Reino Protista

3.118 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.118
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.543
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reino Protista

  1. 1. Classificados no Reino Protoctista (Protista). Unicelulares (realizam todas as funções vitais). Eucariontes (c/ núcleo organizado). Com mobilidade especializada. Vida livre, mutualistas, comensais e parasitas. Heterótrofos (alimentação por englobamento ou absorção).
  2. 2. Protozoários ameboides (rizópodes) Vida livre e parasitas (amebíase). Outros tipos de protozoários ameboides Presença de pseudópodes.
  3. 3. Protozoários flagelados Vida livre e parasitas (giardíase, tricomoníase, leishmanioses e doença de Chagas). Presença de flagelos.
  4. 4. Protozoários ciliados Presença de cílios. Vida livre e parasitas (balantidiose). Citóstoma - entrada de alimentos. Citopígeo - eliminação de resíduos alimentares. Macronúcleo – função vegetativa. Micronúcleo – função reprodutiva.
  5. 5. Protozoários esporozoários Exclusivamente parasitas (toxoplasmose e malária). Sem estrutura de locomoção. Possuem um complexo apical que se prende ou penetra na célula hospedeira.
  6. 6. ASSEXUADA Um indivíduo se divide dando origem a dois novos indivíduos. Cissiparidade (ameboides, flagelados e ciliados) Divisão múltipla (esporozoários) Várias divisões do núcleo, e cada núcleo resultante, dará origem a um novo indivíduo. Esquizogonia – antes da fecundação. Esporogonia – após a fecundação.
  7. 7. SEXUADA Troca de micronúcleos entre dois indivíduos. Conjugação (ciliados)
  8. 8. Agente etiológico: Entamoeba histolytica (parasita intestinal) Sintomas: disenteria, anemia, ulcerações na parede intestinal, necroses hepáticas, pulmonares e cerebrais. Profilaxia: saneamento básico, higiene pessoal, cuidados com água e alimentos. Transmissão: ingestão de cistos em água e alimentos.
  9. 9. Agente etiológico: Giardia lamblia (parasita intestinal) Sintomas: diarreia, duodenite (lesões na parede intestinal), cólicas... Profilaxia: saneamento básico, higiene pessoal, cuidados com água e alimentos. Transmissão: ingestão de cistos em água e alimentos.
  10. 10. Ag. etiológico Leishmania chagasi (calazar - leishmaniose visceral) Leishmania brasiliensis (úlcera de Bauru) Transmissão: picada da ♀ do mosquito palha (Phlebotomus e Lutzomyia).
  11. 11. Sintomas: Úlcera de Bauru: ulceras de difícil cicatrização, deformações em mucosas e cartilagens. Calazar: lesões no baço, fígado, rins e intestinos, redução do tecido hematopoiético. Profilaxia: combate ao vetor, tratamento do doente, vacinas, eliminação de animais doentes.
  12. 12. Cães com leishmaniose
  13. 13. Agente etiológico: Trichomonas vaginalis Sintomas: uretrite, prurido e leucorreia. Profilaxia: preservativos, cuidados higiênicos. Transmissão: contato sexual, uso de sanitários e piscinas públicas, e roupas íntimas em comum (ex: toalhas).
  14. 14. Agente etiológico: Trypanosoma cruzi Sintomas: cardiomegalia, fibrose cardíaca, redução da pressão arterial, megaesôfago e megacólon. Profilaxia: combate ao vetor, melhoria de moradias, controle de qualidade em bancos de sangue. Transmissão clássica: contato das fezes do percevejo barbeiro (Triatoma infestans) com o local de sua picada.
  15. 15. Ciclo da Doença de Chagas
  16. 16. Trypanosoma cruzi (plasma sanguíneo) Percevejo barbeiro (Triatoma infestans) Moradia de risco
  17. 17. Outras formas de transmissão Placenta Ingestão do parasita em alimentos (suco de açaí, caldo-de-cana) Amamentação Transfusão sanguínea
  18. 18. Agente etiológico: Toxoplasma gondii Sintomas: cegueira, aborto, má formação do sistema nervoso em fetos. Profilaxia: cuidados com manipulação e destino das fezes de animais domésticos. Transmissão: ingestão de cistos eliminados pelas fezes de gatos, ingestão de carnes contaminadas.
  19. 19. Agente etiológico Plasmodium vivax (febre terçã benigna) Plasmodium falciparum (febre terçã maligna) Plasmodium malariae (febre quartã) Transmissão: picada da ♀ do mosquito prego (Anopheles sp.).
  20. 20. Sintomas: febres intermitentes, icterícia, lesões nos vasos sanguíneos, degeneração de tecidos, calafrios, anemia (destruição de hemácias). Febre terçã (ciclo de 48 horas) maligna – Causada pelo P. falciparum que é o mais patogênico, e pode causar a morte se não diagnosticado e tratado precocemente, principalmente em pessoas em sua primeira infecção. Febre terçã (ciclo de 48 horas) benigna - Causada pelo P. vivax, raramente produz infecções fatais, mas tem uma ampla distribuição mundial, sendo a espécie mais prevalente na maioria das regiões malarígenas fora do continente africano. Febre quartã (ciclo de 72 horas) – Causada pelo P. malariae que apesar de ser encontrado no mundo todo, apresenta uma distribuição muito pontual.
  21. 21. Profilaxia: tratamento do doente,, combate ao vetor (inseticidas, repelentes, telas de proteção...), evitar áreas endêmicas ou tomar medicamentos anti-maláricos antes de viajar.
  22. 22. Ciclo da malária Hospedeiro definitivo (ocorre fecundação e esporogonia) Hospedeiro intermediário (ocorre esquizogonia)

×