Ensiso day talks

60 visualizações

Publicada em

COMO A SUA PESQUISA MUDARÁ O MUNDO NOS PRÓXIMOS 10 ANOS?
Resumos de apresentações dos professores da Área de Engenharia de Sistemas e Software (ENSISO) do Departamento de Estatística e Informática (DEINFO) da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
60
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ensiso day talks

  1. 1. Ideias, Brainstorm e Conexões EnsisoDay 2016
  2. 2. Pergunta Geradora Como a sua pesquisa pode mudar o mundo nos próximos 10 anos?
  3. 3. Auxiliando no processo de análise e extração de conhecimento biomédico e dando suporte ao diagnóstico de tumores, cânceres e doenças raras Andreza Leite andreza.lba@gmail.com “A Integração de dados é um desafio na área de genética clínica onde analistas precisam manipular múltiplas fontes de dados heterogêneas sobre domínios biológicos e clínicos. Nossa pesquisa tem como objetivo prover acesso unificado a essas diversas fontes de dados para dar suporte a variadas decisões clínicas. Neste contexto, um trabalho vem sendo realizado para o projeto e implementação de implementação de uma plataforma que permita a integração e o acesso unificado a fontes de dados heterogêneas . Nesta apresentação detalharemos a arquitetura definida para a plataforma e alguns resultados preliminares com um cenário de uso online, para processamento e anotação de variantes clínicas. Esta plataforma utiliza os principais repositórios de dados públicos de genoma, tais como OMIM, Clinvar, LOVD, ExAC6500, entre outros, e provê um serviço de acesso unificado aos dados, auxiliando no processo de análise e extração de conhecimento biomédico e dando suporte ao diagnóstico de tumores, cânceres e doenças raras.”
  4. 4. Aspectos Humanos e Métodos de Pesquisa Social de Engenheiros e Equipes de Software César França cesar@franssa.com “O manifesto ágil, há 15 anos, renovou o curso da história da engenharia de software ressaltando, dentre outras coisas, que a interação entre pessoas é um elemento FUNDAMENTAL de um processo de desenvolvimento. Antes disso, já havíamos descoberto que teorias e práticas de comportamento comportamento organizacional largamente conhecidas não eram diretamente aplicáveis à realidade das organizações de software, devido a especificidades da área. Por isso, venho trabalhando nos últimos anos no desenvolvimento de teorias substantivas sobre ASPECTOS HUMANOS e SOCIAIS de engenheiros de software NO TRABALHO. A pesquisa que venho conduzindo, embora tenha gerado gerado tímidos impactos até o momento, vem ganhando significativa relevância. Nos próximos 10 anos, ela deverá influenciar radicalmente nossa área, APRIMORANDO a forma como PESSOAS são compreendidas; EQUIPES são coordenadas; SISTEMAS são projetados; e, principalmente, como CONHECIMENTO CIENTIFICO é gerado, acumulado e evoluído na engenharia de software.”
  5. 5. Exploring power-dependence relationships in software ecosystems George Valença georgevalenca@gmail.com “Software firms have embraced coopetition by shifting to software ecosystems. Such complex and networked environment is defined as a set of businesses functioning as a unit and interacting with a shared market for software and services, together with the relationships among them. Firms co-evolve in a hub of local and/or and/or global market by acquiring new skills, sharing features and clients, and dividing development costs. The mutual dependence for survival and effectiveness generates a flow of power among parties in a software ecosystem. Hence, these networks are not randomly structured; instead, they represent a power distribution. For example, Microsoft smartly uses its sources of power to reinforce its strategic position and and impose its choices over partners such as Apple. Power and dependence reflect the operation of an ecosystem. Their in- depth analysis enables one to describe firms’ behaviour and discuss partners’ coordination. For researchers, it is a useful lens to explore ecosystem relationships. Moreover, it is a valuable tool for firms to have insights on how to evolve their participation and define sustainable governance strategies in the ecosystem.”
  6. 6. Utilizando Dados Abertos Governamentais para aumento da transparência e participação pública Kellyton Brito kellyton.brito@gmail.com “Os conceitos de transparência datam do século XVIII, e tem sido tratadas formalmente desde a década de 50, com o fortalecimento do "Right to Know" nos EUA. Desde aquela época é sabido que publicar informações governamentais tem o potencial de aumentar a participação, a colaboração cidadã e a
