Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
1
Johanna Lindsey
Malory 10
INIMIGOS PERFEITOS
Revisão: Edina
Inimigos Perfeitos
Nove ...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
2
Série - A Família Malory
1. Love only onze (1985) - Amar uma só vez (1987)
2. Tender...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
3
— Então por que te arrisca?
— Porque este mês não me fiquei grávida — declarou Carol...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
4
despertaria com normalidade, inclusive comeria se lhe davam de comer, mas nunca volt...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
5
Carol se ruborizou enquanto juntas recordavam aquele dia, e ao final pôs-se a rir.
—...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
6
Olhou a sua amiga por cima do pão-doce que estava a ponto de morder.
— Esqueceste-te...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
7
assinado, e o conde de Manford, aquele homem horrível, não permitiu cancelá-lo. Aind...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
8
— Custa-me acreditar que não pensássemos nesta solução antes — assinalou Carol — E
a...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
9
— Brinca.
— Sim, brinco, só me ofereceram duzentas.
Julia não obteve a risada que es...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
10
Drew exalando um suspiro de satisfação. Sua mãe lhe tinha advertido frequentemente ...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
11
ser meticulosamente limpo. Richard sempre tinha destacado entre os outros piratas, ...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
12
Amava-o tanto que realmente lhe resultava difícil manter as mãos afastadas dele dur...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
13
me, James é muito mais tolerável quando se desfruta de seus êxitos que quando está ...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
14
— Sim, ouvi-te — declarou ela — Assim pode contar com uma dúzia de mãos o número
de...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
15
Richard enterrou fundo o chapéu. Não é que lhe preocupasse que lhe reconhecessem. N...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
16
— Está esperando ao Drew. Já sabe como são os capitães, sempre têm que solucionar u...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
17
As intenções do Ohr eram boas, e em realidade as do Gabrielle também. Se Richard nã...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
18
conheceu a Georgina Malory. Georgina simbolizava tudo o que ele queria na vida. Não...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
19
algo tão rude. Julia não teria tido problemas em fazê-lo se a comida e a bebida que...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
20
No final do ano anterior, Julia ajudou ao Boyd Anderson, o irmão mais novo de
Georg...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
21
James não levava posta uma máscara. Esta pendurava do braço de sua mulher e Julia s...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
22
— Que não é um ogro? — declarou Carol com voz triunfal — Olha-o agora mesmo e me
di...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
23
Esse animal com quem está casada nem sequer tem que inteirar-se de que estou aqui. ...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
24
— Da mesma forma que os dois jovens que estavam diante da casa discutindo sobre
com...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
25
Como a amada daquele homem já chegava tarde e apareceria em qualquer momento,
Richa...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
26
Ao cabo de uns minutos o viu com claridade frente a ela, mas se sentiu decepcionada...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
27
continuamente. Embora, em realidade, aquilo não era de sua incumbência e, além diss...
Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito
28
— Quer lhe fazer acreditar que estamos juntos?
— Exato.
— Bom, suponho que poderíam...
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Johanna lindsey   familía malory 10 - inimigos perfeitos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Johanna lindsey familía malory 10 - inimigos perfeitos

658 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Johanna lindsey familía malory 10 - inimigos perfeitos

  1. 1. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 1 Johanna Lindsey Malory 10 INIMIGOS PERFEITOS Revisão: Edina Inimigos Perfeitos Nove anos atrás, Richard Allen fugiu da Inglaterra e de seu dominante pai. Decidido a viver sua própria vida, terminou por unir-se a uma banda de piratas caçadores de tesouros no Caribe. Ali adotou a identidade de um francês sedutor e despreocupado, Jean Paul. Quando retorna de incógnito a Inglaterra para levar a cabo uma tarefa urgente, apaixona-se pela Georgina Malory, uma mulher casada. Mas seu ousado intento de cortejá-la em um baile de disfarces se converte no pior engano de sua vida, porque o põe em presença de outra formosa mulher. Emocionada porque seus advogados por fim encontraram a maneira de liberar a de um compromisso matrimonial indesejado, Julia Milhar espera encontrar ao homem de sua vida no baile de sua amiga Georgina. Cativada por um francês mascarado, não pode evitar seguir a esse misterioso homem…
  2. 2. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 2 Série - A Família Malory 1. Love only onze (1985) - Amar uma só vez (1987) 2. Tender rebel (1988) - Tenra e rebelde (1988) 3. Gentle rogue (1990) - Amável e tirano (1991) 4. The magic of you (1993) - A magia de seu ser (1994) 5. Say you love me (1996) - A cativa do amor / Me diga que me ama (1997) 6. The present (1998) - O marquês e a cigana (2000) 7. A loving scoundrel (2004) - Meu adorável safada (2005) 8. Captive of my desires (2006) - Cativo de meus desejos (2007) 9. Não choice but seduction (2008) - As armadilhas da sedução (2009) 10. That perfect someone (2010) - Inimigos perfeitos (2011) * * * Capítulo 1 Considerar que Hyde Park é o jardim de sua casa pode parecer estranho, mas para a Julia Miller o era. Criou-se em Londres e, desde que tinha memória, tinha montado a cavalo pelo parque quase diariamente, do primeiro pônei que lhe compraram de menina até as éguas de pura raça que teve depois. Tanto se a conheciam como se não, outros a saudavam o passar, porque estavam acostumados a vê-la por ali. Os membros da classe alta, quanto os dependentes atalhavam pelo parque a caminho do trabalho, os jardineiros… todos se fixavam nela e a tratavam de igual a igual. Julia era alta, loira; vestia-se na moda e sempre devolvia os sorrisos e as saudações. Em geral era de aspecto amistoso e as pessoas lhe respondiam do mesmo modo. Mais estranho ainda que considerar aquele enorme parque seu campo de equitação pessoal, eram suas circunstâncias. Julia tinha crescido na parte nobre da cidade, embora sua família não fosse da nobreza. Vivia em uma das casas maiores de Berkeley Square, porque não só os nobres podiam permitir-se essas mansões. De fato, sua família, cujo sobrenome procedia da Idade Média, quando os artesãos adotavam o nome de seu ofício, foi das primeiras em comprar e construir em Berkeley Square, em meados de 1700, quando se projetou a praça, assim que os Miller levavam vivendo ali muitas gerações. Julia era conhecida e apreciada na vizinhança. Sua melhor amiga, Carol Roberts, era de família nobre, e outras jovens da classe alta que a conheciam através da Carol, ou do colégio privado ao que tinha estudado, também a apreciavam e a convidavam a suas festas. Elas não se sentiam ameaçadas por sua beleza ou sua riqueza, porque Julia já estava prometida em matrimônio. Tinha sido prometida quase desde seu nascimento. — Alegra-me verte por aqui — disse uma voz feminina detrás dela. Carol Roberts alcançou a Julia e sua égua que adotou um suave trote ao lado da de sua amiga. Julia sorriu e olhou a sua miúda amiga de cabelo negro. — Esse comentário teria que havê-lo dito eu, porque ultimamente você quase não monta. Carol suspirou. — Sei. Ao Harry não gosta que o faça, sobre tudo desde que tentamos ter um filho. Não quer que me arrisque a perdê-lo inclusive antes que saibamos que o concebemos. Julia sabia que montar a cavalo podia provocar um aborto.
  3. 3. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 3 — Então por que te arrisca? — Porque este mês não me fiquei grávida — declarou Carol franzindo, decepcionada, os lábios. Julia assentiu com compreensão. — Além disso — acrescentou Carol — sinto tanta falta de nossos passeios a cavalo que estou disposta a me enfrentar ao Harry cada vez que a menstruação nos impeça de tentar conceber. — Agora não está em casa e não sabe que saíste a montar, não? — perguntou Julia. Carol se se pôs a rir e seus olhos azuis faiscaram com picardia. — Não, claro, mas estarei de volta antes que ele. A Julia não preocupou que sua amiga pudesse ter problemas com seu marido. Harold Roberts adorava a sua mulher. Conheceram-se e se gostaram inclusive antes da apresentação em sociedade da Carol, que se tinha celebrado três anos atrás, assim que ninguém se surpreendeu quando se prometeram ao cabo de umas semanas e se casaram poucos meses depois. Carol e Julia tinham sido vizinhas durante toda a vida, suas casas eram contíguas e só as separava um estreito beco. Além disso, as janelas de seus dormitórios estavam uma em frente da outra — elas se encarregaram de que assim fora! — de modo que, embora não estivessem juntas, podiam falar desde seus dormitórios sem sequer ter que levantar a voz. Não foi inesperado que se converteram em amigas íntimas. Julia jogava muitíssimo de menos a Carol. Embora seguissem vendo-se com frequência quando Carol estava em Londres agora ela já não vivia na casa vizinha. Quando se casou se transladou à casa de seu marido, a muitas quadras de distância, e cada poucos meses, ela e Harold passavam umas quantas semanas na casa que a família dele possuía no campo. Harold queria mudar-se para lá de uma forma permanente, mas, de momento, Carol resistia. Por sorte, Harold não era do tipo de marido dominante que tomava as decisões sem ter em conta os desejos de sua esposa. Seguiram montando uma junto à outra durante uns minutos, mas Julia já estava no parque perto de uma hora, assim sugeriu: — Quer que, a caminho de casa, detenhamo-nos no salão de chá e compremos uns sorvetes? — É muito cedo e ainda não faz bastante calor para tomar um sorvete, mas sim que tenho fome e sinto tanta falta das massas da senhora Cabos. Ainda lhes prepara um buffet para o café da manhã? — Pois claro, por que teria que ter trocado, só porque você se casou? — Harold se nega a lhes tirar à cozinheira apesar de que lhe insisti mais de uma vez para que, ao menos, tente-o. Julia soltou uma gargalhada. — Ele sabe que não pode permitir-lhe. Cada vez que alguém nos tenta arrebatar isso ela me conta isso e eu lhe subo o salário. Sabe o que lhe convém. Julia levava algum tempo tomando decisões deste tipo porque Gerald, seu pai, já não podia tomar. Sua mãe, enquanto vivia, nunca tomou. Helene Miller não assumiu o controle de nada em sua vida, nem sequer da casa. Ela era uma mulher tímida e temia ofender os outros, inclusive aos serventes. Morreu cinco anos antes, no acidente de carruagem que converteu ao Gerald Miller em um inválido. — Como está seu pai? — perguntou Carol. — Igual. Carol sempre lhe perguntava por seu pai e a resposta da Julia somente que variava. “Tem sorte de estar vivo”, disseram-lhe os médicos depois de impactá-la com o prognóstico de que nunca voltaria a ser o mesmo. Sua cabeça sofreu muitos traumatismos no acidente. Embora os sete ossos que se fraturou aquele dia se soldaram, disseram-lhe que sua mente nunca se recuperaria. Os médicos se mostraram categóricos. Não lhe deram nenhuma esperança. Seu pai dormiria e
  4. 4. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 4 despertaria com normalidade, inclusive comeria se lhe davam de comer, mas nunca voltaria a falar com coerência. Sorte de estar vivo? Julia frequentemente tinha chorado até adormecer ao recordar esta frase. Mesmo assim, Gerald tinha desafiado as predições médicas. Em determinada ocasião, um ano depois do acidente, e a partir de então uma vez a cada poucos meses, ele soube, embora brevemente, quem era, onde estava e o que lhe tinha ocorrido. As primeiras vezes experimentou tanta raiva e angústia que sua lucidez dificilmente podia ser considerada uma bênção. E se lembrava de tudo! Cada vez que recuperava a lucidez, lembrava-se de seus anteriores episódios de claridade mental. Durante uns minutos, e, às vezes, umas horas, Gerald voltava a ser ele mesmo, mas esses episódios nunca duravam muito. E não recordava nada dos períodos intermediários. Os médicos não o explicavam. Acreditavam que nunca voltaria a ter pensamentos coerentes e seguiam sem lhe dar a Julia a menor esperança de que, algum dia, recuperasse-se por completo. Chamavam a seus momentos de claridade uma casualidade. Aquilo não tinha precedentes, não havia notícias de que algo assim tivesse acontecido anteriormente e aconselharam a Julia que não esperasse que voltasse a acontecer. Mas aconteceu. A Julia lhe rompeu o coração quando, a terceira vez que seu pai voltou a ser ele mesmo, perguntou-lhe: —Onde está sua mãe? Tinham-lhe aconselhado que, se voltasse a “despertar”, procurasse que estivesse tranquilo, e isso implicava que não lhe contasse que sua mulher havia falecido no acidente. — saiu às compras. Já… já sabe como gosta de comprar. Ele pôs-se a rir. Esta era uma das poucas coisas nas que sua mãe se mostrava decidida, em comprar coisas que em realidade não necessitava. Naquele momento, Julia ainda estava de luto e foi uma das coisas mais difíceis que fez em sua vida, sorrir e conter as lágrimas até que seu pai voltou a inundar-se no reino cinza de um nada. Como é lógico, consultou a vários médicos, e cada vez que alguém lhe dizia que seu pai nunca se recuperaria, ela o despedia e procurava outro. Ao cabo de um tempo deixou de fazê-lo e ficou com o último, o doutor Andrew, porque foi bastante honesto para admitir que o caso de seu pai fosse único. Pouco depois, na sala de jantar dos Miller, Carol levava seu prato cheio de comida e um cesto enorme de massas à mesa quando se deteve de repente. Acabava de dar-se conta da nova adição à sala. — Santo céu! Quando tem feito isto? — exclamou Carol voltando-se e olhando a sua amiga com os olhos muito abertos. Julia olhou a elaborada caixa que havia em cima da vitrine da porcelana, que tinha chamado a atenção da Carol. O interior estava forrado em seda azul e debruado com pedraria, e detrás da tampa de cristal havia uma preciosa boneca. Julia se sentou à mesa e conseguiu não ruborizar-se. — Faz umas semanas — respondeu, e fez um gesto a Carol para que tomasse assento — Conheci um homem que acabava de abrir uma loja perto de uma das nossas. Confeccionam estas bonitas caixas para os artigos que a gente quer conservar e eu não quero perder a esta boneca a causa do tempo, assim que lhe encomendei esta caixa. Ainda não decidi onde pô-la, porque meu dormitório está cheio de coisas, mas me estou acostumando a vê-la aqui. — Não sabia que conservasse essa velha boneca que te dei de presente —comentou Carol, assombrada. — Claro que a conservo. É minha posse mais preciosa. Isto era certo, mas não porque Julia valorizasse muito a boneca, mas sim porque valorizava a amizade que representava. Pode ser que Carol não a desse de presente justo quando se conheceram, mas quando lhe deram de presente uma nova, em lugar de guardar a velha no sótão e não voltar a vê-la nunca mais se lembrou de que Julia a queria e, timidamente, a ofereceu.
