SlideShare uma empresa Scribd logo
RESUMO DE ECONOMIA
DEZ PRINCÍPIOS DE ECONOMIA
O gerenciamento dos recursos da sociedade é importante porque estes são escassos.
 Escassez:Significaquea sociedadetem recursos limitadose,portanto, não pode produzir todos
os bens e serviços que as pessoas desejam ter.
 Economia: É o estudo de como a sociedade administra seus recursos escassos.
 Como as pessoas tomam decisões
Princípio 1: As pessoas enfrentam Tradeoffs:
Tradeoff é uma expressão que define uma situação de escolha conflitante, isto é, quando uma
ação econômica que visa à resolução de determinado problema acarreta, inevitavelmente,
outros. A tomada de decisões exige escolher um objetivo em detrimento de outro. O tradeoff
clássico se dá entre “armas e manteiga”. Quanto mais uma sociedade gasta em defesa
nacional, menos gasta com bens de consumo. Igualmente importante na sociedade moderna é
o tradeoff entre um meio ambiente sem poluição e um alto nível de renda.
Outro tradeoff que a sociedade enfrenta é entre eficiência e igualdade.
 Eficiência: Significa que a sociedade está obtendo o máximo que pode de seus recursos
escassos. Se refere ao tamanho do bolo econômico.
 Igualdade: Significa que os benefícios advindos desse recursos estão sendo distribuídos
uniformemente entre os membros da sociedade. Se refere à maneira como o bolo é dividido
em partes individuais.
Enquanto proporcionam mais igualdade, essas políticas reduzem a eficiência. Quando o
governo redistribui renda dos ricos para os pobres, reduz a recompensa pelo trabalho árduo;
com isso,as pessoas trabalhammenos e produzem menos bens e serviços. Em outras palavras,
quando o governo tenta cortar o bolo econômico me fatias mais iguais, o bolo diminui de
tamanho.
Princípio 2: O custo de alguma coisa é aquilo de que você desiste para Obtê-la:
Como as pessoas enfrentam tradeoffs, a tomada de decisões exige comparar os custos e
benefícios de possibilidades alternativas de ação.
 Custo de Oportunidade: É aquilo de que você abre mão para obtê-lo.
Princípio 3: As pessoas racionais pensam na margem:
 Pessoa Racional: Aquela que faz o melhor para alcançar seus objetivos, sistemática e
objetivamente, conforme as oportunidades disponíveis.
 Mudanças Marginais: São pequenos ajustes incrementais a um plano de ação existente.
Mudanças marginais são ajustes ao redor dos “extremos” daquilo se está fazendo.
A pessoa racional geralmente toma decisões comparando esses benefícios marginais com
custos marginais.
O benefício marginal depende de quantas unidades a pessoa já possui. A água é essencial, mas
o benefício marginal de um copo a mais é pequeno, pois a água existe em abundância.
Ninguém precisa de diamantes para sobreviver, mas, como são raros, o benefício marginal é
considerado alto.
Um tomado de decisões racional executa uma ação se, e somente se, o benefício marginal
ultrapassa o custo marginal.
Princípio 4: As pessoas Reagem a incentivos:
 Incentivo: É algo que induz a pessoa a agir.
Os incentivos são cruciais para analisar o funcionamento do mercado. Por exemplo, quando o
preço da maçã aumenta, as pessoas optam por comer menos maçãs. Ao mesmo tempo, os
fazendeiros com pomares de macieiras decidem contratar mais trabalhadores e comer mais
maçãs. Em outras palavras, o preço mais alto do mercado proporciona um incentivo para que
os compradores consumam menos e um incentivo para que os vendedores produzam mais.
O imposto sobre a gasolina ao uso de carros menores, que consomem menos gasolina.
 Como as pessoas interagem
Princípio 5: O comércio pode ser bom para todos:
O comércio permite que as pessoas se especializem na atividade em que são melhores,
agricultura,costuraou construção.Ao comerciaremcom os outros, as pessoas podem comprar
uma maior variedade de bens e serviços a um custo menor.
Assim como as famílias, os países se beneficiam da possibilidade de comerciar um com os
outros. O comércio permite que eles se especializem naquilo que fazem melhor e desfrutem de
uma maior variedade de bens e serviços.
Princípio 6:Os mercados são geralmente uma boa maneira de organizar a atividadeeconômica:
 Economia de Mercado: As decisões do planejador central são substituídas pelas decisões de
milhões de empresas e famílias. As empresas que decidem que contratar e o que produzir. As
famílias decidem em que empresa trabalhar e o que comprar com seus rendimentos. Essas
empresas e famílias interagem no mercado, em que os preços e interesse próprio guiam suas
decisões.
Em uma economia de mercado, ninguém cuida do bem-estar econômico de toda a sociedade.
Ainda assim, apesar da tomada descentralizada de decisões e de tomadores de decisões
movidos pelo interesse particular, as economias de mercado têm se mostrado muito bem-
sucedidas na organização da atividadeeconômica para promover o bem-estar econômico geral.
Segundo Adam Smith, “as famílias e as empresas, ao interagirem nos mercados, agem como se
fossem guiadas por uma ‘mão invisível’ que as leva a resultados de mercado desejáveis”.
Os preços são o instrumento com que a mãe invisível conduza atividade econômica. A visão de
Adam Smith era de que os preços se ajustam para direcionar a oferta e a demanda, de modo a
alcançar resultados que, em muitos casos, maximizam o bem-estar da sociedade como um
todo.
Princípio 7: Às vezes, os governos podem melhorar os resultados dos mercados :
Um dos motivos porque precisamos do governo é que a mão invisível poderá fazer maravilhas
apenas se o governo garantir o cumprimento das regras e mantiver as instituições principais da
economia. Mais importante, as economias de mercado precisão da instituições para garantir o
direito de propriedade.
 Direito de propriedade: habilidade de um indivíduo para possuir e exercer controle sobre
recursos escassos.
Todos nós confiamos no governo para providenciar polícia etribunaispara valer o direito sobre
aquilo que produzimos.
Há ainda o motivo mais profundo pelo qual precisamos do governo: a mão invisível é poderosa,
mas não é onipotente.
Há dois motivos genéricos para que um governo intervenha na economia – promover a
eficiência epromover a igualdade.Ou seja,a maioria das políticas tem por objetivo aumentar o
bolo econômico ou mudar a maneira como este é dividido.
 Falha no mercado: Uma situação em que o mercado, por si só,não consegue produzir alocação
eficiente de recursos.
Uma possível falha de mercado é a externalidade.
 Externalidade: O impacto das ações de uma pessoa sobre o bem-estar de outras que não
tomam parte da ação.
Outra causa possível de uma falha de mercado é o poder de mercado,
 Poder de mercado: A capacidade que um único agente econômico tem de influencia r
significativamente os preços do mercado.
Dizer que o governo pode, por vezes, melhorar os resultados do mercado não significa que ele
sempre o fará. Às vezes, as políticas são concebidas para recompensar os politicamente
poderosos.
 Como a economia funciona
Princípio 8: O padrão de vida de um país depende de sua capacidade de produzir bens e
serviços:
Quase todas as variações de padrão de vida podem ser atribuídas a diferenças de
produtividade entre países.
 Produtividade: quantidade de bens e serviços produzidos por unidade de insumo de mão de
obra
Em países onde os trabalhadores podem produzir uma grande quantidade de bens e serviços
por unidade de tempo, a maioria das pessoas desfruta de padrões de vida elevados.
Quando se pensa sobre como alguma política afetará os padrões de vida, a questão-chave é
como ela afetará nossa capacidade de produzir bens e serviços. Para elevarem os padrões de
vida, os formuladores de políticas precisam elevar a produtividade, garantindo que os
trabalhadores tenhamuma boa educação,disponhamdas ferramentas de quem precisam para
produzir bens e serviços e tenham acesso à melhor tecnologia disponível.
Princípio 9: Os preços sobem quando o governo emite moeda demais
 Inflação: Um aumento do nível geral de preços da economia.
Como a inflação elevada impõe diversos custos à sociedade, mantê-la em níveis baixos é um
objetivo dos formuladores de políticas econômicas de todo o mundo.
Em quase todos os casos de inflação elevada ou persistente, o culpado é o mesmo – um
aumento na quantidade de moeda. Quando um governo emite grandes quantidades de moeda,
o valor desta diminui.
Princípio 10: A sociedade enfrenta um tradeoff de curto prazo entre inflação e desemprego:
Muitos economistas descrevem os efeitos de curto prazo da injeção monetária como:
a) O aumento da quantidade de moeda na economia estimula o nível geral de consumo e,
portanto, a demanda por bens e serviços;
b) O aumento da demanda pode, com o tempo, levar as empresas a aumentarem as preços ,
porém, nesse interim, esse aumento também incentiva as empresas a contratar mais mão
de obra e a aumentar a quantidade de bens e serviços produzidos.
c) Maior contratação significa menos desemprego.
Essa linha de pensamento leva a um amplo tradeoff na economia: um tradeoff de curto prazo
entre inflação e desemprego.
A maioria dos economistas aceita que a sociedade enfrenta um tradeoff de curto prazo entre
inflação e desemprego. Isso significa que, em um período de um ou dois anos, muitas políticas
econômicas empurram a inflação e o desemprego em direções opostas. Esse tradeoff de curto
prazo é de grande importância para a análise do ciclo de negócios.
 Ciclo de negócios: Flutuações da atividade econômica, medidas pelo número de pessoas
empregadas ou pela produção de bens e serviços.
