I PROJETO DE PESQUISA: O QUE É E COMO SE FAZ
O projeto de pesquisa é elaborado para informar sobre e explicar a pesquisa q...
ou seja, estará falando do contexto mais amplo da problemática que envolve a(s)
questão(ões) da pesquisa;
b) por que ou pa...
tenham os mesmos problemas e, conseqüentemente, ajudar outros alunos
que tenham as mesmas dificuldades. Diga-se, então, qu...
2 Fundamentação teórica e conteúdo da fundamentação
Nesse item, faz-se uma apresentação sucinta dos pressupostos teóricos ...
revistas, Internet): o critério utilizado para escolher este e não aquele texto, tipo de
leitura que foi feita (seletiva, ...
5 Referências
Aqui, responde-se à pergunta:
a)qual o material referencial utilizado?
Relaciona-se, obedecendo às normas da...
Referências
ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico. 6. ed. São
Paulo: Atlas, 2003.
G...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Programa institucional iniciacao -projeto de pesquisa

220 visualizações

Publicada em

Para projeto de pesquisa e monografia

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
220
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Programa institucional iniciacao -projeto de pesquisa

  1. 1. I PROJETO DE PESQUISA: O QUE É E COMO SE FAZ O projeto de pesquisa é elaborado para informar sobre e explicar a pesquisa que se pretende realizar, constituindo-se no mapeamento do caminho que será percorrido durante a pesquisa. A estrutura composicional do projeto é composta pelos seguintes itens: 1. introdução [objetivos e perguntas de pesquisa, hipóteses (se houver), justificativa]; 2. fundamentação teórica; 3. metodologia; 4. cronograma de atividades; 5. referências; 6. anexos. O desenvolvimento desses itens é feito por meio de um “todo coeso e coerente”, ou seja, por meio de um TEXTO. Em outras palavras, NÃO É TOPICALIZAÇÃO de texto. 1 Introdução e conteúdo da introdução A introdução é a elaboração de um texto no qual se apresenta a pesquisa que será realizada. Aqui se respondem às seguintes perguntas: a) o que vou fazer? Responder a essa pergunta consiste em informar genericamente o tema e a linha de pesquisa em que está inserida a pesquisa, anuncia a idéia básica e delimita o foco,
  2. 2. ou seja, estará falando do contexto mais amplo da problemática que envolve a(s) questão(ões) da pesquisa; b) por que ou para que vou fazer? Responder a essa pergunta consiste em apresentar, de forma clara, objetiva e rica em detalhes, as razões de ordem teórica ou prática que justificam a realização da pesquisa. Essas razões constituem-se em três justificativas: de relevância pessoal: motivos pessoais que levaram a escolher o tema ou a realizar a pesquisa. Ex: Um professor-alfabetizador tem sérios problemas em sala, pois alguns de seus alunos têm certa dificuldade em aprender as sílabas complexas. Então, ele parte para a investigação dos possíveis motivos que ocasionam essa dificuldade, para tentar resolver o problema. Nessa resposta, incluem-se também informações sobre autores que desenvolveram trabalhos referentes ao tema ou sobre o estágio de desenvolvimento das pesquisas na área; de relevância científica: motivos científicos que levaram a pesquisar o tema. Ex.: considera-se aqui o exemplo anterior: antes de começar a investigação, aquele professor procurou resolver o problema por meio de leituras de trabalhos científicos que se relacionavam ao problema, mas o que encontrou não foi suficiente para resolver as dificuldades dos alunos, apenas ajudou. Isso quer dizer que há uma “lacuna” na literatura científica, ou seja, ausência de trabalhos científicos que tratem o problema. O preenchimento dessa “lacuna” terá, portanto, relevância científica, pois trará contribuições no sentido de proporcionar respostas aos problemas propostos ou ampliar as formulações teóricas a esse respeito; de relevância social: motivos sociais que levaram a realização da pesquisa. Os motivos sociais estão diretamente relacionados ao papel da pesquisa desempenha na sociedade. Ex.: Toma-se novamente o exemplo do professor: ao tentar resolver os problemas que ele tem em sala de aula, ele está também tentando resolver as dificuldades de seus alunos, pessoas que fazem parte de uma sociedade. E mais: os resultados da pesquisa poderão ajudar outros professores que
