Ra 2011

406 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
406
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
59
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ra 2011

  1. 1. Centro João Paulo IIRelatório de Actividades 2011 Fátima, Março de 2012 1
  2. 2. Elaborado: (Equipa Técnica)“A maior recompensa do nosso trabalho não é o que nos pagam por ele, mas aquilo em que ele nos transforma.” (John Ruskin) 2
  3. 3. ÍndiceSiglas e Acrónimos .........................................................................................................................4Nota Introdutória ...........................................................................................................................5Enquadramento Estratégico ...........................................................................................................5 Missão, Visão e Valores ......................................................................................................... 5 Os serviços e as partes interessadas ...................................................................................... 6 Avaliação do grau de satisfação dos colaboradores ................................................................6 Avaliação do grau de satisfação das famílias ...........................................................................8 Avaliação do Grau de Satisfação dos Parceiros ..................................................................... 10 Avaliação do Grau de Satisfação dos Residentes ................................................................... 11Vectores Estratégicos ................................................................................................................... 12Resultados Operacionais .............................................................................................................. 13 Vector estratégico: Melhorar as condições ambientais dos serviços com vista à qualificação da Instituição. ...................................................................................................................... 14 Vector estratégico: Qualificar a intervenção junto do residente ........................................... 15 Vector estratégico: Rever o desempenho dos colaboradores envolvidos na prestação dos serviços ................................................................................................................................ 16 Vector estratégico: Promover a inclusão social activa, em contextos sociais, facilitando o acesso às sinergias envolventes ............................................................................................ 16 Vector estratégico: Promover a inclusão social e a participação activa da instituição em contextos societais normalizantes ........................................................................................ 17 Vector estratégico: Manter bons níveis de satisfação na prestação de serviços às partes interessadas ......................................................................................................................... 17 Análise Crítica ..................................................................................................................... 17Adenda ........................................................................................................................................ 20Índice dos GráficosGráfico 1: Grau de satisfação dos colaboradores ....................................................................... 7Gráfico 2: Grau de satisfação das famílias ................................................................................. 9Gráfico 3: Grau de satisfação dos parceiros ............................................................................. 10Gráfico 4: Grau de satisfação dos residentes ........................................................................... 11Gráfico 5: Apoios efectuados por área de intervenção ............................................................ 17Gráfico 6: número de RES apoiados pelo SR. ........................................................................... 18Gráfico 7: Número total de apoios efectuados. ....................................................................... 18 3