  5. 5. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 5 Carol se ruborizou enquanto juntas recordavam aquele dia, e ao final pôs-se a rir. — Naquela época foi um pequeno monstro. — Eu nunca fui um monstro — resmungou Julia. — Sim que o foi! Gritava, tinha chiliques, foi fanfarrona e exigente… Zangava-te por tudo! O dia que nos conhecemos esteve a ponto de me dar um murro no nariz, e o teria feito se eu não me tivesse adiantado te dando uma patada no traseiro. — Aquilo me impressionou — recordou Julia sorrindo — Foi a primeira pessoa que me negou algo. — Bom, não pensava permitir que ficasse com minha boneca favorita. Ao menos não sem te conhecer! Nem sequer me deveria haver pedido isso. Mas… a sério? — perguntou Carol, surpreendida — Nunca te haviam negado algo? — Sério. Minha mãe era muito fraca e indecisa, bom, já te lembra de como era. Sempre me deixava me sair com as minhas. E meu pai era muito bom. Nunca lhe disse não a ninguém, e muito menos a mim. Inclusive tive um pônei anos antes de poder montá-lo. Simplesmente, porque o pedi. — Já, provavelmente esta seja a razão de que, quando nos conhecemos, fosse um monstro. Foi uma mimada sem remédio. — Não era por isso… bom, possivelmente estava um pouco mimada porque meus pais não conseguiam mostrar-se firmes comigo e minha governanta e os serventes não foram ensinar- me disciplina. Mas não me converti em uma fera chorona e escandalosa até que conheci meu prometido. Foi ódio mútuo a primeira vista. Eu não queria voltar a vê-lo em toda minha vida. Aquela foi a primeira vez que meus pais não me deixaram me sair com a minha, assim poderia dizer-se que tive um chilique que duraram uns quantos anos. Até que te conheci, não tinha nenhuma amiga que me dissesse quão tola era. Você me ajudou a me esquecer dele, ao menos entre as distintas visitas às que nossos pais nos obrigavam. — Você mudou muito depressa desde que nos conhecemos. Quantos anos tínhamos então? — Seis, mas eu não mudei tão depressa, só me assegurei de que você não presenciasse meus chiliques… bom, salvo quando meu prometido vinha de visita. Então não conseguia ocultar minha hostilidade nem sequer quando você estava comigo, lembra-te? Carol pôs-se a rir, mas só porque Julia sorria. Em seu momento, os acessos de raiva de Julia não tinham sido nada divertidos, e as duas sabiam. Algumas de suas brigas com seu prometido tinham sido muito violentas. Em certa ocasião, quase lhe arrancou uma orelha de uma dentada! Mas foi culpa dele. Desde seu primeiro encontro, quando ela só tinha cinco anos e estava convencida de que seriam grandes amigos, a rudeza dele e o ressentimento que lhe causava que a tivessem elegido em seu nome fizeram pedacinhos seus sonhos. Cada vez que se visitavam, ele a enfurecia de tal modo que ela quão único desejava era equilibrar-se sobre ele e lhe arrancar os olhos. Julia estava convencida de que ele tinha provocado todas aquelas brigas deliberadamente. Aquele estúpido moço por alguma razão acreditava que ela podia romper aquele compromisso que nenhum dos dois queria. Julia estava segura de que ele se foi da Inglaterra quando finalmente se deu conta de que ela era tão capaz como ele de terminar seu compromisso, e os salvou a ambos de um matrimônio infernal. Que estranho lhe resultava sentir algum tipo de agradecimento por ele! Mas agora que se foi para sempre, ela podia vislumbrar um pouco de humor na terrível bruxa que foi… por culpa dele. Julia assinalou com a cabeça a comida, que se estava esfriando, mas Carol desviou a conversação a outro tema. — No sábado celebro um pequeno jantar, Julie. Virá, não? Eu mantive o apelido desde menina, e inclusive o pai da Julia o tinha adotado. Ela sempre pensou que era ridículo ter um apelido tão parecido como o nome autêntico, mas como, de fato, ao pronunciá-lo soava mais curto, não lhe importou.
  6. 6. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 6 Olhou a sua amiga por cima do pão-doce que estava a ponto de morder. — Esqueceste-te que esse é o dia do baile do Eden? — Não, só pensava que podia ter recuperado o julgamento e rechaçado o convite — resmungou Carol. — E eu esperava que tivesse mudado de ideia e aceito o convite. — Nem pensar. — OH, vamos, Carol! — disse Julia com voz lisonjeadora— Odeio arrastar a meu preguiçoso primo a esses eventos. E ele também o odeia. Mal cruzar a porta principal, já está procurando a traseira. Nunca fica comigo. Mas você… — Seu primo não tem por que ficar — interrompeu Carol — Você conhecerá todos os convidados ao baile. Nas festas nunca fica mais de um minuto sozinha. Além disso, e o contrato matrimonial que o conde do Manford conserva encerrado sob chave supõe que nem sequer necessita uma carabina. Com um contrato como esse, é como se já estivesse casada. Céus, não pretendia voltar a tirar este tema! Sinto muito! Julia conseguiu esboçar um sorriso. — Não se preocupe. Já sabe que não tem por que te andar com olhares comigo respeito a esse desagradável tema. Só estávamos conversando. Dado que nos odiamos o um ao outro, esse louco ao que estou prometida não poderia me haver feito maior favor que largar-se, que é justo o que fez. — Isto é o que sentia antes de alcançar a idade casadoira, mas disso faz já três anos. Não me diga que não te enfurece que lhe chamem solteirona. Julia soltou uma gargalhada. — Isto é o que crê? Esquece-se de que não sou uma aristocrata como você, Carol. As etiquetas como essa não têm nenhum significado para mim. O que considero valioso é não ter que responder ante ninguém salvo ante mim mesma. Não te pode imaginar quão maravilhoso é. E é oficial. As riquezas e propriedades de minha família agora são minhas… a menos que esse descarado retorne. Capítulo 2 Quando viu a aterrada reação de sua amiga a seu inconsciente comentário, Julia soltou um sopro. — Não queria dizer isso! Já te hei dito que meu pai está estável. — Então como podem ser teus todos seus bens e negócios se ele não… passou desta para a melhor? — perguntou Carol com delicadeza. — Porque, faz uns meses, durante um de seus dias lúcidos, reuniu a seus advogados e banqueiros e me transpassou o controle de tudo. Não é que não o fizesse depois do acidente, mas agora os advogados já não olham por cima de meu ombro para controlar o que faço. Ainda me orientam, mas já não tenho por que seguir seus conselhos. O que meu pai fez aquele dia foi me transpassar a totalidade da herança antes do que eu teria desejado. Entretanto, os advogados não podiam romper o contrato matrimonial. Claro que isto ela já sabia. Seu pai tentou cancelá-lo sem êxito anos atrás, quando ficou evidente que seu prometido tinha desaparecido. O contrato só podia terminar-se por mútuo acordo entre as partes que o tinham
  7. 7. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 7 assinado, e o conde de Manford, aquele homem horrível, não permitiu cancelá-lo. Ainda esperava pôr as mãos sobre a fortuna dos Miller, através da Julia. Este foi seu plano desde o começo e foi a razão de que fosse aos pais da Julia pouco depois de seu nascimento com a proposta de matrimônio entre os filhos de ambas as famílias. Helene se sentiu extremamente emocionada ante a perspectiva de ter um lorde na família e não quis desperdiçar a oportunidade de casar a sua filha com um membro da nobreza. Gerald, que se sentia menos cativado pela aristocracia, acessou ao compromisso para agradar a sua mulher. O acordo poderia ter conduzido a um final feliz para todos… se os prometidos não se odiassem mutuamente. — Entendo que desfrutes desse tipo de liberdade, mas isto significa que renuncia a te casar ou a ter filhos algum dia? — perguntou Carol com cuidado. Era de esperar que sua amiga pensasse na questão dos filhos, posto que ela estava tentando ter um. — Não, absolutamente. Eu quero ter filhos — respondeu Julia — Me dava conta a primeira vez que me disse que você e Harry queriam ter um. E, num momento longínquo, seguro que me casarei. — Como? — perguntou Carol, surpreendida — Acreditei que podiam te atar a esse contrato indefinidamente. — E assim é, sempre que o filho do conde esteja vivo. Mas faz já nove anos que partiu e ninguém teve notícias dele depois. Por isso sabemos, poderia estar morto e enterrado em uma sarjeta em qualquer lugar do mundo, vítima de um roubo ou de qualquer outro crime. — Céu santo! — exclamou Carol com seus olhos azuis abertos como pratos — Disto se trata, não? Depois de tanto tempo, pode pedir que o declarasse morto! Não entendo como não me tinha ocorrido antes! — A mim tampouco me tinha ocorrido, mas me aconselhou isso um de meus advogados faz três meses, quando recebi minha herança — declarou Julia assentindo com a cabeça — O conde se negará, mas a situação fala por si mesmo e atua em meu favor. — Devo admitir que sentirei falta da carta branca que o compromisso me proporciona — acrescentou Julia — Pensa nisso. Você mesma o há dito antes, nem sequer necessito uma carabina porque estou comprometida. Todos me vêem como se já estivesse casada. A quantas festas crê que me convidarão quando souberem que sou uma herdeira que procura marido? — Não seja ridícula — se burlou Carol — A gente te aprecia muito e você sabe. — E você é muito leal para ter uma visão global. Nestes momentos não sou uma ameaça para ninguém, por isso a nobreza me considera uma candidata aceitável a suas listas de convidados. Não lhes preocupa que possa arrastar a seus filhos a um grau inferior na escala social nem que roube a suas filhas o melhor partido. —Tolices, tolices e mais tolices — declarou Carol com firmeza — Não te valoriza o suficiente, querida. Às pessoas te gosta por ti mesma não por sua riqueza ou sua falta de disponibilidade, como você diz. Carol seguia falando desde seu fiel coração, mas Julia sabia que a aristocracia podia olhar, e com frequência olhava, por cima do ombro aos comerciantes, pois os consideravam inferiores. Entretanto, ironicamente, este estigma nunca a tinha afetado. Possivelmente porque levava toda a vida prometida a um aristocrata e seu compromisso era de domínio público. Ou porque sua família era tão endiabradamente rica que, às vezes, inclusive lhe resultava embaraçoso. Sobre tudo porque, ao longo dos anos, eram tantos nobres tinham ido a seu pai para lhe pedir um empréstimo, que se diria que era um banco. Por outro lado, o pai da Carol, a pedido de sua filha, mexeu em alguns fios para que admitissem a Julia no exclusivo colégio privado ao que assistia Carol, e ali Julia fez mais amigas da nobreza. Tudo isto lhe tinha aberto porta, mas essas mesmas portas podiam fechar-se com rapidez quando se soubesse que estava procurando marido.
