SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Comunicação Oral
GT: Formação continuada de professores

PROJETO SALA DE PROFESSOR: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO
               CONTINUADA EM SERVIÇO

                                                                     Cristiana de Campos Silva1
                                                                         Rinalda Bezerra Carlos2


Resumo

A presente pesquisa tem como objetivo analisar como se dá a formação continuada no Projeto
Sala de Professor desenvolvido pela Secretaria de Educação e Cultura do Estado de Mato
Grosso –SEDUC/MT, juntamente com o Centro de Formação e Atualização dos Professores –
CEFAPRO na cidade de Cáceres. Esse modelo de formação parte do princípio de que a
formação realizada no local onde o professor desenvolve seu trabalho docente é mais
significativo, visto que tal processo de reflexão permite desvelar os problemas que estes
vivenciam no cotidiano, sobretudo, considerando-se os saberes que o professor adquire no
exercício da profissão. Orientada pela perspectiva qualitativa, utilizando a observação
participante, a análise de documentos e a entrevista semi-estruturada, esta pesquisa toma
como referência os estudos realizados por Tardif (2006), Gauthier (2006), Marcelo Garcia (2009),
Gatti (2009) e Nóvoa (2009). Os resultados preliminares da análise dos documentos revelam a
busca pela mudança na prática pedagógica de ensino, como sendo um dos efeitos mais perseguido pelo
projeto, acrescido da necessidade de uma proposta mais sistematizada de participação dos professores.

Palavras Chave – Formação continuada, Formação centrada na escola, Sala de Professor



Introdução

         Em geral, a formação continuada compreende aquela que ocorre após a formação
inicial, a partir do ingresso do profissional na carreira docente. Quase sempre ela aparece com
o propósito de realizar programas de formação de professores com o formato de cursos,
seminários, encontros e conferências, sendo oferecidas por diferentes convênios, secretarias
municipais e estaduais de educação, universidades públicas e privadas. Um breve histórico
das práticas de formação continuada de professores dão conta que ela está associada a várias
terminologias:    treinamento,    capacitação,    reciclagem,    compensação,      aperfeiçoamento
profissional e outras.



1
  Acadêmica do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia na UNEMAT – Universidade do Estado de Mato
Grosso /Campus “Jane Vanine”
2
  Doutoranda em Educação: Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e
professora do Departamento de Pedagogia na UNEMAT
Acerca do assunto Gatti (2009, p. 200) comenta que o motivo para a busca da
formação continuada como recurso para aprimoramento do profissional tem ocorrido por
causa dos crescentes problemas nos cursos de formação inicial de professores. Ou seja,
quando isso acontece, a formação continuada aparece como uma perspectiva compensatória
com fim apenas de preencher brechas da formação inicial.
        De acordo com Candau (1996), a formação continuada dos docentes tem acontecido
em duas perspectivas: a clássica e a contemporânea (p.52). A primeira caracterizada pelos
tradicionais treinamentos e cursos isolados que desconsideram as necessidades e as
experiências docentes; a segunda, aquela que pode contribuir para o desenvolvimento pessoal
e profissional do docente de modo que atenda também as necessidades institucionais. A
perspectiva contemporânea da formação continuada está associada às transformações das
práticas escolares com reflexos na formação do cidadão crítico e consciente de seu papel na
sociedade.
        Para alguns teóricos, a formação continuada aparece com a finalidade de que os
profissionais docentes estejam inteirados das discussões teóricas atuais e também de propor
novos conhecimentos que contribuam para mudanças e melhoria na ação pedagógica.
        Nesta pesquisa, tomamos como objeto de estudo a formação continuada em serviço a
partir do Projeto denominado Sala de Professor implantado pela Secretaria de Estado de
Educação em Mato Grosso nas escolas da rede estadual, tendo como objetivo analisar como
se dá a formação continuada centrada na escola. Para a coleta de dados foi realizada análise
dos documentos oficiais do SEDUC-MT, tendo como eixos os fundamentos teóricos
metodológicos que orientam o Projeto Sala de Professor, o papel do CEFAPRO, da escola e
do professor. Para o seu desenvolvimento fez-se necessário recorrer a um aprofundamento de
conhecimentos, estudando autores como: Tardif (2006), Gauthier (2006), Marcelo Garcia
(2009), Gatti (2009), Nóvoa (2009) e outros.
        Apresentamos nesse trabalho, dados preliminares a partir de reflexões e análises de
documentos que abordam o tema em questão.


