20110712 ação pmpe folha de pagamento

648 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
648
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

20110712 ação pmpe folha de pagamento

  1. 1. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 1 de 8 Excelentíssimo  Senhor  Juiz  de  Direito  da                    Vara  da  Fazenda  Pública  da  Capital.                         Ministério   Público   do   Estado   de   Pernambuco,   representado   pelos   Promotores   de   Justiça   que   a   presente   subscrevem,   no   uso   de   suas   atribuições   legais   em   defesa   dos   interesses   difusos,  coletivos  e  individuais  indisponíveis,  notadamente  do  patrimônio  público,  diante  do   que  consta  das  peças  de  informação  em  anexo  (Procedimento  de  Investigação  Preliminar   nº  70/2010),  na  forma  e  com  fundamento  nos  artigos  37,  127  e  129,  III,  da  Constituição  da   República  combinados  com  os  artigos  1º,  inciso  IV  e  5º  da  Lei  nº  7.347,  de  24  de  julho  de  1985   (Lei  da  Ação  Civil  Pública);  1º  e  25,  inciso  IV,  alínea  a  da  Lei  nº  8.625,  de  12  de  fevereiro  de   1993  (Lei  Orgânica  Nacional  do  Ministério  Público);  1º,  4º,  inciso  IV,  alínea  a,  6º,  inciso  I,  da   Lei  Complementar  nº  12,  de  27  de  dezembro  de  1994  (Lei  Orgânica  do  Ministério  Público  do   Estado   de   Pernambuco),   artigos   1º   e   17,   da   Lei   de   Improbidade   Administrativa   e   nos   dispositivos   legais   adiante   invocados,   vem   a   presença   de   Vossa   Excelência   propor   a   presente  AÇÃO  CIVIL  PÚBLICA  POR  ATO  DE  IMPROBIDADE  ADMINISTRATIVA  em  desfavor   de       Fernando  Gomes  Ferreira,  2º  Sargento  da  PMPE,  matrícula  24677-­‐8,  portador  do  RG  33731   PMPE,  filho  de  Manoel  Alfredo  Ferreira  e  Noêmia  Gomes  Ferreira;     Daniel  de  Oliveira  Gomes,  2º  Sargento  PMPE,  matrícula  940.796-­‐0,  portador  do  RG  42448,   filho  de  Damião  Ferreira  Gomes  e  Maria  do  Carmo  Oliveira  Gomes;      pelas  razões  de  fato  e  de  direito  adiante  aduzidas:       1. DOS  FATOS       Em  face  de  expediente  oriundo  do  36ª  Promotoria  de  Justiça  Criminal  da  Capital,  através  do   qual  foi  encaminhada  cópia  do  Processo  Administrativo  Disciplinar  PMPE  nº  088/2010  –  3ª   Comissão   Permanente   de   Disciplina/PMPE/CGSDS,   a   Promotoria   de   Justiça   de   Defesa   da   Cidadania  da  Capital  instaurou  o  Procedimento  de  Investigação  Preliminar  nº  070/2010.     Do   conjunto   probatório,   é   possível   afirmar   que,   no   mês   de   Julho   do   ano   de   2005,   o   demandado  Fernando  Gomes  Ferreira  obteve  para  outrem  vantagem  ilícita,  em  prejuízo  da   Corporação,   após   induzir   alguém   a   erro,   mediante   utilização   de   meio   fraudulento.   Já   o   demandado  Daniel  de  Oliveira  Gomes,  em  virtude  do  ato  delituoso  praticado  pelo  primeiro,  
