Programa de Gestão Estratégica

452 visualizações

Publicada em

Programa de Gestão Estratégica da chapa 1, "Construindo juntos um ICT de excelência", Leduíno e Claudia

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
452
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Programa de Gestão Estratégica

  1. 1. Programa de Gestão Estratégica da chapa 1 “Construindo juntos um ICT de excelência” Apresentação da Chapa 1 Prezados Colegas do Instituto de Ciência e Tecnologia da UNIFESP, Nós, Leduíno e Cláudia, somos os candidatos da Chapa 1 à primeira eleição para Diretor e Vice-Diretor do ICT-UNIFESP que ocorrerá no dia 26 de novembro de 2012. Como profissionais, somos respeitados pelos nossos pares por nossas atitudes e posturasdemocráticas, comprometidas com o mérito e com o trabalho na docência e na pesquisa científica. Entre osestudantes, somos vistos como docentes preocupados em compartilhar o conhecimento, na valorização doaluno, em estabelecer a proximidade interpessoal essencial ao aprendizado. Com os técnicos-Administrativos em Educação somos distinguidos por nossa postura respeitosa e motivadora. Ambos tivemos a oportunidade de participar da gestão do ICT em diferentes momentos, semprereconhecidos como líderes seguros do seu papel, de iniciativas inovadoras, que possuem a excelência comoprincípio e meta, preocupados com planejamento e em oferecer ensino de graduação e pesquisa dequalidade em todas as áreas de atuação e para todos indistintamente. Fora do ICT, seja na comunidade científica nacional, na estrutura administrativa da UNIFESP, noMunicípio de São José dos Campos, ou em outras esferas de relações científico-políticas, construímos nomee respeitabilidade, baseado em nossa postura ética e meritocrática. Ser (re)conhecido e respeitado fora doslimites do ICT são igualmente importantes para alcançarmos o nível de excelência que buscamos, poisestaremos também sujeitos à conjunturas econômico-políticas nacionais e mundiais, e precisaremos terapoiadores externos como nossos aliados. Por isso acreditamos ter maturidade e experiência, competência, conhecimento e reconhecimentopara liderarmos o ICT ao longo desses próximos quatro anos, e gostaríamos de contar com seu apoio nopleito que elegerá os novos dirigentes do ICT-UNIFESP. Apresentaremos aqui a última versão do nosso Programa de Gestão Estratégica para o ICT antes daseleições. Como se espera de um bom planejamento, este programa estará, no entanto, continuamente emconstrução e por isso você ainda pode contribuir para o seu aperfeiçoamento, enviando sugestões para oemail chapa1ict@gmail.com ou pessoalmente em reuniões abertas que continuaremos a organizar. Agradecemos à Comunidade do ICT o apoio manifesto à nossa Chapa. Prof. Luiz Leduíno de Salles Neto, candidato ao cargo de Diretor Profa. Cláudia Barbosa Ladeira de Campos, candidata ao cargo de Vice-Diretor
  2. 2. Instituto de Ciência e Tecnologia - ICT, o ano de 2012. O ano de 2012 não foi um ano fácil para as Instituições Federais de Ensino Superior (IFES). Como tal,a UNIFESP, certamente uma das Universidades Federais brasileiras que mais cresceu e expandiu com oReuni, amargurou um ano com a contratação de pouquíssimos docentes em regime permanente e númerospouco expressivos de Técnicos-Administrativos em Educação. Embora devamos ser gratos ao Reuni, afinal, aexistência do campus São José dos Campos é resultado deste programa nacional de expansão