SlideShare uma empresa Scribd logo
Infrações e Sanções Fiscais Cláudio de Oliveira Santos Colnago Mestre em Direitos e Garantias Fundamentais/FDV http://www.slideshare.net/claudiocolnago http://claudiocolnago.blogspot.com
Programa Infrações e sanções. Definições. Regime constitucional Legalidade, Devido processo legal, Confiscatoriedade, Proporcionalidade. Sanções indiretas/políticas. Regime infraconstitucional CTN  Legislação ordinária federal
Infrações e Sanções Definições
Definições Ordenamento jurídico regula a conduta humana de três formas possíveis: Proibida Permitida Obrigatória Diz-se haver uma “infração” quando uma conduta Proibida ou Obrigatória não é cumprida.
Definições Para se qualificar a conduta desejada (“infringida”) como jurídica, deve sempre a ela ser atribuída uma sanção. Sanção consiste na atribuição de uma conseqüência jurídica ao não cumprimento da conduta desejada.
Definições Sanção Administrativa: pode ser aplicada pela própria Administração Pública Sanção Penal: somente pode ser aplicada pelo Poder Judiciário.
Infrações e Sanções Regime Constitucional
Legalidade Art. 5º  Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: (...) II  - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão  em virtude de lei.
ADIn 2.075 “ O princípio da reserva de lei atua como  expressiva limitação constitucional ao poder do Estado , cuja competência regulamentar, por tal razão, não se reveste de suficiente idoneidade jurídica que lhe permita  restringir direitos ou criar obrigações .  Nenhum ato regulamentar pode criar obrigações ou restringir direitos, sob pena de incidir em domínio constitucionalmente reservado ao âmbito de atuação material da lei em sentido formal ”. (Rel. Min. Celso de Mello, j. em 07.02.01)
Devido Processo e Proporcionalidade Art. 5º (...) LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal. Fundamento normativo para a proporcionalidade (devido processo legal sob o aspecto substancial).
Confisco “ Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: (...) IV - utilizar tributo com efeito de confisco”. Referida limitação nada mais é do que uma leitura específica da idéia de proporcionalidade.
ADIn 551 AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. §§ 2.º E 3.º DO ART. 57 DO ATO DAS DOSPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS DA CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. FIXAÇÃO DE VALORES MÍNIMOS PARA MULTAS PELO NÃO-RECOLHIMENTO E SONEGAÇÃO DE TRIBUTOS ESTADUAIS. VIOLAÇÃO AO INCISO IV DO ART. 150 DA CARTA DA REPÚBLICA. A desproporção entre o desrespeito à norma tributária e sua conseqüência jurídica, a multa, evidencia o caráter confiscatório desta, atentando contra o patrimônio do contribuinte, em contrariedade ao mencionado dispositivo do texto constitucional federal. Ação julgada procedente. (Rel. Min. Ilmar Galvão, j. em 24.10.2002)
Voto Min. Ilmar Galvão
Voto Min. Sepúlveda Pertence
Voto Min. Marco Aurélio
Alíquota e Base de Cálculo Questionamentos: Há limite para alíquota da multa? Há restrição quanto à base de cálculo da multa? Pode a multa ser cobrada com base no valor do tributo não recolhido? Pode a multa ser cobrada com base no valor da operação?
Confisco CSLL - CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO - MULTA ISOLADA – Os incisos I e II "caput" e os incisos I, II, III e IV, § 1o., do art. 44, da Lei n. 9.430/96,  devem ser interpretados de forma sistemática, sob pena da cláusula penal ultrapassar o valor da obrigação tributária principal , constituindo-se num autêntico confisco e num "bis in idem" punitivo, em detrimento do princípio da não propagação das multas e da não repetição da sanção tributária. (1º Conselho de Contribuintes, Recurso 127.517, Com. Valmir Sandri)
RE 239.964 IPI. MULTA MORATÓRIA. ART. 59. LEI 8.383/91. RAZOABILIDADE. A multa moratória de 20% (vinte por cento) do valor do imposto devido, não se mostra abusiva ou desarrazoada, inexistindo ofensa aos princípios da capacidade contributiva e da vedação ao confisco. Recurso extraordinário não conhecido.  (Rel. Min. Ellen Gracie, j. em 15.04.2003)
RE 220.284 ICMS. Multa de 30% imposta por lei sobre o valor do imposto devido. Alegação de ter essa multa caráter confiscatório. – (...) Não se pode pretender desarrazoada e abusiva a imposição por lei de multa - que é pena pelo descumprimento da obrigação tributária - de 30% sobre o valor do imposto devido, sob o fundamento de que ela, por si mesma, tem caráter confiscatório. Recurso extraordinário não conhecido.  (Rel. Min. Moreira Alves, j. em 16.05.2000)
RE 241.074 TRIBUTÁRIO. COFINS. PARCELAMENTO. JUROS. MULTA DE 80% . ALEGAÇÕES DE EFEITO CONFISCATÓRIO, USURA, E DESRESPEITO AOS PRINCÍPIOS DO DEVIDO PROCESSO LEGAL E DA ISONOMIA. Alegações improcedentes, em face da legislação que rege a matéria, visto que as cominações impostas à contribuinte, por meio de lançamento de ofício, decorrem do fato de haver-se ela omitido na declaração e recolhimento tempestivos da contribuição(...). Recurso não conhecido.  (Rel. Min. Ilmar Galvão, j. 12.11.2000)
ADIn 1.075 Lei 8.846/94 Art. 3º Ao contribuinte, pessoa física ou jurídica, que não houver emitido a nota fiscal, recibo ou documento equivalente, na situação de que trata o art. 2º, ou não houver comprovado a sua emissão, será aplicada a multa pecuniária de  trezentos por cento sobre o valor do bem objeto da operação ou do serviço prestado , não passível de redução, sem prejuízo da incidência do imposto sobre a renda e proventos de qualquer natureza e das contribuições sociais.
ADIn 1.075 Multa de 300% “ A proibição constitucional do confisco em matéria tributária - ainda que se trate de multa fiscal resultante do inadimplemento, pelo contribuinte, de suas obrigações tributárias - nada mais representa senão a interdição, pela Carta Política, de qualquer pretensão governamental que possa conduzir, no campo da fiscalidade, à injusta apropriação estatal, no todo ou em parte, do patrimônio ou dos rendimentos dos contribuintes, comprometendo-lhes, pela insuportabilidade da carga tributária, o exercício do direito a uma existência digna, ou a prática de atividade profissional lícita ou, ainda, a regular satisfação de suas necessidades vitais básicas”. (...)
ADIn 1.075 Multa de 300% “ O Poder Público, especialmente em sede de tributação (mesmo tratando-se da definição do "quantum" pertinente ao valor das multas fiscais), não pode agir imoderadamente, pois a atividade governamental acha-se essencialmente condicionada pelo princípio da razoabilidade que se qualifica como verdadeiro parâmetro de aferição da constitucionalidade material dos atos estatais”.
Base de cálculo Base de cálculo da multa:  Deve haver relação direta com a infração, sob pena de se configurar desproporcionalidade. Logo, multa por não recolhimento de tributo que tenha por base de cálculo o valor da operação deve ser considerada desproporcional.
Lei 7.000/2001 (Espírito Santo) Art. 75.  A pena de multa será aplicada nos casos previstos nos parágrafos 1º a 8º deste artigo.  § 1º Faltas relativas ao recolhimento do imposto: (...) V - deixar de recolher o imposto, no todo ou em parte, na forma e nos prazos regulamentares, nos demais casos não previstos nos incisos anteriores: a) multa de 100% (cem por cento) do valor não recolhido; ou b) multa de 20 % (vinte por cento)  do valor da operação , quando o valor do imposto não puder ser apurado.
Ampla Defesa Art. 5º (...) LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes.
Proibição de  bis in idem Decorrência da idéia de proporcionalidade das penas. A pena deve ser proporcional à infração. Conseqüentemente, não se deve penalizar o mesmo fato mais de uma vez, sob pena de estabelecer uma pena desproporcional.
Proibição de  bis in idem É permitido cumular sanção criminal e sanção administrativa? Jurisprudência tem entendido que SIM, em razão da autonomia entre as esferas criminal e administrativa.
STF, RE 94.233 O pagamento dos tributos e demais gravames , com a finalidade de ser obtida a extinção da punibilidade no crime de descaminho (...)  não tem o condão de elidir a pena de perda da mercadoria  (...), ou de tornar possível a liberação da mercadoria, (...), mesmo porque não é causa excludente da responsabilidade civil a decisão que julga extinta a punibilidade (CPP, art. 67, II). II -  autonomia das instâncias cível e penal , ou reconhecimento do caráter autonômico da responsabilidade civil e penal (Código Civil, art. 1525; CPP, art. 66).  (Rel. Min. Aldir Passarinho, J. em 04.04.1986)
STJ, REsp 507.666 TRIBUTÁRIO, FISCAL E ADMINISTRATIVO. APREENSÃO DE AERONAVE. MERCADORIAS SEM DOCUMENTAÇÃO LEGAL. PENA DE PERDIMENTO. INSTÂNCIAS ADMINISTRATIVO-FISCAL E PENAL. INDEPENDÊNCIA E AUTONOMIA ENTRE SI. DELITO CONFIRMADO E NÃO DESCARACTERIZADO NO CAMPO ADMINISTRATIVO. EXTINÇÃO DA AÇÃO PENAL PELA PRESCRIÇÃO. INEXISTÊNCIA DE REPERCUSSÃO DA SENTENÇA PENAL NA ESFERA CÍVEL. Rel. Min. José Delgado, julgado em 05.08.2003.
Sanções políticas Coações indiretas para recebimento do crédito tributário
Constituição Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: (...) IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
Constituição Art. 5º (...): XIII - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer; Art. 170. A ordem econômica, fundada na  valorização do trabalho humano e na livre iniciativa,  tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios:
Súmulas do STF Súmula 70: “ É inadmissível a interdição de estabelecimento como meio coercitivo para cobrança de tributo”.  Súmula 323:  “É inadmissível a apreensão de mercadorias como meio coercitivo para pagamento de tributos.” Súmula 547: “ não é lícito à autoridade proibir que o contribuinte em débito adquira estampilhas, despache mercadorias nas alfândegas e exerça suas atividades profissionais”.
 