  4. 4. Siglas e AcrónimosADMINISTRATIVO ADMAJUDANTE DE LAR ALANIMADOR SOCIOCULTURAL ASAUXILIAR DE FISIOTERAPIA AUXFTCOLABORADOR COLCONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CACOZINHA COZCOORDENADORA DO SERVIÇO SOCIAL CSSECONOMATO ECOEDUCADORA SOCIOCULTURAL EDSENCARREGADA DE SECTOR ENCSENFERMEIRO ENFEQUIPA TÉCNICA ETESTAGIÁRIO ETGFAMÍLIA FAMFARMÁCIA FARMFORMADOR FORMFORNECEDOR FORNFISIOTERAPÊUTA FTLIMPEZA LIMPMÉDICO MEDMETA OU OBJECTIVO ATINGIDO AMETA OU OBJECTIVO NÃO ATINGIDO NAMONITORA MOMOTORISTA MOTNUTRICIONISTA NUTPARCEIRO PARPLANO DE FORMAÇÃO PFPROCESSO CLÍNICO PCPROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PEFPLANO DE INTERVENÇÃO DO RESIDENTE PIRPROCESSO DE REABILITAÇÃO PRPROCESSO SOCIAL PSPSICÓLOGO PSIRELATÓRIO ANUAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO RAFDPPESSOALRESIDENTE RESSERVIÇO DE ANIMAÇÃO E OCUPAÇÃO SAOSERVIÇO DE REABILITAÇÃO SRSERVIÇO SOCIAL SSTODOS OS COLABORADORES TCTERAPÊUTA DA FALA TFTERAPÊUTA OCUPACIONAL TOTÉCNICA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESPECIAL EREABILITAÇÃO TSEERTÉCNICA DE SERVIÇO SOCIAL TSSVOLUNTÁRIO VOL 4
  5. 5. Nota IntrodutóriaO presente relatório pretende ser um documento de análise e avaliação final dodesempenho das actividades desenvolvidas no contexto da concretização do Plano deActividades para 2011. A sua estrutura assenta na enumeração das acções e a suaarticulação em áreas de actividade, inseridas no quadro dos objectivos estratégicos.Enquadramento EstratégicoMissão, Visão e ValoresSendo o Centro de Apoio a Deficientes Profundos João Paulo II uma IPSS de âmbitonacional situada em Fátima e pertença da União das Misericórdias Portuguesa e dispondodas valências residencial e educativa, tem por Missão cuidar de crianças, jovens e adultosportadores de multideficiência, proporcionando qualidade de vida, bem-estar eintegração na comunidade.Pretende ser uma Instituição de referência, mantendo elevados níveis de qualidade naprestação de serviços na área de multideficiência e desenvolvendo práticas de melhoriacontínua com vista à autonomia para uma efectiva inclusão na sociedade.O seu conjunto de valores poderá ser explicitado em comportamentos que se esperaobter dos diversos colaboradores, enquadrados num código de ética/conduta, sendoainda relevante o seu ajustamento face ao referencial de valores da UMP. 5
  6. 6. Os serviços e as partes interessadasPara que haja um aproveitamento das sinergias que se desenvolvem no contexto do LarResidencial tendo em consideração os residentes, famílias, colaboradores, parceiros, aestrutura e o funcionamento, torna-se necessário que resulte deste conjunto umaintervenção pautada por critérios de qualidade.O CJPII na prestação dos serviços envolve as diversas áreas disciplinares técnicas e desuporte, a fim de resolver as necessidades dos residentes. E é através da avaliação dograu de satisfação das partes interessadas que é possível criar o envolvimento de todospara a prossecução dos objectivos definidos, enquadrados num plano global e sectorial.É indispensável a participação dos stakeholders no planeamento e na avaliação, uma vezque são estes que definem a eficácia dos serviços permitindo assim orientar o CJPII para amelhoria contínua.Segundo o Relatório de avaliação do grau de satisfação das partes interessadas, e talcomo demonstram os gráficos abaixo apresentados, podemos verificar que de uma formageral todos se encontram satisfeitos ou muito satisfeitos com os serviços prestados,contudo a necessidade de definir acções de melhoria que permitam aumentar o grau desatisfação continua a ser uma prioridade.Avaliação do grau de satisfação dos colaboradoresOs resultados da avaliação do grau de satisfação dos colaboradores do CJPII relativos aoano 2011 revelam que, de um modo geral, os inquiridos se encontram satisfeitos nasdiferentes áreas abordadas no questionário, à semelhança do ano transacto. 6
  7. 7. 200 180 160 140 120 100 Não respondeu 80 Não se aplica 60 40 Não sei 20 Muito Satisfeiro 0 Satisfeito Insatisfeito Muito InsatisfeiroGráfico 1: Grau de satisfação dos colaboradoresRelativamente às áreas em que os colaboradores revelam níveis de insatisfação maissignificativos, é de salientar: o Reconhecimento da dedicação e esforço no desempenho das funções; o Vencimento; o Regalias e benefícios; o Justiça na avaliação de desempenho;Ainda relativamente aos níveis de insatisfação, comparativamente com os dadosreferentes ao ano 2010, verifica-se um aumento do número de colaboradoresinsatisfeitos apenas na questão respeitante ao vencimento, mantendo-se iguais níveis deinsatisfação nas restantes questões.Os temas abordados no questionário que revelaram um aumento do número derespostas “muito satisfeito”, comparativamente com o ano 2010, são: Ambiente, confortoe bem-estar na Instituição; Ajuda, colaboração e cooperação entre colaboradores;Trabalho em equipa; Abertura e aceitação de sugestões; Autonomia para planear,executar e avaliar o trabalho; Realização pessoal e realização profissional com a funçãodesempenhada; Prioridade da Instituição na avaliação das necessidades, expectativas esatisfação do residente e Qualidade do serviço prestado pela Instituição. 7
