputadospressão das bases através de suas entidades - mais de 600 mil - e as optantes pelo Simples avaliassem esse custo!representativas. Entretanto, as estratégias - mais de 2 milhões. Aparentemente, foi E as empresas prestadoras de serviçospolíticas acontecem de lado-a-lado e exigem encontrada a solução ideal para a eliminação que são optantes pelo Lucro Real e que têmuma constante vigília, sob pena de sermos da criticada cumulatividade e, conse- a maior parte de seus custos representadosobrigados a pagar contas indevidas. quentemente, estariam os produtos brasileiros por mão-de-obra, não geradoras de crédito Agora, a bola da vez é a ‘não mais competitivos no mercado interno e no de PIS/PASEP, como ficam? Vão ter suacumulatividade’ das contribuições. Sob o mercado externo. carga tributária aumentada, simplesmente?manto de uma Reforma Tributária pontual Todavia, o referido Projeto de Lei traz Como se vê, há a necessidade de uma- leia-se reforma faz-de-conta, o Executivo em um de seus últimos artigos o seguinte análise mais acurada sobre as ‘vantagens’pediu à Câmara dos Deputados que criasse artifício: autorização expressa para o da pretendida não cumulatividade.uma Comissão Especial com o intuito de Executivo, passados 14 meses, se constatar Plagiando o provérbio: ‘Deus escreve certoelaborar projeto para eliminação das que houve redução na arrecadação da por linhas tortas’, o nosso Governo quandocontribuições cumulativas. Seriam louváveis contribuição (hoje de R$ 9,5 bilhões ano!), trata de tributação costuma ‘escrevera iniciativa do Governo e a agilidade do proceder o reajuste da alíquota. Ora, se não errado por linhas aparentemente retas’.Legislativo, se não fora o Projeto de Lei já vai haver redução na carga de tributosaprovado na Comissão, que altera a incidente sobre os produtos, como estes Pedro Coelho Neto élegislação do PIS/PASEP e do Salário serão mais competitivos? Francamente, não presidente da FenaconEducação, o qual será encaminhado para dá para entender. pedrocoelho@fenacon.org.brapreciação em regime de urgênciaurgentíssima. brasil políticoCompetitividade Pelo que pudemos observar nomalsinado Projeto de Lei, aproxi-madamente, das 2,8 milhões de empresascontribuintes para o PIS/PASEP, apenascerca de 170 mil, optantes pelo pagamentodo Imposto de Renda com base no LucroReal, estariam abrangidas pelo novametodologia de apuração dessa con-tribuição. Em síntese, pretende-se aumentar a alíquotada contribuição de 0,65% para 1,65%,permitindo às empresas sujeitas a essa novaalíquota, compensarem o PIS/PASEP embutidono valor das mercadorias para revenda, nos Revista Fenacon em Serviços - Edição 77 - 5
  6. 6. sistema tributárioEnfim, a vitória!Acaba o pesadelo do aumento de carga tributária para as empresas prestadoras de serviços. O artigo3°, majorando a CSLL em quase 200%, é retirado do texto da MP 22. Mobilização liderada pela Fenaconfoi fundamental para a derrubada da MP 22, segundo deputado. Agora, o foco volta a ser o Simples Lillian Vanessa de Oliveira, de Brasília A estratégia do Governo não aumento de carga tributária para as vez que sabia que seria derrotado se não ofuncionou. A MP 22/02, que corrige em prestadoras de serviços. fizesse. De acordo com Pedro Eugênio, o17,5% os valores da tabela do Imposto de relator disse ainda que já havia mantidoRenda - Pessoa Física, foi aprovada pela contato com o secretário da Receita Fe-Câmara no dia 17 de abril. A votação foi Articulações deral, Everardo Maciel, e com líderes dasimbólica, isto é, quando não há registro Depois de realizar audiências públicas base governista, alertando-os sobre o riscodos votos no painel eletrônico, ao em São Paulo, Brasília e Pernambuco, a da rejeição da MP.contrário da votação nominal, que registra Fenacon teve o apoio do Núcleocada um dos votos. Parlamentar de Estudos Contábeis e A aprovação já era esperada pela Tributários - NPECT - representado pelos Resultadosmaioria do Congresso, depois que o rela- deputados Germano Rigotto (PMDB-RS) “Foi uma grande vitória!”, diz Pedrotor da Medida e Pedro Eugênio, Eugênio, que complementa: “se não tivesseProvisória, deputado que deram início a ocorrido a mobilização das empresas de um processo de Foto: Bruno StuckertRodrigo Maia (PFL- serviços e, sejamos justos, da Fenacon eRJ) decidiu ceder articulação pelos dos Sescons, a tendência era a de que a MPaos protestos contra corredores da Câ- 22 permanecesse entre tantas outras, pelaso artigo 3° da MP, mara. quais ninguém se manifesta, e que acabamque aumentava de Os dois deputa- ficando por isso mesmo”.12% para 32% a dos também procu- O Presidente da Fenacon, Pedro Coe-base de cálculo da raram o presidente lho Neto, destaca o trabalho de todosContribuição Social da Casa, Aécio aqueles que “contribuíram para o êxitosobre o Lucro Lí- Neves, para discutir nesta empreitada que beneficiou o setorquido - CSLL das a agressão proposta de serviços como um todo”. Mas oempresas presta- pelo Governo, im- Pedro Coelho Neto: “temos que presidente lembra que esta foi apenas umadoras de serviços, e continuar dedicando grande esforço posta pelo artigo 3° vitória dentre tantas outras batalhas que aacabou retirando o contra essa sede febril da Receita da MP 22. O apoio Fenacon continua lutando em prol dasdispositivo do texto, Federal de cada vez arrecadar mais” foi imediato. Na empresas de serviços. “Infelizmente,antes mesmo da MP ocasião, segundo o temos que continuarir à votação. dedicando grande es- Segundo o relator, a decisão partiu do deputado Pedro forço contra essa sede Foto: Agência Câmarapróprio presidente da executiva do PFL, Eugênio, Aécio febril da Receita Fe-senador Jorge Bornhausen, quando ficou afirmou que “o deral de cada vez ar-estabelecido um acordo entre todos os Congresso real- recadar mais”, afirma.partidos para a retirada do artigo. “O mente tinha sido No dia 23 de abril,governo sabia desde o início que passado para trás”, foi a vez do Senado a-perderia”, explica Rodrigo Maia. e que, portanto, provar o projeto de Para o deputado Pedro Eugênio (PT- apoiaria o Núcleo. conversão encami-PE), o governo começou a recuar assim O NPECT pro- nhado pela Câmara,que a medida entrou na pauta de votação curou também o do qual foi suprimidoda Câmara, quando constatou que a próprio relator da o artigo 3º, que au-maioria dos parlamentares rejeitavam o MP, deputado Ro- mentava, de 12% paraartigo que aumentava a CSLL. Antes drigo Maia, que 32%, a base de cál-disso, porém, a Fenacon já havia iniciado confessou a pers- culo da CSLL para asmobilização, levando à opinião pública pectiva de retirar empresas prestadorasforte posicionamento contrário ao o artigo 3°, uma Rodrigo Maia: “O governo sabia desde o início que perderia”6 - Revista Fenacon em Serviços - Edição 77
  7. 7. Simples esbarra agora Foto: Lillian Vanessa de Oliveira na Receita Federal Vencida a batalha para a retirada do deveria indicar dois representantes. Tanto artigo que majorava a CSLL, a Fenacon a Fenacon quanto o INSS e o Congresso volta seus esforços para a reforma já fizeram suas indicações. A Receita Fe- tributária. Principalmente, para a deral, porém, até o presente momento, não inclusão das empresas de serviços no indicou ninguém. Simples, trabalho que se iniciou na Segundo a Agência Câmara, a gestão anterior e prossegue como uma Comissão de Economia, Indústria e das principais bandeiras da entidade. Comércio aprovou, no dia 10 de abril, Mas o êxito não depende só da iniciativa requerimento para criação de grupo de Pedro Eugênio: “Foi uma grande e da mobilização da Fenacon. trabalho com a Comissão de Finanças vitória. Se não tivesse ocorrido a Em dezembro do ano passado, em e Tributação, para análise das propostas mobilização das empresas de serviços, audiência realizada na Câmara Federal, em que alteram a Lei do Simples. O a tendência era a de que a MP 22 Brasília, foi formada uma comissão para objetivo é elaborar projeto único. O ficasse entre tantas outras, pelas quais ninguém se manifesta” discutir a viabilidade da inclusão das autor da proposição, deputado Marcos empresas de serviços no Simples. A Cintra (PFL-SP), argumenta que propôs comissão deveria ser composta por a criação do grupo, tendo em vista ode serviços optantes pelo lucro presumido. representantes da Fenacon, da Receita grande número de proposições sobre oNo fechamento desta edição, a MP 22 já Federal - que diz não ter nada contra a tema paradas nas duas comissões,havia sido encaminhada à sanção inclusão -, do INSS - que alega perda de devido à inviabilidade de aprovaçãopresidencial. A expectativa é que, agora, arrecadação -, e do Congresso. Cada órgão isolada das mesmas.não haja mais surpresas. Anúncio MASTERMAQ Revista Fenacon em Serviços - Edição 77 - 7