Caso Elmo Subsecretário da Fazenda, Bruno Negris: "O tempo de fechamento das lojas é determinado pela própria empresa. Estamos disponíveis para oferecer negociações de pagamento e parcelamento. Mas enquanto não houver a regularização e o pagamento desses impostos, as lojas permanecerão fechadas. O prejuízo com o total dessa dívida não é só para o Estado, mas também para os concorrentes. Enquanto tem uma empresa que não recolhe seu imposto, a do lado está recolhendo normalmente. Então isso prejudica a todos", destacou Negris.
Protesto de CDA: Portaria PGFN 321/2006 O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA NACIONAL , no uso das atribuições que lhe confere o art. 49, inciso XXI, alínea “a”, do Regimento Interno da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, e tendo em vista o disposto no art.1º da Lei nº 9.492, de 10 de setembro de 1997, e no art. 585, inciso VI, da Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973, resolve: Art. 1º.  As Certidões de Dívida Ativa da União , especialmente aquelas cujos valores não ultrapassem o limite estabelecido pela Portaria MF nº 49, de 1º de abril de 2004,  poderão ser levadas a protesto , antes do ajuizamento da ação de execução fiscal. (…) Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
Protesto de CDA Lei n.º 9.492, de 10 de setembro de 1997: "Art. 1º Protesto é o ato formal e solene pelo qual  se prova a inadimplência e o descumprimento de obrigação  originada em títulos e outros documentos de dívida”. Lei nº 6.830/80: “Art. 3º. A Dívida Ativa regularmente inscrita goza da  presunção de certeza e liquidez” .
TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. CRÉDITO TRIBUTÁRIO. PROTESTO PRÉVIO. DESNECESSIDADE. PRESUNÇÃO DE CERTEZA E LIQUIDEZ. 1. Agravo regimental interposto em face de decisão que negou provimento a agravo de instrumento. Nas razões do agravo, sustenta-se, em síntese, que embora a certidão de dívida ativa seja reconhecida como um título executivo extrajudicial, a cobrança da dívida tributária tem natureza diferente dos outros títulos de caráter civil, não tendo a Lei 9.492/97 a abrangência pretendida pelo agravado. 2. Não há necessidade de protesto prévio do título emitido pela Fazenda Pública. Se a CDA tem presunção relativa de certeza e liquidez, servindo inclusive como prova pré-constituída, o inadimplemento é caracterizado como elemento probante. Logo, falta interesse ao Ente Público que justifique o protesto prévio da CDA para satisfação do crédito tributário que este título representa. (AgRg no Ag 936.606/PR, Rel. Ministro  JOSÉ DELGADO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 06.05.2008, DJe 04.06.2008)
Exigência de Certidões Art. 19. O levantamento ou a autorização para depósito em conta bancária de valores decorrentes de precatório judicial somente poderá ocorrer mediante a apresentação ao juízo de certidão negativa de tributos federais, estaduais, municipais, bem como certidão de regularidade para com a Seguridade Social, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS e a Dívida Ativa da União, depois de ouvida a Fazenda Pública. (Lei 11.033/2004)
ADIn 3.453 AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. PRECATÓRIOS. ART. 19 DA LEI NACIONAL Nº 11.033, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2004. AFRONTA AOS ARTS. 5º, INC. XXXVI, E 100 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA. 1. O art. 19 da Lei n. 11.033/04 impõe condições para o levantamento dos valores do precatório devido pela Fazenda Pública. 2. A norma infraconstitucional estatuiu condição para a satisfação do direito do jurisdicionado - constitucionalmente garantido - que não se contém na norma fundamental da República. (...) 7. A determinação de condicionantes e requisitos para o levantamento ou a autorização para depósito em conta bancária de valores decorrentes de precatórios judiciais, que não aqueles constantes de norma constitucional, ofende os princípios da garantia da jurisdição efetiva (art. 5º, inc. XXXVI) e o art. 100 e seus incisos, não podendo ser tida como válida a norma que, ao fixar novos requisitos, embaraça o levantamento dos precatórios. 8. Ação Direta de Inconstitucionalidade julgada procedente.   (Rel. Min. Carmen Lúcia, J. em 30.112006)
Regularidade fiscal TRIBUTO – PAGAMENTO – ATO COERCITIVO IMPRÓPRIO – PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA. Descabe condicionar integração, a quadro societário, de pessoa jurídica de direito privado ao fato de o pretendente estar em dia com as obrigações tributárias. (RE 207946, Rel. Min. Menezes Direito, j. 20/05/2008)
Regularidade fiscal – Lei 7.711/88 "Os incisos I, III e IV do art. 1º violam o art. 5º, XXXV da Constituição, na medida em que ignoram sumariamente o direito do contribuinte de rever em âmbito judicial ou administrativo a validade de créditos tributários, violam, também o art. 170, par. ún. da Constituição, que garante o exercício de atividades profissionais ou econômicas lícitas".  (ADI 173, Rel. Min. JOAQUIM BARBOSA, Tribunal Pleno, julgado em 25/09/2008)
RE 550.769: American Virginia
Infrações e Sanções Regime Infraconstitucional:  CTN
CTN e a Legislação Tributária Art. 113. A obrigação tributária é principal ou acessória. (...) § 2º A obrigação acessória decorre da legislação tributária e tem por objeto as prestações, positivas ou negativas, nela previstas no interesse da arrecadação ou da fiscalização dos tributos . Art. 96. A expressão "legislação tributária" compreende as leis, os tratados e as convenções internacionais, os decretos e as normas complementares que versem, no todo ou em parte, sobre tributos e relações jurídicas a eles pertinentes.
CTN e a Legislação Tributária Pode um ato infra-legal criar obrigação acessória? Pode um ato infra-legal estabelecer sanção pelo descumprimento de obrigação acessória criada por lei? Pode um ato infra-legal estabelecer sanção pelo descumprimento de obrigação acessória criada por ato infra-legal?
CTN e a Legislação Tributária “ Art. 97. Somente a lei pode estabelecer: V - a cominação de penalidades para as ações ou omissões contrárias a seus dispositivos, ou para outras infrações nela definidas”. “ Ações ou omissões contrárias a seus dispositivos” é diferente de “Ações ou omissões contrárias a dispositivos de ato infra-legal”.
REsp 1035244 TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL.PENALIDADE. PRINCÍPIO DA LEGALIDADE. 1.  Inviável, por via de Instrução Normativa, ampliar o conteúdo de objetivo punitivo tributário . 2. Qualquer multa por descumprimento de obrigação acessória depende de ter previsão legal. 3. As penalidades previstas nos artigos 3º, II, e 4º do INSRF 304,  extrapolam dispositivos legais  (art. 57, II, da MP n. 2.158-35/2001, combinado com o art. 16 da lei n. 9.779/1999 e com o art. 97, V, do CTN). 4. A INSRF 304, de 21.02.2003, que instituiu a Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias (Dimob),  não pode, em desacordo com a lei, instituir hipótese de crime . 5. Afastamento da aplicação do art. 3º, II e art. 4º da IN n. 304/03. Ilegalidade.  (Rel. Ministro  JOSÉ DELGADO, J. em 20.05.2008)
Retroatividade no CTN Art. 106. A lei aplica-se a ato ou fato pretérito: (...) II - tratando-se de ato não definitivamente julgado: a) quando deixe de defini-lo como infração; b) quando deixe de tratá-lo como contrário a qualquer  exigência de ação ou omissão , desde que não tenha sido fraudulento e não tenha implicado em falta de pagamento de tributo; c) quando lhe comine penalidade menos severa que a prevista na lei vigente ao tempo da sua prática.
A lei poderá ser aplicada retroativamente  quando o ato ainda  não tenha sido objeto de  sentença transitada em julgado  e: Deixe de considerar determinado fato como  ilícito (“a”) Deixe de considerar o fato como ilícito em se  tratando de  obrigações acessórias , desde que  não tenha ocorrido fraude e não tenha gerado o  não recolhimento do tributo (“b”) Considere o fato como penalidade menos  grave (“c”)
“ Definitivamente Julgado” “ A expressão ‘ato definitivamente julgado’ constante do inciso II do art. 106 não se limita à esfera administrativa, alcança os atos assim considerados no âmbito judicial” .  (REsp 981.251/RS, Rel. Ministro  CASTRO MEIRA, SEGUNDA TURMA, julgado em 16.10.2007, DJ 08.11.2007 p. 224)
REsp 698.428 TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. (...) MULTA MORATÓRIA. REDUÇÃO. APLICAÇÃO RETROATIVA DE LEI MAIS BENÉFICA  AOS FATOS NÃO DEFINITIVAMENTE JULGADOS (CTN, ART. 106, II, C). (...)  2.  Aplica-se retroativamente a redução da multa moratória  estabelecida pela Lei Estadual n.º 10.932/97-RS, por ser mais benéfica ao contribuinte (art. 106, II, c, do CTN), aos débitos objeto de execução fiscal não definitivamente encerrada,  entendendo-se como tal aquela em que não foram ultimados os atos executivos destinados à satisfação da prestação . (Rel. Ministro  TEORI ALBINO ZAVASCKI, PRIMEIRA TURMA, julgado em 19.02.2008, DJe 03.03.2008)
Necessidade de pedido expresso? "Não incorre em julgamento  ultra petita  a aplicação de ofício pelo Tribunal de lei mais benéfica ao contribuinte, para redução de multa, em processo no qual se pugna pela nulidade total da inscrição na dívida ativa. Inexistência de violação ao art. 460 do CPC" (REsp 649.957/SP, 2ª Turma, Rel. Min. Eliana Calmon, DJ de 28.6.2006). (...) 4. Recurso especial desprovido.  (REsp 622.033/RS, Rel. Ministra  DENISE ARRUDA, PRIMEIRA TURMA, julgado em 22.05.2007, DJ 14.06.2007 p. 250)
CTN Art. 112. A lei tributária que define infrações, ou lhe comina penalidades,  interpreta-se da maneira mais favorável ao acusado , em caso de dúvida quanto: I - à capitulação legal do fato; II - à natureza ou às circunstâncias materiais do fato, ou à natureza ou extensão dos seus efeitos; III - à autoria, imputabilidade, ou punibilidade; IV - à natureza da penalidade aplicável, ou à sua graduação.
Responsabilidade Art. 136. Salvo disposição de lei em contrário, a responsabilidade  por infrações  da legislação tributária  independe da intenção  do agente ou do responsável e da efetividade, natureza e extensão dos efeitos do ato. Regra: responsabilidade objetiva. Se norma dispuser em sentido contrário: responsabilidade subjetiva.
Responsabilidade pessoal Art. 137. A responsabilidade é pessoal ao agente: I - quanto às infrações conceituadas por lei como crimes ou contravenções,  salvo  quando praticadas no exercício regular de administração, mandato, função, cargo ou emprego,  ou  no cumprimento de ordem expressa emitida por quem de direito.
Exemplo Crime contra a ordem tributária (Lei 8.137/90) Art. 1° Constitui crime contra a ordem tributária suprimir ou reduzir tributo, ou contribuição social e qualquer acessório, mediante as seguintes condutas  (...) II - fraudar a fiscalização tributária, inserindo elementos inexatos, ou  omitindo operação de qualquer natureza, em documento ou livro exigido pela lei fiscal .
Situações A) João, contador terceirizado da empresa “X”, deixa de contabilizar uma venda de mercadoria. B) João, contador terceirizado da empresa “X”, deixa de contabilizar uma venda de mercadoria, sob orientação do sócio gerente. C) João, contador interno da empresa “X”, deixa de contabilizar uma venda de mercadoria.
Situações A) Responsabilidade administrativa pessoal. B) Responsabilidade da empresa (cumprimento de ordem expressa) C) Responsabilidade da empresa (exercício regular de cargo ou emprego)
Responsabilidade Pessoal Art. 137. A responsabilidade é pessoal ao agente: (...) II - quanto às infrações em cuja definição  o dolo específico do agente seja elementar . Lei 9.430/96: Art. 44. (...) § 1o O percentual de multa de que trata o inciso I do caput deste artigo será duplicado nos casos previstos nos arts. 71, 72 e 73 da Lei no 4.502, de 30 de novembro de 1964, independentemente de outras penalidades administrativas ou criminais cabíveis. Casos de sonegação, fraude ou conluio.
Responsabilidade Pessoal Art. 137. A responsabilidade é pessoal ao agente: III - quanto às infrações que decorram  direta e exclusivamente de dolo específico : a) das pessoas referidas no artigo 134, contra aquelas por quem respondem (pais, tutores, etc.) b) dos mandatários, prepostos ou empregados, contra seus mandantes, preponentes ou empregadores; c) dos diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado, contra estas.
Denúncia Espontânea Art. 138. A responsabilidade é excluída pela denúncia  espontânea  da infração, acompanhada, se for o caso, do pagamento do tributo devido e dos juros de mora, ou do depósito da importância arbitrada pela autoridade administrativa, quando o montante do tributo dependa de apuração. Parágrafo único. Não se considera espontânea a denúncia apresentada  após o início de qualquer procedimento administrativo ou medida de fiscalização , relacionados com a infração.
Espontaneidade Decreto 70.235/72: “ Art. 7º O procedimento fiscal tem início com: I - o primeiro  ato de ofício , escrito,  praticado por servidor competente , cientificado o sujeito passivo da obrigação tributária ou seu preposto; II - a apreensão de mercadorias, documentos ou livros; III - o começo de despacho aduaneiro de mercadoria importada”.
Denúncia Espontânea Questionamentos comuns: Cabimento para exonerar não cumprimento de obrigação acessória. Cabimento em casos de parcelamento do débito. Cabimento em tributos sujeitos a lançamento por homologação, em duas hipóteses: Declaração do fato gerador e não recolhimento do tributo Não declaração do fato gerador e não recolhimento do tributo.
Obrigação acessória TRIBUTÁRIO. PRÁTICA DE ATO MERAMENTE FORMAL. OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA. DCTF. MULTA MORATÓRIA. CABIMENTO. I - A inobservância da prática de ato formal não pode ser considerada como infração de natureza tributária. De acordo com a moldura fática delineada no acórdão recorrido, deixou a agravante de cumprir obrigação acessória, razão pela qual não se aplica o benefício da denúncia espontânea e não se exclui a multa moratória. “ As responsabilidades acessórias autônomas, sem qualquer vínculo direto com a existência do fato gerador do tributo, não estão alcançadas pelo art. 138, do CTN” (AgRg no AG nº 490.441/PR, Relator Ministro LUIZ FUX, DJ de 21/06/2004, p. 164).  (AgRg nos EDcl no REsp 885.259/MG, Rel. Ministro  FRANCISCO FALCÃO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 27.02.2007, DJ 12.04.2007 p. 246)
Parcelamento RECURSO ESPECIAL. TRIBUTÁRIO. DENÚNCIA ESPONTÂNEA. PARCELAMENTO DO DÉBITO. NÃO CONFIGURAÇÃO DE DENÚNCIA ESPONTÂNEA. MULTA MORATÓRIA. CABIMENTO. PRECEDENTES. SELIC. INCIDÊNCIA. EXCLUSÃO DA TR. SÚMULA 07/STJ. 1. Esta Corte Superior de Justiça já consolidou o entendimento no sentido de  não admitir o benefício da denúncia espontânea , sendo portanto cabível a aplicação de multa moratória,  nos casos de parcelamento de débito tributário em atraso , decorrente de crédito tributário (Súmula 208 do extinto TFR). (...) (REsp 840.267/RS, Rel. Ministro  CARLOS FERNANDO MATHIAS (JUIZ CONVOCADO DO TRF 1ª REGIÃO), SEGUNDA TURMA, julgado em 10.06.2008, DJe 04.08.2008)
Denúncia Espontânea Súmula 360 do STJ: “O benefício da denúncia espontânea não se aplica aos tributos sujeitos a lançamento por homologação regularmente declarados, mas pagos a destempo.” Se contribuinte declara: não pode usar a denúncia espontânea. Se contribuinte omite: pode usar a denúncia espontânea.
Infrações e Sanções Regime Infraconstitucional:  Legislação ordinária
Lei 9.430/96 Art. 44.  Nos casos de lançamento de ofício, serão aplicadas as seguintes multas:  I - de 75% (setenta e cinco por cento) sobre a totalidade ou diferença de imposto ou contribuição nos casos de falta de pagamento ou recolhimento, de falta de declaração e nos de declaração inexata.
Lei 9.430/96 II - de 50% (cinqüenta por cento), exigida isoladamente, sobre o valor do pagamento mensal: a) na forma do art. 8o da Lei no 7.713, de 22 de dezembro de 1988, que deixar de ser efetuado, ainda que não tenha sido apurado imposto a pagar na declaração de ajuste, no caso de pessoa física; b) na forma do art. 2o desta Lei, que deixar de ser efetuado, ainda que tenha sido apurado prejuízo fiscal ou base de cálculo negativa para a contribuição social sobre o lucro líquido, no ano-calendário correspondente, no caso de pessoa jurídica.
Lei 9.430/96 § 1o O percentual de multa de que trata o inciso I do caput deste artigo  (75%)   será duplicado nos casos previstos nos arts. 71, 72 e 73 da Lei no 4.502, de 30 de novembro de 1964, independentemente de outras penalidades administrativas ou criminais cabíveis. Sonegação, conluio ou fraude.
Lei 4.502/64 Art . 71. Sonegação é tôda ação ou omissão dolosa tendente a impedir ou retardar, total ou parcialmente, o conhecimento por parte da autoridade fazendária:  I - da ocorrência do fato gerador da obrigação tributária principal, sua natureza ou circunstâncias materiais;  II - das condições pessoais de contribuinte, suscetíveis de afetar a obrigação tributária principal ou o crédito tributário correspondente.
Lei 4.502/64 Art. 72. Fraude é tôda ação ou omissão dolosa tendente a impedir ou retardar, total ou parcialmente, a ocorrência do fato gerador da obrigação tributária principal, ou a excluir ou modificar as suas características essenciais, de modo a reduzir o montante do impôsto devido a evitar ou diferir o seu pagamento. Art . 73. Conluio é o ajuste doloso entre duas ou mais pessoas naturais ou jurídicas, visando qualquer dos efeitos referidos nos arts. 71 e 72.
Lei 9.430/96 Art. 44 (...) § 2o Os percentuais de multa a que se referem o inciso I do caput  (75%)  e o § 1o deste artigo  (150%)  serão aumentados de metade, nos casos de não atendimento pelo sujeito passivo, no prazo marcado, de intimação para : I - prestar esclarecimentos  II - apresentar os arquivos ou sistemas de que tratam os arts. 11 a 13 da Lei no 8.218, de 29 de agosto de 1991;  III - apresentar a documentação técnica de que trata o art. 38 desta Lei.
Quadro: multas 50% Pessoa jurídica no Lucro Real por base estimada apurar rendimentos e não recolher o imposto no prazo (mês seguinte) 50% Pessoa natural receber rendimentos e não recolher o imposto no prazo (mês seguinte) 75% Declaração inexata 75% Falta de declaração 75% Falta de pagamento MULTA HIPÓTESE
Quadro: agravamentos 150% a 300% Não atendimento à fiscalização, quando solicitado 150% Conluio 150% Fraude 150% Sonegação MULTA HIPÓTESE
Obrigado! [email_address] [email_address] Slide disponível em  http://claudiocolnago.blogspot.com http://www.slideshare.net/claudiocolnago

