Letras para Cantar
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   02Letras para cantarQuem não se lembra da Joana q...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   03PalhafonçoREFRÃOSou Palhafonço,O palhaço mais a...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   04FungagáREFRÃOÉ o FungagáFungagá da BicharadaLá ...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   05Os Recordes do ChicoMacarroneteO Chico Macarron...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   06A Charanga do ZéREFRÃOVamos cantar, olaré!Com a...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   07O Baile dos HipopótamosGrã-FinosMeia de seda,  ...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   08Olha a Bola ManelO Manel tinha uma bolaQue rola...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   09Super Mioleira(O Computador Maravilha)Anacleto ...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   10João PestanaREFRÃOJá lá vem o João Pestana,Pé a...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   11A Cidade do PenteadoREFRÃOVamos lá imaginarA Ci...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   12Angel Trombas,El Paquidermito,O Elefante Tourei...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   13Sandro Caracolinho,O Cantor da ModaREFRÃOÉ o Sa...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   14Capitoli BanholataDi SalsifréREFRÃOSou o Capito...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   15A Gazela FranjolasA gazela FranjolasDançava,Lev...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   16D. Fulgêncio De Alcatrava,O EspadatchimREFRÃOD....
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   17A Vaca Arnestina MaçarocaEstava um belo dia    ...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   18Joana Come a PapaREFRÃOCome a papa, Joana come ...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   19A Dieta do Porco ToneladasREFRÃOO Porco Tonelad...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   20Cantiga ao DesafioO pato, cuá, cuá, cuá,O grilo...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   21As Desventuras De PatolasPatatchim O PatoEquili...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   22Dona Maçã Reineta-Com-Bicho,Grande CozinheiraUm...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   23O Galo Badalo, A GalinhaBalbina, O Pinto Jacint...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   24Tonino di LamiréREFRÃO                      REF...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   25A Equipa dos Minhaus(Introdução)REFRÃOA equipa ...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   26Os TrapalhonçosREFRÃOVêm aí,estão mesmo a chega...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   27Olha o ChapéuREFRÃOOlha o chapéuPõe o chapéu- n...
Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar   28A História do Papagaio Caio,da D. Vicência Samp...
www.teatro-dmaria.ptVILLARETAv. Fontes Pereira de Melo, 30-A1050 - 122 Lisboa
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fungaga letras

1.901 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Fungaga letras

  1. 1. Letras para Cantar
  2. 2. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 02Letras para cantarQuem não se lembra da Joana que não comia a papa ou da bola do Manel? Quem nunca cantou o "Fungagá daBicharada"? Com estas canções aprendemos que "Fazer Uma Canção é Fácil" e muito mais: decorámos "As Cores","As Letras" e "Os Números", deliciámo-nos com histórias tão rocambolescas quanto as da "Vaca Arnestina Maçaroca"ou as do "Galo Badalo, Galinha Balbina, Pinto Jacinto e Peru Glu-Glu", e seguimos as aventuras e desventuras da"Ovelha Papuça" ou da "Gazela Franjolas", sempre cantando e sorrindo, ganhando novos amigos e imaginandomundos sem fim. Joana Joana Maria cresceu e quer ser independente, mas sempre sem abandonar a sua vocaçãopara a música. O som, agora, sai de um MP3 e os temas são influenciados pelo rock ou hip-hop. E agora é a alturade recordarmos, e de voltarmos a ensinar o que nos soube tão bem aprender.
  3. 3. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 03PalhafonçoREFRÃOSou Palhafonço,O palhaço mais amigalhaçoQue há desde o Terreiro do PaçoAté Vila Franca de Troca o Passo!Tenho um chapéu engraçadoSem fundo e com uma flor,E quando chove um bocadoNem é preciso regador!REFRÃOTenho uma barba que picaE um nariz abatatadoQue, como sou do Benfica,Até já está encarnado!REFRÃOTenho um casaco grandinho,Um casaco casacãoQue é para caber, com jeitinho,Eu e mais o meu irmão!REFRÃOTenho umas calças pantalonasQue me dão um trabalhoComo são muito grandalhonasÀs vezes caem no chão!REFRÃOTenho um sapatinho finoQue vai daqui até ali;Parece mesmo um submarinoOu que ando sempre de esqui!REFRÃO
  4. 4. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 04FungagáREFRÃOÉ o FungagáFungagá da BicharadaLá lá lá lá-láLá lá lá lá lá lá-láVamos falar de animaisE de como eles são,Do periquito,Do gato e do cão…E outros maisTambém virão…Talvez uma girafa,Um macaco ou um leão.REFRÃOVamos todos aprenderComo vive a bicharada:O que é um cardumeE uma manada.E vamos ver,Não tarda nada,Quem é que afinalTem a voz bem afinada.REFRÃOVamos também descobrirUns amigos bestiais,Bem diferentes dos habituais.E vamos rirAté não poder maisCom as palhaçadasDos amigos animais.É o Fungagá,Fungagá da Bicharada.
