Curso seleção cartola de repórteres

167 visualizações

Publicada em

1º curso da Escola com Conteúdo, braço de educação da Cartola - Agência de Conteúdo.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
167
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso seleção cartola de repórteres

  1. 1. pauta que pariu lide com isso põe no papel seu texto me pertence
  2. 2. pauta que pariu inédita e/ou curiosa e/ou obrigatória e/ou relevante O que é que a boa pauta tem que ser?
  3. 3. pauta que pariu inédita e/ou curiosa e/ou obrigatória e/ou relevante
  4. 4. pauta que pariu inédita e/ou curiosa e/ou obrigatória e/ou relevante
  5. 5. pauta que pariu inédita e/ou curiosa e/ou obrigatória e/ou relevante
  6. 6. pauta que pariu inédita e/ou curiosa e/ou obrigatória e/ou relevante
  7. 7. ganhe o leitor nas primeiras linhas lide com isso a pergunta é sempre: você leria essa reportagem? ganhe o leitor nas primeiras linhas a pergunta é sempre: você leria essa reportagem?
  8. 8. lides que amamos
  9. 9. lides que amamos
  10. 10. lides que amamos
  11. 11. lides que amamos
  12. 12. lides que amamos
  13. 13. lides que amamos
  14. 14. como lidar
  15. 15. como lidar
  16. 16. põe no papel o que quando onde como por que
  17. 17. põe no papel não é opinião; precisa de clareza; escolha o que vai contar texto literário: tem que ser bom pra caralho
  18. 18. põe no papel Enormes cabeças de javali fixadas na parede enfeitam a garagem de Cristiano Winck. Os animais, empalhados de boca aberta para realçar as presas, foram todos abatidos pelo veterinário, de 37 anos. Sob a mira dos olhos vitrificados, o gaúcho mostra uma das armas de fogo que usa para dar cabo da criatura que julga uma praga invasora responsável por danos sociais, econômicos e ambientais. “São torpedos encouraçados.” descrição: sim
  19. 19. põe no papel É o seu dia de folga e você quer se sentar para ler esta reportagem. Mas, enquanto repousa os olhos nestas linhas, todos os outros desejos alinhados na fila da memória, à espera de tempo, disputam a sua atenção. Aí você pensa que este texto é grande demais. E sente uma angústia porque queria ir até o fim, mas também tem ali parado aquele outro livro, aquele trabalho para fazer, o filme que queria ver, aquele passeio com a família que há semanas você promete para si mesmo, a pilha de roupas para lavar, o curso de francês por começar. Quem sabe seja melhor largar tudo para assistir àquele vídeo na internet que ensina como tirar sua camiseta mais depressa. Três segundos que serão poupados se você puxar a manga com o braço dobrado no ângulo exato. Tcharááán! Seus problemas acabaram! Só que não. fale com o leitor: sim
  20. 20. põe no papel Quem sofre com ansiedade costuma ter uma dificuldade grande em lidar com situações cotidianas, como encontrar pessoas, falar em público e até viajar de avião. Agora, imagine ter o transtorno e trabalhar com as situações que dão medo? fale com o leitor: não
  21. 21. põe no papel (...) Depois da onda dos celulares xing-ling, aqueles que traziam inovações como 2 chips e TV embutida e foram febre em 2009, eles estão de volta. São smartphones, tablets e até notebooks de menos de R$ 300 - incluindo imposto de importação e frete para o Brasil. Mas quão ruins (ou bons) eles podem ser? Qual é o truque? A única maneira de matar a curiosidade era também a mais óbvia: usar o meu próprio dinheiro para comprar um. Existem vários sites que vendem produtos diretamente da China. Escolhi um que ao menos parecia legítimo e dizia ter até cadastro na Receita Federal - bem como várias ofertas que me chamaram a atenção. entre no texto: sim
  22. 22. põe no papel É terça-feira à tarde e o carro da reportagem está rodeando o Itaquerão (...). A uns 500 metros da entrada principal, numa rua ladeada por prédios coloridos do conjunto habitacional Cohab – edifícios verdes, amarelos, laranjas e vermelhos –, uma gritaria chama a atenção. O carro para diante de um boteco enfeitado com bandeiras do Brasil, e dá para ver o nome Bar da Rose ao lado da televisão. No aparelho de LCD passa um daqueles modorrentos amistosos pré-Copa e alguém manda aumentar o som. Em pé, com a mão no peito, pelo menos 20 sujeitos cantam bem alto o “Hino Nacional”, mais por farra do que por patriotismo. Enquanto deixam a camaradagem fruir, movida por incontáveis litros de cerveja, o assunto não poderia ser outro: o estádio construído no quintal da casa deles. “Isso aqui ficou uma maravilha”, diz o “autônomo” (foi ele mesmo quem fez o gesto clássico de aspas) Luciano Silva Costa, 35 anos, enquanto ergue os óculos escuros para dar uma piscadinha. “Agora nóis é tudo playboy.” entre no texto: não
  23. 23. Clarissa barreto (clarissa@cartolaconteudo. com.br) marcela donini (marcela@cartolaconteudo.com.br)

×