do ensinosuperior, inegavelmente pagamos preços pela expansão com pouco ou nenhum planejamento: uma grevede duração de quase 90 dias e sérios problemas de infraestrutura. O Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT)da UNIFESP naturalmente sentiu o impacto do que passou a universidade como um todo. Porém, agora, próximo ao final de 2012, estamos retomando o crescimento que o ICT merece, norumo que nos levará a ser uma das principais instituições de ensino, pesquisa e extensão do país, e assimreconhecidas no mundo. Recentemente, conquistamos 45 vagas docentes para o ICT, que nos levará a um total de 103docentes em regime permanente, sendo que destas, duas são vagas para professores Titulares, uma dasquais já está preenchida com um dos pesquisadores mais renomados no Brasil e no mundo. Embora aindaaquém das necessidades docentes para abrirmos todos os cursos previstos para o ICT, estamos crescendo.Com essas 45 vagas, garantimos docentes suficientes para todas as disciplinas dos cursos atuais até o iníciode 2014 e, igualmente importante, garantimos a qualidade do projeto pedagógico do Bacharelado emCiência e Tecnologia. Porém, dado recente do planejamento para contratação de novos docentes prevê queo ICT precisará ter 150 docentes em 2015. Por isso precisamos de gestores fortes politicamente ecomprometidos com a instituição que garantam que ainda mais vagas docentes sejam destinadas ao ICTtodos os anos para a implementação de novos cursos e abertura de novas vagas discentes. Também conquistamos novas vagas para Técnicos Administrativos em Educação (TAEs). Emboraainda em número diminuto, 11 vagas foram destinadas ao ICT e os editais para este concurso estão em fasede conclusão. Ainda em 2012, está prevista uma negociação entre as IFES e o MEC que irá definir o númerode novas vagas de TAEs que serão destinadas à UNIFESP (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12677.htm). A contratação desses novos TAEs permitirá um melhor andamento das funçõesacadêmicas e administrativas necessárias para o crescimento e consolidação do campus. Além de aumentaro contingente de recursos humanos, permitirá com que os TAEs possam se dedicar a cursos de capacitaçãoque permitam seu crescimento profissional e contribua para melhorar eficiência administrativa. Novamente,gestores com força política dentro e fora da instituição terão vantagem em destinar vagas para o ICT. No que diz respeito à infraestrutura, entramos em 2012 acreditando que a graduação caberia, emsua totalidade, no campus da rua Talim. No entanto, além da iminente falta de laboratórios de ensino, ocrescente número de docentes com projetos de pesquisa individuais, que somam quase 4 milhões de Reais,não tinham onde desenvolver seus projetos. Em maio de 2012, a Direção do ICT empreendeu busca de novasedificações nas redondezas do campus que pudesse abrigar laboratórios. A aquisição de uma edificação deaproximadamente 1.200 m2 está em fase de conclusão e garantirá que o ICT tenha laboratórios adequadospara o ensino de graduação em 2013, em especial aqueles ligados às engenharias, e que os docentes tenhamespaço para a condução de seus projetos de pesquisa científica. Com a conclusão, ao final de 2013, doedifício de 20.000 m2 no Parque Tecnológico (http://www.sjc.unifesp.br/adm/plantas), o ICT terá mais de2.000 m2 de área somente para laboratórios de ensino, que garantirá a graduação nos anos subsequentes.