  3. 3. tenham os mesmos problemas e, conseqüentemente, ajudar outros alunos que tenham as mesmas dificuldades. Diga-se, então, que a pesquisa tem relevância social, pois possibilitará modificações no âmbito da realidade proposta pelo tema. c) o que pretendo mostrar com a pesquisa (qual é o objetivo)? Ao responder a essa pergunta apresenta-se o objetivo de forma geral e específica da pesquisa que será desenvolvida: o objetivo geral define o que o pesquisador pretende atingir com sua investigação; os objetivos específicos definem etapas do trabalho a serem realizadas para que se alcance o objetivo geral. Os objetivos podem ser: exploratórios, descritivos e explicativos. Ao escrever os objetivos usam-se verbos. O Quadro 1 descreve alguns dos verbos que correspondem aos tipos de objetivos. QUADRO 1- TIPOS DE OBJETIVOS E VERBOS UTILIZADOS Tipos de objetivos Verbos usados exploratórios conhecer, identificar, levantar, descobrir descritivos caracterizar, descrever, traçar, determinar explicativos analisar, avaliar, verificar, explicar Seguido aos objetivos, apresentam-se também as perguntas de pesquisa e a hipótese. As perguntas estão diretamente relacionadas aos objetivos, cujas respostas constituirão o resultado da pesquisa. A elaboração da hipótese é constituída por uma pré-solução formulada pelo pesquisador para o problema levantado. É uma suposição, afirmação categórica, sobre a ocorrência do problema. O trabalho de pesquisa, então, irá confirmar ou refutar a hipótese (ou suposição) levantada. Ex.: Retoma-se o exemplo do professor-alfabetizador. Tema: Dificuldades de aprendizagem de sílabas complexas. Hipótese: as dificuldades de aprendizagem das sílabas complexas estão no fato de o método adotado não considerar aspectos fônicos (suposição levantada pelo professor-alfabetizador).
  4. 4. 2 Fundamentação teórica e conteúdo da fundamentação Nesse item, faz-se uma apresentação sucinta dos pressupostos teóricos que serão utilizados para apoiar (ou dar suporte a) o problema de pesquisa. Isso se faz respondendo às seguintes perguntas: a) o que já foi feito sobre o tema? b) quem fez? A resposta é dada por meio de resenha descritiva, na qual serão citados os autores, seus respectivos trabalhos, o assunto que desenvolveram (discutiram, analisaram...) e a conclusão a que chegaram. Aqui é preciso atentar-se para os seguintes aspectos: a citação das principais conclusões a que outros autores chegaram permite salientar a contribuição da pesquisa realizada, demonstrar contradições ou reafirmar comportamentos e atitudes; a literatura indicada deverá ser atual e condizente com o problema em estudo. Geralmente os autores têm muitos trabalhos, aqui serão citados apenas aqueles trabalhos que estão diretamente relacionados à presente pesquisa; 3 Metodologia e conteúdo da metodologia Nesse item, faz-se a caracterização e a descrição da pesquisa. Responde-se às perguntas: a) qual é o tipo de pesquisa que será feita (bibliográfica, interpretativista, etnográfica, documental, de campo)? b) onde coletar os dados (escola, ambiente de trabalho, empresas, livros, Internet, jornais, revistas etc.)? c) como coletar os dados? [com participantes (pessoas que serão pesquisadas), por meio de questionários, entrevistas, observações]; pesquisas bibliográficas, por meios eletrônicos, impressos, formulários, documentos, periódicos? Aqui, é preciso anotar TODOS os PASSOS dados na coleta (procedimentos de coleta). O que foi feito primeiro, depois, etc. Se for observação: relatório dos itens a serem observados; se questionários: tipos de perguntas a serem feitas (abertas ou fechadas); se entrevistas: quanto tempo durará, tipos de perguntas, o que usará (gravador), normas de transcrição utilizadas etc. Se for impresso (livro, jornais,
