Agronegócio em análise

1.111 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Agronegócio em análise

  1. 1. Agronegócio em Análise Março de 2012 Custos elevados, retração das exportações e concorrência entre as carnes provocam redução de margens dos frigoríficos Regina Helena Couto SilvaDepartamento de Pesquisas e Estudos Econômicos O mercado mundial de carnes vem mudando de Todo este contexto deverá continuar ditando forma estrutural desde a crise de 2008, sendo a dinâmica das exportações brasileiras, mais percebido um efeito substituição entre as proteínas direcionada para a carne de frango. De fato, as animais, em favor da carne de frango, cujos preços projeções do USDA1 para 2012 apontam para uma são mais acessíveis. Esse movimento ocorreu elevação de 5% do volume exportado pelo Brasil de principalmente nos países desenvolvidos, ao passo carne avícola, 2,8% de carne suína e 3,7% de carne que nos países emergentes, inclusive no Brasil, o bovina. Com estes incrementos, as exportações de incremento de consumo foi propiciado pela entrada carne de frango serão recorde, ao passo que as no mercado consumidor da população de baixa exportações de carne suína seguirão no mesmo renda, que passou a ter acesso a proteínas animais patamar dos últimos 10 anos e a carne bovina de preços inferiores, o que ampliou o mercado ainda não recuperará o nível exportado em 2007. de carne avícola. Além disso, a Rússia que é um grande importador de carnes vem investindo na Nos últimos 10 anos, o consumo brasileiro de carnes produção própria e reduzindo sua dependência cresceu a uma taxa média de 4% ao ano, com externa. destaque para a carne de frango, chegando a uma expansão anual média de 6% , ao passo que a carne Esses movimentos levaram o complexo carnes bovina cresceu apenas 2% anualmente no mesmo brasileiro a uma nova configuração, com perda de período. Enquanto a participação da carne avícola importância da carne bovina na pauta exportadora no consumo nacional passou de 39% para 49% entre e no ranking global e redirecionamento e 2000 e 2011, a de carne bovina caiu de 47% para 38%. diversificação de mercados de destino. Some-se Já a participação da carne suína ficou estável em 13%. a isso o câmbio apreciado e a elevação dos custos Isso é reflexo do incremento de renda da população e de produção com ração e animais de reposição, do efeito da mobilidade social – nos últimos 10 anos que estão provocando a compressão de margens mais de 40 milhões de pessoas saíram das camadas dos frigoríficos. mais pobres de renda e ingressaram na classe C. 10.000 Bovina 9.655 10.138 Consumo doméstico Suína de carnes - em mil Avícola 7.792 7.750 toneladas 8.000 8.032 7.885 6.969 7.374 5.742 7.144 5.977 5.865 6.000 6.417 4.791 6.445 3.915 4.000 3.843 2.646 2.191 2.390 2.726 1.975 2.000 2.423 1.469 1.727 1.949 1.582 0 Fonte e (*) projeção: USDA 2011* 2012* 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Elaboração: Bradesco 1 USDA – Sigla em inglês do Departamento de Agricultura dos EUA. 1
  2. 2. Consumo mundial 110.000 Carne Bovina de carnes - em mil Carne de Frango 100.849 102.898 toneladas 100.000 Carne Suína 94.048 100.257 90.629 90.000 93.778 85.888 85.163 79.901 81.753 80.000 77.371 72.863 70.000 60.000 58.895 56.692 55.834 57.676 53.506 55.649 51.973 54.240 55.251 50.000 50.066 44.634 46.001 40.000 Fonte e projeção: USDA 2011* 2012* 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Elaboração: Bradesco Ao mesmo tempo, no mercado mundial, a retração do queda do consumo doméstico. Além disso, também consumo de carne bovina vem ocorrendo de forma fizeram um movimento de substituição de proteínas mais acentuada na Europa e na América do Norte, em – a demanda de carne bovina caiu 10% desde 2008, função da crise financeira. Os EUA reduziram o volume ao passo que a demanda de carne de frango cresceu importado2 em 13% entre 2008 e 2011, em razão da 1,3% no período. 