1. caracterização:
Esta personagem caracteriza um estrato
social, as alcoviteiras, isto é, a classe das
prostitutas.
É u...
2. Simbolos cénicos:
 Seiscentos hímanes ou membranas que representam a virgindade das moças.
 Três arcas de feitiços.
...
3. Recursos expressivos:
 Interjeições e exclamações.
 Perguntas retóricas.
 Ironia.
 Eufemismo.
 Comparação.
 Metáf...
4. Percurso cénico:
 1º momento: recusa-se a entrar na barca do Diabo – ‘’Não quero
eu entrar lá’’
 2º momento: o Anjo r...
5. Razões da sua condenação:
 Nesta cena, o Diabo acaba por não acusar a Alcoviteira de
nada, pois ela fá-lo sozinha.
 U...
6. Argumentos de defesa:
 Esta defendeu-se dizendo que era perfeita tal como os apóstolos e anjos.
Afirmou que tinha feit...
Trabalho elaborado por: - Andreia Carvalho nº 2.
- Catarina Faria nº 6.
- Filipa Ferreira nº 12.
- Juelma Fernandes nº 18....
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.

473 visualizações

Publicada em

consiste em resumos da cena da Alcoviteira de obra de Gil Vicente.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
473
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.

  1. 1. 1. caracterização: Esta personagem caracteriza um estrato social, as alcoviteiras, isto é, a classe das prostitutas. É uma personagem tipo, ou seja, representa qualidades e defeitos de uma determinada classe social.
  2. 2. 2. Simbolos cénicos:  Seiscentos hímanes ou membranas que representam a virgindade das moças.  Três arcas de feitiços.  Três armários de mentir.  Cinco cofres de mexericos/intrigas.  Alguns furtos alheos.  Jóias de vestir.  Guarda roupa de encobrir.  Uma casa movediça, eram as armadas nos próprios arraias.  Dez almofadas de enganar.  Estes símbolos representam a sua profissão, a prostituição.
  3. 3. 3. Recursos expressivos:  Interjeições e exclamações.  Perguntas retóricas.  Ironia.  Eufemismo.  Comparação.  Metáfora.  A Alcoviteira, usava estes recursos expressivos num modo religioso, para tentar convencer o anjo que fez coisas boas e assim tentar entrar na sua barca.
  4. 4. 4. Percurso cénico:  1º momento: recusa-se a entrar na barca do Diabo – ‘’Não quero eu entrar lá’’  2º momento: o Anjo recusa a sua entrada na barca – ‘’Eu não sei quem te trás cá’’  3º momento: entra na barca do Diabo – ‘’Ora entrai, minha senhora, e series bem recebida’’ DIABO ANJO DIABO
  5. 5. 5. Razões da sua condenação:  Nesta cena, o Diabo acaba por não acusar a Alcoviteira de nada, pois ela fá-lo sozinha.  Usava então a seguinte expressão: ‘’A mor cárrega que é, essas moças que vendia.’’  Foi acusada de ter um vida de prostituição, e hipocrisia.
  6. 6. 6. Argumentos de defesa:  Esta defendeu-se dizendo que era perfeita tal como os apóstolos e anjos. Afirmou que tinha feito coisas muito divinas e que salvara todas as raparigas (arranjando-lhes casamentos ou homens que cuidassem delas).  Ela converteu as raparigas à religião católica (pois entregou-as aos frades).  Disse que foi muito castigada.  E disse ainda, que se fosse condenada ou castigada, toda a sociedade seria também.
  7. 7. Trabalho elaborado por: - Andreia Carvalho nº 2. - Catarina Faria nº 6. - Filipa Ferreira nº 12. - Juelma Fernandes nº 18. 9ºD 2014/2015.

×