  5. 5. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 05Os Recordes do ChicoMacarroneteO Chico Macarronete, Armou-se em paraquedistaDe ceroulas e colete, Mas foi só fogo de vista:Teve uma ideia original: Caiu da cadeira abaixo.Bater recordes do mundo, Mas então, para compensar,Mas sem saber lá no fundo Foi o primeiro a dançarBem para quê afinal. Co pé enfiado num tacho.Para embasbacar o pagode Também quis ser o primeiro a ter frascos comDeixou crescer um bigode nevoeiroQue chega coas pontas ao chão. E lá encheu uma panelinha;E como se não fosse bastante Só que agora anda a treinarinda arranjou um turbante Para conseguir guardarque parece um caramanchão. Sol dentro de uma caixinha.Um gelado de serradura Faz três anos por palavraCom quatro metros de altura E todos da sua lavra,Não o empatou nem empata. Com o maior à-vontade.E pró record ser recordão Quando chega ao disparateinda aviou um camião Também já ninguém o bate:com pastelinhos de nata. É a sua especialidade.Fabricou num instante Que bata recordes vá lá,Uma caneta gigante Mal nisso não haveráCom um candeeiro da rua. Assim à primeira vista.E pra bater o record Mas tem que ter mais cuidadoArranjou outra maior Para não ficar registadoDependurada numa grua. Como o Burro recordista!Com luvas de boxe a valerAnda a tentar aprenderA passajar um lençol.E apanha bolas de sabãoArmado de um boião,Cana de pesca e anzol.Para ter um record que presteFoi escalar o EverestUsando uma trotineta.E pra melhor visitarAs profundezas do mar:Mergulhou de bicibleta.É a sua especialidade.
  6. 6. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 06A Charanga do ZéREFRÃOVamos cantar, olaré!Com a nossa Charanga,A Charanga do Zé!Temos o André Fininho,Espinafre ou esparguete,Que canta um bocadinhoCom uma voz de falsete.REFRÃOTemos a Rita FofinhaSempre pronta na risota,Que para andar bem na linhaFaz pino e dá cambalhota.REFRÃOTemos a mãe muito quicaQue se farta de aturarEsta gentinha que ficaDoida de tanto brincar.REFRÃOTemos o pai CaçarolaQue, dia sim, dia não,Ora anda meio pachola,Ora anda meio resmungão.REFRÃOE temos, além disso,Muito mais que está para vir:Batatinhas com chouriço,Coisas para cantar e rir.REFRÃO
  7. 7. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 07O Baile dos HipopótamosGrã-FinosMeia de seda, Salta o vernizSapatinho fino Mais o pó de arroz,De plimento, Cai a cabeleira,Abas de grilo, Rebenta o sapatoPunho de renda, E fica o pezinhoTudo a estrear Que ao dançarPara neste baile dançar. Faz toda a festa abanar.Meia de vidro, Estremece a parede,Vestido chique Racha o sobrado,Até aos pés, Treme o salão,Cabelo enrolado, Abana o lustre,Cara pintada, Cai o candeeiroBrinco a brilhar Como é de esperarPara neste baile dançar. Com esta gentinha a dançar.REFRÃO REFRÃOBaile tão selectoComo este eu nunca vi:Hipopótamos grã-finosDo melhor que há por aí… tão jeitosos!Bigode aparado,Careca escondidaOu disfarçada,Sorriso malandro,E patorra prontaLogo a esmagarQuem for com ele dançar.Unha pintada,Pés apertados,Calo a doer,Dentinho branco,Sorriso rasgadoDe par em parPara neste baile brilhar.REFRÃO
