“Autopsicodiagnose” e os sons /z/ /s/ e /ʃ/

465 visualizações

Publicada em

A ortografia está relacionada com a pronúncia das palavras que escrevemos. Vamos trabalhar vários sons que são importantes para falar e escrever bem português.
Descobre os sons /z/ /s/ e /ʃ/ na canção “Autopsicodiagnose” do cantor português Miguel Araújo.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
465
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
264
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

“Autopsicodiagnose” e os sons /z/ /s/ e /ʃ/

  1. 1. Autopsicodiagnose Miguel Araújo Jorge Dói-me o baço, dói-me o braço Tropeço e troco o passo Faço o que posso e o que não posso Meço, coço, peso e peço ao Padre-nosso -Faço o que posso e o que não posso Meço, coço, peso e peço ao Padre-nosso Pesam-me as pernas, pesam-me penas Patológicas obscenas Faço o que sei e o que não sei: Choro, rio, rezo, rogo em vãs novenas -Faço o que sei e o que não sei: Choro, rio, rezo, rogo em vãs novenas Mas há uma azia que se me cresce Que quando me aparece nada em mim se mexe: É o medo que o meu médico deixe Que eu deixe de ter de que me queixe -Que eu deixe de ter de que me queixe Ponho zelo, ponho gelo Dói-me a pele e dói-me o pelo Dói-me um cabelo e outro cabelo A cruz, a cris, o calo e o cotovelo. -Dói-me um cabelo e outro cabelo A cruz, a cris, o calo, o cotovelo. Ai Cristo, ai qu'isto, Minha Nossa o que é que é isto? Que é da crosta que era ali? Que é do quisto que era ali? Pelo que parece pereci -Que é da crosta que era ali? Que é do quisto que era ali? Pelo que parece pereci Mas há uma azia que se me cresce Que quando me aparece nada em mim se mexe: É o medo que o meu médico deixe Que eu deixe de ter de que me queixe -Que eu deixe de ter de que me queixe 1. Descobre os sons /z/ /s/ e / /ʃ nesta canção
  2. 2. Autopsicodiagnose Miguel Araújo Jorge Dói-me o baço, dói-me o braço Tropeço e troco o passo Faço o que posso e o que não posso Meço, coço, peso e peço ao Padre-nosso -Faço o que posso e o que não posso Meço, coço, peso e peço ao Padre-nosso Pesam-me as pernas, pesam-me penas Patológicas obscenas Faço o que sei e o que não sei: Choro, rio, rezo, rogo em vãs novenas -Faço o que sei e o que não sei: Choro, rio, rezo, rogo em vãs novenas Mas há uma azia que se me cresce Que quando me aparece nada em mim se mexe: É o medo que o meu médico deixe Que eu deixe de ter de que me queixe -Que eu deixe de ter de que me queixe Ponho zelo, ponho gelo Dói-me a pele e dói-me o pelo Dói-me um cabelo e outro cabelo A cruz, a cris, o calo e o cotovelo. -Dói-me um cabelo e outro cabelo A cruz, a cris, o calo, o cotovelo. Ai Cristo, ai qu'isto, Minha Nossa o que é que é isto? Que é da crosta que era ali? Que é do quisto que era ali? Pelo que parece pereci -Que é da crosta que era ali? Que é do quisto que era ali? Pelo que parece pereci Mas há uma azia que se me cresce Que quando me aparece nada em mim se mexe: É o medo que o meu médico deixe Que eu deixe de ter de que me queixe -Que eu deixe de ter de que me queixe 1. Descobre os sons /z/ /s/ e / / nesta cançãoʃ
  3. 3. Autopsicodiagnose Miguel Araújo Jorge Dói-me o baço, dói-me o braço Tropeço e troco o passo Faço o que posso e o que não posso Meço, coço, peso e peço ao Padre-nosso -Faço o que posso e o que não posso Meço, coço, peso e peço ao Padre-nosso Pesam-me as pernas, pesam-me penas Patológicas obscenas Faço o que sei e o que não sei: Choro, rio, rezo, rogo em vãs novenas -Faço o que sei e o que não sei: Choro, rio, rezo, rogo em vãs novenas Mas há uma azia que se me cresce Que quando me aparece nada em mim se mexe: É o medo que o meu médico deixe Que eu deixe de ter de que me queixe -Que eu deixe de ter de que me queixe Ponho zelo, ponho gelo Dói-me a pele e dói-me o pelo Dói-me um cabelo e outro cabelo A cruz, a cris, o calo e o cotovelo. -Dói-me um cabelo e outro cabelo A cruz, a cris, o calo, o cotovelo. Ai Cristo, ai qu'isto, Minha Nossa o que é que é isto? Que é da crosta que era ali? Que é do quisto que era ali? Pelo que parece pereci -Que é da crosta que era ali? Que é do quisto que era ali? Pelo que parece pereci Mas há uma azia que se me cresce Que quando me aparece nada em mim se mexe: É o medo que o meu médico deixe Que eu deixe de ter de que me queixe -Que eu deixe de ter de que me queixe 1. Descobre os sons /z/ /s/ e / / nesta cançãoʃ
  4. 4. Autopsicodiagnose Miguel Araújo Jorge Dói-me o baço, dói-me o braço Tropeço e troco o passo Faço o que posso e o que não posso Meço, coço, peso e peço ao Padre-nosso -Faço o que posso e o que não posso Meço, coço, peso e peço ao Padre-nosso Pesam-me as pernas, pesam-me penas Patológicas obscenas Faço o que sei e o que não sei: Choro, rio, rezo, rogo em vãs novenas -Faço o que sei e o que não sei: Choro, rio, rezo, rogo em vãs novenas Mas há uma azia que se me cresce Que quando me aparece nada em mim se mexe: É o medo que o meu médico deixe Que eu deixe de ter de que me queixe -Que eu deixe de ter de que me queixe Ponho zelo, ponho gelo Dói-me a pele e dói-me o pelo Dói-me um cabelo e outro cabelo A cruz, a cris, o calo e o cotovelo. -Dói-me um cabelo e outro cabelo A cruz, a cris, o calo, o cotovelo. Ai Cristo, ai qu'isto, Minha Nossa o que é que é isto? Que é da crosta que era ali? Que é do quisto que era ali? Pelo que parece pereci -Que é da crosta que era ali? Que é do quisto que era ali? Pelo que parece pereci Mas há uma azia que se me cresce Que quando me aparece nada em mim se mexe: É o medo que o meu médico deixe Que eu deixe de ter de que me queixe -Que eu deixe de ter de que me queixe 1. Descobre os sons /z/ /s/ e / /ʃ nesta canção

×