AS FORÇAS DE MERCADO DA OFERTA E DA DEMANDA
A oferta e a demanda são as forças que fazem as economias de mercado funcionarem. São ela
que determinam a quantidade produzida de cada bem e o preço pelo qual o bem será vendido.
 Mercados e Competição
 Mercado: É um grupo de compradores e vendedores de um determinado bem ou serviço. Os
compradores determinam a demanda pelo produto e os vendedores determinam a oferta do
produto.
 Mercado Competitivo: É um mercado em que há tantos compradores e vendedores que cada
um deles tem impacto insignificante sobre o preço de mercado.
Em um mercado competitivo, o preço e a quantidade vendida não são determinados por um
único comprador ou vendedor. Ao contrário, eles são determinados por todos os compradores
e vendedores, à medida que interagem.
 Mercados perfeitamente competitivos: Para alcançar essa forma de competição, um mercado
deve apresentar duas características fundamentais: (1) os bens oferecidos para venda são
todos iguais e (2) os compradores e vendedores são tão numerosos que nenhum deles é capaz
de, individualmente, influenciar o preço do mercado.
 Tomadores de preços: São os compradores e vendedores que precisam aceitar o preço que o
mercado determina.
 Monopólio: Quando o mercado tem só um vendedor, que é quem determina o preço.
 Demanda:
A curva de demanda: A relação entre preço e quantidade demandada
 Quantidade demandada: É a quantidade de um bem que os compradores desejam e podem
comprar
São muitas as coisas que determinam a quantidade demandada, mas há um determinante que
representa um papel principal: o preço do bem.
 Lei da Demanda: É a afirmação de que, com tudo o mais mantido constante, a quantidade
demandada de um bem diminui quando o preço dele aumenta.
 Escala de demanda: É uma tabela que mostra a relação entre o preço de um bem e a
quantidade demandada.
 Curva de demanda: É um gráfico da relação entre o preço de um bem e a quantidade
demandada.
Demanda do Mercado versus Demanda individual
 Demanda de mercado: É a soma de todas as demandas individuais por um determinado bem
ou serviço.
A curva de demanda de mercado mostra como a quantidade total demandada de um bem
varria conforme seu preço varia, enquanto todos os demais fatores que afetam a quantidade
que os consumidores desejam comprar são mantidos constantes.
Deslocamento da Curva de Demanda
 Aumento da demanda: É qualquer mudança que aumente a quantidade demandada a cada
preço, o que faz a curva de demanda se deslocar para a direita.
 Redução da demanda: É qualquer mudança que faça a curva se deslocar para a esquerda,
devido à redução da quantidade demandada.
São muitas as variáveis que podem deslocar a curda de demanda. As mais importantes são:
a) Renda: Uma renda menor significa que você tem menos renda para seus gastos totais, de
modo que precisará gastar menos com alguns bens – e provavelmente com todos. Se a
demanda por um bem diminui quando a renda cai, o bem é chamado de bem normal.
Se a demanda por um bem aumenta quando a renda cai, o meu é chamado de bem
inferior.
b) Preços dos Bens Relacionados:
 Bens Substitutos: São dois bens para os quais o aumento do preço de um leva a um aumento
da demanda pelo outro.
 Bens Complementares: São dois bens para os quais o aumento do preço de um leva a uma
redução da demanda pelo outro.
c) Gostos: O mais óbvio determinante de sua demanda são os seus gostos. Se você gosta de
sorvete, comprará mais sorvete.
d) Expectativas: Suas expectativas quanto ao futuro podem afetar a sua demanda por um
bem ou serviço hoje. Se você tem a expectativa de obter uma renda maior no mês que
vem, pode decidir economizar menos e gastar mais na compra de sorvete. Ou, se você
espera que o preço do sorvete diminua, amanhã, pode estar menos disposto a comprar
sorvete ao preço de hoje.
e) Número de Compradores: A demanda de mercado depende do número de compradores.
Quanto mais compradores,mais a quantidadedemandada fica maior a cada preço e mais a
curda de demanda aumenta, ou seja, se desloca para a direita.
 Oferta
A Curva de Oferta: A relação entre Preço e Quantidade Ofertada
 Quantidade Ofertada: É a quantidade e um bem que os vendedores estão dispostos e aptos a
vender.
 Lei da Oferta: É a afirmação de que, com tudo o mais mantido constante, a quantidade
ofertada de um bem aumenta quando seu preço aumenta.
 Escala de Oferta: É uma tabela que mostra a relação entre o preço e a quantidade ofertada de
um bem.
 Curva de Oferta: É um gráfico que relaciona o preço com a quantidade ofertada.
Oferta de Mercado versus Oferta Individual
 Oferta de mercado: É a soma das ofertas de todos os vendedores.
 Curva de oferta de mercado: mostra como a quantidade ofertada total varia à medida que o
preço do bem varia.
Deslocamento da Curva de Oferta
 Aumento da Oferta: Qualquer mudança que aumente a quantidade ofertada a cada preço e
desloca a curva de oferta para direita.
 Redução da Oferta: Qualquer mudança que reduza a quantidade ofertada a cada preço e
desloca a curva de oferta para a esquerda.
São muitas as variáveis que podem deslocar a curva de oferta. Aqui estão algumas das mais
importantes:
a) Preço dos Insumos: Quando aumenta o preço de um ou mais dos insumos utilizados na
produção de um bem ou serviço, essa produção se torna menos lucrativa e as empresas
ofertarão menos desse bem/serviço.
b) Tecnologia:A invenção das máquinas reduziu a quantidade de trabalho necessário para a
produção de certos bens/serviços. Reduzindo os custos das empresas, os a vanços na
tecnologia aumentam a oferta dos bens.
c) Expectativas: Se uma empresa tiver a expectativa de que o preço do bem ofertado
aumente no futuro, ela estocará parte de sua produção atual e ofertará menos hoje.
d) Número de Vendedores: A oferta de mercado depende do úmero de vendedores. Quanto
menos vendedores, menos oferta no mercado.
 Oferta e Demanda Reunidas
 Equilíbrio: É uma situação na qual o preço de mercado atinge o nível em que a quantidade
ofertada é igual à quantidade demandada.
 Preço de Equilíbrio: É o preço que iguala a quantidade ofertada e a quantidade demandada.
 Quantidade de Equilíbrio: É a quantidade ofertada e a quantidade demandada ao preço de
equilíbrio.
 Excesso de Oferta: É uma situação em que a quantidade ofertada é maior do que a quantidade
demandada. Os vendedores respondem a esse excesso reduzindo os preços. Com a diminuição
nos preços, a quantidade demandada aumenta e a quantidade ofertada diminui. Os preços
continuam a cair até que o mercado atinja seu equilíbrio.
 Excesso de Demanda: É uma situação em que a quantidade demandada é maior do que a
quantidade ofertada. Havendo muitos compradores atrás de poucos bens, os vendedores
podem reagir à escassez aumentando seus preços sem, com isso, perder vendas. À medida que
o preço aumenta, a quantidade demandada diminui, a quantidade ofertada aumenta e o
mercado, mais uma vez, move-se em direção ao equilíbrio.
 Lei da Oferta e da Demanda: É a afirmação de que o preço de qualquer bem se ajusta para
trazer a quantidade ofertada e a quantidade demandada desse bem o equilíbrio.
Deslocamento das Curvas versus Movimentos ao Longo Delas
Um deslocamento da curva de oferta é chamado “mudança da oferta” e um deslocamento da
curva de demanda é chamado “mudança da demanda”. Um movimento ao longo de uma curva
de oferta fixa é chamado “mudança na quantidade ofertada” e um movimento ao longo de
uma curva de demanda fixa é denominada “mudança na quantidade demandada.
 Conclusão: Como os Preços Alocam Recursos:
A oferta e a demanda, juntas, determinam os preços dos diferentes bens e serviços da
economia; os preços, por sua vez, são os sinais que orientam a alocação de recursos.
Quem obtém esse recurso? Quem quiser e puder pagar seu preço. Nas economias de mercado,
os preços são os mecanismos de racionamento dos recursos escassos.
Da mesma forma, os preços determinam quem produz cada bem e o quanto será produzido.
Se as economias de mercado são conduzidas por uma mão invisível, como sugeriu Adam Smith,
então o sistema de preços é a batuta que a mão invisível usa parareger a orquestra econômica.
ESTRUTURAS DE MERCADO
 Introdução:
 Preço: É o denominador comum entre a oferta e a procura.
 Definindo Mercado:
 Mercado: É o conjunto de pontos de contato entre vendedores de um bem ou prestadores de
serviço e os potenciais compradores desse bem ou os usuários de tal serviço, de modo a serem
estabelecidas as condições contratuais de venda e compra ou da prestação e uso do serviço.
Vários são os aspectos implícitos nesse conceito:
a) O contexto comporta qualquer tipo de intercâmbio, ou seja, troca direta e troca indireta.
b) O mercado é caracterizado pela ideia de espaço econômico, isto é, pela descontinuidade
territorial.
c) As negociações são voluntárias
d) A desnecessidadede presença explícita das partes envolvidas no processo. As negociações
podem ocorrer sem o contato físico das partes.
e) Os diferentes estágios do processo de transação, ou seja, atacado e varejo.
 Determinantes das Estruturas:
São dois os elementos que determinam as estruturas mercadológicas: a quantidade de agentes
em um plano e a natureza do produto final/serviço ou do fator de produção objeto de
transação.
 Quantidade de Agentes: Deve ser interpretada segundo a maneira como se comportam dentro
do conjunto, e não em termos de quantidade que possam denotar. Há duas possibilidades de
reações entre os agentes:
a) Mercados Atomizados: Representam situações despersonalizadas em que grande