  8. 8. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 08Olha a Bola ManelO Manel tinha uma bolaQue rolava pelo chão.Na calçada ela rebola,Deu-lhe uma dentada um cão.REFRÃOOlha a bola, Manel,Olha a bola, Manel;Foi-se embora, fugiu.Olha a bola, Manel,Olha a bola, Manel;Nunca mais ninguém a viu.O Manel tinha uma bola,Mas, por falta de atenção,Lá deixou ele ir a bolaPresa nos dentes de um cão.REFRÃOO Manel tinha uma bola,Mas agora não tem não,E a gente, a ver se o consola,Vai cantar-lhe esta canção.REFRÃO
  9. 9. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 09Super Mioleira(O Computador Maravilha)Anacleto ParafusoÉ mesmo um grande inventor.Foi para a Aldeia de JuzoE montou um computador.Chamam-lhe o Super Mioleira,Super tudo, o melhor.Só que quando sai asneiraNunca vi coisa pior.REFRÃOÉ o Super Mioleira,Computador maravilha.Tem esperteza de mangueira,Tem miolos, mas de ervilha.Perguntaram-lhe uma vezQuantos dias tem o ano;E ele respondeu:Tem três e eu cá nunca me engano.E quantos são cinco mais cinco,Respondeu num momento:Volto sempre as calças sem vincoE um burro é um jumentoREFRÃOA conta mais complicadaNunca lhe causava espanto.Respondia de rajada:É metade mais outro tanto.E se alguém lhe perguntasseO tempo que vai fazer,Não tardava que explicasse:Fará sol se não chover.REFRÃOO Anacleto, coitado,Com todo este disparate,Ainda fica avariadoSe não houver quem o trate.Para descalçar com rigorEste grande par de botas,Devia pôr o computadorMas é a fazer compotas.
  10. 10. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 10João PestanaREFRÃOJá lá vem o João Pestana,Pé ante pé,Voz que não engana.Vem de longe, já muito cansado,Pobre João, coitado.Faz óó, menino também,Faz óó, que o sonho já vem.Cai a noite e o vento lá foraAssobia forte,Não se vai embora,Conta histórias- um nunca acabarde coisas de encantar.E o vento não sopra só,Também traz ao menino o óó.Devagar, muito de mansinho,Levando o bebéA pegar no soninho.Já lá vem o João PestanaVoz que não engana.E o João sabendo o que faz,Vê o menino adormecer em paz.
  11. 11. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 11A Cidade do PenteadoREFRÃOVamos lá imaginarA Cidade do Penteado,Onde as casas, para variar,Têm cabelo e não telhado.Na Rua da Charamusca,Mesmo junto do passeio,Fica uma casa patusca:A Casa do Risco ao Meio.No Largo Pinto Calçudo,Mesmo em frente do mercado,Há um prédio barrigudo:O Prédio do Risco do Lado.REFRÃONo Beco SarapintadoHá uma casa escondidinhaCom o telhado cortadoMesmo rente, à escovinha.Logo a seguir na travessaDo Jardim dos GirassóisHá um prédio com a cabeçaCheiinha de caracóis.REFRÃONa Praça do Nabo CozidoA Casa das Três ChaminésUsa o cabelo tão compridoQue quase lhe chega aos pés.E na Avenida Maria- coisa levada da breca -a casa da minha tiatem o telhado careca.REFRÃO
  12. 12. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 12Angel Trombas,El Paquidermito,O Elefante ToureiroQuando ele pisaA arena de qualquer praçaTreme tudo, treme tudoSim senhor:Pois qualquerQue seja a coisa que faça,Tem um pesoQue abana tudo em redor.Angel Trombas,El Paquidermito,É o elefanteMais toureiro que já vi;Quando dáTrês passos para diante,O touro dáSete passos para trás de si!Y olé!Quando ele pegaNo capote com salero,Fica a gente, fica a genteEntusiasmada.E, a seguir,Manda vir o pimenteroPara a sorteFicar mesmo bem temperada.Angel Trombas,El Paquidermito,É um toureiroComo nunca vi nenhum;Também seServe do pimenteiroE consegueNunca dar um "atchum".E atchum!