  8. 8. legislativo Foto: Alex SalimImposto sobre impostoComissão Especial da Câmara Federal aprova projetode lei que acaba com a cumulatividade do PIS, mas prevê, comocompensação, o aumento de alíquota de 0,65% para 1,65%.A ‘Mini-reforma tributária’ - como vem sendo chamada pelo governo -pode servir de laboratório para o Cofins e outros impostos Sauro Henrique de Almeida: “eu vejo estas mudanças como uma jogada política de ano eleitoral” Em economia, o termo cadeia produtiva Trabalho da Fenacon, o consultor contábil Demes esbarra na Proposta de Emendadesigna todos os elementos que participam Sauro Henrique de Almeida, faz críticas ao Constitucional 474/01, do deputadoda elaboração e comercialização de um projeto. “Eu vejo estas mudanças como Marcos Cintra (PFL/SP), que cria odeterminado bem até o seu consumidor fi- uma jogada política de ano eleitoral. Todos imposto único sobre movimentaçõesnal. No Brasil, em função dos chamados ficamos impressionados com esta ‘Mini- financeiras com alíquota de 1,7%. Aimpostos e contribuições em cascata, todos reforma’, mas ela não resolve o problema. proposta do deputado Cintra foi aprovadaos agentes desta cadeia acabam contribuindo Indiretamente teremos uma diminuição da no dia 23 de abril pela Comissão dede forma cumulativa, o que encarece os carga, mas a solução mesmo seria um Constituição e Justiça da Câmara, um diaprodutos, prejudicando inclusive o esforço aumento da base tributária com uma antes da aprovação do projeto de lei dode exportação. É o chamado ‘Custo Brasil’. redução de alíquotas e impostos para que deputado Demes. Um bom exemplo deste ‘Custo Brasil’ todos pudessem pagar”. Segundo a PEC, só os impostossão as contribuições sociais PIS e Cofins. Mussa Demes explica que “o projeto federais sobre importação e exportação,Criadas respectivamente nos anos 70 e 90, de lei é um primeiro passo para acabar além dos tributos de competênciaambas incidem sobre a mesma base com a cumulatividade dos impostos. Ele constitucional dos estados e municípiostributária e têm o mesmo objetivo: servirá como um laboratório para o Cofins continuariam como estão. O Impostofinanciar a seguridade social. De quebra, e outros impostos, que Único substituiriacontribuem para o caixa federal com também poderão ser o IR (Física e Foto: Agência Câmaraquase R$ 60 bilhões por ano. modificados no fu- Jurídica), o IPI, a Com o incentivo do Palácio do turo”. Demes se refere CPMF, o ITR, oPlanalto, a Comissão Especial de ao processo de moni- IOF e as contri-Tributação Cumulativa da Câmara dos toramento de 14 buições que in-Deputados vinha nos últimos meses meses acordado com cidem sobre aanalisando as possibilidades para uma a Receita. Durante folha de saláriospequena ‘Reforma Tributária’, que não este período, seria das empresasafetasse o fluxo de entradas das receitas. verificado se os níveis (Cofins, INSSNo último dia 24 de abril, a Comissão de arrecadação se patronal, Salário-aprovou o projeto de lei 6665/02 relatado manteriam nos Educação, Sis-pelo deputado Mussa Demes (PFL/PI), mesmos patamares tema “S” e aque prevê o aumento da alíquota do PIS atuais para só então se CSLL). No totalde 0,65% para 1,65%. Este aumento seria propor a alteração dos seriam extintos 11 Mussa Demes: “o projeto de lei épara compensar o fim da cumulatividade demais tributos. um primeiro passo para acabar com tributos federais.apresentado na redação do projeto. “A única maneira de a cumulatividade dos impostos” “Esse negócio A intenção seria a transformação dos promover a reforma de imposto único évalores pagos durante o processo de tributária sem perda de arrecadação é acabar uma aberração. Em nenhum país doprodução e venda em créditos a serem com a cumulatividade”, acredita o deputado, mundo existe isso”, afirma Demes,abatidos por ocasião do recolhimento da que acrescenta: “a sistemática dos impostos referindo-se à PEC de seu