Conservação dos peixesde água doce portuguesesInvestigação aplicada à conservaçãoCarla Sousa SantosJoana Isabel RobaloVíto...
Rios portugueses26 espécies peixes ciprinídeos endémicos da Península Ibérica        12 espécies consideradas “ameaçadas” ...
Boga portuguesa                        Escalo do Mira                     Iberochondrostoma lusitanicum                   ...
Exemplo : REGIÃO OESTE. Elevada taxa de endemismos. 50% das espécies com elevado estatuto de conservação  Informações impo...
Sobrevivência das espécies ameaçada pela degradação dos rios1. Seca/drásticas reduções de caudal no Verão     Primavera   ...
Sobrevivência das espécies ameaçada pela degradação dos rios2. Elevados níveis de poluição – urbana, agrícola e industrial
Sobrevivência das espécies ameaçada pela degradação dos rios3. Destruição de habitats                                     ...
Espécies endémicas de Portugal:património biológico de valor inestimável  O que se perde com a extinção     de uma destas ...
Espécies endémicas de Portugal:património biológico de valor inestimável  O que se perde com a extinção     de uma destas ...
Os peixes primários de água doce vivem          estritamente em água doceSe não migram pelo marnem existem passagens entre...
A colonização dos rios Ibéricos começou há pelo menos10 milhões de anos, quando os rios ainda não eram rios…              ...
Cada rio é uma “ilha”Até há cerca de 5 milhões de anos, deu-se um fenómeno tectónico surpreendente:o basculamento da Penín...
A rede hidrográfica actual tem apenas 1 a 2.5 milhões de anos ...                                                         ...
Espécies endémicas de Portugal:património biológico de valor inestimável  O que se perde com a extinção     de uma destas ...
Contributos da UIEE-ISPA para a preservação de espécies ameaçadas
Reprodução de espécies ex situ de espécies ameaçadas                      1ª fase – reprodução ex situ de 5 peixes critica...
Reprodução de espécies ex situ de espécies ameaçadas                      1ª fase – reprodução ex situ de 5 peixes critica...
Reprodução de espécies ex situ de espécies ameaçadas                      1ª fase – reprodução ex situ de 5 peixes critica...
jrobalo@ispa.pt
Painel II - Conservação dos peixes de água doce portugueses
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Painel II - Conservação dos peixes de água doce portugueses

2.783 visualizações

Publicada em

II Conferência CIDAADS A EDS na Sociedade do Conhecimento - Carla Sousa Santos, Joana Isabel Robalo e Vítor Almada (ISPA/cBIO)

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.783
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Painel II - Conservação dos peixes de água doce portugueses