  13. 13. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 13Sandro Caracolinho,O Cantor da ModaREFRÃOÉ o Sandro CaracolinhoDe permanente e lacinhoO grande cantor da moda!Todo ele é um folharecoCom o rabinho a dar a dar;Parece um pato marrecoOu um espanador do pó a dançar, a dançar, a dançar.REFRÃOUsa perfume do bomNuma pose piramidal,Talvez por ser de bom tom,Talvez porque os pés lhe cheirem mal, cheirem mal, cheirem mal.REFRÃOUsa pulseira e anel,Que lhe ficam a matar,E brilhantina a granelPara as festas abrilhantar.REFRÃOPara mostrar a toda a genteQue também sabe estrangeiro,Diz "Oh! Yé!" frequentementeE fala muito em brasileiro, brasileiro, brasileiro.REFRÃOÉ um espanto, uma brasa,O Caracolinho cantor;Deixa sempre a voz em casaQuem canta é o gravador, gravador, gravador.REFRÃO
  14. 14. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 14Capitoli BanholataDi SalsifréREFRÃOSou o Capitoli Banholata di Salsifré!Ah! Ah! Ah! Ah!Eh! Eh! Eh! Eh!Sou capaz de vender tudoO que tiver e não tiver:Um microfone a um mudo,E um cachimbo a uma mulher.Sou capaz de vender tudoO que tiver e não tiver.REFRÃOVender é coisa que façoSem olhar a quaisquer meios:Já vendi o Terreiro do PaçoE dois autocarros cheios.Vender é coisa que façoSem olhar a quaisquer meios.REFRÃOÉ grande a negociataE muita gente aldrabada:Só que há muita patarataQue ainda não deu por nada.É grande a negociataE muita a gente aldrabada.REFRÃO
  15. 15. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 15A Gazela FranjolasA gazela FranjolasDançava,LeveComo a folha no ar.E os amigos com elaDançavamComo os barcosBaloiçando no mar.La, la, la, la, la, la, la, laLa, la, ra, la…A gazela FranjolasSaltava,Na ervaBem verde do prado.E os amigosCom ela saltavamBrincando na ervaAo seu lado.La, la, la, la, la, la, la, laLa, la, ra, la…A gazela FranjolasDançava,AlegreComo o sol a amanhecer.E os amigosCom ela dançavam,RindoComo o diaA nascer.La, la, la, la, la, la, la, laLa, la, ra, la…
  16. 16. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 16D. Fulgêncio De Alcatrava,O EspadatchimREFRÃOD. Fulgêncio de AlcatravaEra mais que um espadachim:Sempre que se constipavaTornava-se um espadatchim!Tinha um chapéu emplumadoE uma capa largueirona,Botas apertando um bocadoE uma espada matulona.Também usava um cachecolPor causa da constipação,Um lenço que era quase um lençolE pingos num garrafão.REFRÃOTinha aventuras de pasmarE um rol de façanhas sem fim.Mas antes de atacarGritava sempre: atchim!Os adversários coitadosFicavam numa aflição:Ou tremiam assustadosOu se enfiavam pelo chão.REFRÃOEspirrava com grande estrondoE espadeirava no ar;Mas, vendo bem, lá no fundo,Nem moscas chegava a matar.Não era nada um bom rapaz- daqueles com quem embirro -,queria ser um ferrabrás,mas era só um ferra-espirro!REFRÃO
  17. 17. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 17A Vaca Arnestina MaçarocaEstava um belo dia REFRÃOPra se passear,E a vaca Arnestina Com umas unhas tão grandes,No campo a pastar, De cada vez que as pintaChegou-se um senhor São logo precisasQue lhe disse assim:; Três latas de tinta.Ó vaca Arnestina, E pra lavar os dentes,Queres filmar pra mim? Que são dum tamanhão, É preciso uma escovaREFRÃO De esfregar o chão.Arnestina Maçaroca, REFRÃOEstrela de cinema,Tornou-se vaidosa Mas que grande estrela,- é mesmo uma pena. A vaca Arnestina, Que a Terra ao pé delaFilmes pró cinema É mesmo pequenina.E prá televisão, Anda tão inchadaA vaca Arnestina E tão importante,Fez um figurão. Que quase já nem cabeE já se dá ares Num ecrã gigante.De Senhora Dona,A vaca Arnestina REFRÃOEstá uma toleirona.REFRÃOCheia de pó darroz,A cara tão pintada,É mesmo uma bolachaToda enfarinhada.Usa umas pestanasGrandes que eu sei lá,Que parecem os pelos de um piaçá.
