Trabalho de Técnicas construtivas II

1.852 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.852
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
179
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
57
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de Técnicas construtivas II

  1. 1. UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPACÓ -UNOCHAPECOESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRAClaudia Dal Bem BassottiEdinéia Rontani ChieliEster Ferron
  2. 2. 31. INTRODUÇÃO ............................................................................................................042. ESQUADRIAS ...............................................................................................................052.1. ESQUADRIAS DE MADEIRA.................................................................................052.1.1. Portas ............................................................................................................062.1.1.1. Instalação ................................................................................................082.1.2. Janelas ...........................................................................................................102.1.2.1. Intalação ........................................................................................................112.1.3. Conservação e manutenção ...........................................................................132.2. ESQUADRIAS DE FERRO .......................................................................................142.2.1. Portas ...........................................................................................................152.2.2. Janelas .............................................................................................................162.2.2.1. Instalação ................................................................................................172.2.3. Conservação e manutenção ................................................................................183. CONCLUSÃO ....................................................................................................................194. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .............................................................................20
  3. 3. 4LISTA DE FIGURASFigura 01: Porta laminada para verniz .................................................................................06Figura 02: Porta laminada para pintura ..............................................................................06Figura 03- Porta almofadada simples .................................................................................06Figura 04: Componentes da porta de madeira ...................................................................07Figura 05: Aplicação de poliuretano .................................................................................09Figura 06: Guarnição ........................................................................................................10Figura 07: Janela veneziana de correr ...............................................................................11Figura 08: Janela veneziana de abrir .................................................................................11Figura 09: Janela Guilhotina ..............................................................................................11Figura 10: Janela de correr sem grade ..............................................................................11Figura 11: Janela basculante .............................................................................................11Figura 12: Janela maxim-ar ..................................................................................................11Figura 13: Componentes da janela ...........................................................................................11Figura 14: Fixação das cunhas .................................................................................................12Figura 15: Cunhas fixadas ........................................................................................................12Figura 16: Aplicação de espuma ..............................................................................................13Figura 17: Porta corta fogo blindada .................................................................................15Figura 18: Portão de garagem ...........................................................................................15Figura 19: Portão de cobre ...............................................................................................15Figura 20: Porta balcão de correr ......................................................................................15Figura 21: Porta de abrir ...................................................................................................15Figura 22: Janela veneziana ...............................................................................................16Figura 23: Janela de correr ................................................................................................16Figura 24: Janela basculante .............................................................................................16Figura 25: Janela de correr .................................................................................................16Figura 26: Janela maxim-ar ...............................................................................................16Figura 27: Chumbadores ..................................................................................................18Figura 28: Contrafecho .....................................................................................................18Figura 29: Fecho com trinco ..............................................................................................18
  4. 4. 51. INTRODUÇÃOEste trabalho pretende dar uma visão geral sobre esquadrias de madeira e ferro, elementosde grande importância em uma construção, pois alem de embelezarem a obra, iluminam eprotegem o ambiente..Serão expostos alguns modelos de esquadrias fabricadas com esses materiais, bem como oprocesso de instalação e execução. Além disso, serão abordadas algumas formas de seconservar tais esquadrias ao longo do tempo, prolongando assim a sua vida útil.