  8. 8. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 8 — Custa-me acreditar que não pensássemos nesta solução antes — assinalou Carol — E agora que está a ponto de te liberar desse lastro, começaste a procurar um marido de verdade? Julia fez uma careta. — Estive olhando, mas ainda não encontrei a nenhum homem com o que queira me casar. — OH, não seja tão endiabradamente especial! —exclamou Carol sem dar-se conta, provavelmente, de que estava falando como Harry, seu marido— Pois me ocorrem uns quantos… — Carol se interrompeu ao ver que Julia ria e lhe perguntou — O que é o que te resulta tão divertido? — Está pensando em seus círculos sociais, mas eu não me limito a procurar a outro lorde como marido só porque agora esteja comprometida com um. Nem muito menos. Eu tenho muito mais opções. Embora isto não queira dizer que descarte aos aristocratas. Inclusive estou desejando que chegue o fim de semana e se celebre o baile que dará início à temporada social. Carol franziu o cenho. — Assim, durante os últimos meses, ninguém despertou seu interesse? Julia se ruborizou. — Está bem, sou um pouco especial, mas reconheçamo-lo, você teve muita, muita sorte encontrando ao Harry. Mas quantos Harry há por aí, né? E eu quero um homem que esteja comigo, a meu lado, como o que tem você, não um que me coloque detrás dele. Também tenho que proteger minha herança de qualquer um que pudesse esbanjá-la. Quero me assegurar de que ainda estará aí para os filhos que espero ter algum dia. De repente, Carol abriu os olhos alarmada. — Meu deus, pensa em todo o tempo que se desperdiçou! Já tem vinte e um anos e ainda não te casaste! — Carol! — exclamou Julia com um risinho — Já faz muitos meses que tenho vinte e um anos. Minha idade segue sendo a mesma. — Mas antes foi uma mulher de vinte e um anos com um compromisso matrimonial, o que é muito distinto que ter vinte e um anos sem estar prometida. E quando conseguir que declarem morto ao filho do conde aparecerá nos periódicos… todos saberão… Vamos, deixa de me lançar dardos com o olhar. Eu não digo que seja uma solteirona… — Já o tem feito, faz menos de um quarto de hora, aqui, nesta mesma mesa. — Não o dizia a sério. Só estava considerando uma possibilidade e… bom, que diabos! Isto é diferente. Agora seria você sem um prometido! Julia sacudiu a cabeça. — Outra vez está vendo as coisas com seus olhos em lugar de tentar as ver com meus. Você e o resto das companheiras do colégio pensavam que se não lhes casavam justo depois de seu primeiro baile em sociedade, o céu caíria sobre suas cabeças. Isto é ridículo, já lhe comentei isso então. Eu me casarei este ano, dentro de cinco anos ou dentro de dez, para mim é o mesmo. Sempre que não me case com meu atual prometido e seja o bastante jovem para ter filhos. — Pensar assim é um luxo, sabe? — resmungou Carol outra vez. —Vá assim não ser uma aristocrata tem alguma vantagem! A ênfase com que Julia o disse fez que Carol rompesse a rir. — Touché! Mas já sabe o que isto significa, não? Vou ter que organizar umas quantas festas para ti. — Não, não tem por que fazê-lo. — Sim que tenho que fazê-lo, assim que renunciares a ir ao baile dos Malory este fim de semana. Ali não encontrará a muitos jovens e eu ampliarei minha lista de convidados para incluir a… — Não seja tola, Carol! Sabe perfeitamente que esse baile será o baile da temporada. Agora mesmo, os convites são muito valorizados. Até me ofereceram trezentas libras pelo meu. Os olhos da Carol faiscaram.
  9. 9. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 9 — Brinca. — Sim, brinco, só me ofereceram duzentas. Julia não obteve a risada que esperava. Pelo contrário, Carol lhe lançou um olhar severo e disse: — Embora se suponha que é um segredo, sei em honra de quem se celebra esse baile. Tem-te feito muito amiga da Georgina Malory e inclusive esteve em sua casa um montão de vezes… — São nossos vizinhos, pelo amor de Deus, e levam sendo-o por quanto, sete… oito anos? Vivem um pouco mais abaixo, nesta mesma rua! —… Mas não me verá pôr um pé ali — continuou Carol como se Julia não a tivesse interrompido. — O baile não se celebrará na casa da Georgina, é sua sobrinha lady Eden quem o organiza. — Não me importa. Seu marido estará ali e consegui não conhecer o James Malory durante todos estes anos. Ouvi todo tipo de histórias a respeito dele, assim seguirei evitando-o, obrigado. Julia pôs os olhos em branco. — Ele não é o ogro que faz que pareça, Carol, já lhe hei isso dito montões de vezes. Não há nada sinistro nem perigoso nele. — Como é lógico, ele oculta esse aspecto de si mesmo a sua esposa e suas amigas! — Até que não o conheça não saberá com certeza, Carol. Além disso, odeia tanto os eventos sociais que é possível que nem sequer vá ao baile. — De verdade? Julia não respondeu. Certamente que assistiria, pois o baile se celebrava em honra de sua mulher. Entretanto, Julia deixou que Carol confiasse na leve possibilidade de que ele não estivesse e obteve a resposta que esperava. — Está bem, irei contigo. — Mas Carol não era tão incrédula, porque acrescentou — E se estiver não me diga isso, preferirei não sabê-lo. Capítulo 3 Gabrielle Anderson estava ao leme, governando o Triton. O mar estava em calma e ela logo que tinha que realizar nenhum esforço para mantê-lo fixo. Ao Drew, seu marido, não lhe preocupava que ela pudesse afundar seu querido navio porque sabia que, durante os três anos que Gabrielle navegou pelo Caribe com o Nathan Brooks, seu pai, e sua tripulação de caçadores de tesouros, lhe ensinou tudo o que se podia aprender sobre o governo de um navio. Encantava lhe ir ao leme, só que não podia fazê-lo durante muito tempo sem que os braços lhe tremessem do esforço. Drew assumiu o mando sem dizer uma palavra, simplesmente, beijando-a na bochecha, mas tampouco lhe deu a oportunidade de apartar-se, de modo que ela ficou apanhada entre os braços dele, coisa que não lhe importou absolutamente. Gabrielle se reclinou no amplo peito do
  10. 10. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 10 Drew exalando um suspiro de satisfação. Sua mãe lhe tinha advertido frequentemente que não se apaixonasse por um homem que amasse o mar. Enquanto ela crescia, seu pai sempre esteve embarcado, de modo que Gabrielle se tomou muito a sério o conselho de sua mãe. Até que se deu conta de que ela também amava o mar, de modo que seu marido não a deixaria em casa enquanto ele navegava pelo mundo, pois ela estaria com ele. Aquela era sua primeira viagem comprida desde que se casaram, no ano anterior. Tinham realizado muitos trajetos curtos entre as ilhas e uns quantos ao Bridgeport, Connecticut, a cidade de nascimento do Drew, para comprar móveis. Mas esta viaje por fim os levava de novo a Inglaterra, onde se conheceram, e onde agora vivia a metade da família do Drew. A princípios de ano receberam uma carta de seu irmão Boyd em que lhes comunicava a surpreendente noticia de que ele também se casou, pouco depois de fazê-lo Drew. As bodas do Boyd foi inesperada, embora não constituiu uma surpresa total, porque ele não era um solteirão contumaz como Drew. O surpreendente era que, com o Boyd, eram três os irmãos Anderson que se casou com um membro da extensa família Malory da Inglaterra. Mais surpreendente ainda era o fato de que Boyd se apaixonou por uma Malory que ninguém conhecia, nem sequer Gabrielle ou seu pai. Além disso, Boyd só lhes tinha dado umas pinceladas de como tinha acontecido tudo. Drew ansiava ouvir a história completa e teria zarpado para a Inglaterra nada mais receber a carta de seu irmão se ele e Gabrielle não tivessem construindo seu lar na bonita ilha que Gabrielle tinha recebido como presente de bodas. Mas sua casa por fim estava terminada e agora foram a caminho da Inglaterra. Boyd também tinha sugerido em sua carta que, esse ano, a família ao completo se reunisse na Inglaterra para o aniversário da Georgina, sua irmã, o que constituía uma desculpa perfeita para uma reunião familiar. Gabrielle e Drew chegariam a tempo para ambos os eventos. Gabrielle, que era filha única, estava encantada de haver-se casado com alguém que tinha uma família numerosa. Os Anderson eram cinco irmãos e uma irmã. De momento, Gabrielle só conhecia os três irmãos menores, mas não lhe inquietava conhecer os três maiores, mas sim o estava desejando. Gabrielle sentiu frio até que Drew a agasalhou com seu corpo. Já quase era verão e, se o vento se mantinha estável, chegariam à Inglaterra ao dia seguinte, mas o frio Atlântico não podia comparar-se com as cálidas águas caribenhas à que estava acostumada. — Por isso parece, iria bem lhes retirar a seu camarote — disse Richard Allen com um pícaro sorriso aproximando-se deles— Querem que lhes releve ao leme? —Tolices, já não somos uns recém casados — começou Drew, mas então Gabby se voltou e lhe deu um apertado abraço e ele acrescentou com voz rouca — Em realidade… Ela pôs-se a rir e lhe fez cócegas para fazê-lo mudar de ideia. Ela sabia fazer, mas normalmente não o conseguia, porque quando estava tão perto de seu marido como então, sentia- se cativada por ele. — Se trocarem de ideia, me avise — sugeriu Richard e, antes de dirigir-se à coberta inferior, acrescentou— Eu o faria! Gabrielle ficou olhando-o. Seu querido amigo levava quase meia vida vivendo no Caribe, ao menos a meia que ela conhecia, e era evidente que sentia o frio tanto como ela. Inclusive tinha posto um sobretudo! De onde demônios tinha tirado um objeto tão inglês como aquele? Richard era um homem alto, extremamente bonito e ousado — possivelmente um pouco muito ousado — mas de um caráter tão encantador, que resultava estranho que Gabrielle nunca se sentiu atraída por ele, embora, isso sim, converteram-se em grandes amigos. Ele tinha o cabelo negro e comprido e o tinha recolhido em uma cauda. Seu fino bigode lhe dava um ar desenvolto, e seus olhos verdes normalmente faiscavam de alegria. Quando o conheceu, quatro anos atrás, Richard era muito mais magro, mas agora, aos vinte e seis, seu corpo tinha aumentado de tamanho e era mais musculoso. Estava acostumado a
  11. 11. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 11 ser meticulosamente limpo. Richard sempre tinha destacado entre os outros piratas, tanto por seu cabelo como por sua roupa e suas polidas botas de cano alto. Uniu-se à tripulação pirata de seu pai pouco depois de chegar ao Caribe procedente de… ninguém sabia onde. A maioria dos piratas não contava de onde eram, da mesma maneira que quase todos utilizavam um nome falso que trocavam com frequência. Jean Paul era o nome falso que Richard empregava mais frequentemente e, durante muito tempo, esteve praticando o acento francês que combinava com o nome. Soava realmente divertido ouvi-lo falar com aquele acento! Demorou muito tempo em dominá-lo, mas assim que o fez, deixou de usá-lo, e também seu nome francês. Não deixou de tentá-lo até que o dominou e, quando o conseguiu, deixou de usá-lo sem mais. Em realidade, o pai do Gabrielle não tinha sido um pirata típico. Atuava, mais ou menos, como um intermediário que acolhia aos reféns de outros piratas e os devolvia a suas famílias em troca de um resgate. E aos reféns cujas famílias não podiam pagar o resgate, simplesmente os deixava em liberdade. Ao mesmo tempo, dedicava-se à caça de tesouros. Entretanto, no ano anterior, depois de passar meses no calabouço de um autêntico pirata, Nathan não voltou a associar-se com seus antigos camaradas. As bodas de Gabrielle com um membro de uma legítima família naval que considerava os piratas seus inimigos também pode ter influenciado em sua decisão. De todos os modos, ele seguia procurando tesouros e, ocasionalmente, aceitava encargos de transporte de mercadorias do Skylark, a companhia naval que pertencia à família do Drew… sempre que o carregamento tivesse que entregar-se na direção da pista do tesouro que estivesse seguindo naquele momento. Como estava absolvida em seus pensamentos, Gabrielle não se deu conta de que Richard se dirigia ao corrimão da coberta inferior. E então o viu, contemplando o horizonte em direção à Inglaterra. Quando deixou de utilizar aquele ridículo acento francês, resultou evidente que era inglês. Claro que, para então, ela já fazia tempo que o tinha deduzido por causa de todas as vezes que lhe tinha escapado “bloody hell” e outras expressões inglesas típicas. Mas embora agora falasse como um inglês autêntico, Richard nunca admitiu sê-lo e ela nunca o perguntou diretamente… por uma boa razão. Os homens que se convertiam em piratas em geral se estavam escondendo de alguma coisa de seu passado, às vezes da lei, e Richard se mostrou intranquilo quando viajou com ela a Inglaterra no ano anterior. Quando Gabrielle o propôs, ele não pôs má cara e seguiu sendo o homem despreocupado e brincalhão de sempre, mas quando acreditava que ela não o estava olhando, ela percebeu sua o que? Preocupação? Terror? Medo de ser arrastado a uma miserável prisão mais próxima por seus atos do passado? Gabrielle não sabia. Então, Richard conheceu a Georgina Malory e a preocupação que Gabrielle sentia por ele cobrou relevância. Agora, enquanto o olhava, a Gabrielle não escapou a repentina mudança em sua atitude, a profunda melancolia que o invadiu. Gabrielle supôs que estava pensando outra vez na Georgina e todas as dúvidas que tinha tido desde que zarparam se multiplicaram por dez. — Como permitimos que nos convencesse de que o levássemos conosco a Inglaterra? Gabrielle o disse falando consigo mesma, mas Drew seguiu seu olhar e grunhiu: — Porque é seu melhor amigo. Ela se voltou para o Drew. — Agora você é meu melhor amigo — disse para tranquilizá-lo. — Eu sou seu marido, mas ele segue sendo seu melhor amigo. E permitiu que Ohr, seu outro melhor amigo, convencesse-te de que Richard não está realmente apaixonado por minha irmã. Sabe uma coisa, Gabby? — acrescentou Drew repentinamente enquanto entrecerrava seus olhos escuros —, tem muitos amigos varões. O repentino ataque de ciúmes de seu marido a fez rir e desviou sua atenção do Richard e das dúvidas que despertava. Embora Drew a estava olhando com o cenho franzido, e tanto se era fingido como se não, ela não pôde resistir à tentação de ficar nas pontas dos pés e beijá-lo.