quantidade de agentes está presente, isto é, as decisões de cada um não são captadas
pelos outros e deixam de acarretar alterações nos procedimentos e/ou comportamentos
dos concorrentes. Isso acontece nos mercados concorrenciais. Manifestações individuais
são inócuas no conjunto. Nesse contexto, os indivíduos atuam como tomadores de preços
e, isoladamente, jamais pressionarão o preço que vier a ser ditado pelo mercado.
b) Mercados não Atomizados: constituem cenários em que poucos agentes estão presentes.
O vocábulo “poucos” incorpora a ideia de que alterações comportamentais de qualquer
um deles são captadas pelos demais. Essa particularidade é observada nos mercados
pouco ou não concorrenciais. Ao contrário do caso anterior, nesse contexto, os indivíduos
conseguem, em certas circunstâncias, ditar preços.
 Natureza do produto Final/ Serviço ou do Fator de Produção:
a) Mercados Puros: É quando há homogeneidade entre os bens e objetos das negociações.
Dessa maneira, os produtos finais/serviços ou os fatores de produção presentes nas
transações são idênticos ou padronizados. Isso significa que qualquer um deles será
perfeito substituto aos demais.
b) Mercados Imperfeitos: Ocorrem sempre que as negociações dos produtos finais/serviços
ou dos insumos pressuporem estes como diferenciados quanto à origem, condições de
comercialização,qualidade e/ou outros atributos. Nesse prisma, os elementos móveis das
transações podem, quando muito, ser substitutos próximos entre si, mas não perfeitos
substitutos, como na situação anterior.
A diferenciação do produto final/serviço ou do fator de produção ocorre sempre que exista
manifesta preferência do agente por um deles em detrimento dos demais, embora todos
possam,em princípio,atender à mesma finalidade.Nessequadro, a diferenciação pode ser
real ou tão-somente imaginária, isto é, fazer-se presente exclusivamente aos olhos do
consumidor.
São identificáveispelo menos três maneiras de diferenciação dos produtos finais/serviços
ou dos fatores produtivos: (1) Atributos técnicos, físicos ou intrínsecos; (2) Imagem
transmitida; (3) Caracterização dos agentes.
 Concorrência Pura e Perfeita
 Concorrência Pura ou Perfeita: É um tipo de mercado em que há um grande número de
vendedores (empresas) e de compradores, de tal sorte que uma empresa, isoladamente, por
ser insignificante, não afeta o nível da oferta, nem tampouco o preço de equilíbrio, que
também não é alterado pelos compradores, que representam a demanda ou procura. Diz-se
que é um mercado atomizado.
Nessas condições, os preços do mercado formam-se perfeitamente segundo a correlação entre
oferta e procura, sem interferência predominante de compradores ou vendedores isolados.
Esse tipo de mercado apresenta as seguintes características:
a) Grande número de produtores e demandantes do produto
b) Produtos Homogêneos: não existe diferenciação entre os produtos oferecidos pelas empresas
concorrentes.
c) Não existem barreiras à entrada no mercado.
d) Transparência do Mercado:as informações sobre lucros, preços etc. são conhecidas por todos
os participantes do mercado.
e) A não Intervenção do Estado: o Estado não intervém, deixando o mercado regular-seatravés da
chamada "mão invisível da concorrência". Os preços são definidos pelo livre jogo da oferta e
demanda. Assim, o equilíbrio seria sempre alcançado tanto a curto, como a médio e longo
prazo.
Uma característica do mercado em concorrência perfeita é que, a longo prazo, não existem lucros
anormais ou lucros extraordinários (isto é, a fração do lucro que está acima do lucro médio do
mercado), mas apenas os chamados lucros normais, que repres entam a remuneração implícita do
empresário.
Assim, no longo prazo, quando a receita total iguala o custo total, o lucro extraordinário é zero,
embora existam lucros normais,pois nos custos totaisestão incluídos os custos implícitos (que não
envolvem desembolso), o que inclui os lucros normais.
Em concorrência perfeita,como o mercado é transparente, se existiremlucros extraordinários, isso
atrairá novas firmas parao mercado, pois que também não há barreiras ao acesso. Com o aumento
do número de empresas no mercado e mantido constante o nível da demanda, os preços tenderão
a cair e, consequentemente, também os lucros extraordinários, até que se retorne a uma situação
onde só haja lucros normais, cessando também o ingresso de novas empresas nesse mercado.
 Mercados Imperfeitos:
Dessa forma rotulam-setodos os mercados que não satisfazem o princípio da atomização e/ou
homogeneidade do produto final/serviço ou fator de produção objeto das transações.
Estão inseridos nesse conjunto o monopólio, o monopsônio, suas respectivas extensões, o
oligopólio e o oligopsônio, além dos mercados intermediários entre os dois primeiros e a
concorrência pura e perfeita, ou seja, a concorrência monopolística e a concorrência
monopsonística. Ademais, existe uma situação independente, a do monopólio bilateral.
 Monopólio:
Dá-se quando uma empresa detém o mercado de um determinado produto ou serviço, para o
qual não existam bons substitutos, impondo preços aos que comercializam.
 Condições de Existência do monopólio: A fonte básica de monopólio é a presença de barreiras
de entrada, de onde se destacam:
a) Economias de escala: Empresas novas tendem a entrar em mercados a níveis de produção
menores do que empresas estabelecidas. Se a indústria é caracterizada por economias de
escala (custos médios decrescem com o aumento no volume de produção), os custos
médios da empresa nova serão mais altos do que os custos médios de uma empresa
estabelecida.
b) Proteção Legal: Proteções legais, como direito autoral e patente, garantem ao seu
detentor exclusividade no mercado.
c) Propriedade exclusiva de matéria-prima: Empresas estabelecidas podem estar protegidas
da entrada de novas empresas,pelo seu controledas matérias-primas,ou outros recursos-
chaves para produção.
 Vantagens e Desvantagens do monopólio:
a) Vantagem: É peculiar aos casos de produção em larga escala, com redução de custos.
b) Desvantagens: (1) Possibilidade de ineficiência da firma monopolista e até de falta de
estímulo para melhoria dos métodos produtivos; (2) limitações impostas aosconsumidores
quanto às oportunidades de compra e escolha; (3) Preços abusivos eventualmente fi xados
ao consumidor.
 Monopsônio:
Em economia, monopsônio ou monopsônio é uma forma de mercado com apenas um
comprador, chamado de monopsonista, e inúmeros vendedores. É um tipo de competição
imperfeita, inverso ao caso do monopólio, onde existe apenas um vendedor e vários
compradores.
Um monopsonista tem poder de mercado, devido ao fato de poder influenciar os preços de
determinado bem, variando apenas a quantidade comprada.
 Oligopólio:
Corresponde a uma estrutura de mercado de concorrência imperfeita, no qual o mercado é
controlado por um número reduzido de empresas, de tal forma que cada uma tem que
considerar os comportamentos e as reações das outras quando toma decisões de mercado.
No oligopólio,os bens produzidos podem ser homogéneos ou apresentar al guma diferenciação
sendo que, geralmente, a concorrência se efetua mais ao nível de fatores como a qualidade, o
serviço pós-venda, a fidelização ou a imagem, e não tanto ao nível do preço.
Existem duas categorias de oligopólio:
 Oligopólio Puro: Quando o produto final/serviço envolvido na transação for de natureza
homogênea, isto é, não apresentar substituto. No oligopólio puro, os vendedores concorrentes
e rivais costumam efetivar acordos legais à margem da legislação. Assim, poderão surgir:
a) Acordos Organizados: São referendados em conluios, como os cartéis. Ex.: OPEP.
b) Acordos Não Organizados: Dão origem a modelos de liderança de preços que podem
envolver a supremacia de uma firma sobre as demais, fundamentada em custos ou, então,
no domínio de parcela significativa do mercado.
 Oligopólio Diferenciado:O produto final/serviço conta efetivamente com substituto(s), pois ele
não é homogêneo.
 Oligopsônio:
É uma forma demercado com poucos compradores, chamados de oligopsonistas, e inúmeros
vendedores. É um tipo decompetição imperfeita, inverso ao caso do oligopólio, onde existem
apenas alguns vendedores e vários compradores.
Os oligopsonistas tem poder de mercado, devido ao fato de poderem influenciar os preços de
determinado bem, variando apenas a quantidade comprada.
 Concorrência Monopolística:
É uma estrutura demercado em que são produzidos bens diferentes, entretanto, com
substitutos próximos passíveis de concorrência.
Trata-se de uma estrutura de mercado intermediária entre a concorrência perfeita e
o monopólio.
 Concorrência Monopsonística:
A contrapartida da concorrência monopolística, aplicável aos fatores de produção, é a
concorrência monopsonística.Caracterizada pela existência de grande número de compradores
(atomização do mercado) de insumos heterogêneos ou não padronizados, tais agentes podem
manifestar preferência pela aquisição de determinado ofertante, mas não possuem qualquer
poder sobre os preços.
 Monopólio Bilateral:
Constitui mercado à parte concretiza-se quando há um único vendedor de um recurso
produtivo (monopolista) para um único adquirente (monopsonista). Portanto, estão face a face
o monopolista e o monopsonista.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 3 princípios da economia
Aula 3   princípios da economiaAula 3   princípios da economia
Aula 3 princípios da economiaHenrique Silva
 
