Gêneros literários

4.471 visualizações

Publicada em

O curso de marketing foi postado pelo Humor cego,que é uma pagina do face book, que traz coisas engraçadas no dia a dia, e agora estamos trazendo cursos,pois sabemos que é difícil achar cursos desse gabarito gratuitamente,então fique a vontade para aprender. abraço e bons estudos.

Publicada em: Educação
2 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.471
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
2
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gêneros literários

  1. 1. GÊNEROS LITERÁRIOSA LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELAPALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA.
  2. 2. GÊNEROS LITERÁRIOSNa Antiguidade Clássica ostextos literários dividiam emem três gêneros:
  3. 3. GÊNEROS LITERÁRIOS• GÊNERO LÍRICO• GÊNERO DRAMÁTICO• GÊNERO ÉPICO
  4. 4. Gênero Lírico
  5. 5. Gênero Lírico• Seu nome vem de lira, instrumento musical que acompanhava os cantos dos gregos.• Textos de caráter emocional, centrados na subjetividade dos sentimentos da alma. Tem a presença do “eu-lírico”, a voz que fala no poema . O emissor é personagem única desse tipo de mensagem,
  6. 6. GÊNERO LÍRICO• Predominam as palavras e pontuações de 1a. pessoa.• Segundo Aristóteles, a palavra cantada.
  7. 7. É importante ressaltar que o “eu-lírico”pode ser masculino ou femininoindependente do autor.
  8. 8. EU - LÍRICOAssim, podemos encontrar:• Autor masculino eu-lírico masculino• Autor masculino eu- lírico feminino• Autor feminino eu- lírico feminino• Autor feminino eu- lírico masculino
  9. 9. EXEMPLO DE GÊNERO LÍRICO Autor masculino – eu lírico masculino• Trecho do poema “Ainda Uma Vez , Adeus”, de Gonçalves Dias, que escreveu este poema após encontrar- se pela última vez, em Portugal, com sua amada Ana Amélia, à qual renunciara por imposição da família da jovem, de diferente classe social, destinada a casar-se com outro.
  10. 10. Ainda uma vez adeus..."Enfim te vejo! - enfim posso,Curvado a teus pés, dizer-teQue não cessei de querer-te,Pesar de quanto sofri.Muito penei. Cruas âncias,Dos teus olhos afastado,Houveram-me acabrunhadoA não lembrar-me de ti!(...)
  11. 11. Louco, aflito, a saciar-meDagravar minha ferida,Tomou-me tédio da vida,Passos da morte senti;Mas quase no passo extremo,No último arcar da esperança,Tu me vieste à lembrança:Quis viver mais e vivi!
  12. 12. Vivi; pois Deus me guardavaPara este lugar e hora!Depois de tanto, senhora,Ver-te e falar-te outra vez;Rever-me em teu rosto amigo,Pensar em quanto hei perdido,E este pranto doloridoDeixar correr a teus pés.
  13. 13. Mas que tens? Não me conheces?De mim afastas teu rosto?Pois tanto pôde o desgostoTransformar o rosto meu?Sei a aflição quanto pode,Sei quanto ela desfigura,E eu não vivi na ventura...Olha-me bem, que sou eu!
  14. 14. Nenhuma voz me diriges!...Julgas-te acaso ofendida?Deste-me amor, e a vidaQue me darias — bem sei;Mas lembrem-te aqueles ferosCorações que se meteramEntre nós; e se venceram,Mal sabes quanto lutei!
  15. 15. Tudo, tudo; e na misériaDum martírio prolongado,Lento, cruel, disfarçado,Que eu nem a ti confiei;"Ela é feliz (me dizia)"Seu descanso é obra minha."Negou-me a sorte mesquinha...Perdoa, que me enganei.
  16. 16. Dói-te de mim, que timploroPerdão, a teus pés curvado;Perdão!... de não ter ousadoViver contente e feliz!Perdão da minha miséria,Da dor que me rala o peito,E se do mal que te hei feito,Também do mal que me fiz!
  17. 17. - Adeus queu parto, senhora;Negou-me o fado inimigoPassar a vida contigo,Ter sepultura entre os meus;Negou-me nesta hora extrema,Por extrema despedida,Ouvir-te a voz comovidaSoluçar um breve Adeus!