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria e prática do processo tributário ações antiexacionais preventiva...
Teoria e prática do processo tributário   ações antiexacionais preventiva...Teoria e prática do processo tributário   ações antiexacionais preventiva...
Teoria e prática do processo tributário ações antiexacionais preventiva...
Fernanda Moreira
 
Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia
Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia
Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia
Fabiana Del Padre Tomé
 
Aula 9 dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla pria
Aula 9   dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla priaAula 9   dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla pria
Aula 9 dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla pria
Fernanda Moreira
 
Cola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativoCola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativo
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Slides processo tributário keziah
Slides processo tributário   keziahSlides processo tributário   keziah
Slides processo tributário keziah
Keziah Silva Pinto
 
Intervenção no domínio econômico
Intervenção no domínio econômicoIntervenção no domínio econômico
Intervenção no domínio econômico
Rodrigo Santos Masset Lacombe
 
Aula sobre improbidade administrativa
Aula sobre improbidade administrativaAula sobre improbidade administrativa
Aula sobre improbidade administrativa
André Laubenstein Pereira
 
Ação anulatória de débito fiscal
Ação anulatória de débito fiscalAção anulatória de débito fiscal
Ação anulatória de débito fiscal
PrLinaldo Junior
 
Klaus rodrigues marques ect - aula 4
Klaus rodrigues marques   ect - aula 4Klaus rodrigues marques   ect - aula 4
Klaus rodrigues marques ect - aula 4
Priscila Souza
 
3 lei de-improbidade_administrativa
3  lei de-improbidade_administrativa3  lei de-improbidade_administrativa
3 lei de-improbidade_administrativa
LucianoLLC
 
Aula 17 08 - dra. maria rita ferragut
Aula 17 08 - dra. maria rita ferragutAula 17 08 - dra. maria rita ferragut
Aula 17 08 - dra. maria rita ferragut
Fernanda Moreira
 
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos RosaExecucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Fernando Favacho
 
Prova no planejamento tributário - Fabiana Del Padre Tomé - 17/03
Prova no planejamento tributário - Fabiana Del Padre Tomé - 17/03Prova no planejamento tributário - Fabiana Del Padre Tomé - 17/03
Prova no planejamento tributário - Fabiana Del Padre Tomé - 17/03
Betânia Costa
 
03 procedimento administrativo - questões polêmicas
03   procedimento administrativo - questões polêmicas03   procedimento administrativo - questões polêmicas
03 procedimento administrativo - questões polêmicas
Heitor Carvalho
 
Revisão II
Revisão II Revisão II
Conceito de tributo_-_aula_ibet_27082011_florenceharet
Conceito de tributo_-_aula_ibet_27082011_florenceharetConceito de tributo_-_aula_ibet_27082011_florenceharet
Conceito de tributo_-_aula_ibet_27082011_florenceharet
CarolinaCDias
 
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - írisCogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Fabiana Del Padre Tomé
 
A polêmica reestruturação do CARF
A polêmica reestruturação do CARFA polêmica reestruturação do CARF
A polêmica reestruturação do CARF
Rodrigo Santos Masset Lacombe
 
Aula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massud
Aula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massudAula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massud
Aula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massud
Fernanda Moreira
 
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
Fernanda Moreira
 

Mais procurados (20)

Teoria e prática do processo tributário ações antiexacionais preventiva...
Teoria e prática do processo tributário   ações antiexacionais preventiva...Teoria e prática do processo tributário   ações antiexacionais preventiva...
Teoria e prática do processo tributário ações antiexacionais preventiva...
 
Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia
Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia
Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia
 
Aula 9 dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla pria
Aula 9   dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla priaAula 9   dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla pria
Aula 9 dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla pria
 
Cola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativoCola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativo
 
Slides processo tributário keziah
Slides processo tributário   keziahSlides processo tributário   keziah
Slides processo tributário keziah
 
Intervenção no domínio econômico
Intervenção no domínio econômicoIntervenção no domínio econômico
Intervenção no domínio econômico
 
Aula sobre improbidade administrativa
Aula sobre improbidade administrativaAula sobre improbidade administrativa
Aula sobre improbidade administrativa
 
Ação anulatória de débito fiscal
Ação anulatória de débito fiscalAção anulatória de débito fiscal
Ação anulatória de débito fiscal
 
Klaus rodrigues marques ect - aula 4
Klaus rodrigues marques   ect - aula 4Klaus rodrigues marques   ect - aula 4
Klaus rodrigues marques ect - aula 4
 
3 lei de-improbidade_administrativa
3  lei de-improbidade_administrativa3  lei de-improbidade_administrativa
3 lei de-improbidade_administrativa
 
Aula 17 08 - dra. maria rita ferragut
Aula 17 08 - dra. maria rita ferragutAula 17 08 - dra. maria rita ferragut
Aula 17 08 - dra. maria rita ferragut
 
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos RosaExecucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
 
Prova no planejamento tributário - Fabiana Del Padre Tomé - 17/03
Prova no planejamento tributário - Fabiana Del Padre Tomé - 17/03Prova no planejamento tributário - Fabiana Del Padre Tomé - 17/03
Prova no planejamento tributário - Fabiana Del Padre Tomé - 17/03
 
03 procedimento administrativo - questões polêmicas
03   procedimento administrativo - questões polêmicas03   procedimento administrativo - questões polêmicas
03 procedimento administrativo - questões polêmicas
 
Revisão II
Revisão II Revisão II
Revisão II
 
Conceito de tributo_-_aula_ibet_27082011_florenceharet
Conceito de tributo_-_aula_ibet_27082011_florenceharetConceito de tributo_-_aula_ibet_27082011_florenceharet
Conceito de tributo_-_aula_ibet_27082011_florenceharet
 
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - írisCogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
 
A polêmica reestruturação do CARF
A polêmica reestruturação do CARFA polêmica reestruturação do CARF
A polêmica reestruturação do CARF
 
Aula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massud
Aula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massudAula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massud
Aula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massud
 
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
 

Destaque

Controle de constitucionalidade da lei tributária 01.07.2016
Controle de constitucionalidade da lei tributária 01.07.2016Controle de constitucionalidade da lei tributária 01.07.2016
Controle de constitucionalidade da lei tributária 01.07.2016
Cláudio Colnago
 
Direito Tributário e Direito Privado: Planejamento Tributário
Direito Tributário e Direito Privado: Planejamento TributárioDireito Tributário e Direito Privado: Planejamento Tributário
Direito Tributário e Direito Privado: Planejamento Tributário
Cláudio Colnago
 
Segurança de redes - Conceitos de firewall
Segurança de redes - Conceitos de firewall Segurança de redes - Conceitos de firewall
Segurança de redes - Conceitos de firewall
Cleber Ramos
 
Oglaw drawback integrado (08.07.2011)
Oglaw   drawback integrado (08.07.2011)Oglaw   drawback integrado (08.07.2011)
Oglaw drawback integrado (08.07.2011)
Cláudio Colnago
 
Marbury V. Madison
Marbury V. MadisonMarbury V. Madison
Marbury V. Madison
Cláudio Colnago
 
Execuções fiscais no brasil
Execuções fiscais no brasilExecuções fiscais no brasil
Execuções fiscais no brasil
Cláudio Colnago
 
Controle de constitucionalidade - ADIn, ADC, ADO e questões práticas
Controle de constitucionalidade - ADIn, ADC, ADO e questões práticas Controle de constitucionalidade - ADIn, ADC, ADO e questões práticas
Controle de constitucionalidade - ADIn, ADC, ADO e questões práticas
Cláudio Colnago
 
Controle de constitucionalidade - pontos gerais
Controle de constitucionalidade - pontos geraisControle de constitucionalidade - pontos gerais
Controle de constitucionalidade - pontos gerais
Cláudio Colnago
 
Garantias fundamentais
Garantias fundamentais Garantias fundamentais
Garantias fundamentais
Cláudio Colnago
 
Atosnuloseanulaveisextuncexnunc
AtosnuloseanulaveisextuncexnuncAtosnuloseanulaveisextuncexnunc
Atosnuloseanulaveisextuncexnunc
Juliana de Mattos Marshall
 
A aplicação de boas práticas de governança de ti no gerenciamento de ativos d...
A aplicação de boas práticas de governança de ti no gerenciamento de ativos d...A aplicação de boas práticas de governança de ti no gerenciamento de ativos d...
A aplicação de boas práticas de governança de ti no gerenciamento de ativos d...
Marcelo Ariatti
 
Workshop 28 04 2008
Workshop 28 04 2008Workshop 28 04 2008
Workshop 28 04 2008
ruiz_matos
 
Plano de trabalho story jumper
Plano de trabalho   story jumperPlano de trabalho   story jumper
Plano de trabalho story jumper
dorakieza
 
A+ç+òes realizadas nos 100 dias abril
A+ç+òes realizadas nos 100 dias   abrilA+ç+òes realizadas nos 100 dias   abril
A+ç+òes realizadas nos 100 dias abril
Evandro Lira
 
Apresentação dos Cursos Profissionais 2010/2011
Apresentação dos Cursos Profissionais 2010/2011Apresentação dos Cursos Profissionais 2010/2011
Apresentação dos Cursos Profissionais 2010/2011
ESCM
 
Apresentação módulo 7
Apresentação módulo 7Apresentação módulo 7
Apresentação módulo 7
Edneiarnaldo
 
Análise dos 100 primeiro dias do governo Roberto Cláudio (PSB)
Análise dos 100 primeiro dias do governo Roberto Cláudio (PSB)Análise dos 100 primeiro dias do governo Roberto Cláudio (PSB)
Análise dos 100 primeiro dias do governo Roberto Cláudio (PSB)
João Alfredo Telles Melo
 
Apresentacao TCC Slececao Projetos IBMEC
Apresentacao TCC Slececao Projetos IBMECApresentacao TCC Slececao Projetos IBMEC
Apresentacao TCC Slececao Projetos IBMEC
Fernando Luiz Ruschel Montera
 
Pmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 PortfolioPmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 Portfolio
Peter Mello
 
Cap.09 (eti) análise de projetos em tecnologia e sgsi
Cap.09 (eti)   análise de projetos em tecnologia e sgsiCap.09 (eti)   análise de projetos em tecnologia e sgsi
Cap.09 (eti) análise de projetos em tecnologia e sgsi
Paulo Henrique C. Andrade
 

Destaque (20)

Controle de constitucionalidade da lei tributária 01.07.2016
Controle de constitucionalidade da lei tributária 01.07.2016Controle de constitucionalidade da lei tributária 01.07.2016
Controle de constitucionalidade da lei tributária 01.07.2016
 
Direito Tributário e Direito Privado: Planejamento Tributário
Direito Tributário e Direito Privado: Planejamento TributárioDireito Tributário e Direito Privado: Planejamento Tributário
Direito Tributário e Direito Privado: Planejamento Tributário
 
Segurança de redes - Conceitos de firewall
Segurança de redes - Conceitos de firewall Segurança de redes - Conceitos de firewall
Segurança de redes - Conceitos de firewall
 
Oglaw drawback integrado (08.07.2011)
Oglaw   drawback integrado (08.07.2011)Oglaw   drawback integrado (08.07.2011)
Oglaw drawback integrado (08.07.2011)
 
Marbury V. Madison
Marbury V. MadisonMarbury V. Madison
Marbury V. Madison
 
Execuções fiscais no brasil
Execuções fiscais no brasilExecuções fiscais no brasil
Execuções fiscais no brasil
 
Controle de constitucionalidade - ADIn, ADC, ADO e questões práticas
Controle de constitucionalidade - ADIn, ADC, ADO e questões práticas Controle de constitucionalidade - ADIn, ADC, ADO e questões práticas
Controle de constitucionalidade - ADIn, ADC, ADO e questões práticas
 
Controle de constitucionalidade - pontos gerais
Controle de constitucionalidade - pontos geraisControle de constitucionalidade - pontos gerais
Controle de constitucionalidade - pontos gerais
 
Garantias fundamentais
Garantias fundamentais Garantias fundamentais
Garantias fundamentais
 
Atosnuloseanulaveisextuncexnunc
AtosnuloseanulaveisextuncexnuncAtosnuloseanulaveisextuncexnunc
Atosnuloseanulaveisextuncexnunc
 
A aplicação de boas práticas de governança de ti no gerenciamento de ativos d...
A aplicação de boas práticas de governança de ti no gerenciamento de ativos d...A aplicação de boas práticas de governança de ti no gerenciamento de ativos d...
A aplicação de boas práticas de governança de ti no gerenciamento de ativos d...
 
Workshop 28 04 2008
Workshop 28 04 2008Workshop 28 04 2008
Workshop 28 04 2008
 
Plano de trabalho story jumper
Plano de trabalho   story jumperPlano de trabalho   story jumper
Plano de trabalho story jumper
 
A+ç+òes realizadas nos 100 dias abril
A+ç+òes realizadas nos 100 dias   abrilA+ç+òes realizadas nos 100 dias   abril
A+ç+òes realizadas nos 100 dias abril
 
Apresentação dos Cursos Profissionais 2010/2011
Apresentação dos Cursos Profissionais 2010/2011Apresentação dos Cursos Profissionais 2010/2011
Apresentação dos Cursos Profissionais 2010/2011
 
Apresentação módulo 7
Apresentação módulo 7Apresentação módulo 7
Apresentação módulo 7
 
Análise dos 100 primeiro dias do governo Roberto Cláudio (PSB)
Análise dos 100 primeiro dias do governo Roberto Cláudio (PSB)Análise dos 100 primeiro dias do governo Roberto Cláudio (PSB)
Análise dos 100 primeiro dias do governo Roberto Cláudio (PSB)
 
Apresentacao TCC Slececao Projetos IBMEC
Apresentacao TCC Slececao Projetos IBMECApresentacao TCC Slececao Projetos IBMEC
Apresentacao TCC Slececao Projetos IBMEC
 
Pmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 PortfolioPmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 Portfolio
 
Cap.09 (eti) análise de projetos em tecnologia e sgsi
Cap.09 (eti)   análise de projetos em tecnologia e sgsiCap.09 (eti)   análise de projetos em tecnologia e sgsi
Cap.09 (eti) análise de projetos em tecnologia e sgsi
 

Semelhante a Infrações e Sanções Fiscais

Responsabilidade Extracontratual da Administração Tributária - 02.06.2016
Responsabilidade Extracontratual da Administração Tributária - 02.06.2016Responsabilidade Extracontratual da Administração Tributária - 02.06.2016
Responsabilidade Extracontratual da Administração Tributária - 02.06.2016
Ricardo da Palma Borges & Associados - Sociedade de Advogados, S.P., R.L.
 