Introdução a economia
Introdução a economiaIntrodução a economia
Introdução a economiaVictor Daniel
 
Ead Apostila 10 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 10 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãOEad Apostila 10 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 10 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãOR D
 
Conceitos economicos
Conceitos economicosConceitos economicos
Conceitos economicosgustavosmotta
 
Cap. 1 dez princípios da economia (1)
Cap. 1   dez princípios da economia (1)Cap. 1   dez princípios da economia (1)
Cap. 1 dez princípios da economia (1)WallaceZOO
 
Aula 2 - Economia
Aula 2 - EconomiaAula 2 - Economia
Aula 2 - EconomiaCNA
 
Economia e mercado unidade 1
Economia e mercado   unidade 1Economia e mercado   unidade 1
Economia e mercado unidade 1henriap
 
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãOEad Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãOR D
 
Resumo das aulas de economia de mercado
Resumo das aulas de economia de mercadoResumo das aulas de economia de mercado
Resumo das aulas de economia de mercadoMarcelo Lieuthier
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economiaLuciano Pires
 
Introdução à economia troster e monchón cap 1
Introdução à economia troster e monchón cap 1Introdução à economia troster e monchón cap 1
Introdução à economia troster e monchón cap 1Claudia Sá de Moura
 
Aula 01 fundamentos de economia
Aula 01   fundamentos de economiaAula 01   fundamentos de economia
Aula 01 fundamentos de economiajane costa
 

Mais procurados (20)

Aula 7 - Problemas Econômicos
Aula 7 - Problemas EconômicosAula 7 - Problemas Econômicos
Aula 7 - Problemas Econômicos
 
Aula 3 princípios da economia
Aula 3   princípios da economiaAula 3   princípios da economia
Aula 3 princípios da economia
 
Td eco-01 apostila-de_economia[2]
Td eco-01 apostila-de_economia[2]Td eco-01 apostila-de_economia[2]
Td eco-01 apostila-de_economia[2]
 
Introdução a economia
Introdução a economiaIntrodução a economia
Introdução a economia
 
Slides Economia
Slides EconomiaSlides Economia
Slides Economia
 
Ead Apostila 10 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 10 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãOEad Apostila 10 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 10 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
 
Conceitos economicos
Conceitos economicosConceitos economicos
Conceitos economicos
 
Cap. 1 dez princípios da economia (1)
Cap. 1   dez princípios da economia (1)Cap. 1   dez princípios da economia (1)
Cap. 1 dez princípios da economia (1)
 
Aula 2 - Economia
Aula 2 - EconomiaAula 2 - Economia
Aula 2 - Economia
 
Aula inicial
Aula inicialAula inicial
Aula inicial
 
Economia e mercado unidade 1
Economia e mercado   unidade 1Economia e mercado   unidade 1
Economia e mercado unidade 1
 
Questões relevantes sobre economia
Questões relevantes sobre economiaQuestões relevantes sobre economia
Questões relevantes sobre economia
 
Economia e mercado
Economia e mercadoEconomia e mercado
Economia e mercado
 
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãOEad Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
 
Resumo das aulas de economia de mercado
Resumo das aulas de economia de mercadoResumo das aulas de economia de mercado
Resumo das aulas de economia de mercado
 
Aula inicial economia
Aula inicial economiaAula inicial economia
Aula inicial economia
 
Aula de introdução à economia
Aula de introdução à economiaAula de introdução à economia
Aula de introdução à economia
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
 
Introdução à economia troster e monchón cap 1
Introdução à economia troster e monchón cap 1Introdução à economia troster e monchón cap 1
Introdução à economia troster e monchón cap 1
 
Aula 01 fundamentos de economia
Aula 01   fundamentos de economiaAula 01   fundamentos de economia
Aula 01 fundamentos de economia
 

Semelhante a Resumo de economia -02

Aula 1_Introdução a Economia_Conceitos e Princípios
Aula 1_Introdução a Economia_Conceitos e PrincípiosAula 1_Introdução a Economia_Conceitos e Princípios
Aula 1_Introdução a Economia_Conceitos e PrincípiosMairaLuizaSpanholi
 
Apresentação_A Economia como Ciência.pdf
Apresentação_A Economia como Ciência.pdfApresentação_A Economia como Ciência.pdf
Apresentação_A Economia como Ciência.pdfMairaLuizaSpanholi
 
Aula 1 2_3principios_da_economia
Aula 1 2_3principios_da_economiaAula 1 2_3principios_da_economia
Aula 1 2_3principios_da_economiaDaia Bento
 
Lições de Economia Política I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT 2011/20...
Lições de Economia Política I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT 2011/20...Lições de Economia Política I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT 2011/20...
Lições de Economia Política I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT 2011/20...A. Rui Teixeira Santos
 
Curso de Economia Politica I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, 2011/12)
Curso de Economia Politica I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, 2011/12)Curso de Economia Politica I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, 2011/12)
Curso de Economia Politica I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, 2011/12)A. Rui Teixeira Santos
 
Princípios de estudo da economia
Princípios de estudo da economiaPrincípios de estudo da economia
Princípios de estudo da economiaAlzira Figueiredo
 
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano...
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano...Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano...
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano...A. Rui Teixeira Santos
 
Apostila sobre principios de economia
Apostila sobre principios de economia Apostila sobre principios de economia
Apostila sobre principios de economia Alyne Oliveira
 