  2. 2. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 2 de 8 apropriou-­‐se  de  coisa  alheia  móvel  de  que  tinham  a  posse  durante  os  meses  de  Agosto,   Setembro  e  Outubro  de  2005.     Narram  as  peças  informativas  que  o  demandado  Daniel  de  Oliveira  Gomes,  o  qual  exercia  a   função  de  2º  Sargento  PM,  procurou  o  Capitão  PM  Jonas  Carvalho  de  Santana1 ,  que  à  época   era  Chefe  da  1ª  Seção,  e  pediu-­‐lhe  para  ser  designado  para  exercer  a  função  de  Auxiliar  da  1ª   Seção,  função  privativa  de  1º  Sargento.    Na  ocasião,  o  Capitão  esclareceu  ao  demandado   que  não  era  possível,  pois  o  Sargento  Casé  já  se  encontrava  desempenhando  tal  função.   Diante  da  insistência  do  demandado  Daniel,  o  oficial  despachou  a  Nota  de  designação  com   o  Comandante  da  OME,  todavia,  comunicou  àquela  autoridade  que  já  existia  um  2º  sargento   mais  antigo  na  Seção  de  forma  que  o  Comandante  invalidou  a  Nota  em  comento.     Ocorre   que,   após   alguns   meses,   ao   checar   as   gratificações   dos   policiais   através   de   documento  enviado  pela  Diretoria  de  Finanças,  constatou  o  Capitão  Jonas  que  o  graduado   acima  citado  estava  percebendo  a  gratificação  de  1º  Sargento2 ,  tendo  indagado  ao  mesmo  o   porquê  daquele  fato,  todavia,  o  Praça  permaneceu  em  silêncio.     Conforme  depoimento  de  fls.  56,  um  dia  após  a  indagação  acima  referida,  o  Sargento  Daniel   encontrou  o  Capitão  Jonas  e  pediu  que  o  mesmo  o  ajudasse  a  resolver  “aquele  problema”,   tendo   o   Capitão   perguntado   como   o   nome   do   Sargento   apareceu   naquela   relação   “sem   que  o  Coronel  tivesse  assinado”.  Disse  o  demandado  que  havia  comparecido  à  Diretoria  de   Finanças  e  falado  com  um  colega,  e  por  isso  a  gratificação  fora  implantada,  mas  que,  da   mesma  forma,  ele  poderia  falar  com  tal  pessoa  e  desfazer  a  irregularidade.     O  fato  foi  comunicado  pelo  Capitão  Jonas  ao  Subcomandante  do  13º  BPM,  que  por  sua  vez   comunicou  ao  Comandante  da  OME,  o  qual  determinou  a  instauração  de  sindicância.     Ficou  assim  comprovado  que  o  Sargento  Daniel  recebeu  indevidamente  a  gratificação  de  1º   Sargento   durante   os   meses   de   Agosto,   Setembro   e   Outubro   de   2005,   tendo   o   benefício   sido  suspenso  a  partir  de  Novembro,  com  a  descoberta  dos  fatos  aqui  narrados.  Disse  o   demandado   que   não   percebera   a   implantação   indevida   porque   no   mês   de   Setembro   recebera   outras   vantagens   extras,   contudo,   o   desenrolar   dos   fatos   relatados   abaixo   mostraram  que  o  mesmo  se  apropriou  de  vantagem  que  sabia  ser  indevida.     Durante  as  investigações  constatou-­‐se  que  o  2º  Sargento  Fernando,  que  à  época  trabalhava   como  Auxiliar  de  Serviços  da  folha  de  pagamento,  foi  o  responsável  pela  implantação  da   gratificação  indevida.  Para  tanto,  elaborou  a  Nota  de  nº.  247/05,  a  qual  era  eivada  de  vícios:   primeiro,   a   referida   Nota   trazia   a   designação   dos   Sargentos   Gilberto   Lino   dos   Santos   e   Alcimar  Narciso  de  Araújo  para  assumirem  as  funções  privativas  de  1º  Sargento  PM,  com  a   implantação  da  vantagem  prevista  no  artigo  11  da  Lei  10.426,  de  27/04/90,  contudo,  no  lugar   da   matrícula   do   Sargento   Alcimar   Narciso   foi   colocada   a   matrícula   de   nº.   940796,   a   qual   pertence  ao  Sargento  Daniel  Gomes.     1 Depoimento do Major PM Jonas Carvalho de Santana – Folhas 177 e 178 do Inquérito Civil nº 70/2010 2 Folhas 228 do Inquérito Civil nº 70/2010