  3. 3. Ainda considerando a infraestrutura, o ICT agora dispõe de uma área de 450 m 2 no núcleo do ParqueTecnológico que abriga a pós-graduação em Ciência da Computação e os docentes a ela ligados em umentorno de empresas como Embraer, Vale Soluções em Energia, IPT e diversas outras ligadas a variadasáreas de atuação. Assim, o campus São José dos Campos da UNIFESP chega aos seus quase seis anos de existência comcerca de 800 estudantes, 58 docentes efetivos e mais 45 por serem concursados e 31 TAEs e pelo menos 11por serem concursados. Embora os problemas emergenciais estejam sendo identificados e resolvidos, aindatemos importantes problemas de infraestrutura para resolver.. Há muito a percorrer para alcançarmos onosso objetivo: criar uma universidade com excelência em ensino e pesquisa, de administração organizada eprodutiva, com infraestrutura de ponta em salas de aula e laboratórios, chegar ao ano de 2020 com 5.000estudantes de graduação e 1.500 de pós-graduação, 500 docentes e 300 técnicos-administrativos. Temospela frente um grande e importante desafio, o de planejar o crescimento do ICT de forma contínua eresponsável, conciliando a expansão física com a expansão do ensino, da pesquisa e da extensão comqualidade reconhecida, para assim consolidar um ICT forte e respeitado. A cidade de São José dos Campos, a região do Vale do Paraíba e o país demandam esse substancialcrescimento do ICT, e todos nós sabemos que uma gestão de qualidade e para todos nos próximos quatroanos será fundamental para o sucesso do plano decenal. Por isso precisamos de gestores fortespoliticamente e comprometidos com a instituição. Temos consciência que estamos em um momento único na história do ICT, às portas para um futurode excelência, cuja conquista será feita com planejamento, responsabilidade e luta. Será uma empreitadalaboriosa, de coragem, mas acima de tudo, que precisará contar com a participação de todos os atores:gestores, docentes, TAEs, estudantes, prefeitura, reitoria, MEC. É com esse compromisso que chegamos atéaqui, compromisso de trabalhar como um time, que busca a qualidade e o mérito. Temos experiênciaadministrativa e reconhecimento para liderar esse processo de expansão e consolidação do ICT. Com o objetivo de valorizar a comunidade acadêmica e as diferentes áreas do conhecimentopresentes no ICT de forma igualitária, sem distinção ou segregação, com postura conciliadora, de forma apermitir o crescimento e construção de um ICT para todos, apresentamos nossas propostas para alcançar aexcelência acadêmico-administrativa que consideramos prioritárias e viáveis, divididas em quatro eixos: I – Expansão do Instituto de Ciência e Tecnologia e suas Áreas de Conhecimento II – Gestão, Gestão Participativa e Gestão por Competência III - Ensino-Pesquisa-Extensão de Excelência IV - Valorização da Comunidade Universitária
  4. 4. I – Expansão do Instituto de Ciência e Tecnologia e suas Áreas de Conhecimento O plano decenal do ICT-UNIFESP prevê uma expansão corajosa, que deve ser conduzida de formaresponsável e planejada, com a criação de novos cursos e a ampliação dos cursos oferecidos, do quadrodocente, de técnicos-administrativos em educação e de discentes, que deve seguir temporalmentecoordenada com a expansão da infraestrutura física e administrativa. O crescimento ordenado geraconfiança da comunidade acadêmica como um todo, e é fundamental para que o ensino, a pesquisa e aextensão sejam atrativos para que pesquisadores de alto nível tenham interesse em fazer parte do corpodocente do ICT e para que discentes tenham os cursos oferecidos no ICT como suas primeiras opções deescolha ao ingressar em um curso superior. Há muito a ser feito. Por isso não podemos abdicar da gestãoparticipativa: somente com o envolvimento de professores, alunos e técnicos administrativos em educaçãopoderemos alcançar o objetivo de termos um ICT de excelência. Estamos conscientes, porém, que serápreciso adaptar e planejar constantemente as metas e diretrizes de gestão, tendo em vista que conjunturasexternas ao ICT e à UNIFESP tem um papel importante na política de expansão universitária. Nossas propostas para a expansão responsável e planejada podem ser inicialmente sintetizadas em:  Participar ativamente do processo de distribuição de recursos pelo MEC e reitoria da UNIFESP e conduzir as medidas administrativas que garantam o início do processo licitatório para revisão de projeto e contratação da obra para, ainda em 2013, iniciar a construção do edifício destinado à pesquisa na área pertencente ao ICT no Parque Tecnológico de São José dos Campos. Até sua construção viabilizaremos o uso do prédio atual (Unidade II) para o uso em atividades também de pesquisa.  