Grande entrevista com Celina Pereira, cantora cabo-verdiana

875 visualizações

Publicada em

Entrevista com Celina Pereira, cantora cabo-verdiana
Por Claudio Vaz

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Grande entrevista com Celina Pereira, cantora cabo-verdiana

  1. 1. Entrevista com Celina Pereira, cantora cabo-verdiana Por Claudio Vaz “Sei que tenho uma grande responsabilidade em relação a cultura do meu país” O ambiente parecia em festa tendo em conta o volume da música que ecoava pelas paredes do oitavo andar do edifício número dois da rua Duque de Palmela. Não restavam mais dúvidas, aquele era mesmo o sítio marcado para a entrevista: a Associação Cabo- verdiana de Lisboa. O restaurante, localizado dentro associação estava vazio, mesmo assim, a música continuava. Mapas e quadros com temas cabo-verdianos decoravam as paredes das duas alas existentes na associação: de um lado a administração, e do outro, o restaurante. A pessoa a ser entrevistada não estava, um SMS confirma a dedução: “estou aí em quinze minutos”. Os membros da associação chegavam aos poucos e as conversas nasciam todo a todo o momento. De súbito, a porta do elevador abre-se e revela a personagem desta entrevista. Celina Pereira entra calmamente no restaurante e os seus olhos verdes procuram imediatamente os olhos do entrevistador. A delicadeza dos movimentos era acompanhada pelo baloiçar da vestido vermelho que vestia; um turbante, da mesma cor, rodeava o cabelo de uma face jovial, adornada com um batom de tom encarnado. Feitas as iniciais apresentações, o sítio escolhido para entrevista foi o da sala de reuniões da associação. A partir de agora fica para trás o som agitado do restaurante, e dá-se lugar para melodia e a história de uma voz. Como surgiu a música na sua vida? Penso que surgiu geneticamente. Nasci numa família de músicos. O meu avô paterno era padre e teve formação de músico. Tocava bandolim e ensinou música a todos os meus tios e tias. Do lado materno, todos os meus tios também tocavam, e alguns eram também compositores. Todos faziam música. E o seu o primeiro contacto com os palcos? A primeira vez que subi a um palco tinha cinco anos de idade, e foi na festa da escola da minha irmã. A primeira vez que cantei num coral tinha oito anos e foi numa igreja. Cresci numa igreja protestante, onde penso que tive uma boa escola para a evolução de todas as minhas aptidões. Ter começado a cantar numa igreja, para cem, duzentas pessoas, foi a melhor academia de canto que tive. Cresci a cantar por prazer,
  2. 2. para a adoração, para o louvor. Gosto de cantar para louvar os poetas, para louvar a palavra, o bom texto. Tenho este grau de exigência. Cantar a cultura cabo-verdiana foi uma forma de voltar às suas origens? Claro. E não só! Foi também uma tomada de consciência. Quando me analiso como ser, dou conta que sou uma ex-colonizada a quem o ex-colonizador não ensinou nada sobre si própria. Nunca ninguém me ensinou nada sobre a minha cultura. Descobri o batuque, por exemplo, na época da independência em 1975, quando regressei a Cabo Verde. Foi aí que me dei conta de que tinha que descobrir a minha identidade como mestiça. Descobrir estes ritmos, estas formas musicais, faz parte da descoberta de mim própria e da minha cultura pessoal. Tem medo que a cultura e a língua crioula desapareçam ? Não é que tenha medo, mas tenho este receio que é algo fundamentado. Qualquer cultura baseada numa tradição oral tende a perde-se com o tempo. E nós sabemos disso. Quando tomei consciência da minha maioridade, percebi que já não se ouvia canções que tinha na minha memória de criança, como por exemplo, músicas que a minha mãe cantava. Coisas que não se ouviam na rádio, nem se viam escritas em lugar algum. Sobretudo formas musicais que, por estarem baseadas numa tradição oral, com certeza se perderiam. Deparou-se com alguma situação deste género? Presenciei na comunidade de New Bedford (A mais antiga colónia cabo-verdiana dos EUA) que os cabo-verdianos se manifestavam culturalmente com coisas que já não se faziam em Cabo