  3. 3. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 3 de 8 Quando  ocorre  este  tipo  de  erro,  a  orientação  é  de  que  o  lançamento  da  gratificação  seja   feita  conforme  a  matrícula  do  policial  militar.  Assim,  apenas  os  sargentos  Gilberto  e  Daniel   deveriam  receber  a  gratificação,  todavia,  a  implantação  foi  feita  para  os  três  graduados  em   questão   :   Daniel,   Alcimar   e   Gilberto,   tudo   indica   que   para   não   chamar   a   atenção   do   sargento   Alcimar   Narciso,   o   qual   ,   se   fosse   preterido   em   sua   gratificação,   certamente   reclamaria  e  assim  a  fraude  seria  descoberta.     A   Nota   apresentava   também   outro   erro   grave:   não   constava   dela   se   a   designação   em   apreço   se   daria   em   substituição   a   outro   Policial   Militar   ou   se   o   cargo   estava   vago,   item   essencial  à  concessão  da  gratificação  .       Como  se  já  não  bastasse  tudo  isso,  constatou-­‐se  no  transcorrer  da  sindicância  que  a  Nota   247/05   simplesmente   desapareceu   da   Diretoria   de   Finanças,   sem   que   ninguém   soubesse   explicar  o  que  foi  feito  da  mesma.  No  seu  lugar,  apareceu  ,  no  interior  do  13º  BPM,  uma   possível   cópia   de   tal   nota,   todavia,   esta   cópia   não   correspondia   ao   padrão   das   notas   confeccionadas  pela  1ª  seção  do  13º  BPM  ,  conforme  declarações  do  Capitão  Jonas  Carvalho   de   Santana   às   fls.   122.   Foi   constatado   que   as   notas   existentes   neste   IPM   foram   confeccionadas  em  máquina  de  escrever  manual,  diferentemente  das  notas  originais,  que   eram  digitadas  em  computador  e  impressas  em  impressora  matricial.       Quando   a   cópia   da   Nota   247/05   deu   entrada   na   Diretoria   de   Finanças   levantou-­‐se   sérias   dúvidas  sobre  a  implantação  da  referida  gratificação  de  função,  pois  os  erros  eram  crassos   e  os  policiais  integrantes  da  DF  afirmaram  que  tal  Nota  não  teria  passado  pela  revisão  dos   responsáveis  pela  implantação  de  benefícios,  pois  a  mesma,  naquelas  condições,  não  seria   aprovada.  Mas,  mesmo  assim,  o  demandado  Fernando  utilizou-­‐se  do  meio  fraudulento  para   efetuar   a   implantação   da   gratificação   em   prol   do   denunciado   Daniel,   o   qual   passou   a   receber  e  se  apropriar  de  vantagem  indevida.     Por   tais   fatos,   os   demandados   Fernando   Gomes   Ferreira   (artigo   251   do   Código   Penal   Militar)    e  Daniel  de  Oliveira  Gomes  (artigo  248,  parágrafo  único,  inciso  II  do  Código  Penal   Militar)  foram,  também,  denunciados  pelo  Ministério  Público3 ,  respondendo  à  Ação  Penal  –   Processo   nº   0059033-­‐26.2007.8.17.0001,   atualmente   em   curso   perante   à   Auditoria   Militar     do  Estado  de  Pernambuco.       2. DO  DIREITO       O  artigo  37,  da  Constituição  Federal  dispõe  que  a  administração  pública  direta,  indireta  ou   fundacional  de  qualquer  dos  poderes  da  União,  dos  Estados  e  dos  Municípios  obedecerá  aos   princípios  da  legalidade,  impessoalidade,  moralidade,  publicidade  e  também  que  (...)       §  4º  -­‐  Os  atos  de  improbidade  administrativa  importarão  a  suspensão  dos  direitos  políticos,  a   perda  da  função  pública,  a  indisponibilidade  dos  bens  e  o  ressarcimento  ao  erário,  na  forma  e   gradação  previstas  em  lei,  sem  prejuízo  da  ação  penal  cabível.     3 Folhas 25 a 28 do Inquérito Civil nº 70/2010