  12. 12. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 12 Amava-o tanto que realmente lhe resultava difícil manter as mãos afastadas dele durante muito tempo, e lhe ocorria o mesmo respeito a ela. — Para ou terei que aceitar a oferta do Richard — lhe advertiu Drew com voz rouca. Ela sorriu amplamente. A ideia não era tão má. Descer junto com Drew ao camarote era, sem dúvida, preferível a pensar na possibilidade de que Richard caísse em uma armadilha mortal na Inglaterra. Mas esta possibilidade seguiu dominando sua mente, porque Drew disse: — Uma pergunta melhor seria como me convenceu você de que permitisse a esses dois nos acompanharem nesta viagem. Gabrielle se deu a volta para que Drew não visse a careta que provocaram suas palavras. Embora quisesse ao Ohr e ao Richard como se fossem de sua família, arrependia-se de lhes haver permitido acompanhá-los. — Foi uma decisão do momento, já sabe — recordou ao Drew— Levava meses lhe dizendo que não ao Richard cada vez que me pedia isso, desde que começamos a falar da viagem. Mas então meu pai quebrou a perna, justo antes que zarpássemos, o que o manteria a ele e a sua tripulação em terra durante um ou dois meses, e já sabe a quantidade de problemas que pode criar uma tripulação se estiver ociosa e não pode ir-se ao mar durante muito tempo seguido. — Sim, mas esses dois podiam ter encontrado algo que fazer. Admite-o, seu pai queria que viessem outra vez como seus cães guardiães. Ainda não confia em que eu saiba te cuidar. — Não pode acreditar isto de verdade sabendo quão encantado está de te ter como genro. Além disso, ele não me pediu que os deixássemos vir, embora, se lhe tivesse ocorrido, provavelmente me teria pedido isso. Já sabe que se preocupa com eles. Eles o consideram como parte de sua família e ele sente o mesmo por eles. — Sei, formam uma grande e feliz família — declarou Drew rindo — E eu me tornei parte dela, não? — É você quem tem uma grande família, e agora forma parte de outra ainda maior. Mas, embora seu cunhado ignorasse ao Richard a última vez que se viram, isso foi porque então James tinha outras coisas na cabeça, como resgatar a meu pai daquele horrível calabouço. O que não significa que tenha esquecido a promessa que fez o dia que viu sua mulher esbofetear ao Richard em seu jardim por haver-se insinuado a ela de uma forma inapropriada. James me disse, claramente, que se Richard voltasse a aproximar-se de sua mulher, ver-se-ia obrigado a lhe fazer dano e eu não duvidei, nem por um segundo, de que o dizia a sério. Você o conhece melhor que eu e me confirmou que o mais provável era que o houvesse dito totalmente a sério. — Certamente que o disse a sério, como teria feito eu se tivesse visto outro homem insinuar-se a minha mulher. Acredito que se preocupa por nada, querida — acrescentou Drew enquanto ela voltava para deitar em seu peito — Richard não é tolo, e qualquer um em seu são julgamento teria que ser totalmente estúpido para brincar com esse Malory em particular. — Mmm… não foi exatamente isso o que você e seus irmãos fizeram quando o obrigaram a casar-se com sua irmã depois de golpeá-lo até deixá-lo inconsciente? — Carinho, tivemos que nos juntar os cinco para lhe administrar aquela surra. Tentamo- lo um a um, mas foi inútil! E já te contei que James nos obrigou a fazer de uma forma deliberada. Aquela foi sua curiosa maneira de conseguir que Georgie se casasse com ele sem ter que pedir a ela ou a nós, por causa de um estúpido juramento que tinha feito de não casar-se nunca. — Acredito que foi um detalhe muito romântico. Drew pôs-se a rir. — Sim, para ti, mas só um teimoso inglês chegaria a estes extremos para manter um juramento, ao menos respeito ao matrimônio. Se tivesse sido sobre a honra, o país ou… bom, já sabe a que me refiro, então teria sido algo razoável, mas o matrimônio? Recorda que isto é uma informação privilegiada que compartilho contigo porque é minha mulher. Não te ocorra lhe contar ao James que meus irmãos e eu sabemos. Ele segue acreditando que nos manipulou. E, acredite-
  13. 13. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 13 me, James é muito mais tolerável quando se desfruta de seus êxitos que quando está zangado e busca briga. — Juro manter o segredo — lhe assegurou Gabrielle com um sorriso — Mas tem razão respeito ao Richard, não é estúpido, mas já sabe como é. É um homem encantador, divertido, brincalhão, sempre sorri… — Deixa de enumerar suas virtudes! — Não me deixaste terminar. Ia dizer que é tudo isso até que se lembra da Georgina. Então fica tão melancólico que te rompe o coração. — Não me rompe o coração. — OH, vamos também te cai bem, não te engane! Como poderia não cair bem? — Possivelmente porque está apaixonado por minha irmã. Tem sorte de que não limpe a coberta com sua cara. Gabrielle ignorou o comentário de seu marido. — Segundo Ohr, Richard não está realmente apaixonado pela Georgina. E eu também acredito se não, não lhe teria deixado vir conosco. Gabrielle se sentiu cética em relação à opinião do Ohr até que se inteirou de que Richard tinha tido ao menos três aventuras amorosas durante o último ano. Este foi o fator decisivo que a levou a permitir que seus amigos compartilhassem com eles aquela viagem. — É possível — declarou Drew — mas o fato de que Richard só crê que está apaixonado por minha irmã não muda nada. — Sim, mas Ohr me explicou que Richard deseja estar apaixonado, e o deseja tanto que confunde facilmente o desejo com o amor. Pelo visto, ele nem sequer sabe que é isso o que busca e, como nunca experimentou o amor verdadeiro, não distingue a diferença entre ambos. Ao Drew tinha ocorrido o mesmo no passado. — Compreendo-o, mas agora você parece duvidar de que ele só crê estar apaixonado por ela. — Não, mas não posso evitar recordar o que Richard me disse a respeito da Georgina. Quando lhe recordei que é uma mulher felizmente casada e que devia esquecê-la, respondeu-me que o tinha tentado, mas que não podia esquecer-se de “seu verdadeiro amor”. Quantas vezes utiliza um homem esta expressão respeito a uma mulher? — Eu posso contar com dois, três e até uma dúzia de mãos as vezes que o hei dito ou pensado… respeito a ti. Ela acabou de ouvir seu comentário, mas novamente voltou a virar para abraçá-lo. Então se lembrou de uma conversação que manteve com o Richard quando se deu conta de que estava apaixonada pelo Drew, mas estava convencida de que ele não a correspondia. Então Richard lhe rodeou os ombros com um braço e lhe disse: — Tudo sairá bem, chérie. Ele te adora. — Ele adora a todas as mulheres — respondeu ela. Richard pôs-se a rir. — Eu também, mas renunciaria a todas por… — Chsss! — exclamou ela muito a sério — Richard, por favor, deixa de te obcecar com a mulher de outro homem. Malory não tolerará que volte a te exceder. Não está sendo razoável e faz que tema por sua vida. — Quem disse que o amor fora razoável? —foi a resposta do Richard. Sua resposta ficou gravada na mente do Gabrielle e então a repetiu ao Drew. — E vá se for certo! — acrescentou Gabrielle — Em seu caso, você foi um solteiro contumaz com um amor em todos os portos. Drew não respondeu. Gabrielle levantou a cabeça e ao ver o olhar fixo e espectador de seu marido e se deu conta de que não tinha nada que ver com o último comentário dela. Gabrielle sorriu amplamente e lhe rodeou o pescoço com os braços.