Fundamentos teóricos que norteiam a compreensão da configuração da formação
continuada em serviço
        O novo modelo de formação continuada tem como fundamento o artigo 67, inciso II,
da Lei de Diretrizes e Bases (LDB), Lei nº 9.394/96, que reza que “os sistemas de ensino
promoverão a valorização dos profissionais da educação, assegurando-lhes [...] período
reservado a estudos, planejamento e avaliação incluída na carga de trabalho.”
A formação em serviço surge como uma opção de formação continuada para atender
a real necessidade do professor e tem como designo criar a autonomia do professor no
desempenho da sua função, sobretudo proporcionar possibilidades para que ele possa criar
uma identidade profissional. Em geral, nesse modelo de formação, tende-se a buscar temas
significativos propostos pelos próprios professores e acontece dentro do ambiente de trabalho.
Isso sem falar que ela acontecerá em horários adequados para os professores e com
profissionais que conhecem a realidade dos locais onde essa formação se dará, possibilitando
a participação efetiva de todo professorado da unidade escolar.
         Tal tendência coloca para a escola um enorme desafio que engloba a formação de
seus profissionais com vistas não apenas para o seu desenvolvimento pessoal e profissional,
mas também do desenvolvimento da escola enquanto organização, em busca de um trabalho
condizente com as exigências da atualidade.
         Para Marcelo Garcia (1999, p. 76) a formação aos poucos vem sendo compreendida
“como um processo que ocorre não de forma isolada, mas dentro de um espaço intersubjetivo
e social.” Esse não isolamento cria os grupos de estudo chamados “comunidades de
aprendizagem”. Nos encontros desses grupos são realizadas troca de experiências, reflexões
sobre o trabalho e a discussão sobre o fazer docente.
         Nóvoa (2010) comenta que a aprendizagem contínua do docente está sustentada em
dois pilares essenciais: o professor como agente e a escola como lugar de crescimento
profissional permanente.    Para o autor, a preocupação com a pessoa do professor está
centralizada na reflexão educacional e pedagógica. Nóvoa (2010) argumenta que “a formação
depende do trabalho de cada um, [...] que mais importante do que formar é formar-se, [...]
todo o conhecimento é autoconhecimento, [...] toda a formação é autoformação” (p.12-14).
         No tocante à escola, Nóvoa (2010) considera que o contexto onde o professor
desempenha sua atividade, influencia grandemente no desenvolvimento profissional do
docente. Para o autor, a formação de fato acontece no espaço concreto de cada escola,
vivenciando os reais problemas pedagógicos e educativos.
         Na mesma direção, é importante que se tenha ciência de que a formação no espaço
escolar envolve algumas posturas a serem seguidas, como por exemplo: primeiro a escola
deve fazer uma autoavaliação, que constitui o diagnóstico da escola. A partir disso, vai pensar
o Projeto Político Pedagógico e o Plano de Desenvolvimento da Educação, e somente depois,
poderá começar a pensar no projeto de formação. Isso porque a formação continuada na
escola está atrelada ao PPP e ao currículo.
Para Nóvoa (2009, p.41), o conceito da escola como o lugar da formação dos
professores e como o espaço de autoavaliação compartilhada das práticas, posto como método
rotineiro de acompanhamento, de gerenciamento e de reflexão sobre o trabalho docente, tem
como objetivo transformar a experiência coletiva em conhecimento profissional, aliando a
formação de professores ao desenvolvimento de projetos educativos nas escolas. Isso significa
que o projeto de formação junto ao PPP, possibilita a articulação das complexidades e
necessidades existentes na escola, com os conhecimentos dos profissionais em relação a sua
carreira, as suas experiências profissionais e a sua vida.


Compreendendo o objeto de pesquisa

            O Projeto de formação continuada Sala de Professor foi implantado nas escolas das
redes estaduais no Estado de Mato Grosso no final de 2003, pela SEDUC - Secretaria de
Estado de Educação e a SUFP - Superintendência de Formação dos Profissionais da
Educação. Na ocasião havia a necessidade de se pensar em um projeto de formação que
viesse substituir os programas que até então eram oferecidos pelo MEC. Assim, surgiu a
proposta de criar uma formação no próprio estado focando a escola, e que fosse uma
formação da escola para a escola.
            O Sala de Professor tem em sua configuração a intenção de estabelecer uma
articulação entre a formação continuada e o Projeto Político Pedagógico, no qual devem estar
explícitos os principais problemas da escola, as propostas de soluções e as definições de
responsabilidade para superação dos problemas. Assim, um funciona como estímulo para o
outro se complementando e se transformando, caracterizando a escola como um lócus
privilegiado de formação e desenvolvimento do coletivo e da escola


