Insuficiência Cardiaca - Tulio Frazão (DX,TX)

1.201 visualizações

Publicada em

Abordagem da Insuficiencia Cardiaca de acordo as diretrizes, com ênfase em Estagiamento Clínico, NYHA e Tratamento.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.201
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
83
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Insuficiência Cardiaca - Tulio Frazão (DX,TX)

  1. 1. INSUFICIÊNCIA CARDIACA Liga Academica de Farmacologia Clínica Apresentador: LAFAR Centro Universitario regional do tocantins Faculdade de Medicina CAIO TÚLIO VALE FRAZãO
  2. 2. Ciclo Cardiaco • Pré-carga • Pós – carga. • Frequência cardíaca compensadora
  3. 3. Fração de Ejeção FE =E DÉBITO CARDÍACO? FE= DS/VDF X 100
  4. 4. DEFINIÇÃO É uma síndrome clínica complexa Disfunção cardíaca e estrutural Inadequado suprimento Saguíneo Dificuldade Enchimento Ventricular ou Ejeção
  5. 5. Tipos de IC Causa Sistólica Causa Diastólica Grande Débito Q mais Comum?
  6. 6. • Doença isquêmica • HAS Hipertensão arterial sitêmica • Doença de Chagas • Valvulopatias • Cardiomiopatia • Doenças endócrinas Etiologia
  7. 7. IC Sistólica • Doença isquêmica • HAS • Valvulopatias • Cardiomiopatia dilatada idiopática • Cardiomiopatia alcoólica • Doença de Chagas
  8. 8. IC Diastólica “mais dificil dx” • Doença coronariana • Cardiopatia hipertensiva – fase hipertrofica (Prin) • Fibrose isquêmica • Cardiopatia hipertrófica • Envelhecimento • Desordens do endomiocardio
  9. 9. IC = ICC ? • DIURÉTICO
  10. 10. IC = IECA+ DIURETICO+ DIGITAL?
  11. 11. IC SISTÓLICA X IC DIASTÓLICA COMO ESTAO AS PRESSÕES DE ENCHIMENTO VENTRICULAR? PERGUNTA DE PROVA !
  12. 12. Sistólica • FE < 45 % • Dilatação ventricular • B3 IC SISTÓLICA X IC DIASTÓLICA Diastólica • FE > 45 % • Hipertrofia ventricular • B4 Normal: FE 50-70 %
  13. 13. Fisiopatologia Lesão cardíaca Baixo Débito Ativ. Catecolaminas + SRAA DETENÇAO XV Aumento FC + RPT + EDEMA Redução de Perfusão Remodelamento Alter. GenéticasApoptose IsquemiaNecrose
  14. 14. • Queda de Pressão • Barorreceptores • Resposta neuro-humoral • SP-Noraadrenalina • SRAA • Ação B1 e B2 • Efeito miocardiotóxico • Cell Alongas e Hipofuncionante • Apoptose e Necrose Mecanismo de Compensação
  15. 15. • SRAA = ANG II • Receptores AT1 • Apoptose e Necrose • Proliferação de Fibrob e ativaçã Noradrenalina+ ANG Mecanismo de Compensação
  16. 16. • ALDOSTERONA • Receptores esteróide • Proliferação de fibroblastos • Ação dos 3 mediadores+citocinas = mod.estrutual Mecanismo de Compensação
  17. 17. Fase Sintomática • 3 fatores: • 1- Vasoconstrição arteriolar periférica • 2- Retenção hídrica • 3- Remodelamento cardiaco
  18. 18. TRATAMENTO IC DIASTÓLICA • NÃO EXISTE UMA TERAPÊUTICA OBJETIVA • ANTI-HIPERTENSIVO • ANTI ANGINOSO • MATÉM FREQUENCIA CARDIACA • BOM SENSO • BOM SENSO
  19. 19. + Não utilizar?
  20. 20. IC Alto Débito • Hipertireoidismo/tireotoxicose • Beriberi • Sepse • Doença de Paget • Fistula arteriovenosa • Cirrose hepática
  21. 21. Dx. ICC
  22. 22. Abordagem Laboratorial • Exame rotina (HC, Glicemia, Ureia, Creatinina, Sódio e Potássio) ---- tbm Hormônio T4. • RAIO X • ECG (Não existe IC com esse normal) • ECOCARDIOGRAMA (Que tipo, Global= HAS ou Segmentar = Isquêmico). • BNP