colega Marcoscontribuição junto à Receita. A empresa encontra-se incorporada à arrecadação; não Cintra. Segundo Mussa Demes,recolheria somente sobre o lucro realizado podemos simplesmente acabar com eles”. dificilmente o projeto do imposto únicoem sua comercialização e não mais sobre O comentário se justifica. passará na Câmara. Já o projeto que alterao valor bruto do produto ou serviço. a alíquota do PIS, seguindo tramitação Imposto Único normal na Casa, poderá ser aprovado noMini-reforma? O projeto de lei que prevê o fim da primeiro semestre e promulgado ainda O diretor de Assuntos Legislativos e do cumulatividade do PIS do deputado Mussa este ano.8 - Revista Fenacon em Serviços - Edição 77
  9. 9. Foto: Alex Salim “A Reforma Tributária é um grande débito da classe política com a sociedade brasileira” Em entrevista à RFS, o deputado federal, Marcos Cintra, critica o projeto de lei que prevê o fim da cumulatividade do PIS, o qual, segundo ele, é apenas pontual e não mexe com a estrutura do sistema tributário brasileiro. E, pior, diz Cintra, significará forte aumento de carga tributária para as empresas de serviços “O setor de serviços, por RFS - Outra defesa que o deputado Marcos Cintra, deputado federal Mussa Demes faz é a da eliminação da exemplo, terá o imposto cumulatividade como forma de RFS - Como o senhor analisa o projeto triplicado. Não existe aí uma promover a reforma tributária ... de lei do deputado Mussa Demes, que Cintra - Para retirar a cumulatividade institui o fim da cumulatividade para o neutralidade, sob o ponto de do imposto precisa acabar com o Simples PIS. Seria o início de uma Reforma ou com o Lucro Presumido. Ambas são Tributária? Como o senhor compara vista tributário. Você favorece cumulativas e incidem sobre cerca de 95% este projeto em relação à sua proposta a indústria e prejudica as das empresas. São experiências vitoriosas de Imposto Único? e inovadoras, mas discutir simplesmente a Cintra - Não posso entender o projeto pequenas empresas cumulatividade é discutir sobre uma falsa relatado pelo deputado Mussa Demes de serviços” questão. É um sistema que tem vantagens como uma reforma, é apenas uma mudança e desvantagens. Em outros países também pontual. A minha proposta é uma existe cumulatividade. Cintra - Só o Brasil poderia fazer esta transformação muito mais profunda. RFS - E a mudança da alíquota do PIS? experiência no momento. Duas coisas Agora, a Reforma Tributária é inevitável, seriam necessárias para isto. Um sistema Cintra - Só o setor de serviços, por pois é um grande débito da classe política bancário moderno e isto nós já temos, exemplo, terá o imposto triplicado, pois, com a sociedade brasileira. Mas falar em principalmente depois da implantação do correspondendo a 60% do PIB, terá um reforma em ano eleitoral é complicado. SPB. O segundo pré-requisito seria a baixa brutal aumento da carga tributária. Os RFS - Então não se faria nada por quantidade de papel moeda em poder das grandes ganhadores deste processo serão agora? Como ficariam estes projetos? pessoas nas ruas. É uma cultura que os supermercados que trabalham Cintra - Para que se tenha uma idéia, na também já possuímos e que herdamos do praticamente só com insumos agregados. última segunda-feira (29/04) o presidente processo inflacionário do passado. Não O prestador de serviços vai descontar do (da Câmara dos Deputados) Aécio Neves precisamos ter um complexo de quê. Do papel? Não existe aí uma criou uma comissão especial com 60 inferioridade e nem medo de sermos os neutralidade, sob o ponto de vista deputados para discutir nossa proposta e primeiros a implantarmos mudanças. tributário. Você favorece a indústria e deixá-la em condições de pauta para o prejudica as pequenas empresas de RFS - Outra crítica feita ao seu projeto próximo ano. Esta é uma questão que o serviços. seria o estabelecimento de uma alíquota próximo governo não poderá ignorar, seja RFS - Seu projeto teria o apoio político alta, que incidiria sobre as contas ele qual for, terá que discutir nos primeiros que tem o projeto do PIS, por exemplo? bancárias. seis meses do mandato. Em relação ao Cintra - A alíquota que propomos é de Cintra - Acho que um grupo de 60 