Apresentação: Luiz Gustavo A. S. Bichara | XIX Congresso Abradt
Apresentação: Luiz Gustavo A. S. Bichara | XIX Congresso AbradtApresentação: Luiz Gustavo A. S. Bichara | XIX Congresso Abradt
Apresentação: Luiz Gustavo A. S. Bichara | XIX Congresso Abradt
ABRADT
 
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - írisCogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Fabiana Del Padre Tomé
 
Vi congresso fesdt 29.06.2007
Vi congresso fesdt   29.06.2007Vi congresso fesdt   29.06.2007
Vi congresso fesdt 29.06.2007
Tacio Lacerda Gama
 
03 procedimento administrativo - questões polêmicas
03   procedimento administrativo - questões polêmicas03   procedimento administrativo - questões polêmicas
03 procedimento administrativo - questões polêmicas
Heitor Carvalho
 
Aula dr. argos 10-11-14
Aula dr. argos   10-11-14Aula dr. argos   10-11-14
Aula dr. argos 10-11-14
Fernanda Moreira
 
Trabalho de tributario
Trabalho de tributarioTrabalho de tributario
Trabalho de tributario
Barbara Sampaio Martins
 
Categorias Fundamentais - Professora Fabiana Del Padre Tomé - Aula do dia 03/...
Categorias Fundamentais - Professora Fabiana Del Padre Tomé - Aula do dia 03/...Categorias Fundamentais - Professora Fabiana Del Padre Tomé - Aula do dia 03/...
Categorias Fundamentais - Professora Fabiana Del Padre Tomé - Aula do dia 03/...
Fernanda Moreira
 
Fabiana ibet-2012-2
Fabiana ibet-2012-2Fabiana ibet-2012-2
Fabiana ibet-2012-2
Betânia Costa
 
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
Betânia Costa
 
Aula dr. argos campos simões 10-11-14
Aula dr. argos campos simões   10-11-14Aula dr. argos campos simões   10-11-14
Aula dr. argos campos simões 10-11-14
Fernanda Moreira
 
Aula dra. camila vergueiro catunda 20-09-14
Aula dra. camila vergueiro catunda   20-09-14Aula dra. camila vergueiro catunda   20-09-14
Aula dra. camila vergueiro catunda 20-09-14
Fernanda Moreira
 
EMPRESA INADIMPLENTE NÃO INCRIMINA SÓCIO GESTOR
EMPRESA INADIMPLENTE NÃO  INCRIMINA SÓCIO GESTOREMPRESA INADIMPLENTE NÃO  INCRIMINA SÓCIO GESTOR
EMPRESA INADIMPLENTE NÃO INCRIMINA SÓCIO GESTOR
MARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Planejamento Tributário
Planejamento TributárioPlanejamento Tributário
Planejamento Tributário
Cláudio Colnago
 
Aula 04
Aula 04Aula 04
Aula - FSBC - Repressividade - 28/03/2011
Aula - FSBC - Repressividade - 28/03/2011Aula - FSBC - Repressividade - 28/03/2011
Aula - FSBC - Repressividade - 28/03/2011
camilavergueirocatunda
 
Tributario stn
Tributario stnTributario stn
Tributario stn
simuladocontabil
 
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Rosangela Garcia
 
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieiraAula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Fernanda Moreira
 

Semelhante a Infrações e Sanções Fiscais (20)

Responsabilidade Extracontratual da Administração Tributária - 02.06.2016
Responsabilidade Extracontratual da Administração Tributária - 02.06.2016Responsabilidade Extracontratual da Administração Tributária - 02.06.2016
Responsabilidade Extracontratual da Administração Tributária - 02.06.2016
 
Apresentação: Luiz Gustavo A. S. Bichara | XIX Congresso Abradt
Apresentação: Luiz Gustavo A. S. Bichara | XIX Congresso AbradtApresentação: Luiz Gustavo A. S. Bichara | XIX Congresso Abradt
Apresentação: Luiz Gustavo A. S. Bichara | XIX Congresso Abradt
 
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - írisCogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
 
Vi congresso fesdt 29.06.2007
Vi congresso fesdt   29.06.2007Vi congresso fesdt   29.06.2007
Vi congresso fesdt 29.06.2007
 
03 procedimento administrativo - questões polêmicas
03   procedimento administrativo - questões polêmicas03   procedimento administrativo - questões polêmicas
03 procedimento administrativo - questões polêmicas
 
Aula dr. argos 10-11-14
Aula dr. argos   10-11-14Aula dr. argos   10-11-14
Aula dr. argos 10-11-14
 
Trabalho de tributario
Trabalho de tributarioTrabalho de tributario
Trabalho de tributario
 
Categorias Fundamentais - Professora Fabiana Del Padre Tomé - Aula do dia 03/...
Categorias Fundamentais - Professora Fabiana Del Padre Tomé - Aula do dia 03/...Categorias Fundamentais - Professora Fabiana Del Padre Tomé - Aula do dia 03/...
Categorias Fundamentais - Professora Fabiana Del Padre Tomé - Aula do dia 03/...
 
Fabiana ibet-2012-2
Fabiana ibet-2012-2Fabiana ibet-2012-2
Fabiana ibet-2012-2
 
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
 
Aula dr. argos campos simões 10-11-14
Aula dr. argos campos simões   10-11-14Aula dr. argos campos simões   10-11-14
Aula dr. argos campos simões 10-11-14
 
Aula dra. camila vergueiro catunda 20-09-14
Aula dra. camila vergueiro catunda   20-09-14Aula dra. camila vergueiro catunda   20-09-14
Aula dra. camila vergueiro catunda 20-09-14
 
EMPRESA INADIMPLENTE NÃO INCRIMINA SÓCIO GESTOR
EMPRESA INADIMPLENTE NÃO  INCRIMINA SÓCIO GESTOREMPRESA INADIMPLENTE NÃO  INCRIMINA SÓCIO GESTOR
EMPRESA INADIMPLENTE NÃO INCRIMINA SÓCIO GESTOR
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Planejamento Tributário
Planejamento TributárioPlanejamento Tributário
Planejamento Tributário
 
Aula 04
Aula 04Aula 04
Aula 04
 
Aula - FSBC - Repressividade - 28/03/2011
Aula - FSBC - Repressividade - 28/03/2011Aula - FSBC - Repressividade - 28/03/2011
Aula - FSBC - Repressividade - 28/03/2011
 
Tributario stn
Tributario stnTributario stn
Tributario stn
 
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
 
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieiraAula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
 

Mais de Cláudio Colnago

Jovem advocacia, redes sociais e construção da imagem do advogado
Jovem advocacia, redes sociais e construção da imagem do advogadoJovem advocacia, redes sociais e construção da imagem do advogado
Jovem advocacia, redes sociais e construção da imagem do advogado
Cláudio Colnago
 
Deveres fundamentais
Deveres fundamentaisDeveres fundamentais
Deveres fundamentais
Cláudio Colnago
 
Princípios constitucionais tributários (fdv 10.05.2013)
Princípios constitucionais tributários (fdv 10.05.2013)Princípios constitucionais tributários (fdv 10.05.2013)
Princípios constitucionais tributários (fdv 10.05.2013)
Cláudio Colnago
 
Imunidade tributária dos livros eletrônicos e dos dispositivos destinados à s...
Imunidade tributária dos livros eletrônicos e dos dispositivos destinados à s...Imunidade tributária dos livros eletrônicos e dos dispositivos destinados à s...
Imunidade tributária dos livros eletrônicos e dos dispositivos destinados à s...
Cláudio Colnago
 
Liberdade de expressão na internet
Liberdade de expressão na internetLiberdade de expressão na internet
Liberdade de expressão na internet
Cláudio Colnago
 
Lei da ficha limpa - questionário
Lei da ficha limpa - questionárioLei da ficha limpa - questionário
Lei da ficha limpa - questionário
Cláudio Colnago
 
Língua estrangeira. 2010 2
Língua estrangeira. 2010 2Língua estrangeira. 2010 2
Língua estrangeira. 2010 2
Cláudio Colnago
 
A Responsabilidade Civil do Estado
A Responsabilidade Civil do EstadoA Responsabilidade Civil do Estado
A Responsabilidade Civil do Estado
Cláudio Colnago
 
Teoria da Inconstitucionalidade (2009)
Teoria da Inconstitucionalidade (2009)Teoria da Inconstitucionalidade (2009)
Teoria da Inconstitucionalidade (2009)
Cláudio Colnago
 
Interpretação Constitucional - Casos Práticos
Interpretação Constitucional -  Casos PráticosInterpretação Constitucional -  Casos Práticos
Interpretação Constitucional - Casos Práticos
Cláudio Colnago
 
08. Unidade VII – Interpretação Constitucional
08. Unidade VII – Interpretação Constitucional08. Unidade VII – Interpretação Constitucional
08. Unidade VII – Interpretação Constitucional
Cláudio Colnago
 
07. Unidade VI – Normas Constitucionais
07. Unidade VI – Normas Constitucionais07. Unidade VI – Normas Constitucionais
07. Unidade VI – Normas Constitucionais
Cláudio Colnago
 
Simples
SimplesSimples
ISS - Imposto sobre Serviços
ISS - Imposto sobre ServiçosISS - Imposto sobre Serviços
ISS - Imposto sobre Serviços
Cláudio Colnago
 
Unidade V - Direito Constitucional Intertemporal
Unidade V - Direito Constitucional IntertemporalUnidade V - Direito Constitucional Intertemporal
Unidade V - Direito Constitucional Intertemporal
Cláudio Colnago
 
05. Unidade IV - O Poder Constituinte
05. Unidade IV - O Poder Constituinte05. Unidade IV - O Poder Constituinte
05. Unidade IV - O Poder Constituinte
Cláudio Colnago
 
04. As diversas abordagens do fenômeno constitucional
04. As diversas abordagens do fenômeno constitucional04. As diversas abordagens do fenômeno constitucional
04. As diversas abordagens do fenômeno constitucional
Cláudio Colnago
 
Poder Executivo
Poder ExecutivoPoder Executivo
Poder Executivo
Cláudio Colnago
 
Poder Legislativo
Poder LegislativoPoder Legislativo
Poder Legislativo
Cláudio Colnago
 
Organização do Estado
Organização do EstadoOrganização do Estado
Organização do Estado
Cláudio Colnago
 

Mais de Cláudio Colnago (20)

Jovem advocacia, redes sociais e construção da imagem do advogado
Jovem advocacia, redes sociais e construção da imagem do advogadoJovem advocacia, redes sociais e construção da imagem do advogado
Jovem advocacia, redes sociais e construção da imagem do advogado
 
Deveres fundamentais
Deveres fundamentaisDeveres fundamentais
Deveres fundamentais
 
Princípios constitucionais tributários (fdv 10.05.2013)
Princípios constitucionais tributários (fdv 10.05.2013)Princípios constitucionais tributários (fdv 10.05.2013)
Princípios constitucionais tributários (fdv 10.05.2013)
 
Imunidade tributária dos livros eletrônicos e dos dispositivos destinados à s...
Imunidade tributária dos livros eletrônicos e dos dispositivos destinados à s...Imunidade tributária dos livros eletrônicos e dos dispositivos destinados à s...
Imunidade tributária dos livros eletrônicos e dos dispositivos destinados à s...
 