  4. 4. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 4 de 8   No   espectro   infraconstitucional,   foi   promulgada   a   Lei   nº   8.429/92   que   dispõe   sobre   as   sanções   aplicáveis   aos   agentes   públicos   nos   casos   de   enriquecimento   ilícito   no   exercício   de   mandato,  cargo,  emprego  ou  função  na  administração  pública  direta,  indireta  ou  fundacional.     No   tocante   à   delimitação   dos   sujeitos   ativos   da   improbidade   administrativa,   têm-­‐se   no   artigo  2º  que  reputa-­‐se  agente  público,  para  os  efeitos  desta  lei,  todo  aquele  que  exerce,  ainda   que  transitoriamente  ou  sem  remuneração,  por  eleição,  nomeação,  designação,  contratação   ou  qualquer  outra  forma  de  investidura  ou  vínculo,  mandato,  cargo,  emprego  ou  função  nas   entidades  mencionadas  no  artigo  anterior.     Na  outra  ponta,  são  passíveis  de  sofrer  ato  de  improbidade  administrativa,  nos  termos  do   artigo  1º  da  citada  lei,  a  administração  direta,  indireta  ou  fundacional  de  qualquer  dos  Poderes   da   União,   dos   Estados,   do   Distrito   Federal,   dos   Municípios,   de   Território,   de   empresa   incorporada  ao  patrimônio  público  ou  de  entidade  para  cuja  criação  ou  custeio  o  erário  haja   concorrido  ou  concorra  com  mais  de  cinqüenta  por  cento  do  patrimônio  ou  da  receita  anual.     As   condutas   de   Fernando   Gomes   Ferreira   e   Daniel   de   Oliveira   Gomes   demonstram   que   estes  são  sujeitos  ativos  de  ato  de  improbidade  administrativa.     Os  demandados,  na  qualidade  de  servidores  públicos  militares  estaduais,  respondem  por   ato  de  improbidade  administrativa  praticado  por  força  dos  artigos  1º  e  2º  da  Lei  nº  8.429/92.       Resta   patente   que,   no   espectro   delineado   na   Lei   de   Improbidade   Administrativa,   tal   conduta  pode  ser  praticada  por  sargentos  (sujeito  ativo)  em  detrimento  da  sua  corporação   -­‐  Polícia  Militar  (sujeito  passivo).  Efetivamente  a  hipótese  em  tela.     Assente   a   pertinência   subjetiva,   cabe-­‐nos   a   demonstração   da   ocorrência   de   ato   de   improbidade  administrativa.  É  o  que  se  segue.     Da  leitura  do  seu  artigo  9º,  inciso  XI,  têm-­‐se  que  constitui  ato  de  improbidade  administrativa   importando  enriquecimento  ilícito  auferir  qualquer  tipo  de  vantagem  patrimonial  indevida  em   razão   do   exercício   de   cargo,   mandato,   função,   emprego   ou   atividade   nas   entidades   mencionadas  no  art.  1°  desta  lei,  e  notadamente:  XI  -­‐  incorporar,  por  qualquer  forma,  ao  seu   patrimônio  bens,  rendas,  verbas  ou  valores  integrantes  do  acervo  patrimonial  das  entidades   mencionadas  no  art.  1°  desta  lei.     No   caso   em   comento,   têm-­‐se   a   incidência   do   citado   dispositivo:   ato   de   improbidade   administrativa  consubstanciado  em  enriquecimento  ilícito.     Sustenta   Emerson   Garcia4   que   quatro   são   os   elementos   formadores   do   enriquecimento   ilícito  sob  a  ótica  da  Improbidade  Administrativa:     1) O  enriquecimento  do  agente;     4 Emerson Garcia, in Improbidade Administrativa, Lúmen Júris, 2ª Edição, 2004, página 270