Garantir junto a Prefeitura Municipal de SJC a concretização da doação do terreno contíguo ao atual no Parque Tecnológico, para viabilizar a implementação do plano plurianual do ICT que prevê a construção de mais três prédios de ensino/pesquisa e das moradias universitárias.  Empenhar-nos, junto à reitoria e ao MEC, para garantir abertura de vagas para docentes e técnicos- administrativos em educação (TAEs) em números apropriados para acompanhar a formação dos novos cursos, o aumento progressivo do número de vagas discentes e o espaço físico em edificação.  Viabilizar a abertura de novas trajetórias dentro do BCT e novos cursos de formação específica (pós- BCT), em diversas áreas do conhecimento, das ciências naturais, das engenharias, e também de áreas importantes para formação dos estudantes, como economia, administração e ciências humanas. Estimular e apoiar abertura de novos cursos de pós-graduação.  Garantir a abertura de concursos e a consequente contratação de professores titulares em cada uma das áreas do ICT.  Buscar financiamento para atrair pesquisadores internacionais para estágios de curta, média e longa duração. II – Gestão, Gestão Participativa e Gestão por Competência Certamente os próximos quatro anos serão os mais decisivos na história do ICT. Há muito a ser feitoe é preciso que todos participem do processo de expansão, tanto na divisão de tarefas para tornar viável acondução dos procedimentos necessários para chegar aos nossos objetivos de expansão, quanto para queesses procedimentos sejam conduzidos por pessoas capacitadas para as diferentes tarefas. Portanto, não háoutra forma de gerir esse instituto que não seja pautado na Gestão Participativa e na Gestão por
  5. 5. Competência. As iniciativas a seguir terão o princípio da participação e da competência como as bases paraalcançar a expansão responsável e planejada.  Faz parte deste trabalho de gestão estratégica situacional, instituir, no início de 2013: o um Grupo Permanente de Planejamento (GPP), com participação de discentes, docentes e TAEs, que assessore a congregação e a diretoria do ICT no sentido da expansão da infraestrutura física, acadêmica e administrativa, de forma a definir metas de curto, médio e longo prazo para alternativas viáveis e ideais de expansão. o o processo de elaboração do regimento do campus, no qual a estrutura organizacional, acadêmica e administrativa seja um dos pontos prioritários a serem definidos.  Debater o planejamento orçamentário anual do ICT e posteriormente a utilização dos recursos disponibilizados nas instâncias acadêmicas em consonância com as diretrizes do GPP.  Promover uma audiência pública de prestação de contas e balanço da gestão, avaliando coletivamente os avanços, dificuldades e perspectivas futuras, a cada 12 meses.  Definir claramente, em conjunto com a Diretoria Administrativa e o GPP, as funções e planos de trabalho para atingir os objetivos administrativos dos técnicos administrativos em educação (TAEs) que permita a otimização das tarefas no campus, e cujo resultado retorne ao GPP para o planejamento continuado.  Estimular iniciativas de formação de círculos/comissões/grupos de discussão de TAEs, que se reúnam durante a jornada de trabalho, objetivando a melhoria de carreira e das condições de trabalho, o aprimoramento de procedimentos administrativos e acadêmicos, encurtando caminhos e melhorando a gestão do campus.  Aumentar o diálogo e melhorar a comunicação entre os diversos atores do ICT, seja através de encontros pessoais, seja através de reuniões periódicas, formais e informais, com docentes, discentes e TAEs, independente de conselhos, comissões, colegiados ou outras representações, como o principal caminho de motivar nossa comunidade acadêmica a aprimorar procedimentos acadêmicos e administrativos.  