Resultados e discussões

            Ao analisarmos os documentos oficiais da SEDUC, constatamos que o Projeto de
formação continuada Sala de Professor propõe que os encontros de formação em lócus
tenham como princípio fortalecer a escola como um ambiente de aprendizagem e que
possibilitem ao professor a prática contínua de gerir sua formação de forma individual e
coletiva.
            Assim, a Sala de Professor anuncia como protagonistas, os profissionais docentes,
não docentes e gestores da unidade escolar, cujo desafio da formação continuada passa a ser
constituir a cultura do estudo em grupo, com ênfase no comprometimento e participação do
coletivo da escola na elaboração de projetos centralizados à vida escolar e aos problemas que
nela se apresentam, a fim de que os professores desenvolvam as suas potencialidades.
        Também revela a preocupação em fazer com que o professor perceba a escola como
espaço de aprendizagem docente, onde as atividades de estudo, os cursos, projetos e
programas de iniciativa da escola possam ser desenvolvidas no mesmo local onde exerce suas
atividades pedagógicas.
        De acordo com os documentos analisados percebemos que dentre as exigências da
SEDUC, está o fato de que a definição dos conteúdos a serem estudados devem vincularem-se
ao Projeto Político Pedagógico da escola e ao Plano de Desenvolvimento da Educação.
Também precisa contemplar dois eixos essências: a aprendizagem – melhoria do desempenho
dos alunos e o ensino – melhoria da prática pedagógica. Assim sendo, para elaboração das
propostas de trabalho, deve ser feito um diagnóstico das necessidades da escola, incluindo o
plano de formação continuada dos profissionais da Educação.
        Um dos documentos que abordam o projeto Sala de Professor, denominado Parecer
Orientativo nº 01/2010 da SEDUC/SUFP, reza que: para que ocorra a implantação e
implementação do projeto na escola, faz-se necessário orientação durante a elaboração dos
projetos, a aprovação para execução dos mesmos e o acompanhamento para a efetivação do
projeto nas unidades escolares. Para isso a SEDUC conta com a equipe de formadores dos
CEFAPROs, que em forma de orientações, assessoramento, sugestão de temáticas, textos,
vídeos, etc. acompanham o desenrolar dos Projetos Sala de Professor nas escolas.
        O processo de elaboração da Sala de Professor nas escolas deve acontecer na Semana
Pedagógica que acontece no início do ano. Os gestores da escola discriminam as temáticas
que serão abordadas, a carga horária, os mediadores, os dias de encontros e horários. A partir
de então, encaminham o Projeto Sala de Professor ao CEFAPRO, com o cronograma de
execução no período de março a outubro. Após deferimento, cada escola recebe o Parecer de
Aprovação do projeto para dar início às atividades.
        A carga horária mínima de estudos deve ser de 80 horas no ano letivo, podendo ser
distribuída em 40 horas no primeiro semestre e 40 horas no segundo semestre. Na ocasião, os
profissionais que se reunirem participarão de discussões, apreciação de seminários temáticos,
filme, vídeo, painéis, quadros-murais, oficinas e mostras de produções dos professores e
alunos, com foco na melhoria do processo de ensino e aprendizagem.
        A formação deve acontecer em regime presencial nos encontros de estudos coletivos
dos profissionais docentes e não docentes da instituição, onde serão acompanhados e
orientados pela coordenação pedagógica. Quando necessário, o grupo pode ser dividido para
estudos específicos como: Ciclos, Área de Conhecimento, Disciplina e Modalidade. Todos os
participantes que freqüentarem os grupos de estudos receberão um certificado de participação,
sendo que apenas os que obtiverem no mínimo 75% de freqüência terão direito ao certificado
do Projeto Sala de Professor. Os demais receberão certificados referentes à formação
continuada.
        Os Resultados ainda preliminares apontam que a proposta de formação continuada
em serviço implantada nas escolas da rede estadual de Mato Grosso visa atender a demanda
da atual realidade educacional, com vistas para o fortalecimento da escola como ambiente de
aprendizagem, de modo que no espaço concreto de sua prática, o profissional docente tenha
condição de gerir a sua formação, tanto individual como coletiva. Entretanto, entendemos que
alguns pontos do projeto não estão muito claros e por causa disso merecem maior atenção e
pesquisas mais aprofundadas.


Referências:
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional- nº 9.394/96, de 20 de dezembro
de 1996. Disponível em: <http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso
em: 13 jan. 2011.

CANDAU, Vera M. F. A formação continuada de professores: tendências atuais. In: REALI,
Aline M. de M. R.; MIZUKAMI, Maria da Graça N. (Orgs.). Formação de professores:
tendências atuais. São Carlos: EDUFSCAR, 1996.

GATTI, Bernadete A e BARRETO, Elba S. Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios.
Brasília: UNESCO, 2009.

GAUTHIER, Clermont (et. al), Tradução Francisco Pereira. Por uma teoria da pedagogia:
pesquisas e contemporâneas sobre o saber docente. 2. ed. Coleção Fronteira da Educação.
Ijui: Ed. UNIJUÍ, 2006.

MARCELO GARCIA, Carlos. Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. In:
Formação de Professores. Sísifo - Revista de ciências da educação. nº 8 p. 7-22 (Jan/Abr)
Lisboa - Portugal, 2009.

____________2. Tradução Cristina Antunes. A identidade docente: constantes e desafios. In:
Formação Docente. Belo Horizonte/MG, v. 01, n. 01, p. 109-131, ago./dez. ed. Autêntica,
2009.

_____________. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Ed.,
1999.

MATO GROSSO, Secretaria de Estado de Educação. Parecer Orientativo 01. Referente ao
Desenvolvimento do Projeto Sala de Professor. 2010.
NÓVOA. Antônio. Professor se forma na escola. In: Revista Nova Escola. ed. 142, p. 12-14
(mai – 2001). Disponível em http://revistaescola.abril.com.br/formacao/formacao-continuada/
professor-se-forma-escola-423256.shtml, acesso: 29 Jul. 2010.