  18. 18. Lerás porém algum diaMeus versos dalma arrancados,Damargo pranto banhados,Com sangue escritos;— e então Confio que te comovas,Que a minha dor te apiadeQue chores, não de saudade,Nem de amor, — de compaixão, (Gonçalves Dias, Ainda uma vez adeus)
  19. 19. GÊNERO LÍRICO• Como podemos observar, o gênero lírico é aquele que expressa um sentimento pessoal• Segundo Hegel, seu conteúdo "é a maneira como a alma, com seus juízos subjetivos, alegrias e admirações, dores e sensações, toma consciência de si mesma no âmago deste conteúdo"
  20. 20. GÊNERO LÍRICO• VEJA A SEGUIR UM EXEMPLO DE OBRA LÍRICA CUJO AUTOR É MASCULINO E O EU- LÍRICO É FEMININO.
  21. 21. Com açúcar, com afeto Chico Buarque de HolandaCom açúcar, com afetoFiz seu doce prediletoPra você parar em casaQual o quêCom seu terno mais bonitoVocê sai, não acreditoQuando diz que não se atrasa.
  22. 22. • Você diz que é um operário, sai em busca do salário Pra poder me sustentar, qual o quê! No caminho da oficina, há um bar em cada esquina Pra você comemorar, sei lá o quê!
  23. 23. Sei que alguém vai sentar juntoVocê vai puxar assuntoDiscutindo futebolE ficar olhando as saiasDe quem vive pelas praiasColoridas pelo sol
  24. 24. • Vem a noite e mais um copo, sei que alegre ma non troppo Você vai querer cantar Na caixinha um novo amigo vai bater um samba antigo Pra você rememorar
  25. 25. • Quando a noite enfim lhe cansa, você vem feito criança Pra chorar o meu perdão, qual o quê! Diz pra eu não ficar sentida, diz que vai mudar de vida Pra agradar meu coração
  26. 26. • E ao lhe ver assim cansado, maltrapilho e maltratado Como vou me aborrecer? Qual o quê! Logo vou esquentar seu prato, dou um beijo em seu retrato E abro os meus braços pra você.
  27. 27. ASSIM, OBSERVE AS MARCAS DE 1ª PESSOA ...• Quando a noite enfim lhe cansa, você vem feito criança Pra chorar o meu perdão, qual o quê! Diz pra eu não ficar sentida, diz que vai mudar de vida Pra agradar meu coração
  28. 28. • AGORA VAMOS VER UM EXEMPLO DE OBRA LÍRICA CUJO AUTOR E EU- LÍRICO SÃO FEMININOS.• OBSERVE COMO HÁ MARCAS DE GÊNERO FEMININO EM VÁRIAS PARTES DO POEMA.
  29. 29. ANA CAROLINA - GARGANTAMinha garganta estranhaQuando não te vejoMe vem um desejoDoido de gritarMinha garganta arranhaA tinta e os azulejosDo teu quarto, da cozinhaDa sala de estar (2X)
  30. 30. • Venho madrugada Perturbar teu sono Como um cão sem dono Me ponho a ladrar• Atravesso o travesseiro Te reviro pelo avesso Tua cabeça enlouqueço Faço ela rodar (2x)
  31. 31. Sei que não sou santaÀs vezes vou na cara duraÀs vezes ajo com canduraPra te conquistarMas não sou beataMe criei na ruaE não mudo minha posturaSó pra te agradar
  32. 32. • Vim parar nessa cidade Por força da circunstância Sou assim desde criança Me criei meio sem lar• Aprendi a me virar sozinha E se eu tô te dando linha É pra depois te abandonar...(4x)
  33. 33. RETOMANDO...• GÊNERO LÍRICO:• Tem a presença do eu lírico – que é a voz que fala no poema- Expressa os estados de alma, as emoções , os sentimentos vividos intensamente pelo eu lírico.- Predomínio da 1ª pessoa
  34. 34. GÊNERO DRAMÁTICOGÊNERO DRAMÁTICO
  35. 35. GÊNERO DRAMÁTICO• Drama, em grego, significa "ação".• Textos feitos para serem representados.• O Gênero Dramático se assenta em três eixos importantes: o ator, o texto e o público sem o que não há espetáculo teatral.• Segundo Aristóteles é a palavra representada