  5. 5. 62. ESQUADRIASEsquadrias são elementos de vedação utilizados no fechamento das aberturas, evitandoassim a passagem de agentes externos como calor, chuva, vento, poeira, etc. Fazem parte dosacabamentos, sendo, portanto, executadas nas etapas finais de uma obra.A esquadria deve apresentar uma boa estanqueidade ao ar e à água, além de um isolamentotermo-acústico. É importante também que mostre-se resistente às cargas uniformementedistribuídas e às operações de manuseio. Deve apresentar ainda eficiência na iluminação eventilação, durabilidade e, evidentemente, beleza.Tais características devem ser levadas em consideração ao escolher uma esquadria.Todavia, além desses fatores, é preciso analisar a ocupação do espaço internoe externo que as esquadrias apresentam, a facilidade de limpeza, manutenção, utilização econservação.Dependendo do que foi especificado no projeto e da ferragem que vai ser utilizada, portas ejanelas podem assumir diferentes formatos: de abrir, correr, veneziana, vai-e-vem, basculante,pivotante, sanfonada, etc, com eixo central ou não. Para conseguir combinações de vento eiluminação pode-se combinar panos opacos e transparentes, venezianas e vidros.Os tipos mais comuns de aberturas são janelas e portas, porém, existem outros nem tãocomuns, como telas, grades, cobogós, portões, alçapões e gradis.É importante citar algumas das referências normativas que dizem respeito às esquadrias:- NBR 10821/11 – Esquadrias externas para edificações- NBR 10821-1/11 - Esquadrias externas para edificações – Terminologia- NBR 10821-2/11 - Esquadrias externas para edificações – Requisitos e Classificação- NBR 10821-3/11 - Esquadrias internas para edificações - Métodos de ensaio- NBR 15873/10 - Coordenação modular para edificações- NBR 10821/11- Caixilhos para edificações – Janelas2.1. ESQUADRIAS DE MADEIRA
  6. 6. 7Há algum tempo, as esquadrias de madeira eram muito utilizadas, mas, hoje, com as novastecnologias vem surgindo materiais que estão ocupando seu lugar. Um deles é o PVC.Apesar disso, as esquadrias de madeira têm as suas vantagens. São duráveis, possuemisolamento termo-acústico e relativa facilidade de manutenção, apresentam a possibilidade depintura em diversas cores e de instalação de grades fixas ou móveis. Além do mais, a madeiraé o material de construção ecologicamente mais correto, e com uma beleza naturalincomparável.Atualmente, existem no mercado, diversos tipos de madeira, com valores variando deacordo com a qualidade do produto. Há madeiras mais caras, de excelente qualidade, comoimbuia, cerejeira, mogno, e itaúba; porém, a maioria delas não é encontrada em nossa região.Por outro lado, madeiras de menor valor, tais como canela, pínus e eucalipto, cuja resistênciaé menor. Por isso, são mais recomendadas para aberturas internas.2.1.1. PortasO uso de portas de madeira é bastante comum em aberturas internas devido à isolaçãoacústica, térmica e pela menor incidência de umidade. Visando a estética do ambiente, elaspodem ser de 100% madeira, mdf, compensado, madeira alumínio, laminadas e almofadadas,etc. Podem ser de montagem artesanal ou já virem prontas para serem instaladas na obra, oque é a mais comum.Alguns dos tipos mais comuns de portas (internas e externas) disponíveis no mercado são:Figura 01: Porta Figura 02: Porta Figura 03: Portalaminada para verniz laminada para pintura almofada simples
  7. 7. 8É importante salientar que as portas são compostas por batente, folha, guarnição, sôcolo ousoco, mata-junta ou batedeira, e pelas ferragens.Figura 04: Componentes da porta de madeiraO batente, que guarnece o vão da parede, é um elemento fixo com um rebaixo (jabre)contra o qual a folha da porta é fixada. Pode ser de três tipos diferentes: aduela, marco ou
  8. 8. 9caixão. Aduela é um batente sem rebaixo para o encaixe da folha; marco é um batente comlargura menor que a espessura da parede; e caixão é um batente na largura da parede.Já a folha, que é o elemento móvel da porta, pode apresentar-se nas versões lisa, maciça,almofadada ou calha (mexicana). A folha lisa pode ser chapeada ou compensada. A maciça éexecutada com duas ou três tabuas, mas não é muito usada. Folhas almofadadas sãoexecutadas com montantes e travessas, equipadas de ranhuras que recebem os machos dasalmofadas. Já a calha ou mexicana é feita com sarrafos do tipo macho-fêmea, presos por meiode travessas sobrepostas na contra-face.Também componente da porta, a guarnição dá o arremate da parede, é presa no batente eserve como moldura para a porta. Compreende peças com largura variando de 4 a 9 cm,trabalhadas ou não, com espessura de 1 a 1,5 cm.Sôcolo ou soco como também é conhecido, são peça de madeira do