projeto que saiu da Comissão de Reforma 1,7% no débito e no crédito das transações deputados apoiando este PEC é um número Tributária (relatado por Mussa Demes) é bancárias. O projeto prevê também uma significativo. O importante é sensibilizar preciso que se diga que ele mexe somente série de salvaguardas para evitar o a classe política e a sociedade para com a circulação, mas não interfere na desestímulo ao uso dos serviços bancários debatermos esta questão. Como está, a estrutura toda. Isto não resolve. A Câmara acima de determinado valor. Mas, na discussão da Reforma Tributária encontra- tem obrigação de discutir esta questão. realidade, ninguém vai deixar de usar o se circunscrita à burocracia pública. O RFS - Perguntado sobre o imposto único, serviço bancário. Não podemos esquecer político acompanha o que a sociedade o deputado Mussa Demes afirmou tratar- também que haveria a eliminação de todos demanda. A burocracia, por seu lado, não se de uma aberração, que não existe em os impostos. A CPMF é a maior prova de quer perder o poder e o imposto único nenhum outro país, não havendo que o imposto cobrado desta forma acabaria em grande medida com esta classe necessidade de aplicá-la aqui. funciona e ainda combate a sonegação. burocrática de dominação e fiscalização. Revista Fenacon em Serviços - Edição 77 - 9
  10. 10. legislativoMenos guerra, mais recursos Foto arquivo pessoalCâmara aprova alíquota mínima de 2% de ISS com o objetivo de diminuirguerra fiscal. Outro projeto de lei, em tramitação, prevê também que oimposto passe a ser recolhido no município onde os serviços sãoprestados. Viabilidade é contestada Guerra Fiscal. Este é o termo que arrecadação, mas também não oferecemdesigna a disputa entre os Estados e entre nenhum incentivo para o desenvol-os municípios para atrair empresas e seus vimento de seus vizinhos menores”, Celita Santos: “A cobrança deve serrecursos gerados pelo pagamento de conclui a consultora. feita onde o município tem sua sede.impostos. No caso dos municípios, a ânsia As empresas prestadoras de serviçopor atrair investimentos chegou a tal ponto Onde está o ISS? não podem ter limitações para atuarque algumas prefeituras baixaram suas Outro projeto que tramita na Câmara e e por outro lado teríamos também umalíquotas do ISS - Imposto Sobre Serviços que também versa sobre o ISS é o problema técnico e de condições materiais”para irrisórios 0,2% sobre o valor de cada apresentado pelo deputado Osmar Terranota fiscal emitida. Isto criou uma (PMDB/RS). Segundo a concepçãosituação legal, porém questionável sob o apresentada pelo deputado, que foiponto de vista ético. Cinco, seis, até dez prefeito do município gaúcho de Santa voreça o federalismo e a lei do terço. Umempresas cadastradas em um mesmo Rosa e presidente da Federação dos terço para cada esfera de poder,endereço, apenas para usufruir de in- Municípios do Rio Grande do Sul, as favorecendo as pequenas cidades dacentivos fiscais. empresas passariam a recolher o imposto mesma maneira que favoreceria as No último mês de abril, o plenário da municipal na localidade onde prestam capitais, os Estados e a União”.Câmara dos Deputados, com o objetivo serviços e não somente onde apresentam Apesar de concordar com asde equilibrar esta situação, aprovou a endereço fiscal. “Fui prefeito de uma motivações do deputado Terra, ainstituição de uma alíquota mínima para pequena cidade e presidente de uma consultora jurídica Celita Santoso imposto municipal de 2%, mantendo 5% federação que congrega os pequenos considera seu projeto de lei inviável.como teto. Para a especialista em direito municípios do meu Estado. Sempre lutei “Entendo que a cobrança deve ser feitaeconômico e consultora jurídica, Celita contra a injustiça que se comete contra onde o município tem sua sede. AsOliveira Santos, o projeto é infeliz. “Eu o eles”. empresas prestadoras de serviço nãoacho anti-democrático. As populações De acordo com Terra, a Constituição podem ter limitações para atuar e pordeveriam ser consultadas nos seus de 88 permitiu que outro lado teríamosmunicípios. Assim, da maneira como foi as capitais ficas- também um proble- Foto Agência Câmaradecidido, depõe contra o princípio sem com