Revista Ciências da Educação
1
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE ENTRE ALUNO E PR...
Revista Ciências da Educação
2
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
Resumen
Este estudio se basa en la presentaci...
Revista Ciências da Educação
3
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
1. INTRODUÇÃO
Sabendo-se que a afetividades é...
Revista Ciências da Educação
4
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
base afetiva permeando essas relações. As exp...
Revista Ciências da Educação
5
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
ensino. Nas relações internas numa escola o q...
Revista Ciências da Educação
6
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
e, sentindo-se valorizados e livres para trab...
Revista Ciências da Educação
7
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
CONCLUSÃO
Na realidade, a prática docente tem...
Revista Ciências da Educação
8
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CECCON, et al. A v...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A importância da afetividade entre aluno e professor

3.532 visualizações

Publicada em

Este estudo fundamenta-se em apresentar as contribuições da relação afetiva para o processo de aprendizagem, compreendendo como acontece a relação afetiva entre professor e aluno em sala de aula. Objetiva-se em buscar nas principais obras educacionais e pedagógicas referências sobre a afetividade no processo de aprendizagem, elencando pesquisas contemporâneas escolares. Os conceitos de aprendizagem da atualidade não fazem a dicotomia entre cérebro (cognição) e corpo (organismo) e inserem a motivação e o desejo como instrumentos de apropriação da inteligência. As diversas abordagens atribuem à afetividade imprescindível valor para o desenvolvimento psíquico do ser humano. Os vínculos emocionais que se estabelecem desde o nascimento influenciam na construção da personalidade, do autoconceito e da autoestima do sujeito, propiciando-lhe ferramentas necessárias à aquisição da aprendizagem e sua conservação. Para a construção dessa análise, foram utilizados livros bibliográficos, artigos e revistas científicas e pesquisas de periódicos nos sites da internet.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.532
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
50
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A importância da afetividade entre aluno e professor