18.000 Leste Asiático UE América do Norte América do Sul CEI Oriente Médio África Consumo mundial de 16.000 15.819 15.859 carne bovina por região- 15.738 em mil toneladas 14.000 14.710 14.655 12.384 12.404 12.000 10.527 10.632 12.074 10.000 10.726 8.659 8.416 8.690 7.969 8.000 7.945 7.559 7.675 6.473 7.149 6.000 5.051 4.246 4.000 3.942 3.631 2.878 2.247 2.726 1.734 2.489 2.000 1.312 1.269 1.082 Fonte e (*) projeção: USDA - 2011* 2012* 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Elaboração: Bradesco Consumo aparente de 35.500 35.355 carnes nos EUA 35.000 34.659Agronegócio em Análise 34.791 34.500 34.200 34.000 33.746 34.009 33.920 33.500 33.539 33.256 33.000 32.475 32.500 32.317 Fonte e Projeção: USDA 32.000 Elaboração: Bradesco 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2 Os EUA são o 4º maior importador de carnes e responde por 6% das importações globais de carnes. As importações abastecem 8% do consumo doméstico de carne bovina e 5% da carne suína. As importações norte-americanas de carne de frango são irrelevantes. DEPEC 2
  3. 3. 14.000 Avicola 13.890 Consumo de Bovina 13.677 Carnes nos EUA Suína 13.435 13.606 13.000 12.737 12.830 13.470 12.664 12.502 12.239 12.000 12.351 12.340 12.403 11.750 11.477 11.000 11.158 10.000 8.684 9.013 9.000 8.643 8.396 8.818 8.813 8.454 8.526 8.653 8.384 8.000 Fonte e projeção: USDA 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Elaboração: Bradesco Importações de 4.000 Japão Rússia Carnes Avícola, México EUA 3.418 Bovina e Suína por 3.500 UE - 27 Arábia Saudita países 3.000 2.958 2.715 2.963 2.740 2.500 2.480 2.262 2.114 2.000 1.823 1.901 1.500 1.320 1.545 1.638 1.095 1.322 1.351 1.000 1.085 1.129 1.178 880 630 616 452 500 459 510 297 Fonte e Projeção: USDA 0 Elaboração: Bradesco 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012* Paralelamente, a Rússia, que é o 2º maior a dependência externa caiu de 38% para 26% entre importador e responde por 10% das importações 2008 e 2012. globais, também vem reduzindo o volume importado de carnes. Mas diferentemente do que ocorreu nos Adicionalmente, o mercado brasileiro de carnes tem EUA onde o consumo interno e por consequência as forte dependência da demanda russa, o que representa compras externas recuaram, na Rússia o consumo um risco, dado que 20% das nossas exportações doméstico vem crescendo, a exemplo de outros de carnes tem como destino este mercado. Mas, de emergentes, ou seja o país investiu na ampliação todo modo, essa concentração vem se reduzindo nosAgronegócio em Análise da produção doméstica, reduzindo sua dependência últimos anos, com a conquista de outros mercados, de importações de carnes. De fato, a participação o que possibilitou um pouco mais de pulverização, da Rússia nas importações globais do complexo aspecto bastante positivo para setores exportadores. carnes caiu de 16% em 2008 para 9,9% em 2012. Nesse sentido, as importações de carne de frango Prova disso, é que, em 2001 55% das exportações que atendiam a 31% da demanda doméstica do brasileiras de carne suína estavam concentradas na país, passaram a responder por 11%, sendo a Rússia. No ano passado essa concentração se reduziu diferença complementada com produção própria. A para 24,5%. Outros mercados como Hong Kong, Ucrânia, dependência russa de carne bovina importada foi Angola, Cingapura, Uruguai e Venezuela ganharam reduzida de 45% para 43%. No caso da carne suína participação, que passou de 22% para 54% no período. DEPEC 3