  8. 8. No ano de 2010, 72% dos colaboradores apresentavam um razoável grau de satisfação,isto é, 60,6% (111 colaboradores) responderam “satisfeito” e 12% (22 colaboradores)assumiu estar “muito satisfeito”. Quanto às respostas “Insatisfeito” e “muito insatisfeito”os resultados foram 14,2% e 2,7%, respectivamente.Em 2011, 85,3% dos colaboradores do CJPII assume-se “satisfeito” e “muito satisfeito”,com 66,3% e 19% das respostas, respectivamente. Relativamente ao grau “insatisfeito”,obteve-se 7,6% de respostas e 3,3% “muito insatisfeito”.Em suma, verificamos um aumento significativo do grau de satisfação dos colaboradoresdo CJPII, cerca de 13% no último ano.Avaliação do grau de satisfação das famíliasDe uma forma geral, pela análise do gráfico 2, os familiares encontram-se satisfeitos oumuito satisfeitos em relação a todos os parâmetros avaliados.Importa também salientar que, em 2011, o número de questionários devolvidos (57) foiinferior ao número do ano anterior (81), não existindo dados que justifiquem taldiscrepância.Em relação aos aspectos menos positivos salienta-se que, à semelhança do ano anterior,os familiares continuam a evidenciar desconhecimento sobre o regulamento/normasinternas. Algumas das acções de melhoria propostas no ano anterior, foram jáimplementadas e fazem parte da dinâmica da Instituição, nomeadamente, a entrega doregulamento/normas aquando do internamento. Após a análise realizada, é reforçada anecessidade de afixar estas informações em local acessível. 8
  9. 9. Outro aspecto menos positivo e evidenciado no relatório do ano anterior, dizia respeitoao desconhecimento por parte dos familiares do plano de intervenção do residente (PIR).Comparando os dados deste ano com os dados de 2010, verifica-se que, este ano, apenas8 familiares (14%), revelaram desconhecimento do PIR do residente, quando, no anoanterior, este valor situava-se nos 36%. Depreende-se então, que um maior número defamílias, revela ser conhecedora das actividades desenvolvidas com o seu familiar.De uma forma geral, pela análise dos dados expostos, os familiares encontram-se 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% Muito Insatisfeito Insatisfeito 30% Satisfeito 20% Muito Satisfeito Não sei 10% Não se aplica 0% Actividades adequadas às necessidades do … Colaboradores simpáticos, educados e … Envolvimento da familia na dinamica da… Regulamento e normas são do meu … Não respondeu Instalações confortáveis Privacidade Apoio cuidados de reabilitação Espaços comuns agradáveis Apoio cuidados de saúde Apoio nas AVD Refeições adequadas Limpeza e arrumação Viatura adaptadas grau de satisfação Espaços exteriores agradáveis Procura de soluções para o problema Confiança nos colaboradores Equipamentos em bom de conservação Quando reclamo obtenho resposta A minha opinião é solicitada Esclarecimento de questões Confidencialidade da informação PIR é do meu conhecimento Instalações facilitam deslocação Equipamentos adequados Colaboradores com boa apresentação Opinião é tida em consideraçãoGráfico 2: Grau de satisfação das famíliassatisfeitos ou muito satisfeitos em relação a todos os parâmetros avaliados.A percentagem de famílias satisfeitas e muito satisfeitas foi de 93,66% e 97,76% em 2010e 2011, respectivamente, verificando-se assim, um aumento do grau de satisfação de4,1%. Em relação às famílias insatisfeitas ou muito insatisfeitas, as respostas obtidas 9
