Herpes simples genital e gestação

337 visualizações

Publicada em

Apresentação do Texto contido no Livro do Willians de Obstetrícia sobre o assunto.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
337
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Herpes simples genital e gestação

  1. 1. Clayton Cardoso Interno da 90ª turma de Medicina da Universidade de Brasília Herpes simples genital e gestação
  2. 2.  Infecção das mais comuns dentre as DSTs.  1 em cada 5 mulheres tem evidência sorológica de infecção pelo HSV-2 (Xu and associates, 2006, 2007)  0.5 a 2% das grávidas adquirem HSV-1 ou 2 durante a gestação (Brown and colleagues, 1997).  Dois Tipos  Tipo 1 responsável pelas infecções não genitais, porém observa-se aumento deste subtipo em região genital entre jovens e adultos jovens devido ↑ prática do sexo oral. (Mertz and associates, 2003; Roberts and colleagues, 2003)  Tipo 2 infecta exclusivamente o trato genital e é mais transmitido pelo ato sexual  A infecção anterior por um tipo atenua a infecção primária pelo outro. Herpes simples vírus (HSV)
  3. 3.  Transmissão Neonatal: (Kimberlin, 2004; Kimberlin and Rouse, 2004)  Intrauterina 5%  Intraparto 85%  Pós natal 10% Herpes simples vírus (HSV)
  4. 4.  Fatores relacionados a Transmissão neonatal: (Brown and associates, 2005, 2007)  Presença do HSV no trato genital  Tipo de HSV  Procedimentos obstétricos invasivos  Estágio da infecção na mãe  Crianças nascidas de gestantes com infecção primária perinatal tem 30 a 50% de risco de infecção e isso é atribuído a falta de anticorpos transplacentários (Brown and co-workers,1997)  Mães que tem recorrência da lesão tem menos de 1% de risco de infecção neonatal (Brown and colleagues, 1997; Prober and associates, 1987). Herpes simples vírus (HSV)
  5. 5.  Infecção categorizada em 3 grupos:  Primária sem presença de anticorpos do outro sorotipo.  Doença mais exuberante ( ↑ nº Lesões , dor, prurido, formação de vesículas, coalecência, adenopatia inguinal, viremia, queda no estado geral)  Primária com presença de anticorpos do outro sorotipo.  Doença mais branda ( ↓ Lesões, dor, manifestações sistêmicas, devido imunidade cruzada conferida pelos anticorpos do outro tipo)  Reativação de doença (Presença de anticorpos do mesmo sorotipo )  Maior parte causada pelo HSV-2 (Centers for Disease Control and Prevention, 2006b)  Poucas lesões, curta duração ( 2 a 5 dias) e aparece tipicamente nos mesmo locais.  Infecção assintomática ocorre entre 0.5 e 2.7% das gestantes no momento do parto (Gardella and colleagues, 2005) Herpes simples vírus (HSV)
  6. 6.  Infecções primárias no início da gestação não tem associação com aborto espontâneo ou natimorto (Eskild and co-workers,2002).  Infecção primária tardia pode estar associada a parto pré termo (Brown and Baker, 1989)  Mortalidade no caso de doença disseminada, mesmo com tratamento com aciclovir, é de 30%, e 20 a 50% dos sobreviventes tem comprometimento importante do desenvolvimento do SNC.  Diagnóstico  Clínico é inespecífico e não sensível e deve ser confirmado laboratorialmente.  Cultura ( 2 semanas) e PCR (Método de escolha)  Screenning Pré-natal  Colégio americano de Ginecologia e Obstetrícia não recomenda (CDC STD Treatment Guidelines, 2010) Herpes simples vírus (HSV)
  7. 7.  Tratamento  Aciclovir parece ser seguro para uso em gestantes (Corey and colleagues, 2004).  Mais de 700 neonatos expostos durante 1º trimestre foram avaliados e não tiveram ↑ efeitos adversos (Reiff-Eldridge and co-workers, 2000; Scott, 1999).  Há preocupações sobre potencial neutropenia na vigência de terapia supressora de longa duração (Kimberlin, 2004). Herpes simples vírus (HSV)
  8. 8.  Tratamento  Gestantes com surgimento de Lesões Genitais Primárias devem ser tratadas com antiviral para atenuação dos sintomas e redução do tempo de doença e viremia.  Aciclovir 400mg V.O 8/8h por 5 dias  Doença Severa e Disseminada  Aciclovir de 5 a 10 mg/kg/dose, endovenoso, de 8/8h por 2 a 7 dias, seguidos por 3 dias de aciclovir oral, completando um total de 10 dias.  Recorrência da doença, “ Reativação”  Tratada somente para alívio dos sintomas Herpes simples vírus (HSV)
  9. 9. Herpes simples vírus (HSV)
  10. 10. Herpes simples vírus (HSV)  Profilaxia periparto  Iniciar Aciclovir na 36ª semana reduz o nº de aparecimento de lesões ao termo, necessidade de cesárea. (Hollier and Wendel, 2008)  Reduz a carga viral detectável pelo PCR e pela Cultura e os epsódios de recorrência (Braig, 2001; Scott, 2002; Sheffield, 2006; Watts, 2003, and all their colleagues).  Recomendação do Colégio Americano de Ginecologia e Obstetrícia é a de realizar profilaxia para gestantes que apresentem alguma lesão durante a gestação.
  11. 11. Herpes simples vírus (HSV)  Na chegada ao CPA para o parto:  Se história positiva para HSV, perguntar se há queimação ou prurido vaginal.  Realizar cuidadoso exame da vulva, vagina e cérvix e colher cultura de lesões suspeitas.  Cesariana estará indicada na presença de lesão genital ou pródromos de infecção por HSV genital (American College of Obstetricians and Gynecologists, 2007a)  Lesões em outras regiões não são indicação de Cesariana.  Não há evidência que a presença de lesões externas causem infecção fetal por ascendência em pacientes com ROPREMA segundo relato de caso com 29 pcts com menos de 31 semanas de gestação (Major and associates, 2003)
  12. 12. Herpes simples vírus (HSV)  No Pós parto:  Amamentação é permitida se não houver lesão ativa próxima a mama  Enfatizar a Higiene e lavagem das mãos para evitar contaminação do RN.  Aciclovir pode ser usada pela mãe durante a amamentação. Um estudo mostrou que a concentração no leite materno é 2% da dose terapêutica no neonato (Sheffield and associates, 2002a)

×