__________. Professores imagem do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.
TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 6. ed. Petrópolis/RJ: Vozes,
2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...ProfessorPrincipiante
 
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...christianceapcursos
 
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...Nelma Quinto
 
Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...
Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...
Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...curujao
 
NARRATIVAS DE FORMAÇÃO: EXPERIÊNCIAS VIVIDAS POR PROFESSORES INICIANTES EM AM...
NARRATIVAS DE FORMAÇÃO: EXPERIÊNCIAS VIVIDAS POR PROFESSORES INICIANTES EM AM...NARRATIVAS DE FORMAÇÃO: EXPERIÊNCIAS VIVIDAS POR PROFESSORES INICIANTES EM AM...
NARRATIVAS DE FORMAÇÃO: EXPERIÊNCIAS VIVIDAS POR PROFESSORES INICIANTES EM AM...ProfessorPrincipiante
 
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...ProfessorPrincipiante
 
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...ProfessorPrincipiante
 
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...ProfessorPrincipiante
 
Projeto pesquisa mestrado
Projeto pesquisa mestradoProjeto pesquisa mestrado
Projeto pesquisa mestradoeduviecorr
 
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...christianceapcursos
 
A IMPORTÂNCIA DO BLOG PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES...
A IMPORTÂNCIA DO BLOG PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES...A IMPORTÂNCIA DO BLOG PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES...
A IMPORTÂNCIA DO BLOG PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES...ProfessorPrincipiante
 
Cecília machado henriques
Cecília machado henriquesCecília machado henriques
Cecília machado henriquesequipetics
 
Relatório_Formação de Professores (Educação Especial)
Relatório_Formação de Professores (Educação Especial)Relatório_Formação de Professores (Educação Especial)
Relatório_Formação de Professores (Educação Especial)Adriana Melo
 
A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...
A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...
A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...ProfessorPrincipiante
 
PROCESSOS FORMATIVOS PARA PROFESSORES PRINCIPIANTES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR
PROCESSOS FORMATIVOS PARA PROFESSORES PRINCIPIANTES NA EDUCAÇÃO SUPERIORPROCESSOS FORMATIVOS PARA PROFESSORES PRINCIPIANTES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR
PROCESSOS FORMATIVOS PARA PROFESSORES PRINCIPIANTES NA EDUCAÇÃO SUPERIORProfessorPrincipiante
 
O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) E AS DISPO...
O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) E AS DISPO...O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) E AS DISPO...
O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) E AS DISPO...ProfessorPrincipiante
 

Mais procurados (20)

CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
 
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
 
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
 
Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...
Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...
Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...
 
NARRATIVAS DE FORMAÇÃO: EXPERIÊNCIAS VIVIDAS POR PROFESSORES INICIANTES EM AM...
NARRATIVAS DE FORMAÇÃO: EXPERIÊNCIAS VIVIDAS POR PROFESSORES INICIANTES EM AM...NARRATIVAS DE FORMAÇÃO: EXPERIÊNCIAS VIVIDAS POR PROFESSORES INICIANTES EM AM...
NARRATIVAS DE FORMAÇÃO: EXPERIÊNCIAS VIVIDAS POR PROFESSORES INICIANTES EM AM...
 
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
 
A17
A17A17
A17
 
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
 
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
 
Sala de educador_02_03_2015 (2)
Sala de educador_02_03_2015 (2)Sala de educador_02_03_2015 (2)
Sala de educador_02_03_2015 (2)
 
A18
A18A18
A18
 
Projeto pesquisa mestrado
Projeto pesquisa mestradoProjeto pesquisa mestrado
Projeto pesquisa mestrado
 
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
 
A IMPORTÂNCIA DO BLOG PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES...
A IMPORTÂNCIA DO BLOG PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES...A IMPORTÂNCIA DO BLOG PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES...
A IMPORTÂNCIA DO BLOG PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES...
 
Cecília machado henriques
Cecília machado henriquesCecília machado henriques
Cecília machado henriques
 
Relatório_Formação de Professores (Educação Especial)
Relatório_Formação de Professores (Educação Especial)Relatório_Formação de Professores (Educação Especial)
Relatório_Formação de Professores (Educação Especial)
 
A formação continuada do coordenador
A formação continuada do coordenadorA formação continuada do coordenador
A formação continuada do coordenador
 
A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...
A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...
A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...
 
PROCESSOS FORMATIVOS PARA PROFESSORES PRINCIPIANTES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR
PROCESSOS FORMATIVOS PARA PROFESSORES PRINCIPIANTES NA EDUCAÇÃO SUPERIORPROCESSOS FORMATIVOS PARA PROFESSORES PRINCIPIANTES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR
PROCESSOS FORMATIVOS PARA PROFESSORES PRINCIPIANTES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR
 
O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) E AS DISPO...
O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) E AS DISPO...O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) E AS DISPO...
O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) E AS DISPO...
 