Trabalhar para que o ICT tenha autonomia para conduzir processos administrativos e acadêmicos estratégicos para o campus para desburocratizar e, sempre que possível, descentralizá-los da Reitoria. III - Ensino-Pesquisa-Extensão de Excelência Obedecendo ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, que consta noArtigo 207 da Constituição Federal de 1988, os objetivos e metas constantes nesse eixo visam oreconhecimento do ICT-UNIFESP como um centro de excelência acadêmica em graduação, pós-graduação,pesquisa, inovação tecnológica, extensão, enfim, de Ciência e Tecnologia, reconhecido no Brasil e no mundo,atrativo para estudantes e profissionais docentes e não docentes de alto nível. Ensino O quadriênio 2013-2017 será o período mais crítico para consolidação do nosso campus, assim comodo conceito de interdisciplinaridade como o tipo de formação adequada para lidar com os problemas e
  6. 6. desafios de nossos tempos. Acreditamos que a educação interdisciplinar, com uma base apropriada emdisciplinas básicas, permita o surgimento da criatividade e flexibilidade essenciais para formarmos cidadãoscom espírito ético e profissionais de visão inovadora em todas as áreas do conhecimento científico etecnológico, e com capacidade de agir de forma autônoma e em equipe, portanto, preparados paraenfrentar toda classe de desafio no seu futuro profissional. Neste período, a nova diretoria do ICT tem a obrigação de aprimorar, valorizar, defender e divulgar ainterdisciplinaridade como uma forma contemporânea de formação, e o Bacharelado em Ciência eTecnologia como meio para adquirir essa formação diferenciada e flexível também para os cursos deformação específica dos cursos de especialização pós-BCT. Das medidas que buscaremos priorizar paravalorizar o modelo pedagógico do BCT e o profissional a ser formado, junto à academia e à setores daeconomia e sociedade como um todo, sintetizamos nas iniciativas que seguem:  Sempre que necessário, apoiar reformas no BCT para torná-lo mais efetivo e atrativo, de forma a permitir a implementação prática do seu projeto pedagógico.  Investir no desenvolvimento docente por meio da criação de um grupo de trabalho que busque estudar e implementar novas metodologias de ensino-aprendizagem, como, dentre outras ações, incentivar e promover interação com os novos programas destinados à disseminação mundial dessas novas metodologias.  Garantir novas vagas para docentes e que a seleção dos docentes seja meritocrática.  Estimular o Departamento de Ciência e Tecnologia a destinar maior número de vagas docentes para áreas ligadas ao empreendedorismo e gestão.  Acompanhar o desenvolvimento e promover o aperfeiçoamento dos cursos existentes, de forma a garantir a viabilidade e atratividade de todos.  Viabilizar os laboratórios de ensino de cada uma das trajetórias e cursos existentes;  Garantir que os cursos aprovados para o ICT, Engenharia de Automação e Controle e Engenharia de Energia, possam ser oferecidos como curso de formação específica o mais breve possível  Valorizar as trajetórias dentro do BCT, abrindo de forma ordenada novas trajetórias e cursos de especialização pós-BCT.  Promover a Semana da trajetória, evento anual que buscará debater com os estudantes as especificidades e objetivos de cada uma das trajetórias do BCT;  Destinar um TAE para acompanhar e assessorar o BCT e cada um dos cursos de formação específica na implementação de seus Projetos Pedagógicos, no acompanhamento dos processos acadêmicos (matrícula, trancamento, transferências, equivalências, etc), que trabalhe junto às coordenações no apoio pedagógico dos discentes e que assuma algumas das funções e tarefas desempenhadas até então pelos coordenadores de cursos.  Melhorar a divulgação dos cursos oferecidos no ICT, seja melhorando o material de divulgação do campus, seja, por exemplo, criando em conjunto com os técnicos administrativos em educação e ao Núcleo de Apoio ao Estudante (NAE) uma secretaria de aconselhamento vocacional para alunos interessados em estudar no ICT e, obviamente, para aqueles que já estudam.  Criar e apoiar programas que visem a formação de uma identidade profissional diferenciada no discente, que seja valorizada e reconhecida pela sociedade por sua formação interdisciplinar e diferenciada.