Liberdade de expressão na internet
Liberdade de expressão na internetLiberdade de expressão na internet
Liberdade de expressão na internet
 
Lei da ficha limpa - questionário
Lei da ficha limpa - questionárioLei da ficha limpa - questionário
Lei da ficha limpa - questionário
 
Língua estrangeira. 2010 2
Língua estrangeira. 2010 2Língua estrangeira. 2010 2
Língua estrangeira. 2010 2
 
A Responsabilidade Civil do Estado
A Responsabilidade Civil do EstadoA Responsabilidade Civil do Estado
A Responsabilidade Civil do Estado
 
Teoria da Inconstitucionalidade (2009)
Teoria da Inconstitucionalidade (2009)Teoria da Inconstitucionalidade (2009)
Teoria da Inconstitucionalidade (2009)
 
Interpretação Constitucional - Casos Práticos
Interpretação Constitucional -  Casos PráticosInterpretação Constitucional -  Casos Práticos
Interpretação Constitucional - Casos Práticos
 
08. Unidade VII – Interpretação Constitucional
08. Unidade VII – Interpretação Constitucional08. Unidade VII – Interpretação Constitucional
08. Unidade VII – Interpretação Constitucional
 
07. Unidade VI – Normas Constitucionais
07. Unidade VI – Normas Constitucionais07. Unidade VI – Normas Constitucionais
07. Unidade VI – Normas Constitucionais
 
Simples
SimplesSimples
Simples
 
ISS - Imposto sobre Serviços
ISS - Imposto sobre ServiçosISS - Imposto sobre Serviços
ISS - Imposto sobre Serviços
 
Unidade V - Direito Constitucional Intertemporal
Unidade V - Direito Constitucional IntertemporalUnidade V - Direito Constitucional Intertemporal
Unidade V - Direito Constitucional Intertemporal
 
05. Unidade IV - O Poder Constituinte
05. Unidade IV - O Poder Constituinte05. Unidade IV - O Poder Constituinte
05. Unidade IV - O Poder Constituinte
 
04. As diversas abordagens do fenômeno constitucional
04. As diversas abordagens do fenômeno constitucional04. As diversas abordagens do fenômeno constitucional
04. As diversas abordagens do fenômeno constitucional
 
Poder Executivo
Poder ExecutivoPoder Executivo
Poder Executivo
 
Poder Legislativo
Poder LegislativoPoder Legislativo
Poder Legislativo
 
Organização do Estado
Organização do EstadoOrganização do Estado
Organização do Estado
 

Último

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 

Último (20)