Semelhante a Formação de professores centrada na escola

Material complementar disciplina pós thiago felício]
Material complementar  disciplina pós    thiago felício]Material complementar  disciplina pós    thiago felício]
Material complementar disciplina pós thiago felício]TiagoFel1
 
Artigo_Ensino_Fundamental II.pdf
Artigo_Ensino_Fundamental II.pdfArtigo_Ensino_Fundamental II.pdf
Artigo_Ensino_Fundamental II.pdfZoraideMenezes1
 
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdfTEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdfDrikaSato
 
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA POR MEIO DE EXPERIÊNCIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM – ...
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA POR MEIO DE EXPERIÊNCIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM – ...APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA POR MEIO DE EXPERIÊNCIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM – ...
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA POR MEIO DE EXPERIÊNCIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM – ...ProfessorPrincipiante
 
GRUPO DE PESQUISA: uma perspectiva para os professores em início de carreira
GRUPO DE PESQUISA: uma perspectiva para os professores em início de carreiraGRUPO DE PESQUISA: uma perspectiva para os professores em início de carreira
GRUPO DE PESQUISA: uma perspectiva para os professores em início de carreiraProfessorPrincipiante
 
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...ProfessorPrincipiante
 
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...ProfessorPrincipiante
 
Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Liberty Ensino
 
Competencias e habilidades_doprofesso
Competencias e habilidades_doprofessoCompetencias e habilidades_doprofesso
Competencias e habilidades_doprofessoangelafreire
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoBeatriz
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoBeatriz
 
PROGRAMA DE FORMAÇÃO NA COMPLEXIDADE DO INÍCIO DA CARREIRA DOCENTE
PROGRAMA DE FORMAÇÃO NA COMPLEXIDADE DO INÍCIO DA CARREIRA DOCENTEPROGRAMA DE FORMAÇÃO NA COMPLEXIDADE DO INÍCIO DA CARREIRA DOCENTE
PROGRAMA DE FORMAÇÃO NA COMPLEXIDADE DO INÍCIO DA CARREIRA DOCENTEProfessorPrincipiante
 
A NARRATIVA DE PROFESSORES INICIANTES A SERVIÇO DA FORMAÇÃO DOCENTE: DIÁLOGOS...
A NARRATIVA DE PROFESSORES INICIANTES A SERVIÇO DA FORMAÇÃO DOCENTE: DIÁLOGOS...A NARRATIVA DE PROFESSORES INICIANTES A SERVIÇO DA FORMAÇÃO DOCENTE: DIÁLOGOS...
A NARRATIVA DE PROFESSORES INICIANTES A SERVIÇO DA FORMAÇÃO DOCENTE: DIÁLOGOS...ProfessorPrincipiante
 
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...ProfessorPrincipiante
 
Formação continuada de doscente
Formação continuada de doscenteFormação continuada de doscente
Formação continuada de doscentemarcosrei85
 
O trabalho coletivo na escola
O trabalho coletivo na escolaO trabalho coletivo na escola
O trabalho coletivo na escolaGelson Rocha
 
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...ProfessorPrincipiante
 
Estágio supervisionado
Estágio supervisionadoEstágio supervisionado
Estágio supervisionadoMarcelo Rony
 

Semelhante a Formação de professores centrada na escola (20)

Dissertacao
Dissertacao Dissertacao
Dissertacao
 
Material complementar disciplina pós thiago felício]
Material complementar  disciplina pós    thiago felício]Material complementar  disciplina pós    thiago felício]
Material complementar disciplina pós thiago felício]
 
Artigo_Ensino_Fundamental II.pdf
Artigo_Ensino_Fundamental II.pdfArtigo_Ensino_Fundamental II.pdf
Artigo_Ensino_Fundamental II.pdf
 
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdfTEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
 
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA POR MEIO DE EXPERIÊNCIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM – ...
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA POR MEIO DE EXPERIÊNCIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM – ...APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA POR MEIO DE EXPERIÊNCIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM – ...
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA POR MEIO DE EXPERIÊNCIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM – ...
 
GRUPO DE PESQUISA: uma perspectiva para os professores em início de carreira
GRUPO DE PESQUISA: uma perspectiva para os professores em início de carreiraGRUPO DE PESQUISA: uma perspectiva para os professores em início de carreira
GRUPO DE PESQUISA: uma perspectiva para os professores em início de carreira
 
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
 
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
 
Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6
 
Competencias e habilidades_doprofesso
Competencias e habilidades_doprofessoCompetencias e habilidades_doprofesso
Competencias e habilidades_doprofesso
 
11502 42453-1-pb
11502 42453-1-pb11502 42453-1-pb
11502 42453-1-pb
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogo
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogo
 
PROGRAMA DE FORMAÇÃO NA COMPLEXIDADE DO INÍCIO DA CARREIRA DOCENTE
PROGRAMA DE FORMAÇÃO NA COMPLEXIDADE DO INÍCIO DA CARREIRA DOCENTEPROGRAMA DE FORMAÇÃO NA COMPLEXIDADE DO INÍCIO DA CARREIRA DOCENTE
PROGRAMA DE FORMAÇÃO NA COMPLEXIDADE DO INÍCIO DA CARREIRA DOCENTE
 
A NARRATIVA DE PROFESSORES INICIANTES A SERVIÇO DA FORMAÇÃO DOCENTE: DIÁLOGOS...
A NARRATIVA DE PROFESSORES INICIANTES A SERVIÇO DA FORMAÇÃO DOCENTE: DIÁLOGOS...A NARRATIVA DE PROFESSORES INICIANTES A SERVIÇO DA FORMAÇÃO DOCENTE: DIÁLOGOS...
A NARRATIVA DE PROFESSORES INICIANTES A SERVIÇO DA FORMAÇÃO DOCENTE: DIÁLOGOS...
 