  14. 14. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 14 — Sim, ouvi-te — declarou ela — Assim pode contar com uma dúzia de mãos o número de vezes que referiste a mim como “seu amor verdadeiro”? Drew, tranquilizado, devolveu-lhe o abraço e respondeu: — Não, fui moderado com o número. Mas quanto a seu último comentário, tinha uma boa razão para ser um solteiro contumaz. Estava decidido a não causar nunca a uma mulher o sofrimento que experimentou minha mãe, olhando sempre com tristeza o mar enquanto esperava um navio que em estranhas ocasiões voltava para casa. Durante aqueles anos, em nenhum momento pensei que encontraria a uma mulher que se sentiria feliz navegando a meu lado. Sei que a mulher de meu irmão Warren navega com ele, mas eu não esperava ter tanta sorte. De todos os modos, como você bem há dito, o amor não é razoável e acabou com as firmes convicções que eu tinha. De fato, pode ser tão pouco razoável que estou convencido de que teria renunciado ao mar por ti. Deus, não posso acreditar o que acabo de dizer! Mas sabe que é verdade. De repente, Drew experimentou uma grande emoção e apertou a sua mulher em seu abraço, mas em seguida lhe assegurou: — Nunca terá que fazê-lo! Eu gosto do mar tanto como a ti. — Sei, e também sei a sorte que tenho de que seja assim. Bom, já te preocupaste bastante por seu amigo em um só dia, não crê? Ela suspirou. — Oxalá pudesse parar, mas tenho medo de que, quando voltar a ver sua irmã, abandone toda precaução e… — Nesse caso, não só teria que enfrentar-se ao James — advertiu Drew — É consciente disto, não? — Sim. Gabrielle voltou a suspirar. — Sempre poderia lançá-lo a ele e ao Ohr pela amurada… com um bote, claro — disse Drew — Para quando chegassem a Inglaterra a remo, já estaríamos preparados para retornar. Problema resolvido. Gabrielle sabia que ele não estava falando a sério e que só tentava tranquilizá-la, mas não pôde deixar de lado o mau pressentimento que tinha. Quer fosse pelos atos do passado do Richard ou pelas ameaças que tinha provocado por desejar a uma mulher que acreditava amar, Gabrielle temia que algo mal acontecesse e seria culpa dela por levar ao Richard de volta a Inglaterra. Capítulo 4
  15. 15. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 15 Richard enterrou fundo o chapéu. Não é que lhe preocupasse que lhe reconhecessem. Nos moles de Londres? Nem pensar. Mas seria absurdo exibir-se só para tentar ao destino. Por que arriscar-se? E se aquele fora o dia entre um milhão que um velho conhecido seu retornasse de uma viagem ao estrangeiro e estivesse justo naquele momento naquele mesmo mole? Tirou o sobretudo porque fazia muito calor e levava posta a roupa que estava acostumado a ficar a bordo, roupa que lhe resultava cômoda para trabalhar. Sua camisa branca de mangas largas era folgada para facilitar seus movimentos, tinha-a desabotoada até o meio do peito e amarrada por fora com um cinturão, e levava umas calças negras por dentro das botas. Passava bastante despercebido entre os habituais trabalhadores do porto, salvo por suas botas, que eram da marca Hessian e as levava extremamente polidas. Depois de tantos anos, era muito pouco provável que o reconhecessem. Quando se foi da Inglaterra era um menino magricela de dezessete anos que ainda não tinha alcançado sua estatura definitiva. Cresceu vários centímetros a mais, bastante tempo depois, porém seguiu sendo magro mais tempo do que teria desejado, mas finalmente se desenvolveu e ninguém voltou a lhe chamar magricela. Seu comprido cabelo negro também contribuía a seu disfarce, pois não estava absolutamente na moda… ao menos na Inglaterra. No Caribe era um estilo popular, assim, quando chegou ali, adotou-o para passar despercebido. Não o amarrava como fazia Ohr, mas agora o levava tão comprido que tinha que recolher-lhe em uma cauda para que não lhe incomodasse no navio. Deveria cortar-lhe enquanto estivesse na Inglaterra. O mesmo pensou quando esteve ali no ano anterior. Mas para que? Não pensava ficar e gostava de levá-lo comprido. Além disso, constituía um símbolo da rebelião que iniciou antes de abandonar seu lar para sempre. Enquanto vivia sob o punho de ferro de seu pai, nunca teria podido levá-lo assim. — Lorde Allen? Richard não tinha visto aproximar-se daquele homem, mas enquanto estudava sua cara com rapidez, reconheceu-o. Céu santo! Um dos playboys com quem estava acostumado a acotovelar-se antes de ir-se da Inglaterra? Essa possibilidade entre um milhão de ser reconhecido? Maldição! — Equivoca-se, monsieur. Meu nome é Jean Paul, e sou do Havre. — Richard se inclinou respeitosamente, embora, em realidade, estava deixando cair seu comprido cabelo por cima de seu ombro para reforçar sua mentira aquele é meu navio, acabamos de chegar da França. Todos os músculos de seu corpo estavam preparados para sair fugindo em caso de que sua farsa e seu marcado acento francês não funcionassem, mas aquele dissoluto simplesmente se mostrou aborrecido pelo engano que acreditava ter cometido. — Lástima, teria sido uma suculenta informação para os círculos de fofoca. Sem dúvida, o teria sido, e teria permitido que seu pai se inteirasse de que seguia com vida. Aquele homem se afastou bruscamente. Richard demorou uns minutos em voltar a respirar com tranquilidade. Tinha-lhe ido de muito pouco. E foi muito inesperado. Mas ao menos Richard não conhecia muito a aquele homem e ele tampouco estava seguro de que Richard fora lorde Allen. Além disso, tinha mudado tanto, disse-se Richard, que ninguém que não fora de sua família o reconheceria. — Disse-te que teria mais sorte que você encontrando uma carruagem — se vangloriou Margery quando retornou aonde tinham a bagagem empilhada e enquanto lhe indicava ao condutor que esperasse — Onde está Gabby? Ainda não desceu do navio? A donzela de Gabrielle olhou para o Triton, que estava ancorado no meio do Tâmisa. Não lhes adjudicariam um lugar para atracar a curto prazo e, com o verão em cima, os moles estavam mais abarrotados do habitual e era bastante provável que não o fizessem antes que estivessem preparados para voltar a zarpar. Richard respirou fundo, tirou-se de cima os restos de tensão e sorriu à donzela com despreocupação.
  16. 16. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 16 — Está esperando ao Drew. Já sabe como são os capitães, sempre têm que solucionar um montão de detalhes no último minuto, antes de desembarcar. Ohr estava se aproximando do mole remando, em um bote carregado com o resto da bagagem. Pela quantidade de coisas que levavam, diria-se que foram ficar um mês em lugar de duas semanas. — Cheira-o? — perguntou Margery quase em êxtase — Não te parece que cheira de maravilha? Richard contemplou à mulher como se estivesse louca. — Que diabos está cheirando? Eu o único que cheiro é… — A Inglaterra! Richard levantou suas verdes pupilas para o céu. — Isso é péssimo, você sabe. Os moles de casa, com os ventos soprando sempre, cheiram como um jardim em comparação com isto. Ela soprou. — Gabby deve estar equivocada ao acreditar que nasceu e cresceu aqui. Se assim fora, valorizaria mais sua pátria. Admite-o, o acento inglês que utiliza agora é tão falso como o francês que usava antes, só que este te dá muito melhor. Richard enrugou o nariz censurando-a e respondeu simplesmente: — Um dia destes terão que aprovar uma lei que proíba jogar o lixo ao rio. Margery não esperava que Richard se justificasse com ela só por ter especulado em voz alta a respeito de qual era seu país de origem, assim, simplesmente, respondeu a seu comentário: — Possivelmente já o têm feito só que esta zona de Londres não é exatamente a mais cumpridora da lei e nunca o foi. E não é que me queixe. É maravilhoso voltar a estar em casa, embora só seja de visita. Margery tinha escolhido seguir a Gabrielle ao Novo Mundo, e embora se adaptou a aquela maneira de viver tão diferente, seguia sentindo falta da Inglaterra. Richard não tinha saudades de seu país, mas sim sentia muita de seu irmão Charles, e, ao voltar a estar tão perto dele, não pôde evitar perguntar-se se esta vez não deveria esforçar-se e vê-lo às escondidas sem que seu pai se inteirasse. — Né, já basta de sonhar acordado! — exclamou Margery chamando sua atenção — Já o tem feito bastante durante o trajeto. Utiliza parte desses músculos que desenvolveste e começa a carregar esses baús na carruagem. O chofer me advertiu que ele só conduz, não carrega. Subiram- lhe as fumaças. Sabe que os carros de aluguel escasseiam nesta parte da cidade. Além disso, nos vai cobrar mais quanto mais tempo leve aí sentado. — E acrescentou com um sorriso radiante — Nesta velha cidade nada muda. Não é maravilhoso? Margery era uma mal-humorada crônica, assim que sua atitude entusiasta e sua expressão de júbilo eram muito pouco habituais nela. — Já está com sua cantilena de “tudo é maravilhoso porque estamos na Inglaterra”? — declarou Ohr quando chegou junto ao Richard. — Exato, como sempre — respondeu Richard rindo. — Igual à última vez que estivemos aqui. Quando se sente muita falta de algo e por fim o tem a seu alcance, pode te pôr um pouco eufórico no princípio, embora a euforia vá desaparecendo conforme a realidade se imponha. Richard fez uma careta. Ohr era perceptivo em excesso e Richard sabia que não se referia só ao Margery. De todos os modos, ele não conseguiria o que queria, e os dois sabiam. Mas isto era ao que Ohr sutilmente se referia a que seu amor não era mais que uma euforia temporária e não valia a pena morrer por ele. — Não vais começar você também a te colocar comigo, não? — perguntou Richard.
  17. 17. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 17 As intenções do Ohr eram boas, e em realidade as do Gabrielle também. Se Richard não soubesse, teria se zangado por como eles o tinham pressionado respeito à Georgina Malory durante a viagem, embora, nesta questão, Ohr era definitivamente mais sutil que Gabby. Richard, com seu metro oitenta de estatura, era um homem alto; mas Ohr, como Drew, era vários centímetros mais alto que ele e, provavelmente, uns dez anos mais velhos, embora isto fosse impossível de adivinhar por seu aspecto. Ohr era meio oriental de nascimento. Sua mãe era asiática e seu pai, que tinha navegado pelo longínquo Oriente, era norte-americano. A cara do Ohr não refletia sua idade e naquele momento tinha o mesmo aspecto que oito anos atrás, quando se conheceram, o dia que Ohr liberou a vários membros da tripulação do Nathan da prisão da Santa Lucia. Casualmente, Richard estava na mesma cela que eles e conseguiu convencer ao Ohr de que o deixasse acompanhá-los. Quando Richard se inteirou de qual era sua ocupação, não teve que pensar-lhe muito antes de decidir unir-se a eles. O Caribe não era o destino eleito pelo Richard, simplesmente era o lugar ao que se dirigia o primeiro navio que zarpava da Inglaterra o dia que decidiu abandonar o país. Embora naquele momento não soubesse, ao contar com milhares de ilhas, o Caribe constituiu um bom lugar onde esconder-se. Mas não foi para que um jovem inglês de classe alta trabalhasse. Com dezessete anos e muito exigente para dar-se conta de que, se queria sobreviver naquele lugar tinha que adaptar-se, Richard perambulou de ilha em ilha e de trabalho em trabalho durante um ano. Como era muito arrogante para amoldar-se a trabalhos de pouca categoria, foram-no despedindo uma e outra vez e em mais de uma ocasião acabou em uma cela por não poder pagar o aluguel do mais ínfimo dos tugúrios. Ironicamente, ele e Ohr acabaram nas Índias Ocidentais por razões opostas. Ohr chegou ali esperando encontrar ao pai que nunca conheceu, enquanto que Richard o fez para escapar de um pai ao que não podia suportar. Conhecer o Ohr aquele dia na prisão da Santa Lucia provavelmente salvou a vida ao Richard. Encontrou no Nathan Brooks e sua tripulação uma nova família, novos amigos mais autênticos dos que tinha tido nunca e uma ocupação que gostava. — “Também”? — perguntou Ohr — Gabby te esteve esmagando outra vez com sua preocupação por ti? — Quando nossa querida amiga se ocupou só de seus assuntos? — brincou Richard. — Só há uma coisa em que ela te pressione e, odeio dizê-lo, mas… — Sim, sim, está completamente de acordo com ela — o interrompeu Richard com exasperação. — Está você muito suscetível, mas me responda a isto: ama a Georgina Malory de verdade ou, simplesmente, está apaixonado por sua beleza? Em realidade, não tem por que me responder, só reflete sobre isso. Seus amigos realmente acreditavam que seu amor era tão insubstancial? Ao Richard não importou lhe responder ao Ohr. — Tive uma longa conversa com ela, Ohr. Nunca conheci a uma mulher com a que me resulte tão fácil falar, bom, além do Gabby. E também sei que Georgina tem um senso de humor maravilhoso. Além disso, pude ver, pessoalmente, o quanto é abnegada que é como mãe. E é valente, olhe com quem se casou! E aventureira, o ano passado ajudou a resgatar a um amigo. É perfeita para mim em todos os sentidos! — Salvo pelo fato de que ama a outro homem. Um pequeno inconveniente na vida que queria para si mesmo? As mulheres às que estava acostumado a tratar trabalhavam de garçonetes nos botequins, eram encantadoras companheiras de queda, mas a nenhuma a via como mãe de seus filhos. Durante todos aqueles anos, não tinha conhecido a nenhuma mulher, além do Gabrielle, com a que se imaginasse criando a extensa e amorosa família que ansiava ter, uma família totalmente diferente a aquela em que tinha nascido. Se Gabby e ele não se tivessem feito tão bons amigos e se ela não fora a única filha de seu capitão, ele a teria pretendido. Não tinha conhecido a nenhuma mulher tão apropriada para ele… até que