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 

Infrações e Sanções Fiscais

  • 1. Infrações e Sanções Fiscais Cláudio de Oliveira Santos Colnago Mestre em Direitos e Garantias Fundamentais/FDV http://www.slideshare.net/claudiocolnago http://claudiocolnago.blogspot.com
  • 2. Programa Infrações e sanções. Definições. Regime constitucional Legalidade, Devido processo legal, Confiscatoriedade, Proporcionalidade. Sanções indiretas/políticas. Regime infraconstitucional CTN Legislação ordinária federal
  • 3. Infrações e Sanções Definições
  • 4. Definições Ordenamento jurídico regula a conduta humana de três formas possíveis: Proibida Permitida Obrigatória Diz-se haver uma “infração” quando uma conduta Proibida ou Obrigatória não é cumprida.
  • 5. Definições Para se qualificar a conduta desejada (“infringida”) como jurídica, deve sempre a ela ser atribuída uma sanção. Sanção consiste na atribuição de uma conseqüência jurídica ao não cumprimento da conduta desejada.
  • 6. Definições Sanção Administrativa: pode ser aplicada pela própria Administração Pública Sanção Penal: somente pode ser aplicada pelo Poder Judiciário.
  • 7. Infrações e Sanções Regime Constitucional
  • 8. Legalidade Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: (...) II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei.
  • 9. ADIn 2.075 “ O princípio da reserva de lei atua como expressiva limitação constitucional ao poder do Estado , cuja competência regulamentar, por tal razão, não se reveste de suficiente idoneidade jurídica que lhe permita restringir direitos ou criar obrigações . Nenhum ato regulamentar pode criar obrigações ou restringir direitos, sob pena de incidir em domínio constitucionalmente reservado ao âmbito de atuação material da lei em sentido formal ”. (Rel. Min. Celso de Mello, j. em 07.02.01)
  • 10. Devido Processo e Proporcionalidade Art. 5º (...) LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal. Fundamento normativo para a proporcionalidade (devido processo legal sob o aspecto substancial).
  • 11. Confisco “ Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: (...) IV - utilizar tributo com efeito de confisco”. Referida limitação nada mais é do que uma leitura específica da idéia de proporcionalidade.
  • 12. ADIn 551 AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. §§ 2.º E 3.º DO ART. 57 DO ATO DAS DOSPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS DA CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. FIXAÇÃO DE VALORES MÍNIMOS PARA MULTAS PELO NÃO-RECOLHIMENTO E SONEGAÇÃO DE TRIBUTOS ESTADUAIS. VIOLAÇÃO AO INCISO IV DO ART. 150 DA CARTA DA REPÚBLICA. A desproporção entre o desrespeito à norma tributária e sua conseqüência jurídica, a multa, evidencia o caráter confiscatório desta, atentando contra o patrimônio do contribuinte, em contrariedade ao mencionado dispositivo do texto constitucional federal. Ação julgada procedente. (Rel. Min. Ilmar Galvão, j. em 24.10.2002)
  • 13. Voto Min. Ilmar Galvão
  • 15. Voto Min. Marco Aurélio
  • 16. Alíquota e Base de Cálculo Questionamentos: Há limite para alíquota da multa? Há restrição quanto à base de cálculo da multa? Pode a multa ser cobrada com base no valor do tributo não recolhido? Pode a multa ser cobrada com base no valor da operação?
  • 17. Confisco CSLL - CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO - MULTA ISOLADA – Os incisos I e II "caput" e os incisos I, II, III e IV, § 1o., do art. 44, da Lei n. 9.430/96, devem ser interpretados de forma sistemática, sob pena da cláusula penal ultrapassar o valor da obrigação tributária principal , constituindo-se num autêntico confisco e num "bis in idem" punitivo, em detrimento do princípio da não propagação das multas e da não repetição da sanção tributária. (1º Conselho de Contribuintes, Recurso 127.517, Com. Valmir Sandri)
  • 18. RE 239.964 IPI. MULTA MORATÓRIA. ART. 59. LEI 8.383/91. RAZOABILIDADE. A multa moratória de 20% (vinte por cento) do valor do imposto devido, não se mostra abusiva ou desarrazoada, inexistindo ofensa aos princípios da capacidade contributiva e da vedação ao confisco. Recurso extraordinário não conhecido. (Rel. Min. Ellen Gracie, j. em 15.04.2003)
  • 19. RE 220.284 ICMS. Multa de 30% imposta por lei sobre o valor do imposto devido. Alegação de ter essa multa caráter confiscatório. – (...) Não se pode pretender desarrazoada e abusiva a imposição por lei de multa - que é pena pelo descumprimento da obrigação tributária - de 30% sobre o valor do imposto devido, sob o fundamento de que ela, por si mesma, tem caráter confiscatório. Recurso extraordinário não conhecido. (Rel. Min. Moreira Alves, j. em 16.05.2000)
  • 20. RE 241.074 TRIBUTÁRIO. COFINS. PARCELAMENTO. JUROS. MULTA DE 80% . ALEGAÇÕES DE EFEITO CONFISCATÓRIO, USURA, E DESRESPEITO AOS PRINCÍPIOS DO DEVIDO PROCESSO LEGAL E DA ISONOMIA. Alegações improcedentes, em face da legislação que rege a matéria, visto que as cominações impostas à contribuinte, por meio de lançamento de ofício, decorrem do fato de haver-se ela omitido na declaração e recolhimento tempestivos da contribuição(...). Recurso não conhecido. (Rel. Min. Ilmar Galvão, j. 12.11.2000)
  • 21. ADIn 1.075 Lei 8.846/94 Art. 3º Ao contribuinte, pessoa física ou jurídica, que não houver emitido a nota fiscal, recibo ou documento equivalente, na situação de que trata o art. 2º, ou não houver comprovado a sua emissão, será aplicada a multa pecuniária de trezentos por cento sobre o valor do bem objeto da operação ou do serviço prestado , não passível de redução, sem prejuízo da incidência do imposto sobre a renda e proventos de qualquer natureza e das contribuições sociais.
  • 22. ADIn 1.075 Multa de 300% “ A proibição constitucional do confisco em matéria tributária - ainda que se trate de multa fiscal resultante do inadimplemento, pelo contribuinte, de suas obrigações tributárias - nada mais representa senão a interdição, pela Carta Política, de qualquer pretensão governamental que possa conduzir, no campo da fiscalidade, à injusta apropriação estatal, no todo ou em parte, do patrimônio ou dos rendimentos dos contribuintes, comprometendo-lhes, pela insuportabilidade da carga tributária, o exercício do direito a uma existência digna, ou a prática de atividade profissional lícita ou, ainda, a regular satisfação de suas necessidades vitais básicas”. (...)
  • 23. ADIn 1.075 Multa de 300% “ O Poder Público, especialmente em sede de tributação (mesmo tratando-se da definição do "quantum" pertinente ao valor das multas fiscais), não pode agir imoderadamente, pois a atividade governamental acha-se essencialmente condicionada pelo princípio da razoabilidade que se qualifica como verdadeiro parâmetro de aferição da constitucionalidade material dos atos estatais”.
  • 24. Base de cálculo Base de cálculo da multa: Deve haver relação direta com a infração, sob pena de se configurar desproporcionalidade. Logo, multa por não recolhimento de tributo que tenha por base de cálculo o valor da operação deve ser considerada desproporcional.
  • 25. Lei 7.000/2001 (Espírito Santo) Art. 75. A pena de multa será aplicada nos casos previstos nos parágrafos 1º a 8º deste artigo. § 1º Faltas relativas ao recolhimento do imposto: (...) V - deixar de recolher o imposto, no todo ou em parte, na forma e nos prazos regulamentares, nos demais casos não previstos nos incisos anteriores: a) multa de 100% (cem por cento) do valor não recolhido; ou b) multa de 20 % (vinte por cento) do valor da operação , quando o valor do imposto não puder ser apurado.
  • 26. Ampla Defesa Art. 5º (...) LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes.
  • 27. Proibição de bis in idem Decorrência da idéia de proporcionalidade das penas. A pena deve ser proporcional à infração. Conseqüentemente, não se deve penalizar o mesmo fato mais de uma vez, sob pena de estabelecer uma pena desproporcional.
  • 28. Proibição de bis in idem É permitido cumular sanção criminal e sanção administrativa? Jurisprudência tem entendido que SIM, em razão da autonomia entre as esferas criminal e administrativa.
  • 29. STF, RE 94.233 O pagamento dos tributos e demais gravames , com a finalidade de ser obtida a extinção da punibilidade no crime de descaminho (...) não tem o condão de elidir a pena de perda da mercadoria (...), ou de tornar possível a liberação da mercadoria, (...), mesmo porque não é causa excludente da responsabilidade civil a decisão que julga extinta a punibilidade (CPP, art. 67, II). II - autonomia das instâncias cível e penal , ou reconhecimento do caráter autonômico da responsabilidade civil e penal (Código Civil, art. 1525; CPP, art. 66). (Rel. Min. Aldir Passarinho, J. em 04.04.1986)
  • 30. STJ, REsp 507.666 TRIBUTÁRIO, FISCAL E ADMINISTRATIVO. APREENSÃO DE AERONAVE. MERCADORIAS SEM DOCUMENTAÇÃO LEGAL. PENA DE PERDIMENTO. INSTÂNCIAS ADMINISTRATIVO-FISCAL E PENAL. INDEPENDÊNCIA E AUTONOMIA ENTRE SI. DELITO CONFIRMADO E NÃO DESCARACTERIZADO NO CAMPO ADMINISTRATIVO. EXTINÇÃO DA AÇÃO PENAL PELA PRESCRIÇÃO. INEXISTÊNCIA DE REPERCUSSÃO DA SENTENÇA PENAL NA ESFERA CÍVEL. Rel. Min. José Delgado, julgado em 05.08.2003.
  • 31. Sanções políticas Coações indiretas para recebimento do crédito tributário
  • 32. Constituição Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: (...) IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
  • 33. Constituição Art. 5º (...): XIII - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer; Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios:
  • 34. Súmulas do STF Súmula 70: “ É inadmissível a interdição de estabelecimento como meio coercitivo para cobrança de tributo”. Súmula 323: “É inadmissível a apreensão de mercadorias como meio coercitivo para pagamento de tributos.” Súmula 547: “ não é lícito à autoridade proibir que o contribuinte em débito adquira estampilhas, despache mercadorias nas alfândegas e exerça suas atividades profissionais”.
  • 35.  
  • 36. Caso Elmo Subsecretário da Fazenda, Bruno Negris: "O tempo de fechamento das lojas é determinado pela própria empresa. Estamos disponíveis para oferecer negociações de pagamento e parcelamento. Mas enquanto não houver a regularização e o pagamento desses impostos, as lojas permanecerão fechadas. O prejuízo com o total dessa dívida não é só para o Estado, mas também para os concorrentes. Enquanto tem uma empresa que não recolhe seu imposto, a do lado está recolhendo normalmente. Então isso prejudica a todos", destacou Negris.
  • 37. Protesto de CDA: Portaria PGFN 321/2006 O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA NACIONAL , no uso das atribuições que lhe confere o art. 49, inciso XXI, alínea “a”, do Regimento Interno da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, e tendo em vista o disposto no art.1º da Lei nº 9.492, de 10 de setembro de 1997, e no art. 585, inciso VI, da Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973, resolve: Art. 1º. As Certidões de Dívida Ativa da União , especialmente aquelas cujos valores não ultrapassem o limite estabelecido pela Portaria MF nº 49, de 1º de abril de 2004, poderão ser levadas a protesto , antes do ajuizamento da ação de execução fiscal. (…) Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
  • 38. Protesto de CDA Lei n.º 9.492, de 10 de setembro de 1997: "Art. 1º Protesto é o ato formal e solene pelo qual se prova a inadimplência e o descumprimento de obrigação originada em títulos e outros documentos de dívida”. Lei nº 6.830/80: “Art. 3º. A Dívida Ativa regularmente inscrita goza da presunção de certeza e liquidez” .
  • 39. TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. CRÉDITO TRIBUTÁRIO. PROTESTO PRÉVIO. DESNECESSIDADE. PRESUNÇÃO DE CERTEZA E LIQUIDEZ. 1. Agravo regimental interposto em face de decisão que negou provimento a agravo de instrumento. Nas razões do agravo, sustenta-se, em síntese, que embora a certidão de dívida ativa seja reconhecida como um título executivo extrajudicial, a cobrança da dívida tributária tem natureza diferente dos outros títulos de caráter civil, não tendo a Lei 9.492/97 a abrangência pretendida pelo agravado. 2. Não há necessidade de protesto prévio do título emitido pela Fazenda Pública. Se a CDA tem presunção relativa de certeza e liquidez, servindo inclusive como prova pré-constituída, o inadimplemento é caracterizado como elemento probante. Logo, falta interesse ao Ente Público que justifique o protesto prévio da CDA para satisfação do crédito tributário que este título representa. (AgRg no Ag 936.606/PR, Rel. Ministro JOSÉ DELGADO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 06.05.2008, DJe 04.06.2008)
  • 40. Exigência de Certidões Art. 19. O levantamento ou a autorização para depósito em conta bancária de valores decorrentes de precatório judicial somente poderá ocorrer mediante a apresentação ao juízo de certidão negativa de tributos federais, estaduais, municipais, bem como certidão de regularidade para com a Seguridade Social, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS e a Dívida Ativa da União, depois de ouvida a Fazenda Pública. (Lei 11.033/2004)
  • 41. ADIn 3.453 AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. PRECATÓRIOS. ART. 19 DA LEI NACIONAL Nº 11.033, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2004. AFRONTA AOS ARTS. 5º, INC. XXXVI, E 100 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA. 1. O art. 19 da Lei n. 11.033/04 impõe condições para o levantamento dos valores do precatório devido pela Fazenda Pública. 2. A norma infraconstitucional estatuiu condição para a satisfação do direito do jurisdicionado - constitucionalmente garantido - que não se contém na norma fundamental da República. (...) 7. A determinação de condicionantes e requisitos para o levantamento ou a autorização para depósito em conta bancária de valores decorrentes de precatórios judiciais, que não aqueles constantes de norma constitucional, ofende os princípios da garantia da jurisdição efetiva (art. 5º, inc. XXXVI) e o art. 100 e seus incisos, não podendo ser tida como válida a norma que, ao fixar novos requisitos, embaraça o levantamento dos precatórios. 8. Ação Direta de Inconstitucionalidade julgada procedente. (Rel. Min. Carmen Lúcia, J. em 30.112006)