uma ma técnico e de con-constitucional de diminuição da desi- grande fatia do dições materiais.gualdade social”. bolo tributário, o Como ficariam a Segundo Celita, cada município deve que, segundo ele, emissão de notas fis-determinar de maneira independente o que não é justo. “Cerca cais e a participaçãolhe convém ou não, sempre após consultas de 5.200 municí- destas empresas empopulares e sem a interferência de outras pios brasileiros diversos centros,esferas como o legislativo federal. têm menos de caso elas vencessem Esta, com certeza, não é a opinião dos 50.000 habitantes, uma licitação públi-representantes de centros urbanos mas somados cor- ca, por exemplo?”.maiores, como São Paulo, Belo Horizonte respondem a uma O nó górdio repre-ou Rio de Janeiro. parcela signifi- sentado pela questão Tais municípios, há tempos, vinham cativa da popula- tributária brasileirareivindicando medidas mais efetivas para ção”, explica o abrange diversasevitar a verdadeira sangria de recursos, deputado, para esferas de poder. Osmar Terra: “nossa grande luta norepresentada pela transferência de concluir, em se- Talvez resolver a Congresso é a Reforma Tributária quediversas empresas, principalmente pres- guida: “nossa gran- favoreça o federalismo e a lei do terço. questão dos mu-tadoras de serviços, para municípios que de luta no Con- Um terço para cada esfera de poder, nicípios seja umoferecessem incentivos fiscais. “Estes gresso é a reforma favorecendo as pequenas cidades da ponto de partidagrandes municípios não querem perder tributária que fa- mesma maneira que favoreceria as para desatá-lo. capitais, os Estados e a União”10 - Revista Fenacon em Serviços - Edição 77
  11. 11. publicado & registrado Presidente da Fenacon debate fim da cumulatividade do PIS na Unitv O presidente da Fenacon, Pedro Coelho arrecadar menos. Mas as empresas, seja do aceitamos negociar, conversar. É precisoNeto, foi o entrevistado do programa Zuppo comércio, indústria ou serviços já não sentar em torno de uma mesa e discutir paraEntrevista, da Unitv, Canal 48 (UHF), do agüentam mais. Qualquer aumento só serve se encontrar o melhor caminho. O governodia 18 de abril. O programa é ancorado pelo de estímulo para a sonegação, não porque tem que entender que estamos em um re-deputado federal Fernando Zuppo (PSDC). as empresas queiram, mas por uma questão gime democrático. Não podemos deixar éPedro Coelho falou sobre temas como de sobrevivência”. que permaneça essa injustiça”.Reforma Tributária, anteprojeto da nãocumulatividade do PIS e extensão do Simples PISSimples para as empresas de serviços. O presidente da Fenacon também criticou Sobre o novo assunto em pauta, o O presidente da Fenacon destacou as a injustiça que se comete contra as micro e anteprojeto do deputado federal Mussaações vitoriosas da entidade que pequenas empresas de serviços com a Demes, que pretende acabar com acontribuíram para a retirada do artigo que exclusão do Simples. Disse que o temor da cumulatividade do PIS, Pedro Coelhomajorava a CSLL das empresas prestadoras Previdência Social de perda de arrecadação destacou que há um equívoco no texto. “Ode serviços. “Não aceitamos de forma é falácia, pois, nem INSS, nem Receita Fe- anteprojeto não atende a não cumula-nenhuma esta imposição e contamos com o deral se predispuseram, até agora, a negociar tividade, principalmente para as empresasrespaldo dos deputados federais”, lembrou. e estudar caminhos viáveis para a ampliação. de serviços. Hoje se paga 0,65% de PIS.Ele criticou a crescente carga tributária que “Não estamos querendo que as mesmas Querem aumentar para 1,65%, permitindoincide sobre o setor produtivo do País, que alíquotas praticadas atualmente para o que as empresas compensem os créditos dejá chega a 34% do PIB, e ressaltou que as Simples sejam aplicadas para as empresas operações anteriores. Mas, na área deempresas estão trabalhando no limite. de serviços. Achamos que somos diferentes serviços, esses créditos não existem. Vamos “O governo não quer correr o risco de das empresas comerciais e industriais. Mas ficar pagando 1,65 sobre tudo”. Anúncio ALTERDATA Revista Fenacon em Serviços - Edição 77 - 11