  7. 7.  Defender que o ICT tenha autonomia para deliberar sobre convênios com empresas, descentralizado da reitoria, bem como debater com as comissões de cursos formas para facilitar a realização de estágios que contribuam com a formação profissional de nossos estudantes.  Fomentar a participação de estudantes em eventos de empreendedorismo e inovação ou quaisquer outros que levem ao seu aprimoramento profissional, assim como apoiar iniciativas de criação de Empresas Jrs. por estudantes do ICT.  Propor à reitoria e à FAP a criação de um programa que permita a contratação de profissionais destacados no mercado de trabalho como professores visitantes especiais, visando proporcionar aos estudantes do ICT o aprendizado de tecnologias desenvolvidas e aplicadas atualmente em grandes empresas da região.  Oferecimento de disciplinas eletivas oferecidas na língua inglesa, objetivando contribuir com a formação dos estudantes que desejam realizar intercâmbios internacionais bem como permitindo que estudantes estrangeiros possam cursas disciplinas no ICT.  Apoiar as iniciativas e demandas originadas das Comissões de Cursos e da Câmara de Graduação a ser instituída no ICT. Pesquisa No nosso conceito de formação acadêmica, uma graduação de qualidade reconhecida somente éconseguida em um ambiente de excelência de pesquisa científica e tecnológica. O que a sociedade espera deuma universidade é que, além de um local de transferência de conhecimento, seja primordialmente um localde geração de conhecimento, de inovação, de desenvolvimento de novas tecnologias. É isso também que osestudantes esperam de seus professores, que sejam produtivos, atualizados, reconhecidos perante associedades científicas que os representam, que isso se reflita em colaborações nacionais e internacionais. Éo que se produz na universidade que atrai estudantes de graduação e pós-graduação comprometidos comsua formação. A criação de um ambiente favorável à pesquisa científica e tecnológica é um compromisso,cujas medidas que acreditamos serem inicialmente prioritárias para que o ICT alcance sua excelência,seguem:  Fazer todos os esforços para que pesquisadores com projeto tenham infraestrutura e laboratórios em 2013, 2014 e nos anos que seguem até que os prédios destinados à pesquisa esteja concluído no Parque Tecnológico.  Dar apoio a novos docentes para iniciarem suas atividades de pesquisa.  Dar apoio à estruturação de laboratórios individuais e multiusuários, fomentar infraestrutura básica de pesquisa (bancadas, armários,etc.) e fomentar a contração de mais técnicos de nível médio e superior como contrapartida aos financiamentos conseguidos junto às agencias de fomento à pesquisa ou outras instituições pelos docentes.  Criar infraestrutura que seja atrativa para pesquisadores estrangeiros e mecanismos de apoio a sua permanência para estimular a internacionaliação do ICT.  Apoiar as iniciativas de criação de novos cursos de pós-graduação.  Criar no ICT de um setor de Administração de Projetos, individuais ou de grupos de pesquisa, com intuito de auxiliar os pesquisadores na aquisição de equipamentos e materiais, bem como em suas prestações de contas, de forma a permitir que o pesquisador se dedique mais à sua pesquisa.
