Revista Ciências da Educação
1
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR
Pau...
Revista Ciências da Educação
2
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
Resumen
Este trabajo tiene la importancia de ...
Revista Ciências da Educação
3
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
1.INTRODUÇÃO
É notório que a indisciplina, in...
Revista Ciências da Educação
4
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
compreensão na literatura partindo de pressup...
Revista Ciências da Educação
5
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
Diante de toda esta problemática é comum ouvi...
Revista Ciências da Educação
6
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AQUINO, J. G. A in...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR

839 visualizações

Publicada em

Este trabalho tem a importância de enfatizar a indisciplina no aspecto conceitual em relação ao longo da historia nas diferentes sociedades e instituições escolares, cultural e classes sociais. Como também analisar a indisciplina no contexto familiar dando um reflexo do verdadeiro papel da escolar e da família Abre discussões sobre o aluno desrespeitador, aluno sem limite, apresentando faces que estar muito além do contexto familiar tornando - se o mais complexo desafio do cotidiano docente. Mostra a necessidade de um trabalho pedagógico pautado na reciprocidade e cooperação de todos os envolvidos na conduta indisciplinar envolvendo família, aluno e escola.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
839
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR

  1. 1. Revista Ciências da Educação 1 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 INDISCIPLINA ESCOLAR NO CONTEXTO FAMILIAR Paulo da Silva Mendes* paulomendes@ceapcursos.com.br Resumo Este trabalho tem a importância de enfatizar a indisciplina no aspecto conceitual em relação ao longo da historia nas diferentes sociedades e instituições escolares, cultural e classes sociais. Como também analisar a indisciplina no contexto familiar dando um reflexo do verdadeiro papel da escolar e da família Abre discussões sobre o aluno desrespeitador, aluno sem limite, apresentando faces que estar muito além do contexto familiar tornando - se o mais complexo desafio do cotidiano docente. Mostra a necessidade de um trabalho pedagógico pautado na reciprocidade e cooperação de todos os envolvidos na conduta indisciplinar envolvendo família, aluno e escola. Palavras – chaves: Escola, Família, Indisciplina.
  2. 2. Revista Ciências da Educação 2 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Resumen Este trabajo tiene la importancia de acentuar la indisciplina en el aspecto conceptual en relación a lo largo de la historia en diferentes sociedades e instituciones educativas, culturales y sociales de las clases. Así como analizar la indisciplina en el contexto de la familia dando un reflejo de la verdadera función de escuela y familias debates abiertos sobre el irrespetuoso estudiante, sin límite, mostrando caras a ser lejos más allá del contexto familiar convirtiéndose en el reto más complejo de enseñanza diaria. Muestra la necesidad de un trabajo pedagógico basado en la reciprocidad y la cooperación de todos los involucrados en conductas de familia, estudiantes y acto escolar. Palabras clave: indisciplina familiar, escolar. *Mestrando em Ciência da Educação, pela UNASUR. Graduado em Biologia.
  3. 3. Revista Ciências da Educação 3 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 1.INTRODUÇÃO É notório que a indisciplina, independentemente de classes sociais, tornou-se uma discussão crescente não só dentro das instituições escolares, mas também dentro de casas, nas ruas, nos ambientes coletivos como praças, meios de transporte, shoppings, etc.; Uma situação que se torna cada vez mais complexa, tornando notícia nos meios de comunicação. Partindo da perspectiva de indisciplina sob a ótica da quebra ou ruptura de normas estabelecidas em contexto escolar, este trabalho apresenta uma discussão para além da conduta de ruptura destas regras, refletindo sobre a própria natureza destas regras quanto a sua constituição e, sobretudo, da percepção do aluno tido como indisciplinado por diferentes contextos e em detrimento a diferentes interpretações docentes. Por fim, este trabalho tenta refletir e questionar as concepções e hipóteses que muitos docentes apresentam a despeito deste fenômeno. Apresentando considerações que venham contribuir para a resignificação do desenvolvimento de metodologias e intervenções na questão da indisciplinaridade discente. Na literatura, o conceito de indisciplina é recente e veio surgir somente na década de 80. A partir de então sua fundamentação foi sendo trabalhada de diferentes momentos, maneiras e lugares. Ao longo da história se destacou como objeto de estudo e atenção nas organizações escolares, principalmente na relação com a autoridade docente e as práticas pedagógicas. Mesmo que os docentes não saibam lidar com as demandas de alunos indisciplinados, este desafio ainda é uma constante no sistema escolar (GARCIA, 1999). Para Carvalho (1996) a disciplina assim como a indisciplina e outras expressões usuais do cotidiano técnico-pedagógico, tem suas raízes historicamente constituídas e legitimadas. Portanto, trata-se de um conceito que foi se construindo ao longo do tempo. Assim, pode-se extrair uma