  5. 5. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 5 de 8 2) Que  se  trate  de  agente  que  ocupe  cargo,  mandato,  função,  emprego  ou  atividade  nas   entidades  elencadas  no  artigo  1º,  ou  mesmo  o  extraneus  que  concorra  para  a  prática  do   ato  ou  dele  se  beneficie;     3) A   ausência   de   justa   causa,   devendo   se   tratar   de   vantagem   indevida,   sem   qualquer   correspondência  com  os  subsídios  ou  vencimentos  recebidos  pelo  agente  público;     4) Relação  de  causalidade  entre  a  vantagem  indevida  e  o  exercício  do  cargo.     Temos  que  tais  elementos  estão  plenamente  configurados  no  presente  caso:  o  demandado   Fernando   Gomes   Ferreira   –   servidor   público   -­‐   incorporou   a   seu   patrimônio   bem   público,   com  isto  gerando  o  seu  enriquecimento,  não  havendo  justa  causa  para  que  ele  dispusesse   do   referido   valor   e   sendo   certo   que   o   seu   acesso   ao   dito   enriquecimento   decorreu   do   exercício  do  cargo,  posto  que,  não  sendo  policial  militar,  não  teria  direito  à  dita  gratificação.     Neste  ponto,  cumpre  evidenciar  o  significativo  Acórdão  do  Tribunal  Regional  Federal  da  5ª   Região  acerca  de  hipótese  similar  a  da  presente  demanda:     AC  Nº  357235  -­‐  RN  (2002.84.00.005125-­‐0)   APTE:  MARCELINO  DA  SILVA  ANDRADE   ADV:  EDUARDO  SERRANO  DA  ROCHA  E  OUTRO   APDO:  MINISTÉRIO  PÚBLICO  FEDERAL   APDO:  CAIXA  ECONÔMICA  FEDERAL   RELATOR:  DESEMBARGADOR  FEDERAL  CESAR  CARVALHO  (CONVOCADO)   EMENTA   APELAÇÃO.  AÇÃO  DE  IMPROBIDADE  ADMINISTRATIVA.  ART.  9º,  XI,  DA  LEI  N.º   8.429/92.   ENRIQUECIMENTO   ILÍCITO   ADVINDO   DA   APROPRIAÇÃO   DE   VALORES   AOS   QUAIS   SE   TEM   ACESSO   EM   RAZÃO   DO   CARGO   OCUPADO.   ALEGADO  ESTADO  DE  NECESSIDADE.  NÃO  COMPROVAÇÃO.  RESSARCIMENTO   EFETUADO   APENAS   QUANDO   DESCOBERTO   O   ATO   DE   IMPROBIDADE.   COMINAÇÃO   DE   PENAS   CUMULATIVAS   TENDO   EM   CONTA   O   GRAU   DE   CULPABILIDADE   E   REPROVABILIDADE   DA   CONDUTA.   OBEDIÊNCIA   AOS   PRINCÍPIOS   DA   RAZOABILIDADE   E   PROPORCIONALIDADE.   INDEPENDÊNCIA   ENTRE   AS   SEARAS   CRIMINAL   E   NÃO-­‐CRIMINAL.   VALOR   DA   MULTA   FIXADO   DENTRO   DO   PERMISSIVO   LEGAL   ESCULPIDO   PELO   ART.   12,   III,   DA   LEI   N.º   8.429/92.  SENTENÇA  QUE  SE  MANTÉM  POR  SEUS  PRÓPRIOS  FUNDAMENTOS.   RECURSO  IMPROVIDO.   -­‐   Funcionário   público   que,   valendo-­‐se   do   cargo   ocupado,   apropria-­‐se   de   montante  do  qual  tinha  posse  pratica  o  ato  de  improbidade  previsto  pelo  art.   9º,  XI,  da  Lei  n.º  8.429/92.   -­‐  Estado  de  necessidade  não  configurado  por  inexistência  de  provas  do  perigo   eminente  aventado.  Ademais,  ainda  que  houvesse  comprovação,  a  existência   de   alternativas   legais   para   saldar   as   supostas   dívidas   seria   evento   apto   a   afastar  o  estado  de  necessidade  nos  moldes  em  que  foi  sugerido.   -­‐   No   caso   dos   autos,   dadas   as   peculiaridades   observadas,   o   grau   de   culpabilidade  do  agente  e  de  reprovabilidade  do  ato  perpetrado,  consistente  
