PARASITOLOGIA BÁSICA

AMEBÍASE

RENATA RAMOS
AMEBAS

PARASITOLOGIA BÁSICA

Ordem – Amoebida (tipicamente um só núcleo e
ausência de fase flagelada). Locomoção por pseu...
Gênero Entamoeba

PARASITOLOGIA BÁSICA

Entamoeba histolytica
 
Diagnosticada pela primeira vez em 1975 em fezes de um
cam...
Gênero Entamoeba
 Mundo, existe aproximadamente
pessoas infectadas;

PARASITOLOGIA BÁSICA

500

milhões

de

 Brasil, in...
BIOLOGIA - Morfologia

PARASITOLOGIA BÁSICA

- Entamoeba histolytica:
forma
não-patogênica e forma patogênica

Cistos Enta...
BIOLOGIA - Morfologia

PARASITOLOGIA BÁSICA

RENATA RAMOS
TRANSMISSÃO

PARASITOLOGIA BÁSICA

 Ingestão de formas resistentes – cistos – geralmente
com água e alimentos contaminado...
Cistos maduros

Ingestão de Cistos
maduros em água e
alimentos
contaminados

PARASITOLOGIA BÁSICA

Excistamento
no intesti...
PATOGENIA

PARASITOLOGIA BÁSICA

 Amebíase – infecção humana causada pela E. histolytica,
com ou sem manifestação clínica...
PATOGENIA

PARASITOLOGIA BÁSICA

 Evolução da patogenia – invasão das células epiteliais da mucosa
intestinal e ação líti...
PATOGENIA

PARASITOLOGIA BÁSICA

Invasão de Tecidos
Circulação Porta
Adesão entre parasito e
célula do epitélio intestinal...
PATOGENIA

PARASITOLOGIA BÁSICA

Invasão tecidual pela
Entamoeba histolytica

RENATA RAMOS
FORMAS CLÍNICAS

PARASITOLOGIA BÁSICA

 Assintomática;
 Sintomática:
Amebíase Intestinal
- Invasiva: com sinais e sintom...
SINAIS E SINTOMAS

PARASITOLOGIA BÁSICA

 Período de incubação – 7dias a 4 meses difícil de ser
determinado;
 Grande mai...
DIAGNÓSTICO

PARASITOLOGIA BÁSICA

Clínico: Pode ser confundida, na fase aguda, com disenteria
bacilar, salmoneloses, sínd...
EPIDEMIOLOGIA

PARASITOLOGIA BÁSICA

 Ampla distribuição geográfica com altas taxas no Novo
Mundo;
 Brasil – altas preva...
PROFILAXIA

PARASITOLOGIA BÁSICA

Programas de controle;
Saneamento ambiental;
Exame freqüente de manipuladores de aliment...
TRATAMENTO

PARASITOLOGIA BÁSICA

 Atuação apenas intestinal: Falmonox e Teclosan;
 Atuação intestinal e tecidual: assoc...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Amebiase

2.193 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.193
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Amebiase