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
 
Formação continuada de doscente
Formação continuada de doscenteFormação continuada de doscente
Formação continuada de doscente
 
O trabalho coletivo na escola
O trabalho coletivo na escolaO trabalho coletivo na escola
O trabalho coletivo na escola
 
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
 
Estágio supervisionado
Estágio supervisionadoEstágio supervisionado
Estágio supervisionado
 

Formação de professores centrada na escola

  • 1. Comunicação Oral GT: Formação continuada de professores PROJETO SALA DE PROFESSOR: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO Cristiana de Campos Silva1 Rinalda Bezerra Carlos2 Resumo A presente pesquisa tem como objetivo analisar como se dá a formação continuada no Projeto Sala de Professor desenvolvido pela Secretaria de Educação e Cultura do Estado de Mato Grosso –SEDUC/MT, juntamente com o Centro de Formação e Atualização dos Professores – CEFAPRO na cidade de Cáceres. Esse modelo de formação parte do princípio de que a formação realizada no local onde o professor desenvolve seu trabalho docente é mais significativo, visto que tal processo de reflexão permite desvelar os problemas que estes vivenciam no cotidiano, sobretudo, considerando-se os saberes que o professor adquire no exercício da profissão. Orientada pela perspectiva qualitativa, utilizando a observação participante, a análise de documentos e a entrevista semi-estruturada, esta pesquisa toma como referência os estudos realizados por Tardif (2006), Gauthier (2006), Marcelo Garcia (2009), Gatti (2009) e Nóvoa (2009). Os resultados preliminares da análise dos documentos revelam a busca pela mudança na prática pedagógica de ensino, como sendo um dos efeitos mais perseguido pelo projeto, acrescido da necessidade de uma proposta mais sistematizada de participação dos professores. Palavras Chave – Formação continuada, Formação centrada na escola, Sala de Professor Introdução Em geral, a formação continuada compreende aquela que ocorre após a formação inicial, a partir do ingresso do profissional na carreira docente. Quase sempre ela aparece com o propósito de realizar programas de formação de professores com o formato de cursos, seminários, encontros e conferências, sendo oferecidas por diferentes convênios, secretarias municipais e estaduais de educação, universidades públicas e privadas. Um breve histórico das práticas de formação continuada de professores dão conta que ela está associada a várias terminologias: treinamento, capacitação, reciclagem, compensação, aperfeiçoamento profissional e outras. 1 Acadêmica do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia na UNEMAT – Universidade do Estado de Mato Grosso /Campus “Jane Vanine” 2 Doutoranda em Educação: Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e professora do Departamento de Pedagogia na UNEMAT
  • 2. Acerca do assunto Gatti (2009, p. 200) comenta que o motivo para a busca da formação continuada como recurso para aprimoramento do profissional tem ocorrido por causa dos crescentes problemas nos cursos de formação inicial de professores. Ou seja, quando isso acontece, a formação continuada aparece como uma perspectiva compensatória com fim apenas de preencher brechas da formação inicial. De acordo com Candau (1996), a formação continuada dos docentes tem acontecido em duas perspectivas: a clássica e a contemporânea (p.52). A primeira caracterizada pelos tradicionais treinamentos e cursos isolados que desconsideram as necessidades e as experiências docentes; a segunda, aquela que pode contribuir para o desenvolvimento pessoal e profissional do docente de modo que atenda também as necessidades institucionais. A perspectiva contemporânea da formação continuada está associada às transformações das práticas escolares com reflexos na formação do cidadão crítico e consciente de seu papel na sociedade. Para alguns teóricos, a formação continuada aparece com a finalidade de que os profissionais docentes estejam inteirados das discussões teóricas atuais e também de propor novos conhecimentos que contribuam para mudanças e melhoria na ação pedagógica. Nesta pesquisa, tomamos como objeto de estudo a formação continuada em serviço a partir do Projeto denominado Sala de Professor implantado pela Secretaria de Estado de Educação em Mato Grosso nas escolas da rede estadual, tendo como objetivo analisar como se dá a formação continuada centrada na escola. Para a coleta de dados foi realizada análise dos documentos oficiais do SEDUC-MT, tendo como eixos os fundamentos teóricos metodológicos que orientam o Projeto Sala de Professor, o papel do CEFAPRO, da escola e do professor. Para o seu desenvolvimento fez-se necessário recorrer a um aprofundamento de conhecimentos, estudando autores como: Tardif (2006), Gauthier (2006), Marcelo Garcia (2009), Gatti (2009), Nóvoa (2009) e outros. Apresentamos nesse trabalho, dados preliminares a partir de reflexões e análises de documentos que abordam o tema em questão. Fundamentos teóricos que norteiam a compreensão da configuração da formação continuada em serviço O novo modelo de formação continuada tem como fundamento o artigo 67, inciso II, da Lei de Diretrizes e Bases (LDB), Lei nº 9.394/96, que reza que “os sistemas de ensino promoverão a valorização dos profissionais da educação, assegurando-lhes [...] período reservado a estudos, planejamento e avaliação incluída na carga de trabalho.”