  1. 1. Revista Ciências da Educação 1 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE ENTRE ALUNO E PROFESSOR Fabiano Silva Duarte* fabiano.duarte@mauriciodenassau.edu.br RESUMO: Este estudo fundamenta-se em apresentar as contribuições da relação afetiva para o processo de aprendizagem, compreendendo como acontece a relação afetiva entre professor e aluno em sala de aula. Objetiva-se em buscar nas principais obras educacionais e pedagógicas referências sobre a afetividade no processo de aprendizagem, elencando pesquisas contemporâneas escolares. Os conceitos de aprendizagem da atualidade não fazem a dicotomia entre cérebro (cognição) e corpo (organismo) e inserem a motivação e o desejo como instrumentos de apropriação da inteligência. As diversas abordagens atribuem à afetividade imprescindível valor para o desenvolvimento psíquico do ser humano. Os vínculos emocionais que se estabelecem desde o nascimento influenciam na construção da personalidade, do autoconceito e da autoestima do sujeito, propiciando-lhe ferramentas necessárias à aquisição da aprendizagem e sua conservação. Para a construção dessa análise, foram utilizados livros bibliográficos, artigos e revistas científicas e pesquisas de periódicos nos sites da internet. Palavras-chave: Relação afetiva. Escola. Processo de aprendizagem. .
  2. 2. Revista Ciências da Educação 2 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Resumen Este estudio se basa en la presentación de las contribuciones de relación afectiva con el proceso de aprendizaje, que comprende como lo hace la relación afectiva entre el profesor y el alumno en el aula. El objetivo es buscar los principales resultados del trabajo educativo y pedagógico de la afectividad en el proceso de aprendizaje, enumerando la investigación contemporánea de la escuela. Conceptos de hoy Aprender no hacen la dicotomía entre el cerebro (cognición) y el cuerpo (cuerpo) y entrar en la motivación y el deseo como los documentos constitutivos de la inteligencia. Los diversos enfoques de la afectividad esencial para el desarrollo psíquico de los seres humanos de valor de atributo. Los vínculos emocionales que se establecen a partir de la influencia del nacimiento en la personalidad, el autoconcepto y la autoestima del sujeto, que le proporciona las herramientas necesarias para el aprendizaje de la adquisición y la conservación. Para la construcción de este análisis, se utilizaron libros bibliográficas, artículos y revistas científicas y revistas de investigación en los sitios web de Internet. Palabras clave: Química. Escuela. El proceso de aprendizaje.
  3. 3. Revista Ciências da Educação 3 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 1. INTRODUÇÃO Sabendo-se que a afetividades é uma questão de múltiplos fatores, intenciona-se neste estudo demonstrar como fatores afetivos se apresentam na relação professor-aluno e a sua influência no processo de aprendizagem. VYGOTSKY (1994), ao destacar a importância das interações sociais, traz a ideia da mediação e da internalização como aspectos fundamentais para a aprendizagem, defendendo que a construção do conhecimento ocorre a partir de um intenso processo de interação entre as pessoas. A relação que caracteriza o ensinar e o aprender transcorrem a partir de vínculos entre as pessoas e inicia-se no âmbito familiar. A base de esta relação vincular e afetiva, é através de uma forma de comunicação emocional que o bebê mobiliza o adulto, garantindo assim os cuidados que necessita. Portanto, é o vínculo afetivo estabelecido entre o adulto e a criança que sustenta a etapa inicial do processo de aprendizagem. Seu status é fundamental nos primeiros meses de vida, determinando a sobrevivência (WALLON, 1978). Nesse sentido, no decorrer do desenvolvimento, os vínculos afetivos vão ampliando-se e a figura do professor surge com grande importância na relação de ensino e aprendizagem, na época escolar. FERNÁNDEZ (1991) aborda que: Toda aprendizagem está impregnada de afetividade, já que ocorre a partir das interações sociais, num processo vincular. Pensando, especificamente, na aprendizagem escolar, a trama que se tece entre alunos, professor, conteúdo escolar, livros, escrita, etc., não acontece puramente no campo cognitivo; existe uma “Para aprender, necessitam-se dois personagens (ensinante e aprendente) é um vínculo que se estabelece entre ambos. Não aprendemos de qualquer um, aprendemos daquele a que outorgamos confiança e direito de ensinar” (Fernández, 1991, p.47 e 52)
  4. 4. Revista Ciências da Educação 4 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 base afetiva permeando essas relações. As experiências vividas em sala de aula ocorrem, inicialmente, entre os indivíduos envolvidos, no plano externo (interpessoal). Poe todas essas razões, nossa mediação de estudo, vão se internalizando a autonomia e afetividade do professor com o aluno em sala de aula, uma vez que os indivíduos internalizam as experiências afetivas com relação a um objeto específico. Uma educação entre professores e alunos que não aborde a emoção na sala de aula como a afetividade traz prejuízos para a ação pedagógica, pois podem atingir não só o professor, mas também o aluno. E se o professor não souber lidar com crises emocionais isso poderá provocar desgaste físico e psicológico. Para fazermos essa relação da afetividade com o processo de ensino e aprendizagem, vamos falar sobre o desenvolvimento da criança através da interação infantil, pois o professor competente poderá organizar uma ação adequada para as reais necessidades dos seus alunos. A relação entre inteligência e afetividade, razão e emoção no desenvolvimento do aluno e no contexto da educação estão inteiramente ligadas ao desempenho escolar. Pois o desenvolvimento é um processo contínuo e a afetividade tem um papel imprescindível nesse processo de desenvolvimento do aluno, no entanto, o meio deve proporcionar relações de atividade entre pais e filhos, professores e alunos. A família ou o meio familiar em que a criança está inserida é o seu primeiro ambiente de aprendizagem; é nesse contexto que a criança aprende as primeiras habilidades sociais, como a comunicação entre seus semelhantes, assim como lhes são transmitidos os valores sociais da cultura em que esta família se insere, e suas expectativas. Ao ingressar na escola, a criança traz em sua bagagem estes conhecimentos que terão de ser levados em conta por quem ensina. Muitos dos valores socioculturais aprendidos no contexto familiar podem entrar em conflito com os conhecimentos que a escola pretende transmitir. O educador é a peça fundamental no processo educacional, pelo papel que ele representa diante do aluno, como educador e transmissor de conhecimentos. Porém, ele é esmagado pelo sistema que não lhe dá condições necessárias para desempenhar satisfatoriamente esse papel, e ainda é acusado pelo fracasso do