  • 42. Regularidade fiscal TRIBUTO – PAGAMENTO – ATO COERCITIVO IMPRÓPRIO – PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA. Descabe condicionar integração, a quadro societário, de pessoa jurídica de direito privado ao fato de o pretendente estar em dia com as obrigações tributárias. (RE 207946, Rel. Min. Menezes Direito, j. 20/05/2008)
  • 43. Regularidade fiscal – Lei 7.711/88 "Os incisos I, III e IV do art. 1º violam o art. 5º, XXXV da Constituição, na medida em que ignoram sumariamente o direito do contribuinte de rever em âmbito judicial ou administrativo a validade de créditos tributários, violam, também o art. 170, par. ún. da Constituição, que garante o exercício de atividades profissionais ou econômicas lícitas". (ADI 173, Rel. Min. JOAQUIM BARBOSA, Tribunal Pleno, julgado em 25/09/2008)
  • 45. Infrações e Sanções Regime Infraconstitucional: CTN
  • 46. CTN e a Legislação Tributária Art. 113. A obrigação tributária é principal ou acessória. (...) § 2º A obrigação acessória decorre da legislação tributária e tem por objeto as prestações, positivas ou negativas, nela previstas no interesse da arrecadação ou da fiscalização dos tributos . Art. 96. A expressão "legislação tributária" compreende as leis, os tratados e as convenções internacionais, os decretos e as normas complementares que versem, no todo ou em parte, sobre tributos e relações jurídicas a eles pertinentes.
  • 47. CTN e a Legislação Tributária Pode um ato infra-legal criar obrigação acessória? Pode um ato infra-legal estabelecer sanção pelo descumprimento de obrigação acessória criada por lei? Pode um ato infra-legal estabelecer sanção pelo descumprimento de obrigação acessória criada por ato infra-legal?
  • 48. CTN e a Legislação Tributária “ Art. 97. Somente a lei pode estabelecer: V - a cominação de penalidades para as ações ou omissões contrárias a seus dispositivos, ou para outras infrações nela definidas”. “ Ações ou omissões contrárias a seus dispositivos” é diferente de “Ações ou omissões contrárias a dispositivos de ato infra-legal”.
  • 49. REsp 1035244 TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL.PENALIDADE. PRINCÍPIO DA LEGALIDADE. 1. Inviável, por via de Instrução Normativa, ampliar o conteúdo de objetivo punitivo tributário . 2. Qualquer multa por descumprimento de obrigação acessória depende de ter previsão legal. 3. As penalidades previstas nos artigos 3º, II, e 4º do INSRF 304, extrapolam dispositivos legais (art. 57, II, da MP n. 2.158-35/2001, combinado com o art. 16 da lei n. 9.779/1999 e com o art. 97, V, do CTN). 4. A INSRF 304, de 21.02.2003, que instituiu a Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias (Dimob), não pode, em desacordo com a lei, instituir hipótese de crime . 5. Afastamento da aplicação do art. 3º, II e art. 4º da IN n. 304/03. Ilegalidade. (Rel. Ministro JOSÉ DELGADO, J. em 20.05.2008)
  • 50. Retroatividade no CTN Art. 106. A lei aplica-se a ato ou fato pretérito: (...) II - tratando-se de ato não definitivamente julgado: a) quando deixe de defini-lo como infração; b) quando deixe de tratá-lo como contrário a qualquer exigência de ação ou omissão , desde que não tenha sido fraudulento e não tenha implicado em falta de pagamento de tributo; c) quando lhe comine penalidade menos severa que a prevista na lei vigente ao tempo da sua prática.
  • 51. A lei poderá ser aplicada retroativamente quando o ato ainda não tenha sido objeto de sentença transitada em julgado e: Deixe de considerar determinado fato como ilícito (“a”) Deixe de considerar o fato como ilícito em se tratando de obrigações acessórias , desde que não tenha ocorrido fraude e não tenha gerado o não recolhimento do tributo (“b”) Considere o fato como penalidade menos grave (“c”)
  • 52. “ Definitivamente Julgado” “ A expressão ‘ato definitivamente julgado’ constante do inciso II do art. 106 não se limita à esfera administrativa, alcança os atos assim considerados no âmbito judicial” . (REsp 981.251/RS, Rel. Ministro CASTRO MEIRA, SEGUNDA TURMA, julgado em 16.10.2007, DJ 08.11.2007 p. 224)
  • 53. REsp 698.428 TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. (...) MULTA MORATÓRIA. REDUÇÃO. APLICAÇÃO RETROATIVA DE LEI MAIS BENÉFICA AOS FATOS NÃO DEFINITIVAMENTE JULGADOS (CTN, ART. 106, II, C). (...) 2. Aplica-se retroativamente a redução da multa moratória estabelecida pela Lei Estadual n.º 10.932/97-RS, por ser mais benéfica ao contribuinte (art. 106, II, c, do CTN), aos débitos objeto de execução fiscal não definitivamente encerrada, entendendo-se como tal aquela em que não foram ultimados os atos executivos destinados à satisfação da prestação . (Rel. Ministro TEORI ALBINO ZAVASCKI, PRIMEIRA TURMA, julgado em 19.02.2008, DJe 03.03.2008)
  • 54. Necessidade de pedido expresso? "Não incorre em julgamento ultra petita a aplicação de ofício pelo Tribunal de lei mais benéfica ao contribuinte, para redução de multa, em processo no qual se pugna pela nulidade total da inscrição na dívida ativa. Inexistência de violação ao art. 460 do CPC" (REsp 649.957/SP, 2ª Turma, Rel. Min. Eliana Calmon, DJ de 28.6.2006). (...) 4. Recurso especial desprovido. (REsp 622.033/RS, Rel. Ministra DENISE ARRUDA, PRIMEIRA TURMA, julgado em 22.05.2007, DJ 14.06.2007 p. 250)
  • 55. CTN Art. 112. A lei tributária que define infrações, ou lhe comina penalidades, interpreta-se da maneira mais favorável ao acusado , em caso de dúvida quanto: I - à capitulação legal do fato; II - à natureza ou às circunstâncias materiais do fato, ou à natureza ou extensão dos seus efeitos; III - à autoria, imputabilidade, ou punibilidade; IV - à natureza da penalidade aplicável, ou à sua graduação.
  • 56. Responsabilidade Art. 136. Salvo disposição de lei em contrário, a responsabilidade por infrações da legislação tributária independe da intenção do agente ou do responsável e da efetividade, natureza e extensão dos efeitos do ato. Regra: responsabilidade objetiva. Se norma dispuser em sentido contrário: responsabilidade subjetiva.
  • 57. Responsabilidade pessoal Art. 137. A responsabilidade é pessoal ao agente: I - quanto às infrações conceituadas por lei como crimes ou contravenções, salvo quando praticadas no exercício regular de administração, mandato, função, cargo ou emprego, ou no cumprimento de ordem expressa emitida por quem de direito.
  • 58. Exemplo Crime contra a ordem tributária (Lei 8.137/90) Art. 1° Constitui crime contra a ordem tributária suprimir ou reduzir tributo, ou contribuição social e qualquer acessório, mediante as seguintes condutas (...) II - fraudar a fiscalização tributária, inserindo elementos inexatos, ou omitindo operação de qualquer natureza, em documento ou livro exigido pela lei fiscal .
  • 59. Situações A) João, contador terceirizado da empresa “X”, deixa de contabilizar uma venda de mercadoria. B) João, contador terceirizado da empresa “X”, deixa de contabilizar uma venda de mercadoria, sob orientação do sócio gerente. C) João, contador interno da empresa “X”, deixa de contabilizar uma venda de mercadoria.
  • 60. Situações A) Responsabilidade administrativa pessoal. B) Responsabilidade da empresa (cumprimento de ordem expressa) C) Responsabilidade da empresa (exercício regular de cargo ou emprego)
  • 61. Responsabilidade Pessoal Art. 137. A responsabilidade é pessoal ao agente: (...) II - quanto às infrações em cuja definição o dolo específico do agente seja elementar . Lei 9.430/96: Art. 44. (...) § 1o O percentual de multa de que trata o inciso I do caput deste artigo será duplicado nos casos previstos nos arts. 71, 72 e 73 da Lei no 4.502, de 30 de novembro de 1964, independentemente de outras penalidades administrativas ou criminais cabíveis. Casos de sonegação, fraude ou conluio.
  • 62. Responsabilidade Pessoal Art. 137. A responsabilidade é pessoal ao agente: III - quanto às infrações que decorram direta e exclusivamente de dolo específico : a) das pessoas referidas no artigo 134, contra aquelas por quem respondem (pais, tutores, etc.) b) dos mandatários, prepostos ou empregados, contra seus mandantes, preponentes ou empregadores; c) dos diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado, contra estas.
  • 63. Denúncia Espontânea Art. 138. A responsabilidade é excluída pela denúncia espontânea da infração, acompanhada, se for o caso, do pagamento do tributo devido e dos juros de mora, ou do depósito da importância arbitrada pela autoridade administrativa, quando o montante do tributo dependa de apuração. Parágrafo único. Não se considera espontânea a denúncia apresentada após o início de qualquer procedimento administrativo ou medida de fiscalização , relacionados com a infração.
  • 64. Espontaneidade Decreto 70.235/72: “ Art. 7º O procedimento fiscal tem início com: I - o primeiro ato de ofício , escrito, praticado por servidor competente , cientificado o sujeito passivo da obrigação tributária ou seu preposto; II - a apreensão de mercadorias, documentos ou livros; III - o começo de despacho aduaneiro de mercadoria importada”.
  • 65. Denúncia Espontânea Questionamentos comuns: Cabimento para exonerar não cumprimento de obrigação acessória. Cabimento em casos de parcelamento do débito. Cabimento em tributos sujeitos a lançamento por homologação, em duas hipóteses: Declaração do fato gerador e não recolhimento do tributo Não declaração do fato gerador e não recolhimento do tributo.
  • 66. Obrigação acessória TRIBUTÁRIO. PRÁTICA DE ATO MERAMENTE FORMAL. OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA. DCTF. MULTA MORATÓRIA. CABIMENTO. I - A inobservância da prática de ato formal não pode ser considerada como infração de natureza tributária. De acordo com a moldura fática delineada no acórdão recorrido, deixou a agravante de cumprir obrigação acessória, razão pela qual não se aplica o benefício da denúncia espontânea e não se exclui a multa moratória. “ As responsabilidades acessórias autônomas, sem qualquer vínculo direto com a existência do fato gerador do tributo, não estão alcançadas pelo art. 138, do CTN” (AgRg no AG nº 490.441/PR, Relator Ministro LUIZ FUX, DJ de 21/06/2004, p. 164). (AgRg nos EDcl no REsp 885.259/MG, Rel. Ministro FRANCISCO FALCÃO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 27.02.2007, DJ 12.04.2007 p. 246)
  • 67. Parcelamento RECURSO ESPECIAL. TRIBUTÁRIO. DENÚNCIA ESPONTÂNEA. PARCELAMENTO DO DÉBITO. NÃO CONFIGURAÇÃO DE DENÚNCIA ESPONTÂNEA. MULTA MORATÓRIA. CABIMENTO. PRECEDENTES. SELIC. INCIDÊNCIA. EXCLUSÃO DA TR. SÚMULA 07/STJ. 1. Esta Corte Superior de Justiça já consolidou o entendimento no sentido de não admitir o benefício da denúncia espontânea , sendo portanto cabível a aplicação de multa moratória, nos casos de parcelamento de débito tributário em atraso , decorrente de crédito tributário (Súmula 208 do extinto TFR). (...) (REsp 840.267/RS, Rel. Ministro CARLOS FERNANDO MATHIAS (JUIZ CONVOCADO DO TRF 1ª REGIÃO), SEGUNDA TURMA, julgado em 10.06.2008, DJe 04.08.2008)
  • 68. Denúncia Espontânea Súmula 360 do STJ: “O benefício da denúncia espontânea não se aplica aos tributos sujeitos a lançamento por homologação regularmente declarados, mas pagos a destempo.” Se contribuinte declara: não pode usar a denúncia espontânea. Se contribuinte omite: pode usar a denúncia espontânea.
  • 69. Infrações e Sanções Regime Infraconstitucional: Legislação ordinária
  • 70. Lei 9.430/96 Art. 44. Nos casos de lançamento de ofício, serão aplicadas as seguintes multas: I - de 75% (setenta e cinco por cento) sobre a totalidade ou diferença de imposto ou contribuição nos casos de falta de pagamento ou recolhimento, de falta de declaração e nos de declaração inexata.
  • 71. Lei 9.430/96 II - de 50% (cinqüenta por cento), exigida isoladamente, sobre o valor do pagamento mensal: a) na forma do art. 8o da Lei no 7.713, de 22 de dezembro de 1988, que deixar de ser efetuado, ainda que não tenha sido apurado imposto a pagar na declaração de ajuste, no caso de pessoa física; b) na forma do art. 2o desta Lei, que deixar de ser efetuado, ainda que tenha sido apurado prejuízo fiscal ou base de cálculo negativa para a contribuição social sobre o lucro líquido, no ano-calendário correspondente, no caso de pessoa jurídica.
  • 72. Lei 9.430/96 § 1o O percentual de multa de que trata o inciso I do caput deste artigo (75%) será duplicado nos casos previstos nos arts. 71, 72 e 73 da Lei no 4.502, de 30 de novembro de 1964, independentemente de outras penalidades administrativas ou criminais cabíveis. Sonegação, conluio ou fraude.
  • 73. Lei 4.502/64 Art . 71. Sonegação é tôda ação ou omissão dolosa tendente a impedir ou retardar, total ou parcialmente, o conhecimento por parte da autoridade fazendária: I - da ocorrência do fato gerador da obrigação tributária principal, sua natureza ou circunstâncias materiais; II - das condições pessoais de contribuinte, suscetíveis de afetar a obrigação tributária principal ou o crédito tributário correspondente.
  • 74. Lei 4.502/64 Art. 72. Fraude é tôda ação ou omissão dolosa tendente a impedir ou retardar, total ou parcialmente, a ocorrência do fato gerador da obrigação tributária principal, ou a excluir ou modificar as suas características essenciais, de modo a reduzir o montante do impôsto devido a evitar ou diferir o seu pagamento. Art . 73. Conluio é o ajuste doloso entre duas ou mais pessoas naturais ou jurídicas, visando qualquer dos efeitos referidos nos arts. 71 e 72.
  • 75. Lei 9.430/96 Art. 44 (...) § 2o Os percentuais de multa a que se referem o inciso I do caput (75%) e o § 1o deste artigo (150%) serão aumentados de metade, nos casos de não atendimento pelo sujeito passivo, no prazo marcado, de intimação para : I - prestar esclarecimentos II - apresentar os arquivos ou sistemas de que tratam os arts. 11 a 13 da Lei no 8.218, de 29 de agosto de 1991; III - apresentar a documentação técnica de que trata o art. 38 desta Lei.
  • 76. Quadro: multas 50% Pessoa jurídica no Lucro Real por base estimada apurar rendimentos e não recolher o imposto no prazo (mês seguinte) 50% Pessoa natural receber rendimentos e não recolher o imposto no prazo (mês seguinte) 75% Declaração inexata 75% Falta de declaração 75% Falta de pagamento MULTA HIPÓTESE
  • 77. Quadro: agravamentos 150% a 300% Não atendimento à fiscalização, quando solicitado 150% Conluio 150% Fraude 150% Sonegação MULTA HIPÓTESE
  • 78. Obrigado! [email_address] [email_address] Slide disponível em http://claudiocolnago.blogspot.com http://www.slideshare.net/claudiocolnago