  • 3. A formação em serviço surge como uma opção de formação continuada para atender a real necessidade do professor e tem como designo criar a autonomia do professor no desempenho da sua função, sobretudo proporcionar possibilidades para que ele possa criar uma identidade profissional. Em geral, nesse modelo de formação, tende-se a buscar temas significativos propostos pelos próprios professores e acontece dentro do ambiente de trabalho. Isso sem falar que ela acontecerá em horários adequados para os professores e com profissionais que conhecem a realidade dos locais onde essa formação se dará, possibilitando a participação efetiva de todo professorado da unidade escolar. Tal tendência coloca para a escola um enorme desafio que engloba a formação de seus profissionais com vistas não apenas para o seu desenvolvimento pessoal e profissional, mas também do desenvolvimento da escola enquanto organização, em busca de um trabalho condizente com as exigências da atualidade. Para Marcelo Garcia (1999, p. 76) a formação aos poucos vem sendo compreendida “como um processo que ocorre não de forma isolada, mas dentro de um espaço intersubjetivo e social.” Esse não isolamento cria os grupos de estudo chamados “comunidades de aprendizagem”. Nos encontros desses grupos são realizadas troca de experiências, reflexões sobre o trabalho e a discussão sobre o fazer docente. Nóvoa (2010) comenta que a aprendizagem contínua do docente está sustentada em dois pilares essenciais: o professor como agente e a escola como lugar de crescimento profissional permanente. Para o autor, a preocupação com a pessoa do professor está centralizada na reflexão educacional e pedagógica. Nóvoa (2010) argumenta que “a formação depende do trabalho de cada um, [...] que mais importante do que formar é formar-se, [...] todo o conhecimento é autoconhecimento, [...] toda a formação é autoformação” (p.12-14). No tocante à escola, Nóvoa (2010) considera que o contexto onde o professor desempenha sua atividade, influencia grandemente no desenvolvimento profissional do docente. Para o autor, a formação de fato acontece no espaço concreto de cada escola, vivenciando os reais problemas pedagógicos e educativos. Na mesma direção, é importante que se tenha ciência de que a formação no espaço escolar envolve algumas posturas a serem seguidas, como por exemplo: primeiro a escola deve fazer uma autoavaliação, que constitui o diagnóstico da escola. A partir disso, vai pensar o Projeto Político Pedagógico e o Plano de Desenvolvimento da Educação, e somente depois, poderá começar a pensar no projeto de formação. Isso porque a formação continuada na escola está atrelada ao PPP e ao currículo.
  • 4. Para Nóvoa (2009, p.41), o conceito da escola como o lugar da formação dos professores e como o espaço de autoavaliação compartilhada das práticas, posto como método rotineiro de acompanhamento, de gerenciamento e de reflexão sobre o trabalho docente, tem como objetivo transformar a experiência coletiva em conhecimento profissional, aliando a formação de professores ao desenvolvimento de projetos educativos nas escolas. Isso significa que o projeto de formação junto ao PPP, possibilita a articulação das complexidades e necessidades existentes na escola, com os conhecimentos dos profissionais em relação a sua carreira, as suas experiências profissionais e a sua vida. Compreendendo o objeto de pesquisa O Projeto de formação continuada Sala de Professor foi implantado nas escolas das redes estaduais no Estado de Mato Grosso no final de 2003, pela SEDUC - Secretaria de Estado de Educação e a SUFP - Superintendência de Formação dos Profissionais da Educação. Na ocasião havia a necessidade de se pensar em um projeto de formação que viesse substituir os programas que até então eram oferecidos pelo MEC. Assim, surgiu a proposta de criar uma formação no próprio estado focando a escola, e que fosse uma formação da escola para a escola. O Sala de Professor tem em sua configuração a intenção de estabelecer uma articulação entre a formação continuada e o Projeto Político Pedagógico, no qual devem estar explícitos os principais problemas da escola, as propostas de soluções e as definições de responsabilidade para superação dos problemas. Assim, um funciona como estímulo para o outro se complementando e se transformando, caracterizando a escola como um lócus privilegiado de formação e desenvolvimento do coletivo e da escola Resultados e discussões Ao analisarmos os documentos oficiais da SEDUC, constatamos que o Projeto de formação continuada Sala de Professor propõe que os encontros de formação em lócus tenham como princípio fortalecer a escola como um ambiente de aprendizagem e que possibilitem ao professor a prática contínua de gerir sua formação de forma individual e coletiva. Assim, a Sala de Professor anuncia como protagonistas, os profissionais docentes, não docentes e gestores da unidade escolar, cujo desafio da formação continuada passa a ser constituir a cultura do estudo em grupo, com ênfase no comprometimento e participação do