  3. 3. Verde. Havia concursos de Mazurcas (uma dança originária da região polaca da Mazúria) de Contradanças (género instrumental introduzida pelos franceses), de Lundum (batuques herdado de escravos trazidos de Angola) e Cantigas dos reis. Percebi que, de facto, era preciso fazer qualquer coisa. Sempre tive em mente que não queria cantar por cantar, então decidi gravar estas formas musicais, as formas musicais que minha mãe cantava e que já não sabia o que eram. Queria que elas ficassem registadas. Como é ter esta responsabilidade perante o seu país? Sei que tenho uma grande responsabilidade em relação a cultura do meu país, da verdade da cultura do meu país às gerações mais novas. Para as quais temos que criar um mundo onde a globalização não nos engula. As crianças cabo-verdianas, de qualquer parte do mundo, têm que saber quais são as formas musicais, as expressões da origem dos seus pais, portanto, da sua própria origem. E se de alguma maneira tenho contribuído para isso, quero continuar, é uma convicção que tenho. “A Morna tem no seu conteúdo um espelho da vida de cada cabo- verdiano” A maneira como canta a Morna cabo-verdiana lembra o Blues e o Jazz... Concorda? Estou a crer que é também uma questão genética. Os blues são um cântico de lamento, de mágoa. São cânticos muito negros, muito africanos, uma herança directa para os EUA. É a minha alma negra que me faz cantar como canto. Não foi nada estudado, não é intencional. É a carga das palavras que canto que me leva cantar como eu canto. Não é pretensão minha, mas penso que é a minha alma africana. Já se aventurou a gravar algum destes estilos musicais? Gostava muito, mas não é fácil. Sempre sonhei nos meus voos de loucura, gravar com um quarteto de Jazz. Há uma leitura nos termos harmónicos, sobretudo no piano que tem muito haver com o acompanhamento de algumas mornas. Mas estas coisas as editoras não apostam muito. Fica para o lado onírico. As coisas quando têm de acontecer, acontecem naturalmente. Qual o significado da Morna para o povo cabo-verdiano? A morna é onde a essência e a alma do cabo-verdiano se expressa toda. As mornas mais antigas são mornas satíricas, comparadas com medievais canções de escárnio e de
  4. 4. mal dizer portuguesas São brincalhonas no seu conteúdo, mas tem na sua essência o quotidiano. Com o conhecimento de Eugénio Tavares, a Morna toma uma expressão daquilo que considero como clássica. A Morna tem um significado para os cabo-verdianos no mesmo sentido e significado que o fado tem para os portugueses. Qualquer português espalhado pelo mundo vai estar escutando fado em casa. O que os cabo-verdianos estarão escutando, em New Bedford ou em Boston, serão as mornas Mas qual foi o contributo de Eugénio Tavares para a morna? Eugénio Tavares está ao lado de Camões em termos líricos. Ele trouxe para a Morna esta componente do amor, da sacralização do amor. Mas também trouxe uma componente muito presente na vida cabo-verdiana, que é a emigração. O primeiro jornal criado fora de Cabo Verde, criado na diáspora, foi um jornal criado