  1. 1. PARASITOLOGIA BÁSICA AMEBÍASE RENATA RAMOS
  2. 2. AMEBAS PARASITOLOGIA BÁSICA Ordem – Amoebida (tipicamente um só núcleo e ausência de fase flagelada). Locomoção por pseudópodes. Gêneros – Entamoeba, Endolimax e Iodamoeba GÊNERO Entamoeba   Este gênero apresenta espécies que vivem no intestino grosso do homem ou de animais com raras exceções. É caracterizado por possuir núcleo esférico ou arredondado e vesiculoso. RENATA RAMOS
  3. 3. Gênero Entamoeba PARASITOLOGIA BÁSICA Entamoeba histolytica   Diagnosticada pela primeira vez em 1975 em fezes de um camponês com disenteria aguda;   Presença de hemácias no citoplasma de trofozoítos;   Quadros amebianos invasivos com produção de antígenos específicos;   Sintomatologia: disenteria amebiana, colite amebiana aguda ou crônica, abscessos no fígado, pulmões, cérebro;   Ampla distribuição e alta incidência, sobretudo nos trópicos. RENATA RAMOS  
  4. 4. Gênero Entamoeba  Mundo, existe aproximadamente pessoas infectadas; PARASITOLOGIA BÁSICA 500 milhões de  Brasil, incidência e prevalência variam nas regiões;  Nordeste, alta incidência de entamoeba tetranucelada, mas a incidência de abscesso hepático é baixa (OKAZAKI et al., 1988 ). RENATA RAMOS Professora Renata Ramos
  5. 5. BIOLOGIA - Morfologia PARASITOLOGIA BÁSICA - Entamoeba histolytica: forma não-patogênica e forma patogênica Cistos Entamoeba histolytica (M, N) RENATA RAMOS
  6. 6. BIOLOGIA - Morfologia PARASITOLOGIA BÁSICA RENATA RAMOS
  7. 7. TRANSMISSÃO PARASITOLOGIA BÁSICA  Ingestão de formas resistentes – cistos – geralmente com água e alimentos contaminados;  Veiculação por insetos como moscas e baratas;  Falta de higiene domiciliar – disseminação de cistos dentro da família;  Manipuladores assintomáticos.       RENATA RAMOS
  8. 8. Cistos maduros Ingestão de Cistos maduros em água e alimentos contaminados PARASITOLOGIA BÁSICA Excistamento no intestino delgado Trofozoíto no intestino grosso Multiplicação por Fissão Binária Cisto CICLO BIOLÓGICO Trofozoíto Fezes Estágio Infectante Estágio de Diagnóstico Colonização n-invasiva Doença Intestinal Doença Extra-Intestinal RENATA RAMOS
  9. 9. PATOGENIA PARASITOLOGIA BÁSICA  Amebíase – infecção humana causada pela E. histolytica, com ou sem manifestação clínica;  Virulência variável de acordo com a cepa, passagens sucessivas em diversos hospedeiros;  Forma invasiva;  Fatores ligados ao hospedeiro: localização geográfica, sexo, idade, resposta imune, dieta, alcoolismo;  Bactérias anaeróbias – potencialização da virulência de cepas de E. histolytica;  Ação tóxica sobre polimorfonucleares; RENATA RAMOS
  10. 10. PATOGENIA PARASITOLOGIA BÁSICA  Evolução da patogenia – invasão das células epiteliais da mucosa intestinal e ação lítica através de mecanismos de contato;  Mulheres portadoras assintomáticas – quadro severo durante a gravidez ou puerpério;  Lesões iniciais – epitélio intestino grosso;  Degeneração celular nos tecidos parasitados;  Processos amebianos com maior freqüência em regiões com trânsito intestinal mais lento (ceco, sigmóide e reto);  Macroscopicamente: lesões precoces com pontos avermelhados, formação de pequenas áreas congestas, seguidas de úlceras de bordos nítidos e necrose.   RENATA RAMOS
  11. 11. PATOGENIA PARASITOLOGIA BÁSICA Invasão de Tecidos Circulação Porta Adesão entre parasito e célula do epitélio intestinal Movimentos amebóides e liberação de enzimas proteolíticas Multiplicação parasitária Micro-ulcerações com ulceração “botão de camisa” Vasos Sangüíneos Ameboma Resposta Inflamatória Proliferativa Progressão e pequena reação inflamatória RENATA RAMOS
  12. 12. PATOGENIA PARASITOLOGIA BÁSICA Invasão tecidual pela Entamoeba histolytica RENATA RAMOS
  13. 13. FORMAS CLÍNICAS PARASITOLOGIA BÁSICA  Assintomática;  Sintomática: Amebíase Intestinal - Invasiva: com sinais e sintomas, trofozoítos hematófagos nas evacuações, alterações da mucosa, presença de anticorpos específicos no soro. - Não-invasiva: decurso assintomático, ausência de trofozoítos hematófagos nas fezes, aspecto normal da mucosa, ausência de anticorpos. Amebíase Extra-intestinal, Amebíase Hepática Amebíase Cutânea, Amebíase Pulmonar e Cerebral RENATA RAMOS
  14. 14. SINAIS E SINTOMAS PARASITOLOGIA BÁSICA  Período de incubação – 7dias a 4 meses difícil de ser determinado;  Grande maioria das infecções assintomáticas (80 a 90%);   Forma sintomática: - Colite não-disentérica - comum com fezes moles ou pastosas, podendo conter muco e sangue – funcionamento normal do intestino; - Colite disentérica – surge de modo agudo com cólicas intestinais e diarréia, evacuações mucossanguiniolentas e febre moderada.  Pode haver perfurações do intestino;  Complicações em até 4% dos casos de perfurações. RENATA RAMOS
  15. 15. DIAGNÓSTICO PARASITOLOGIA BÁSICA Clínico: Pode ser confundida, na fase aguda, com disenteria bacilar, salmoneloses, síndrome do cólon irritado;   Laboratorial:   - Parasitológico: mais utilizado para identificação de cistos e trofozoítos. Aspecto e consistência das fezes bem como se é disentérica e a presença de muco e sangue. Utilização de laxantes – fezes liquefeitas e, em muitos casos a positividade.   - Imunológico: ELISA, IFI, Pesquisa de Coproantígenos. RENATA RAMOS
  16. 16. EPIDEMIOLOGIA PARASITOLOGIA BÁSICA  Ampla distribuição geográfica com altas taxas no Novo Mundo;  Brasil – altas prevalências em Manaus, Belém, João Pessoa, Porto Alegre, Salvador e Belo Horizonte;  Maiores incidências- África e Ásia;  Diferenças regionais da virulência: doença rara ou inexistente em regiões frias ou temperadas, com grande eliminação de cistos tetranucleados nas fezes;  Segunda causa de mortalidade, depois da malária;;  48 milhões de casos com cerca de 70 mil óbitos em 1997.   RENATA RAMOS
  17. 17. PROFILAXIA PARASITOLOGIA BÁSICA Programas de controle; Saneamento ambiental; Exame freqüente de manipuladores de alimentos; Educação e engenharia sanitária; Combate a moscas e baratas; Manter os alimentos protegidos; Lavar verduras e frutas cruas.   RENATA RAMOS
  18. 18. TRATAMENTO PARASITOLOGIA BÁSICA  Atuação apenas intestinal: Falmonox e Teclosan;  Atuação intestinal e tecidual: associação entre antibióticos e derivados imidazólicos: Tetraciclinas, eritromicina, espiramicina + Metronidazol (Flagil), Tinidazol (Fasigyn), Ornidazol (Tiberal), Senidazol, Nitroimidazol;  Falmonox – portadores assintomáticos;  Amebíase extra-intestinal – metronidazol. RENATA RAMOS

×