mesmo formato daguarnição, porém mais robusta (seção ligeiramente maio), empregada como arremate daguarnição junto ao piso.A mata-junta ou batedeira é uma peça de madeira utilizada para vedar a fresta entre duasfolhasAs ferragens são peças metálicas para a sustentação, fixação e movimentação dasesquadrias, podendo ser trabalhadas. Entre elas é possível citar: dobradiças, fechaduras,ferrolhos, rodízios, contratestas, cremonas, espelhos, tarjetas, rosetas, carrancas, maçanetas,fixadores ou prendedores, puxadores e fechos.2.1.1.1. InstalaçãoNo momento de colocação das portas é possível identificar erros que ocorreram ao longodo processo construtivo. Por isso, independente do método de instalação da porta deve-se termuito cuidado com relação às medidas, prumos, alinhamentos e níveis. Qualquer erro em umdesses elementos pode provocar o mau funcionamento da porta, gerando retrabalhos, gastosnão previstos, atraso nas entregas e insatisfação do cliente.Antes de iniciar a instalação dos batentes das portas é preciso atentar para alguns cuidados.É necessário que as paredes estejam com a alvenaria concluída. Os vãos das aberturas devemestar no prumo e respeitando o projeto, com uma folga de 10 a 15 mm de cada lado. Porexemplo, para uma porta com 80cm de largura, deve ser deixado 90cm de vão. Também deve
  9. 9. 10ser verificado o esquadro do batente, o alinhamento das ombreiras e a correta fixação dostravamentos. É necessário que as abertura estejam requadradas com reboco, facilitandofixação da espuma expansiva. É importante ainda que o contra-piso esteja pronto e o nível dopiso já marcado ou com taliscas posicionadas até o nível final do piso.Diferente do que acontece em grande parte das esquadrias, as de madeiras não sãochumbadas; são, na verdade, coladas com espuma de poliuretano ou silicone. Esse materialapresenta boa aderência, resistência mecânica e durabilidade. Nas portas, ele é responsávelpor fixar o batente nos requadros da parede.As portas chegam, na obra, embaladas em caixas individuais, envoltas por um plástico tipoisopor que tem a função de protegê-la durante o transporte, de modo a não sofrer danos. Aporta vem enumerada, e esse número é o que deverá estar no vão onde ela será instalada.O kit da porta vem pronto, e ajusta-se facilmente ao vão da parede. A única parte da portaque não vem montada de fabrica é a maçaneta. O cilindro e a máquina da fechadura já estãoinstalados; basta encaixar a maçaneta no cilindro minutos antes da instalação da porta.Inicialmente tira-se com cuidado a porta da embalagem, mantendo o plástico até omomento da colocação.Retira-se um taquinho que é colocado na parte de baixo da porta para mantê-la reta.Emseguida, o batente é encaixado no vão e fixado com cunhas na sua parte superior. Feito isso,são dadas leves batidas na porta com uma mareta a fim de fixá-la e nivelá-la. Com o auxíliodo prumo e do nível verifica-se se o batente travado com a folha está nivelado, colocando –secunhas laterais para um ajuste final.Após, deve-se aplicar a espuma na parte superior e nas laterais do vão entre o batente e ovão. Na figura 05, é possível observar os locais onde a espuma é aplicada. É importante queessas áreas estejam limpas e levemente umedecidas, pois isso melhora a aderência e fixação.Figura 05: Aplicação de poliuretano
  10. 10. 11A espuma de poliuretano aumenta em cerca de três vezes o seu volume. Dessa maneira,doze horas após a sua aplicação, são removidos os excessos com a ajuda de um estilete. Opróximo passo é a retirada das cunhas e espaçadores. São esses espaçadores que não deixam aespuma expandir tanto, facilitando a aplicação da guarnição nos marcos reguláveis.A guarnição da parte de dentro do cômodo é maior do que a parte de fora. Caso ela sejamaior do que o tamanho necessário, é cortada no momento de sua instalação com uma serrade esquadrias. A guarnição chega na obra mais alta do que o tamanho da porta, mas quando éinstalada verifica-se a altura que ela deve ter e faz-se o seu corte. As extremidades daguarnição são cortadas em um ângulo de 45º (Figura 06), mas, em algumas regiões, costuma-se usar um ângulo de 90º. A fixação da guarnição ocorre através de suaves marteladas,seguidas de uma aplicação de silicone nos encaixes da guarnição, o que uniformiza a porta.Por fim, é necessário verificar se as portas não balançam quando fechadas ou ficam abertasem qualquer posição, isto é, conferir se não fecham ou abrem sozinhas, se estão bemalinhadas em relação ao batente, se não estão lascadas ou com rebarbas devido a utilização daserra e se não estão com marcas de martelo. Também é bom observar as fechaduras,verificando se a porta pode ser trancada com facilidade.