  18. 18. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 18 conheceu a Georgina Malory. Georgina simbolizava tudo o que ele queria na vida. Não podia renunciar a aquela mulher. Ironicamente, o homem com o que estava casada não o intimidava, ao contrário, infundia-lhe esperanças. Como podia ela amar a um indivíduo tão selvagem como James Malory? Sinceramente, Richard não acreditava que ela o amasse de verdade. E por esta razão estava disposto a esperar até que ela recuperasse a razão e se separasse dele. Queria que ela soubesse que ele a estaria esperando com os braços abertos. Ohr sacudiu a cabeça. — Está bem, não direi nada mais… Em realidade, direi uma última coisa. Eu não gosto dos funerais. Não me obrigue a assistir ao teu. Richard se estremeceu. — Contrariamente ao que Gabby e você pensam de mim, eu prefiro viver minha vida até sua conclusão natural e não terminá-la nas mãos desse animal. Não voltarei a tentar separá-la de seu marido, Ohr, prometo-lhe isso. — De acordo. Se te mantém afastado dela, tudo irá bem. Richard não respondeu, simplesmente, apartou o olhar. Ohr soltou um coice. — O que eu temia. Mas recorda que a advertência do Malory não se referia à possibilidade de que insinuasse a sua esposa, a não ser só a que te aproximasse dela. — Isso é um exagero. A maioria das ameaças se formulam só por uma questão efeito. Com que frequência se cumpre? — Isto depende de quem as profira. James Malory? Se disser que vai fazer-te dano, pode apostar a vida a que o fará. — Acreditei que não fosse dizer nada mais ao respeito — resmungou Richard. Ohr riu entre dentes. — É você quem segue mencionando o tema, meu amigo. Possivelmente porque perdeste o sentido comum e necessita ajuda para recuperá-lo. Tinha razão Ohr? Richard se tinha assegurado a si mesmo que não tentaria voltar a afastar a seu amor de seu marido, mas e se não podia conter-se? Não, ele não era um idiota. — O que fazem os dois aí parados? — perguntou Gabrielle quando se aproximou deles por detrás com o Drew — Já teriam que ter carregado os baús e o ter tudo preparado para partir. Não estão sendo de muita ajuda. — Estávamos esperando a seu marido — respondeu Ohr — Ele é mais musculoso que nós. Gabrielle lançou um olhar de admiração ao Drew, quem estava o bastante perto para ter ouvido o Ohr. — É verdade, não? — corroborou ela com um sorriso. Drew se teria incomodado com o comentário do Ohr, mas o olhar de sua mulher fez que se ruborizasse e os outros se puseram a rir. Uma vez restabelecido o bom humor, Richard apartou a um lado suas preocupações a respeito daquela viagem. Se seus amigos pudessem fazer o mesmo… Capítulo 5 Julia Miller sabia que o baile do Eden seria, sem lugar a dúvidas, o acontecimento da temporada. Não só se aceitaram todos os convites, mas também, pela aglomeração de gente que havia na sala de baile de Park Lane, pelo visto também tinham acudido muitos arrivistas, o que explicava que Regina Eden, a anfitriã, estivesse tão nervosa. Como se tratava de uma festa a fantasia e resultava difícil reconhecer a quão convidados levavam máscaras muito elaboradas, não podia aproximar-se de alguém e lhe dizer: “Você não foi convidado, vá-se”. Em realidade, Regina Eden, que era sobrinha dos quatro irmãos maiores da família Malory, era muito doce para fazer
  19. 19. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 19 algo tão rude. Julia não teria tido problemas em fazê-lo se a comida e a bebida que tivesse preparado não fossem suficientes devido aos que se penetraram sem ser convidados. Aquela noite, Julia ia vestida com suas duas cores favoritas. Seu vestido de festa novo era de seda de cor água-marinha e estava debruado com um cordão turquesa de duplo fio que ia sujeito com fios chapeados. A cor turquesa e a água-marinha ficavam maravilhosas com seus olhos azuis esverdeados e os obscureciam e iluminavam respectivamente, lhe dando o tom intermediário que ela tanto gostava. Era uma lástima que tivesse que levar um dominó que ocultasse parcialmente seus olhos, mas dos três estilos de máscara que havia, o dominó era o mais estreito e só cobria a zona que rodeava os olhos. O sua era muito elaborado e a abertura dos olhos estava enfeitadas com joias cintilantes. O dominó era muito estreito para ocultar a identidade de quem o utilizava, de modo que a Julia não custou reconhecer lorde Percival Alden, quem se abriu passo entre a multidão para aproximar-se dela. Julia o conheceu através dos Malory, pois era amigo dos mais jovens da família desde fazia muitos anos. A pesar do compromisso matrimonial de Julia, ele estava apaixonado por ela. Era alto, de trinta e poucos anos e de aspecto agradável. Percy, como o chamavam seus amigos, procurou a mão dela e a beijou com galanteria. Continuando, suspirou. — Corta-me você a respiração, senhorita Miller, o digo a sério. Não tenho pressa em me casar, embora suponha que, eventualmente, farei. A verdade é que todos meus amigos já se casaram. Entretanto, se você estivesse disponível, estou seguro de que pensaria em me casar muito antes. Ela se ruborizou. Não era a primeira vez que lhe declarava seus sentimentos. Percy era de língua torpe e dizia sem pensar coisas que deveria calar. Julia o tinha visto exasperar a seus amigos por esta razão, embora, em geral, Percy era inofensivo. Julia não lhe contou que suas circunstâncias podiam mudar em curto prazo. Embora ele pudesse ser um marido bastante aceitável, não lhe cortava a respiração. De todos os modos, já tinha chegado a hora de que começasse a procurar um homem que pudesse… Julia deu a resposta esperada a tão ousadas palavras. — Deveria lhe dar vergonha, Percy, todo mundo sabe que é você um solteiro contumaz. Um dos amigos do Percy o chamou para que se reunisse com ele, de modo que Julia não estava segura de que a tivesse ouvido. Ele não parecia querer apartar-se de seu lado, mas ao final voltou a suspirar com resignação. — Por favor, se alguma vez mudarem suas circunstâncias, me tenha presente. — Enquanto se afastava com rapidez, gritou-lhe — E me reserve, também, uma dança! Dançar em meio daquela aglomeração? Julia riu para si mesma. A meia noite se tirariam as máscaras e estava convencida de que, para então, ao menos a terceira parte dos convidados já teriam desaparecido. Mas já teriam conseguido o que pretendiam: ver o único Malory que nunca assistia a eventos sociais e que, portanto, foi um dos principais alvos de rumores e especulação. Aquela noite constituía uma exceção e James Malory tinha ido ao baile porque era oferecido em honra a sua esposa. Os Malory não eram só uma grande família, mas sim também eram ricos e da nobreza e, pelo visto, todos tinham ido ao baile de aniversário da Georgina. Julia os conhecia quase todos e, a alguns, bastante bem. Georgina, sua vizinha, era amiga dela desde fazia muitos anos e tinha convidado a Julia a sua casa com motivo de pequenas celebrações sociais; inclusive para tranquilos jantares “exclusivamente familiares”. Georgina era norte-americana e seus irmãos se dedicavam ao comércio, marítimo e terrestre, como a família da Julia. Um deles assinou um contrato com o pai da Julia antes do acidente pelo que sua companhia naval transportaria carregamentos de lã com regularidade. O têxtil era um dos ramos aos que se dedicavam as múltiplas empresas dos Miller.
  20. 20. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 20 No final do ano anterior, Julia ajudou ao Boyd Anderson, o irmão mais novo de Georgina, que acabava de casar-se com outra Malory e estava procurando uma casa na cidade para viver com sua esposa. Ao longo dos anos, o pai da Julia tinha adquirido umas quantas propriedades excelentes em Londres que tinha aceitado como pagamento de distintas dívidas. Algumas delas se encontravam no bairro alto da cidade, que era muito procurado. Quando o pai da Julia adquiria uma dessas propriedades, não voltava a vendê-la, e Julia apoiava totalmente esta estratégia de investimento. Assim, embora não quis lhe vender ao Boyd a casa que ele queria a alugou a longo prazo, solução que ele aceitou de boa vontade. Sim, ela conhecia bem aos Malory, e sabia que alguns deles, como outros membros da alta sociedade, sentiam lástima por ela. Não porque se estivesse convertendo em uma solteirona, mas sim porque sabiam que não poderia casar-se até que seu ha muito desaparecido prometido retornasse a Inglaterra, o que parecia bastante improvável. A Julia não importava que sentissem esse tipo de lástima por ela. De fato, ela teria sentido o mesmo por qualquer um que estivesse em uma situação tão patética como a sua. Embora a maioria das pessoas fosse bastante amáveis para não mencionar o tema de seu compromisso matrimonial nas conversações — Percy constituía uma exceção! — Isso mudaria logo. Isso esperava ela. O dia seguinte à conversação que manteve com a Carol visitou seu advogado. Ele já tinha começado a trabalhar naquela questão, embora lhe tivesse advertido que o conde de Manford certamente faria todo o possível para atrasar as ações legais. Assim livrar-se daquele horrível contrato podia tomar mais tempo de que acreditava. — Sabia! — exclamou Carol quando chegou ao lado da Julia — Só terá que olhá-lo para saber que tudo é verdade; todas essas coisas espantosas e brutais que se hão dito sobre ele. Julia conseguiu não tornar-se a rir. Carol parecia falar tão a sério! Mas quando a olhou atentamente à cara, que estava parcialmente coberta por um dominó rosa pálido adornado de joias, deu-se conta de que Carol falava muito a sério. Sairia pela porta em um segundo se Julia não conseguisse convence-la do ridículo que era que fundamentasse sua opinião sobre o James Malory só em rumores. Pode ser que, em determinado momento, James e Anthony, os dois irmãos menores dos Malory, fossem realmente briguentos e que, ao não perder um só duelo, já fora a murros ou com pistolas, adquirissem a fama de ser mortíferos. Isto era inegável, mas ocorreram anos atrás. Por desgraça, algo assim podia conduzir facilmente a acusações muito piores. De todos os modos, as especulações que, por esta causa, faziam-se sobre o longo tempo que James Malory esteve fora da Inglaterra eram simplesmente ridículas: que se o tinham enviado à colônia penal da Austrália onde tinha matado a todos seus carcereiros para escapar, que se tinha sido um pirata em mares enfurecidos onde afundava navios simplesmente por prazer, que se tinha sido o cabeça dos contrabandistas do Cornualles e que ao final o tinham encarcerado por Estes assassinatos eram só umas das muitas histórias mais descabeladas que murmuravam sobre ele as pessoas que não o conheciam pessoalmente, a ele ou a sua família. Embora a razão pela que James desapareceu durante tantos anos ou o que fez durante sua ausência não incumbia a ninguém, a alta sociedade era conhecida por seu afã de fofoca e, apesar de que a maioria se contentava com os escândalos reais, aqueles que não obtinham a informação que desejavam, simplesmente, a inventavam. Julia estava convencida de que a maioria dos rumores que circulavam a respeito do James Malory não tinha um fundamento real. Seu ar ameaçador e seu caráter esquivo, que impedia que outros o conhecessem, eram as causas de que as pessoas especulassem no sentido equivocado. Julia, efetivamente, estava convencida de que ele podia ser mortífero se o provocavam, mas quem em seu são julgamento o provocaria? James era corpulento, loiro e bonito, e teria chamado a atenção embora as pessoas não tivessem adivinhado quem rondava ao redor da formosa e miúda convidada de honra vestida de cor rubi. Formavam um casal realmente chamativo. Aquela noite, a diferença de todo o mundo,
  21. 21. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 21 James não levava posta uma máscara. Esta pendurava do braço de sua mulher e Julia se deu conta de que Georgina o apressou mais de uma vez para que a pusesse. Ele só a olhou fixamente e de uma forma inexpressiva e se negou a fazê-lo. A Julia pareceu divertido. Era tão típico de James Malory detestar tudo o que fora de natureza frívola! As máscaras mais elaboradas cobriam todo ou meio rosto e, diferente dos dominós, ocultavam a identidade das pessoas. Entretanto, Julia estava segura de que teria reconhecido ao James embora tivesse levado posta uma máscara completa. Seu corpo resultava inconfundível e, pelo musculoso que era, podia dizer-se que era brutal. Além disso, só ele levava o cabelo comprido até os ombros, o que não estava nada na moda. Possivelmente, se tivesse posto a máscara, Carol poderia ter desfrutado da noite sem lhe ter medo. Julia tinha que pôr à corrente a sua amiga. — James Malory odeia as reuniões sociais, Carol, realmente não as suporta. Mesmo assim, está aqui esta noite porque ama a sua mulher e nunca a decepcionaria não assistindo a sua festa de aniversário. — De verdade as odeia? — Sim. — Isto explicaria por que não assiste a nenhuma, não? — Certamente. — Acreditei que era porque é tão desagradável… mas tanto —acrescentou com voz ainda mais baixa — que nenhuma anfitriã quer inclui-lo em sua lista de convidados. Julia conseguiu conter a gargalhada que ameaçava saindo de sua garganta. — Sabe de quem estamos falando, não? De uma das famílias mais capitalistas do reino os convidam a tudo — disse secamente. — Seguro que a outros sim, mas o duvido — resmungou Carol mostrando seu desacordo. — A ele sobre tudo, Carol, ou não notaste quão abarrotada está a festa? Não acreditará que lady Eden tenha convidado a todas estas pessoas, não? Se a reputação do James Malory não fora tão notável, a alta sociedade não estaria tão ansiosa de conhecê-lo por fim, o que explica que os convites estivessem tão cotados e que tantas pessoas se apresentaram à festa sem estar convidadas. Como compreenderá, ele também sabe, e até sabendo que seria o centro de atenção, veio por sua esposa. — Parece muito considerado por sua parte, não? — Me deixe que lhe o presente — sugeriu Julia — Está acostumado ser muito gentil com as damas. Quando o conhecer, não voltará a acreditar esses estúpidos rumores a respeito dele. Mas Carol não acessou e sacudiu a cabeça redondamente. — Não é necessário. Deixaremos que ele siga naquele extremo da sala e ficaremos neste, obrigada. Pode não haver o menor indício de verdade nesses rumores e ele é muito mais bonito do que eu esperava, mas segue sem me parecer nada acessível. Para começar, não lhe sorriu nenhuma só vez a sua esposa. Provavelmente nem sequer sabe como se faz! E eu vejo que ninguém se atreve a fazê-lo surgir. Diga o que diga Julia, ainda há algo nele que me produz calafrios. É como se estivesse disposto a lhe arrancar a cabeça a qualquer que lhe aproxime. — Que imagem tão horrível! — exclamou Julia voltando a conter a risada que lhe provocou a gráfica imaginação de sua amiga— Eu sinto por ti. — É verdade! Pode ser que seja o homem mais encantador que exista, inclusive é provável que o seja. Vê-o? Escutei atentamente seu raciocínio, mas segue tendo aspecto de ogro, como você mesma o chamou antes. — Eu não o chamei nada parecido — protestou Julia — Em realidade me referia a que deveria deixar de pensar nele como se o fora.
