SlideShare uma empresa Scribd logo

Bens Escassos (Texto Integral)

Os Capitais Próprios e as Contragarantias Cuidados a ter no seu uso

1 de 9
Baixar para ler offline
BENS ESCASSOS (Texto Integral)
Os Capitais Próprios e as
Contragarantias
Cuidados a ter no seu uso
I) Visão Global
II) A Oportunidade
III) Tipologia e Formalização
CJA Business Consulting
Carlos Jerónimo Augusto
http://www.linkedin.com/pub/carlos-jeronimo-augusto/66/279/758
www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242
www.cja-bc.com
carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com
TLM 911161776
Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias.
Cuidados a ter no seu uso
2
CJA Business Consulting DEZ 2013
www.cja-bc.com Tlm 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com
https://www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242
Introdução
Existem dois bens por norma muito escassos para os Empresários e Empresas. Falamos
dos Capitais Próprios e das Contragarantias.
Estes bens escassos para Empresários e Empresas, são ao mesmo tempo
extremamente apetecíveis para os Bancos.
Se algo é muito escasso e ao mesmo tempo extremamente apetecível, então é
precioso.
Como precioso, tem de ser gerido com todo o cuidado.
É esse o tema que tentaremos abordar longo dos pontos abaixo.
I) Visão Global
Na maior parte dos casos uma Empresa ou um Empresário dão uma garantia ou fazem
uma injecção de fundos na Empresa, quando de uma operação específica e para essa
mesma operação.
O Banco fica satisfeito, dado que fez a operação com a contragarantia e/ou capitais
próprios que pretendia.
O Cliente fica satisfeito, dado que realizou a operação que pretendia.
Ficaram todos contentes. Óptimo.
Mas uns ficaram mais contentes que os outros…
O Banco ficou mais contente, dado que com a natural amortização da operação que
contratou, cada vez está mais bem garantido….
O Cliente ficou menos contente dado que “ficou sem” os activos que alocou a essa
operação, não os podendo reutilizar enquanto a mesma subsistir….
Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias.
Cuidados a ter no seu uso
3
CJA Business Consulting DEZ 2013
www.cja-bc.com Tlm 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com
https://www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242
Como equilibrar esta relação?
Antes de alocar Capitais Próprios ou uma Contragarantia o Cliente deve analisar toda a
sua relação com o Banco e de que modo pode valorizar essa garantia.
Por exemplo num financiamento para compra de um imóvel, o imóvel dado de
garantia para o empréstimo deverá exceder o valor a garantir (até porque os bancos
exigem uma percentagem, hoje em dia relativamente alta, de capitais próprios
alocados ao negócio). Além disso o empréstimo é para ser pago, pelo que vai
diminuindo o seu valor, logo o Banco estará cada vez mais seguro e o Cliente estará a
desperdiçar cada vez mais recursos.
Em função do exposto, parece existir espaço para o Cliente valorizar esse seu activo.
Como?
Olhando para a globalidade do seu envolvimento com o Banco e alocando a hipoteca
desse activo também a outras responsabilidades que tenha, negociando em função
desse reforço de garantias, uma redução de taxa.
Aqui sim estamos num negócio WIN-WIN, dado que o Banco faz uma nova operação
e reforça garantias sobre o crédito que já detêm e o Cliente faz a operação que
necessita, disponibiliza o bem para hipoteca, mas consegue também melhores
condições no crédito que já tem.
O exemplo apresentado é válido, para esta situação, mas também para uma infinidade
de outras. Pode traduzir-se em milhares de euros e numa maior estabilidade da
situação económica e financeira da empresa.
Não é fácil levar os Bancos a este caminho. NÃO.
Utilize Apoio Especializado Na Relação Com a Banca.
CJA Business Consulting
Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias.
Cuidados a ter no seu uso
4
CJA Business Consulting DEZ 2013
www.cja-bc.com Tlm 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com
https://www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242
II) A Oportunidade
Um dos principais cuidados a ter com a utilização dos Capitais Próprios e das
Contragarantias disponíveis relaciona-se com a oportunidade de o fazer.
Quando existem capitais próprios disponíveis, excedentes da empresa ou capitais dos
sócios, muitas vezes a tentação dos decisores é utilizá-los, para evitar custos
financeiros.
Efectivamente não são criados custos financeiros, mas este tipo de procedimento
também tem custos. Custos de capital e custos de oportunidade.
Os capitais dos sócios ao serem investidos na empresa deixam de ter a remuneração
que estes conseguiriam com os mesmos, extremamente variável em função do perfil
de investidor e das decisões de investimento tomadas, mas há uma remuneração que
se extingue. É um custo.
E tanto os capitais dos sócios como os excedentes existentes na empresa têm um
custo de oportunidade. Ao deixarem de estar disponíveis, não poderão ser aplicados