  12. 12. recursos humanosCaçadores de talentosA globalização deu um novo perfil às relações de trabalho;consequentemente maior valorização às empresas de recolocaçãoprofissional e dimensão qualitativa e quantitativa para a atividade Por Márcio Sampaio de Castro O processo de globalização, normalmente associado aos impactos nos mercados de capitais ou no campo cultural e tecnológico, trouxe também Marcelo A. Ventura muitas modificações para as relações de trabalho. Atualmente, um bom profissional precisa reunir qualidades como flexibilidade, capacidade de adaptação e principalmente saber que o vínculo com uma determinada organização pode não ser para Aproveitando-se da tecnologia, muitas destas sempre. empresas criaram sites na Internet, onde candidatos Exatamente devido a estas modificações no e empresas podem interagir, mediados por estas mercado de trabalho, a última década assistiu a um prestadoras de serviços. Profissionais e contratantes crescimento significativo no ramo das empresas de cadastram suas qualidades e necessidades Recursos Humanos. Um crescimento quantitativo respectivas, encurtando o tempo e o volume de e qualitativo. Falar em recolocação profissional, trabalho, representado pelo uso de papéis. atualmente, não implica somente em elaborar um currículo e encaminhá-lo para diversos Nichos destinatários. Implica em aplicar conhecimentos Estes são apenas alguns dos serviços que que vêm sendo desenvolvidos desde o início do empresas como a Manager, Catho, Gelre e uma série século passado. de outras, grandes e pequenas, existentes na área de Segundo Ricardo de Almeida Prado Xavier, Recursos Humanos, oferecem. Pode-se dizer que diretor presidente da Manager Assessoria em existem quatro áreas relevantes, além do Recursos Humanos, uma das maiores recrutamento e seleção tradicionais. empresas do ramo no país, a história da Outras categorias são o outplacement e o recolocação profissional começou na treinamento de funcionários, já vinculados a uma Inglaterra com os ex-soldados e organização. No primeiro caso, a consultoria é funcionários que retornavam das colônias contratada para auxiliar um executivo de alto nível, britânicas sem uma ocupação específica que está sendo desligado, mas que tem excelente e que precisavam ser reaproveitados no potencial para ser reaproveitado pelo mercado ou mercado de trabalho da metrópole até para iniciar um negócio próprio. O segundo, européia. envolve grandes modificações gerais ou setoriais nas No Brasil, este conceito de prestação rotinas de trabalho, que uma empresa queira de serviço começou a ser desenvolvido conduzir, mas que prefere terceirizar, contratando no início dos anos 70, mesma época em uma consultoria de RH para esta qualificação de seuFoto Alex Salim que surgiu a Manager. “Não era preciso quadro funcional. só fazer o currículo e apresentá-lo no Uma última área envolve os consultores e head- mercado. Nós criamos um treinamento hunters. Empresas ou profissionais especializados para entrevistas e preparação para a em monitorar as movimentações no mercado, expectativa das empresas”, explica indicando executivos experientes ou de grande Ricardo Xavier. “Hoje, o modelo funciona potencial, de acordo com as necessidades de seus com elaboração do currículo, preparação clientes. Pode-se dizer que a maior parte dos para entrevista, dinâmica de grupo e principais cargos, considerados top de linha, são identificação do perfil do candidato”, ocupados por talentos ‘caçados’ por estas conclui. consultorias. Em todos estes casos são celebrados contratos de João Honório: “Infelizmente algumas prestação de serviço a serem pagos pelas empresas empresas são enganosas” ou pelos candidatos a uma vaga. Valores que podem12 - Revista Fenacon em Serviços - Edição 77