  • 5. coletivo da escola na elaboração de projetos centralizados à vida escolar e aos problemas que nela se apresentam, a fim de que os professores desenvolvam as suas potencialidades. Também revela a preocupação em fazer com que o professor perceba a escola como espaço de aprendizagem docente, onde as atividades de estudo, os cursos, projetos e programas de iniciativa da escola possam ser desenvolvidas no mesmo local onde exerce suas atividades pedagógicas. De acordo com os documentos analisados percebemos que dentre as exigências da SEDUC, está o fato de que a definição dos conteúdos a serem estudados devem vincularem-se ao Projeto Político Pedagógico da escola e ao Plano de Desenvolvimento da Educação. Também precisa contemplar dois eixos essências: a aprendizagem – melhoria do desempenho dos alunos e o ensino – melhoria da prática pedagógica. Assim sendo, para elaboração das propostas de trabalho, deve ser feito um diagnóstico das necessidades da escola, incluindo o plano de formação continuada dos profissionais da Educação. Um dos documentos que abordam o projeto Sala de Professor, denominado Parecer Orientativo nº 01/2010 da SEDUC/SUFP, reza que: para que ocorra a implantação e implementação do projeto na escola, faz-se necessário orientação durante a elaboração dos projetos, a aprovação para execução dos mesmos e o acompanhamento para a efetivação do projeto nas unidades escolares. Para isso a SEDUC conta com a equipe de formadores dos CEFAPROs, que em forma de orientações, assessoramento, sugestão de temáticas, textos, vídeos, etc. acompanham o desenrolar dos Projetos Sala de Professor nas escolas. O processo de elaboração da Sala de Professor nas escolas deve acontecer na Semana Pedagógica que acontece no início do ano. Os gestores da escola discriminam as temáticas que serão abordadas, a carga horária, os mediadores, os dias de encontros e horários. A partir de então, encaminham o Projeto Sala de Professor ao CEFAPRO, com o cronograma de execução no período de março a outubro. Após deferimento, cada escola recebe o Parecer de Aprovação do projeto para dar início às atividades. A carga horária mínima de estudos deve ser de 80 horas no ano letivo, podendo ser distribuída em 40 horas no primeiro semestre e 40 horas no segundo semestre. Na ocasião, os profissionais que se reunirem participarão de discussões, apreciação de seminários temáticos, filme, vídeo, painéis, quadros-murais, oficinas e mostras de produções dos professores e alunos, com foco na melhoria do processo de ensino e aprendizagem. A formação deve acontecer em regime presencial nos encontros de estudos coletivos dos profissionais docentes e não docentes da instituição, onde serão acompanhados e orientados pela coordenação pedagógica. Quando necessário, o grupo pode ser dividido para
  • 6. estudos específicos como: Ciclos, Área de Conhecimento, Disciplina e Modalidade. Todos os participantes que freqüentarem os grupos de estudos receberão um certificado de participação, sendo que apenas os que obtiverem no mínimo 75% de freqüência terão direito ao certificado do Projeto Sala de Professor. Os demais receberão certificados referentes à formação continuada. Os Resultados ainda preliminares apontam que a proposta de formação continuada em serviço implantada nas escolas da rede estadual de Mato Grosso visa atender a demanda da atual realidade educacional, com vistas para o fortalecimento da escola como ambiente de aprendizagem, de modo que no espaço concreto de sua prática, o profissional docente tenha condição de gerir a sua formação, tanto individual como coletiva. Entretanto, entendemos que alguns pontos do projeto não estão muito claros e por causa disso merecem maior atenção e pesquisas mais aprofundadas. Referências: BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional- nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: <http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 13 jan. 2011. CANDAU, Vera M. F. A formação continuada de professores: tendências atuais. In: REALI, Aline M. de M. R.; MIZUKAMI, Maria da Graça N. (Orgs.). Formação de professores: tendências atuais. São Carlos: EDUFSCAR, 1996. GATTI, Bernadete A e BARRETO, Elba S. Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009. GAUTHIER, Clermont (et. al), Tradução Francisco Pereira. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas e contemporâneas sobre o saber docente. 2. ed. Coleção Fronteira da Educação. Ijui: Ed. UNIJUÍ, 2006. MARCELO GARCIA, Carlos. Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. In: Formação de Professores. Sísifo - Revista de ciências da educação. nº 8 p. 7-22 (Jan/Abr) Lisboa - Portugal, 2009. ____________2. Tradução Cristina Antunes. A identidade docente: constantes e desafios. In: Formação Docente. Belo Horizonte/MG, v. 01, n. 01, p. 109-131, ago./dez. ed. Autêntica, 2009. _____________. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Ed., 1999. MATO GROSSO, Secretaria de Estado de Educação. Parecer Orientativo 01. Referente ao Desenvolvimento do Projeto Sala de Professor. 2010.
  • 7. NÓVOA. Antônio. Professor se forma na escola. In: Revista Nova Escola. ed. 142, p. 12-14 (mai – 2001). Disponível em http://revistaescola.abril.com.br/formacao/formacao-continuada/ professor-se-forma-escola-423256.shtml, acesso: 29 Jul. 2010. __________. Professores imagem do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009. TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 6. ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2006.