  36. 36. GÊNERO DRAMÁTICO• O Gênero Dramático compreende as seguintes modalidades: Tragédia: É a representação de ações dolorosas da condição humana, no caso são pessoas comuns. A ação visa provocar no espectador piedade e terror, terminando em geral de forma fatal. O objetivo era provocar a "catarse" ou purificação. Ex." Édipo Rei“ de Sófocles
  37. 37. ÉDIPO REI – SÓFOCLES• Oráculo de Delfos • O Oráculo de - Délfos (espécie• Morada do Deus de adivinho da Apolo antigüidade) previu que o filho de Laio (rei de Tebas) e Jocasta mataria o pai e se casaria com a mãe
  38. 38. ÉDIPO REI - SÓFOCLESPara evitar esse trágico destino:Servo de Laio deveria matá-lo abandona a criança um pastor o encontra leva-o ao rei de Corinto este o adota como seu filho
  39. 39. ÉDIPO REI - SÓFOCLES• Já adulto, Édipo fica sabendo de tal maldição e, para não matar os seus pais, foge à Tebas. No caminho é maltratado por Laio, - que também estava de viagem e que acaba sendo morto por Édipo.
  40. 40. • ÉDIPO ENCONTRA-SE COM A ESFINGE E CONSEGUE DECIFRÁ-LA.
  41. 41. Édipo Rei - Sófocles• COM A MORTE DA ESFINGE, ÉDIPO É ACLAMADO PELA POPULAÇÃO, CASA-SE COM JOCASTA E TORNA-SE REI DE TEBAS.
  42. 42. • Porém uma maldição recai sobre a cidade, os deuses enviam uma peste a cidade de Tebas, pois os homens estavam desobedecendo ao Oráculo. Édipo, preocupado com a situação envia seu cunhado, Creonte, ao Oráculo de Delfos para saber qual era a causa da peste que assolava a cidade de Tebas.
  43. 43. • A resposta do Óráculo foi que a cidade estava naquela situação por causa da morte de Laio e que para solucionar o problema o assassino deveria ser descoberto e punido.
  44. 44. • Édipo vai em busca de assassino de Laio. Ao longo da tragédia, Édipo descobre que Pólibo e Meréope não eram seus pais e que seu verdadeiro pai era Laio e sua verdadeira mãe era Jocasta.
  45. 45. • Não suportando a verdade de ser o assassino de seu pai, Édipo fura os próprios olhos para não ver sua dura realidade, e Jocasta comete suicídio.
  46. 46. Complexo de Édipo - Freud• Freud baseou-se na tragédia de Sófocles (496-406 a.C.),Édipo Rei, para formular o conceito do Complexo de Édipo, a preferência velada do filho pela mãe, acompanhada de uma aversão clara pelo pai.
  47. 47. • O complexo de Édipo é muito importante porque caracteriza a diferenciação do sujeito em relação aos pais.. A figura do pai representa a inserção da criança na cultura, é a ordem cultural. A criança também começa a perceber que o pai pertence à mãe e por isso dirige sentimentos hostis a ele.
  48. 48. COMÉDIA• De origem grega, apresentava originalmente personagens de caráter vicioso e vulgar, que protagonizavam atitudes ridículas. A comédia é uma sátira de comportamentos individuais e coletivos com o intuito moralizante.
  49. 49. COMÉDIA• Atualmente a comédia representa aspectos da vida cotidiana como tema, provocando o riso.• Ex. "As Aves" de Aristófanes; "Meno-Male!" de Juca de Oliveira; "O Juiz de Paz na Roça" e "O Noviço" de Martins Pena.
  50. 50. GÊNERO DRAMÁTICO• Tragicomédia: modalidade em que se misturam elementos trágicos e cômicos.• Farsa: pequena peça teatral, de caráter ridículo e caricatural, que crítica a sociedade e seus costumes, visando provocar o riso. Ex. "Farsa de Inês Pereira" de Gil Vicente,
  51. 51. GÊNERO ÉPICO OU NARRATIVO
  52. 52. GÊNERO ÉPICO OU NARRATIVO • A palavra "epopéia" vem do grego épos, ‘verso’+ poieô, ‘faço’ e se refere à narrativa em forma de versos, de um fato grandioso e maravilhoso que interessa a um povo.