  6. 6. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 6 de 8 no   enriquecimento   ilícito,   mais   do   que   cabível   a   cominação   cumulativa   de   sanções,  sendo  irrelevante  a  resposta  dada  na  seara  criminal.   -­‐  A  independência  entre  as  searas  criminal  e  não-­‐criminal  inviabiliza  a  exigência   de  tratamento  simétrico.   -­‐   As   penalidades   aplicadas   prestigiaram   os   princípios   da   razoabilidade   e   proporcionalidade  e  não  o  contrário.   -­‐  Sentença  que  se  mantém  por  seus  próprios  fundamentos.   -­‐  Apelação  improvida.   ACÓRDÃO   Vistos  e  relatados  estes  autos  em  que  são  partes  as  acima  indicadas,  decide  a   Primeira  Turma  do  egrégio  Tribunal  Regional  Federal  da  5ª  Região,  por  maioria,   negar   provimento   à   apelação,   nos   termos   do   voto   do   relator   e   notas   taquigráficas  constantes  dos  autos,  que  integram  o  presente  julgado.   Recife,  06  de  setembro  de  2007  (data  do  julgamento).   DESEMBARGADOR  FEDERAL  CESAR  CARVALHO   RELATOR  (CONVOCADO).       Do  mesmo  modo,  o  artigo  10,  inciso  I,  da  Lei  de  Improbidade  Administrativa  prescreve  que   constitui   ato   de   improbidade   administrativa   que   causa   lesão   ao   erário   qualquer   ação   ou   omissão,   dolosa   ou   culposa,   que   enseje   perda   patrimonial,   desvio,   apropriação,   malbaratamento  ou  dilapidação  dos  bens  ou  haveres  das  entidades  referidas  no  art.  1º  desta   lei,   e   notadamente   facilitar   ou   concorrer   por   qualquer   forma   para   a   incorporação   ao   patrimônio   particular,   de   pessoa   física   ou   jurídica,   de   bens,   rendas,   verbas   ou   valores   integrantes  do  acervo  patrimonial  das  entidades  mencionadas  no  art.  1º  desta  lei.     Esta  foi  a  conduta  do  demandado    Daniel  de  Oliveira  Gomes  –  servidor  público  -­‐  concorreu     para  que  o  outro  demandado  incorporasse  a  seu  patrimônio  bem  público,    não  havendo   justa  causa  para  que  aquele  dispusesse  do  referido  valor.       Da  Responsabilidade  dos  Réus   Conforme   ensinamento   de   Emerson   Garcia,   o   dolo   necessário   à   configuração   da   improbidade  administrativa  corresponde  à  vontade  livre  e  consciente  dirigida  ao  resultado   ilícito5   Os  demandados,  consciente  e  voluntariamente,  aproveitaram-­‐se  do  exercício  do  cargo  de   policial  militar,  para  que  um  apropriasse  bem  público  com  a  concorrência  do  outro,  através   do  artifício  da  implantação  indevida  de  remuneração  correspondente  ao  exercício  de  Auxiliar   da  1ª  Seção  em  favor  do  demandado  Fernando  Gomes  Ferreira.     Assim   é   que   temos   os   elementos   necessários   para   o   enquadramento   do   presente   caso     como  ato  de  improbidade  administrativa.     5 Emerson Garcia, in Improbidade Administrativa, Editora Lumen Júris, 2ª Edição, página 296