  18. 18. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 18Joana Come a PapaREFRÃOCome a papa, Joana come a papa,Come a papa, Joana come a papa,Joana come a papa.Um, dois, três, uma colher de cada vez.Quatro, cinco, seis era uma história de reisE uma colher de papa.REFRÃOSete, oito, nove, ainda nada se resolve.Dez, onze, doze, à espera que a mosca pouseE uma colher de papa.REFRÃOTreze, quatorze e meia, a coisa não está feia.Dezasseis, dezassete, mais um pingo no babeteE uma colher de papa.REFRÃO
  19. 19. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 19A Dieta do Porco ToneladasREFRÃOO Porco ToneladasSó comia saladasBem temperadas…Bem regadas…Era um encanto verO bom do Toneladas,A encher, a encher.Saladinha de batataCom arroz e feijão-frade,Dez pastelinhos de nata,Pão e vinho à vontade,Mais a bolacha MariaE um ensopado de enguia.Coitado do Toneladas,Tão fraquinho, tão doente,Só com as suas saladas.REFRÃOSalada de couve-flor,Massa e feijão encarnado,Uns enchidos sem bolor,Manteiga e um frango assado,E mais umas omeletas,Um bife e umas costeletas.
  20. 20. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 20Cantiga ao DesafioO pato, cuá, cuá, cuá,O grilo, gri, gri, gri,O pássaro, piu, piu,E o cão, ão, ão,Resolveram fazer esta canção.Cuá, cuá, cuá, cuá,Gri, gri,Piu, piu,Ão, ão, ão.O gato, miau, miau, miau,O galo, có, có, ró, có, có,A ovelha, mé, mé,E o Zé constipado, atchim,Resolveram responder-lhes assim:Miau, miau, miau,Có, có, ró-có,Mé, mé,Atchim, atchim!Cuá, cuá, cuá, cuáGri, gri,Piu, piu,Ão, ão, ão.Miau, miau, miau,Có, có, ró-có,Mé, mé,Atchim, atchim!
  21. 21. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 21As Desventuras De PatolasPatatchim O PatoEquilibristaREFRÃOPatolas Patatchim,O pato equilibrista,Zás, catrapuz, pim!- deu um trambolhão na pista.Patolas é nome próprio,Patachim é apelido;E vão ver nesta cantiga,O que eu tenho sofrido.O que eu tenho sofrido,O que eu tenho passado:Quero ser um pato equilibristaE sou um pato desastrado.REFRÃODeram-me uma caixa e um pratoPara equilibrar no bico.Dei duas voltas e zás:Ficou tudo num fanico.Ficou tudo num fanicoE nada se aproveitou.Só faço coisas destas:Mas quequilibrista que eu sou!
  22. 22. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 22Dona Maçã Reineta-Com-Bicho,Grande CozinheiraUm dia foi ensinarA fazer ovos estrelados,Distraiu-se a conversar,Ficaram os ovos queimados.Confunde papas de linhaçaCom papas de sarrabulhoE com tijolos e argamassaFaz uma sopa de entulho.REFRÃOÉ uma grande cozinheira,Dona Maça Reineta-com-Bicho,Esvazia-nos a algibeiraE engorda o caixote do lixo.Um dia, para nosso azar,O esparguete não chegou,E ela vá de acrescentarUns fios de lã do tricot.E fez tamanhas tropeliasÀ pobre alface, coitada,Que até ficou com maniasE acabou mesmo em chalada.
  23. 23. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 23O Galo Badalo, A GalinhaBalbina, O Pinto JacintoE Perú Glu-Glu(Introdução)REFRÃOO Galo Badalo,A Galinha Balbina,O Pinto JacintoE o Peru Glu-Glu.O Galo BadaloÉ bom cantador:Enche o peito de ar,Fica mesmo um senhor,Com a crista vermelhaE vivo o olhar.A gente a querer dormir,E o galo a cantar.REFRÃOA Galinha BalbinaGosta de grão.Vai enchendo um balão.E lá vai pondo os ovos,Com muito jeitinho,Pra de cada um delesSair um pintainho.REFRÃOO Pinto JacintoÉ um bom rapaz:Ora faz asneirasOra não faz.Dá umas cambalhotas,Rebola no chão,Escorrega-lhe um péE dá um trambolhão.REFRÃO
  24. 24. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 24Tonino di LamiréREFRÃO REFRÃOOh! Oh! Oh! Oh! Oh!Eh! Eh! Eh! Eh! Eh! Era tanta a ventaniaTonino di Lamiré! Que vejam só: Uma velha carecaO burro Tonino Ficou sem o chinó,Tem um vozeirão, E a madame Idalina,Quando abre a goela Que vendia horatliça,Parece um furacão; Viu sair-lhe pela janelaE um dia num concerto A cabeleira postiça.Até tudo pasmouCom o que aconteceu REFRÃOQuando ele cantou. O concerto do ToninoREFRÃO Não durou muito tempo, Escaqueiraram-se os vidrosQuando o Tonino Com tamanho pé de vento;Entrou a cantar Até que por fim,Duas velhas espirraram O lustre do salãoCom a corrente de ar, Depois de muito tremerE foi um espanto geral Caiu no meio do chão.Com tão boa garganta,Mas o piano constipou-se REFRÃOE pediu uma manta.REFRÃOUm senhor da plateiaEntretido a escutar,Ficou com a gravataLevantada no ar,E o maestro, atrapalhadoCom todas estas loucuras,Corria pelo palcoA apanhar partituras.