  10. 10. revelaram uma diminuição do grau de insatisfação, com valores de 6,32% relativos ao anode 2010 e 2,18% para 2011, traduzindo estes valores uma diminuição de 4,14%.Avaliação do Grau de Satisfação dos ParceirosDe forma a obter uma visão global das repostas obtidas apresentamos, de seguida, umgráfico com as questões e respostas obtidas. Não concordo nem discordo Discordo Concordo Não Sei Não se aplica 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0%Gráfico 3: Grau de satisfação dos parceirosA análise global às respostas obtidas nos questionários permite concluir que os parceirosda Instituição se encontram muito satisfeitos com as parcerias estabelecidas.A análise global às respostas obtidas nos questionários permite concluir que os parceirosdo Centro João Paulo II se encontram muito satisfeitos com as parcerias estabelecidas,uma vez que todos os inquiridos concordam que esta Instituição presta um bom serviço àcomunidade, é respeitada por ela e cumpre com as suas responsabilidades.Em 2010, a concordância era de 79,3% e, em 2011, esse valor foi de 83,3%. Importa aquisalientar que, a amostra de 2011 é significativamente inferior a 2010. 10
  11. 11. De salientar que todos os Parceiros revelaram interesse em aprofundar a relação deparceria com o Centro João Paulo II permitindo, desta forma, a definição eimplementação de novas estratégias de actuação com vista ao desenvolvimento de boaspráticas.Avaliação do Grau de Satisfação dos ResidentesOs resultados da avaliação do grau de satisfação dos Residentes do CJPII relativos ao ano2011 revelam que, mais de 60% dos residentes inquiridos se encontra com um grau desatisfação de Satisfeito, sendo que 55,50% dos residentes se encontram “Satisfeitos” e38,88% “Muito Satisfeitos”. Comparativamente com 2010, destaca-se o aumento donúmero de residentes “Muito Satisfeitos”. Grau de Satisfação Global dos Residentes 70% 63,15% 60% 55,50% 50% 38,88% 40% 31,57% 30% Ano 2010 20% Ano 2011 10% 5,26% 5,55% 0% % RES Muito % RES Satisfeitos % RES Insatisfeitos SatisfeitosGráfico 4: Grau de satisfação dos residentesContudo, se comprarmos o número de RES “satisfeitos” (“muito satisfeitos” e“satisfeitos”) com os RES “insatisfeitos, nos dois anos, verificamos que houve umpequeno decréscimo no grau de satisfação entre os RES.Considera-se, que tal facto deverá ser alvo de análise e de implementação de medidasque permitam um maior envolvimento, e/ou, participação activa na realidadeinstitucional. 11
  12. 12. Vectores EstratégicosO Planeamento Estratégico adoptado pela estrutura residencial que é o CJPII, assumecomo linhas orientadoras: promover os níveis de qualidade de vida; promover estratégiasde reforço da auto-estima, da valorização e de autonomia pessoal e social, assegurandoas condições de estabilidade necessárias para o reforço da sua capacidade autonómicapara a organização das actividades da vida diária; privilegiar a interacção com a famíliae/ou significativos e com a comunidade, no sentido de optimizar os níveis de actividade ede participação.De forma a alcançar o acesso a serviços de qualidade, adequados à satisfação dasnecessidades e expectativas dos seus residentes, que respondam às linhas orientadorasanteriormente definidas, o CJPII desenvolveu uma metodologia onde se inserem cincovectores estratégicos que, se por um lado, foram definidos a pensar nas condiçõesnecessárias para o desenvolvimento individual e do bem-estar bio-psico-social eocupacional, permitindo o desenvolvimento da sua autonomia funcional, por outro, criamestratégias facilitadoras à interacção dos residentes com o seu meio físico e social,facultando o seu desenvolvimento necessário a uma interacção indivíduo, meioambiente. Foram estes: Melhorar as condições ambientais dos serviços com vista à qualificação daInstituição; Qualificar a intervenção junto do Residente; Promover a inclusão social e a participação activa em contextos sociais facilitandoo acesso às sinergias envolventes; Manter bons níveis de satisfação na prestação e/ou desempenho institucional; Rever o desempenho dos colaboradores envolvidos na prestação dos serviços.Contudo, estes objectivos devem ser entendidos de uma forma articulada e decomplementaridade, sem desvalorizar uma abordagem técnica específica de índolesectorial. 12
  13. 13. Ao definir-se como vector estratégico a promoção da qualidade de vida dos residentesatravés de actividades diferenciadoras que lhes permite desenvolver capacidades,aptidões, experiencias, atitudes e acções quotidianas normalizadoras implicaria umametodologia centrada no indivíduo, contudo tal opção seria redutora, uma vez que oindivíduo não se esgota em si mesmo. Uma visão sistémica onde o meio é parteintegrante fundamental, é uma necessidade a fim de se poder proceder às mudançasestruturais que a melhoria contínua exige.Resultados OperacionaisOs planos avaliam-se não só no momento da concepção, pelas opções que apresentam,mas também pela sua eficácia dos seus resultados. E é tomando como exemplo as linhasorientadoras, que através de princípios como a transversalidade, sistematização einovação, se têm obtido alguns resultados que qualificam a intervenção do CJPII. 13