por Eugénio Tavares. Ele trouxe esta vivência da emigração, a vivência da partida. Esta vivência vê-se muito em Cabo Verde porque vivemos em ilhas e as pessoas partem e chegam todos os dias, mas a emigração é muito mais forte. E hoje em dia? Quem são os grandes compositores de Mornas para si? Temos o Manuel Novas, um dos maiores compositores vivos, aliás, que é o compositor com o maior numero de composições feitas. B.Leza foi também um grande compositor depois de Eugénio Tavares. B.Leza. Foi um dos primeiros compositores que nos confrontou com esta lusofonia que se fala tanto hoje. Uma das mornas que ele canta chama-se “Beijo de Sodade” composta originalmente em crioulo e em português. A Morna tem no seu conteúdo um espelho da vida de cada cabo-verdiano, e as pessoas retractam- se com alguns compositores. “Sempre trabalhei na área da comunicação.” Antes de se destacar no cenário da música internacional passou pela rádio, foi professora, hospedeira de terra e, no ar da actualidade, cantora e contadora de estórias. Como foi este processo? Para mim é um processo muito natural. Acho engraçado quando as pessoas perguntam “faz tantas coisas ao mesmo tempo”... Faço tantas coisas? Não, faço uma única coisa: comunicar. Tudo aquilo que fiz até hoje passa por algo a que se chama comunicação. Dar aulas é comunicar, cantar é comunicar. Trabalhar num balcão a atender passageiros e dizer que tem que pagar não sei quanto por um bilhete é
  5. 5. comunicar, fazer rádio é comunicar... contar historia é comunicar. Sempre trabalhei na área da comunicação. Como comunicadora tem algum ídolo que influencia ou influenciou sua carreira? Sempre convivi com grandes comunicadores; os pastores das igrejas protestantes por onde passei. Mas há um homem na televisão que para mim é como um ícone, o Larry King (apresentador norte-americano de talkshows). Há um outro homem que não posso deixar de falar, o Baltazar Lopes da Silva, que foi meu professor. Cada vez que ouço um discurso com palavras difíceis, lembro-me daquilo que Baltazar Lopes da Silva nos dizia: “para dizermos as coisas que queremos não é preciso que o nosso pensamento se embrulhe em palavras que as outras pessoas não conheçam...” Aí está a inteligência do comunicador. Gostava de voltar a falar do seu mais recente trabalho. Quando começou a contar a estórias para as crianças? Nunca tinha passado na minha cabeça contar estórias para crianças. Quando fiz este disco foi imediato, e fui apresentar o trabalho nos EUA. Devo dizer que aproveitei muito das minhas facilidades de viagens na TAP para apresentar os meus trabalhos, pois quase sempre foram trabalhos independentes e gravados do meu bolso. Fui aos EUA apresentar este trabalho e neste mesmo ano, em 1990, os professores de educação bilingue de lá, convidaram-me para contar historias. Comecei em 1990, em escolas em liceus em jardins de infância. E a partir dai não parei mais. Contadas em crioulo? Sim. Nos EUA porque me pediam para contar em crioulo. Mas costumo contar nas línguas que sei. Recentemente contei em Italiano. Tento aperfeiçoar a minha forma de comunicar porque é um grau de exigência que tenho. Como uma boa virginiana que sou, ou faço muito bem feito ou não quero fazer. É um trabalho voltado também para a língua portuguesa? Sim, a base do trabalho deste trabalho é o português, o CD está todo falado em português e algumas coisas em crioulo. A intenção deste trabalho é valorizar as minhas duas línguas, em termos orais e em termos escritos. E o crioulo tem sido muito pouco escrito. Ultimamente um pouco mais.