  25. 25. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 25A Equipa dos Minhaus(Introdução)REFRÃOA equipa dos MinhausÉ a melhorE ninguém a bate,Mas como são distraídosÀs vezes fazem disparate.O Gato Bitolas é o lançadorDo peso, do disco, e de seja o que for,Mas, como é distraído,Às vezes não chega a verQue a corrida acabouE continua a correr.REFRÃOO Tareco Piteco é o saltador,- em altura ou coa vara ele é um senhor -mas como é distraídoe nunca pára quieto,deu um pulo muito alto,bateu com a cabeça no tecto.REFRÃOO Nhocas Bichano salta em comprimento,Quando toma balanço arma um pé de vento,Mas como é distraídoE não vê o que faz,Deu um salto compridoEnfiou os pés num cabaz.REFRÃO
  26. 26. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 26Os TrapalhonçosREFRÃOVêm aí,estão mesmo a chegar:Os Trapalhonços!E nós com elesvamos cantar:os Trapalhanços!Os Trapalhonços atrapalham tudo o que houver,Esfrangalham tudo dê lá por onde der.Os Trapalhonços no fundo não são gente máSão meio chalados porque bebem muito chá.REFRÃOOs Trapalhonços, às vezes, são complicados,Misturam tudo, são mesmo embrulhados.Os Trapalhonços metem todos as mãos pelos pés,Se calhar é porque tomam muitos cafés.REFRÃOOs Trapalhonços disparatam mas sem malandrice,Aquilo é mais caso de grande azelhice.Os Trapalhonços, às vezes, dão cada barracada,Por abusarem nos copos de laranjada.REFRÃOOs Trapalhonços têm histórias que nos fazem rir.Muita atenção, vamos todos ver e ouvir.Os Trapalhonços vivem na nossa imaginação,Mas cuidado não te armes tu em trapalhão.REFRÃO
  27. 27. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 27Olha o ChapéuREFRÃOOlha o chapéuPõe o chapéu- não andes com a cabeça ao léu.Deram-me um barreteCom uma borla engraçadaSó que quando o ponhoFico sem ver nada.Só que quando o ponhoFico sem ver nada.REFRÃOTambém tenho uma boina,Não sei quem ma deu.Quando ma enfiamQue pareço eu?Quando ma enfiamQue pareço eu?REFRÃOTive um panamáDo tamanho de uma pulga,Que nunca me passouDo alto da peúga.Que nunca me passouDo alto da peúga.REFRÃOCom tantos chapéusChapelinhos, chapelão,Só me falto o bonéDo Napoleão.Só me falto o bonéDo Napoleão.REFRÃO
  28. 28. Teatro Nacional D. Maria II 2008 // ”Fungagá MP3” - Letras para Cantar 28A História do Papagaio Caio,da D. Vicência Sampaio e daAmiga a Dona Carlota Bexiga(Introdução)REFRÃOO Papagaio CaioDa Dona Vicência Sampaio.Dona Vicência SampaioComprou um papagaio,A quem pôs o nome de Caio,E que lhe faz companhia;Vai palrando todo o dia,Mas não bem como ela queria.REFRÃOEncheu-se de paciência,A Senhora Dona Vicência,E com a maior decênciaEnsinou ao animalPalavras que não fiquem malNa boca de qualquer mortal.REFRÃOO papagaio aprendeu,Engasgou-se e estremeceu,Mas vão ver o que aconteceucom a visita duma amiga,D. Carlota Bexiga:Por pouco não houve briga.REFRÃOAté à hora do jantarÀs cartas vão jogar,E o Caio longe a mirarToda aquela batota…Chama "catatual" à CarlotaE à outra: "velha marmota".REFRÃO
  29. 29. www.teatro-dmaria.ptVILLARETAv. Fontes Pereira de Melo, 30-A1050 - 122 Lisboa

×