  14. 14. Vector estratégico: Melhorar as condições ambientais dos serviços com vista à qualificação da Instituição. Objectivo Actividades Indicadores Metas ResultadosRentabilizar com eficácia e eficiência o Implementação de novos horários de - - Asector do economato atendimento Aquisição de equipamento para osMelhorar e rentabilizar os serviços de serviços da costura, cozinha e - - NAapoio lavandaria Construção de um estendal da roupa - - NADotar o CJPII de um sistema de Instalação da 2ª fase do projecto de - - NAsegurança contra incêndios Segurança contra IncênciosDotar as salas de actividades egabinetes do sector Instalação de sistema de ventilação - - NAanimação/ocuipação de um sistema deventilação Aquisição de toldos para as varandas;Equipar as residências com meios que microondas; substituição das Em 2011 as residênciaspermitam uma maior funcionalidade e Atribuição de marquesas existentes por outras de deverão estar equipadasmaior conforto para os residentes, e equipamento especifico NA inox; equipar os WC com apoios de com 90% do materialque substituam os sinais de para as residências inox; equipar os WC sinalizados com proposto.deterioração dos mesmos. sistemas de ventilação. No final do ano 2011 oDotar o serviço de reabilitação com Adequação do WC do serviço de WC adaptado no serviço serviço de reabilitaçãoequipamento adequado e acessível às NA reabilitação. de reabilitação deverá estar equipadonecessidades dos residentes. com um WC adaptado. 14
  15. 15. Vector estratégico: Qualificar a intervenção junto do residente Objectivo Actividades Indicadores Metas ResultadosPromover aparticipação activa dos Participação em campeonatos Nº de competiçõesresidentes em nacionais das modalidades Cumprir em 100% das realizadas/nº total de NAcontextos específicos desportivas BOCCIA, Slalom e competições previstas competições previstasno âmbito do desporto Tricicleta.de competição. Espera-se que durante o anoEnriquecer e valorizar A 2011 o Grupo de Dançaas relações sociais e a Actuação do grupo “Rodas Nº de actuações do grupo O grupo de dança foi convidado apresente o seu trabalho àexperimentação de Dançantes” Rodas Dançantes a apresentar o seu trabalho em sociedade, como convidado ou 5 eventos.novos contextos promotor. Dinamização de espaços diversos:Reconhecer e valorizar Ludoteca; Sala de actividades Resultados obtidos com oas capacidades ocupacionais; Espaço Sensorial; Som relatório de actividades doindividuais na Cumprir com mais de 60% das A d’Arte; Brincar com os sentidos; Clube de Lazer, Ludoteca, (80%)concretização de actividades definidas Espaço-Verde; Clube de Lazer; Espaço SÃO, Espaço sensorial, (…)actividades Agridoce. Comemoração de datas relativos ao ano de 2011.significativas festivas. NA Elaboração de um Manual Durante o ano de 2011, todas as Foram elaboradas váriasDefinir linhas Avaliação, sinalização e intervenção de Funções; áreas de intervenção, em orientações técnicas queestratégicas de na actuação das AL. Clarificação e Acompanhamento aos conjunto, deverão ter formulado permitem às AL uma melhororientação técnica para actuação. Contudo, não foi definição de responsabilidades Módulos pela equipa orientações técnicas práticas eas residências elaborado um documento técnica. concisas único. Vigilância e supervisão às residências; APromover o Durante o ano de 2011, as não (5,17% das não conformidades registo e monitorização das nãocumprimento das % de não conformidades conformidades não deverão ser reportam-se ao não conformidades; implementação de cumprimento de orientaçõesorientações técnicas superiores a 25%. acções de melhoria. técnicas) 15