  22. 22. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 22 — Que não é um ogro? — declarou Carol com voz triunfal — Olha-o agora mesmo e me diga se o for ou não. Se seu aspecto não for o de um homem que está pensando em matar a alguém não sei o que é. Julia franziu o cenho, seguiu o olhar da Carol e vá, teve que estar de acordo com ela! Se lembrasse em todas as vezes que tinha estado na mesma habitação que James Malory, não recordava havê-lo visto nunca daquela maneira. Se as olhadas pudessem matar, alguma pessoa daquele salão já estaria morta. Capítulo 6 — Não me posso acreditar que te tenha apresentado aqui — declarou Gabrielle dando um toque nas costas de Richard para chamar sua atenção. Ele se deu a volta emitindo um grunhido de frustração. Embora soubesse que sua cara ficava perfeitamente oculta detrás de sua máscara de palhaço triste, uma máscara completa que dava um calor de mil demônios, esforçou-se em manter-se fora da vista do Gabby, James e dois velhos conhecidos que acreditava ter reconhecido. Mas não pensava permitir que Gabrielle voltasse a repreendê-lo, pois ele também tinha algo que lhe reprovar. — Parece-me incrível que não me contasse que a celebração do aniversário da Georgina era um baile de máscaras! Não te deu conta de quão perfeito é para mim? Agora suas preocupações não têm sentido. E como demônios me reconheceste? — Por seu cabelo, claro. — Deveria me haver posto um vestido — brincou ele — Como não me ocorreu? — Porque embora houvesse mulheres tão altas como você, que não as há, já não está tão magro para que te caiba nenhum vestido. E te agache antes que ele te veja — lhe sussurrou enquanto o arrastava ao extremo da sala. Aquilo se estava começando a parecer com sua última discussão. Richard não acreditava que pudesse suportar que voltassem a lhe dizer que não. Gabrielle se tinha mostrado muito dura desde que chegaram ao porto. Como só havia uma carruagem para os cinco, decidiram que Ohr e ele deixassem a Gabby, Margery e Drew na casa dos Malory e que logo fossem procurar um alojamento para eles, mas Gabrielle se negou a esta ideia mesmo antes de abandonar o porto. Arrastou ao Richard a um lado e lhe explicou que não queria que se aproximasse da casa dos Malory não, nem sequer ao meio-fio da calçada de em frente. — Não está sendo razoável. O mais provável é que ele não se lembre de mim. Quase me dobra a idade e certamente isto o faz ser bastante esquecido. Gabrielle soltou uma gargalhada de incredulidade. — Está chamando-o velho quando está em seu melhor momento? Não te engane, Richard. Pode ser que tenha ganhado um pouco de peso desde que te conheceu e que agora tenha um corpo bem formado, mas sua cara é a mesma e, para que saiba, é muito bonito e sua cara resulta inesquecível. Eu te reconheceria em qualquer lugar e ele também. Diabo, certamente, até sua antiga babá te reconheceria! — Eu nunca tive uma babá — respondeu ele com frieza. — Não tente esquivar a questão que te estou expondo. Não lhe passará despercebido. Ele recordará ao homem que sua mulher esbofeteou por lhe fazer insinuações em seu próprio jardim e em presença de seus dois filhos! Aquele mesmo dia te teria açoitado para te dar uma surra se eu não lhe tivesse prometido que nunca voltaria a te aproximar dela. E apesar de minha promessa, deixou muito claro o que te ocorreria se você a rompesse. Como se ele não soubesse já tudo aquilo! Como se lhe importasse, quando ansiava ver a Georgina com todo seu ser! — Tenha piedade, Gabby — declarou Richard apelando a seu lado bondoso — Não me aproximarei dela, mas ao menos me deixe vê-la uma última vez. Poderia organizá-lo para mim.
  23. 23. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 23 Esse animal com quem está casada nem sequer tem que inteirar-se de que estou aqui. Escolhe um dia que não esteja em sua casa. — Por que não pode…? — começou Gabrielle, mas então assimilou o que Richard acabava de dizer e bruscamente retificou o que ia dizer — Uma última vez? E depois a separará de sua mente? Richard não queria lhe mentir e podia aliviar sua preocupação sem fazê-lo. — Ela é uma causa perdida para mim. De verdade pensa que não sei? Richard acreditava que Gabrielle ficaria de seu lado, mas ela disse com o cenho franzido: — Isto é procurar problemas, Richard. — Então seu pequeno queixo se levantou em sinal de sisudez e acrescentou — Em realidade, não. Sinto muito, mas é meu melhor amigo e não vou ajudar-te a avançar por esse caminho de destruição que pelo visto quer seguir te esqueça dela! Richard levantou as mãos em sinal de frustração. — Está bem! Você ganha! Afogarei minhas penas em álcool. Seguro que Ohr, quem está de acordo contigo, ao menos nisto me ajudará — disse Richard empreendendo o caminho de volta à carruagem. Tinha decidido não discutir mais com ela. Teria que encontrar por si mesmo a maneira de voltar a ver a Georgina. E o conseguiria. — E como conseguiu roupa de etiqueta tão depressa? — perguntou-lhe Gabrielle lhe dando uma rápida e zangada olhada a sua roupa formal — Chegamos faz só dois dias. Acreditei que sua roupa de antes já não ia bem. — Assim é, mas no St. Kitts há um bom alfaiate ao que acudo há anos e, nesta viagem, vim preparado para tudo. — vieste preparado para morrer! Meu Deus, não posso acreditar que esteja na mesma habitação que ele! — Está-o exagerando muito, Gabby, ele não me matará só porque olhe a sua mulher. — Sua terrível ameaça especificava que não podia te aproximar dela nem à distância, e embora a gente pudesse ignorar uma ameaça como esta de qualquer outro homem, não ocorre o mesmo com ele. E como se inteirou de que se celebrava este baile? — Me deveria haver isso dito você. Para ouvir sua recriminação, o cenho franzido do Gabby se acentuou. — Não, não lhe deveria haver isso dito, que é a razão de que não o fizesse. Como se inteirou? Sua obstinação fez que Richard suspirasse. — Aquele hotel no que nos deixou (por certo, obrigado, porque é um dos melhores da cidade) dispõe de várias carruagens para os hóspedes. Ontem tomei uma emprestada. Inclusive lhe dava o dia livre ao condutor depois de que o estacionasse em frente da casa da Georgina. Fiquei ali sentado esperando, para poder vê-la embora fora fugazmente quando saísse da casa, mas não o fez. — Georgina tem convidados, de modo que é lógico que não saísse de sua casa, mas isto tampouco explica como se inteirou de que se celebrava o baile e onde. — Levava ali escondido quase todo o dia quando duas mulheres da zona passaram junto a mim. Suponho que o fato de que a casa dos Malory estivesse ao outro lado da rua fez que o tema do baile surgisse na conversação que mantinham. Eu quase me caí da carruagem tentando ouvir o final do que diziam. Gabrielle suspirou. — Normalmente, tem muito sentido comum… menos quando se trata dela, então não tem nada absolutamente. E como entrou sem convite? Richard sorriu amplamente, pois a pergunta lhe trouxe para a memória todas as canalhices que realizou quando fez todo o possível para que seu pai o repudiasse, embora nenhuma funcionasse.
  24. 24. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 24 — Da mesma forma que os dois jovens que estavam diante da casa discutindo sobre como entrar — respondeu Richard — Os segui até a parte traseira da casa e os vi saltar o muro do jardim. Por certo, o jardim é condenadamente pequeno em comparação com o dos Malory, e, além disso, estava abarrotado, sobre tudo de pessoas que tinham entrado da mesma maneira. Os que viram nossa irregular forma de entrar, simplesmente, puseram-se a rir. Gabrielle soltou um coice. — Ohr te respaldou nesta loucura? Supunha-se que tinha que te vigiar. Não compartilha a habitação com ele para que não te perca de vista? — Assim é, mas o fiz zangar-se e teve que partir para tranquilizar-se antes que chegássemos às mãos. — Não me posso acreditar nisso! —exclamou Gabrielle. — Não foi fácil. Já sabe quão imperturbável é. — Fez-o zangar a propósito? — O gesto de culpabilidade do Richard fez que ela o repreendesse — Lhe deve uma desculpa. — Sei. — Agora seria um bom momento para fazê-lo. Sai daqui, Richard, enquanto ainda possa. Ele calculou suas opções e decidiu que seguir discutindo com ela não o levaria a nenhuma parte, assim assentiu com a cabeça e se dirigiu ao jardim. Ao menos tinha visto a Georgina. Céus era tão formosa como a recordava, e seguia querendo-a de verdade! O tempo não tinha apaziguado este sentimento. Confiou em que Gabrielle acreditasse que já tinha conseguido seu objetivo e que se ia, mas ter visto seu amor àquela noite não era suficiente, não enquanto estivesse na Inglaterra e tão perto dela. Pelo visto, Gabby considerava que havia muito em jogo e não confiava no Richard totalmente. De fato, seguiu-o até ao terraço que dava para o jardim, o que obrigou ao Richard a saltar o muro e desaparecer de sua vista. Mas Richard não partiu, mas sim esperou ao menos dez minutos antes de olhar por cima do muro e comprovar que Gabby tinha retornado à sala de baile com o Drew. Resultaria fácil assegurar-se de que ela não voltava a descobri-lo. As máscaras completas eram uma maravilha, ao menos para aquela noite. Cobriam toda a cara salvo os olhos, o que, evidentemente, era a causa de que resultassem tão incômodas. Richard já tinha localizado a outro homem que levava uma máscara completa mais distinta a dele e que estava sozinho no jardim, perto do terraço. Voltou a saltar o muro e se aproximou com rapidez daquele homem sem perder de vista a terraço para assegurar-se de que Gabby não o via. Demorou um instante em dar-se conta de que aquele homem também estava vigiando a terraço. — Quer intercambiar a máscara comigo, amigo? — perguntou Richard. — Não. O homem nem sequer o olhou! Seu olhar se deslocava das duas portas que comunicavam com o salão ao relógio de bolso que sustentava na mão. Era evidente que esperava com impaciência a que alguém se reunisse com ele. O fato de que sua máscara não fora de palhaço triste era uma sorte, pois Richard já tinha visto uns quantos homens com uma máscara igual à dele, de modo que voltou a tentá-lo. — Dez libras? Esta vez o homem o olhou e inclusive se riu. — Já vejo que está desesperado. E a verdade é que, se minha amada não me tivesse comprado expressamente esta máscara para me localizar entre a multidão, aceitaria sua oferta. De todas as maneiras, eu lhe enviei o recado de que a esperaria aqui, no jardim, pois tinha a impressão de que este lugar estaria até os batentes. — Então tema resolvido, porque você a reconhecerá, não? — Não posso assegurá-lo, e esta noite estou decidido a vê-la por cima de tudo.