em oportunidades que surjam a partir desse momento. Não é de todo um custo
tangível, mas o custo existe.
Quando falamos de contragarantias a principal questão que se levanta é o custo de
oportunidade. Por vezes para obter melhores condições ou para facilitar a aprovação
de uma operação pontual os decisores disponibilizam aos bancos contragarantias que
tem disponíveis. Ao fazerem-no deixam de as ter disponíveis para futuras
necessidades.
Ao tomar estas decisões os decisores buscam as melhores condições para a sua
empresa, o que é correcto. Muitas vezes conseguem-nas, mas fica por apurar o custo
das mesmas, sobretudo o custo de oportunidade. É algo que na grande parte das vezes
só mais à frente “apurado”.
E o que fazer para melhor perceber o custo de oportunidade e para o minorar?
A melhor via para perceber o custo de oportunidade é a existência de planeamento.
Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias.
Cuidados a ter no seu uso
5
CJA Business Consulting DEZ 2013
www.cja-bc.com Tlm 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com
https://www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242
Se a empresa tiver um planeamento a médio prazo poderá ter a noção das
disponibilidades e das necessidades que terá em determinado período, logo uma
melhor percepção das consequências futuras de na altura em que está a decidir,
disponibilizar para determinada operação fundos ou contragarantias.
Com essa noção poderá decidir melhor sobre a oportunidade de no momento
disponibilizar fundos ou contragarantias, ou antes utilizar capitais alheios, bancários ou
não, suportar os respectivos custos e manter a sua liquidez ou o seu património
desonerado, para futuras utilizações.
Para minorar o custo de oportunidade das decisões que estamos a analisar, uma via é
repartir o custo. O que é repartir o custo?
Olhamos para o ponto anterior destas nossas publicações, a Visão Global. Se vamos
injectar fundos ou disponibilizar garantias, então devemos olhar para a nossa relação
global com o banco com quem estamos a falar e tentar obter vantagens dessa nossa
decisão noutras operações. Assim o custo de oportunidade que assumimos gerará
mais proveitos e será repartido entre a operação que estamos a trabalhar e outras
operações em carteira. Existindo planeamento, esta repartição de custo poderá
mesmo afectar necessidades futuras, baixando imenso o custo de oportunidade
inerente à decisão tomada.
A decisão de utilizar de fundos disponíveis da empresa ou dos sócios ou
contragarantias, comprometendo-as de uma forma mais ou menos estrutural é das
decisões mais importantes das empresas. Lembremos, são bens escassos, apetecíveis e
preciosos.
Assim o processo de tomada de decisão tem alguns pontos chave:
1) Deve ser conduzido pela Empresa e não pelos seus parceiros financeiros,
devendo esta agir em antecipação
2) Para agir em antecipação deverá estar respaldada num processo de
planeamento em que tenha a melhor noção possível das suas necessidades
futuras
3) Devem sempre ser estudadas alternativas que mesmo trazendo custos
financeiros, preservem a liquidez ou a capacidade de endividamento da
empresa
Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias.
Cuidados a ter no seu uso
6
CJA Business Consulting DEZ 2013
www.cja-bc.com Tlm 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com
https://www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242
4) Os bancos após terem uma operação feita com determinados níveis de
capitais próprios ou com determinadas contragarantias, dificilmente no
futuro farão uma operação similar em piores condições…
Complexo. SIM.
Utilize Apoio Especializado Na Relação Com a Banca.
CJA Business Consulting
III) Tipologia e Formalização
Quer as injecções de fundos nas Empresas, quer as garantias prestadas podem ter uma
série de tipologias, por vezes muito similares na forma, ou na concretização, mas que
na prática levam a resultados extremamente diferenciados na disponibilidade futura
dos activos para a Empresa e na sua posição negocial.
1)
Quando um Banco solicita a uma Empresa determinado nível de “comparticipação”
de capitais próprios numa operação ou entrada de fundos para o reequilíbrio da
estrutura económico financeira de uma empresa, normalmente pensa-se num
aumento de capital social.
Pode ser essa a solução escolhida.
Essa é sem dúvida a melhor solução para o Banco, se bem que outras poderiam ir ao
encontro das suas necessidades.
Mas pode não ser a melhor solução para a empresa. Se bem que em termos práticos,
na altura da subscrição seja igual fazer um aumento de capital social ou fazer
prestações suplementares ( os sócios têm de pôr dinheiro na empresa, ou transformar
os seus empréstimos em instrumentos de capital ),num médio e longo prazo podemos
dizer que existe uma total impossibilidade de os sócios reaverem o capital social e
existe a possibilidade de retirarem as prestações suplementares.