  16. 16. Apoios individuais de fisioterapia, Terapia ocupacional, Terapia da fal,Aumentar o nº de RES a Educação Especial e desporto Número de apoios Espera-se realizar 80% dos apoios Abeneficiar do apoio dos adaptado; Bolsa de apoios de realizados/Número de previstos, contemplados nos PIR Foram cumpridos 81,06% dosserviços de reabilitação. fisioterapia; promoção da autonomia apoios previstos elaboradors/revistos em 2010. apoios previstos. na alimentação; implementação de sala de ambiente sensório-motor Espera-se um cumprimento deAumentar o número de Objectivos alcançados/ pelo menos 50% dos objectivos Aobjectivos atingidos nos Monitorização contínua dos PIR. (53,8%) Objectivos TOTAL específicos definidos em PIRPIR (2010/2011) Nº de apoios planeados em Em 2011, espera-se que sejamAumentar a capacidade Levantamento das necessidades, por PIR/ apoios necessários planeados pelo menos 50% dos (este indicador encontra-se ade resposta ás reais área de intervenção, definição de detectados em avaliação de apoios necessários, na ser reformulados)necessidades dos RES estratégias de intervenção. necessidades. elaboração/revisão de PIR.Vector estratégico: Rever o desempenho dos colaboradores envolvidos na prestação dos serviços Objectivo Actividades Indicadores Metas Resultados 75% das acções de formação A Diagnóstico das necessidades de (segundo o RAFDP, mais de 75%Desenvolver % de acções de formação realizadas durante o ano de 2011 formação; implementação do plano das Acções de Formação foramcompetências eficazes deverão ser consideradas de Formação consideradas eficazes) eficazesVector estratégico: Promover a inclusão social activa, em contextos sociais, facilitando o acesso às sinergias envolventes Objectivo Actividades Indicadores Metas Resultados APromover o Projecto de intervenção precoce; Nº de parcerias Durante o ano de 2011, o CJPII Para além dos Protocolos jáestabelecimento de Protocolo com Agrupamento de promovidas; continuidade deverá: promover parcerias de existentes, e a sua dinamizaçãoParcerias com diversos Escolas; Estágios curriculares; Parceria das parcerias já existentes valor acrescentado em 1%; ao longo de 2011, verificou-se o 16
  17. 17. sectores da sociedade “Grupo da Diferença”; Protocolo com proceder ao enquadramento dos desenvolvimento de mais 1 Fundação PT; protocolo com CMFR de seus objectivos, definindo a prtocolo com uma insituição da Alcoitão. continuidade destas em 75% comunidade, no que respeita ao uso de equipamento.Vector estratégico: Promover a inclusão social e a participação activa da instituição em contextos societais normalizantes Objectivo Actividades Indicadores Metas ResultadosParticipar e promover Colónia de Férias; Campo de Férias de Participação activa dos RES Cumprir com 90% das actividadesacções de intercâmbio Fornos de Algodres; passeios de nas actividades planeadas planeadassocial Verão; promoção do voluntariado; para 2012. promoção de visitas ao CJPII; A participação em actividades promovidas por entidades externas; dinamização de actividades com a participação de entidades externasVector estratégico: Manter bons níveis de satisfação na prestação de serviços às partes interessadas Objectivo Actividades Indicadores Metas ResultadosAumentar o grau de Avaliação das reais necessidades dos Nível de satisfação dos Aumentar em 10% o nível desatisfação dos RES; implementação de acções de Stakeholders satisfação dos stakeholders NA- RESstakeholders. melhoria; Divulgação e cumprimento A – COL do PIR; divulgação do Regulamento A – FAM Interno e normas de funcionamento A - PAR dirigidas aos aos familiares. 17
  18. 18. Análise CríticaTendo como referência os quadros acima apresentados, e que nos mostram osresultados obtidos durante 2011, isto é, revelam-nos a eficácia do desempenhoinstitucional, podemos observar que o vector estratégico que não alcançou osresultados pretendidos reporta-se à aquisição de equipamento e à reformulação dasinfraestruturas. Consideramos, que tal facto justifica-se com a conjuntura económicaactual, uma vez que não foi possível disponibilizar os recursos financeiros necessáriospara a sua pressecução.Relativamente à intervenção directa junto do RES, os resultados institucionais forammuito positivos, tendo-se alcançado a maioria das metas propostas. Tal facto,manifesta-se num avanço qualitativo na prestação dos cuidados directos. Contudo, eapesar de se considerar que a qualidade dos serviços prestados ter observado umavanço qualitativo, não podemos deixar de observar, que contínua a ser fundamentalprocurar e implementar novas acções que permitam focalizar-nos na melhoriacontínua. Estas acções, num plano imediato passam, fundamentalmente, quer peloaumento do número de cuidadores directos (AL), quer pela contratação de técnicosespecializados (mais um fisioterapeuta). Porém, é essencial pensarmos igualmente, naqualificação e no desenvolvimento de competências dos colaboradores.Tal como podemos observar através da análise dos gráficos 5 e 6, o número de acçõesdesenvolvidas pela ET junto dos RES verificou um aumento de 5%. 200 174 180 165 160 2010 140 2011 117 120 106 100 75 80 60 40 31 19 21 23 21 16 20 9 13 8 0 FT TO EER TF DES BOLSA Hipo Gráfico 5: Apoios efectuados por área de intervenção 17