  11. 11. 122.1.2. JanelasO uso das janelas de madeira vem ficando restrito à habitações da alto padrão e àsedificações comerciais, tais como restaurantes e lojas. Isso se deve principalmente ao seu altocusto. Elas podem ser feitas sob medida para aberturas especificas ou podem ser padronizadassendo, portanto, industrializadas.A seguir, podem ser observados alguns dos tipos de janelas de madeira disponíveis nomercado:Figura 07: Janela Figura 08: Janela Figura 09: Janelaveneziana de correr veneziana de abrir guilhotinaFigura 10: Janela de correr Figura 11: Janela Figura 12: JanelaSem grade basculante maxim-arAssim como as portas de madeira, as janelas também são compostas por alguns elementos.São eles: batente, vidraça, venezianas, guarnição, peitoril, pingadeira (Figura 13).Figura 13: Componentes da janela
  12. 12. 132.1.2.1. InstalaçãoDeve ser deixado 1 cm de folga de cada lado na abertura da parede. Por exemplo, para umajanela de 1,45m x 1,25m precisa ser deixado um espaço de 1,47m x 1,27m.O produto a ser instalado deve estar totalmente impermeabilizado, inclusive a parte externados batentes, com pelo menos uma demão de verniz. É importante que a cada ano aimpermeabilização se repita.Em seguida, as cunhas devem ser colocadas entre a janela e a parede. (Figura 14 e 15)Logo após, o nível, esquadro e prumo precisam ser verificados. As cunhas devem estarbem justas e sem muita pressão.O próximo passo é preencher os vãos dos cantos com espuma expansiva de poliuretano(Figura 16). Como já ressaltado na instalação das portas, essa espuma irá aumentar detamanho, então, quando ela secar, é necessário cortar o excedente do produto.Na parte interna, coloca-se a vista/guarnição e na parte externa preenche-se os vãos entre aparede e a janela com argamassa de cal, cimento e areia. Caso utilize vista/guarnição nos doislados não é necessário preencher os vãos com argamassa.
  13. 13. 14Figura 14: Fixação das cunhas Figura 15: Cunha fixadaFigura 16: Aplicação de espuma2.1.3. Conservação e manutençãoA preservação das esquadrias de madeira requer um cuidado especial. O principal deles dizrespeito à pintura e envernizamento. Fazendo uso de produtos de pintura com boa qualidade, apintura pode ser refeita a cada 3 ou 5 anos. Por outro lado, produtos de qualidade duvidosapodem sofrer desgaste em menos de um ano.