  1. 1. Conservação dos peixesde água doce portuguesesInvestigação aplicada à conservaçãoCarla Sousa SantosJoana Isabel RobaloVítor Almada www.ispa.pt/centrodebiociencias
  2. 2. Rios portugueses26 espécies peixes ciprinídeos endémicos da Península Ibérica 12 espécies consideradas “ameaçadas” ou “vulneráveis” 69% 6 espécies endémicas de Portugal, todas criticamente ameaçadas de extinção: . Ruivaco do Oeste . Boga do Sudoeste . Boga portuguesa . Escalo do Arade . Saramugo . Escalo do Mira + Boga de Lisboa, com estatuto por definir
  3. 3. Boga portuguesa Escalo do Mira Iberochondrostoma lusitanicum Squalius torgalensis Sado, Tejo, Lizandro, Samarra, Mira Colares, Jamor, Jarda e LageÁreas de distribuiçãomuito restritas Ruivaco do Oeste Escalo do Arade Squalius aradensis Achondrostoma occidentale Costa Vicentina, Arade e Sizandro, Alcabrichel e Safarujo Quarteira Boga de Lisboa Saramugo Boga do Sudoeste “Chondrostoma” Anaecypris hispanica Iberochondrostoma olisiponensis almacai Tejo inferior Guadiana inferior Mira e Arade
  4. 4. Exemplo : REGIÃO OESTE. Elevada taxa de endemismos. 50% das espécies com elevado estatuto de conservação Informações importantes a ter em conta em planos de gestão e conservação de espécies, estudos de impacto ambiental, projectos de ordenamento do território, etc… END Ameaçada END Criticamente Em Perigo END Endémica da Região END
  5. 5. Sobrevivência das espécies ameaçada pela degradação dos rios1. Seca/drásticas reduções de caudal no Verão Primavera Primavera Ribeira 2004 2005 de Quarteira Verão Primavera 2006 2005 Rio Sizandro
  6. 6. Sobrevivência das espécies ameaçada pela degradação dos rios2. Elevados níveis de poluição – urbana, agrícola e industrial
  7. 7. Sobrevivência das espécies ameaçada pela degradação dos rios3. Destruição de habitats Obras de regularização inadequadas, com destruição da vegetação marginal zonas de desova zonas de abrigo para juvenis ensombramento e evaporação
  8. 8. Espécies endémicas de Portugal:património biológico de valor inestimável O que se perde com a extinção de uma destas espécies?
  9. 9. Espécies endémicas de Portugal:património biológico de valor inestimável O que se perde com a extinção de uma destas espécies?
  10. 10. Os peixes primários de água doce vivem estritamente em água doceSe não migram pelo marnem existem passagens entre os diferentes rios, X Xcomo é que os peixes primárioscolonizaram todos os riosportugueses?
  11. 11. A colonização dos rios Ibéricos começou há pelo menos10 milhões de anos, quando os rios ainda não eram rios… … e o que existia na Península Ibérica eram apenas enormes lagos.
  12. 12. Cada rio é uma “ilha”Até há cerca de 5 milhões de anos, deu-se um fenómeno tectónico surpreendente:o basculamento da Península Ibérica para Oeste.E a água foi literalmente “escorrendo” em direcção ao Oceano Atlântico. A água que estava retida nos lagos extravasa e começam a formar-se os primeiros rios, que contornam as montanhas já existentes ou em formação.
  13. 13. A rede hidrográfica actual tem apenas 1 a 2.5 milhões de anos ... ... e desde essa altura, cada rio funciona como uma ilha para os peixes que aí vivem.
  14. 14. Espécies endémicas de Portugal:património biológico de valor inestimável O que se perde com a extinção de uma destas espécies? Perdem-se espécies isoladas em alguns casos há mais de 5 milhões de anos, com uma história evolutiva própria, irrepetível e irrecuperável
  15. 15. Contributos da UIEE-ISPA para a preservação de espécies ameaçadas
  16. 16. Reprodução de espécies ex situ de espécies ameaçadas 1ª fase – reprodução ex situ de 5 peixes criticamente ameaçados cujos habitats estão altamente degradados: escalos do Arade e do Mira, boga portuguesa, Ruivaco do Oeste e boga do Sudoeste - Aquário Vasco da Gama Manutenção - Faculdade Medicina Veterinária de Lisboa EX SITU - Estação Aquícola de Campelo
  17. 17. Reprodução de espécies ex situ de espécies ameaçadas 1ª fase – reprodução ex situ de 5 peixes criticamente ameaçados cujos habitats estão altamente degradados: escalos do Arade e do Mira, boga portuguesa, Ruivaco do Oeste e boga do Sudoeste 2ª fase – restauração de habitats e melhoria da qualidade da água ANTES DEPOIS Austrália Manutenção EX SITU
  18. 18. Reprodução de espécies ex situ de espécies ameaçadas 1ª fase – reprodução ex situ de 5 peixes criticamente ameaçados cujos habitats estão altamente degradados: escalos do Arade e do Mira, boga portuguesa, ruivaco do Oeste e boga do Sudoeste 2ª fase – restauração de habitats e melhoria da qualidade da água 3ª fase – repovoamento Manutenção EX SITU http://exsitu.quercusancn.pt
  19. 19. jrobalo@ispa.pt

×