  23. 23. Classificação dos pte IC • Estágios clínicos • Alter. estruturais
  24. 24. • Estagio A: Assintomática, não tem IC mais tem risco. • Estágio B: Hipertensão assintoma, mas já comerçou Hipertrofia Ventricular. • Estágio C: Sintomático e sem irrevessível, precisa de medicamento pra mater-lo. “IC” • Estágio D: Não tratado do est. C , IC refratária. • Estagio A: Assintomatica HAS (INDIVIDUALIZADO) • Estágio B: Assintomatica Alt. VE • • Estágio C: Sintomático Alt. VE • Estágio D: IC refratária. • IECA • BETA BLOCK • PARTICULAR • NYHA • NYHA
  25. 25. A sobrevida pode ser estimada ao analisar “grau de comprometimento da atividade do paciente” Mets?: equivalente metabólico médio em termos de consumo O², correspondente a um adulto em estado de repouso. • 3 mets=dirigir • 5 mets= bicicleta • 7,5 mets= relação sexual • 9 mets= atv esportivas
  26. 26. CLASSE FUNCIONAL NYHA • CLASSE I: Atividades usuais não causam Dispneia. • CLASSE II: Atividades usuais causam Dispneia. • CLASSE III: Qualquer atividade causa Dispneia. • CLASSE IV: Dispneia em repouso. • IECA • BETA BLOCK • IECA • BETA BLOCK • IECA • BETA BLOCK • IECA • BETA BLOCK • Diurético • Diurético • Diurético • Diurético • BLOCK ALD • BLOCK ALD • DiGITAL • DiGITAL
  27. 27. Divisão de Medicamentos • Drogas que aliviam sintomas • Diurético • Digital • Drogas que aumentam a sobrevida. • IECA • BETA BLOCK • BLOCK ALDOSTERONA • HIDRALAZINA+NITRATO (NEGROS) • BRA (MODERNO)
  28. 28. Inibidores da enzima conversora de angiotensina II (IECA). Tratamento Farmacológico II. Benefícios clínicos Os IECA constituem um grupo de fármacos com comprovados benefícios na evolução de pacientes com IC, tanto em relação à morbidade, como à mortalidade. Comodidade Posológica Enalapril.
  29. 29. IECA • Quando utilizar? • Todos os pacientes. • Quando não utilizar? • Pas de 80 mmHg • Creatinina > 3 • Potássio > 5.5 meq • Estenose Bilateral das arterias renais.
  30. 30. • Potássio sérico > 5,5 mEq/l Contra-indicações • Estenose aórtica grave. • Estenose de artéria renal bilateral • História de angioedema por uso prévio de IECA • Hipotensão arterial sistêmica sintomática • Creatinina sérica ≥ 3 mg/dl
  31. 31. A prescrição de IECA deve ser iniciada em todos os pacientes, salvo contra-indicações, em doses inicialmente Ajuste terapêutico
  32. 32. Quanto de Creatinina devo suspender o IECA? • Potássio sérico > 5,5 mEq/l • Creatinina sérica ≥ 3 mg/dl Quanto de Potássio devo suspender a ALDACTONE?
  33. 33. Os BB com eficácia clínica comprovada no tratamento da IC são: Carvedilol Bisoprolol Succinato de metoprolol. Nebivolol Beta-bloqueadores (BB)
  34. 34. As maiores que o paciente pode tolerar. Aumenta todas as doses até o paciente apresentar sintoma. Depois volta pra dose anteriores Quais doses Usar?
  35. 35. Quais Utilizar? Beta-bloqueadores (BB) Quando Utilizar? Carvedilol, Bisoprolol e Succinato de metoprolol. Paciente Estável, pouco ou nenhuma congestão. Hipotensão com congestão, mantem BB aum Diurético.
  36. 36. “Os BB apresentam benefícios clínicos comprovados de melhora da classe funcional, redução da progressão dos sintomas de IC e redução de internação hospitalar, em pacientes com IC com disfunção sistólica” Eficaz na miocardiopatia dilatada “Quando associados aos IECA ou BRA, aumentam sobrevida por redução na mortalidade global e cardiovascular” Benefícios clínicos