  14. 14. 15É válido destacar que os raios solares e a poluição atuam no desgaste da pintura. Logo,esquadrias externas têm o seu acabamento desgastado mais rapidamente. Para que essasesquadrias tenham maior durabilidade é recomendado o uso de vernizes à base de água oucom triplo filtro solar, tais como: esmalte sintético, esmalte à base de água, stain impregnante,verniz à base de água e verniz com filtro solar. Enquanto isso, esquadrias internas, que nãotem contato direto com raios solares, podem receber acabamento com vernizes e seladoressem filtro solar.É importante manter a madeira sempre pintada ou envernizada, tomando cuidado para queela nunca comece a ficar “acinzentada”, afinal, este é um sinal de que já perdeu toda a suacamada de pintura.O primeiro passo para realizar pintura em madeira é limpá-la, removendo toda a sujeira.Em seguida, ela precisa ser lixada com lixa 220 ou 280. Feito isso, todo o pó deve serremovido com pano seco, para que então, a peça receba a primeira demão de tinta ou verniz.Logo após, a madeira é lixada novamente e o processo finaliza-se com a segunda demão detinta ou verniz.Com relação à limpeza das esquadrias, é indicado fazê-la semanalmente somente com umpano úmido e sabão neutro, pois a poluição e o acúmulo de sujeira desgastam a pintura commais rapidez. É preciso evitar fórmulas de detergentes ou saponáceos, espojas de aço ouqualquer outro material abrasivo.Recomenda-se que as portas internas não sejam molhadas de forma alguma. Para limpar ochão próximo às portas deve ser utilizado apenas um pano úmido, e não deve ser jogada águanessas áreas. Mais um cuidado com as portas diz respeito às batidas, pois além de causaremtrincas na madeira e na pintura, podem prejudicar as paredes ou a fechadura. Com o intuito deevitar empenamentos, é interessante manter as portas sempre fechadas.Dobradiças e fechaduras pedem lubrificação periódica. Isso pode ser feito com uma certaquantidade de grafite em pó, pois ajudará a manter o seu bom funcionamento. Nas dobradiçaspode ser usado também óleo de máquina, mas sem deixar que ele escorra na madeiracausando manchas.É relevante ainda que, durante a instalação ou substituição dos vidros, seja utilizadosilicone para sua fixação a fim de que ao ocorram infiltrações de água ou ar.2.2. ESQUADRIAS DE FERRO
  15. 15. 16As esquadrias de ferro compreendem, além de janelas e portas, grades de sacada, escadasmetálicas, portões basculantes ou não, grades, guarda corpo, corrimão, alçapão, etc. Podemser confeccionadas em escala industrial ou não, com perfis laminados em TLI, perfiscantoneira, perfis tubulares e perfis abertos fabricados com chapas de aço.O ferro é, sem dúvida, o mais barato dos materiais empregados na composição deesquadrias. Tem também a vantagem de poder ser facilmente moldado, tanto de formas retasquanto curvas, através de solda ou fogo.Todavia, necessita de manutenções preventivas constantes a fim de evitar a sua oxidação, aqual compromete a resistência e durabilidade do material. Diante disso, o uso do ferro écontra-indicado em regiões litorâneas, onde o processo de oxidação é acelerado pela ação dasalinidade do ar.Assim, antes de efetuar a compra de uma esquadria de ferro, é preciso avaliar os custos demanutenção. Apesar disso, os fabricantes desse tipo de esquadria garantem que, com osdevidos cuidados, o ferro pode ter a mesma durabilidade que qualquer outro material.2.2.1. PortasAtualmente, o uso mais comum das portas de ferro está relacionado aos portões degaragem e portas corta-fogo. Essas últimas, confeccionadas com chapas de alta resistência,são utilizadas em casas de máquinas e escadas de incêndio, conferindo maior proteção esegurança à esses ambientes.Outros modelos de portas, assim como as janelas de ferro, estão mais restritos ao uso emhabitações populares.Algumas dessas portas podem ser observadas a seguir:Figura 17: Porta corta-fogo blindada Figura 18: Portão de garagem
  16. 16. 17Figura 19: Porta de correr Figura 20: Porta-balcão Figura 21: Portade correr de abrir2.2.2. JanelasAtualmente, o uso de janelas de ferro está mais restrito às habitações populares, devido aoseu baixo custo se comparado à esquadrias de outros materiais.Alguns modelos de janelas de ferro estão ilustrados a seguir:Figura 22: Janela veneziana de correr Figura 23: Janela de correr