Recomendados

Guia descomplicado para investir com segurança e rentabilidade
Guia descomplicado para investir com segurança e rentabilidadeGuia descomplicado para investir com segurança e rentabilidade
Guia descomplicado para investir com segurança e rentabilidadeRenato Borges
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos INTEGRAL
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos INTEGRALO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos INTEGRAL
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos INTEGRALCJA Business Consulting
 
O que posso ganhar com o apoio especializado
O que posso ganhar com o apoio especializadoO que posso ganhar com o apoio especializado
O que posso ganhar com o apoio especializadoCJA Business Consulting
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Princípios Facilitadores Para Obtenção De Crédito Bancário Empresas Texto Int...
Princípios Facilitadores Para Obtenção De Crédito Bancário Empresas Texto Int...Princípios Facilitadores Para Obtenção De Crédito Bancário Empresas Texto Int...
Princípios Facilitadores Para Obtenção De Crédito Bancário Empresas Texto Int...CJA Business Consulting
 
Gestão e análise de risco e de crédito i
Gestão e análise de risco e de crédito iGestão e análise de risco e de crédito i
Gestão e análise de risco e de crédito iprofessoredmilson
 
Leitura investimentos
Leitura investimentosLeitura investimentos
Leitura investimentosDione Sousa
 
Montando seu manual de credito e recebimento
Montando seu manual de credito e recebimentoMontando seu manual de credito e recebimento
Montando seu manual de credito e recebimentoInterlecto Consultoria
 
Balanco Completo 2009
Balanco Completo 2009Balanco Completo 2009
Balanco Completo 2009Paraná Banco
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos V
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos V
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VCJA Business Consulting
 
Retrocessão para seguradoras
Retrocessão para seguradorasRetrocessão para seguradoras
Retrocessão para seguradorasEditora Roncarati
 
Treinamento Anaccon Analise De Credito
Treinamento Anaccon Analise De CreditoTreinamento Anaccon Analise De Credito
Treinamento Anaccon Analise De Creditoedeciofilho
 
Capital de risco Vantagens e desvantagens
Capital de risco Vantagens e desvantagensCapital de risco Vantagens e desvantagens
Capital de risco Vantagens e desvantagensRui Filipe Garcia
 
Apostila de análise fundamentalista bradesco
Apostila de análise fundamentalista   bradescoApostila de análise fundamentalista   bradesco
Apostila de análise fundamentalista bradescojhgfd hgfds
 
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes LondrinaFinanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes LondrinaInstituto Keynes
 
Como conseguir financiamento para o seu negócio
Como conseguir financiamento para o seu negócio Como conseguir financiamento para o seu negócio
Como conseguir financiamento para o seu negócio Digital Factory Brazil
 

Mais procurados (17)

Princípios Facilitadores Para Obtenção De Crédito Bancário Empresas Texto Int...
Princípios Facilitadores Para Obtenção De Crédito Bancário Empresas Texto Int...Princípios Facilitadores Para Obtenção De Crédito Bancário Empresas Texto Int...
Princípios Facilitadores Para Obtenção De Crédito Bancário Empresas Texto Int...
 
Gestão e análise de risco e de crédito i
Gestão e análise de risco e de crédito iGestão e análise de risco e de crédito i
Gestão e análise de risco e de crédito i
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Leitura investimentos
Leitura investimentosLeitura investimentos
Leitura investimentos
 
Montando seu manual de credito e recebimento
Montando seu manual de credito e recebimentoMontando seu manual de credito e recebimento
Montando seu manual de credito e recebimento
 
Balanco Completo 2009
Balanco Completo 2009Balanco Completo 2009
Balanco Completo 2009
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos V
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos V
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos V
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Retrocessão para seguradoras
Retrocessão para seguradorasRetrocessão para seguradoras
Retrocessão para seguradoras
 
Como investir em ações
Como investir em açõesComo investir em ações
Como investir em ações
 
Cadastro, crédito e recebimento
Cadastro, crédito e recebimentoCadastro, crédito e recebimento
Cadastro, crédito e recebimento
 
Treinamento Anaccon Analise De Credito
Treinamento Anaccon Analise De CreditoTreinamento Anaccon Analise De Credito
Treinamento Anaccon Analise De Credito
 
Capital de risco Vantagens e desvantagens
Capital de risco Vantagens e desvantagensCapital de risco Vantagens e desvantagens
Capital de risco Vantagens e desvantagens
 
Apostila de análise fundamentalista bradesco
Apostila de análise fundamentalista   bradescoApostila de análise fundamentalista   bradesco
Apostila de análise fundamentalista bradesco
 
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes LondrinaFinanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina
Finanças para Pequenos Negócios Instituto Keynes Londrina
 
Como conseguir financiamento para o seu negócio
Como conseguir financiamento para o seu negócio Como conseguir financiamento para o seu negócio
Como conseguir financiamento para o seu negócio
 
Manual boas-praticas-seguro-garantia-estendida cnseg-fenseg
Manual boas-praticas-seguro-garantia-estendida cnseg-fensegManual boas-praticas-seguro-garantia-estendida cnseg-fenseg
Manual boas-praticas-seguro-garantia-estendida cnseg-fenseg
 