  37. 37. Os BB podem ser iniciados em associação com IECA ou BRA, ou como monoterapia. Baixas doses, sendo ajuste gradual com intervalo de 7 a 14 dias Ajuste terapêutico e posologia
  38. 38. Deve-se verificar o agravamento ou desenvolvimento de: a) Sintomas e sinais de piora do quadro congestivo ou de baixo débito b) Hipotensão arterial sintomática ou redução da pressão arterial sistólica abaixo de 85 mmHg. c) Alargamento do espaço P-R (>0,28 seg) d) Bradicardia sinusal (FC< 60 ppm) e) Bloqueio sino-atrial ou atrio-ventricular avançado. Ajuste terapêutico e posologia
  39. 39. • Tartarato de metoprolol, propranolol e atenolol não foram testados em grandes estudos randomizados. • Fase inicial da introdução dos BB, cerca de 15% dos pacientes poderão apresentar algum grau de piora do quadro clínico. • No desenvolvimento de hipotensão arterial, excesso de diurético ou doses elevadas de vasodilatadores, IECA ou BRA, podem ser os responsáveis. • Prioridade é a manutenção ou aumento da dose do BB, devendo- se modificar a dose de outros medicamentos • Desenvolvimento ou agravamento da dispnéia/edema (diurético) Contra-indicação
  40. 40. Em outras situações não toleráveis ou que determinem risco • Bradicardia importante • Alargamento do P-R com bloqueio A-V • Hipotensão arterial importante, devemos reduzir a dose do BB para a posologia anterior ou avaliar a sua suspensão. QUANDO SUSPENDER OU VOLTAR A DOSE ANTERIOR?
  41. 41. Como Usar ?
  42. 42. Quais Utilizar? ESPIRINOLACTONA (ALDOLACTONE) Qual dose? NYHA III e NYHA IV (cuidados pra dosar CR e K). Pq já usa IECA. Risco benefício Baixas: 12,5 a 50 mg/ dia (Não pelo Lasix) Quando não usar? Potássio > 5 , Creatinina > 3
  43. 43. Quando usar? Nitrato + Hidralazina • Como substituto IECA ou em Negro. (quando Manter sintoma) • IECA e BB mau Impacto. ”HAS”
  44. 44. Como usar Hidralazina+ Nitrato • Hidralazina 200 mg/dia + dinitrato de isossorbida 120mg/ dia. NYHA II,III,IV
  45. 45. Quando usar? BRA Verificar a dosagem dos IECA antes. Paciente Intolerante a IECA. Comodidade Posológica Enalapril.
  46. 46. Benefícios clínicos Bloqueadores dos receptores de ang II (BRA) • De forma geral, os BRA têm sua principal indicação em pacientes portadores de IC crônica com fração de ejeção (FE) reduzida intolerantes aos IECA, reduzindo morbimortalidade
  47. 47. Quais Utilizar? Diurético Quando Retirar? Retenção de líquido Nunca mais retirar Ajustar a dose de acordo com o peso do paciente
  48. 48. Quando Utilizar? Digoxina Para que utilizar? Cedo ou tarde. Se tiver usando não retire. (só intoxicação) Melhorar sintoma (NYHA III, ta com IECA,BB,ALD,DIU AI SIM DIGITAL). FX. SEGURA RESPOSTA. Quando Retirar? INTOXICAÇÃO
  49. 49. Como usar digoxina (digital mais usado) Digoxina 0,125-0,375 mg VO/dia
  50. 50. INTOXICAÇÃO VS IMPREGNAÇÃO • IMPREGNAÇÃO É O QUE SE OBJETIVA FAZER • GRAU ACIMA DA IMPREGNAÇÃO É A INTOXICAÇÃO “CUIDADOS PQ FICA PROXIMOS DE LIMITES DE INTOXICAÇÃO”
  51. 51. Impregnação “Lesão em par de pedreiro” Qual medicamento usar?
  52. 52. •OBRIGADO !!!

×