  17. 17. 18Figura 24: Janela Figura 25: Janela de correr Figura 26: Janelabasculante com grade elo maxim-arExistem alguns fatores de grande relevância para o correto funcionamento das janelas deferros, entre eles a escolha de um bom fornecedor e instalador, o rigor na preparação dos vãos,os alinhamentos e prumos. Dessa forma, o engenheiro da obra precisa atentar para algunspontos durante a execução das janelas de ferro:a) os perfis, cantoneiras e chapas de ferro precisam ser dimensionados por umprofissional capacitado;b) a esquadria deve apresentar rigidez e estabilidade suficientes com chumbadoresespaçados uns dos outros em até 60cm e solidarizadas com argamassa de cimento eareia no traço 1:3;c) peças com vãos grandes e peso elevado devem ter reforços, como tirantes e mãos-francesas, com resistência suficiente para proporcionar segurança ao conjunto;d) depois da estabilização do chumbamento, é importante fazer a verificação dosbasculantes, venezianas, etc, e realizar ajustes se necessário;e) limpeza, execução de proteção contra ferrugem e pintura final precisam ser conferidas.2.2.2.1. Instalação
  18. 18. 19Ao receber as esquadrias, deve-se observar se elas estão em perfeitas condições de uso,sem nenhum tipo de dano e se a cor, modelo e dimensão estão corretos. É necessário queordem de compra e nota fiscal estejam compatíveis com o produto entregue.A esquadria deve ser instalada pelo lado interno do cômodo. Não devem ser assentadostijolos diretamente sobre a esquadria e, para sua instalação o vão precisa estar livre. Alémdisso, tomando como referência as dimensões da esquadria, é necessário que o vão tenha umafolga de 2 cm na largura e 3cm na altura.O primeiro passo para a instalação de uma janela é dobrar os chumbadores (Figura 27)com um alicate, de modo a garantir a fixação da esquadria. O contrafecho (Figura 28) devesempre ficar do lado esquerdo e o fecho com trinco (Figura 29), no direito.Para realizar o chumbamento, a esquadria precisa ser virada deixando o guia inferior paracima e este preenchido com massa reforçada (areia e cimento) de traço 1:3.Feito isso é necessário calçar a esquadria por meio de tacos de madeira. Entre os tacos e aesquadria deve ser posto um pequeno papelão, a fim de evitar qualquer estrago. Deve-seevitar a colocação de calços no meio da base da esquadria para não envergar os perfis.Em seguida a esquadria, é fixada e nivelada com a ajuda do prumo e da régua de nível,tanto horizontal e verticalmente quanto em profundidade. A massa reforçada com traço 1:3deve ser usada para fixar todos os chumbadores, lembrando que não é recomendado preenchertodo o vão de uma só vez, pois a esquadria pode ser afetada devido ao peso da massa.Após isso, deixa-se a massa secar, retira-se os calços, e preenche-se o restante do vão, demaneira a evitar infiltrações.É bom salientar que se o batente for maior que a largura da alvenaria, faz-se um requadroexterno no contorno da esquadria, para um melhor acabamento.Caso o reboco ainda não tenha sido feito, o mesmo é executado, contudo, se já estiver pronto,procede-se à pintura da parede. É evidente que a esquadria precisa ser limpa imediatamente,caso haja contato da tinta ou do reboco.Figura 27: Chumbadores Figura 28: Contrafecho Figura 29: Fecho
  19. 19. 202.2.3. Conservação e manutençãoEsquadrias de ferro tendem a enferrujar e a sua pintura a descascar, sobretudo quandoexpostas a agentes externos. Assim, ao realizar pintura sobre ferro, alguns cuidados precisamser observados.Quando se trata de uma superfície nova, sem ferrugem, é indicada a aplicação de umademão de fundo óxido de ferro, seguida do acabamento com tinta.Enquanto isso, em superfícies que já sofreram corrosão, é necessário eliminar essaferrugem e aplicar zarcão universal, primer com ótimo poder anticorrosivo e alta resistênciaao atrito e à ação das intempéries. Ele é de fácil aplicação e de secagem rápida, além deapresentar boa cobertura, rendimento, espalhamento, aderência, flexibilidade e dureza. Devemser aplicadas duas demãos de zarcão, cruzando as passadas, em intervalos de 8 a 12 horas.Essa operação pode ser feita com o auxílio de pincel ou trincha de cerdas macias, rolo deespuma ou pistola convencional. Feitas as duas demãos de zarcão, é preciso aplicar sobre eleprodutos de acabamento, completando desse modo o sistema de pintura.Convém lembrar ainda que esquadrias de ferro necessitam receber duas demãos de esmaltesintético a cada doze meses. Em esquadrias externas, vernizes e esmaltes brilhantes temmelhores resultados, afinal, são mais resistentes que produtos foscos ou acetinados.Uma alternativa para diminuir os efeitos da corrosão nas esquadrias de ferro é agalvanização. Esse processo consiste em revestir as peças com uma fina camada de zinco, aqual precisa ser “gasta” antes de a corrosão atingir o ferro.Vale ressaltar que para a limpeza das esquadrias de ferro devem ser usadas água,detergente neutro e uma esponja ou pano macio. Em áreas rurais e urbanas, é recomendadoefetuar a limpeza de 3 em 3 meses.e, em zonas industriais, todo o mês. Esponja de aço ouprodutos químicos (solventes, ácidos, etc.) não devem ser aplicados sobre as esquadrias deferro, afinal, isso poderia acarretar em manchas ou opacidade do material.