Semelhante a Bens Escassos (Texto Integral)

O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIII
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIIIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIII
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIIICJA Business Consulting
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos II
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos II
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IICJA Business Consulting
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VI
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VI
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VICJA Business Consulting
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IV
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IVO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IV
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IVCJA Business Consulting
 
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas V
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas VPrincípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas V
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas VCJA Business Consulting
 
Monografia Adaltro Ciências Contábeis 2010
Monografia Adaltro Ciências Contábeis 2010Monografia Adaltro Ciências Contábeis 2010
Monografia Adaltro Ciências Contábeis 2010Biblioteca Campus VII
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos III
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IIIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos III
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IIICJA Business Consulting
 
10 dicas importantes sobre linhas de crédito
10 dicas importantes sobre linhas de crédito10 dicas importantes sobre linhas de crédito
10 dicas importantes sobre linhas de créditoSebrae Bahia
 
PRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEF
PRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEFPRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEF
PRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEFVito Dambrosio
 
Contabilidade para empresas: Ter apoio de um contador pode te ajudar em momen...
Contabilidade para empresas: Ter apoio de um contador pode te ajudar em momen...Contabilidade para empresas: Ter apoio de um contador pode te ajudar em momen...
Contabilidade para empresas: Ter apoio de um contador pode te ajudar em momen...Juliana Pontes
 
Tópicos Sobre Apoio Especializado II Papel
Tópicos Sobre Apoio Especializado II PapelTópicos Sobre Apoio Especializado II Papel
Tópicos Sobre Apoio Especializado II PapelCJA Business Consulting
 
Consultorias certeiras salvam empresas em apuros
Consultorias certeiras salvam empresas em apurosConsultorias certeiras salvam empresas em apuros
Consultorias certeiras salvam empresas em apurosvitadenarium
 
E-book Consórcio ou financiamento.pdf
E-book Consórcio ou financiamento.pdfE-book Consórcio ou financiamento.pdf
E-book Consórcio ou financiamento.pdfJeffinhoSantos2
 
Advoco brasil o cliente odeia surpresas
Advoco brasil   o cliente odeia surpresasAdvoco brasil   o cliente odeia surpresas
Advoco brasil o cliente odeia surpresasAndre Medeiros
 
Apresentação sicredi - problemas
Apresentação sicredi - problemasApresentação sicredi - problemas
Apresentação sicredi - problemascoop10203040
 
Guia completo consorcio
Guia completo consorcioGuia completo consorcio
Guia completo consorcioTalmir Mendes
 

Semelhante a Bens Escassos (Texto Integral) (20)

O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIII
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIIIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIII
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIII
 
Bens escassos Parte 1 visão global
Bens escassos Parte 1 visão globalBens escassos Parte 1 visão global
Bens escassos Parte 1 visão global
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos II
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos II
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos II
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VI
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VI
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VI
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IV
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IVO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IV
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IV
 
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas V
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas VPrincípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas V
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas V
 
Previdência privada
Previdência privadaPrevidência privada
Previdência privada
 
Monografia Adaltro Ciências Contábeis 2010
Monografia Adaltro Ciências Contábeis 2010Monografia Adaltro Ciências Contábeis 2010
Monografia Adaltro Ciências Contábeis 2010
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos III
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IIIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos III
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos III
 
CJA Liquidez
CJA LiquidezCJA Liquidez
CJA Liquidez
 
Apostila 05 creditos
Apostila 05   creditosApostila 05   creditos
Apostila 05 creditos
 
10 dicas importantes sobre linhas de crédito
10 dicas importantes sobre linhas de crédito10 dicas importantes sobre linhas de crédito
10 dicas importantes sobre linhas de crédito
 
PRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEF
PRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEFPRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEF
PRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEF
 
Contabilidade para empresas: Ter apoio de um contador pode te ajudar em momen...
Contabilidade para empresas: Ter apoio de um contador pode te ajudar em momen...Contabilidade para empresas: Ter apoio de um contador pode te ajudar em momen...
Contabilidade para empresas: Ter apoio de um contador pode te ajudar em momen...
 
Tópicos Sobre Apoio Especializado II Papel
Tópicos Sobre Apoio Especializado II PapelTópicos Sobre Apoio Especializado II Papel
Tópicos Sobre Apoio Especializado II Papel
 
Consultorias certeiras salvam empresas em apuros
Consultorias certeiras salvam empresas em apurosConsultorias certeiras salvam empresas em apuros
Consultorias certeiras salvam empresas em apuros
 
E-book Consórcio ou financiamento.pdf
E-book Consórcio ou financiamento.pdfE-book Consórcio ou financiamento.pdf
E-book Consórcio ou financiamento.pdf
 
Advoco brasil o cliente odeia surpresas
Advoco brasil   o cliente odeia surpresasAdvoco brasil   o cliente odeia surpresas
Advoco brasil o cliente odeia surpresas
 