  5. 5. Revista Ciências da Educação 5 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 ensino. Nas relações internas numa escola o que se observa é que nem todos são tratados igualmente, principalmente os alunos de um autoritarismo que começa hierarquicamente na instância superior, na figura do (a) diretor (a) e se esforça e perpetua na sala de aula ou de seus efeitos são mais nefastos, com raríssimas exceções. Conforme CECCON (1998: 85): “Repare como um professor se coloca sempre sobre um estrado, numa posição de importância num papel de autoridade absoluta. Isso acaba por inculcar submissão, familiarizar a ideia de que deve existir uma hierarquia e que precise de um chefe”. Conceber a autoridade do professor dentro destes moldes significa dar a ele todas as possibilidades de abusar dela. O professor acaba se reduzindo a um transmissor de valores assegurado, valores quases patrimoniais. A autoridade do professor nasce de sua relação com a verdade. Existe, todavia, uma distância entre eles, distância esta que não derem da mesma peculiaridade do encontro. O professor possui um grau de ascendência indiscutível. No entanto, esta superioridade não é em si um potencial absoluto, pois mesmo mais, avançado em idade e sabedoria, em competência, também o professor continua o caminho da verdade que dá testemunho frente ao aluno. A autoridade do professor é outra face da subordinação do educador, por isso dizer, a disciplina que impõe, impõe a si mesmo. O educador quando começa a prática pedagógica, tem em mente uma disciplina rigorosa, autoritária ou uma conduta livre, democrática. Entre esses dois extremos, há um grande número de possibilidade, que dependem de muitos fatores, como a personalidade do aluno, a do professor, as condições ambientais dar a expressar pelas suas opiniões. Mas no momento que ele precisa exercer sua autoridade, o aluno deve responder devidamente. Professor e aluno são autênticos quando se apresentam como realmente são, sem disfarce, sem máscaras. Quando o professor é autêntico em relação aos seus alunos, manifesta seus sentimentos, e mostra-se aberto ao diálogo e às sugestões, chega mais facilmente aos seus objetivos: aprendizagem e a relação pessoal. Os alunos mostram-se compreensivos em relação ao sentimento do professor, respeitam tais sentimentos
  6. 6. Revista Ciências da Educação 6 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 e, sentindo-se valorizados e livres para trabalhar, colaboram para que os objetivos da classe como um todo, aluno e professor, sejam atingidos. O trabalho do educador torna-se mais fácil na medida em que ele pode obter dos alunos informações sobre seus problemas e temas favoritos. Se os alunos puderem falar e discutir, o que lhes interessa virá à tona e, a partir desses dados, o professor poderá desenvolver as atividades escolares. Alguns educadores não se dão conta de que atitudes muitas vezes consideradas simplórias são tão importantes quanto aos concursos de novas técnicas, tecnologias e modernidades etc., não percebem suas práticas e, por conseguinte, em suas teorias, que o fio condutor dessas tecnologias é sua própria criatividade, o ponto de interação dos caminhos que levam e trazem, entre a razão e a sedução e, é lógico, que a questão vocacional se faz presente, do contrário, dificilmente haveria reflexão, somas de interesses, contribuições, em suma, todo um encaminhamento das ações socioeducativas. As novas tecnologias da informação e da comunicação têm alterado substancialmente a vida de todas as pessoas. A velocidade e a quantidade de informações que chegam e são transmitidas atualmente faz-nos achar que a forma de transmissão de conhecimento que a escola usa está ultrapassada. As crianças que têm acesso ao mundo tecnológico por vezes não se sentem motivados a ouvir o professor que não disponibiliza recursos que lhes chamem a atenção. Mas podemos assinalar alguns perigos e limitações dessa relação. HUMBERTO ECO (1987), afirmou que o excesso da informação pode conduzir ao caos, ao silêncio e que apenas o estabelecimento de critérios de qualidade e de confiabilidade da informação, por um lado, e a organização e a interpretação dessa informação de acordo com esquemas significativos para cada pessoa, por outro lado, pode evitar que a sociedade da informação se transforme em uma sociedade caótica.
  7. 7. Revista Ciências da Educação 7 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 CONCLUSÃO Na realidade, a prática docente tem uma parcela não só significativa na relação professor/aluno, mas quase que definitiva em todo o processo. A arrogância didática do detentor do saber e a “segurança” que o mesmo tem de que seu poder, seu conhecimento ilimitado são suficientes, pode produzir um aprendizado equivocado e covarde, uma vez que este acredita que a culpa é somente do aluno quando os resultados não condizem com as suas expectativas. Certamente, a simples mudança de paradigmas não garante de forma alguma uma mudança de concepção pedagógica, ou seja, de prática de escolar.
  8. 8. Revista Ciências da Educação 8 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CECCON, et al. A vida na escola e a escola da vida. 33 ed. Rio de Janeiro, Petrópolis: Vozes, 1998. ECO, Humberto. Arte e beleza na estética medieval (1987), Disponível em: http://pt.wikiperdia.org/wiki/Umberto Eco.html FERNANDÉZ, Alicia. A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991. VYGOSTKY, L. S. A Formação Social da Mente. Martins Fontes – São Paulo. 5ª edição, 1994. WALLON, H. A evolução psicológica da criança. Lisboa: Edição 70, 1978.

×