  25. 25. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 25 Como a amada daquele homem já chegava tarde e apareceria em qualquer momento, Richard sugeriu: — E depois de que a tenha visto? O homem voltou a negar com a cabeça. — Não posso. Ela me comprou isso. Imagina o que pode ocorrer se der de presente algo que sua amada te comprou? Ninguém, em todo o jardim, levava um disfarce tão perfeito como o daquele homem, de modo que Richard exalou um penoso suspiro. Possivelmente deveria ir-se. Provavelmente o destino o estava empurrando a isso. Mas o jovem deve ter ouvido seu suspiro. — Não posso te dar minha máscara, mas vim com um amigo. Possivelmente ele aceite. Depois de tudo, aquele homem era uma boa pessoa, porque inclusive se foi em busca de seu amigo, quem rapidamente intercambiou a máscara com o Richard. Por desgraça, a este não gostou absolutamente sua nova máscara: uma máscara de demônio salpicada de chifres de cerâmica que nem sequer cobria a totalidade do rosto. A meia máscara deixava ao descoberto sua boca, mas, ao fim e ao cabo, as bocas não eram tão distintivas. Além disso, não tinha mais opções. Ao menos Gabrielle não o reconheceria tão facilmente, embora possa ser que abordasse ao homem que levava sua velha máscara de palhaço. Mas, ao dar-se conta de seu engano, simplesmente se sentiria um pouco envergonhada e deixaria de buscá-lo confiando em que se foi. Disfarçado, uma vez mais, a seu gosto — esta vez inclusive tinha escondido seu comprido cabelo no interior de sua jaqueta — Richard se dispôs a arriscá-lo todo outra vez por umas quantas horas de contemplar a Georgina da distância. No fundo de sua mente o acossava o temor de que se sentisse tentado a fazer mais que isso, mas Richard o ignorou. Tinha que ignorá- lo, porque, sinceramente, não queria morrer pelo amor da mulher de outro homem. Capítulo 7 A funesta expressão dos olhos do James Malory não era algo passageiro, mas sim persistia por isso a curiosidade da Julia aumentou. Mas não via o que ou quem tinha atraído a furiosa atenção do James. Fora quem fosse, estava no mesmo lado da sala que ela, mas dúzias de pessoas limitavam sua visão. Quando Carol quis levá-la até onde estava Harry, seu marido, para lhe apresentar ao amigo com o que estava falando, Julia se desculpou e, agilmente, abriu passagem entre a multidão de vez em quando olhava por cima do ombro dos outros e ficava nas pontas dos pés para comprovar que se estava alinhando com o olhar do James.
  26. 26. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 26 Ao cabo de uns minutos o viu com claridade frente a ela, mas se sentiu decepcionada ao ver que chegava muito tarde. James havia tornado sua atenção a sua esposa e lhe falava inclinando-se para ela. Inclusive a beijou na bochecha, o que provocou um enternecido suspiro coletivo na sala e, continuando, múltiplos risos envergonhados. Georgina, para ouvir a reação da multidão, pôs-se a rir. James levantou o olhar ao teto com desespero. Sem dúvida, porque também tinha ouvido o suspiro. Mas então um dos múltiplos familiares da Georgina se aproximou para falar com ela e o olhar do James voltou para lugar ao que se dirigia antes. Julia, como Carol, não pôde evitar sentir um calafrio quando ele pareceu fixar sua fera olhar justo nela. Então se deu conta de que devia estar olhando a uma das quatro pessoas que estavam diante dela, ao bordo da multidão que estava de cara à pista de baile. A música se deteve brevemente e os casais que estavam dançando abandonaram a pista, o que permitiu a Julia ter uma visão mais clara do James. Embora seu inexpressivo rosto seguisse sem refletir nada, seus olhos verdes eram letais. Resultava surpreendente que pudesse estar pensando em matar a alguém e um não soubesse até que o olhasse aos olhos. Julia chegou à conclusão de que James devia guardar seus sentimentos para si mesmo que naquele momento os estava mostrando de uma forma deliberada. Estaria enviando uma mensagem a alguém? Julia tentou adivinhar quem captava a atenção do James. Das quatro pessoas que estavam diante dela lhe dando as costas, uma mulher e três homens, a mulher e um dos homens era evidente que estavam juntos. O segundo homem era baixo e fornido e resultava fácil olhar por cima dele. O terceiro homem era o bastante alto para destacar entre a multidão. O homem e a mulher estavam tão absolvidos na conversação que mantinham que não se deram conta de nada e, quando a música voltou a soar, transladaram-se à pista de baile. O olhar do James não os seguiu, o que reduzia as opções aos outros dois homens. O baixinho se voltou de repente e se afastou com rapidez. Quando passou junto à Julia ela percebeu seu nervosismo. Depois desapareceu por uma das portas abertas que comunicavam com o terraço. O olhar do James tampouco o seguiu. Isto deixava só ao homem alto. Além dos membros da família Malory, Julia não conhecia muitos homens que fossem tão altos como aquele, e não era provável que James estivesse tão furioso com um de seus familiares. Embora, de fato, isto devia ser! Claro, os irmãos da Georgina! Como podia ter esquecido que James não ocultava sua antipatia para eles? Quase não os suportava. Aquele homem alto e largo de ombros podia ser um dos cinco irmãos da Georgina. A Julia não os tinham apresentado a todos, mas os que conhecia não tinham o cabelo negro como ele. Além disso, se o pensava bem, James podia não sentir simpatia pelos irmãos Anderson, mas não lhe lançaria olhadas assassinas a nenhum deles. Então se deu conta de quão absurdas eram suas especulações. A menos que reconhecesse a aquele homem, o que resultava duvidoso posto que, como todo mundo, levava posta uma máscara, o que podia descobrir? Não podia, simplesmente, lhe dizer que ia morrer e lhe perguntar a razão. Não, certamente não conseguiria averiguar nada. Quando se voltou para ir em busca de Carol, um forte suspiro a deteve obrigando-a a voltar a olhar as amplas e masculinas costas. Deu-se conta por fim aquele homem do indiscreto olhar do James? De ser assim, Julia esperava que se voltasse e saísse a toda pressa da habitação, mas não o fez. Em realidade, aquele suspiro tinha sido bastante lastimoso, quase dilacerador, assim não devia estar relacionado com o James Malory. Provavelmente, aquele homem ainda não sabia que estava em perigo. Devia adverti-lo? Embora as damas da aristocracia estivessem limitadas pela regra que estabelecia que não pudesse falar com um homem ao que não tivesse sido apresentada, este não era o caso da Julia. No mundo dos negócios, ela tinha que falar com desconhecidos
  27. 27. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 27 continuamente. Embora, em realidade, aquilo não era de sua incumbência e, além disso, sua curiosidade a empurrava a tirar conclusões que podiam não ser acertadas. Julia voltou a dá a volta para ir-se, mas então, horrorizada, encontrou-se dando toques no ombro daquele homem. Foi por seu patético suspiro! Como podia ignorar algo tão triste? — Encontra-se bem? — perguntou-lhe. Ele se deu a volta e Julia se sobressaltou ao ver a máscara de demônio que levava. Entretanto, tratava-se de uma meia máscara, e por debaixo se percebia a sombra de um bigode, uns lábios sensuais e um queixo firme. Apenas lhe deu uma olhada e voltou a olhar por cima de seu ombro ao que tinha estado captando sua atenção. — Olhe-a, é magnífica, não crê? — declarou exalando outro suspiro. Tinha um leve acento, embora Julia não soubesse identificá-lo. De todos os modos, perguntou-se se tinha ouvido sua pergunta. —Parece você loucamente apaixonado — declarou ela assinalando o óbvio. — Estou mais que apaixonado, quero-a desde que a vi pela primeira vez, no ano passado. — A quem? — Lady Malory. Julia conseguiu conter uma gargalhada, porque isto era quão último esperava ouvir, embora sem dúvida explicasse a animosidade do James. Depois de tudo, sua curiosidade tinha ficado satisfeita. Para os Malory a família era muito importante. Não importava a qual das Malory se referia aquele homem, pois todas as que havia ali aquela noite estavam casadas e, em qualquer caso, James se sentiria ofendido. “Ofender a um era ofender a todos” podia ser o lema da família. A menos que… não, aquele homem não podia ser um dos Malory que estivesse admirando a sua mulher da distância, pois todos estavam ali, naquela sala, e eram facilmente reconhecíveis porque levavam dominós. — A que lady Malory se refere? — perguntou Julia — Ao baile vieram pelo menos cinco e todas estão… —A Georgina. —… casadas! — terminou Julia com um coice. Se aquele homem tinha que estar perdidamente apaixonado por uma delas, não podia ter elegido pior. — Sou terrivelmente consciente deste horrível feito — respondeu ele. — E é você consciente de que seu marido leva a menos quinze minutos lhe lançando dardos com o olhar? Para ouvi-la, aquele homem apartou em seguida o olhar da Georgina e a cravou na Julia. — Mas se não puder me haver reconhecido! Não me hão convidado. Seguro que nem se imagina que estou aqui! Julia se encolheu de ombros. —Tanto se souber quem é você como se não, resulta óbvio que lhe incomoda que você leve tanto tempo olhando a sua esposa. — Estou morto — grunhiu ele. O mesmo pensava ela, mas não pôde menos que arreganhá-lo. — De verdade não se deu conta de que ele o estava observando? — Mas se não podia apartar os olhos dela! Cegado pelo amor? Julia ainda sentia um pingo de pena por ele, mas agora muito mais atenuada porque conhecia o casal envolvido e sabia quão felizes eram. Além disso, eram amigos dela, e aquele homem não o era. — Deveria ir — lhe disse. — Não servirá de nada, ele alcançará… a menos que creia que cometeu um engano. Você poderia me ajudar a fazer acreditar. Quereria você me salvar a vida?
  28. 28. Johanna Lindsey - Inimigos Perfeito 28 — Quer lhe fazer acreditar que estamos juntos? — Exato. — Bom, suponho que poderíamos dançar. — Obrigado, mas isso não será suficiente. Devemos lhe fazer acreditar que você é a única mulher em minha vida, possivelmente inclusive que estamos casados. E os casais casados se beijam… — Né, um momento! — queixou-se ela com brutalidade — Não penso ir tão longe quando nem sequer… —Por favor, chérie — a interrompeu ele com um tom suplicante. Aquela repentina expressão francesa sobressaltou a Julia. Ele tinha falado em um inglês tão perfeito que nunca teria imaginado que era francês. Seu acento se foi acentuando conforme falava. — Se for sem esta demonstração de que o objeto de meu amor é outra mulher, agredira- me. Prometeu fazê-lo se me aproximava de sua mulher outra vez. — Então não deveria você ter vindo! — Sei. —Voltou a exalar outro lastimoso suspiro — Mas ansiava tanto embora só fora voltar a vê-la, que não pude resistir. Alguma vez esteve apaixonada? Não sabe o que é? De novo conseguiu que ela sentisse lástima por ele. Julia, evidentemente, não sabia o que era estar apaixonada, pois tinha estado encadeada a seu horrível prometido durante toda a vida, o que tinha mantido a distancia a todos os homens que conhecia. De fato, nunca a tinham beijado. Quem se teria atrevido sabendo que estava prometida? Entretanto, agora que ele tinha mencionado o tema do beijo, a Julia custava apartar os olhos de seus lábios. — Está bem, mas que seja rápido — declarou Julia esperando não ter que arrepender-se — Não quero que ninguém, além do James, veja-nos. Capítulo 8 Se não se tratasse de seu primeiro beijo, Julia nunca teria acessado, mas como tinha completado vinte e um anos e nunca lhe tinham dado um beijo romântico, a proposta lhe resultava tentadora. Não se tratava de uma curiosidade do momento, mas sim de um poderoso desejo que a acompanhava desde que tinha quatorze anos, que era quando suas amigas receberam seus primeiros beijos e lhe contaram quão emocionante era. Esse era outro elemento que alimentava o descontentamento que seu compromisso matrimonial lhe provocava. Por sua causa se perdeu tantas coisas! O nervosismo de sua apresentação em sociedade. — Céus, se durante um ano inteiro suas amigas não pararam de rir nem falaram sobre outra coisa! — a excitação da inocente paquera que todas menos ela experimentaram inclusive antes de sua apresentação em sociedade… Cada vez que Julia se dava conta do que se estava perdendo por culpa dele, dava-lhe mais gana de matá-lo se retornasse alguma vez. Mas não ser beijada nem sequer uma vez e não poder experimentá-lo embora só fora para saber o que se sentia era, provavelmente, o que Julia mais lamentava. Em teoria, deveria lhe haver sido fácil, pois ela já tinha um prometido, mas a última vez que se viram ela tinha dez anos e ele quinze e acordaram matar o um ao outro se voltassem a estar o bastante perto para fazê-lo. E suas ameaças não eram vãs desprezavam-se tanto que cada encontro acabava em uma violenta discussão de um tipo ou outro, de modo que, a partir de então, evitaram ver-se e, dois anos mais tarde, ele, graças a Deus, desapareceu e ela não teve que voltar a vê-lo. A Julia teria gostado de dispor, ao menos, de outro beijo para poder compará-lo com aquele. Então possivelmente não se haveria sentido tão fascinada por ele. O beijo começou quando ela concordou a dar-lhe. Ele não tirou a meia máscara porque nada impedia que sua sensual boca se unisse a dela. Julia se sentiu brevemente decepcionada por

×