  8. 8.  Instituir um setor no campus voltado para assessorar o pesquisador na proteção intelectual e geração de patentes por ou com a participação de pesquisadores do ICT.  Criar no ICT um setor de contratos e convênios específico para facilitar a interação entre pesquisador e empresa para facilitar colaboração/interação/transferência científica e tecnológica.  Apoiar as iniciativas e demandas originadas dos programas de pós-graduação e da Câmara de Pós- Graduação a ser instituída no ICT. Extensão A Extensão universitária é o meio mais direto pelo qual a universidade retorna à sociedade oconhecimento gerado. O ICT tem grande potencial para Extensão, mas ainda temos muito a crescer nessesentido. Nossa proposta prevê o apoio a iniciativas que visem a Extensão universitária, dentre as quaisresumimos em:  Acelerar a criação do Centro de Divulgação Científica e Tecnológica da Unifesp, proposta constante do perfil do ICT.  Estudar meios de integrar docentes, discentes e TAEs com programas de extensão de outros campi.  Estimular debates no sentido de definir possíveis áreas de atuação da Extensão universitária e seus principais atores  Intensificar as colaborações com prefeituras e com o estado visando ampliar os programas de educação continuada dos professores da educação básica.  Apoiar as iniciativas já existentes e as novas demandas originadas da Câmara de Extensão do ICT. IV - Valorização da Comunidade Universitária O comprometimento da comunidade universitária com o plano de expansão do ICT, no sentido departicipar e trabalhar para a concretização de seus objetivos e metas, passa pela valorização do indivíduo edas categorias. A transparência, o reconhecimento, a atenção às necessidades e o respeito ao indivíduo e àsua carreira são iniciativas de um gestor sério que pretende estimular a motivação e o envolvimento dacomunidade com a instituição e a confiança nos seus líderes. Das iniciativas que buscaremos implementarpara valorizar a comunidade universitária, em particular a qualidade de vida no trabalho, além das que jáconstam no eixo II - Gestão Participativa e Gestão por Competência, que também enxergamos comovalorização da comunidade. Entre as iniciativas destacam-se:  Buscar junto ao MEC e à Prefeitura Municipal SJC a instalação de uma creche em terreno contíguo ao campus no Parque Tecnológico para servir a comunidade do ICT, a exemplo de medidas já em curso em outros campi.  Oferecer, no campus do Parque Tecnológico, centros de convivência para docentes, estudantes e TAEs.  Propor à reitoria a instituição de um programa estratégico de ensino e aperfeiçoamento de inglês para estudantes e TAEs.  Estabelecer convênios com escolas de ensino fundamental e médio que ofereçam descontos para TAEs, assim como para docentes.
  9. 9.  Estabelecer convênios com academias ou entidades voltadas para a prática de esportes e atividades de lazer, que ofereçam descontos para TAEs, assim como para docentes.  Reforçar o papel e as ações do Núcleo de Apoio ao Estudante (NAE) no sentido de ser o interlocutor de iniciativas discentes com a Diretoria Acadêmica e Administrativa que levem ao desenvolvimento acadêmico, científico, profissional e humano do estudante do ICT, que contribua para sua socialização e progresso, com vistas à criação de uma ligação do estudante com seu ambiente universitário. Que essas ações estejam também integradas ao planejamento estratégico do GPP e aos projetos e diretrizes acadêmicas das Comissões de Cursos e dos Núcleos Docente Estruturante de cada curso, para nortear as ações da Diretoria Acadêmica.  Promover reuniões com docentes e TAEs no início de seu ingresso como servidor com o propósito de apresentar a estrutura organizacional do ICT, as diretrizes do Plano de Desenvolvimento Institucional e especificamente do ICT, o modelo do bacharelado interdisciplinar, o projeto pedagógico dos diferentes cursos oferecidos no ICT e demais documentos que norteiam os processos educativos e administrativos do ICT.  Apoiar e viabilizar a participação dos TAEs em programas de graduação, pós-graduação e de capacitação. Estudar meios de reverter em horas de capacitação a participação de TAEs em eventos ou quaisquer iniciativas que contribuam para sua formação profissional, como participação e organização de eventos, palestras e mesas-redondas.  Apoiar a construção da residência universitária do ICT no campus do Parque Tecnológico.  Apoiar programas que dizem respeito às atividades culturais no campus e fora dele, como o “Troca de Saberes”. Nossas propostas estão em construção contínua e você pode participar enviando sugestões para oemail chapa1ict@gmail.com ou mesmo pessoalmente.Contamos com a sua participação! Leduíno e Cláudia

×