Apresentação sicredi - problemas
Apresentação sicredi - problemasApresentação sicredi - problemas
Apresentação sicredi - problemas
 
Guia completo consorcio
Guia completo consorcioGuia completo consorcio
Guia completo consorcio
 

Mais de CJA Business Consulting

Oquefazacjabc 140109141120-phpapp01 2 ago
Oquefazacjabc 140109141120-phpapp01 2 agoOquefazacjabc 140109141120-phpapp01 2 ago
Oquefazacjabc 140109141120-phpapp01 2 agoCJA Business Consulting
 
A oportunidade das taxas de juro no crédito
A oportunidade das taxas de juro no créditoA oportunidade das taxas de juro no crédito
A oportunidade das taxas de juro no créditoCJA Business Consulting
 
DESMONTAR O MONSTRO PACOTE FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS E EMPREENDEDORES
DESMONTAR O MONSTRO PACOTE FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS E EMPREENDEDORESDESMONTAR O MONSTRO PACOTE FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS E EMPREENDEDORES
DESMONTAR O MONSTRO PACOTE FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS E EMPREENDEDORESCJA Business Consulting
 
Tópicos Sobre Apoio Especializado III Documentação
Tópicos Sobre Apoio Especializado III DocumentaçãoTópicos Sobre Apoio Especializado III Documentação
Tópicos Sobre Apoio Especializado III DocumentaçãoCJA Business Consulting
 
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas II
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas IIPrincípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas II
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas IICJA Business Consulting
 
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas I
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas IPrincípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas I
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas ICJA Business Consulting
 
A importância das unidades de recuperação de crédito
A importância das unidades de recuperação de créditoA importância das unidades de recuperação de crédito
A importância das unidades de recuperação de créditoCJA Business Consulting
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VII
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VII
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIICJA Business Consulting
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos I
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos I
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos ICJA Business Consulting
 

Mais de CJA Business Consulting (14)

Oquefazacjabc 140109141120-phpapp01 2 ago
Oquefazacjabc 140109141120-phpapp01 2 agoOquefazacjabc 140109141120-phpapp01 2 ago
Oquefazacjabc 140109141120-phpapp01 2 ago
 
A PME e O Risco Banco
A PME e O Risco BancoA PME e O Risco Banco
A PME e O Risco Banco
 
A oportunidade das taxas de juro no crédito
A oportunidade das taxas de juro no créditoA oportunidade das taxas de juro no crédito
A oportunidade das taxas de juro no crédito
 
Acção DOWN
Acção DOWNAcção DOWN
Acção DOWN
 
DESMONTAR O MONSTRO PACOTE FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS E EMPREENDEDORES
DESMONTAR O MONSTRO PACOTE FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS E EMPREENDEDORESDESMONTAR O MONSTRO PACOTE FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS E EMPREENDEDORES
DESMONTAR O MONSTRO PACOTE FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS E EMPREENDEDORES
 
Tópicos Sobre Apoio Especializado III Documentação
Tópicos Sobre Apoio Especializado III DocumentaçãoTópicos Sobre Apoio Especializado III Documentação
Tópicos Sobre Apoio Especializado III Documentação
 
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas II
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas IIPrincípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas II
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas II
 
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas I
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas IPrincípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas I
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas I
 
A importância das unidades de recuperação de crédito
A importância das unidades de recuperação de créditoA importância das unidades de recuperação de crédito
A importância das unidades de recuperação de crédito
 
RATING PME
RATING PMERATING PME
RATING PME
 
Linha de crédito PME Crescimento 2014
Linha de crédito PME Crescimento 2014Linha de crédito PME Crescimento 2014
Linha de crédito PME Crescimento 2014
 
Acção DOWN
Acção DOWNAcção DOWN
Acção DOWN
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VII
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VII
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VII
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos I
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos I
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos I
 

Último

A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...dl assessoria9
 
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023Henry Quaresma
 
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.brBolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.brPatriciagomes889620
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...DL assessoria 31
 
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...mariaclarinhaa2723
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...DL assessoria 29
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...dl assessoria9
 
MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024
MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024
MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024DassessoriaAa
 
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024AssessoriaDl1
 
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...Raislane Santos
 
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024DL assessoria 31
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024DL assessoria 27
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...sdl192405
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...sdl192405
 
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024Dl assessoria S3
 
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...mariaclarinhaa2723
 
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024Dl assessoria S3
 
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...Dl assessoria S3
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024DL assessoria 30
 
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...dl assessoria9
 

Último (20)

A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
 
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
 
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.brBolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
 
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT) A Organização Racional do Trabalho (OR...
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
 
MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024
MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024
MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024
 
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
 
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
 
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
 
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
 
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
 
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
 
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
 
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
 

Bens Escassos (Texto Integral)