  4. 4. 450.000 Hong Kong Exportações 403.572 400.000 377.078 Rússia brasileiras de carne Ucrania 350.000 Argentina suína por países de destino (soma 70% 300.000 267.562 233.984 das exportações 250.000 313.840 brasileiras de carne 200.000 suína) 2001 - 2011 em toneladas 150.000 122.132 126.449 151.964 129.734 100.000 49.693 60.968 61.708 73.908 50.000 32.506 41.578 0 28.084 96 -50.000 Fonte: Secex 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Elaboração: Bradesco No caso da carne de frango o Brasil perdeu importantes A carne bovina também perdeu mercados relevantes como mercados consumidores como a Europa, que a Europa, que respondia por quase 40% das exportações respondia por 20% das exportações em 2001 e passou em 2001, e passou para 9% em 2011. Os EUA também, para 6% em 2011. A Rússia, que neste segmento não que já responderam por 7% e caíram para 1,2% no tinha forte concentração, também perdeu participação período. Em sentido contrário, o risco se concentrou na saindo de 7,7% para pouco menos de 2%. Houve maior Rússia, que passou de 0,4% para 21,7% no período entre pulverização dos mercados de destino, e dois países 2001 e 2011. Apesar disso, essa participação na pauta que ganharam relevância foram a China e a África exportadora do Brasil vem se reduzindo desde 2008, do Sul que respondem cada um por 5%, antes uma quando foi de 28,6%, visto que a Rússia vem reduzindo participação de 1,5%. sua dependência externa como mostrado anteriormente. 500.000 Rússia 461.909 Hong Kong Exportações 450.000 Irã Egito brasileiras de carne 400.000 Europa bovina por países de 334.068 350.000 322.226.829 destino (soma 70% das exportações 300.000 brasileiras de carne 250.000 suína) 2001 - 2011 183.904 165.496 237.631 200.000 188.556 em toneladas 194.551.435 150.000 130.724 100.000 105.651 51.149 56.148 50.000 81.598 2.269 35.616 0Agronegócio em Análise 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: Secex Elaboração: Bradesco Em sentido contrário, como já comentado, o consumo impulso, entretanto, veio dos países emergentes, que de carne avícola vem crescendo globalmente. Na tiveram forte crescimento de renda, impulsionando América do Norte e na União Europeia, que juntas a demanda de proteínas animais. Assim, no Leste respondem por 35% da demanda mundial de carne Asiático, na América do Sul e o no Oriente Médio o de frango, o consumo deste tipo de carne cresceu em consumo doméstico de carne de frango cresceu 5,5% média 1,5% ao ano nos últimos quatro anos. O forte em média nos últimos quatro anos. DEPEC 4
  5. 5. Leste Asiático UE América do Norte América do Sul CEI Oriente Médio África 20.000 Consumo mundial de 18.000 17.627 18.388 carne avícola por região- 16.786 16.000 em mil toneladas 14.509 16.101 14.000 13.504 13.866 11.731 12.000 12.689 12.384 10.427 10.000 10.921 8.358 9.100 7.917 8.000 7.301 7.687 6.666 8.200 7.656 6.179 6.000 5.948 4.289 5.464 4.398 4.000 2.959 3.957 1.947 Fonte e projeção: USDA 2.000 2.741 Elaboração: Bradesco 1.990 - 2011* 2012* 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Com isso, as exportações de carne avícola do Brasil foram Além da alteração na demanda global por carnes, beneficiadas, tendo em vista que o Oriente Médio responde outros fatores também explicam o baixo desempenho por 38% das exportações brasileiras de carne de frango e a das exportações brasileiras de carne bovina nos Ásia por 26%. Esse cenário tem levado a uma