  13. 13. Alex Salimir de módicos vinte reais a contratos sigilosos, que problemas. Para o consultor deenvolvam milhares de reais. RH, João Honório, que atua há mais de quinze anos no ramo,Adequando-se ao mercado houve uma grande proliferação de O crescimento da demanda e, lógico, do setor empresas nesta área, mas reclama:são tão evidentes que os próprios empresários de “infelizmente algumas sãoRecursos Humanos começaram a se organizar com enganosas. Querem apenas tiraro objetivo de obter uma maior troca de dinheiro dos candidatos e não,informações e um atendimento que atinja os arrumar uma vaga para eles”. Odiversos pontos do território nacional. Este é o caso empresário Ricardo Xavierda RH Network, uma associação entre diversas concorda em certa medida comempresas que atuam em conjunto, por ocasião de Honório, mas explica que oprocessos de contratação, promoção e treinamento, importante é ter experiência erealizados por instituições de grande porte, que conhecimento, “um algo a mais”,tenham sedes espalhadas pelas diversas esclarece. “O mercado no Brasillocalidades brasileiras. oscila muito. O que segura uma Quem explica o processo é Valéria Mota, sócia empresa é o conhecimento dodo Grupo Marpe, de Fortaleza-CE, na área de negócio. Não podemos esquecerRecursos Humanos. “Nossa rede surgiu há quatro que sempre existe a lei da oferta e Ricardo Xavier: “Hoje, oanos. Clientes com abrangência nacional tinham da procura e quem tem competência sobrevive”. modelo funciona comdificuldades para efetuar contratações em praças elaboração do currículo,distantes e isoladas em relação às suas sedes. A Valorização preparação para entrevista, dinâmica departir de reuniões realizadas de duas a três vezes grupo e identificação do Além de organizações estritamente comerciais,por ano, chegamos a uma padronização técnica, perfil do candidato” como a RH Network, existem também as associaçõesem que todas as associadas têm condições de nacionais e internacionais, que acabam explorandooferecer o mesmo serviço em suas regiões”, conta. um pouco mais o lado científico e de qualificação da“A partir daí, grandes empresas como Fininvest, área de Recursos Humanos. Este é o caso da ABRH -HSBC, Loreal, entre outras, começaram a nosprocurar para conduzirmos processos de Associação Brasileira de Recursoscontratação em nível nacional ou em uma região Humanos, que há mais de trinta anos Arquivo ABRHespecífica”, explica Valéria. atua pesquisando e promovendo o Atualmente, esta associação, que surgiu de conhecimento no setor. “O mercadomaneira quase informal, possui filiais e parceiros apresenta uma valorização cada vezem todos os estados brasileiros, além de contar maior das empresas e do profissionalcom três gerências regionais: Sul/Sudeste; Norte/ de RH”, comenta Ênio Resende,Nordeste e ainda Centro-Oeste. Apenas nos vice-presidente da instituição. “O RHúltimos dois anos, segundo Valéria, houve um atingiu uma importância tão grande,aumento da procura pelos serviços de recolocação que dentro de grandes empresas osprofissional da ordem de 20%. “Esta rede nasceu profissionais especializados nestapara otimizar o contato com nosso cliente”, afirma área têm chegado à alta cúpula daa empresária. “Por um lado, podemos dizer que o administração”.mercado está crescendo mesmo”. Mas e quanto às pequenas O Ceará, segundo ela, por exemplo, vive um empresas do setor? Resende explicaboom de investimentos devido aos incentivos que as dificuldades existem e queoferecidos pelo governo estadual. O resultado é dentro dos ciclos do mercado há osum aumento no número de contratações por parte períodos de expansão e retração. “Ode empresas que geralmente vêm de outros importante é que o profissional nãoEstados. “Por outro lado, estas mesmas empresas fique preso a coisas que aprendeubuscam a comodidade que uma grande rede como no passado. É preciso sera nossa pode oferecer. Além disso, nossos contatos polivalente. Com as mudanças noindividuais acabam sendo voltados, não só para mundo do trabalho, o prestador de serviços precisa Ênio Resende: “Com as mudanças no mundo doos interesses de nossas organizações, mas também cada vez mais ter uma visão generalista, senão perde trabalho, o prestador deaproveitamos para oferecer os serviços da RH Net- terreno”. Uma dica que, com certeza, pode ser serviços precisa cadawork”, conclui. aplicada a todos os envolvidos no processo. Sejam vez mais ter uma visão Mas o grande crescimento do segmento de empresas gigantes, pequenas ou candidatos a uma generalista, senão perderecolocação profissional acaba trazendo outros vaga no mercado de trabalho do mundo globalizado. terreno” Revista Fenacon em Serviços - Edição 77 - 13

×