  • 1. BENS ESCASSOS (Texto Integral) Os Capitais Próprios e as Contragarantias Cuidados a ter no seu uso I) Visão Global II) A Oportunidade III) Tipologia e Formalização CJA Business Consulting Carlos Jerónimo Augusto http://www.linkedin.com/pub/carlos-jeronimo-augusto/66/279/758 www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 www.cja-bc.com carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com TLM 911161776
  • 2. Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias. Cuidados a ter no seu uso 2 CJA Business Consulting DEZ 2013 www.cja-bc.com Tlm 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com https://www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 Introdução Existem dois bens por norma muito escassos para os Empresários e Empresas. Falamos dos Capitais Próprios e das Contragarantias. Estes bens escassos para Empresários e Empresas, são ao mesmo tempo extremamente apetecíveis para os Bancos. Se algo é muito escasso e ao mesmo tempo extremamente apetecível, então é precioso. Como precioso, tem de ser gerido com todo o cuidado. É esse o tema que tentaremos abordar longo dos pontos abaixo. I) Visão Global Na maior parte dos casos uma Empresa ou um Empresário dão uma garantia ou fazem uma injecção de fundos na Empresa, quando de uma operação específica e para essa mesma operação. O Banco fica satisfeito, dado que fez a operação com a contragarantia e/ou capitais próprios que pretendia. O Cliente fica satisfeito, dado que realizou a operação que pretendia. Ficaram todos contentes. Óptimo. Mas uns ficaram mais contentes que os outros… O Banco ficou mais contente, dado que com a natural amortização da operação que contratou, cada vez está mais bem garantido…. O Cliente ficou menos contente dado que “ficou sem” os activos que alocou a essa operação, não os podendo reutilizar enquanto a mesma subsistir….
  • 3. Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias. Cuidados a ter no seu uso 3 CJA Business Consulting DEZ 2013 www.cja-bc.com Tlm 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com https://www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 Como equilibrar esta relação? Antes de alocar Capitais Próprios ou uma Contragarantia o Cliente deve analisar toda a sua relação com o Banco e de que modo pode valorizar essa garantia. Por exemplo num financiamento para compra de um imóvel, o imóvel dado de garantia para o empréstimo deverá exceder o valor a garantir (até porque os bancos exigem uma percentagem, hoje em dia relativamente alta, de capitais próprios alocados ao negócio). Além disso o empréstimo é para ser pago, pelo que vai diminuindo o seu valor, logo o Banco estará cada vez mais seguro e o Cliente estará a desperdiçar cada vez mais recursos. Em função do exposto, parece existir espaço para o Cliente valorizar esse seu activo. Como? Olhando para a globalidade do seu envolvimento com o Banco e alocando a hipoteca desse activo também a outras responsabilidades que tenha, negociando em função desse reforço de garantias, uma redução de taxa. Aqui sim estamos num negócio WIN-WIN, dado que o Banco faz uma nova operação e reforça garantias sobre o crédito que já detêm e o Cliente faz a operação que necessita, disponibiliza o bem para hipoteca, mas consegue também melhores condições no crédito que já tem. O exemplo apresentado é válido, para esta situação, mas também para uma infinidade de outras. Pode traduzir-se em milhares de euros e numa maior estabilidade da situação económica e financeira da empresa. Não é fácil levar os Bancos a este caminho. NÃO. Utilize Apoio Especializado Na Relação Com a Banca. CJA Business Consulting
  • 4. Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias. Cuidados a ter no seu uso 4 CJA Business Consulting DEZ 2013 www.cja-bc.com Tlm 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com https://www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 II) A Oportunidade Um dos principais cuidados a ter com a utilização dos Capitais Próprios e das Contragarantias disponíveis relaciona-se com a oportunidade de o fazer. Quando existem capitais próprios disponíveis, excedentes da empresa ou capitais dos sócios, muitas vezes a tentação dos decisores é utilizá-los, para evitar custos financeiros. Efectivamente não são criados custos financeiros, mas este tipo de procedimento também tem custos. Custos de capital e custos de oportunidade. Os capitais dos sócios ao serem investidos na empresa deixam de ter a remuneração que estes conseguiriam com os mesmos, extremamente variável em função do perfil de investidor e das decisões de investimento tomadas, mas há uma remuneração que se extingue. É um custo. E tanto os capitais dos sócios como os excedentes existentes na empresa têm um custo de oportunidade. Ao deixarem de estar disponíveis, não poderão ser aplicados em oportunidades que surjam a partir desse momento. Não é de todo um custo tangível, mas o custo existe. Quando falamos de contragarantias a principal questão que se levanta é o custo de oportunidade. Por vezes para obter melhores condições ou para facilitar a aprovação de uma operação pontual os decisores disponibilizam aos bancos contragarantias que tem disponíveis. Ao fazerem-no deixam de as ter disponíveis para futuras necessidades. Ao tomar estas decisões os decisores buscam as melhores condições para a sua empresa, o que é correcto. Muitas vezes conseguem-nas, mas fica por apurar o custo das mesmas, sobretudo o custo de oportunidade. É algo que na grande parte das vezes só mais à frente “apurado”. E o que fazer para melhor perceber o custo de oportunidade e para o minorar? A melhor via para perceber o custo de oportunidade é a existência de planeamento.