  7. 7. Linguagens de Programação e o ensino de Ciência da Computação Leandro Marques do Nascimento leandro.marques@gmail.com “Ciência da Computação tem tudo a ver como programação. Os conceitos fundamentais da área subentendem a existência de máquinas programáveis, executando sequências de instruções previamente definidas através de alguma linguagem. No entanto, o ensino de disciplinas fundamentais da Ciência da Computação, como lógica e algoritmos, por exemplo normalmente normalmente enfrenta desafios consideráveis, justamente porque o pensamento algorítmico não é não é desenvolvido em fases anteriores ao ensino superior. Além disso, o uso de linguagens de programação é muitas vezes visto como um conhecimento difícil de ser alcançado plenamente. Para amenizar os problemas enfrentados no ensino de lógica e programação, propõe-se a criação e uso de linguagens mais simples, normalmente descritivas, e específicas de um determinado domínio do conhecimento. As chamadas Domain-Specific Languages (DSLs) podem ajudar no ensino de programação, lógica e até disciplinas mais técnicas, como compiladores, para criação de novas novas linguagens.”
  8. 8. Desenvolvimento de abordagens de verificação baseadas em métodos formais Lucas Albertins lucas.albertins@gmail.com “O aumento da complexidade dos sistemas tem levado a um aumento na dificuldade projetá-los. A abordagem padrão para desenvolvimento, baseada em tentativa e erro, ou somente com testes não têm se mostrado suficientes. Verificação e Validação (V&V) com antecedência é reconhecida como como uma abordagem valiosa para promover confiança. Neste contexto, abordagens formais de verificação têm se provado bastante efetivas em fornecer maior confiabilidade para o projeto de sistemas. No entanto, o uso destas técnicas é bastante custoso devido a alta complexidade em lidar com notações e técnicas contra-intuitivas. Assim, esta pesquisa busca prover mecanismos que abstraiam esta dificuldade fazendo com que os interessados projetem sistemas da forma usual, mas que especificações formais possam ser extraídas de forma automática. Isto possibilita o uso de estratégias de raciocínio mais rigorosas, como também promove o uso de métodos formais para para prover sistemas mais seguros.”
  9. 9. Gerenciamento das Incertezas em Projetos de Softwares Inovadores Marcelo Marinho marcelo.marinho@ufrpe.br “A minha pesquisa pode mudar a forma como os projetos inovadores de softwares serão gerenciados. Diversas abordagens de gerenciamento de projetos não consideram o impacto que as incertezas têm na gestão do projeto. O gerente de projeto enfrenta um dilema: as decisões devem ser feitas feitas agora sobre situações futuras, que são inerentemente incertas. Incerteza em projetos é o fenômeno decorrente das limitações em perceber sinais que possam interferir no sucesso de um projeto. Esta dificuldade pode ser gerada pela falta de experiência, ausência de informações suficientes, habilidade perceptiva ou mesmo mentalidade das pessoas envolvidas no projeto. A gestão de incerteza é uma mentalidade, que enfatiza de forma pró-ativa e reflexiva de como lidar com o desconhecido.
  10. 10. Mantendo uma sintonia com o cliente para produzir cada vez mais inovação no mundo Marcos Cardoso marcos.cardoso@gmail.com “O comportamento inovador é definido como a geração intencional de um empregado, promovendo e implementando de novas ideias, produtos, processos e procedimentos dentro de um grupo de trabalho ou uma organização. Os clientes desempenham um papel importante no comportamento inovador nas organizações, uma vez que tal inovação deve atendê-los. Em pesquisa recente, foram encontrados encontrados seis arquétipos de clientes que afetam o comportamento inovador dos engenheiros de software de diferentes maneiras. A pesquisa, ainda em desenvolvimento, pretende preencher algumas lacunas: (1) Preenchimento da lacuna sobre características de clientes na engenharia de software; (2) Reforço da importância do antecedente cliente para o comportamento inovador; (3) Identificação dos clientes através de suas características, prevendo seus impactos na equipe de desenvolvimento e no aparecimento do comportamento inovador; (4) Auxílio na montagem de um time de desenvolvimento de software dependendo do perfil do cliente.”
  11. 11. Aplicação de abordagens inovadoras na resolução de problemas de pesquisa em áreas de interesse Ricardo André Cavalcante de Souza ricardo.souza@ufrpe.br “A busca pela inovação em geral envolve os seguintes aspectos: centrar no ser humano; resolução criativa de problemas; alinhamento com estratégias e objetivos de negócio; descoberta e atendimento a demandas latentes; experimentação ativa; e tecnologia como meio. O objetivo do trabalho é aplicar e avaliar abordagens inovadoras em problemas de pesquisa das seguintes áreas de interesse: processo processo de software, governança de TI, gestão de produto de software, gestão do conhecimento e processos/soluções educacionais. O trabalho de pesquisa será executado por meio de disciplinas de graduação/pós-graduação e orientação de trabalhos acadêmicos de graduação e pós-graduação. ”
  12. 12. Deep Natural Language Processing Rinaldo Lima rjlima01@gmail.com “O Processamento de Linguagem Natural (PLN) é uma subárea da Linguística Computacional que realiza a análise da linguagem humana, e baseia-se principalmente em técnicas de Machine Learning para a construção de modelos computacionais da linguagem humana, seja falada ou escrita. Técnicas Técnicas em PLN realizam a análise em várias etapas refletindo as distintas teorias linguísticas de sintaxe, semântica e pragmática. Muito já se avançou na análise sintática e, parcialmente na semântica, o que permitiu o surgimento de subárea de Text Mining ou Text Analitics. Porém, a análise pramática e de discurso ainda é um problema de pesquisa em aberto. Para a próxima década, espera-se que haja importantes descobertas de técnicas de Deep NLP eficientes que tornem viável o desenvolvimento de aplicações complexas e mude radicalmente a forma como nós humanos iremos interagir com os computadores. Tais avanços possibilitarão, entre outras, a sumarização de textos e a tradução automática com alto nível de acurácia.”