Cap. 1 dez princípios da economia
Cap. 1   dez princípios da economiaCap. 1   dez princípios da economia
Cap. 1 dez princípios da economiaWallaceZOO
 
Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw
Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw
Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw EduardoAugusto801381
 
Teoria Econômica aplicada aula admn.pptx
Teoria Econômica aplicada aula admn.pptxTeoria Econômica aplicada aula admn.pptx
Teoria Econômica aplicada aula admn.pptxDomnicoCarnevale1
 
Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2
Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2
Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2underklow
 
Aula 1 fundamentos economia 300712
Aula 1   fundamentos economia 300712Aula 1   fundamentos economia 300712
Aula 1 fundamentos economia 300712Carlos Camargo
 
resumos-ep-i-resumo-economia-politica-i.pdf
resumos-ep-i-resumo-economia-politica-i.pdfresumos-ep-i-resumo-economia-politica-i.pdf
resumos-ep-i-resumo-economia-politica-i.pdfIsabelaCorreia15
 
Noções de economia
Noções de economiaNoções de economia
Noções de economiaJane34
 

Semelhante a Resumo de economia -02 (20)

Aula 1_Introdução a Economia_Conceitos e Princípios
Aula 1_Introdução a Economia_Conceitos e PrincípiosAula 1_Introdução a Economia_Conceitos e Princípios
Aula 1_Introdução a Economia_Conceitos e Princípios
 
Apresentação_A Economia como Ciência.pdf
Apresentação_A Economia como Ciência.pdfApresentação_A Economia como Ciência.pdf
Apresentação_A Economia como Ciência.pdf
 
Aula economia - modificado2
Aula   economia - modificado2Aula   economia - modificado2
Aula economia - modificado2
 
Economia
EconomiaEconomia
Economia
 
Aula 1 2_3principios_da_economia
Aula 1 2_3principios_da_economiaAula 1 2_3principios_da_economia
Aula 1 2_3principios_da_economia
 
Lições de Economia Política I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT 2011/20...
Lições de Economia Política I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT 2011/20...Lições de Economia Política I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT 2011/20...
Lições de Economia Política I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT 2011/20...
 
Curso de Economia Politica I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, 2011/12)
Curso de Economia Politica I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, 2011/12)Curso de Economia Politica I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, 2011/12)
Curso de Economia Politica I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, 2011/12)
 
Princípios de estudo da economia
Princípios de estudo da economiaPrincípios de estudo da economia
Princípios de estudo da economia
 
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano...
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano...Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano...
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano...
 
Capítulo 01
Capítulo 01Capítulo 01
Capítulo 01
 
Apostila sobre principios de economia
Apostila sobre principios de economia Apostila sobre principios de economia
Apostila sobre principios de economia
 
Cap. 1 dez princípios da economia
Cap. 1   dez princípios da economiaCap. 1   dez princípios da economia
Cap. 1 dez princípios da economia
 
Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw
Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw
Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw
 
Introdução ao Estudo das Ciências Econômicas
Introdução ao Estudo das Ciências EconômicasIntrodução ao Estudo das Ciências Econômicas
Introdução ao Estudo das Ciências Econômicas
 
Teoria Econômica aplicada aula admn.pptx
Teoria Econômica aplicada aula admn.pptxTeoria Econômica aplicada aula admn.pptx
Teoria Econômica aplicada aula admn.pptx
 
Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2
Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2
Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2
 
Aula 1 fundamentos economia 300712
Aula 1   fundamentos economia 300712Aula 1   fundamentos economia 300712
Aula 1 fundamentos economia 300712
 
Apostila intr economia_pablo
Apostila intr economia_pabloApostila intr economia_pablo
Apostila intr economia_pablo
 
resumos-ep-i-resumo-economia-politica-i.pdf
resumos-ep-i-resumo-economia-politica-i.pdfresumos-ep-i-resumo-economia-politica-i.pdf
resumos-ep-i-resumo-economia-politica-i.pdf
 
Noções de economia
Noções de economiaNoções de economia
Noções de economia
 

Mais de Cleber de Jesus

Administração de opração
Administração de opraçãoAdministração de opração
Administração de opraçãoCleber de Jesus
 
Relações humanas Aula 06
Relações humanas Aula 06Relações humanas Aula 06
Relações humanas Aula 06Cleber de Jesus
 
A Teoria Clássica Aula 04
A Teoria Clássica Aula 04A Teoria Clássica Aula 04
A Teoria Clássica Aula 04Cleber de Jesus
 
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (2)
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (2)Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (2)
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (2)Cleber de Jesus
 
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (1)
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (1)Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (1)
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (1)Cleber de Jesus
 
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01Cleber de Jesus
 
Caio fábio o drama de absalão
Caio fábio   o drama de absalãoCaio fábio   o drama de absalão
Caio fábio o drama de absalãoCleber de Jesus
 
Caio fabio amor o melhor caminho
Caio fabio   amor o melhor caminhoCaio fabio   amor o melhor caminho
Caio fabio amor o melhor caminhoCleber de Jesus
 

Mais de Cleber de Jesus (14)

Apostila economia -01
Apostila economia -01Apostila economia -01
Apostila economia -01
 
Administração de opração
Administração de opraçãoAdministração de opração
Administração de opração
 
Controle
Controle Controle
Controle
 
Relações humanas Aula 06
Relações humanas Aula 06Relações humanas Aula 06
Relações humanas Aula 06
 
A Teoria Clássica Aula 04
A Teoria Clássica Aula 04A Teoria Clássica Aula 04
A Teoria Clássica Aula 04
 
administração aula 02
administração aula 02administração aula 02
administração aula 02
 
Administração aula01
Administração aula01Administração aula01
Administração aula01
 
Apresentaçao -tema 1
 Apresentaçao -tema 1 Apresentaçao -tema 1
Apresentaçao -tema 1
 
Analise de ambiente
Analise de ambienteAnalise de ambiente
Analise de ambiente
 
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (2)
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (2)Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (2)
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (2)
 
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (1)
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (1)Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (1)
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01 (1)
 
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01
Administraodeoperaes 131023113939-phpapp01
 
Caio fábio o drama de absalão
Caio fábio   o drama de absalãoCaio fábio   o drama de absalão
Caio fábio o drama de absalão
 
Caio fabio amor o melhor caminho
Caio fabio   amor o melhor caminhoCaio fabio   amor o melhor caminho
Caio fabio amor o melhor caminho
 

Último

Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisValéria Shoujofan
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessRodrigoGonzlez461291
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 

Último (20)

Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 

Resumo de economia -02

  • 1. RESUMO DE ECONOMIA DEZ PRINCÍPIOS DE ECONOMIA O gerenciamento dos recursos da sociedade é importante porque estes são escassos.  Escassez:Significaquea sociedadetem recursos limitadose,portanto, não pode produzir todos os bens e serviços que as pessoas desejam ter.  Economia: É o estudo de como a sociedade administra seus recursos escassos.  Como as pessoas tomam decisões Princípio 1: As pessoas enfrentam Tradeoffs: Tradeoff é uma expressão que define uma situação de escolha conflitante, isto é, quando uma ação econômica que visa à resolução de determinado problema acarreta, inevitavelmente, outros. A tomada de decisões exige escolher um objetivo em detrimento de outro. O tradeoff clássico se dá entre “armas e manteiga”. Quanto mais uma sociedade gasta em defesa nacional, menos gasta com bens de consumo. Igualmente importante na sociedade moderna é o tradeoff entre um meio ambiente sem poluição e um alto nível de renda. Outro tradeoff que a sociedade enfrenta é entre eficiência e igualdade.  Eficiência: Significa que a sociedade está obtendo o máximo que pode de seus recursos escassos. Se refere ao tamanho do bolo econômico.  Igualdade: Significa que os benefícios advindos desse recursos estão sendo distribuídos uniformemente entre os membros da sociedade. Se refere à maneira como o bolo é dividido em partes individuais. Enquanto proporcionam mais igualdade, essas políticas reduzem a eficiência. Quando o governo redistribui renda dos ricos para os pobres, reduz a recompensa pelo trabalho árduo; com isso,as pessoas trabalhammenos e produzem menos bens e serviços. Em outras palavras, quando o governo tenta cortar o bolo econômico me fatias mais iguais, o bolo diminui de tamanho. Princípio 2: O custo de alguma coisa é aquilo de que você desiste para Obtê-la: Como as pessoas enfrentam tradeoffs, a tomada de decisões exige comparar os custos e benefícios de possibilidades alternativas de ação.  Custo de Oportunidade: É aquilo de que você abre mão para obtê-lo.
  • 2. Princípio 3: As pessoas racionais pensam na margem:  Pessoa Racional: Aquela que faz o melhor para alcançar seus objetivos, sistemática e objetivamente, conforme as oportunidades disponíveis.  Mudanças Marginais: São pequenos ajustes incrementais a um plano de ação existente. Mudanças marginais são ajustes ao redor dos “extremos” daquilo se está fazendo. A pessoa racional geralmente toma decisões comparando esses benefícios marginais com custos marginais. O benefício marginal depende de quantas unidades a pessoa já possui. A água é essencial, mas o benefício marginal de um copo a mais é pequeno, pois a água existe em abundância. Ninguém precisa de diamantes para sobreviver, mas, como são raros, o benefício marginal é considerado alto. Um tomado de decisões racional executa uma ação se, e somente se, o benefício marginal ultrapassa o custo marginal. Princípio 4: As pessoas Reagem a incentivos:  Incentivo: É algo que induz a pessoa a agir. Os incentivos são cruciais para analisar o funcionamento do mercado. Por exemplo, quando o preço da maçã aumenta, as pessoas optam por comer menos maçãs. Ao mesmo tempo, os fazendeiros com pomares de macieiras decidem contratar mais trabalhadores e comer mais maçãs. Em outras palavras, o preço mais alto do mercado proporciona um incentivo para que os compradores consumam menos e um incentivo para que os vendedores produzam mais. O imposto sobre a gasolina ao uso de carros menores, que consomem menos gasolina.  Como as pessoas interagem Princípio 5: O comércio pode ser bom para todos: O comércio permite que as pessoas se especializem na atividade em que são melhores, agricultura,costuraou construção.Ao comerciaremcom os outros, as pessoas podem comprar uma maior variedade de bens e serviços a um custo menor. Assim como as famílias, os países se beneficiam da possibilidade de comerciar um com os outros. O comércio permite que eles se especializem naquilo que fazem melhor e desfrutem de uma maior variedade de bens e serviços. Princípio 6:Os mercados são geralmente uma boa maneira de organizar a atividadeeconômica:
  • 3.  Economia de Mercado: As decisões do planejador central são substituídas pelas decisões de milhões de empresas e famílias. As empresas que decidem que contratar e o que produzir. As famílias decidem em que empresa trabalhar e o que comprar com seus rendimentos. Essas empresas e famílias interagem no mercado, em que os preços e interesse próprio guiam suas decisões. Em uma economia de mercado, ninguém cuida do bem-estar econômico de toda a sociedade. Ainda assim, apesar da tomada descentralizada de decisões e de tomadores de decisões movidos pelo interesse particular, as economias de mercado têm se mostrado muito bem- sucedidas na organização da atividadeeconômica para promover o bem-estar econômico geral. Segundo Adam Smith, “as famílias e as empresas, ao interagirem nos mercados, agem como se fossem guiadas por uma ‘mão invisível’ que as leva a resultados de mercado desejáveis”. Os preços são o instrumento com que a mãe invisível conduza atividade econômica. A visão de Adam Smith era de que os preços se ajustam para direcionar a oferta e a demanda, de modo a alcançar resultados que, em muitos casos, maximizam o bem-estar da sociedade como um todo. Princípio 7: Às vezes, os governos podem melhorar os resultados dos mercados : Um dos motivos porque precisamos do governo é que a mão invisível poderá fazer maravilhas apenas se o governo garantir o cumprimento das regras e mantiver as instituições principais da economia. Mais importante, as economias de mercado precisão da instituições para garantir o direito de propriedade.  Direito de propriedade: habilidade de um indivíduo para possuir e exercer controle sobre recursos escassos. Todos nós confiamos no governo para providenciar polícia etribunaispara valer o direito sobre aquilo que produzimos. Há ainda o motivo mais profundo pelo qual precisamos do governo: a mão invisível é poderosa, mas não é onipotente. Há dois motivos genéricos para que um governo intervenha na economia – promover a eficiência epromover a igualdade.Ou seja,a maioria das políticas tem por objetivo aumentar o bolo econômico ou mudar a maneira como este é dividido.  Falha no mercado: Uma situação em que o mercado, por si só,não consegue produzir alocação eficiente de recursos. Uma possível falha de mercado é a externalidade.
  • 4.  Externalidade: O impacto das ações de uma pessoa sobre o bem-estar de outras que não tomam parte da ação. Outra causa possível de uma falha de mercado é o poder de mercado,  Poder de mercado: A capacidade que um único agente econômico tem de influencia r significativamente os preços do mercado. Dizer que o governo pode, por vezes, melhorar os resultados do mercado não significa que ele sempre o fará. Às vezes, as políticas são concebidas para recompensar os politicamente poderosos.  Como a economia funciona Princípio 8: O padrão de vida de um país depende de sua capacidade de produzir bens e serviços: Quase todas as variações de padrão de vida podem ser atribuídas a diferenças de produtividade entre países.  Produtividade: quantidade de bens e serviços produzidos por unidade de insumo de mão de obra Em países onde os trabalhadores podem produzir uma grande quantidade de bens e serviços por unidade de tempo, a maioria das pessoas desfruta de padrões de vida elevados. Quando se pensa sobre como alguma política afetará os padrões de vida, a questão-chave é como ela afetará nossa capacidade de produzir bens e serviços. Para elevarem os padrões de vida, os formuladores de políticas precisam elevar a produtividade, garantindo que os trabalhadores tenhamuma boa educação,disponhamdas ferramentas de quem precisam para produzir bens e serviços e tenham acesso à melhor tecnologia disponível. Princípio 9: Os preços sobem quando o governo emite moeda demais  Inflação: Um aumento do nível geral de preços da economia. Como a inflação elevada impõe diversos custos à sociedade, mantê-la em níveis baixos é um objetivo dos formuladores de políticas econômicas de todo o mundo. Em quase todos os casos de inflação elevada ou persistente, o culpado é o mesmo – um aumento na quantidade de moeda. Quando um governo emite grandes quantidades de moeda, o valor desta diminui. Princípio 10: A sociedade enfrenta um tradeoff de curto prazo entre inflação e desemprego:
  • 5. Muitos economistas descrevem os efeitos de curto prazo da injeção monetária como: a) O aumento da quantidade de moeda na economia estimula o nível geral de consumo e, portanto, a demanda por bens e serviços; b) O aumento da demanda pode, com o tempo, levar as empresas a aumentarem as preços , porém, nesse interim, esse aumento também incentiva as empresas a contratar mais mão de obra e a aumentar a quantidade de bens e serviços produzidos. c) Maior contratação significa menos desemprego. Essa linha de pensamento leva a um amplo tradeoff na economia: um tradeoff de curto prazo entre inflação e desemprego. A maioria dos economistas aceita que a sociedade enfrenta um tradeoff de curto prazo entre inflação e desemprego. Isso significa que, em um período de um ou dois anos, muitas políticas econômicas empurram a inflação e o desemprego em direções opostas. Esse tradeoff de curto prazo é de grande importância para a análise do ciclo de negócios.  Ciclo de negócios: Flutuações da atividade econômica, medidas pelo número de pessoas empregadas ou pela produção de bens e serviços. AS FORÇAS DE MERCADO DA OFERTA E DA DEMANDA A oferta e a demanda são as forças que fazem as economias de mercado funcionarem. São ela que determinam a quantidade produzida de cada bem e o preço pelo qual o bem será vendido.  Mercados e Competição  Mercado: É um grupo de compradores e vendedores de um determinado bem ou serviço. Os compradores determinam a demanda pelo produto e os vendedores determinam a oferta do produto.  Mercado Competitivo: É um mercado em que há tantos compradores e vendedores que cada um deles tem impacto insignificante sobre o preço de mercado. Em um mercado competitivo, o preço e a quantidade vendida não são determinados por um único comprador ou vendedor. Ao contrário, eles são determinados por todos os compradores e vendedores, à medida que interagem.  Mercados perfeitamente competitivos: Para alcançar essa forma de competição, um mercado deve apresentar duas características fundamentais: (1) os bens oferecidos para venda são
  • 6. todos iguais e (2) os compradores e vendedores são tão numerosos que nenhum deles é capaz de, individualmente, influenciar o preço do mercado.  Tomadores de preços: São os compradores e vendedores que precisam aceitar o preço que o mercado determina.  Monopólio: Quando o mercado tem só um vendedor, que é quem determina o preço.  Demanda: A curva de demanda: A relação entre preço e quantidade demandada  Quantidade demandada: É a quantidade de um bem que os compradores desejam e podem comprar São muitas as coisas que determinam a quantidade demandada, mas há um determinante que representa um papel principal: o preço do bem.  Lei da Demanda: É a afirmação de que, com tudo o mais mantido constante, a quantidade demandada de um bem diminui quando o preço dele aumenta.  Escala de demanda: É uma tabela que mostra a relação entre o preço de um bem e a quantidade demandada.  Curva de demanda: É um gráfico da relação entre o preço de um bem e a quantidade demandada. Demanda do Mercado versus Demanda individual  Demanda de mercado: É a soma de todas as demandas individuais por um determinado bem ou serviço. A curva de demanda de mercado mostra como a quantidade total demandada de um bem varria conforme seu preço varia, enquanto todos os demais fatores que afetam a quantidade que os consumidores desejam comprar são mantidos constantes. Deslocamento da Curva de Demanda  Aumento da demanda: É qualquer mudança que aumente a quantidade demandada a cada preço, o que faz a curva de demanda se deslocar para a direita.  Redução da demanda: É qualquer mudança que faça a curva se deslocar para a esquerda, devido à redução da quantidade demandada. São muitas as variáveis que podem deslocar a curda de demanda. As mais importantes são:
  • 7. a) Renda: Uma renda menor significa que você tem menos renda para seus gastos totais, de modo que precisará gastar menos com alguns bens – e provavelmente com todos. Se a demanda por um bem diminui quando a renda cai, o bem é chamado de bem normal. Se a demanda por um bem aumenta quando a renda cai, o meu é chamado de bem inferior. b) Preços dos Bens Relacionados:  Bens Substitutos: São dois bens para os quais o aumento do preço de um leva a um aumento da demanda pelo outro.  Bens Complementares: São dois bens para os quais o aumento do preço de um leva a uma redução da demanda pelo outro. c) Gostos: O mais óbvio determinante de sua demanda são os seus gostos. Se você gosta de sorvete, comprará mais sorvete. d) Expectativas: Suas expectativas quanto ao futuro podem afetar a sua demanda por um bem ou serviço hoje. Se você tem a expectativa de obter uma renda maior no mês que vem, pode decidir economizar menos e gastar mais na compra de sorvete. Ou, se você espera que o preço do sorvete diminua, amanhã, pode estar menos disposto a comprar sorvete ao preço de hoje. e) Número de Compradores: A demanda de mercado depende do número de compradores. Quanto mais compradores,mais a quantidadedemandada fica maior a cada preço e mais a curda de demanda aumenta, ou seja, se desloca para a direita.  Oferta A Curva de Oferta: A relação entre Preço e Quantidade Ofertada  Quantidade Ofertada: É a quantidade e um bem que os vendedores estão dispostos e aptos a vender.  Lei da Oferta: É a afirmação de que, com tudo o mais mantido constante, a quantidade ofertada de um bem aumenta quando seu preço aumenta.  Escala de Oferta: É uma tabela que mostra a relação entre o preço e a quantidade ofertada de um bem.  Curva de Oferta: É um gráfico que relaciona o preço com a quantidade ofertada. Oferta de Mercado versus Oferta Individual
  • 8.  Oferta de mercado: É a soma das ofertas de todos os vendedores.  Curva de oferta de mercado: mostra como a quantidade ofertada total varia à medida que o preço do bem varia. Deslocamento da Curva de Oferta  Aumento da Oferta: Qualquer mudança que aumente a quantidade ofertada a cada preço e desloca a curva de oferta para direita.  Redução da Oferta: Qualquer mudança que reduza a quantidade ofertada a cada preço e desloca a curva de oferta para a esquerda. São muitas as variáveis que podem deslocar a curva de oferta. Aqui estão algumas das mais importantes: a) Preço dos Insumos: Quando aumenta o preço de um ou mais dos insumos utilizados na produção de um bem ou serviço, essa produção se torna menos lucrativa e as empresas ofertarão menos desse bem/serviço. b) Tecnologia:A invenção das máquinas reduziu a quantidade de trabalho necessário para a produção de certos bens/serviços. Reduzindo os custos das empresas, os a vanços na tecnologia aumentam a oferta dos bens. c) Expectativas: Se uma empresa tiver a expectativa de que o preço do bem ofertado aumente no futuro, ela estocará parte de sua produção atual e ofertará menos hoje. d) Número de Vendedores: A oferta de mercado depende do úmero de vendedores. Quanto menos vendedores, menos oferta no mercado.  Oferta e Demanda Reunidas  Equilíbrio: É uma situação na qual o preço de mercado atinge o nível em que a quantidade ofertada é igual à quantidade demandada.  Preço de Equilíbrio: É o preço que iguala a quantidade ofertada e a quantidade demandada.  Quantidade de Equilíbrio: É a quantidade ofertada e a quantidade demandada ao preço de equilíbrio.  Excesso de Oferta: É uma situação em que a quantidade ofertada é maior do que a quantidade demandada. Os vendedores respondem a esse excesso reduzindo os preços. Com a diminuição nos preços, a quantidade demandada aumenta e a quantidade ofertada diminui. Os preços continuam a cair até que o mercado atinja seu equilíbrio.
  • 9.  Excesso de Demanda: É uma situação em que a quantidade demandada é maior do que a quantidade ofertada. Havendo muitos compradores atrás de poucos bens, os vendedores podem reagir à escassez aumentando seus preços sem, com isso, perder vendas. À medida que o preço aumenta, a quantidade demandada diminui, a quantidade ofertada aumenta e o mercado, mais uma vez, move-se em direção ao equilíbrio.  Lei da Oferta e da Demanda: É a afirmação de que o preço de qualquer bem se ajusta para trazer a quantidade ofertada e a quantidade demandada desse bem o equilíbrio. Deslocamento das Curvas versus Movimentos ao Longo Delas Um deslocamento da curva de oferta é chamado “mudança da oferta” e um deslocamento da curva de demanda é chamado “mudança da demanda”. Um movimento ao longo de uma curva de oferta fixa é chamado “mudança na quantidade ofertada” e um movimento ao longo de uma curva de demanda fixa é denominada “mudança na quantidade demandada.  Conclusão: Como os Preços Alocam Recursos: A oferta e a demanda, juntas, determinam os preços dos diferentes bens e serviços da economia; os preços, por sua vez, são os sinais que orientam a alocação de recursos. Quem obtém esse recurso? Quem quiser e puder pagar seu preço. Nas economias de mercado, os preços são os mecanismos de racionamento dos recursos escassos. Da mesma forma, os preços determinam quem produz cada bem e o quanto será produzido. Se as economias de mercado são conduzidas por uma mão invisível, como sugeriu Adam Smith, então o sistema de preços é a batuta que a mão invisível usa parareger a orquestra econômica. ESTRUTURAS DE MERCADO  Introdução:  Preço: É o denominador comum entre a oferta e a procura.  Definindo Mercado:  Mercado: É o conjunto de pontos de contato entre vendedores de um bem ou prestadores de serviço e os potenciais compradores desse bem ou os usuários de tal serviço, de modo a serem estabelecidas as condições contratuais de venda e compra ou da prestação e uso do serviço. Vários são os aspectos implícitos nesse conceito:
  • 10. a) O contexto comporta qualquer tipo de intercâmbio, ou seja, troca direta e troca indireta. b) O mercado é caracterizado pela ideia de espaço econômico, isto é, pela descontinuidade territorial. c) As negociações são voluntárias d) A desnecessidadede presença explícita das partes envolvidas no processo. As negociações podem ocorrer sem o contato físico das partes. e) Os diferentes estágios do processo de transação, ou seja, atacado e varejo.  Determinantes das Estruturas: São dois os elementos que determinam as estruturas mercadológicas: a quantidade de agentes em um plano e a natureza do produto final/serviço ou do fator de produção objeto de transação.  Quantidade de Agentes: Deve ser interpretada segundo a maneira como se comportam dentro do conjunto, e não em termos de quantidade que possam denotar. Há duas possibilidades de reações entre os agentes: a) Mercados Atomizados: Representam situações despersonalizadas em que grande quantidade de agentes está presente, isto é, as decisões de cada um não são captadas pelos outros e deixam de acarretar alterações nos procedimentos e/ou comportamentos dos concorrentes. Isso acontece nos mercados concorrenciais. Manifestações individuais são inócuas no conjunto. Nesse contexto, os indivíduos atuam como tomadores de preços e, isoladamente, jamais pressionarão o preço que vier a ser ditado pelo mercado. b) Mercados não Atomizados: constituem cenários em que poucos agentes estão presentes. O vocábulo “poucos” incorpora a ideia de que alterações comportamentais de qualquer um deles são captadas pelos demais. Essa particularidade é observada nos mercados pouco ou não concorrenciais. Ao contrário do caso anterior, nesse contexto, os indivíduos conseguem, em certas circunstâncias, ditar preços.  Natureza do produto Final/ Serviço ou do Fator de Produção: a) Mercados Puros: É quando há homogeneidade entre os bens e objetos das negociações. Dessa maneira, os produtos finais/serviços ou os fatores de produção presentes nas transações são idênticos ou padronizados. Isso significa que qualquer um deles será perfeito substituto aos demais.
  • 11. b) Mercados Imperfeitos: Ocorrem sempre que as negociações dos produtos finais/serviços ou dos insumos pressuporem estes como diferenciados quanto à origem, condições de comercialização,qualidade e/ou outros atributos. Nesse prisma, os elementos móveis das transações podem, quando muito, ser substitutos próximos entre si, mas não perfeitos substitutos, como na situação anterior. A diferenciação do produto final/serviço ou do fator de produção ocorre sempre que exista manifesta preferência do agente por um deles em detrimento dos demais, embora todos possam,em princípio,atender à mesma finalidade.Nessequadro, a diferenciação pode ser real ou tão-somente imaginária, isto é, fazer-se presente exclusivamente aos olhos do consumidor. São identificáveispelo menos três maneiras de diferenciação dos produtos finais/serviços ou dos fatores produtivos: (1) Atributos técnicos, físicos ou intrínsecos; (2) Imagem transmitida; (3) Caracterização dos agentes.  Concorrência Pura e Perfeita  Concorrência Pura ou Perfeita: É um tipo de mercado em que há um grande número de vendedores (empresas) e de compradores, de tal sorte que uma empresa, isoladamente, por ser insignificante, não afeta o nível da oferta, nem tampouco o preço de equilíbrio, que também não é alterado pelos compradores, que representam a demanda ou procura. Diz-se que é um mercado atomizado. Nessas condições, os preços do mercado formam-se perfeitamente segundo a correlação entre oferta e procura, sem interferência predominante de compradores ou vendedores isolados. Esse tipo de mercado apresenta as seguintes características: a) Grande número de produtores e demandantes do produto b) Produtos Homogêneos: não existe diferenciação entre os produtos oferecidos pelas empresas concorrentes. c) Não existem barreiras à entrada no mercado. d) Transparência do Mercado:as informações sobre lucros, preços etc. são conhecidas por todos os participantes do mercado. e) A não Intervenção do Estado: o Estado não intervém, deixando o mercado regular-seatravés da chamada "mão invisível da concorrência". Os preços são definidos pelo livre jogo da oferta e demanda. Assim, o equilíbrio seria sempre alcançado tanto a curto, como a médio e longo prazo.
  • 12. Uma característica do mercado em concorrência perfeita é que, a longo prazo, não existem lucros anormais ou lucros extraordinários (isto é, a fração do lucro que está acima do lucro médio do mercado), mas apenas os chamados lucros normais, que repres entam a remuneração implícita do empresário. Assim, no longo prazo, quando a receita total iguala o custo total, o lucro extraordinário é zero, embora existam lucros normais,pois nos custos totaisestão incluídos os custos implícitos (que não envolvem desembolso), o que inclui os lucros normais. Em concorrência perfeita,como o mercado é transparente, se existiremlucros extraordinários, isso atrairá novas firmas parao mercado, pois que também não há barreiras ao acesso. Com o aumento do número de empresas no mercado e mantido constante o nível da demanda, os preços tenderão a cair e, consequentemente, também os lucros extraordinários, até que se retorne a uma situação onde só haja lucros normais, cessando também o ingresso de novas empresas nesse mercado.  Mercados Imperfeitos: Dessa forma rotulam-setodos os mercados que não satisfazem o princípio da atomização e/ou homogeneidade do produto final/serviço ou fator de produção objeto das transações. Estão inseridos nesse conjunto o monopólio, o monopsônio, suas respectivas extensões, o oligopólio e o oligopsônio, além dos mercados intermediários entre os dois primeiros e a concorrência pura e perfeita, ou seja, a concorrência monopolística e a concorrência monopsonística. Ademais, existe uma situação independente, a do monopólio bilateral.  Monopólio: Dá-se quando uma empresa detém o mercado de um determinado produto ou serviço, para o qual não existam bons substitutos, impondo preços aos que comercializam.  Condições de Existência do monopólio: A fonte básica de monopólio é a presença de barreiras de entrada, de onde se destacam: a) Economias de escala: Empresas novas tendem a entrar em mercados a níveis de produção menores do que empresas estabelecidas. Se a indústria é caracterizada por economias de escala (custos médios decrescem com o aumento no volume de produção), os custos médios da empresa nova serão mais altos do que os custos médios de uma empresa estabelecida. b) Proteção Legal: Proteções legais, como direito autoral e patente, garantem ao seu detentor exclusividade no mercado.
  • 13. c) Propriedade exclusiva de matéria-prima: Empresas estabelecidas podem estar protegidas da entrada de novas empresas,pelo seu controledas matérias-primas,ou outros recursos- chaves para produção.  Vantagens e Desvantagens do monopólio: a) Vantagem: É peculiar aos casos de produção em larga escala, com redução de custos. b) Desvantagens: (1) Possibilidade de ineficiência da firma monopolista e até de falta de estímulo para melhoria dos métodos produtivos; (2) limitações impostas aosconsumidores quanto às oportunidades de compra e escolha; (3) Preços abusivos eventualmente fi xados ao consumidor.  Monopsônio: Em economia, monopsônio ou monopsônio é uma forma de mercado com apenas um comprador, chamado de monopsonista, e inúmeros vendedores. É um tipo de competição imperfeita, inverso ao caso do monopólio, onde existe apenas um vendedor e vários compradores. Um monopsonista tem poder de mercado, devido ao fato de poder influenciar os preços de determinado bem, variando apenas a quantidade comprada.  Oligopólio: Corresponde a uma estrutura de mercado de concorrência imperfeita, no qual o mercado é controlado por um número reduzido de empresas, de tal forma que cada uma tem que considerar os comportamentos e as reações das outras quando toma decisões de mercado. No oligopólio,os bens produzidos podem ser homogéneos ou apresentar al guma diferenciação sendo que, geralmente, a concorrência se efetua mais ao nível de fatores como a qualidade, o serviço pós-venda, a fidelização ou a imagem, e não tanto ao nível do preço. Existem duas categorias de oligopólio:  Oligopólio Puro: Quando o produto final/serviço envolvido na transação for de natureza homogênea, isto é, não apresentar substituto. No oligopólio puro, os vendedores concorrentes e rivais costumam efetivar acordos legais à margem da legislação. Assim, poderão surgir: a) Acordos Organizados: São referendados em conluios, como os cartéis. Ex.: OPEP. b) Acordos Não Organizados: Dão origem a modelos de liderança de preços que podem envolver a supremacia de uma firma sobre as demais, fundamentada em custos ou, então, no domínio de parcela significativa do mercado.
  • 14.  Oligopólio Diferenciado:O produto final/serviço conta efetivamente com substituto(s), pois ele não é homogêneo.  Oligopsônio: É uma forma demercado com poucos compradores, chamados de oligopsonistas, e inúmeros vendedores. É um tipo decompetição imperfeita, inverso ao caso do oligopólio, onde existem apenas alguns vendedores e vários compradores. Os oligopsonistas tem poder de mercado, devido ao fato de poderem influenciar os preços de determinado bem, variando apenas a quantidade comprada.  Concorrência Monopolística: É uma estrutura demercado em que são produzidos bens diferentes, entretanto, com substitutos próximos passíveis de concorrência. Trata-se de uma estrutura de mercado intermediária entre a concorrência perfeita e o monopólio.  Concorrência Monopsonística: A contrapartida da concorrência monopolística, aplicável aos fatores de produção, é a concorrência monopsonística.Caracterizada pela existência de grande número de compradores (atomização do mercado) de insumos heterogêneos ou não padronizados, tais agentes podem manifestar preferência pela aquisição de determinado ofertante, mas não possuem qualquer poder sobre os preços.  Monopólio Bilateral: Constitui mercado à parte concretiza-se quando há um único vendedor de um recurso produtivo (monopolista) para um único adquirente (monopsonista). Portanto, estão face a face o monopolista e o monopsonista.