  4. 4. Revista Ciências da Educação 4 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 compreensão na literatura partindo de pressupostos etimológicos que deram surgimento e fundamentação a este conceito. Analisando a definição do termo disciplina, Garcia (1999) realiza uma leitura etimológica e encontra, primeiramente, “duas matrizes possíveis de significado”. Uma advinda de discipulus “aluno, discípulo” e interpretada como “um indivíduo que se apropria de algo que lhe está sendo mostrado e indicado — daí o sentido de discípulo como aquele que aprende”. Sendo assim, o discípulo, quando se apropria de algo ensinado, é capaz de mudar de lugar, mas com um crescimento agregado a si e, dessa forma, é que ele se desloca para outro patamar. Essa mudança de lugar será direcionada pelo ensino e o professor ocupará uma posição de destaque, pois é ele quem lidera e guia este trajeto. O aluno, como ser passivo, para ser inserido na sociedade precisa absorver certos conhecimentos e valores a ele impostos. A absorção desses conhecimentos é comprovada através de avaliações rigorosas e conteudístas, neste cenário a reprovação faz-se muito necessária caso se julgue abaixo do nível mensurado. Atribui-se ao sujeito um papel insignificante na elaboração e aquisição do conhecimento. Ao indivíduo que está "adquirindo" conhecimento compete memorizar definições, anunciando leis, sínteses e resumos que lhes são oferecidos no processo de educação formal. A relação professor-aluno é extremamente verticalizada. Somente o professor é detentor da metodologia, avaliação e conteúdo. As aulas são padronizadamente expositivas, os alunos mantêm uma relação distante com os professores. Há uma nítida negligência ao aspecto social-interativo entre os estudantes. O espaço da sala de aula não é um espaço de socialização, é apenas um espaço de relação com os objetos de conhecimento. Muitas vezes remete-se a questão da indisciplinaridade à constituição familiar do aluno. Tal prerrogativa sustenta que o aluno das escolas atuais não obedece às regras institucionais e não há como exercer algum tipo de controle sobre estes alunos por se tratar de problemas de natureza familiar. Para Aquino (1998) estes argumentos precisam de reparos e reflexões que considerem o verdadeiro papel da escola e da família neste contexto.
  5. 5. Revista Ciências da Educação 5 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Diante de toda esta problemática é comum ouvir dos educadores que a responsabilidade de más condutas em sala de aula é fruto da educação moral oferecida pelos pais. Assim tem-se a indisciplinaridade como sinônimo da permissividade dos pais. Costuma-se julgar uma suposta desestruturação familiar, o despreparo e o abandono dos pais como motivos de condutas indisciplinares, afirmando, portanto, que a família não auxilia no trabalho escolar. A questão da indisciplina não se constitui, historicamente, uma demanda pedagógica recente, mas vem se tornando um dos mais complexos desafios no cotidiano docente. Constantemente responsabiliza-se o aluno e sua estrutura familiar, sem se refletir na díade aluno-escola, onde as origens da indisciplina estão mais implicadas. É essencial uma análise deste cenário e uma revisão dos papéis e corresponsabilidades de seus atores: professores, pais, alunos e a própria escola. Percebe-se, neste estudo, a carência de estudos que reflitam a indisciplina como expressão das relações de poder constituintes das escolas e o quanto este fenômeno está para além da ruptura de um plano normativo ou controle exercido sobre a conduta dos alunos. Seria possível responsabilizar a família dessas crianças, adolescentes e jovens por suas condutas? Não é possível determinar e generalizar um “culpado”, embora muitas hipóteses apareçam responsabilizando a desestruturação familiar. A indisciplina escolar não embarca somente elementos encontrados fora da instituição escolar, como sobrevivência precária, problemas sociais, baixa qualidade de vida e conflitos nas estruturas familiares, mas também aspectos envolvidos na própria escola, como, principalmente, a relação professor-aluno. Contribuindo negativamente neste contexto, a escola, numa relação ditatorial, estabelece e cria regras sem observar e considerar as peculiaridades de seus alunos. Professores e gestores escolares deveriam abrir um espaço para ouvir os alunos, considerando seus anseios e conhecimentos, permitindo uma ampliação e construção de conhecimento e regras produzidas nesta relação.
  6. 6. Revista Ciências da Educação 6 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AQUINO, J. G. A indisciplina e a escola atual. Rev. Fac. Educ., São Paulo, v. 24, n.2, jul. 1998. Disponível em CARVALHO, J. S. Os sentidos da (in) disciplina: regras e métodos como práticas sociais. In: AQUINO, Júlio Groppa. (Org.). Indisciplina na escola: alternativas teóricas e práticas. 11. ed. São Paulo: Summus, 1996. p. 129-138. GARCIA, J. Indisciplina na escola: uma reflexão sobre a dimensão preventiva. Revista Paranaense de Desenvolvimento. Curitiba, n. 95, p. 101-108, 1999.

×