  20. 20. 21No caso de janelas, é bom limpar os trilhos com frequência, de forma a evitar o acúmulode poeira que com o tempo vai formando crostas difíceis de serem removidas e que acabaminterferindo no desempenho da esquadria. Quanto às portas, essa mesma afirmação é válidapara as dobradiças e batentes.Além do mais, após a lavagem do produto, é necessário secá-lo com pano seco e macio,evitando assim o surgimento de manchas.3. CONCLUSÃOFoi possível perceber que existe à disposição do consumidor uma grande variedade deesquadrias, e uma série de requisitos a serem avaliados antes de efetuar a sua compra. Assim,
  21. 21. 22o cliente tem a possibilidade de selecionar o produto que melhor atende as suas necessidadeseconômicas, de segurança, bem-estar, etc.Cabe ressaltar que o uso das esquadrias de madeira está mais voltado para portas internasde edificações; enquanto que esquadrias de ferro estão mais presentes em habitaçõespopulares na forma de janelas.Verificou-se ainda que a instalação de qualquer esquadria precisa ser realizada de maneiraa manter a durabilidade, estanqueidade, eficiência de ventilação e iluminação, e perfeitaestética do produto. Para tanto, é fator preponderante a correta execução e a obediência aosrequisitos estabelecidos em projeto.Além do mais, independentemente do material com o qual é confeccionada, uma esquadriaexige cuidados de manutenção e conservação. É evidente que tais cuidados precisam serrespeitados, afinal, isso proporciona um melhor desempenho da peça ao longo de sua vidaútil.4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASCEHOP. Esquadrias de ferro. Disponível em: < http://187.17.2.135/orse/esp/ES00115.pdf>.
  22. 22. 23FAZ FÁCIL. Como pintar ferro. Disponível em: <http://www.fazfacil.com.br/reforma-construcao/como-pintar-ferro/>.MADEPLAN Madeiras. Como conservar esquadrias de madeira. Disponível em:<http://www.madeplan.com.br/dicas/index.asp#dica2>.METALIKA. Produtos. Disponível em: <http: //www.metalika.com.br>.MIRANDA, Fernando F. R. Esquadrias – Aplicações: Método de Execução. UniversidadeFederal do Paraná. Disponível em:<http://www.dcc.ufpr.br/wiki/images/c/cc/TC025_Esquadrias_parte_1.pdf>.MIRANDA, Leonardo F. R. Esquadrias para edificações. Universidade Federal do Paraná.Disponível em: <http://www.dcc.ufpr.br/wiki/images/8/81/TC025_Esquadrias_parte_2.pdf>.PORTALMAD. Manual de instalação e manutenção de esquadrias de madeira.Disponível em: <http://pisosesquadrias.files.wordpress.com/2010/11/manual-de-instalacao-de-esquadrias-de-madeira.pdf>.SALGADO, Mônica Santos. Esquadrias. Disponível em:<http://nova.fau.ufrj.br/material_didatico/FAT360-%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20Apostila%20PC3.pdf>.SASAZAKI. Manual de instruções. Disponível em: <http: //www.sasazaki.com.br>.SCHEID Madeiras. Vantagens do uso da madeira. Disponível em:<http://www.scheid.com.br/?p=caracteristicas&divisao=1>.ZULIAN, Carlan Seiler; DONÁ, Elton Cunha; VARGAS, Carlos Luciano. Esquadrias. 30 f.2002. Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2002. Disponível em:<http://www.uepg.br/denge/aulas/esquadrias/Esquadrias.pdf>.

×