  13. 13. Combinação de testes e métodos formais Sidney sidney.ufrpe@gmail.com “Dependemos muito de software: desde o sistema de frente de caixa em uma farmácia até o sistema de controle de navegação de um avião. Considerando o papel fundamental que software tem, já se perguntou quais garantias temos hoje sobre o correto funcionamento de um software? Na maior maior parte dos sistemas o que sabemos é que o software passou/falhou em um conjunto de testes, e que existem defeitos (bugs) que serão revelados com o tempo já que não conseguimos executar todos os testes possíveis. Métodos formais consistem na aplicação de ferramentas e conceitos matemáticos para construção de software com garantias sobre suas propriedades considerando o seu modelo formal. Devido ao alto custo, são apenas utilizados em contextos onde erros podem causar perdas de vida. Seria possível combinar as garantias dos métodos formais com a praticidade de executar testes? testes? Esta palestra apresenta como temos trabalhado na combinação do uso de métodos formais e formais e testes e quais as perspectivas para o futuro.”
  14. 14. Como preparar empresas em e para tempos de crise Suzana Cândido de Barros Sampaio suzana.sampaio@gmail.com “Meu nome é Suzana Sampaio e com minha pesquisa eu ajudo Micro e Pequenas Empresas (MPE), que representam 93% de empresas do mercado de TI, a buscar alternativas para superar os desafios na gestão de projeto em ambientes complexos utilizando premissas oriundas da gestão ágil de projetos, projetos, alinhadas a melhores práticas de qualidade. Entender como os membros da equipe do projeto reagem à rotina diária, aos problemas, ao contexto, a cultura organizacional e todo o fenômeno da realidade dos projetos é o que motiva minha pesquisa para elevar a qualidade das empresas e para que possam sobreviver a essa crise e as próximas crises que elas venham a passar. Já foram, nos nos últimos 5 anos, cerca de 20 empresas que mudaram sua forma de gerenciar seus projetos usando artefatos de minha pesquisa. Minha contribuição, portanto, para mudar o mundo nos próximos 10 anos será mudar cada pequeno mundo que representa a realidade de cada MPE no Brasil de forma que possam ser mais organizadas e competitivas.”
  15. 15. Em busca de uma inovação significativa em educação além do hype tecnológico Taciana Pontual Falcão tacianapontual@gmail.com “Mais de 30 anos depois do surgimento da linguagem de programação para crianças LOGO, o pensamento computacional tem sido considerado uma habilidade fundamental na sociedade contemporânea, levando vários países a introduzirem noções de computação na educação básica. básica. Paralelamente, a quantidade de artefatos digitais com propósitos educacionais cresce a cada dia, desde jogos e robôs para ensinar lógica de programação para crianças, até interfaces tangíveis baseadas em interação e cognição corporificada e aprendizagem por descoberta. A constante inovação dos artefatos educacionais aumenta a importância da área de interação humano-computador, que busca garantir simplicidade, eficácia, fluidez e acessibilidade. Porém, os métodos educacionais mantêm-se presos a um modelo antigo. A pesquisa em Informática na Educação segue em busca de descobertas que guiem projeto e uso desses artefatos em benefício de uma aprendizagem mais mais alinhada com os nativos digitais.”
  16. 16. Social Machines: a paradigm shift to boost our Web-like existence in the world Vanilson Burégio vanilson@gmail.com “The emerging theory on social machines (SM) refers to systems that combine social processes with machine-based computation. SMs as a paradigm is in their infancy, experiencing a number of new new emerging trends and visions. The expansion of SM research has meaningful implications on what kinds of building blocks are deemed necessary for developing software. As this paradigm matures, we expect that any entity - be it software, person, or object - can be easily [re]used as a building block in the engineering of systems at different scales. Such blocks will be the future programmable computing units capable of socially connecting with each other, making relationships and determining different different levels of interactions. For the next decade, defining a common and coherent conceptual basis for understanding SMs is not only a potential step for a paradigm shift in the software engineering field, but also a key factor that, in more than one sense, will boost ourWeb-like existence in the world.”
  17. 17. 01 de Outubro de 2016 Auditório do SOFTEX/ITBC R. daGuia, 142 - Recife Antigo, Recife, PE, 50030-120
  18. 18. EnsisoDay 2016

×