  5. 5. revistas, Internet): o critério utilizado para escolher este e não aquele texto, tipo de leitura que foi feita (seletiva, crítica ou reflexiva, analítica ) etc. 4 Cronograma de atividades O Cronograma é a previsão do tempo (meses, ano) que será gasto na realização do trabalho de acordo com as atividades a serem cumpridas. As atividades e os períodos serão definidos a partir das características de cada pesquisa e dos critérios adotados pelo autor do trabalho. Os períodos podem estar divididos em dias, semanas, quinzenas, meses, bimestres, trimestres etc. Estes serão definidos pelos critérios de tempo adotados e determinados pela instituição (faculdade, órgão de financiamento da pesquisa etc.) e pelo pesquisador. A elaboração do cronograma responde à pergunta: quando vou fazer? A pesquisa deve ser dividida em partes, fazendo-se a previsão do tempo necessário para passar de uma fase a outra. Não se deve esquecer de que determinadas partes podem ser executadas simultaneamente, enquanto outras dependem das fases anteriores. É preciso distribuir o tempo total disponível para a realização da pesquisa, incluindo nesta divisão a sua apresentação gráfica. O Quadro 2 é um exemplo de Cronograma de Atividades. QUADRO 2 – EXEMPLO DE CRONOGRAMA DE ATIVIDADES ATIVIDADES MÊS/ANO 01/ 10 02/ 10 03/ 10 04/ 10 05/ 10 06/ 10 07/ 10 08/ 10 09/ 10 10/ 10 11/ 10 Levantamento de literatura X Montagem do projeto X Coleta de dados X X X Tratamento dos dados X X X X Elaboração da 1ª versão X X X Elaboração da 2ª versão X Revisão do texto X Entrega da pesquisa X
  6. 6. 5 Referências Aqui, responde-se à pergunta: a)qual o material referencial utilizado? Relaciona-se, obedecendo às normas da ABNT, as referências utilizadas na pesquisa (livros, artigos, revistas, sites, DVD etc.). 6 Anexos (opcional) Pode-se anexar qualquer tipo de material ilustrativo, tais como tabelas, lista de abreviações, documentos ou parte de documentos, resultados de pesquisas, etc. que já se tenha em mãos. II FORMATAÇÃO A digitação e a formatação do projeto devem seguir as normas para normalização de referências e de apresentação de trabalhos científicos e acadêmicos, a saber: NBR 6023:2002 Informação e documentação: referências – elaboração; NBR 6027:2003 Informação e Documentação: sumário – apresentação; NBR 6028:2003 Resumos – procedimento; NBR 10520:2002 Informação e documentação: apresentação de citações em documentos; NBR 14724:2005 Informação e documentação: trabalhos acadêmicos – apresentação; NBR 12225: 2004 Títulos de lombada – procedimento. III ORGANIZAÇÃO 1. capa; 2. folha de rosto; 3. resumo na língua vernácula; 4. sumário; 5. texto [introdução (objetivos e perguntas de pesquisa; hipóteses, justificativa); fundamentação teórica; metodologia]; 6. cronograma de atividades; 7. referências; 8. anexos (opcional).
  7. 7. Referências ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2003. GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2006. DUDLEY-EVANS, Tony. Analysis Genre: an investigation of the introduction and discussion sections of MSc dissertations. Talking about text: studies presented to David Brazil on his retirement. Birmingham: University of Birmingham, 1988. p. 128-145. CROOKES, Graham. Towards a validated analysis of scientific text structure. Apllied Linguistics. v. 7, n. 1. Oxford: University Press, 1986. p. 57-70. LAKATOS, E. M.; MARCONI, M de Andrade. Metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2004. MOROZ, Melania; GIANFALDONI, Mônica Helena Tiepo Alves. O processo de pesquisa: iniciação. Brasília: Plano, 2002. MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. SWALES, John. Genre Analysis: english in academic and research settings. Cambridge: Cambridge University Press, 1990 WIDDOWSON, Henry G. Exploration in applied linguistics. Oxford: Oxford, University Press, 1979.

×