  • 5. Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias. Cuidados a ter no seu uso 5 CJA Business Consulting DEZ 2013 www.cja-bc.com Tlm 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com https://www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 Se a empresa tiver um planeamento a médio prazo poderá ter a noção das disponibilidades e das necessidades que terá em determinado período, logo uma melhor percepção das consequências futuras de na altura em que está a decidir, disponibilizar para determinada operação fundos ou contragarantias. Com essa noção poderá decidir melhor sobre a oportunidade de no momento disponibilizar fundos ou contragarantias, ou antes utilizar capitais alheios, bancários ou não, suportar os respectivos custos e manter a sua liquidez ou o seu património desonerado, para futuras utilizações. Para minorar o custo de oportunidade das decisões que estamos a analisar, uma via é repartir o custo. O que é repartir o custo? Olhamos para o ponto anterior destas nossas publicações, a Visão Global. Se vamos injectar fundos ou disponibilizar garantias, então devemos olhar para a nossa relação global com o banco com quem estamos a falar e tentar obter vantagens dessa nossa decisão noutras operações. Assim o custo de oportunidade que assumimos gerará mais proveitos e será repartido entre a operação que estamos a trabalhar e outras operações em carteira. Existindo planeamento, esta repartição de custo poderá mesmo afectar necessidades futuras, baixando imenso o custo de oportunidade inerente à decisão tomada. A decisão de utilizar de fundos disponíveis da empresa ou dos sócios ou contragarantias, comprometendo-as de uma forma mais ou menos estrutural é das decisões mais importantes das empresas. Lembremos, são bens escassos, apetecíveis e preciosos. Assim o processo de tomada de decisão tem alguns pontos chave: 1) Deve ser conduzido pela Empresa e não pelos seus parceiros financeiros, devendo esta agir em antecipação 2) Para agir em antecipação deverá estar respaldada num processo de planeamento em que tenha a melhor noção possível das suas necessidades futuras 3) Devem sempre ser estudadas alternativas que mesmo trazendo custos financeiros, preservem a liquidez ou a capacidade de endividamento da empresa
  • 6. Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias. Cuidados a ter no seu uso 6 CJA Business Consulting DEZ 2013 www.cja-bc.com Tlm 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com https://www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 4) Os bancos após terem uma operação feita com determinados níveis de capitais próprios ou com determinadas contragarantias, dificilmente no futuro farão uma operação similar em piores condições… Complexo. SIM. Utilize Apoio Especializado Na Relação Com a Banca. CJA Business Consulting III) Tipologia e Formalização Quer as injecções de fundos nas Empresas, quer as garantias prestadas podem ter uma série de tipologias, por vezes muito similares na forma, ou na concretização, mas que na prática levam a resultados extremamente diferenciados na disponibilidade futura dos activos para a Empresa e na sua posição negocial. 1) Quando um Banco solicita a uma Empresa determinado nível de “comparticipação” de capitais próprios numa operação ou entrada de fundos para o reequilíbrio da estrutura económico financeira de uma empresa, normalmente pensa-se num aumento de capital social. Pode ser essa a solução escolhida. Essa é sem dúvida a melhor solução para o Banco, se bem que outras poderiam ir ao encontro das suas necessidades. Mas pode não ser a melhor solução para a empresa. Se bem que em termos práticos, na altura da subscrição seja igual fazer um aumento de capital social ou fazer prestações suplementares ( os sócios têm de pôr dinheiro na empresa, ou transformar os seus empréstimos em instrumentos de capital ),num médio e longo prazo podemos dizer que existe uma total impossibilidade de os sócios reaverem o capital social e existe a possibilidade de retirarem as prestações suplementares.
  • 7. Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias. Cuidados a ter no seu uso 7 CJA Business Consulting DEZ 2013 www.cja-bc.com Tlm 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com https://www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 Assim, antes de fazer um reforço dos capitais próprios da empresa, deve ser muito bem ponderada, numa perspectiva das necessidades em causa e numa perspectiva do interesse dos detentores de capital, a tipologia que esse reforço adquirirá. 