  7. 7. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 7 de 8     3. DOS  PEDIDOS       3.1. Do  Pedido  de  Mérito       Ante   todo   o   exposto,   depois   de   autuada   e   recebida   a   presente   petição   inicial   com   os   documentos  que  a  instruem  (arts.  282/283  do  Código  de  Processo  Civil),  requer  o  Ministério   Público  a  Vossa  Excelência  seja  julgada  procedente  a  presente  ação  para:     a)  nos  termos  do  artigo  12,  I,  da  Lei  nº  8.429/92,  condenar  o  réu  Fernando  Gomes  Ferreira   na  perda  da  função  pública,  suspensão  dos  direitos  políticos  de  oito  a  dez  anos,  pagamento   de   multa   civil   e   proibição   de   contratar   com   o   Poder   Público   ou   receber   benefícios   ou   incentivos   fiscais   ou   creditícios,   direta   ou   indiretamente,   ainda   que   por   intermédio   de   pessoa  jurídica  da  qual  seja  sócio  majoritário,  pelo  prazo  de  dez  anos;     b)  nos  termos  do  artigo  12,  II,  da  Lei  nº  8.429/92,  condenar  o  Daniel  de  Oliveira  Gomes    na   perda  da  função  pública,  suspensão  dos  direitos  políticos  de  cinco  a  oito  anos,  pagamento   de   multa   civil   equivalente   a   duas   vezes   o   valor   do   dano   e   proibição   de   contratar   com   o   Poder   Público   ou   receber   benefícios   ou   incentivos   fiscais   ou   creditícios,   direta   ou   indiretamente,  ainda  que  por  intermédio  de  pessoa  jurídica  da  qual  seja  sócio  majoritário,   pelo  prazo  de  cinco  anos.     Seja   o   valor   relativo   à   multa   civil   destinados   aos   cofres   da   Fazenda   do   Estado   de   Pernambuco.       3.2. Dos  Requerimentos  Finais       Como   medida   de   ordem   processual,   requer   a   notificação   e   posterior   citação   para   que,   querendo,  apresente  resposta,  no  prazo  legal,  sob  pena  de  presumirem-­‐se  verdadeiros  os   fatos  ora  alegados  (art.  17  da  Lei  n.  8.429/1992)  dos  demandados:       Fernando  Gomes  Ferreira,  residente  na  Rua  Hemetério  Maciel,  nº.  51,  Várzea,  Recife/PE     Daniel   de   Oliveira   Gomes,   residente   na   Rua   Anísio   Vitorino   de   Queiroz,   nº.   99C,   Janga,   Paulista/PE.     A   intimação   do   Estado   de   Pernambuco,   na   pessoa   do   seu   Procurador-­‐Chefe,   para   que,   querendo,  intervenha  nos  presentes  autos;     Requer,  por  derradeiro:       5) O  recebimento  da  presente  ação  sob  o  rito  ordinário;  
  8. 8. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 8 de 8   6) Isenção  de  custas,  emolumentos,  honorários  e  outras  despesas  na  conformidade  do   que  dispõe  o  artigo  18  da  LACP;     7) Condenação  do  Réu  no  pagamento  das  custas  processuais,  honorários  advocatícios,   estes  calculados  à  base  de  20%  (vinte  por  cento)  sobre  o  valor  total  da  condenação  e   demais  cominações  de  direito  decorrentes  da  sucumbência;     8) A  produção  de  todos  os  meios  de  prova  em  direito  permitidos.     Dá  à  causa  o  valor  de  R$  1.000,00  (mil  reais)  para  efeitos  fiscais.       Nestes  Termos   P.     Deferimento     Recife,  12  de  julho  de  2011.       Charles  Hamilton  Santos  Lima   26º  Promotor  de  Justiça  de  Defesa  da  Cidadania  da  Capital    

×