  6. 6. “Penso que a Lusofonia é mais vivenciada entre os artistas” Existe algum trabalho que gostava de fazer ou já realizou no âmbito da Lusofonia? Há no nordeste de Moçambique uma comunidade onde, geneticamente, há uma maior tendência para uma grande parte das crianças nascerem cegas. E há ali um grupo de artistas e de pessoas ligadas a Igreja que resolveu começar um programa especial com músicas a favor desta comunidade. Fiquei a pensar que é uma boa forma de também ser útil a esta comunidade. Transmiti ao embaixador de Moçambique aqui em Portugal que gostava de ajudar, de visitar esta comunidade, de levar meu áudio livro, de contar as histórias. As pessoas que possuem este tipo de deficiência precisam aperfeiçoar outras como a audição etc. Sinto que este tipo de trabalho pode ajudar. A lusofonia é uma causa paralela ao trabalho que realiza em prol da língua crioula? Tem de ser. Tenho como pertença duas línguas de comunicação que são as minhas duas pátrias. Costumo dizer que sou um bocadinho mais rica que Fernando Pessoa que dizia “a minha pátria é a minha língua”... As minhas pátrias são as minhas línguas. Uma delas é a língua oficial de Cabo Verde, que é o português. A outra é o crioulo, uma língua latina, baseada no português arcaico, portanto, o crioulo é filho do português, apesar de ser hoje uma língua independente. Este espaço tem sido mais sido badalado pelos políticos, mas não tem sido tão vivenciado e nem criadas as condições para que esta chamada lusofonia seja mais real. Já viveu algo marcante neste âmbito? Quando fui apresentar um livro em português no Luxemburgo. Na plateia, gente falante de vários países, para mim foi a prova que este é o caminho. Havia angolanos, cabo-verdiano, brasileiros, portugueses... é realmente um elo de ligação que não podemos descuidar. Acredita que quando existir um espaço de trocas culturais poderemos falar de uma lusofonia cidadã, de uma verdadeira união de povos? Ela já é uma união de povos. Esta preciosíssima língua que falamos, com temperos diferentes, é o maior elo de ligação e a maior prova que realmente algo existe. Só penso que a Lusofonia é mais vivenciada entre os artistas. Sei que é uma das pretensões da própria Comunidade dos Países de língua Portuguesa (CPLP), como organização política é, de um dia encontrar a fórmula certa para esse objectivo, mas não sei como.
  7. 7. Pessoalmente, penso que em termos universais é muito comandada pelo Brasil. Agora gostava muito que esta troca, esta circulação entre os artistas fosse mais real. Mas sabemos que ainda não é. Perfil Maria Celina da Silva Pereira é natural da ilha Boavista, Cabo Verde. Com seis anos de idade mudou-se para a ilha de São Vicente acompanhando os seus pais. Com a formação concluída no Liceu Gil Eanes em 1959, lançou-se na carreira jornalística na Rádio Barlavento, também na ilha de São Vicente, realizando programas como o “Voz da Solidariedade”. Ao mesmo tempo, leccionava na escola Roberto Duarte Silva, na ilha de Santo Antão. Em 1970 emigra para Portugal onde frequenta o curso de magistério primário na Escola Superior de Educação Viseu. Entretanto, realiza outro curso, desta vez de Aviação Comercial na TAP AIR PORTUGAL (TAP), onde foi hospedeira de terra de 1970 até o ano de 1986. Em 1976 lança o seu primeiro trabalho discográfico, em Portugal, intitulado “Boa Vista Nha Terra". Volta para as ondas da rádio em 1986 com programa “Voz Di Mar” da extinta Rádio Telefonia de Lisboa e lá permanece até 1990, até produzir a obra “Estórias, Estórias... no Arquipélago das Maravilhas” e iniciar o seu novo desafio: o de contadora de estórias, em liceus e escolas de Boston e Massachussets (EUA), ofício este que perdura até hoje. Em 1999 passa a fazer parte dos quadros da Rádio Renascença com o programa “Renascença em África”, entrevistando personalidades como o ex-presidente de Cabo Verde, Luís Cabral; o antigo Presidente da República, Mário Soares, o embaixador angolano em Costa do Marfim, Carlos Belli Bello, o ex-primeiro ministro de Timor, Mari Alkatiri, entre outros. Com diversos trabalhos na área da música e participações especiais em congressos em Portugal e no exterior, o reconhecimento pela nação portuguesa e cabo-verdiana não tardaram a chegar. É galardoada com inúmeras premiações; em Março de 2003, recebe a Medalha de Mérito com o grau Comendadora das mãos do então Presidente da República Portuguesa, Jorge Sampaio e, em Junho de 2005, é lhe entregue a medalha de mérito cultural da Ordem do Vulcão pelo actual presidente cabo-verdiano, Pedro Pires. Cláudio Vaz – Jornalismo Escrito 15000 caracteres

×