  19. 19. 180 175 170 166 160 150 Residentes apoiados 140 130 120 2010 2011 AnoGráfico 6: número de RES apoiados pelo SR. 9769 (100%) 10000 7919 (81.06%) 9000 8000 7000 6000 Total 5000 4000 3000 2000 1000 0 Apoios previstos Apoios dados Gráfico 7: Número total de apoios efectuados.No total de 192 Residentes, no ano 2010 foram apoiados 166 RES e no ano 2011, 175residentes. O objectivo específico foi atingido, mas a meta não, na medida em queapenas aumentámos 9 residentes de um ano para o outroMediante a análise dosapoios previstos e dados, facultados pela equipa de saúde (Fisioterapeutas, TerapeutaOcupacional, Psicólogo, Auxiliar Técnico de Fisioterapia, Técnico Superior de EducaçãoEspecial e Reabilitação, Terapeuta da Fala, Nutricionista, Professor de educação Física),sem contabilizar os apoios prestados pela equipa de enfermagem, verifica-se que foipossível atingir a meta proposta, em mais 1.06%. 18
  20. 20. Relativamente a um plano operacional, podemos constatar, que a concretização dealgumas actividades não foi possível na calendarização proposta, contudo, já seencontram em fase de implementação. É o caso da reestruturação de salas depromoção da autonomia na alimentação, ainda não foi possível executar todasalterações necessárias à sua implementação e funcionamento. Os seus objectivosoperacionais foram na sua maioria parcialmente atingidos tendo sido dadacontinuidade ao plano de acção de melhoria na área da alimentação. Será de salientarque o objectivo inerente ao aumento das condições de equilíbrio, conforto, segurançae higiene do ambiente e equipamento onde são realizados os treinos de alimentação,não foi alcançado, por ainda não estarem reunidas todas as circunstâncias necessáriaspara o desenvolvimento deste projecto.Relativamente ao estudo e implementação de sala de ambiente sensório-motorenriquecedor, o mesmo projecto foi desenvolvido e implementado, tendo sidoatingidos os objectivos propostos. Todavia, após um período de utilização inicial, foinecessário rever as condições de segurança do espaço e proceder a solicitação dasalterações específicas a realizar. Actualmente, aguarda-se a conclusão destesprocedimentos com vista a garantir uso pleno e seguro do espaço. Será importantereferir que presentemente estão três residentes a usufruir dos benefícios desteespaço, com resultados significados. 19
  21. 21. AdendaO Conselho de Administração do Centro João Paulo II congratula-se com o modo comodecorreram, no ano de 2011, as actividades inseridas no respectivo Plano deActividades.Como ponto alto deve referir-se a atribuição, em Fevereiro de 2011 da Certificação“Assurance in Social Service” pelo Equass Awarding Committee. Este galardão confirmaduas vertentes que a administração há muito refere e que se consubstanciam noseguinte:  Qualidade Técnica dos colaboradores;  Dedicação, ética e rigor, no desempenho.Duma maneira geral todos os colaboradores manifestaram a vontade de se valorizar emelhorar as suas capacidades, no sentido de lhes proporcionar mais capacidade emelhorar aptidões para os desempenhos correspondentes às suas atribuições.A Administração lamenta a impossibilidade material de promover alterações nosvencimentos e aguarda época futura mais favorável.Registe-se a satisfação significativa dos familiares, dos parceiros e dos residentes, comespecial relevo para estes últimos cuja percentagem de muito satisfeitos aumentou7,31% relativamente ao ano anterior.Nos vectores estratégicos, dos 18 objectivos propostos alcançaram-se apenas 9, ouseja, 50% do previsto, sendo de referir que os principais factores que inviabilizaram ocumprimento total do plano foram constrangimentos financeiros.Os níveis de satisfação na prestação de serviços “às partes interessadas” revelousatisfação clara quanto aos colaboradores, familiares e parceiros e alguma insatisfação,no que concerne aos residentes. Há que promover acções direccionadas a estesúltimos de molde a satisfazer, na medida do possível as suas expectativas.O relatório apresenta-se bem elaborado e de fácil consulta pelo que propomos umvoto de felicitação a todos os colaboradores do Centro João Paulo II. 20

×