  53. 53. O GÊNERO ÉPICO• O gênero épico: narrações de fatos grandiosos, centrados na figura de um herói. Tem a presença de um narrador• Segundo Aristóteles, a palavra narrada.
  54. 54. • é provavelmente a mais antiga das manifestações literárias. Ele surgiu quando os homens primitivos sentiram necessidade de relatar suas experiências, centradas na dura batalha de sobrevida num mundo caótico, hostil e ameaçador.
  55. 55. Os elementos essenciais ...• Na estrutura épica temos: o narrador, o qual conta a história praticada por outros no passado; a história, a sucessão de acontecimentos; as personagens, em torno das quais giram os fatos; o tempo, o qual geralmente se apresenta no passado e o espaço, local onde se dá a ação das personagens.
  56. 56. • Neste gênero, geralmente, há presença de figuras fantasiosas que ajudam ou atrapalham no curso dos acontecimentos.• Presença de mitologia greco-latina - contracenando heróis mitológicos e heróis humanos.
  57. 57. • Quando as ações são narradas por versos, temos o poema épico ou Epopeia. Dentre as principais Epopeias, temos: Ilíada e Odisséia.
  58. 58. ILÍADA E ODISSÉIA• As obras Ilíada e Odisséia são obras atribuídas ao poeta greco-romano Homero, o qual teria vivido por volta do século VIII a. C..
  59. 59. ILÍADA• A Ilíada se passa durante o décimo e último ano da guerra de Tróia e trata da ira do herói e semideus Aquiles, filho de Peleu e Tétis. A ira é causada por uma disputa entre Aquiles e Agamenom, comandante dos aqueus quando este resolve tomar a escrava Briseida de Aquiles.
  60. 60. • Helena, a mais bela mulher do mundo era casada com Menelau, rei de Esparta e irmão de Agamenon.• Quando Páris, príncipe de Tróia, foi a Esparta em missão diplomática, se enamorou de Helena e ambos fugiram para Tróia, enfurecendo Menelau.
  61. 61. • Os gregos, seguindo a estratégia proposta por Ulisses articularam um plano para resgatá-la por intermédio de um grande cavalo de madeira, chamado de Tróia, o qual é levado à cidade de mesmo nome como presente.
  62. 62. • Durante a madrugada, os soldados gregos que estavam dentro da barriga daquele animal madeirado atacam a cidade e ganham a guerra.
  63. 63. CONCLUINDO...• Assim, podemos entender que Ilíada é uma Epopeia pois:• É a narrativa de um fato histórico - A guerra de Tróia• Representado por um herói – Aquiles• Tem a presença do narrador• Tem a presença de deuses da mitologia intervindo em vários momentos
  64. 64. GÊNERO NARRATIVO• O GÊNERO NARRATIVO é visto como uma variante do Gênero Épico, enquadrando, neste caso, as narrativas em prosa.• TIPOS DE NARRATIVA:• Romance• Novela• Conto• Fábula
  65. 65. EXERCÍCIOS• VEJA OS TEXTOS ABAIXO E RELACIONE-OS AOS RESPECTIVOS GÊNEROS LITERÁRIOS .JUSTIFIQUE COM ELEMENTOS DO TEXTO.
  66. 66. MIL PERDÕES – CHICO BUARQUE• Te perdôo Por fazeres mil perguntas Que em vidas que andam juntas Ninguém faz Te perdôo Por pedires perdão Por me amares demais
  67. 67. • Te perdôo Te perdôo por ligares Pra todos os lugares De onde eu vim Te perdôo Por ergueres a mão Por bateres em mim• Te perdôo Quando anseio pelo instante de sair E rodar exuberante E me perder de ti Te perdôo Por quereres me ver Aprendendo a mentir (te mentir, te mentir)
  68. 68. • Te perdôo Por contares minhas horas Nas minhas demoras por aí Te perdôo Te perdôo porque choras Quando eu choro de rir Te perdôo Por te trair

×