dinâmica de últimos anos, como câmbio apreciado, custos elevados exportações do complexo carnes no Brasil mais centrada na na compra de boi pronto para abate e consumo carne avícola em detrimento da carne bovina. Claramente, doméstico aquecido, que evidentemente são fatores desde 2007 as exportações brasileiras de carne bovina que também tem direcionando a ação dos frigoríficos caíram 40% em volume, ao passo que, no mesmo período, para atender prioritariamente ao mercado interno, os embarques de carne avícola cresceram 16%. reduzindo os volumes exportados. em mil toneladas 4.000 Bovina Exportações Brasileiras Frango 3.242 3.300 3.465 do Complexo Carnes Suínos 3.200 2.739 2.992 2.400 2.189 1.577 1.610 1.600 1.596 1.375 1.325 870 872 735 761 730 800 621 707 582 590 619 488 570 Fonte e (*) Projeção: USDA 162 Elaboração: Bradesco 231 0 82 2012* 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011Agronegócio em Análise 35% Bovina Coeficiente de Exportações 29,3% 30% Suína 28,4% de Carnes - Avícola 25,8% 1997 - 2012 25% 23,0% 26,7% 24,4% 25,5% 22,6% 23,9% 22,6% 20% 20,2% 19,4% 17,3% 15% 15,1% 17,1% 14,9% 13,9% 15,7% 14,7% 13,3% 10% 12,0% 6,2% 7,4% 3,8% 5% 5,9% 5,3% Fonte e Projeção: USDA Elaboração: Bradesco 0% 2011* 2012* 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 DEPEC 5
  6. 6. Com essa configuração, o Brasil empatou com a como o maior exportador global de carne avícola, Austrália na 2º posição de maior exportador global com participação de 36% e manteve a posição no de carne bovina, com uma participação de 17% ranking de exportação de carne suína, no 4º lugar, no ano passado. Ademais o Brasil se confirmou com 9%. em mil toneladas 2.400 2.189 Exportações de Carne Brasil EUA Austrália Argentina Bovina dos maiores 1.845 exportadores 1.800 1.407 1.558 1.375 1.316 1.200 1.250 1.120 1.142 905 1.043 872 754 650 655 600 Fonte e projeção: USDA 488 Elaboração: Bradesco 423 354 260 298 300 168 209 - 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011* 2012* em mil toneladas 3.550 Brasil 3.300 3.465 Exportações de Carne 3.242 3.181 EUA de Frango dos maiores UE - 27 3.069 3.039 exportadores 2.950 2.739 2.966 2.520 2.416 2.678 2.350 2.361 2.231 2.170 1.903 1.750 1.226 1.100 Fonte e Projeção: USDA 1.150 992 1.120 Elaboração: Bradesco 783 870 762 718 635 550 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011* 2012* Esse cenário exportador se refletiu na produção doméstica. De todo modo, é importante ressaltar mais doméstica. Os abates de bovinos recuaram 7% entre uma vez, que o consumo interno evitou retração mais 2007 e 2011, voltando para o mesmo nível registrado acentuada da produção de carne bovina, pois ao passo em 2005. Em sentido contrário, os abates de frangos que os volumes embarcados caíram 40% entre 2007 e cresceram 20% no mesmo período, impulsionados 2011, os abates se retraíram em apenas 7% no mesmo tanto pelas exportações quanto pela demanda período, sustentados pelo mercado interno.Agronegócio em Análise 38.000 5.500.000 Suíno 5.227.151 Abates de Bovinos, Bovino 4.895.496 Frango 5.000.000 34.180 Suinos e Aves - Em 33.000 31.509 4.500.000 milhares de cabeças 3.974.779 31.788 abatidas 4.000.000 28.648 28.000 3.500.000 27.221 22.943 3.000.000 23.000 2.579.928 2.500.000 21.723 2.000.000 18.000 16.998 1.500.000 Fonte: IBGE 14.885 16.734 Elaboração: Bradesco 13.000 1.000.000 jan/98 mai/98 set/98 jan/99 mai/99 set/99 jan/00 mai/00 set/00 jan/01 mai/01 set/01 jan/02 mai/02 set/02 jan/03 mai/03 set/03 jan/04 mai/04 set/04 jan/05 mai/05 set/05 jan/06 mai/06 set/06 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 DEPEC 6

×