2) Muitas vezes surge da parte dos bancos o pedido para que a empresa aumente o capital, de modo a melhorar a sua Autonomia Financeira. Uma forma é pôr dinheiro na empresa. Mais uma vez, Essa é sem dúvida a melhor solução para o Banco, mas pode não ser a melhor solução para a empresa. Um reforço da Autonomia Financeira, pode ser obtido de diferentes formas e com diferentes instrumentos. Por exemplo a passagem de empréstimos de sócios a instrumento de capital, não envolve qualquer esforço financeiro para os detentores de capital e tem um duplo efeito sobre a Autonomia Financeira, já que aumenta os capitais próprios e diminui o passivo. Outra hipótese de reforçar capitais próprios sem esforço financeiro para os detentores de capital, pode passar pela reavaliação de activos. Muitas vezes as empresas têm em balanço activos subvalorizados e a sua reavaliação pode servir para reforço dos capitais próprios melhorado assim a Autonomia Financeira. A Autonomia Financeira de uma empresa pode ter melhorias consideráveis, sem necessidade de esforço financeiro por partes dos detentores de capital. Uma vez mais a capacidade de antecipação para pensar soluções antes de serem “exigidas” pela banca, o perfeito conhecimento dos instrumentos ao dispor e alguma imaginação resolvem situações que, tratadas de outra forma, podem ser complicadas. 3) No que toca à prestação de contragarantias um dos principais cuidados a ter é com o seu caracter, ser geral ou específica. Muitas vezes ao negociar com o banco em determinada operação, na mente do empresário está dar essa garantia para essa operação, portanto uma garantia específica. Muitas vezes na mente do banco está que essa garantia passará a cobrir não só essa operação, como todas as responsabilidades. E por vezes dá-se uma contragarantia genérica, quando a intenção era dar uma contragarantia específica.
  • 8. Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias. Cuidados a ter no seu uso 8 CJA Business Consulting DEZ 2013 www.cja-bc.com Tlm 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com https://www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 Acontece… e só quando nos deparamos com a impossibilidade da sua libertação nos apercebemos do erro. A contragarantia específica “extingue-se” com a extinção das responsabilidades associadas. A contragarantia genérica garante e responde por todas as responsabilidades existentes, pelo que tem um grau de disponibilidade muito mais reduzido e a sua libertação por parte do banco é totalmente discricionária enquanto subsistir qualquer responsabilidade. Qualquer das hipóteses pode ser vantajosa para a empresa, mas tem de ser conscientemente tomada, com vantagens para ambas as partes e sem descurar a componente fiscal relevante. 4) Outra vertente tem a ver com a relação do valor da contragarantia, com o valor garantido. Todos, ou quase todos, os contratos de contragarantias tem cláusulas de salvaguarda para o banco de que a contragarantia se desvalorizar a empresa se obriga a reforçar as contragarantias se o banco o achar necessário. Mas raramente existem cláusulas que refiram que o valor da contragarantia pode ser diminuído à medida que for diminuindo o valor garantido. Muitas vezes existem operações que pela sua evolução baixaram para metade ou um terço do seu valor inicial, mantendo contragarantias de valores muitas vezes superior ao valor em dívida. Mais uma vez, para o banco é confortável, mas para a empresa ou para os detentores de capital que disponibilizam as contragarantias estamos perante uma alocação pouco racional de activos. Temos portanto que, se bem que os bancos sejam “alérgicos” a esse tipo de situação, a empresa deve negociar à anteriori a possibilidade de o valor da contragarantia ao longo da vigência das operações, ser reduzido em função da efectiva redução das responsabilidades.
  • 9. Bens Escassos. Os Capitais Próprios e as Contragarantias. Cuidados a ter no seu uso 9 CJA Business Consulting DEZ 2013 www.cja-bc.com Tlm 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com https://www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 Abordámos apenas algumas das imensas situações em que numa situação de injecção de capital na empresa ou de prestação de contragarantias, pormenores, podem ser extremamente relevantes. Na capacidade de acesso da empresa a crédito, nos seus custos financeiros e na disponibilidade efectiva dos activos de empresa e detentores de capital. Existem muitas outras abordagens, porque cada caso é um caso, que só a análise atempada, atenta e pormenorizada permite chegar aos melhores resultados. Pode estar em causa o futuro da empresa ou milhares euros de custos? SIM. Utilize Apoio Especializado Na Relação Com a Banca. CJA Business Consulting Conclusão Tocámos alguns tópicos sobre o tema que nos propusemos abordar. Muitos outros poderiam ter sido falados. Mas neste caso, como em quase tudo na vida dos Negócios, cada caso é um caso, pelo que com o que ficou escrito, quisemos mais deixar um alerta para importância do tema, do que ensinamentos ou soluções para as situações abordadas. Estamos perante um tema complexo, com imensas especificidades e que pode ter impactos extremamente relevantes quer nos custos da empresa, quer na sua capacidade de endividamento e de tomar opções estratégicas. Como tema complexo que é e envolvendo bens preciosos e apetecíveis, é algo que merece a melhor reflexão por parte dos detentores de capital e dos decisores dos Negócios. Uma via para a melhor reflexão e os melhores resultados é contar com apoio especializado. Conte com o nosso apoio para encontrar as melhores soluções. Obrigado pela atenção.